SlideShare uma empresa Scribd logo
Fotografia digital

 ASPECTOS HISTÓRICOS
 Estudos sobre sensores foram iniciados em 1930
 1920 – início da transmissão de imagens
   Londres – Nova York pelo cabo submarino

   3 horas
 1957: Russel Kirsch e seus colegas do National
 Institute of Standards e Technology (NIST)
 construíram um escâner primitivo e obtiveram uma
 iamgem do filho de Kirsch
    A imagem digitalizada era
     formada por 176 x 176 pixels
176 x 176 pixels
 1964: a NASA passou a receber imagens digitais
  enviadas pelas naves da série Mariner
 1969: as naves Mariner 6 e Mariner 7 orbitaram
  Marte e enviaram milhares de
  imagens digitais
  transmitidas por
  ondas de rádio
 1968: os americanos Willard Boyle e George Smith
  apresentaram o primeiro CCD, um sensor eletrônico,
  inicialmente usado como guia para mísseis
 A primeira versão comercial (do CCD) chega ao
  mercado em 1973, obra da Fairchild Imaging
 Batizado de 201ADC capturava imagens de 0,01
  megapixels
Sasson Digital Camera (1975)

 Desenvolvida pelo engenheiro elétrico Steve J.
    Sasson
   Resolução de 0,01 megapixels (100x100 pixels)
   Pesava mais que 3,5kg
   Levava 23 segundos para gravar uma imagem em
    uma fita cassete e mais 23 segundos para mostrar a
    imagem numa tela de TV
   Cada pixel tinha profundidade de 4 bits
• O maior esforço do projeto era: desenvolver um meio
  de reprodução que lesse a imagem da fita cassete e
  produzir um sinal NTSC da imagem
• O microprocessador era programado para
  transformar as linhas de dados capturadas em linhas
  para exibição na TV
• O protótipo foi chamado inicialmente de “film-less
  photography”
Visualização por
meio de televisores
Questões comerciais

 Quando esse conceito será viável para o consumidor?
 Porque alguém gostaria de ver suas imagens numa
  TV?
 Como guardar as imagens?
 Como seria a aparência de um álbum de fotos
  eletrônico?
 1981 – Sony introduz no mercado mundial a Mavica
 (Magnetic Video Camera)
    Não eram câmeras digitais, e sim "câmeras de vídeo estático”
    Posteriormente, a empresa relançou a marca incorporando a
     tecnologia digital
 Outro desafio era fazer tudo isso num formato de
  câmera menor
 A Kodak patenteou a primeira câmera digital em
  1978
 Sasson estudou um novo componente eletrônico: o
  CCD (charge-coupled device)
 Incorporou o CCD a partes de uma câmera de vídeo
 Com a aparição de imagens digitais, um software
  para manipulá-las era essencial
 1987: um doutorando da Universidade de Michigan
  fez um programa para mostrar – num Macintosh –
  foto em preto e branco
    Thomas e John Knoll deram o nome de Display, depois de
     ImagePro e depois, Photoshop
Kodak DCS – 1991

 Corpo da Nikon F3 com um CCD da Kodak e uma
  unidade de armazenamento
 Ela surgiu pela necessidade dos prazos apertados do
  fotojornalismo
 A primeira câmera verdadeiramente digital para uso
  público foi a Kodak DCS-100, de 1,3 megapixel,
  desenvolvida pela Kodak e Nikon e lançada em 1991
 Em 1995 a Kodak vende a câmera digital DCS 460 de
  seis megapixels por U$ 25.000
 A empresa adaptou a tecnologia às plataformas
  Nikon e Canon
Dycam Model I - 1991

 Custava cerca de 995 dólares;
 Resolução de 320x240 pixels;
 fotos em branco e preto;
 até 32 imagens em 1 MB de
 memória interna
Kodak DC210 – 1997

 Incorpora o visor de LCD colorido;
 Resolução de 1 megapixel;
 Fácil manipulação através de botões.
Dimage X, 2002

 U$ 399
Câmera no celular, 2003

 Celular Nokia 7650
 Vendido por cerca de 600
  dólares
 0,3 megapixels
 Memória de 1 MB,
  capacidade de armazenar 55
  fotos
Compartilhamento

 Kodak EasyShare
 DX6490, 2004
    4 megapixels
    Design: corpo parecido com as
     SLR
    Botão “share”: compartilhar
     imagens através de emails ou
     impressões.
Médio formato

 Back digital Leaf de 33
 megapixels montado
 em uma câmera
 Hasselblad




 Câmera Sinar Hy6 de
  33 megapixels
O futuro (?)

