SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 69
Coordenação pedagógica
Janielle Morais
Localizar informação
explícita.
Entrevista com Priscila Casale, publicada na edição nº
433, fevereiro de 2013.
Mais uma vez a juventude é destacada como tema
da Campanha da Fraternidade, como já havia sido em
1992. Desde aquela Campanha, talvez o que mais chame
a atenção é a diversidade de jovens ou dos diferentes
modos de ser jovem na contemporaneidade. Mas, se no
início dos anos 1990, os “caras pintadas” saíam às ruas
para se manifestar por ética e justiça na política, hoje a
compreensão da juventude como sujeito de direitos é
uma realidade que se afirma. É o que se conclui após a
realização da 2ª Conferência Nacional de Juventude,
conforme relata Priscila Casale, da União Municipal dos
Estudantes Secundaristas (UMES), São Paulo.
a) esperar pacientemente que se complete a
passagem fisiológica e emocional da infância para
a vida adulta.
b) preservar as tradições de seu povo de forma a
garantir a mobilização deste em favor de uma
causa.
c) aprofundar a relação dela com o mundo,
entendendo qual é a sua identidade e qual é o
seu dever.
d) modificar a realidade, comprometer-se, formular
novas ideias e influenciar o povo a agir em favor
de algo.
Inferir uma informação
em um texto verbal.
Se uma nave extraterrestre invadisse o espaço aéreo da
Terra, com certeza seus tripulantes diriam que neste
planeta não habita uma civilização inteligente, tamanho é
o grau de destruição dos recursos naturais. Essas são
palavras de um renomado cientista americano. Apesar dos
avanços obtidos, a humanidade ainda não descobriu os
valores fundamentais da existência.
O que chamamos orgulhosamente de civilização nada
mais é do que uma agressão às coisas naturais. A grosso
modo, a tal civilização significa a devastação das florestas,
a poluição dos rios, o envenenamento das terras e a
deterioração da qualidade do ar. O que chamamos de
progresso não passa de uma degradação deliberada e
sistemática que o homem vem promovendo há muito
tempo, uma autêntica guerra contra a natureza.
AFRÂNIO PRIMO.
Jornal Madhva(adaptado).Disponível em http:www.syntonia.
com/textos/textoseecologia/problemaecológico.htm–(Censo 2006)
a) a vida neste planeta.
b) a qualidade do espaço aéreo.
c) o que pensam os extraterrestres.
d) o seu prestígio no mundo.
Inferir o sentido de uma
palavra ou expressão.
a) indiferente
b) assustado
c) satisfeito
d) conformado
Interpretar textos não verbais e
textos que articulam elementos
verbais e não verbais.
a) inveja
b) coragem
c) solidariedade
d) ciúme
Identificar o tema ou
o assunto do texto.
a) a oposição entre o modo de pensar e agir.
b) a rapidez da comunicação na Era da
Informática.
c) a comunicação e sua importância na vida
das pessoas.
d) a massificação do pensamento na
sociedade moderna.
Distinguir fato de opinião
relativa ao fato.
Tênis – O tenista brasileiro Thomaz Belucci foi
eliminado nas oitavas do Torneio de
Washington, nos EUA, pelo cipriota Marcos
Baghadatis por 2 sets a 1 (3/6, 6/3 e 6/2). Foi a
segunda partida no mesmo dia do paulista, que
culpou o desgaste físico pelo revés. Já João
Souza, o Feijão, parou nas semifinais do ATP de
Kitzbuhel, na Áustria. Ele perdeu para o
português Robin Haase por 2 sets a 1, com
parciais de 6-1, 6/7 (3-7) e 6-4. Mesmo assim,
Feijão aparecerá, na segunda, entre os 100
melhores tenistas do mundo.
a) Foi a segunda partida do mesmo dia.
b) Por causa do desgaste físico.
c) Perdeu para o holandês Robin Haase.
d) Porque parou nas semifinais do ATP
Diferenciar a informação
principal das secundárias em
um texto.
Cassius Oliveira
Especial para a Folha
Nós, os jovens que iniciamos numa carreira profissional,
temos uma série de dificuldades pela frente. A primeira delas é
encontrar uma empresa que queira contratar-nos sem termos
qualquer experiência. Outro obstáculo é o relacionamento com
os colegas de trabalho. Eles são pessoas novas, diferentes de
nós. Por último, há o problema de nós estarmos num espaço
diferente daquele da escola. O ambiente de trabalho é cheio de
responsabilidades e de obrigações e exige um rápido
amadurecimento.
É difícil ter esse amadurecimento em um curto espaço de
tempo e, infelizmente, a vida é um pouco injusta. Assim, temos
de escolher entre amadurecer rapidamente e ser passado para
trás por alguém com mais experiência.
O mercado de trabalho é muito competitivo, e não há tempo
para quem não corre atrás de seus sonhos ou batalha por eles.
a) a iniciação profissional dos jovens é marcada
por dificuldades.
b) é difícil encontrar uma empresa que contrate
jovens sem experiência.
c) relacionar-se com os colegas é difícil em razão
das diferenças pessoais.
d) o ambiente de trabalho é diferente do
ambiente da escola.
Formular hipóteses sobre
o conteúdo do texto.
Trecho extraído de entrevista com Priscila Casale,
publicada na edição nº 433, fevereiro de 2013.
Por conta das características da juventude, é um
período da vida bastante complicado, mas também
maravilhoso: é quando começamos a contraditar a
ordem das coisas, das regras da sociedade. Eu
acredito que para o desenvolvimento do indivíduo na
sua plenitude, e para o mundo, para os desafios que o
mundo tem, para a história da humanidade como um
todo, a juventude cumpre um papel fundamental.
Quanto aos problemas que a juventude sofre, acho
que são os mesmos que a sociedade no geral sofre.
Porém acredito que na juventude os problemas têm
mais peso. Infelizmente, por exemplo, o jovem ainda
tem mais dificuldade de conseguir trabalho decente,
em especial quando se trata de uma jovem mulher ou
de um jovem negro, um jovem da periferia.
a) que o segmento de jovens negras de periferia é
potencialmente mais sujeito ao preconceito do que
os outros segmentos de jovens.
b) que o jovem negro é mais discriminado que o
jovem da periferia.
c) que uma jovem mulher sofre discriminação
