SlideShare uma empresa Scribd logo
Biologia, 2º Normal
Isabelle Nied | Jennifer Ferreira
Células Tronco
Todos nós temos células-
tronco no organismo. Elas são
as responsáveis por parte da
renovação celular que ocorre
continuamente em nosso
corpo, sendo abundantes, por
exemplo, na medula óssea.


As células-tronco são células especiais que
ainda não se diferenciaram em uma célula
especializada como uma célula nervosa ou
muscular. Com isso, elas carregam a
capacidade de dar origem a diversos outros
tipos de células, de diferentes órgãos e
tecidos, como pele, coração, células
sanguíneas, etc. Essa capacidade única
contribui para a reparação de tecidos
danificados ou substituição de células mortas
em diferentes partes do corpo.
O que são?
Por que as células-tronco são tão
importantes?
As células-tronco têm a capacidade de se multiplicar e gerar outras
células-tronco, que vão se diferenciar de acordo com os estímulos do
tecido em que são colocadas. Assim, uma célula-tronco que vai para o
tecido cardíaco se transforma em células daquele órgão. Essa
característica faz com que as células-tronco formem uma excelente
linha de produção e renovação dos tecidos, com grande poder
regenerativo.
Essas propriedades são usadas pela medicina para tratar algumas
doenças e também em pesquisas que buscam entender como
algumas condições se desenvolvem. Dessa forma, é possível criar
tratamentos mais eficientes e com melhores resultados, contribuindo
para o aumento da qualidade de vida dos pacientes.
EMBRIONÁRIAS ADULTAS
Quais são os tipos de células-
troncos?


As células-tronco se dividem em dois grupos principais:
embrionárias e adultas. A diferença entre elas está no estágio de
desenvolvimento, ou seja, se são coletadas de embriões ou
humanos já completamente formados — bebês, crianças, adultos
ou idosos.
Células-tronco embrionárias
As células-tronco embrionárias são encontradas nos estágios iniciais da formação do embrião,
entre o quarto e quinto dia após a fecundação, no estágio conhecido como blastocisto. Elas
possuem a capacidade de se transformarem em qualquer tipo de célula do corpo humano, já
que dão origem ao bebê, com todos os seus órgãos.
As células-tronco embrionárias têm portanto, uma potencialidade que confere a elas uma ampla
capacidade terapêutica, já demonstrada em experimentos com modelos animais. No entanto, a
coleta de células-tronco embrionárias implica na destruição de embriões, o que tem implicações
éticas para o uso em pesquisas e transplante em seres humanos.
Células-tronco adultas
As células-tronco adultas têm capacidade de diferenciação menor que as embrionárias porém ainda
assim, podem ser diferenciar em mais de 200 tipos diferentes de células e tecidos. Elas são encontradas
principalmente na medula óssea e no cordão umbilical, mas cada órgão também tem um pouco dessas
células, que atuam na renovação e substituição daquelas que vão morrendo.
Desde 2007, é possível criar células-tronco adultas a partir de outras células do corpo humano, usando
técnicas de reprogramação. São as chamadas células-tronco pluripotentes induzidas. A técnica foi
desenvolvida pelo biólogo inglês John Gurdon e o médico japonês Shinya Yamanaka. Eles ganharam um
Nobel de medicina, em 2012, pela pesquisa dessas células. As células produzidas em laboratório podem
facilitar o andamento das pesquisas e aumentar o número de doenças tratadas.
Células troncos
Quais são as propriedades das células-tronco
para tratamentos de saúde?
A lógica por trás dos tratamentos com células-tronco é simples e potente: como
elas conseguem se multiplicar e se diferenciar em células de outros tecidos e
órgãos, podem ser usadas para substituir as células doentes em diversas partes do
corpo, restaurando o funcionamento do tecido comprometido.