 Os modos de captura: onde estão as câmeras?
 Padrão comparativo: filme x foto digital x o que
  vemos
 Os suportes: TV, visor de celular, papel?
 Ampla produção de imagens: nos expressamos o
  tempo todo
 Desenvolvimento de novos espaços para
  compartilhamento
 2008: Encerramento da produção de câmeras
 instantâneas
    Criação da impressora PoGo


 Atual: ampliam-se
 as formas de impressão

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula 002 - Aspectos Históricos

A evolução das câmeras fotográficas digitais
A evolução das câmeras fotográficas digitaisA evolução das câmeras fotográficas digitais
A evolução das câmeras fotográficas digitais
Daniel Comparini
 
A ética no fotojornalismo da era digital
A ética no fotojornalismo da era digitalA ética no fotojornalismo da era digital
A ética no fotojornalismo da era digital
Fantoches de Luz
 
As novas tecnologias no contexto profissional
As novas tecnologias no contexto profissionalAs novas tecnologias no contexto profissional
As novas tecnologias no contexto profissional
Laetitia Oliveira
 
A fotografia
A fotografiaA fotografia
A fotografia
Daniel Amaro
 
A história dos monitores de pc
A história dos monitores de pcA história dos monitores de pc
A história dos monitores de pc
Jorge Pereira
 
A EVOLUÇÃO DO COMPUTADOR #01
A EVOLUÇÃO DO COMPUTADOR #01A EVOLUÇÃO DO COMPUTADOR #01
A EVOLUÇÃO DO COMPUTADOR #01
Augusto Nogueira
 
Fotografia digital
Fotografia digitalFotografia digital
Fotografia digital
diogobolado57
 
Fotografia digital
Fotografia digitalFotografia digital
Fotografia digital
Zulmarpe
 
Fotografia digital
Fotografia digitalFotografia digital
Fotografia digital
ochatope
 
Fotografia digital
Fotografia digitalFotografia digital
Fotografia digital
bogs86
 
Fotografia digital
Fotografia digitalFotografia digital
Fotografia digital
Charlescarp
 
A imagem
A imagemA imagem
Aula 4 Informática Aplicada
Aula 4 Informática AplicadaAula 4 Informática Aplicada
Aula 4 Informática Aplicada
Armando Rivarola
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
Raquel Benaion
 
Trabalho de fotografia
Trabalho de fotografiaTrabalho de fotografia
Trabalho de fotografia
carolinarosa24
 
Trabalho de fotografia
Trabalho de fotografiaTrabalho de fotografia
Trabalho de fotografia
chocowhitee
 
Apostila curso básico de fotografia
Apostila   curso básico de fotografiaApostila   curso básico de fotografia
Apostila curso básico de fotografia
Raquel Salcedo Gomes
 
CGPI - Aula 20/08/2018
CGPI - Aula 20/08/2018CGPI - Aula 20/08/2018
CGPI - Aula 20/08/2018
Elaine Cecília Gatto
 
Aula 02 arte digital
Aula 02 arte digitalAula 02 arte digital
Aula 02 arte digital
Venise Melo
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
Danielle Souza
 

Semelhante a Aula 002 - Aspectos Históricos (20)

A evolução das câmeras fotográficas digitais
A evolução das câmeras fotográficas digitaisA evolução das câmeras fotográficas digitais
A evolução das câmeras fotográficas digitais
 
A ética no fotojornalismo da era digital
A ética no fotojornalismo da era digitalA ética no fotojornalismo da era digital
A ética no fotojornalismo da era digital
 
As novas tecnologias no contexto profissional
As novas tecnologias no contexto profissionalAs novas tecnologias no contexto profissional
As novas tecnologias no contexto profissional
 
A fotografia
A fotografiaA fotografia
A fotografia
 
A história dos monitores de pc
A história dos monitores de pcA história dos monitores de pc
A história dos monitores de pc
 
A EVOLUÇÃO DO COMPUTADOR #01
A EVOLUÇÃO DO COMPUTADOR #01A EVOLUÇÃO DO COMPUTADOR #01
A EVOLUÇÃO DO COMPUTADOR #01
 
Fotografia digital
Fotografia digitalFotografia digital
Fotografia digital
 
Fotografia digital
Fotografia digitalFotografia digital
Fotografia digital
 
Fotografia digital
Fotografia digitalFotografia digital
Fotografia digital
 
Fotografia digital
Fotografia digitalFotografia digital
Fotografia digital
 
Fotografia digital
Fotografia digitalFotografia digital
Fotografia digital
 
A imagem
A imagemA imagem
A imagem
 
Aula 4 Informática Aplicada
Aula 4 Informática AplicadaAula 4 Informática Aplicada
Aula 4 Informática Aplicada
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
 
Trabalho de fotografia
Trabalho de fotografiaTrabalho de fotografia
Trabalho de fotografia
 
Trabalho de fotografia
Trabalho de fotografiaTrabalho de fotografia
Trabalho de fotografia
 
Apostila curso básico de fotografia
Apostila   curso básico de fotografiaApostila   curso básico de fotografia
Apostila curso básico de fotografia
 
CGPI - Aula 20/08/2018
CGPI - Aula 20/08/2018CGPI - Aula 20/08/2018
CGPI - Aula 20/08/2018
 