exatamente na mesma medida que um jovem da
periferia.
d) que uma jovem mulher é alvo de tratamento
especial, ou seja, é mais bem tratada que um
jovem negro.
Reconhecer o gênero
discursivo do texto.
INGREDIENTES
300 GRAMAS DE QUEIJO PARMESÃO RALADO
250 GRAMAS DE MARGARINA
300 GRAMAS DE FARINHA DE TRIGO
MODO DE FAZER
COLOQUE O QUEIJO RALADO E A MARGARINA
EM UMA TIGELA. JUNTE A FARINHA DE TRIGO
ATÉ DAR O PONTO DE ENROLAR. FAÇA
PEQUENAS BOLINHAS COM A MASSA. COLOQUE
AS BOLINHAS EM UMA FORMA. LEVE AO FORNO
POR 15 MINUTOS OU ATÉ QUE FIQUEM
DOURADAS.
A) UMA RECEITA.
B) UMA NOTÍCIA.
C) UMA PROPAGANDA.
D) UM VERBETE DE DICIONÁRIO.
Identificar o propósito
comunicativo em
diferentes gêneros.
Podemos classificar as perdas auditivas como congênitas
(presentes no momento do nascimento) ou adquiridas (contraídas
após o nascimento). Os problemas de aprendizagem e
agressividade infantil podem estar ligados a problemas auditivos. A
construção da linguagem está intimamente ligada à compreensão
do conjunto de elementos simbólicos que dependem basicamente
de uma boa audição. Ela é a chave para a linguagem oral, que, por
sua vez, forma a base da comunicação escrita.
Uma pequena diminuição da audição pode acarretar sérios
problemas no desenvolvimento da criança, tais como: problemas
afetivos, distúrbios escolares, de atenção e concentração,
inquietação e dificuldades de socialização. A surdez na criança
pequena (de 0 a 3 anos) tem consequências muito mais graves que
no adulto.
Existem algumas maneiras simples de saber se a criança já
possui problemas auditivos como: bater palmas próximo ao ouvido,
falar baixo o nome da criança e observar se ela atende, usar
alguns instrumentos sonoros (agogô, tambor, apito), bater com
força a porta ou na mesa e, dessa forma, poder avaliar as reações
da criança.
COELHO. Cláudio. A surdez na infância. O Globo, Rio de Janeiro.
13/04/2003. p. 6. Jornal da Família. Qual é seu problema?
a) comprovar que as perdas auditivas são
irrelevantes.
b) comprovar que a surdez ainda é uma doença
incurável.
c) alertar o leitor para os perigos da surdez na
infância.
d) mostrar as maneiras de saber se a criança ouve
bem.
Reconhecer os elementos
que compõem uma narrativa
e o conflito gerador.
Era uma época de “vacas magras”. Morava só com
meu filho, pagando aluguel, ganhava pouco e fui
convidada para a festa de aniversário de uma grande
amiga. O problema é que não tinha dinheiro
messmoooooo.
Fui a uma relojoaria à procura de uma pequena
joia, ou bijuteria mesmo, algo assim, e pedi à
balconista:
– Queria ver alguma coisa bonita e barata para uma
grande amiga!
Ela me mostrou algumas peças realmente caras,
que na época eu não podia pagar.
Então eu pedi:
– Posso ver o que você tem, assim... alguma coisa
mais baratinha?
E a moça me trouxe um pingente folheado a
ouro... bonito e barato. Eu gostei e levei.
Quando chegamos ao aniversário, (eu e meu
filho) fomos cumprimentar minha amiga, que, ao
abrir o presente, disse:
– Nossa, muito obrigada!!!!! Que coisa
linda!!!!!
E meu filho, na sua inocência de criança bem
pequena, sem saber bem o que significava a
expressão “baratinha” completou:
– E era a mais baratinha que tinha!!!.
Disponível em:
<http://recantodasletras.uol.com.br/infantil/61
0758>. Acesso em: 22 mar. 2010.
a) da chegada ao aniversário.
b) da inocência da criança.
c) do convite para o aniversário.
d) do presente comprado.
Identificar semelhanças e/ou
diferenças de ideias e opiniões
na comparação entre textos.
Qualquer campinho de terra,
barro, cimento ou areia,
pra quem tem sede de bola,
é gramado de primeira!
É onde a bola rola,
pula, quica, serpenteia...
É onde a todos encanta.
É onde dança ligeira.
É onde cresce o sonho
que embala todo menino:
ser titular do seu time,
ser um craque-bailarino...
E – quem sabe? – um belo dia
viver seu momento de glória:
num dia de estádio cheio,
fazer o gol da vitória!
GUEDES, Hardy. In: O bailado esportivo. São Paulo: Prumo, 2009, p. 4.
Às vezes, a bola,
erguida na área,
se faz de dengosa.
Se alguém vai tocá-la...
ela rodopia...
... e se afasta, caprichosa.
Não quer o goleiro,
tampouco o zagueiro...
Feliz e intocada,
segue adiante...
Vitoriosa, imagina
contornar o atacante.
Mas esse artista da bola,
tal qual um boneco de mola,
salta feito um bailarino.
Parece flutuar.
Revira o corpo no ar...
...ágil como um felino.
E, de costas para a meta,
pedala a bola surpresa,
transformada em bicicleta.
GUEDES, Hardy. In: O bailado esportivo. São Paulo: Prumo, 2009, p. 11.
a) o sonho de ser um jogador talentoso e a arte de
“dar uma bicicleta” no jogo de futebol.
b) a alegria de se fazer um gol e os movimentos da
bola, durante uma partida de futebol.
c) o encantamento das crianças pela bola e a
euforia de aprender a andar de bicicleta.
d) a pureza de jogar em um campinho de terra e a
magia de algumas jogadas, no futebol.
Reconhecer diferentes formas de
tratar uma informação na
comparação de textos de um mesmo
tema.
Resposta de Dom Odilo Scherer, cardeal
arcebispo de São Paulo, nomeado pelo papa
Bento XVI em 2007:
“Claro que sim. Estaremos falando sempre
que, em algum momento, começou a existir
algo, para poder evoluir em seguida. O ato do
criador precede a possibilidade de evolução: só
evolui algo que existe. Do nada, nada surge e
evolui.”
LIMA, Eduardo. Testemunha de Deus. SuperInteressante,
São Paulo, n. 263-A, p. 9, mar. 2009 (com adaptações).
Resposta de Daniel Dennet, filósofo
americano ateu e evolucionista radical,
formado em Harvard e Doutor por Oxford:
“É claro que é possível, assim como se
pode acreditar que um super-homem veio
para a Terra há 530 milhões de anos e
ajustou o DNA da fauna cambriana,
provocando a explosão da vida daquele
período. Mas não há razão para crer em
fantasias desse tipo.”
LIMA, Eduardo. Advogado do Diabo. SuperInteressante, São
Paulo, n. 263-A, p. 11, mar. 2009 (com adaptações).
