SlideShare uma empresa Scribd logo
GIOVANA SOARES CARNEIRO




CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e
transferência da informação em portal governamental


                Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito
                parcial para obtenção do grau de Bacharel em Biblioteconomia
                da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da
                Universidade Federal do Rio Grande do Sul.


                                  Orientador: Prof. Dr. Valdir Jose Morigi


                      Porto Alegre
                         2006
1 INTRODUÇÃO
- Tema central: organização e transferência da informação em
  portal de governo eletrônico;
- Escolha do tema: TICs; governo eletrônico; organização da
  informação na rede; transferência de informação pública para os
  cidadãos.

1.1 Justificativa
- Proposição do e-gov: possibilitar e simplificar para os cidadãos o
  acesso à informação e à oferta de serviços públicos na Internet;
- Vasta gama de informações e serviços de utilidade pública
  disponibilizadas para a sociedade na rede;
- Dificuldades de acesso aos conteúdos informacionais veiculados
  nos portais governamentais;
- Pretensão de oferecer subsídios à organização e transferência
  da informação veiculada no portal governamental;
- Contribuir com elementos potencializadores para a promoção da
  acessibilidade às informações públicas.
1.2 Definição do Problema
     Quais os elementos informacionais necessários para o
     estabelecimento de padrões metodológicos adequados à
     organização e transferência da informação em portais
     governamentais?

1.3 Objetivos
1.3.1 Objetivo Geral
     Compreender como o emprego dos termos na representação e
     organização das informações de serviços de utilidade pública em
     portal de governo no âmbito estadual, pode auxiliar a transferência
     das informações aos cidadãos.

1.3.2 Objetivos Específicos
a)   verificar quais os princípios de organização e transferência da
     informação empregados no Portal de Serviços e Informações do
     Estado do Rio Grande do Sul – TudoFácil Eletrônico;
b)   identificar quais as categorias temáticas gerais vinculadas no
     Portal TudoFácil Eletrônico;
c)   identificar quais os termos utilizados no Portal TudoFácil Eletrônico
     para representar as informações de serviços de utilidade pública
     destinados aos cidadãos.
2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

2.1 Cidadania e Estado: uma inter-relação necessária
-   Na pólis grega, começou a se viabilizar a vida em sociedade por
    meio do compartilhamento do espaço público e do exercício de
    direitos e deveres constituídos (MOSELE; MORIGI, 2005);
-   No século XVIII, período da Idade Moderna, apresenta-se o Estado
    como tutor da nação: o conceito de cidadania passou a ser o direito
    igualitário de todos perante o Estado (MARSHALL, 1988);
-   Com a emergência da Sociedade da Informação no final do século
    XX, as TICs modificaram a relação entre Estado e sociedade
    (CASTELLS, 1999);
-   A nova cidadania é gerada pela interatividade, pela garantia de
    expressão para todos e pela transcendência virtual dos aspectos
    territoriais e culturais locais (MADEC; MURARD, 1998);
-   As TICs caracterizam um instrumento de interação social para o
    exercício da cidadania (ROCHA, 2000).
2.2 Governo Eletrônico: oportunidades e desafios
-   O e-gov é a estratégia na qual o Estado faz uso das TICs para
    oferecer à sociedade melhores condições de acesso à informação e
    serviços públicos (JARDIM, 2005);
-   Objetivo do e-gov: conforme Zweers e Planqué (2001), é fornecer ou
    tornar disponíveis informações, serviços ou produtos, via rede,
    oriundo ou por intermédio de órgãos públicos, a qualquer momento,
    local e cidadão;
-   Fases do governo eletrônico: presença, interação, transação e
    transformação (KELLER, 2000);
-   Modalidades de relacionamentos entre o Governo e a sociedade:
    G2G, G2B, G2C e G2E (KELLER, 2000);
-   Os portais governamentais representam os canais de prestação de
    serviços, informações e comunicação entre cidadãos e seus
    Governos (VAZ, 2002);
-   Portais governamentais devem refletir o one-stop government e o
    conceito de life-events (VILELLA, 2003).
2.3 Organização da Informação Governamental na Web