Tendo como base esse princípio, vários tratamentos prometem revolucionar a
medicina no controle de doenças graves e atualmente sem cura, como a fibrose
cística e a doença de Parkinson. Outros tratamentos, como o transplante de
medula, já estão bem estabelecidos em todo o mundo há mais de duas décadas,
colecionando diversas histórias de sucesso no combate às doenças sanguíneas,
incluindo leucemias, falências medulares e deficiências congênitas do sistema
imunológico.


Atualmente, mais de 80 doenças podem ser tratadas com o uso de células-tronco
e outras estão em estudo, como autismo, AVC, diabetes e paralisia cerebral.
Pesquisas para
tratamento de doenças
com células-tronco
Por que armazenar células-
tronco do cordão umbilical?
O tratamento mais comum com células-tronco é o transplante de medula. Estima-se que a chance
de uma pessoa precisar desse procedimento ao longo da vida possa chegar a 1 em 217. Um número
aparentemente baixo, mas que supera o de outras doenças que geram grande preocupação nos pais
durante a gravidez, como a síndrome de Down — que afeta 1 em cada 700 bebês brasileiros — e a
fibrose cística, que, no Brasil, tem uma incidência de 1 para cada 10 mil pessoas.
Quando as células-tronco são armazenadas, ganha-se uma nova possibilidade de fonte de células
para o tratamento contra diversas doenças, tanto para a criança quanto para algum familiar direto,
como irmãos ou irmãs. Para o bebê, a compatibilidade dessas células é de 100%, já que ela doa para si
mesma. E para os irmãos com mesmo pai e mesma mãe, a probabilidade de compatibilidade é de
25%.
Além disso, as células-tronco do cordão umbilical são mais imaturas, sendo mais tolerantes
imunologicamente que as células-tronco da medula, permitindo que o transplante seja feito mesmo
quando a compatibilidade é um pouco menor que 100%. Outra vantagem é que a coleta é simples e
indolor, tanto para a mamãe quanto para o bebê, aproveitando o cordão umbilical que seria
descartado após o parto.
diabetes tipos 1 e 2;
complicações pós-transplante;
cirrose hepática;
infarto do miocárdio;
esclerose lateral amiotrófica;
lesões esportivas.
As células-tronco do tecido do cordão também merecem uma atenção especial,
devido ao seu grande potencial terapêutico. O tecido do cordão é rico em células-tronco
mesenquimais, com a vantagem de essas células serem muito jovens, ou seja, não
passaram por muitos processos de divisão celular e não tiveram contato com vírus,
mantendo sua integridade cromossômica, o que reduz os riscos de mutações genéticas.
Essas células começaram a ser utilizadas pela ciência mais recentemente que as coletas do
sangue do cordão e, embora ainda não tenham chegado à prática médica, vêm sendo
estudadas há mais de 10 anos para investigar seu uso no tratamento de doenças
extremamente comuns na nossa população, como:
Células-tronco do tecido do
cordão umbilical
A coleta de células-tronco do
cordão umbilical não pode ser
feita quando o bebê nasce
prematuro, com menos de 32
semanas de idade
gestacional. A proibição está
prevista na RDC 153, de 14 de
junho de 2004, da ANVISA.


Qualquer situação durante o
parto que interfira na saúde
da criança é prioridade. Assim,
antes da coleta, é preciso que
nasça um bebê sadio. Um
bom acompanhamento pré-
natal é o primeiro passo para
o sucesso dessa coleta.
Assim que chega ao laboratório, o material coletado é processado e analisado antes de ir
para a etapa de armazenamento, passando por um controle de qualidade. É verificado o
número de células-tronco presente e são realizados exames de sorologia e cultura, para
indicar se há qualquer contaminação por vírus ou bactérias naquele material.


As células-tronco do sangue são isoladas e armazenadas por meio da técnica de
criopreservação — a temperatura é reduzida lentamente com nitrogênio líquido até chegar a
-196ºC. Por meio dessa técnica, a integridade das células é preservada, e elas podem ser
mantidas nesse estado por anos, sem perder suas características funcionais e de viabilidade.