a) o religioso ataca a ciência, desqualificando a Teoria da
Evolução, e o ateu apresenta comprovações científicas dessa
teoria para derrubar a ideia de que Deus existe.
b) O arcebispo usa uma lacuna da ciência para defender a
existência de Deus, enquanto o filósofo faz uma ironia,
sugerindo que qualquer coisa inventada poderia preencher
essa lacuna.
c) O arcebispo critica a teoria do Design Inteligente, pondo em
dúvida a existência de Deus, e o ateu argumenta com base no
fato de que algo só pode evoluir se, antes, existir.
d) Scherer impõe sua opinião, pela expressão “claro que sim”,
por se considerar autoridade competente para definir o
assunto, enquanto Dennett expressa dúvida, com expressões
como “é possível”, assumindo não ter opinião formada.
Reconhecer as relações entre partes de
um texto, identificando os recursos
coesivos que contribuem para sua
continuidade.
AtticoChassot
O autor procura mostrar que a ciência não é
feminina. Um dos maiores exemplos que se pode
dar dessa situação é o prêmio Nobel, em que
apenas 11 mulheres de ciências foram laureadas
em 202 anos de premiação. O livro apresenta
duas hipóteses, uma histórica e outra biológica,
para a possível superação do machismo em frase
como a de Hipócrates (460-400 a,C.),
considerado o pai da medicina, que escreveu: “A
língua é a última coisa que morre em uma
mulher”.
(Revista Galileu, fevereiro de 2004.)
a) A ciência não ser feminina
b) A premiação possuir 202 anos
c) A língua ser a última coisa que morre em uma
mulher
d) O pai da medicina ser Hipócrates
Reconhecer o sentido das relações
lógico-discursivas marcadas por
conjunções, advérbios, etc.
A ideia surgiu quando um amigo, Ken
Marshall, dono de uma importadora de
vinhos, disse que, se o câmbio
continuasse disparando, voltaria para
o antigo negócio de exportação de
móveis artesanais brasileiros...
Época, 17/02/03. p. 451.
a) tempo.
b) consequência.
c) causa.
d) condição.
Reconhecer o efeito de sentido
decorrente da escolha de
palavras, frases ou expressões.
a) imaginárias.
b) reais.
c) adequadas.
d) impróprias.
(A) amor.
(B) sofrimento.
(C) bondade.
(D) falsidade.
Identificar o efeito de sentido
decorrente do uso de pontuação
e outras notações.
“Os alunos foram ao ginásio de
esporte acompanhados da secretária,
do diretor e de um coordenador da
escola.”
A) o sentido não se alteraria.
B) uma pessoa a mais terá ido à
reunião.
C) a ausência da vírgula implicará um
erro gramatical.
D) uma pessoa a menos terá ido à
reunião.
Reconhecer o efeito decorrente do
emprego de recursos estilísticos e
morfossintáticos.
A chuva derrubou as pontes. A chuva transbordou os rios.
A chuva molhou os transeuntes. A chuva encharcou as praças.
A chuva enferrujou as máquinas. A chuva enfureceu as marés.
A chuva e seu cheiro de terra. A chuva com sua cabeleira.
A chuva esburacou as pedras. A chuva alagou a favela.
A chuva de canivetes. A chuva enxugou a sede.
A chuva anoiteceu de tarde. A chuva e seu brilho prateado.
A chuva de retas paralelas sobre a terra curva. A chuva destroçou
os guarda-chuvas.
A chuva durou muitos dias. A chuva apagou o incêndio.
A chuva caiu. A chuva derramou-se.
A chuva murmurou meu nome. A chuva ligou o para-brisa.
A chuva acendeu os faróis. A chuva tocou a sirene.
A chuva com a sua crina. A chuva encheu a piscina.
A chuva com as gotas grossas. A chuva de pingos pretos.
A chuva açoitando as plantas. A chuva senhora da lama.
A chuva sem pena. A chuva apenas.
A chuva empenou os móveis. A chuva amarelou os livros.
A chuva corroeu as cercas. A chuva e seu baque seco.
A chuva e seu ruído de vidro. A chuva inchou o brejo.
A chuva pingou pelo teto. A chuva multiplicando insetos.
A chuva sobre os varais. A chuva derrubando raios.
A chuva acabou a luz. A chuva molhou os cigarros.
A chuva mijou no telhado. A chuva regou o gramado.
A chuva arrepiou os poros. A chuva fez muitas poças.
A chuva secou ao sol.
ANTUNES, Arnaldo. As coisas. São Paulo: Iluminuras, 1996.
A) sugerir a intensidade e a continuidade da
chuva.
B) provocar uma sensação de relaxamento
dos sentidos.
C) reproduzir exatamente os sons repetitivos
da chuva.
D) provocar a percepção do ritmo e da
sonoridade.
Reconhecer os efeitos
de humor e ironia.
a) Zé Pequeno está sendo empurrado por
Marieta e Xaxado.
b) na verdade, Zé Pequeno está com medo
dos livros.
c) Marieta mandar Zé Pequeno deixar de
bestagem.
d) Zé Pequeno ter medo de cachorro.
Identificar os níveis de linguagem
e/ou as marcas linguísticas que
evidenciam locutor e/ou
interlocutor.
O nêgo tá, moiado de suó
Trabáia, trabáia, nêgo / Trabáia, trabáianêgo (refrão)
As mãos do nêgo tá que é calo só
Trabáia, trabáianêgo
Ai “meu sinhô”nêgo tá véio
Não aguenta essa terra tão dura, tão seca, poeirenta...
O nêgo pede licença práfalá
O nêgo não pode mais trabaiá
Quando o nêgo chegou por aqui
Reforço Escolar | LÍNGUA PORTUGUESA
Era mais vivo e ligeiro que o saci
Varava estes rios, estas matas, estes campos sem fim
Nêgo era moço, e a vida, um brinquedo prá mim
Mas o tempo passou
Essa terra secou ...ô ô
A velhice chegou e o brinquedo quebrou ....
Sinhô, nêgovéio tem pena de ter-se acabado
Sinhô, nêgovéio carrega este corpo cansado.
cifrantiga3.blogspot.com/2006/05/terra-seca.html 57
a) “Não aguenta esta terra tão dura, tão seca,
poeirenta...”
b) “O nêgo não pode mais trabaiá.”
c) “Era mais vivo e ligeiro do que o saci.”
d) “estes campos sem fim”.
“ Vô nada!” / “ Deixe de bestagem! “ / “ Tu tá
com medo do melhor amigo do homem?”
As palavras destacadas nas falas dos
personagens são exemplos de linguagens:
a) Culta e regional.
b) Coloquial e regional.
c) Técnica e vulgar.
d) Vulgar e coloquial.
Bons Estudos!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1º teste de avaliação, 9ºa,b,corrigido
1º teste de avaliação, 9ºa,b,corrigido1º teste de avaliação, 9ºa,b,corrigido
1º teste de avaliação, 9ºa,b,corrigidoildamaria
 
Atividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritores
Atividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritoresAtividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritores
Atividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritoresJucelino Carvalho
 
APOSTILA PROFESSOR SEDUC/ PI - CONCURSO PÚBLICO 2014
APOSTILA PROFESSOR SEDUC/ PI  -  CONCURSO PÚBLICO 2014APOSTILA PROFESSOR SEDUC/ PI  -  CONCURSO PÚBLICO 2014
APOSTILA PROFESSOR SEDUC/ PI - CONCURSO PÚBLICO 2014Valdeci Correia
 
Tipos de introdução, desenvolvimento e conclusão
Tipos de introdução, desenvolvimento e conclusãoTipos de introdução, desenvolvimento e conclusão
Tipos de introdução, desenvolvimento e conclusãoSeduc/AM
 
Teste a pérola para o tiago gomes 2015 9ºano
Teste a pérola para o tiago gomes 2015 9ºanoTeste a pérola para o tiago gomes 2015 9ºano
Teste a pérola para o tiago gomes 2015 9ºanoIsabel Almeida
 
A escolha do_melhor_caminho
A escolha do_melhor_caminhoA escolha do_melhor_caminho
A escolha do_melhor_caminhoEvandro de Jesus
 
Ficha avaliação reportagem notícia
Ficha avaliação reportagem notíciaFicha avaliação reportagem notícia
Ficha avaliação reportagem notíciaCarlos Lima
 
Oficina MetaSorocaba 23.10.2007
Oficina MetaSorocaba 23.10.2007Oficina MetaSorocaba 23.10.2007
Oficina MetaSorocaba 23.10.2007Hudson Augusto
 
Plano Emergencial de Língua Portuguesa.pdf
Plano Emergencial de Língua Portuguesa.pdfPlano Emergencial de Língua Portuguesa.pdf
Plano Emergencial de Língua Portuguesa.pdfPatrciaAparecidaAnto
 
Responsabilidade civil pelo inadimplemento da boa fe
Responsabilidade civil pelo inadimplemento da boa feResponsabilidade civil pelo inadimplemento da boa fe
Responsabilidade civil pelo inadimplemento da boa feMARCELENE GONÇALVES
 
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 45
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 45Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 45
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 45Valter Gomes
 
Colegial news edição 1
Colegial news   edição 1Colegial news   edição 1
Colegial news edição 1maricelio
 
EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)
EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)
EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)Anderson Yankee
 

Mais procurados (18)

1º teste de avaliação, 9ºa,b,corrigido
1º teste de avaliação, 9ºa,b,corrigido1º teste de avaliação, 9ºa,b,corrigido
1º teste de avaliação, 9ºa,b,corrigido
 
Atividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritores
Atividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritoresAtividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritores
Atividades de-lc3adngua-portuguesa-3c2ba-ano-ensino-mc3a9dio-com-descritores
 
APOSTILA PROFESSOR SEDUC/ PI - CONCURSO PÚBLICO 2014
APOSTILA PROFESSOR SEDUC/ PI  -  CONCURSO PÚBLICO 2014APOSTILA PROFESSOR SEDUC/ PI  -  CONCURSO PÚBLICO 2014
APOSTILA PROFESSOR SEDUC/ PI - CONCURSO PÚBLICO 2014
 
Tipos de introdução, desenvolvimento e conclusão
Tipos de introdução, desenvolvimento e conclusãoTipos de introdução, desenvolvimento e conclusão
Tipos de introdução, desenvolvimento e conclusão
 
Monografia Lingua Inglesa
Monografia Lingua InglesaMonografia Lingua Inglesa
Monografia Lingua Inglesa
 
Teste a pérola para o tiago gomes 2015 9ºano
Teste a pérola para o tiago gomes 2015 9ºanoTeste a pérola para o tiago gomes 2015 9ºano
Teste a pérola para o tiago gomes 2015 9ºano
 
Unid 7
Unid 7Unid 7
Unid 7
 
494 an 24_setembro_2014.dia arv
494 an 24_setembro_2014.dia arv494 an 24_setembro_2014.dia arv
494 an 24_setembro_2014.dia arv
 
Palavra jovem nº 21 a escola que queremos
Palavra jovem nº 21   a escola que queremosPalavra jovem nº 21   a escola que queremos
Palavra jovem nº 21 a escola que queremos
 
A escolha do_melhor_caminho
A escolha do_melhor_caminhoA escolha do_melhor_caminho
A escolha do_melhor_caminho
 
Ficha avaliação reportagem notícia
Ficha avaliação reportagem notíciaFicha avaliação reportagem notícia
Ficha avaliação reportagem notícia
 
Oficina MetaSorocaba 23.10.2007
Oficina MetaSorocaba 23.10.2007Oficina MetaSorocaba 23.10.2007
Oficina MetaSorocaba 23.10.2007
 
Plano Emergencial de Língua Portuguesa.pdf
Plano Emergencial de Língua Portuguesa.pdfPlano Emergencial de Língua Portuguesa.pdf
Plano Emergencial de Língua Portuguesa.pdf
 
Jornal Mente Ativa 11
Jornal Mente Ativa 11Jornal Mente Ativa 11
Jornal Mente Ativa 11
 
Responsabilidade civil pelo inadimplemento da boa fe
Responsabilidade civil pelo inadimplemento da boa feResponsabilidade civil pelo inadimplemento da boa fe
Responsabilidade civil pelo inadimplemento da boa fe
 
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 45
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 45Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 45
Folhetim do Estudante - Ano IV - Núm. 45
 
Colegial news edição 1
Colegial news   edição 1Colegial news   edição 1
Colegial news edição 1
 
EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)
EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)
EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)
 

Semelhante a Aulão inaugural 2015

O jovem como sujeito do ensino médio Salete
O jovem como sujeito do ensino médio SaleteO jovem como sujeito do ensino médio Salete
O jovem como sujeito do ensino médio SaleteSalete Perini
 
Adolescência e identidade
Adolescência e identidadeAdolescência e identidade
Adolescência e identidadeJosiane Amaral
 
