SlideShare uma empresa Scribd logo
Faltavamduas semanas para o Natal e o gelo cobria os telhados das casas, os carros e os
jardins.

     Laura, cansada, agarrava-se ao corrimão gélido, enquanto olhava em seu redor. As
pessoas olhavam para as suas roupas rasgadas, sujas e gastas como se nunca tivessem visto
uma criança.

     O estômago doía-lhe de tanta fome que sentia, pois aqueles olhos doces já não viam um
pedaço de pão há muito…

      As pessoas saíam às ruas entusiasmadas com as compras que teriam de fazer e
continuavam a afastar-se dela como se tivesse uma doença contagiosa.

      D. Odete saiu à rua com o filho Miguel puxado por uma mão enquanto na outra trazia
uma lista de compras e prendas.

      - E agora mãe, onde vamos?- perguntou Miguel.

      -A loja da senhora Rosinha, tem coisas baratas e bonitas! – respondeu D. Odete convicta
de que não podia gastar muito.

      Quando entraram na loja, a senhora Rosinha saudou-as enquanto a mãe analisava quais
as meias mais baratas.

      Já um bocado farta de não encontrar nada bonito que não custasse menos de cinquenta
cêntimos, agarrou numas meias feias, número quarenta para mulher e outas, número
quarenta para homem e dirigiu-se ao balcão.

      - Mãe, tenho fome! – Miguel dizia isto enquanto tocava na barriga vazia.

      - Calma, já estamos a ir! – a D. Odete também já tinha fome, mas teve de vir, de manhã,
para não se encontrar com a sogra, mais tarde.

       Laura continuava a andar à espera de encontrar alguma moeda caída no chão ou então
teria de voltar para a tutoria, onde Elisa, uma rapariga acusada de matar a mãe à facada, a
torturava perdidamente mas, pelo menos, lá, ela comia alguma coisa.

       D. Odete tinha ido buscar pão à padaria do senhor Manuel e, quando saiu da pequena
loja, chateou-se com o filho por este estar coberto de lama e água.

      Laura continuava a andar mas, desta vez, ninguém se afastava dela, as pessoas já nem
ligavam, simplesmente ignoravam-na tanto que muita gente vinha contra ela sem se
desculpar.

       D. Odete continuava a ralhar com Miguel e quando chegaram à porta da casa e pararam,
de novo, para mais um ralhete, Laura aproximou-se, discretamente, e como ambos estavam
distraídos nem repararam na presença da rapariga que, num impulso, agarrou no pão que
permanecia numa saca plástica transparente.

      - Ei! Menina, vou fazer queixa de ti! – ameaçou a D. Odete.
Mas Miguel já tinha Laura presa com as mãos atrás das costas.

      D. Odete mandou-os entrar.

      - Tu, senta-te! E apontou o dedo à menina.

      - E tu, vai-te despir – ordenou ao filho.

       Laura sentou-se, meio tímida, no sofá velho, mas limpo que se situava na sala decorada
a azul.

      - Então… Como te chamas menina?- D. Odete não se sentia à vontade com a miúda.

      - Laura, eu peço desculpa por aquilo de há bocado…- disse medrosa.

      - Então e o que é que aconteceu aos teus país?

      - Os meus pais morreram há muito e depois eu fui para uma tutoria, mas fugi porque
não gostava de lá estar.

      - E agora, para onde vais? Se quiseres ficar aqui, tudo bem…

      - A sério?! Obrigada.

      Faltavam duas semanas para o Natal e Laura ajudou D. Odete e Miguel a decorarem
tudo, até que chegou o grande dia.

      Jantaram, abriram as prendas e divertiram-se como uma verdadeira família!