As células-tronco mesenquimais coletadas do cordão podem ser isoladas antes da
criopreservação ou pode-se congelar o tecido como um todo, planejando o isolamento
apenas no momento em que as células forem ser utilizadas no futuro. A técnica escolhida
depende de cada laboratório.
Como é feito o armazenamento das células-tronco?
A literatura científica relata a viabilidade de
células-tronco do sangue do cordão umbilical
criopreservadas há mais de 25 anos. Isso sugere
que, uma vez criopreservadas nas condições
corretas, as células-tronco podem permanecer
viáveis por tempo indefinido.
Devido à facilidade de coleta, à riqueza do material e ao seu grande potencial
terapêutico, não há dúvida, na comunidade científica, de que as células-tronco do
cordão umbilical devam ser coletadas ao nascimento e armazenadas, seja em um
banco privado ou público.
Em um contexto de transplante de medula, o sangue de cordão — por vir de um
recém-nascido — tem como grande vantagem o fato de ser muito tolerante
imunologicamente, tendo menos complicações ao longo da vida do paciente
transplantado. Por isso, os resultados são melhores em longo prazo.
O tratamento com células-tronco retiradas do cordão umbilical já tem a capacidade
de regenerar a medulas de um pacientes com uma doença grave, o que mostra
quão poderosas essas células são.
Conclusão:

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Células troncos

CORDVIDA : Células-Tronco
CORDVIDA : Células-TroncoCORDVIDA : Células-Tronco
CORDVIDA : Células-Tronco
CORDVIDA
 
Célula tronco
Célula troncoCélula tronco
Célula tronco
Flávio Lima
 
Células tronco
Células troncoCélulas tronco
Células tronco
Silvio Santos
 
Células–tronco
Células–troncoCélulas–tronco
Células–tronco
Alana Silva
 
Elison 7b
Elison 7bElison 7b
Elison 7b
pptmeirelles
 
3S_Células tronco ppt
3S_Células tronco  ppt3S_Células tronco  ppt
3S_Células tronco ppt
Ionara Urrutia Moura
 
Stephany 7a
Stephany 7aStephany 7a
Stephany 7a
pptmeirelles
 
Stephany
StephanyStephany
Stephany
pptmeirelles
 
Células 01 reinaldo
Células 01 reinaldoCélulas 01 reinaldo
Células 01 reinaldo
Reinaldo Almeida
 
Células-tronco (2ª webquest de Informática)
Células-tronco (2ª webquest de Informática)Células-tronco (2ª webquest de Informática)
Células-tronco (2ª webquest de Informática)
Cinthya Nayara
 
Células estaminais
Células estaminaisCélulas estaminais
Células estaminais
12anogolega
 
Células-tronco derivadas de tecido adiposo: isolamento, cultivo in vitro e pe...
Células-tronco derivadas de tecido adiposo: isolamento, cultivo in vitro e pe...Células-tronco derivadas de tecido adiposo: isolamento, cultivo in vitro e pe...
Células-tronco derivadas de tecido adiposo: isolamento, cultivo in vitro e pe...
MAIQUELE SANTANA
 
Naiane rodrigues 7b
Naiane rodrigues 7bNaiane rodrigues 7b
Naiane rodrigues 7b
pptmeirelles
 
Naiane rodrigues 7b
Naiane rodrigues 7bNaiane rodrigues 7b
Naiane rodrigues 7b
pptmeirelles
 
Celulas tronco
Celulas troncoCelulas tronco
Celulas tronco
batepapoespirita
 
64 células tronco e a doutrina espírita
64 células tronco e a doutrina espírita64 células tronco e a doutrina espírita
64 células tronco e a doutrina espírita
Antonio SSantos
 
Biotecnologiaatualizadokatiaqueiroz
BiotecnologiaatualizadokatiaqueirozBiotecnologiaatualizadokatiaqueiroz
Biotecnologiaatualizadokatiaqueiroz
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Células troncos e trangênicas
Células troncos e trangênicasCélulas troncos e trangênicas
Células troncos e trangênicas
Franzinha Silva
 