1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens
1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens
1º simulado ENEM - Matematica e Linguagensemanuel
 
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 35
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 35Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 35
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 35Valter Gomes
 
Simulado português e matematica 3 em ok
Simulado português e matematica 3 em okSimulado português e matematica 3 em ok
Simulado português e matematica 3 em okEderson Jacob Zanardo
 
CARTA ABERTA AOS EDUCADORES DO CARIRI
CARTA ABERTA AOS EDUCADORES DO CARIRICARTA ABERTA AOS EDUCADORES DO CARIRI
CARTA ABERTA AOS EDUCADORES DO CARIRIFrancisco Gomes
 
Atividade de intervenção pedagógica a cabeça dos nossos jovens
Atividade de intervenção pedagógica   a cabeça dos nossos jovensAtividade de intervenção pedagógica   a cabeça dos nossos jovens
Atividade de intervenção pedagógica a cabeça dos nossos jovensNeusa Lima
 
Análise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino Médio
Análise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino MédioAnálise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino Médio
Análise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino MédioMarcia Oliveira
 
revista alpha nº1 - edição 2017
revista alpha nº1 - edição 2017revista alpha nº1 - edição 2017
revista alpha nº1 - edição 2017Rafael oliveira
 
Vila Flores - Clipping 2015
Vila Flores - Clipping 2015Vila Flores - Clipping 2015
Vila Flores - Clipping 2015vilaflores
 
Seminário Educomunicação e projetos com adolescentes - Maricota
Seminário Educomunicação e projetos com adolescentes - MaricotaSeminário Educomunicação e projetos com adolescentes - Maricota
Seminário Educomunicação e projetos com adolescentes - Maricotacbjm95
 
Adolescentes versus obsolescentes
Adolescentes versus obsolescentesAdolescentes versus obsolescentes
Adolescentes versus obsolescentesLuiz Algarra
 
Exemplos de Artigo de Opinião
Exemplos de Artigo de OpiniãoExemplos de Artigo de Opinião
Exemplos de Artigo de Opinião7 de Setembro
 
AVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS - 3 BIMESTRE 7º ANO.docx
AVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS - 3 BIMESTRE 7º ANO.docxAVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS - 3 BIMESTRE 7º ANO.docx
AVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS - 3 BIMESTRE 7º ANO.docxEdilene Aparecida
 
[478]%20ilhaflores Moran Pdf
[478]%20ilhaflores Moran Pdf[478]%20ilhaflores Moran Pdf
[478]%20ilhaflores Moran Pdfguest5dc8c9
 
Páginas do EOB - 2° Edição/ 2016
Páginas do EOB - 2° Edição/ 2016Páginas do EOB - 2° Edição/ 2016
Páginas do EOB - 2° Edição/ 2016Anny Karine Machado
 
Juventude pioneira julho setembro 2015
Juventude pioneira julho setembro 2015Juventude pioneira julho setembro 2015
Juventude pioneira julho setembro 2015jumap_pioneira
 
Zinedaduca1 110517103013-phpapp02
Zinedaduca1 110517103013-phpapp02Zinedaduca1 110517103013-phpapp02
Zinedaduca1 110517103013-phpapp02Adriana Nascimento
 

Semelhante a Aulão inaugural 2015 (20)

O jovem como sujeito do ensino médio Salete
O jovem como sujeito do ensino médio SaleteO jovem como sujeito do ensino médio Salete
O jovem como sujeito do ensino médio Salete
 
Adolescência e identidade
Adolescência e identidadeAdolescência e identidade
Adolescência e identidade
 
1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens
1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens
1º simulado ENEM - Matematica e Linguagens
 
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 35
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 35Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 35
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 35
 
Simulado português e matematica 3 em ok
Simulado português e matematica 3 em okSimulado português e matematica 3 em ok
Simulado português e matematica 3 em ok
 
CARTA ABERTA AOS EDUCADORES DO CARIRI
CARTA ABERTA AOS EDUCADORES DO CARIRICARTA ABERTA AOS EDUCADORES DO CARIRI
CARTA ABERTA AOS EDUCADORES DO CARIRI
 
A busca da felicidade
A busca da felicidadeA busca da felicidade
A busca da felicidade
 
A busca da felicidade
A busca da felicidadeA busca da felicidade
A busca da felicidade
 
Atividade de intervenção pedagógica a cabeça dos nossos jovens
Atividade de intervenção pedagógica   a cabeça dos nossos jovensAtividade de intervenção pedagógica   a cabeça dos nossos jovens
Atividade de intervenção pedagógica a cabeça dos nossos jovens
 
Análise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino Médio
Análise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino MédioAnálise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino Médio
Análise de Textos - Ensino Fundamental e Ensino Médio
 
revista alpha nº1 - edição 2017
revista alpha nº1 - edição 2017revista alpha nº1 - edição 2017
revista alpha nº1 - edição 2017
 
Vila Flores - Clipping 2015
Vila Flores - Clipping 2015Vila Flores - Clipping 2015
Vila Flores - Clipping 2015
 
Seminário Educomunicação e projetos com adolescentes - Maricota
Seminário Educomunicação e projetos com adolescentes - MaricotaSeminário Educomunicação e projetos com adolescentes - Maricota
Seminário Educomunicação e projetos com adolescentes - Maricota
 
Adolescentes versus obsolescentes
Adolescentes versus obsolescentesAdolescentes versus obsolescentes
Adolescentes versus obsolescentes
 
Exemplos de Artigo de Opinião
Exemplos de Artigo de OpiniãoExemplos de Artigo de Opinião
Exemplos de Artigo de Opinião
 
AVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS - 3 BIMESTRE 7º ANO.docx
AVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS - 3 BIMESTRE 7º ANO.docxAVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS - 3 BIMESTRE 7º ANO.docx
AVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS - 3 BIMESTRE 7º ANO.docx
 
[478]%20ilhaflores Moran Pdf
[478]%20ilhaflores Moran Pdf[478]%20ilhaflores Moran Pdf
[478]%20ilhaflores Moran Pdf
 
Páginas do EOB - 2° Edição/ 2016
Páginas do EOB - 2° Edição/ 2016Páginas do EOB - 2° Edição/ 2016
Páginas do EOB - 2° Edição/ 2016
 
Juventude pioneira julho setembro 2015
Juventude pioneira julho setembro 2015Juventude pioneira julho setembro 2015
Juventude pioneira julho setembro 2015
 
Zinedaduca1 110517103013-phpapp02
Zinedaduca1 110517103013-phpapp02Zinedaduca1 110517103013-phpapp02
Zinedaduca1 110517103013-phpapp02
 