2.3.1 Linguagem Documentária
-   Além de referir-se ao conjunto dos diferentes tipos de instrumentos
    especializados no tratamento da informação bibliográfica (Sistemas
    de Classificação Enciclopédicos ou Facetados e Tesauros), designa
    de modo mais amplo a linguagem construída para organizar e
    facilitar o acesso e a transferência da informação (SOUZA, 2005);
-   A LD é construída com base em elementos da Linguagem Natural
    (LARA, 2004);
-   As metodologias de construção da LD são referidas para tratar
    também universos não exclusivamente bibliográficos, como os sítios
    e portais (TÁLAMO, 1997);
-   A LD é um instrumento que exerce a função de mediação entre ao
    menos duas linguagens: a linguagem do sistema e a linguagem do
    usuário (CINTRA et al., 2002);
-   As Linguagens Documentárias estruturam-se por meio de relações
    hierárquicas (relações de gênero/espécie, todo/parte) e relações
    não-hierárquicas (relações associativas e de equivalência).
2.3.1.1 O Uso das Classificações Facetadas em Portais
-   Indica a técnica de fragmentar um assunto complexo em seus
    diversos aspectos/partes constituintes (facetas), utilizando, para
    estabelecer a relação entre eles, as categorias fundamentais -
    PMEST (CHAUMIER, 1976);
-   Aplicar a categorização é analisar o domínio do conhecimento
    partindo de recortes conceituais que permitem determinar a
    identidade dos conceitos (categorias) que fazem parte desse
    domínio (CAMPOS; GOMES; MOTTA, 2004).
-   Na organização da informação em portais, a categorização pode ser
    muito útil, visto que estabelece critérios de organização por meio de
    análise dos assuntos por facetas e reúne informações de mesma
    natureza semântica por uma mesma faceta ou categoria.
2.3.1.2 O Uso dos Tesauros em Portais
-   Campos, Gomes e Motta (2004) defendem a teoria de que algumas
    etapas iniciais da metodologia de construção do tesauro são
    essenciais para a organização do conteúdo de portais e sítios na
    rede.
2.3.2 Contribuições da Terminologia na Construção da LD
-   A função da Terminologia na construção da LD é fornecer princípios
    para a identificação dos domínios, delimitação de conceitos e termos,
    estabelecimento de relações entre conceitos apoiadas em definições,
    além de prover referência concreta aos descritores (LARA, 2005);
-   A Terminologia oferece parâmetros para operar com maior rigor a
    organização e a delimitação dos universos de informação, base
    indispensável para o estabelecimento das relações hierárquicas,
    associativas e de equivalência entre conceitos, sedimentadas em
    definições e na observação do uso (ROCHA, 2004);
-   No caso de portais governamentais, as iniciativas de organização e
    transferência da informação aos cidadãos devem adotar procedimentos
    terminológicos para a identificação de vínculos de significação com o
    cidadão (LARA, 2004).
3 METODOLOGIA
3.1 Tipo de Estudo
  Estudo descritivo, abordagem qualitativa, método específico
  estudo de caso.
3.2 Universo do Estudo
  Portal de Serviços e Informações do Estado do Rio Grande do
  Sul – TudoFácil Eletrônico.
3.3 Participantes da Entrevista
  Dois gerentes de projetos da PROCERGS.
3.4 Instrumento de Coleta de Dados
  Roteiro para análise de um site com base nos parâmetros de
  organização da informação (LARA, 2005) e entrevista semi-
  estruturada.
3.5 Procedimento de Coleta de Dados
  Análise do Portal TudoFácil Eletrônico (quanto ao público,
  estruturação da informação e ferramentas de auxílio ao
  acesso/facilidades oferecidas); realização de entrevistas semi-
  estruturadas.
4 ANÁLISE E TRATAMENTO DOS DADOS




   Tabela 3 – Revistas listadas no IBICT: situação na pesquisa




                                                                 •Fonte: dados da pesquisa (ago./2006)




 Figura 2 – Página Inicial do Portal TudoFácil Eletrônico
 Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
4.1 Critério: público




  Figura 3 – Categorias de Público-Alvo do Portal TudoFácil
  Fonte:<http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
4.2 Critério: estruturação das informações
  a) por público-alvo: Cidadão, Empresa, Produtor Rural e Servidor
     Público;
  b) pela linha e/ou eventos da vida: nascimento, infância e
     juventude, maturidade, terceira idade e óbito;
  c) por categorias gerais: estão disponíveis 20 temas.




  Figura 4 – Categoria Linha da Vida do Portal TudoFácil
  Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
Figura 5 – Categorização por Temas no Portal TudoFácil
Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
- Com base na categorização, os subdomínios de atividade foram
  sucessivamente divididos até os níveis mais específicos.




  Figura 6 – Categorização do Termo “Condições de Tráfego no RS”
  Fonte:<http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
-    No caso de um assunto aparecer subordinado em dois temas
    diferentes, é demonstrada a presença do conceito de relações de
    equivalência, que tem a finalidade de disponibilizar mais de uma
    opção de acesso à informação (figura 7):




    Figura 7 – Resultado da Busca pelo Termo “ônibus”
    Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
4.3 Critério: ferramentas de auxílio ao acesso
- O Portal dispõe aos usuários: mapa do site, índice de assuntos,
  ferramenta de busca e o recurso “migalhas de pão”.