Célula 7 b
Célula 7 bCélula 7 b
Célula 7 b
pptmeirelles
 
Temas para apresentações orais 12º
Temas para apresentações orais 12ºTemas para apresentações orais 12º
Temas para apresentações orais 12º
RitaGoulartS
 

Semelhante a Células troncos (20)

CORDVIDA : Células-Tronco
CORDVIDA : Células-TroncoCORDVIDA : Células-Tronco
CORDVIDA : Células-Tronco
 
Célula tronco
Célula troncoCélula tronco
Célula tronco
 
Células tronco
Células troncoCélulas tronco
Células tronco
 
Células–tronco
Células–troncoCélulas–tronco
Células–tronco
 
Elison 7b
Elison 7bElison 7b
Elison 7b
 
3S_Células tronco ppt
3S_Células tronco  ppt3S_Células tronco  ppt
3S_Células tronco ppt
 
Stephany 7a
Stephany 7aStephany 7a
Stephany 7a
 
Stephany
StephanyStephany
Stephany
 
Células 01 reinaldo
Células 01 reinaldoCélulas 01 reinaldo
Células 01 reinaldo
 
Células-tronco (2ª webquest de Informática)
Células-tronco (2ª webquest de Informática)Células-tronco (2ª webquest de Informática)
Células-tronco (2ª webquest de Informática)
 
Células estaminais
Células estaminaisCélulas estaminais
Células estaminais
 
Células-tronco derivadas de tecido adiposo: isolamento, cultivo in vitro e pe...
Células-tronco derivadas de tecido adiposo: isolamento, cultivo in vitro e pe...Células-tronco derivadas de tecido adiposo: isolamento, cultivo in vitro e pe...
Células-tronco derivadas de tecido adiposo: isolamento, cultivo in vitro e pe...
 
Naiane rodrigues 7b
Naiane rodrigues 7bNaiane rodrigues 7b
Naiane rodrigues 7b
 
Naiane rodrigues 7b
Naiane rodrigues 7bNaiane rodrigues 7b
Naiane rodrigues 7b
 
Celulas tronco
Celulas troncoCelulas tronco
Celulas tronco
 
64 células tronco e a doutrina espírita
64 células tronco e a doutrina espírita64 células tronco e a doutrina espírita
64 células tronco e a doutrina espírita
 
Biotecnologiaatualizadokatiaqueiroz
BiotecnologiaatualizadokatiaqueirozBiotecnologiaatualizadokatiaqueiroz
Biotecnologiaatualizadokatiaqueiroz
 
Células troncos e trangênicas
Células troncos e trangênicasCélulas troncos e trangênicas
Células troncos e trangênicas
 
Célula 7 b
Célula 7 bCélula 7 b
Célula 7 b
 
Temas para apresentações orais 12º
Temas para apresentações orais 12ºTemas para apresentações orais 12º
Temas para apresentações orais 12º
 