Inês Alves Nº 7 6º E

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livro da rose
Livro da roseLivro da rose
Livro da rose
rosileidems
 
A história do joão
A história do joãoA história do joão
A história do joão
HELENICEAN
 
Maria benguela e_pascoal
Maria benguela e_pascoalMaria benguela e_pascoal
Maria benguela e_pascoal
Sandra Figueiredo
 
Uma questão de cor
Uma questão de corUma questão de cor
Uma questão de cor
mariananunes1998
 
Conto natal-luisa-ducla-soares-conto
Conto natal-luisa-ducla-soares-contoConto natal-luisa-ducla-soares-conto
Conto natal-luisa-ducla-soares-conto
Ana Ferreira
 
Uma vida atrapalhada e outras coisas
Uma vida atrapalhada e outras coisasUma vida atrapalhada e outras coisas
Uma vida atrapalhada e outras coisas
Antónia Almeida ESanto
 
A visita professora emilia
A visita  professora emiliaA visita  professora emilia
A visita professora emilia
1cdepartamento
 

Mais procurados (7)

Livro da rose
Livro da roseLivro da rose
Livro da rose
 
A história do joão
A história do joãoA história do joão
A história do joão
 
Maria benguela e_pascoal
Maria benguela e_pascoalMaria benguela e_pascoal
Maria benguela e_pascoal
 
Uma questão de cor
Uma questão de corUma questão de cor
Uma questão de cor
 
Conto natal-luisa-ducla-soares-conto
Conto natal-luisa-ducla-soares-contoConto natal-luisa-ducla-soares-conto
Conto natal-luisa-ducla-soares-conto
 
Uma vida atrapalhada e outras coisas
Uma vida atrapalhada e outras coisasUma vida atrapalhada e outras coisas
Uma vida atrapalhada e outras coisas
 
A visita professora emilia
A visita  professora emiliaA visita  professora emilia
A visita professora emilia
 

Semelhante a Conto de natal

Conto natal
Conto natal Conto natal
Conto natal
becretav
 
Conto natal
Conto natal Conto natal
Conto natal
becretav
 
Escrito na parede
Escrito na paredeEscrito na parede
Escrito na parede
fantas45
 
A Lenda do Conde Drácula pdf
A Lenda do Conde Drácula pdfA Lenda do Conde Drácula pdf
A Lenda do Conde Drácula pdf
Rita Vilela
 
Um grande amor
Um grande amorUm grande amor
Um grande amor
Mensagens Virtuais
 
Um grande amor
Um grande amorUm grande amor
Um grande amor
rosana carvalho
 
Um Grande Amor
Um Grande AmorUm Grande Amor
Um Grande Amor
-
 
Artigo Professora: Elizete Maria Jacinto.
Artigo Professora: Elizete Maria Jacinto.Artigo Professora: Elizete Maria Jacinto.
Artigo Professora: Elizete Maria Jacinto.
historianoolimpio
 
Correção da composição do teste pe de laranja lima
Correção da composição do teste  pe de laranja limaCorreção da composição do teste  pe de laranja lima
Correção da composição do teste pe de laranja lima
Miguel Monteiro
 
Cheiro de feijao estrelas e sonhos
Cheiro de feijao estrelas e sonhosCheiro de feijao estrelas e sonhos
Cheiro de feijao estrelas e sonhos
Amadeu Wolff
 

Semelhante a Conto de natal (10)

Conto natal
Conto natal Conto natal
Conto natal
 
Conto natal
Conto natal Conto natal
Conto natal
 
Escrito na parede
Escrito na paredeEscrito na parede
Escrito na parede
 
A Lenda do Conde Drácula pdf
A Lenda do Conde Drácula pdfA Lenda do Conde Drácula pdf
A Lenda do Conde Drácula pdf
 
Um grande amor
Um grande amorUm grande amor
Um grande amor
 
Um grande amor
Um grande amorUm grande amor
Um grande amor
 
Um Grande Amor
Um Grande AmorUm Grande Amor
Um Grande Amor
 
Artigo Professora: Elizete Maria Jacinto.
Artigo Professora: Elizete Maria Jacinto.Artigo Professora: Elizete Maria Jacinto.
Artigo Professora: Elizete Maria Jacinto.
 