   Figura 8 – Mapa do Portal
   Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
Figura 9 – Índice de Assuntos do Portal
Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
Figura 10 – Resultados da Busca pelo Termo “Lombada”
Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
- “Migalhas de pão” (breadcrumbs): observou-se no canto superior
  esquerdo da interface do Portal a utilização dos termos como guia
  de navegação (navegação horizontal).




   Figura 11 – Navegação por “Migalhas de Pão”
   Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS
  O Portal TudoFácil Eletrônico utiliza recursos organizacionais
  voltados ao cidadão, como a disponibilização da informação de
  acordo com o perfil do usuário, e numa hierarquia e/ou
  categorização dos serviços prestados.

  A organização do conteúdo informacional em portal de governo,
  com base na metodologia de construção da Linguagem
  Documentária e nos princípios teórico-metodológicos da
  Terminologia, possibilita a transferência da informação aos
  cidadãos.

  Sugestões de estudos futuros:
- Identificar as necessidades informacionais e as características
  dos usuários reais e potenciais, tendo em vista o
  estabelecimento de contextos claros e bem determinados para a
  recuperação de sentidos.
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação Giovana Soares Carneiro UFRGS - CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e transferência da informação em portal governamental

Fatores Criticos de SUcesso
Fatores Criticos de SUcessoFatores Criticos de SUcesso
Fatores Criticos de SUcesso
Renan Miranda
 
Consad 2015 abertura de dados e web semantica
Consad 2015   abertura de dados e web semanticaConsad 2015   abertura de dados e web semantica
Consad 2015 abertura de dados e web semantica
SPUK
 
Consad 2015 abertura de dados e web semantica
Consad 2015   abertura de dados e web semanticaConsad 2015   abertura de dados e web semantica
Consad 2015 abertura de dados e web semantica
SPUK
 
Governança eletrônica móvel no Brasil - Clad 2012
Governança eletrônica móvel no Brasil - Clad 2012Governança eletrônica móvel no Brasil - Clad 2012
Governança eletrônica móvel no Brasil - Clad 2012
everson lopes de aguiar
 
Perspectiva orientada ao território
Perspectiva orientada ao territórioPerspectiva orientada ao território
Perspectiva orientada ao território
Luis Borges Gouveia
 
PROJETO MGOV2 - ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLI...
PROJETO MGOV2 - ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLI...PROJETO MGOV2 - ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLI...
PROJETO MGOV2 - ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLI...
Angela Iara Zotti
 
Gestão pública 2
Gestão pública 2Gestão pública 2
Gestão pública 2
Ronilson de Souza Luiz
 
ELEIÇÃO DIRETA DIGITAL INTERNACIONAL - ED²I: uso das ferramentas Web 2.0 com ...
ELEIÇÃO DIRETA DIGITAL INTERNACIONAL - ED²I: uso das ferramentas Web 2.0 com ...ELEIÇÃO DIRETA DIGITAL INTERNACIONAL - ED²I: uso das ferramentas Web 2.0 com ...
ELEIÇÃO DIRETA DIGITAL INTERNACIONAL - ED²I: uso das ferramentas Web 2.0 com ...
Angela Iara Zotti
 
EleiçãO Direta Digital 39 J A I I O S S I
EleiçãO  Direta  Digital 39 J A I I O  S S IEleiçãO  Direta  Digital 39 J A I I O  S S I
EleiçãO Direta Digital 39 J A I I O S S I
Angela Iara Zotti
 
mGOV2: ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COM O...
mGOV2: ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COM O...mGOV2: ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COM O...
mGOV2: ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COM O...
Angela Iara Zotti
 
Melhorias para a Plataforma Federal da Participação Social
Melhorias para a Plataforma Federal da Participação SocialMelhorias para a Plataforma Federal da Participação Social
Melhorias para a Plataforma Federal da Participação Social
Ana Célia Costa
 
O governo eletrônico no brasil
O governo eletrônico no brasilO governo eletrônico no brasil
O governo eletrônico no brasil
Osnir Costa
 
O governo eletrônico no brasil
O governo eletrônico no brasilO governo eletrônico no brasil
O governo eletrônico no brasil
Osnir Costa
 
Dados Abertos para o Controle Externo
Dados Abertos para o Controle ExternoDados Abertos para o Controle Externo
Dados Abertos para o Controle Externo
Thiago Avila, Msc
 
Programa gestao conteudo_2010
Programa gestao conteudo_2010Programa gestao conteudo_2010
Programa gestao conteudo_2010
cibeleac
 