Células troncos

  • 1. Biologia, 2º Normal Isabelle Nied | Jennifer Ferreira Células Tronco
  • 2. Todos nós temos células- tronco no organismo. Elas são as responsáveis por parte da renovação celular que ocorre continuamente em nosso corpo, sendo abundantes, por exemplo, na medula óssea. As células-tronco são células especiais que ainda não se diferenciaram em uma célula especializada como uma célula nervosa ou muscular. Com isso, elas carregam a capacidade de dar origem a diversos outros tipos de células, de diferentes órgãos e tecidos, como pele, coração, células sanguíneas, etc. Essa capacidade única contribui para a reparação de tecidos danificados ou substituição de células mortas em diferentes partes do corpo. O que são?
  • 3. Por que as células-tronco são tão importantes? As células-tronco têm a capacidade de se multiplicar e gerar outras células-tronco, que vão se diferenciar de acordo com os estímulos do tecido em que são colocadas. Assim, uma célula-tronco que vai para o tecido cardíaco se transforma em células daquele órgão. Essa característica faz com que as células-tronco formem uma excelente linha de produção e renovação dos tecidos, com grande poder regenerativo. Essas propriedades são usadas pela medicina para tratar algumas doenças e também em pesquisas que buscam entender como algumas condições se desenvolvem. Dessa forma, é possível criar tratamentos mais eficientes e com melhores resultados, contribuindo para o aumento da qualidade de vida dos pacientes.
  • 4. EMBRIONÁRIAS ADULTAS Quais são os tipos de células- troncos? As células-tronco se dividem em dois grupos principais: embrionárias e adultas. A diferença entre elas está no estágio de desenvolvimento, ou seja, se são coletadas de embriões ou humanos já completamente formados — bebês, crianças, adultos ou idosos.
  • 5. Células-tronco embrionárias As células-tronco embrionárias são encontradas nos estágios iniciais da formação do embrião, entre o quarto e quinto dia após a fecundação, no estágio conhecido como blastocisto. Elas possuem a capacidade de se transformarem em qualquer tipo de célula do corpo humano, já que dão origem ao bebê, com todos os seus órgãos. As células-tronco embrionárias têm portanto, uma potencialidade que confere a elas uma ampla capacidade terapêutica, já demonstrada em experimentos com modelos animais. No entanto, a coleta de células-tronco embrionárias implica na destruição de embriões, o que tem implicações éticas para o uso em pesquisas e transplante em seres humanos.
  • 6. Células-tronco adultas As células-tronco adultas têm capacidade de diferenciação menor que as embrionárias porém ainda assim, podem ser diferenciar em mais de 200 tipos diferentes de células e tecidos. Elas são encontradas principalmente na medula óssea e no cordão umbilical, mas cada órgão também tem um pouco dessas células, que atuam na renovação e substituição daquelas que vão morrendo. Desde 2007, é possível criar células-tronco adultas a partir de outras células do corpo humano, usando técnicas de reprogramação. São as chamadas células-tronco pluripotentes induzidas. A técnica foi desenvolvida pelo biólogo inglês John Gurdon e o médico japonês Shinya Yamanaka. Eles ganharam um Nobel de medicina, em 2012, pela pesquisa dessas células. As células produzidas em laboratório podem facilitar o andamento das pesquisas e aumentar o número de doenças tratadas.
  • 8. Quais são as propriedades das células-tronco para tratamentos de saúde? A lógica por trás dos tratamentos com células-tronco é simples e potente: como elas conseguem se multiplicar e se diferenciar em células de outros tecidos e órgãos, podem ser usadas para substituir as células doentes em diversas partes do corpo, restaurando o funcionamento do tecido comprometido. Tendo como base esse princípio, vários tratamentos prometem revolucionar a medicina no controle de doenças graves e atualmente sem cura, como a fibrose cística e a doença de Parkinson. Outros tratamentos, como o transplante de medula, já estão bem estabelecidos em todo o mundo há mais de duas décadas, colecionando diversas histórias de sucesso no combate às doenças sanguíneas, incluindo leucemias, falências medulares e deficiências congênitas do sistema imunológico. Atualmente, mais de 80 doenças podem ser tratadas com o uso de células-tronco e outras estão em estudo, como autismo, AVC, diabetes e paralisia cerebral.
  • 9. Pesquisas para tratamento de doenças com células-tronco