Correção da composição do teste pe de laranja lima
Correção da composição do teste  pe de laranja limaCorreção da composição do teste  pe de laranja lima
Correção da composição do teste pe de laranja lima
 
Cheiro de feijao estrelas e sonhos
Cheiro de feijao estrelas e sonhosCheiro de feijao estrelas e sonhos
Cheiro de feijao estrelas e sonhos
 

Mais de becretav

Agatha christie
Agatha christieAgatha christie
Agatha christie
becretav
 
O primeiro natal em família
O primeiro natal em famíliaO primeiro natal em família
O primeiro natal em família
becretav
 
A ilha misteriosa
A ilha misteriosaA ilha misteriosa
A ilha misteriosa
becretav
 
O primeiro natal em família
O primeiro natal em famíliaO primeiro natal em família
O primeiro natal em família
becretav
 
Logótipo agrupamento de escolas de coimbra oeste
Logótipo agrupamento de escolas de coimbra oesteLogótipo agrupamento de escolas de coimbra oeste
Logótipo agrupamento de escolas de coimbra oeste
becretav
 
Cnl regulamento 2012-2013_nv
Cnl regulamento 2012-2013_nvCnl regulamento 2012-2013_nv
Cnl regulamento 2012-2013_nv
becretav
 
Concurso nacional de leitura 12 13
Concurso nacional de leitura 12 13Concurso nacional de leitura 12 13
Concurso nacional de leitura 12 13
becretav
 
Concurso nacional de_leitura_12-13
Concurso nacional de_leitura_12-13Concurso nacional de_leitura_12-13
Concurso nacional de_leitura_12-13
becretav
 
Bom ano letivo
Bom ano letivoBom ano letivo
Bom ano letivo
becretav
 
Encontro com maria joão lopo de carvalho
Encontro com maria joão lopo de carvalho Encontro com maria joão lopo de carvalho
Encontro com maria joão lopo de carvalho
becretav
 
Concurso Poesia na Escola
Concurso Poesia na EscolaConcurso Poesia na Escola
Concurso Poesia na Escola
becretav
 
Entrega dos diplomas aos vencedores do (2)
Entrega dos diplomas aos vencedores do (2)Entrega dos diplomas aos vencedores do (2)
Entrega dos diplomas aos vencedores do (2)
becretav
 
Casas bioclimáticas
Casas bioclimáticas Casas bioclimáticas
Casas bioclimáticas
becretav
 
Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.
becretav
 
Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.
becretav
 
Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.
becretav
 
Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.
becretav
 
Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.
becretav
 
Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.
becretav
 
Encontro com Pedro Seromenho.
Encontro com Pedro Seromenho.Encontro com Pedro Seromenho.
Encontro com Pedro Seromenho.
becretav
 

Mais de becretav (20)

Agatha christie
Agatha christieAgatha christie
Agatha christie
 
O primeiro natal em família
O primeiro natal em famíliaO primeiro natal em família
O primeiro natal em família
 
A ilha misteriosa
A ilha misteriosaA ilha misteriosa
A ilha misteriosa
 
O primeiro natal em família
O primeiro natal em famíliaO primeiro natal em família
O primeiro natal em família
 
Logótipo agrupamento de escolas de coimbra oeste
Logótipo agrupamento de escolas de coimbra oesteLogótipo agrupamento de escolas de coimbra oeste
Logótipo agrupamento de escolas de coimbra oeste
 
Cnl regulamento 2012-2013_nv
Cnl regulamento 2012-2013_nvCnl regulamento 2012-2013_nv
Cnl regulamento 2012-2013_nv
 
Concurso nacional de leitura 12 13
Concurso nacional de leitura 12 13Concurso nacional de leitura 12 13
Concurso nacional de leitura 12 13
 
Concurso nacional de_leitura_12-13
Concurso nacional de_leitura_12-13Concurso nacional de_leitura_12-13
Concurso nacional de_leitura_12-13
 
Bom ano letivo
Bom ano letivoBom ano letivo
Bom ano letivo
 
Encontro com maria joão lopo de carvalho
Encontro com maria joão lopo de carvalho Encontro com maria joão lopo de carvalho
Encontro com maria joão lopo de carvalho
 
Concurso Poesia na Escola
Concurso Poesia na EscolaConcurso Poesia na Escola
Concurso Poesia na Escola
 
Entrega dos diplomas aos vencedores do (2)
Entrega dos diplomas aos vencedores do (2)Entrega dos diplomas aos vencedores do (2)
Entrega dos diplomas aos vencedores do (2)
 
Casas bioclimáticas
Casas bioclimáticas Casas bioclimáticas
Casas bioclimáticas
 
Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.
 
Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.
 
Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.
 
Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.
 
Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.
 
Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.Encontro com pedro seromenho.
Encontro com pedro seromenho.
 
Encontro com Pedro Seromenho.
Encontro com Pedro Seromenho.Encontro com Pedro Seromenho.
Encontro com Pedro Seromenho.
 

Conto de natal

  • 1. Faltavamduas semanas para o Natal e o gelo cobria os telhados das casas, os carros e os jardins. Laura, cansada, agarrava-se ao corrimão gélido, enquanto olhava em seu redor. As pessoas olhavam para as suas roupas rasgadas, sujas e gastas como se nunca tivessem visto uma criança. O estômago doía-lhe de tanta fome que sentia, pois aqueles olhos doces já não viam um pedaço de pão há muito… As pessoas saíam às ruas entusiasmadas com as compras que teriam de fazer e continuavam a afastar-se dela como se tivesse uma doença contagiosa. D. Odete saiu à rua com o filho Miguel puxado por uma mão enquanto na outra trazia uma lista de compras e prendas. - E agora mãe, onde vamos?- perguntou Miguel. -A loja da senhora Rosinha, tem coisas baratas e bonitas! – respondeu D. Odete convicta de que não podia gastar muito. Quando entraram na loja, a senhora Rosinha saudou-as enquanto a mãe analisava quais as meias mais baratas. Já um bocado farta de não encontrar nada bonito que não custasse menos de cinquenta cêntimos, agarrou numas meias feias, número quarenta para mulher e outas, número quarenta para homem e dirigiu-se ao balcão. - Mãe, tenho fome! – Miguel dizia isto enquanto tocava na barriga vazia. - Calma, já estamos a ir! – a D. Odete também já tinha fome, mas teve de vir, de manhã, para não se encontrar com a sogra, mais tarde. Laura continuava a andar à espera de encontrar alguma moeda caída no chão ou então teria de voltar para a tutoria, onde Elisa, uma rapariga acusada de matar a mãe à facada, a torturava perdidamente mas, pelo menos, lá, ela comia alguma coisa. D. Odete tinha ido buscar pão à padaria do senhor Manuel e, quando saiu da pequena loja, chateou-se com o filho por este estar coberto de lama e água. Laura continuava a andar mas, desta vez, ninguém se afastava dela, as pessoas já nem ligavam, simplesmente ignoravam-na tanto que muita gente vinha contra ela sem se desculpar. D. Odete continuava a ralhar com Miguel e quando chegaram à porta da casa e pararam, de novo, para mais um ralhete, Laura aproximou-se, discretamente, e como ambos estavam distraídos nem repararam na presença da rapariga que, num impulso, agarrou no pão que permanecia numa saca plástica transparente. - Ei! Menina, vou fazer queixa de ti! – ameaçou a D. Odete.
  • 2. Mas Miguel já tinha Laura presa com as mãos atrás das costas. D. Odete mandou-os entrar. - Tu, senta-te! E apontou o dedo à menina. - E tu, vai-te despir – ordenou ao filho. Laura sentou-se, meio tímida, no sofá velho, mas limpo que se situava na sala decorada a azul. - Então… Como te chamas menina?- D. Odete não se sentia à vontade com a miúda. - Laura, eu peço desculpa por aquilo de há bocado…- disse medrosa. - Então e o que é que aconteceu aos teus país? - Os meus pais morreram há muito e depois eu fui para uma tutoria, mas fugi porque não gostava de lá estar. - E agora, para onde vais? Se quiseres ficar aqui, tudo bem… - A sério?! Obrigada. Faltavam duas semanas para o Natal e Laura ajudou D. Odete e Miguel a decorarem tudo, até que chegou o grande dia. Jantaram, abriram as prendas e divertiram-se como uma verdadeira família! Inês Alves Nº 7 6º E