Último

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 

Último (20)

Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 

Aulão inaugural 2015

  • 2.
  • 4. Entrevista com Priscila Casale, publicada na edição nº 433, fevereiro de 2013. Mais uma vez a juventude é destacada como tema da Campanha da Fraternidade, como já havia sido em 1992. Desde aquela Campanha, talvez o que mais chame a atenção é a diversidade de jovens ou dos diferentes modos de ser jovem na contemporaneidade. Mas, se no início dos anos 1990, os “caras pintadas” saíam às ruas para se manifestar por ética e justiça na política, hoje a compreensão da juventude como sujeito de direitos é uma realidade que se afirma. É o que se conclui após a realização da 2ª Conferência Nacional de Juventude, conforme relata Priscila Casale, da União Municipal dos Estudantes Secundaristas (UMES), São Paulo.
  • 5. a) esperar pacientemente que se complete a passagem fisiológica e emocional da infância para a vida adulta. b) preservar as tradições de seu povo de forma a garantir a mobilização deste em favor de uma causa. c) aprofundar a relação dela com o mundo, entendendo qual é a sua identidade e qual é o seu dever. d) modificar a realidade, comprometer-se, formular novas ideias e influenciar o povo a agir em favor de algo.
  • 6. Inferir uma informação em um texto verbal.
  • 7. Se uma nave extraterrestre invadisse o espaço aéreo da Terra, com certeza seus tripulantes diriam que neste planeta não habita uma civilização inteligente, tamanho é o grau de destruição dos recursos naturais. Essas são palavras de um renomado cientista americano. Apesar dos avanços obtidos, a humanidade ainda não descobriu os valores fundamentais da existência. O que chamamos orgulhosamente de civilização nada mais é do que uma agressão às coisas naturais. A grosso modo, a tal civilização significa a devastação das florestas, a poluição dos rios, o envenenamento das terras e a deterioração da qualidade do ar. O que chamamos de progresso não passa de uma degradação deliberada e sistemática que o homem vem promovendo há muito tempo, uma autêntica guerra contra a natureza. AFRÂNIO PRIMO. Jornal Madhva(adaptado).Disponível em http:www.syntonia. com/textos/textoseecologia/problemaecológico.htm–(Censo 2006)
  • 8. a) a vida neste planeta. b) a qualidade do espaço aéreo. c) o que pensam os extraterrestres. d) o seu prestígio no mundo.
  • 9. Inferir o sentido de uma palavra ou expressão.
  • 10. a) indiferente b) assustado c) satisfeito d) conformado
  • 11. Interpretar textos não verbais e textos que articulam elementos verbais e não verbais.
  • 12. a) inveja b) coragem c) solidariedade d) ciúme
  • 13. Identificar o tema ou o assunto do texto.
  • 14.
  • 15. a) a oposição entre o modo de pensar e agir. b) a rapidez da comunicação na Era da Informática. c) a comunicação e sua importância na vida das pessoas. d) a massificação do pensamento na sociedade moderna.
  • 16. Distinguir fato de opinião relativa ao fato.
  • 17. Tênis – O tenista brasileiro Thomaz Belucci foi eliminado nas oitavas do Torneio de Washington, nos EUA, pelo cipriota Marcos Baghadatis por 2 sets a 1 (3/6, 6/3 e 6/2). Foi a segunda partida no mesmo dia do paulista, que culpou o desgaste físico pelo revés. Já João Souza, o Feijão, parou nas semifinais do ATP de Kitzbuhel, na Áustria. Ele perdeu para o português Robin Haase por 2 sets a 1, com parciais de 6-1, 6/7 (3-7) e 6-4. Mesmo assim, Feijão aparecerá, na segunda, entre os 100 melhores tenistas do mundo.
  • 18. a) Foi a segunda partida do mesmo dia. b) Por causa do desgaste físico. c) Perdeu para o holandês Robin Haase. d) Porque parou nas semifinais do ATP
  • 19. Diferenciar a informação principal das secundárias em um texto.
  • 20. Cassius Oliveira Especial para a Folha Nós, os jovens que iniciamos numa carreira profissional, temos uma série de dificuldades pela frente. A primeira delas é encontrar uma empresa que queira contratar-nos sem termos qualquer experiência. Outro obstáculo é o relacionamento com os colegas de trabalho. Eles são pessoas novas, diferentes de nós. Por último, há o problema de nós estarmos num espaço diferente daquele da escola. O ambiente de trabalho é cheio de responsabilidades e de obrigações e exige um rápido amadurecimento. É difícil ter esse amadurecimento em um curto espaço de tempo e, infelizmente, a vida é um pouco injusta. Assim, temos de escolher entre amadurecer rapidamente e ser passado para trás por alguém com mais experiência. O mercado de trabalho é muito competitivo, e não há tempo para quem não corre atrás de seus sonhos ou batalha por eles.
  • 21. a) a iniciação profissional dos jovens é marcada por dificuldades. b) é difícil encontrar uma empresa que contrate jovens sem experiência. c) relacionar-se com os colegas é difícil em razão das diferenças pessoais. d) o ambiente de trabalho é diferente do ambiente da escola.
  • 22. Formular hipóteses sobre o conteúdo do texto.
  • 23. Trecho extraído de entrevista com Priscila Casale, publicada na edição nº 433, fevereiro de 2013. Por conta das características da juventude, é um período da vida bastante complicado, mas também maravilhoso: é quando começamos a contraditar a ordem das coisas, das regras da sociedade. Eu acredito que para o desenvolvimento do indivíduo na sua plenitude, e para o mundo, para os desafios que o mundo tem, para a história da humanidade como um todo, a juventude cumpre um papel fundamental. Quanto aos problemas que a juventude sofre, acho que são os mesmos que a sociedade no geral sofre. Porém acredito que na juventude os problemas têm mais peso. Infelizmente, por exemplo, o jovem ainda tem mais dificuldade de conseguir trabalho decente, em especial quando se trata de uma jovem mulher ou de um jovem negro, um jovem da periferia.