Ferramentas SIG – Sistemas de Informações Geográficas para o Planejamento Pa...
Ferramentas SIG – Sistemas de Informações Geográficas  para o Planejamento Pa...Ferramentas SIG – Sistemas de Informações Geográficas  para o Planejamento Pa...
Ferramentas SIG – Sistemas de Informações Geográficas para o Planejamento Pa...
gaup_geo
 
Um ensaio sobre as principais barreiras em acoes de governo movel - Conferenc...
Um ensaio sobre as principais barreiras em acoes de governo movel - Conferenc...Um ensaio sobre as principais barreiras em acoes de governo movel - Conferenc...
Um ensaio sobre as principais barreiras em acoes de governo movel - Conferenc...
everson lopes de aguiar
 
2. Faça uma pesquisa e identifique como uma organização pública em sua cidade...
2. Faça uma pesquisa e identifique como uma organização pública em sua cidade...2. Faça uma pesquisa e identifique como uma organização pública em sua cidade...
2. Faça uma pesquisa e identifique como uma organização pública em sua cidade...
GT ASSESSORIA ACADÊMICA
 
- Identificação da Cidade e UF: - Organização pública: - TIC:
- Identificação da Cidade e UF: - Organização pública: - TIC:- Identificação da Cidade e UF: - Organização pública: - TIC:
- Identificação da Cidade e UF: - Organização pública: - TIC:
GT ASSESSORIA ACADÊMICA
 
1. Indique quais são as principais características das TICs (sua resposta dev...
1. Indique quais são as principais características das TICs (sua resposta dev...1. Indique quais são as principais características das TICs (sua resposta dev...
1. Indique quais são as principais características das TICs (sua resposta dev...
GT ASSESSORIA ACADÊMICA
 

Semelhante a Apresentação Giovana Soares Carneiro UFRGS - CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e transferência da informação em portal governamental (20)

Fatores Criticos de SUcesso
Fatores Criticos de SUcessoFatores Criticos de SUcesso
Fatores Criticos de SUcesso
 
Consad 2015 abertura de dados e web semantica
Consad 2015   abertura de dados e web semanticaConsad 2015   abertura de dados e web semantica
Consad 2015 abertura de dados e web semantica
 
Consad 2015 abertura de dados e web semantica
Consad 2015   abertura de dados e web semanticaConsad 2015   abertura de dados e web semantica
Consad 2015 abertura de dados e web semantica
 
Governança eletrônica móvel no Brasil - Clad 2012
Governança eletrônica móvel no Brasil - Clad 2012Governança eletrônica móvel no Brasil - Clad 2012
Governança eletrônica móvel no Brasil - Clad 2012
 
Perspectiva orientada ao território
Perspectiva orientada ao territórioPerspectiva orientada ao território
Perspectiva orientada ao território
 
PROJETO MGOV2 - ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLI...
PROJETO MGOV2 - ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLI...PROJETO MGOV2 - ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLI...
PROJETO MGOV2 - ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLI...
 
Gestão pública 2
Gestão pública 2Gestão pública 2
Gestão pública 2
 
ELEIÇÃO DIRETA DIGITAL INTERNACIONAL - ED²I: uso das ferramentas Web 2.0 com ...
ELEIÇÃO DIRETA DIGITAL INTERNACIONAL - ED²I: uso das ferramentas Web 2.0 com ...ELEIÇÃO DIRETA DIGITAL INTERNACIONAL - ED²I: uso das ferramentas Web 2.0 com ...
ELEIÇÃO DIRETA DIGITAL INTERNACIONAL - ED²I: uso das ferramentas Web 2.0 com ...
 
EleiçãO Direta Digital 39 J A I I O S S I
EleiçãO  Direta  Digital 39 J A I I O  S S IEleiçãO  Direta  Digital 39 J A I I O  S S I
EleiçãO Direta Digital 39 J A I I O S S I
 
mGOV2: ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COM O...
mGOV2: ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COM O...mGOV2: ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COM O...
mGOV2: ENVOLVIMENTO DO CIDADÃO NO DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS COM O...
 
Melhorias para a Plataforma Federal da Participação Social
Melhorias para a Plataforma Federal da Participação SocialMelhorias para a Plataforma Federal da Participação Social
Melhorias para a Plataforma Federal da Participação Social
 
O governo eletrônico no brasil
O governo eletrônico no brasilO governo eletrônico no brasil
O governo eletrônico no brasil
 
O governo eletrônico no brasil
O governo eletrônico no brasilO governo eletrônico no brasil
O governo eletrônico no brasil
 
Dados Abertos para o Controle Externo
Dados Abertos para o Controle ExternoDados Abertos para o Controle Externo
Dados Abertos para o Controle Externo
 
Programa gestao conteudo_2010
Programa gestao conteudo_2010Programa gestao conteudo_2010
Programa gestao conteudo_2010
 
Ferramentas SIG – Sistemas de Informações Geográficas para o Planejamento Pa...
Ferramentas SIG – Sistemas de Informações Geográficas  para o Planejamento Pa...Ferramentas SIG – Sistemas de Informações Geográficas  para o Planejamento Pa...
Ferramentas SIG – Sistemas de Informações Geográficas para o Planejamento Pa...
 