Aula 02 arte digital
Aula 02 arte digitalAula 02 arte digital
Aula 02 arte digital
 
História da fotografia
História da fotografiaHistória da fotografia
História da fotografia
 

Último

Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 

Aula 002 - Aspectos Históricos

  • 2.  Estudos sobre sensores foram iniciados em 1930  1920 – início da transmissão de imagens  Londres – Nova York pelo cabo submarino  3 horas
  • 3.
  • 4.  1957: Russel Kirsch e seus colegas do National Institute of Standards e Technology (NIST) construíram um escâner primitivo e obtiveram uma iamgem do filho de Kirsch  A imagem digitalizada era formada por 176 x 176 pixels
  • 5. 176 x 176 pixels
  • 6.  1964: a NASA passou a receber imagens digitais enviadas pelas naves da série Mariner  1969: as naves Mariner 6 e Mariner 7 orbitaram Marte e enviaram milhares de imagens digitais transmitidas por ondas de rádio
  • 7.  1968: os americanos Willard Boyle e George Smith apresentaram o primeiro CCD, um sensor eletrônico, inicialmente usado como guia para mísseis  A primeira versão comercial (do CCD) chega ao mercado em 1973, obra da Fairchild Imaging  Batizado de 201ADC capturava imagens de 0,01 megapixels
  • 8. Sasson Digital Camera (1975)  Desenvolvida pelo engenheiro elétrico Steve J. Sasson  Resolução de 0,01 megapixels (100x100 pixels)  Pesava mais que 3,5kg  Levava 23 segundos para gravar uma imagem em uma fita cassete e mais 23 segundos para mostrar a imagem numa tela de TV  Cada pixel tinha profundidade de 4 bits
  • 9.
  • 10. • O maior esforço do projeto era: desenvolver um meio de reprodução que lesse a imagem da fita cassete e produzir um sinal NTSC da imagem • O microprocessador era programado para transformar as linhas de dados capturadas em linhas para exibição na TV • O protótipo foi chamado inicialmente de “film-less photography”
  • 12. Questões comerciais  Quando esse conceito será viável para o consumidor?  Porque alguém gostaria de ver suas imagens numa TV?  Como guardar as imagens?  Como seria a aparência de um álbum de fotos eletrônico?
  • 13.  1981 – Sony introduz no mercado mundial a Mavica (Magnetic Video Camera)  Não eram câmeras digitais, e sim "câmeras de vídeo estático”  Posteriormente, a empresa relançou a marca incorporando a tecnologia digital
  • 14.  Outro desafio era fazer tudo isso num formato de câmera menor  A Kodak patenteou a primeira câmera digital em 1978  Sasson estudou um novo componente eletrônico: o CCD (charge-coupled device)  Incorporou o CCD a partes de uma câmera de vídeo
  • 15.  Com a aparição de imagens digitais, um software para manipulá-las era essencial  1987: um doutorando da Universidade de Michigan fez um programa para mostrar – num Macintosh – foto em preto e branco  Thomas e John Knoll deram o nome de Display, depois de ImagePro e depois, Photoshop
  • 16.
  • 17. Kodak DCS – 1991  Corpo da Nikon F3 com um CCD da Kodak e uma unidade de armazenamento  Ela surgiu pela necessidade dos prazos apertados do fotojornalismo  A primeira câmera verdadeiramente digital para uso público foi a Kodak DCS-100, de 1,3 megapixel, desenvolvida pela Kodak e Nikon e lançada em 1991
  • 18.
  • 19.  Em 1995 a Kodak vende a câmera digital DCS 460 de seis megapixels por U$ 25.000  A empresa adaptou a tecnologia às plataformas Nikon e Canon
  • 20. Dycam Model I - 1991  Custava cerca de 995 dólares;  Resolução de 320x240 pixels;  fotos em branco e preto;  até 32 imagens em 1 MB de memória interna
  • 21. Kodak DC210 – 1997  Incorpora o visor de LCD colorido;  Resolução de 1 megapixel;  Fácil manipulação através de botões.
  • 23. Câmera no celular, 2003  Celular Nokia 7650  Vendido por cerca de 600 dólares  0,3 megapixels  Memória de 1 MB, capacidade de armazenar 55 fotos
  • 24. Compartilhamento  Kodak EasyShare DX6490, 2004  4 megapixels  Design: corpo parecido com as SLR  Botão “share”: compartilhar imagens através de emails ou impressões.
  • 25. Médio formato  Back digital Leaf de 33 megapixels montado em uma câmera Hasselblad  Câmera Sinar Hy6 de 33 megapixels
  • 26. O futuro (?)  Os modos de captura: onde estão as câmeras?  Padrão comparativo: filme x foto digital x o que vemos  Os suportes: TV, visor de celular, papel?  Ampla produção de imagens: nos expressamos o tempo todo  Desenvolvimento de novos espaços para compartilhamento
  • 27.  2008: Encerramento da produção de câmeras instantâneas  Criação da impressora PoGo  Atual: ampliam-se as formas de impressão