  • 24. a) que o segmento de jovens negras de periferia é potencialmente mais sujeito ao preconceito do que os outros segmentos de jovens. b) que o jovem negro é mais discriminado que o jovem da periferia. c) que uma jovem mulher sofre discriminação exatamente na mesma medida que um jovem da periferia. d) que uma jovem mulher é alvo de tratamento especial, ou seja, é mais bem tratada que um jovem negro.
  • 26. INGREDIENTES 300 GRAMAS DE QUEIJO PARMESÃO RALADO 250 GRAMAS DE MARGARINA 300 GRAMAS DE FARINHA DE TRIGO MODO DE FAZER COLOQUE O QUEIJO RALADO E A MARGARINA EM UMA TIGELA. JUNTE A FARINHA DE TRIGO ATÉ DAR O PONTO DE ENROLAR. FAÇA PEQUENAS BOLINHAS COM A MASSA. COLOQUE AS BOLINHAS EM UMA FORMA. LEVE AO FORNO POR 15 MINUTOS OU ATÉ QUE FIQUEM DOURADAS.
  • 27. A) UMA RECEITA. B) UMA NOTÍCIA. C) UMA PROPAGANDA. D) UM VERBETE DE DICIONÁRIO.
  • 28. Identificar o propósito comunicativo em diferentes gêneros.
  • 29. Podemos classificar as perdas auditivas como congênitas (presentes no momento do nascimento) ou adquiridas (contraídas após o nascimento). Os problemas de aprendizagem e agressividade infantil podem estar ligados a problemas auditivos. A construção da linguagem está intimamente ligada à compreensão do conjunto de elementos simbólicos que dependem basicamente de uma boa audição. Ela é a chave para a linguagem oral, que, por sua vez, forma a base da comunicação escrita. Uma pequena diminuição da audição pode acarretar sérios problemas no desenvolvimento da criança, tais como: problemas afetivos, distúrbios escolares, de atenção e concentração, inquietação e dificuldades de socialização. A surdez na criança pequena (de 0 a 3 anos) tem consequências muito mais graves que no adulto. Existem algumas maneiras simples de saber se a criança já possui problemas auditivos como: bater palmas próximo ao ouvido, falar baixo o nome da criança e observar se ela atende, usar alguns instrumentos sonoros (agogô, tambor, apito), bater com força a porta ou na mesa e, dessa forma, poder avaliar as reações da criança. COELHO. Cláudio. A surdez na infância. O Globo, Rio de Janeiro. 13/04/2003. p. 6. Jornal da Família. Qual é seu problema?
  • 30. a) comprovar que as perdas auditivas são irrelevantes. b) comprovar que a surdez ainda é uma doença incurável. c) alertar o leitor para os perigos da surdez na infância. d) mostrar as maneiras de saber se a criança ouve bem.
  • 31. Reconhecer os elementos que compõem uma narrativa e o conflito gerador.
  • 32. Era uma época de “vacas magras”. Morava só com meu filho, pagando aluguel, ganhava pouco e fui convidada para a festa de aniversário de uma grande amiga. O problema é que não tinha dinheiro messmoooooo. Fui a uma relojoaria à procura de uma pequena joia, ou bijuteria mesmo, algo assim, e pedi à balconista: – Queria ver alguma coisa bonita e barata para uma grande amiga! Ela me mostrou algumas peças realmente caras, que na época eu não podia pagar. Então eu pedi: – Posso ver o que você tem, assim... alguma coisa mais baratinha?
  • 33. E a moça me trouxe um pingente folheado a ouro... bonito e barato. Eu gostei e levei. Quando chegamos ao aniversário, (eu e meu filho) fomos cumprimentar minha amiga, que, ao abrir o presente, disse: – Nossa, muito obrigada!!!!! Que coisa linda!!!!! E meu filho, na sua inocência de criança bem pequena, sem saber bem o que significava a expressão “baratinha” completou: – E era a mais baratinha que tinha!!!. Disponível em: <http://recantodasletras.uol.com.br/infantil/61 0758>. Acesso em: 22 mar. 2010.
  • 34. a) da chegada ao aniversário. b) da inocência da criança. c) do convite para o aniversário. d) do presente comprado.
  • 35. Identificar semelhanças e/ou diferenças de ideias e opiniões na comparação entre textos.
  • 36. Qualquer campinho de terra, barro, cimento ou areia, pra quem tem sede de bola, é gramado de primeira! É onde a bola rola, pula, quica, serpenteia... É onde a todos encanta. É onde dança ligeira. É onde cresce o sonho que embala todo menino: ser titular do seu time, ser um craque-bailarino... E – quem sabe? – um belo dia viver seu momento de glória: num dia de estádio cheio, fazer o gol da vitória! GUEDES, Hardy. In: O bailado esportivo. São Paulo: Prumo, 2009, p. 4.
  • 37. Às vezes, a bola, erguida na área, se faz de dengosa. Se alguém vai tocá-la... ela rodopia... ... e se afasta, caprichosa. Não quer o goleiro, tampouco o zagueiro... Feliz e intocada, segue adiante... Vitoriosa, imagina contornar o atacante. Mas esse artista da bola, tal qual um boneco de mola, salta feito um bailarino. Parece flutuar. Revira o corpo no ar... ...ágil como um felino. E, de costas para a meta, pedala a bola surpresa, transformada em bicicleta. GUEDES, Hardy. In: O bailado esportivo. São Paulo: Prumo, 2009, p. 11.
  • 38. a) o sonho de ser um jogador talentoso e a arte de “dar uma bicicleta” no jogo de futebol. b) a alegria de se fazer um gol e os movimentos da bola, durante uma partida de futebol. c) o encantamento das crianças pela bola e a euforia de aprender a andar de bicicleta. d) a pureza de jogar em um campinho de terra e a magia de algumas jogadas, no futebol.
  • 39. Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação na comparação de textos de um mesmo tema.
  • 40. Resposta de Dom Odilo Scherer, cardeal arcebispo de São Paulo, nomeado pelo papa Bento XVI em 2007: “Claro que sim. Estaremos falando sempre que, em algum momento, começou a existir algo, para poder evoluir em seguida. O ato do criador precede a possibilidade de evolução: só evolui algo que existe. Do nada, nada surge e evolui.” LIMA, Eduardo. Testemunha de Deus. SuperInteressante, São Paulo, n. 263-A, p. 9, mar. 2009 (com adaptações).
  • 41. Resposta de Daniel Dennet, filósofo americano ateu e evolucionista radical, formado em Harvard e Doutor por Oxford: “É claro que é possível, assim como se pode acreditar que um super-homem veio para a Terra há 530 milhões de anos e ajustou o DNA da fauna cambriana, provocando a explosão da vida daquele período. Mas não há razão para crer em fantasias desse tipo.” LIMA, Eduardo. Advogado do Diabo. SuperInteressante, São Paulo, n. 263-A, p. 11, mar. 2009 (com adaptações).
  • 42. a) o religioso ataca a ciência, desqualificando a Teoria da Evolução, e o ateu apresenta comprovações científicas dessa teoria para derrubar a ideia de que Deus existe. b) O arcebispo usa uma lacuna da ciência para defender a existência de Deus, enquanto o filósofo faz uma ironia, sugerindo que qualquer coisa inventada poderia preencher essa lacuna. c) O arcebispo critica a teoria do Design Inteligente, pondo em dúvida a existência de Deus, e o ateu argumenta com base no fato de que algo só pode evoluir se, antes, existir. d) Scherer impõe sua opinião, pela expressão “claro que sim”, por se considerar autoridade competente para definir o assunto, enquanto Dennett expressa dúvida, com expressões como “é possível”, assumindo não ter opinião formada.
  • 43. Reconhecer as relações entre partes de um texto, identificando os recursos coesivos que contribuem para sua continuidade.
  • 44. AtticoChassot O autor procura mostrar que a ciência não é feminina. Um dos maiores exemplos que se pode dar dessa situação é o prêmio Nobel, em que apenas 11 mulheres de ciências foram laureadas em 202 anos de premiação. O livro apresenta duas hipóteses, uma histórica e outra biológica, para a possível superação do machismo em frase como a de Hipócrates (460-400 a,C.), considerado o pai da medicina, que escreveu: “A língua é a última coisa que morre em uma mulher”. (Revista Galileu, fevereiro de 2004.)
  • 45. a) A ciência não ser feminina b) A premiação possuir 202 anos c) A língua ser a última coisa que morre em uma mulher d) O pai da medicina ser Hipócrates
  • 46. Reconhecer o sentido das relações lógico-discursivas marcadas por conjunções, advérbios, etc.
  • 47. A ideia surgiu quando um amigo, Ken Marshall, dono de uma importadora de vinhos, disse que, se o câmbio continuasse disparando, voltaria para o antigo negócio de exportação de móveis artesanais brasileiros... Época, 17/02/03. p. 451.
  • 48. a) tempo. b) consequência. c) causa. d) condição.
  • 49. Reconhecer o efeito de sentido decorrente da escolha de palavras, frases ou expressões.
  • 50.
  • 51. a) imaginárias. b) reais. c) adequadas. d) impróprias.
  • 52.
  • 53. (A) amor. (B) sofrimento. (C) bondade. (D) falsidade.
  • 54. Identificar o efeito de sentido decorrente do uso de pontuação e outras notações.
  • 55. “Os alunos foram ao ginásio de esporte acompanhados da secretária, do diretor e de um coordenador da escola.”
  • 56. A) o sentido não se alteraria. B) uma pessoa a mais terá ido à reunião. C) a ausência da vírgula implicará um erro gramatical. D) uma pessoa a menos terá ido à reunião.
  • 57. Reconhecer o efeito decorrente do emprego de recursos estilísticos e morfossintáticos.
  • 58. A chuva derrubou as pontes. A chuva transbordou os rios. A chuva molhou os transeuntes. A chuva encharcou as praças. A chuva enferrujou as máquinas. A chuva enfureceu as marés. A chuva e seu cheiro de terra. A chuva com sua cabeleira. A chuva esburacou as pedras. A chuva alagou a favela. A chuva de canivetes. A chuva enxugou a sede. A chuva anoiteceu de tarde. A chuva e seu brilho prateado. A chuva de retas paralelas sobre a terra curva. A chuva destroçou os guarda-chuvas. A chuva durou muitos dias. A chuva apagou o incêndio. A chuva caiu. A chuva derramou-se. A chuva murmurou meu nome. A chuva ligou o para-brisa. A chuva acendeu os faróis. A chuva tocou a sirene.
  • 59. A chuva com a sua crina. A chuva encheu a piscina. A chuva com as gotas grossas. A chuva de pingos pretos. A chuva açoitando as plantas. A chuva senhora da lama. A chuva sem pena. A chuva apenas. A chuva empenou os móveis. A chuva amarelou os livros. A chuva corroeu as cercas. A chuva e seu baque seco. A chuva e seu ruído de vidro. A chuva inchou o brejo. A chuva pingou pelo teto. A chuva multiplicando insetos. A chuva sobre os varais. A chuva derrubando raios. A chuva acabou a luz. A chuva molhou os cigarros. A chuva mijou no telhado. A chuva regou o gramado. A chuva arrepiou os poros. A chuva fez muitas poças. A chuva secou ao sol. ANTUNES, Arnaldo. As coisas. São Paulo: Iluminuras, 1996.
  • 60. A) sugerir a intensidade e a continuidade da chuva. B) provocar uma sensação de relaxamento dos sentidos. C) reproduzir exatamente os sons repetitivos da chuva. D) provocar a percepção do ritmo e da sonoridade.
  • 61. Reconhecer os efeitos de humor e ironia.
  • 62.
  • 63. a) Zé Pequeno está sendo empurrado por Marieta e Xaxado. b) na verdade, Zé Pequeno está com medo dos livros. c) Marieta mandar Zé Pequeno deixar de bestagem. d) Zé Pequeno ter medo de cachorro.
  • 64. Identificar os níveis de linguagem e/ou as marcas linguísticas que evidenciam locutor e/ou interlocutor.
  • 65. O nêgo tá, moiado de suó Trabáia, trabáia, nêgo / Trabáia, trabáianêgo (refrão) As mãos do nêgo tá que é calo só Trabáia, trabáianêgo Ai “meu sinhô”nêgo tá véio Não aguenta essa terra tão dura, tão seca, poeirenta... O nêgo pede licença práfalá O nêgo não pode mais trabaiá Quando o nêgo chegou por aqui Reforço Escolar | LÍNGUA PORTUGUESA Era mais vivo e ligeiro que o saci Varava estes rios, estas matas, estes campos sem fim Nêgo era moço, e a vida, um brinquedo prá mim Mas o tempo passou Essa terra secou ...ô ô A velhice chegou e o brinquedo quebrou .... Sinhô, nêgovéio tem pena de ter-se acabado Sinhô, nêgovéio carrega este corpo cansado. cifrantiga3.blogspot.com/2006/05/terra-seca.html 57
  • 66. a) “Não aguenta esta terra tão dura, tão seca, poeirenta...” b) “O nêgo não pode mais trabaiá.” c) “Era mais vivo e ligeiro do que o saci.” d) “estes campos sem fim”.
  • 67.
  • 68. “ Vô nada!” / “ Deixe de bestagem! “ / “ Tu tá com medo do melhor amigo do homem?” As palavras destacadas nas falas dos personagens são exemplos de linguagens: a) Culta e regional. b) Coloquial e regional. c) Técnica e vulgar. d) Vulgar e coloquial.