Um ensaio sobre as principais barreiras em acoes de governo movel - Conferenc...
Um ensaio sobre as principais barreiras em acoes de governo movel - Conferenc...Um ensaio sobre as principais barreiras em acoes de governo movel - Conferenc...
Um ensaio sobre as principais barreiras em acoes de governo movel - Conferenc...
 
2. Faça uma pesquisa e identifique como uma organização pública em sua cidade...
2. Faça uma pesquisa e identifique como uma organização pública em sua cidade...2. Faça uma pesquisa e identifique como uma organização pública em sua cidade...
2. Faça uma pesquisa e identifique como uma organização pública em sua cidade...
 
- Identificação da Cidade e UF: - Organização pública: - TIC:
- Identificação da Cidade e UF: - Organização pública: - TIC:- Identificação da Cidade e UF: - Organização pública: - TIC:
- Identificação da Cidade e UF: - Organização pública: - TIC:
 
1. Indique quais são as principais características das TICs (sua resposta dev...
1. Indique quais são as principais características das TICs (sua resposta dev...1. Indique quais são as principais características das TICs (sua resposta dev...
1. Indique quais são as principais características das TICs (sua resposta dev...
 

Mais de Giovana Soares Carneiro

Metodologia da promoção da biblioteca universitária - Nice Figueiredo
Metodologia da promoção da biblioteca universitária -  Nice FigueiredoMetodologia da promoção da biblioteca universitária -  Nice Figueiredo
Metodologia da promoção da biblioteca universitária - Nice FigueiredoGiovana Soares Carneiro
 
ABNT NBR 6023 - REFERÊNCIAS
ABNT NBR 6023 - REFERÊNCIAS ABNT NBR 6023 - REFERÊNCIAS
ABNT NBR 6023 - REFERÊNCIAS
Giovana Soares Carneiro
 
Livro Métodos de Pesquisa
Livro Métodos de PesquisaLivro Métodos de Pesquisa
Livro Métodos de Pesquisa
Giovana Soares Carneiro
 
Publico e privado - Tarso Violin
Publico e privado - Tarso ViolinPublico e privado - Tarso Violin
Publico e privado - Tarso Violin
Giovana Soares Carneiro
 
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado   chat3 texto-2_tarso_violinPublico e privado   chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
Giovana Soares Carneiro
 
Publico e privado - Bresser-Pereira
Publico e privado - Bresser-PereiraPublico e privado - Bresser-Pereira
Publico e privado - Bresser-Pereira
Giovana Soares Carneiro
 
O público e o privado na esfera pública
O público e o privado na esfera públicaO público e o privado na esfera pública
O público e o privado na esfera pública
Giovana Soares Carneiro
 
Abdala a nova classe media
Abdala a nova classe mediaAbdala a nova classe media
Abdala a nova classe media
Giovana Soares Carneiro
 
Atribuição de identificadores digitais para publicações científicas - IBICT
Atribuição de identificadores digitais para publicações científicas - IBICTAtribuição de identificadores digitais para publicações científicas - IBICT
Atribuição de identificadores digitais para publicações científicas - IBICT
Giovana Soares Carneiro
 
Rda descripcion-y-acceso-al-recurso-bases-estructura-e-implementacion
Rda descripcion-y-acceso-al-recurso-bases-estructura-e-implementacionRda descripcion-y-acceso-al-recurso-bases-estructura-e-implementacion
Rda descripcion-y-acceso-al-recurso-bases-estructura-e-implementacion
Giovana Soares Carneiro
 
El fichero internacional virtual de autoridades diego sandín enríquez
El fichero internacional virtual de autoridades   diego sandín enríquezEl fichero internacional virtual de autoridades   diego sandín enríquez
El fichero internacional virtual de autoridades diego sandín enríquez
Giovana Soares Carneiro
 
A catalogacao-cooperativa-no-sistema-de-bibliotecas-da-UFRGS-relato-de-experi...
A catalogacao-cooperativa-no-sistema-de-bibliotecas-da-UFRGS-relato-de-experi...A catalogacao-cooperativa-no-sistema-de-bibliotecas-da-UFRGS-relato-de-experi...
A catalogacao-cooperativa-no-sistema-de-bibliotecas-da-UFRGS-relato-de-experi...
Giovana Soares Carneiro
 
TCC Giovana Carneiro UFRGS - CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e tr...
TCC Giovana Carneiro UFRGS - CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e tr...TCC Giovana Carneiro UFRGS - CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e tr...
TCC Giovana Carneiro UFRGS - CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e tr...
Giovana Soares Carneiro
 
Encontro Nacional de Catalogação - ENACAT 2012
Encontro Nacional de Catalogação - ENACAT 2012Encontro Nacional de Catalogação - ENACAT 2012
Encontro Nacional de Catalogação - ENACAT 2012
Giovana Soares Carneiro
 

Mais de Giovana Soares Carneiro (15)

Metodologia da promoção da biblioteca universitária - Nice Figueiredo
Metodologia da promoção da biblioteca universitária -  Nice FigueiredoMetodologia da promoção da biblioteca universitária -  Nice Figueiredo
Metodologia da promoção da biblioteca universitária - Nice Figueiredo
 
ABNT NBR 6023 - REFERÊNCIAS
ABNT NBR 6023 - REFERÊNCIAS ABNT NBR 6023 - REFERÊNCIAS
ABNT NBR 6023 - REFERÊNCIAS
 
Livro Métodos de Pesquisa
Livro Métodos de PesquisaLivro Métodos de Pesquisa
Livro Métodos de Pesquisa
 
Publico e privado - Tarso Violin
Publico e privado - Tarso ViolinPublico e privado - Tarso Violin
Publico e privado - Tarso Violin
 
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado   chat3 texto-2_tarso_violinPublico e privado   chat3 texto-2_tarso_violin
Publico e privado chat3 texto-2_tarso_violin
 
Publico e privado - Bresser-Pereira
Publico e privado - Bresser-PereiraPublico e privado - Bresser-Pereira
Publico e privado - Bresser-Pereira
 
O público e o privado na esfera pública
O público e o privado na esfera públicaO público e o privado na esfera pública
O público e o privado na esfera pública
 
Abdala a nova classe media
Abdala a nova classe mediaAbdala a nova classe media
Abdala a nova classe media
 
Atribuição de identificadores digitais para publicações científicas - IBICT
Atribuição de identificadores digitais para publicações científicas - IBICTAtribuição de identificadores digitais para publicações científicas - IBICT
Atribuição de identificadores digitais para publicações científicas - IBICT
 
O sonho de otlet
O sonho de otletO sonho de otlet
O sonho de otlet
 
Rda descripcion-y-acceso-al-recurso-bases-estructura-e-implementacion
Rda descripcion-y-acceso-al-recurso-bases-estructura-e-implementacionRda descripcion-y-acceso-al-recurso-bases-estructura-e-implementacion
Rda descripcion-y-acceso-al-recurso-bases-estructura-e-implementacion
 
El fichero internacional virtual de autoridades diego sandín enríquez
El fichero internacional virtual de autoridades   diego sandín enríquezEl fichero internacional virtual de autoridades   diego sandín enríquez
El fichero internacional virtual de autoridades diego sandín enríquez
 
A catalogacao-cooperativa-no-sistema-de-bibliotecas-da-UFRGS-relato-de-experi...
A catalogacao-cooperativa-no-sistema-de-bibliotecas-da-UFRGS-relato-de-experi...A catalogacao-cooperativa-no-sistema-de-bibliotecas-da-UFRGS-relato-de-experi...
A catalogacao-cooperativa-no-sistema-de-bibliotecas-da-UFRGS-relato-de-experi...
 
TCC Giovana Carneiro UFRGS - CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e tr...
TCC Giovana Carneiro UFRGS - CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e tr...TCC Giovana Carneiro UFRGS - CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e tr...
TCC Giovana Carneiro UFRGS - CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e tr...
 
Encontro Nacional de Catalogação - ENACAT 2012
Encontro Nacional de Catalogação - ENACAT 2012Encontro Nacional de Catalogação - ENACAT 2012
Encontro Nacional de Catalogação - ENACAT 2012
 

Apresentação Giovana Soares Carneiro UFRGS - CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e transferência da informação em portal governamental

  • 1. GIOVANA SOARES CARNEIRO CIDADANIA E GOVERNO ELETRÔNICO: organização e transferência da informação em portal governamental Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Biblioteconomia da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Orientador: Prof. Dr. Valdir Jose Morigi Porto Alegre 2006
  • 2. 1 INTRODUÇÃO - Tema central: organização e transferência da informação em portal de governo eletrônico; - Escolha do tema: TICs; governo eletrônico; organização da informação na rede; transferência de informação pública para os cidadãos. 1.1 Justificativa - Proposição do e-gov: possibilitar e simplificar para os cidadãos o acesso à informação e à oferta de serviços públicos na Internet; - Vasta gama de informações e serviços de utilidade pública disponibilizadas para a sociedade na rede; - Dificuldades de acesso aos conteúdos informacionais veiculados nos portais governamentais; - Pretensão de oferecer subsídios à organização e transferência da informação veiculada no portal governamental; - Contribuir com elementos potencializadores para a promoção da acessibilidade às informações públicas.
  • 3. 1.2 Definição do Problema Quais os elementos informacionais necessários para o estabelecimento de padrões metodológicos adequados à organização e transferência da informação em portais governamentais? 1.3 Objetivos 1.3.1 Objetivo Geral Compreender como o emprego dos termos na representação e organização das informações de serviços de utilidade pública em portal de governo no âmbito estadual, pode auxiliar a transferência das informações aos cidadãos. 1.3.2 Objetivos Específicos a) verificar quais os princípios de organização e transferência da informação empregados no Portal de Serviços e Informações do Estado do Rio Grande do Sul – TudoFácil Eletrônico; b) identificar quais as categorias temáticas gerais vinculadas no Portal TudoFácil Eletrônico; c) identificar quais os termos utilizados no Portal TudoFácil Eletrônico para representar as informações de serviços de utilidade pública destinados aos cidadãos.
  • 4. 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Cidadania e Estado: uma inter-relação necessária - Na pólis grega, começou a se viabilizar a vida em sociedade por meio do compartilhamento do espaço público e do exercício de direitos e deveres constituídos (MOSELE; MORIGI, 2005); - No século XVIII, período da Idade Moderna, apresenta-se o Estado como tutor da nação: o conceito de cidadania passou a ser o direito igualitário de todos perante o Estado (MARSHALL, 1988); - Com a emergência da Sociedade da Informação no final do século XX, as TICs modificaram a relação entre Estado e sociedade (CASTELLS, 1999); - A nova cidadania é gerada pela interatividade, pela garantia de expressão para todos e pela transcendência virtual dos aspectos territoriais e culturais locais (MADEC; MURARD, 1998); - As TICs caracterizam um instrumento de interação social para o exercício da cidadania (ROCHA, 2000).
  • 5. 2.2 Governo Eletrônico: oportunidades e desafios - O e-gov é a estratégia na qual o Estado faz uso das TICs para oferecer à sociedade melhores condições de acesso à informação e serviços públicos (JARDIM, 2005); - Objetivo do e-gov: conforme Zweers e Planqué (2001), é fornecer ou tornar disponíveis informações, serviços ou produtos, via rede, oriundo ou por intermédio de órgãos públicos, a qualquer momento, local e cidadão; - Fases do governo eletrônico: presença, interação, transação e transformação (KELLER, 2000); - Modalidades de relacionamentos entre o Governo e a sociedade: G2G, G2B, G2C e G2E (KELLER, 2000); - Os portais governamentais representam os canais de prestação de serviços, informações e comunicação entre cidadãos e seus Governos (VAZ, 2002); - Portais governamentais devem refletir o one-stop government e o conceito de life-events (VILELLA, 2003).
  • 6. 2.3 Organização da Informação Governamental na Web 2.3.1 Linguagem Documentária - Além de referir-se ao conjunto dos diferentes tipos de instrumentos especializados no tratamento da informação bibliográfica (Sistemas de Classificação Enciclopédicos ou Facetados e Tesauros), designa de modo mais amplo a linguagem construída para organizar e facilitar o acesso e a transferência da informação (SOUZA, 2005); - A LD é construída com base em elementos da Linguagem Natural (LARA, 2004); - As metodologias de construção da LD são referidas para tratar também universos não exclusivamente bibliográficos, como os sítios e portais (TÁLAMO, 1997); - A LD é um instrumento que exerce a função de mediação entre ao menos duas linguagens: a linguagem do sistema e a linguagem do usuário (CINTRA et al., 2002); - As Linguagens Documentárias estruturam-se por meio de relações hierárquicas (relações de gênero/espécie, todo/parte) e relações não-hierárquicas (relações associativas e de equivalência).
  • 7. 2.3.1.1 O Uso das Classificações Facetadas em Portais - Indica a técnica de fragmentar um assunto complexo em seus diversos aspectos/partes constituintes (facetas), utilizando, para estabelecer a relação entre eles, as categorias fundamentais - PMEST (CHAUMIER, 1976); - Aplicar a categorização é analisar o domínio do conhecimento partindo de recortes conceituais que permitem determinar a identidade dos conceitos (categorias) que fazem parte desse domínio (CAMPOS; GOMES; MOTTA, 2004). - Na organização da informação em portais, a categorização pode ser muito útil, visto que estabelece critérios de organização por meio de análise dos assuntos por facetas e reúne informações de mesma natureza semântica por uma mesma faceta ou categoria.
  • 8. 2.3.1.2 O Uso dos Tesauros em Portais - Campos, Gomes e Motta (2004) defendem a teoria de que algumas etapas iniciais da metodologia de construção do tesauro são essenciais para a organização do conteúdo de portais e sítios na rede.
  • 9. 2.3.2 Contribuições da Terminologia na Construção da LD - A função da Terminologia na construção da LD é fornecer princípios para a identificação dos domínios, delimitação de conceitos e termos, estabelecimento de relações entre conceitos apoiadas em definições, além de prover referência concreta aos descritores (LARA, 2005); - A Terminologia oferece parâmetros para operar com maior rigor a organização e a delimitação dos universos de informação, base indispensável para o estabelecimento das relações hierárquicas, associativas e de equivalência entre conceitos, sedimentadas em definições e na observação do uso (ROCHA, 2004); - No caso de portais governamentais, as iniciativas de organização e transferência da informação aos cidadãos devem adotar procedimentos terminológicos para a identificação de vínculos de significação com o cidadão (LARA, 2004).
  • 10. 3 METODOLOGIA 3.1 Tipo de Estudo Estudo descritivo, abordagem qualitativa, método específico estudo de caso. 3.2 Universo do Estudo Portal de Serviços e Informações do Estado do Rio Grande do Sul – TudoFácil Eletrônico. 3.3 Participantes da Entrevista Dois gerentes de projetos da PROCERGS. 3.4 Instrumento de Coleta de Dados Roteiro para análise de um site com base nos parâmetros de organização da informação (LARA, 2005) e entrevista semi- estruturada. 3.5 Procedimento de Coleta de Dados Análise do Portal TudoFácil Eletrônico (quanto ao público, estruturação da informação e ferramentas de auxílio ao acesso/facilidades oferecidas); realização de entrevistas semi- estruturadas.
  • 11. 4 ANÁLISE E TRATAMENTO DOS DADOS Tabela 3 – Revistas listadas no IBICT: situação na pesquisa •Fonte: dados da pesquisa (ago./2006) Figura 2 – Página Inicial do Portal TudoFácil Eletrônico Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
  • 12. 4.1 Critério: público Figura 3 – Categorias de Público-Alvo do Portal TudoFácil Fonte:<http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
  • 13. 4.2 Critério: estruturação das informações a) por público-alvo: Cidadão, Empresa, Produtor Rural e Servidor Público; b) pela linha e/ou eventos da vida: nascimento, infância e juventude, maturidade, terceira idade e óbito; c) por categorias gerais: estão disponíveis 20 temas. Figura 4 – Categoria Linha da Vida do Portal TudoFácil Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
  • 14. Figura 5 – Categorização por Temas no Portal TudoFácil Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
  • 15. - Com base na categorização, os subdomínios de atividade foram sucessivamente divididos até os níveis mais específicos. Figura 6 – Categorização do Termo “Condições de Tráfego no RS” Fonte:<http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
  • 16. - No caso de um assunto aparecer subordinado em dois temas diferentes, é demonstrada a presença do conceito de relações de equivalência, que tem a finalidade de disponibilizar mais de uma opção de acesso à informação (figura 7): Figura 7 – Resultado da Busca pelo Termo “ônibus” Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
  • 17. 4.3 Critério: ferramentas de auxílio ao acesso - O Portal dispõe aos usuários: mapa do site, índice de assuntos, ferramenta de busca e o recurso “migalhas de pão”. Figura 8 – Mapa do Portal Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
  • 18. Figura 9 – Índice de Assuntos do Portal Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
  • 19. Figura 10 – Resultados da Busca pelo Termo “Lombada” Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
  • 20. - “Migalhas de pão” (breadcrumbs): observou-se no canto superior esquerdo da interface do Portal a utilização dos termos como guia de navegação (navegação horizontal). Figura 11 – Navegação por “Migalhas de Pão” Fonte: <http://www.tudofacil.rs.gov.br>.
  • 21. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O Portal TudoFácil Eletrônico utiliza recursos organizacionais voltados ao cidadão, como a disponibilização da informação de acordo com o perfil do usuário, e numa hierarquia e/ou categorização dos serviços prestados. A organização do conteúdo informacional em portal de governo, com base na metodologia de construção da Linguagem Documentária e nos princípios teórico-metodológicos da Terminologia, possibilita a transferência da informação aos cidadãos. Sugestões de estudos futuros: - Identificar as necessidades informacionais e as características dos usuários reais e potenciais, tendo em vista o estabelecimento de contextos claros e bem determinados para a recuperação de sentidos.