  • 10. Por que armazenar células- tronco do cordão umbilical? O tratamento mais comum com células-tronco é o transplante de medula. Estima-se que a chance de uma pessoa precisar desse procedimento ao longo da vida possa chegar a 1 em 217. Um número aparentemente baixo, mas que supera o de outras doenças que geram grande preocupação nos pais durante a gravidez, como a síndrome de Down — que afeta 1 em cada 700 bebês brasileiros — e a fibrose cística, que, no Brasil, tem uma incidência de 1 para cada 10 mil pessoas. Quando as células-tronco são armazenadas, ganha-se uma nova possibilidade de fonte de células para o tratamento contra diversas doenças, tanto para a criança quanto para algum familiar direto, como irmãos ou irmãs. Para o bebê, a compatibilidade dessas células é de 100%, já que ela doa para si mesma. E para os irmãos com mesmo pai e mesma mãe, a probabilidade de compatibilidade é de 25%. Além disso, as células-tronco do cordão umbilical são mais imaturas, sendo mais tolerantes imunologicamente que as células-tronco da medula, permitindo que o transplante seja feito mesmo quando a compatibilidade é um pouco menor que 100%. Outra vantagem é que a coleta é simples e indolor, tanto para a mamãe quanto para o bebê, aproveitando o cordão umbilical que seria descartado após o parto.
  • 11. diabetes tipos 1 e 2; complicações pós-transplante; cirrose hepática; infarto do miocárdio; esclerose lateral amiotrófica; lesões esportivas. As células-tronco do tecido do cordão também merecem uma atenção especial, devido ao seu grande potencial terapêutico. O tecido do cordão é rico em células-tronco mesenquimais, com a vantagem de essas células serem muito jovens, ou seja, não passaram por muitos processos de divisão celular e não tiveram contato com vírus, mantendo sua integridade cromossômica, o que reduz os riscos de mutações genéticas. Essas células começaram a ser utilizadas pela ciência mais recentemente que as coletas do sangue do cordão e, embora ainda não tenham chegado à prática médica, vêm sendo estudadas há mais de 10 anos para investigar seu uso no tratamento de doenças extremamente comuns na nossa população, como: Células-tronco do tecido do cordão umbilical
  • 12. A coleta de células-tronco do cordão umbilical não pode ser feita quando o bebê nasce prematuro, com menos de 32 semanas de idade gestacional. A proibição está prevista na RDC 153, de 14 de junho de 2004, da ANVISA. Qualquer situação durante o parto que interfira na saúde da criança é prioridade. Assim, antes da coleta, é preciso que nasça um bebê sadio. Um bom acompanhamento pré- natal é o primeiro passo para o sucesso dessa coleta.
  • 13. Assim que chega ao laboratório, o material coletado é processado e analisado antes de ir para a etapa de armazenamento, passando por um controle de qualidade. É verificado o número de células-tronco presente e são realizados exames de sorologia e cultura, para indicar se há qualquer contaminação por vírus ou bactérias naquele material. As células-tronco do sangue são isoladas e armazenadas por meio da técnica de criopreservação — a temperatura é reduzida lentamente com nitrogênio líquido até chegar a -196ºC. Por meio dessa técnica, a integridade das células é preservada, e elas podem ser mantidas nesse estado por anos, sem perder suas características funcionais e de viabilidade. As células-tronco mesenquimais coletadas do cordão podem ser isoladas antes da criopreservação ou pode-se congelar o tecido como um todo, planejando o isolamento apenas no momento em que as células forem ser utilizadas no futuro. A técnica escolhida depende de cada laboratório. Como é feito o armazenamento das células-tronco? A literatura científica relata a viabilidade de células-tronco do sangue do cordão umbilical criopreservadas há mais de 25 anos. Isso sugere que, uma vez criopreservadas nas condições corretas, as células-tronco podem permanecer viáveis por tempo indefinido.
  • 14. Devido à facilidade de coleta, à riqueza do material e ao seu grande potencial terapêutico, não há dúvida, na comunidade científica, de que as células-tronco do cordão umbilical devam ser coletadas ao nascimento e armazenadas, seja em um banco privado ou público. Em um contexto de transplante de medula, o sangue de cordão — por vir de um recém-nascido — tem como grande vantagem o fato de ser muito tolerante imunologicamente, tendo menos complicações ao longo da vida do paciente transplantado. Por isso, os resultados são melhores em longo prazo. O tratamento com células-tronco retiradas do cordão umbilical já tem a capacidade de regenerar a medulas de um pacientes com uma doença grave, o que mostra quão poderosas essas células são. Conclusão: