SlideShare uma empresa Scribd logo
WEBINAR
Seminário Dia Nacional de Prevenção
De Acidentes de Trabalho
PCMAT x PGR na Indústria da Construção
Msc.Maria Christina Felix
Tecnologista
OIT - SG de SST na empresa
Elementos Principais
Melhoria
contínua
Política
Organização
Planejamento
Implement.
Avaliação
Ação para
melhorias
Sistema
de gestão
SST
PCMAT
Programa
de SST
PPRA amplo
PCMSO
vinculado
PPRA (NR9)
Modelos Internacionais
 Diretiva Canteiros 92/57/CEE
Coordenação de segurança baseado em uma
cadeia de responsabilidade (intervenientes do processo)
 Modelo Japonês – Norma Nacional de Sistemas de
Gestão
Elevar o nível de segurança encorajando os
empregadores a adotá-la em conjunto com seus trabalha-
dores com o escritório empresarial e os canteiros de obras
como uma organização integrada
Modelo Brasileiro - PCMAT
18.3.1 – São obrigatórios a elaboração e o cumprimento do PCMAT nos
estabelecimentos com 20 trabalhadores ou mais, contemplando os aspectos
desta NR e outros dispositivos complementares de segurança.
18.3.1.1. – O PCMAT deve contemplar as exigências contidas na NR 09 –
PPRA
18.3.1.2. – O PCMAT deve ser mantido no estabelecimento à
disposição do órgão regional do MTE.
18.3.2. – O PCMAT deve ser elaborado e executado por profissional
legalmente habilitado na área de Segurança do trabalho.
18.3.3. – A implementação do PCMAT nos estabelecimentos é de
responsabilidade do empregador ou condomínio.
Modelo Brasileiro - PCMAT
PCMAT
Quesitos pré – definidos no item 18.3:
- DI
- PPRA
- Procedimentos de segurança
- Programa de treinamento
Programa sobre Condições e Meio Ambiente de
Trabalho na Indústria da Construção - PCMAT
Objetivo PRINCIPAL
Assegurar que as empresas da indústria da
construção desenvolvam um programa preventivo
de acidentes e doenças do trabalho, obedecendo a
NR 18, promovendo integração entre a segurança
do trabalho, o projeto e a execução da obra.
Objetivos ESPECÍFICOS
Fazer a previsão dos riscos que derivam do processo
produtivo;
Determinar medidas de proteção e prevenção que evitem
situações de riscos;
Aplicar técnicas de execução que reduzam ao máximo os
riscos e doenças do trabalho;
Executar cronograma de ações preventivas em consonância
ao cronograma físico-financeiro da obra.
Princípios Básicos de Segurança Adotados:
1. Evitar os riscos
- ao nível de projeto: previsão de riscos e sua
eliminação através de soluções adequadas de
concepção de projeto
- ao nível de execução: planejamento de métodos e
processos de trabalho, seleção de máquinas,
equipamentos e materiais que resultem na
ausência de riscos
2. Avaliar os riscos que não podem ser evitados
- Identificados, os riscos que não podem ser evitados
deverão ser avaliados, que consiste num processo
de análise para caracterizar o fenômeno quanto a
sua origem, natureza e consequências.
3. Combater os riscos na origem
- Resulta do critério geral de eficácia que deve orientar a
prevenção. Eliminado a propagação do risco, ou
mesmo reduzindo sua escala, evitar-se-á a potencialidade
e probabilidade de outros riscos, além de reduzir a
necessidade de recurso a processos complementares de
controle.
Hierarquia das Medidas de Controle
Riscos
Ambientais
Eliminar
Agente
Promover a
Liberação
do Agente
Redução em
Níveis do
Agente
Medidas
Administrativas
EPI
4. Adaptação do Trabalho ao homem
- Intervir ao nível dos componentes materiais do
trabalho, ferramentas, equipamentos, métodos,
processos de trabalho, etc.
5. Atender o estado de evolução da técnica
- A prevenção deverá atender,
permanentemente, a evolução da tecnologia,
Deste princípio resultará a escolha de recursos de
proteção mais eficaz, face ao risco, mais
adequado ao trabalho e mais adaptado ao
homem.
6. Organização do Trabalho
A organização do trabalho como princípio permitirá:
- Isolar/afastar a fonte de risco
- Eliminar/reduzir o tempo de exposição ao risco
- Reduzir o número de trabalhadores expostos ao risco
- Eliminar a sobreposição de tarefas incompatíveis
- Integrar as diversas medidas de prevenção
7. Prioridade da proteção coletiva face a individual
Quanto a proteção coletiva:
- estabilidade dos seus elementos
- resistência dos materiais
- permanência no espaço e no tempo
Quanto a proteção individual:
- adequação do equipamento ao homem
- adequação do equipamento ao risco
- adequação do equipamento ao trabalho
8. Informação e Formação
Este processo significa um sistema institucionalizado de
alimentação e circulação de conhecimentos adequados ao
processo produtivo.
A informação deverá
- Permitir um conhecimento mais profundo dos
componentes do processo produtivo que possibilite
a identificação dos riscos que lhes estão associados;
- Integrar o conhecimento da forma de prevenir estes
riscos
- Apresentar-se de forma adequada aos usuários.
Recomendações sobre a Estrutura Básica do PCMAT:
Política de Segurança
Toda a administração da obra deverá definir, documentar e
ratificar sua política em SST .
Tópicos:
- reconhecimento da SST como parte integrante do desempenho
de seus negócios;
- fornecer recursos adequados;
-colocação da gestão da SST como uma primeira
responsabilidade dos gerentes;
-assegurar seu entendimento, implementação e manutenção em
todos os níveis da empresa;
- análise periódica da política e do sistema de gestão,
- assegurar que todos os funcionários sejam selecionados com
rigor quanto as funções que desempenharão;
- garantia de processo de treinamento e integração apropriado;
- delegação de atribuições e responsabilidades bem definida.
Controle e Avaliação do PCMAT:
- Auditoria
Objetivos:
 Determinar a idoneidade e efetividade do sistema de
gestão de prevenção de riscos ocupacionais de uma
organização para alcançar os objetivos de gestão
especificados em matéria de SST;
 Proporcionar ao auditado a oportunidade de melhorar
seu sistema de gestão e com isso contribuir com a melhora
contínua da SST .
 Verificar o cumprimento da norma vigente
 Avaliar uma organização quando se estabelece com ela
uma relação contratual.
Indicadores
Anexos do PCMAT:
Cláusulas contratuais relativas a SST:
- Normas de Segurança sobre produtos químicos
- Normas de manutenção de equipamentos
- Modelos de relatórios de avaliação de condições de obra
- Modelo de Investigação de acidentes de trabalho
- Modelos de registros de reuniões
- Modelo de notificação de empreiteiros, sub-empreiteiros
e trabalhadores autônomos
- Planta geral do canteiro
- Plantas de localização de máquinas e equipamentos
- Plantas de instalações provisórias (água,esgoto, elétrica)
- Projetos de layout
Estrutura Básica
Plano de SST
Caracterização do empreendimento;
Memorial descritivo das técnicas construtivas a serem utilizadas,
máquinas e equipamentos necessários, efetivo máximo da obra e
desenvolvimento de projetos de SST (dispositivos de proteção
coletiva e individual;
Projeto de instalação e desinstalação do canteiro de obras;
Elaborar e guardar documentação como política de SST,
procedimentos e ações para prevenção de riscos;
Responsabilidade e competências
Coordenador de SST
Projeto de SST
Implementação do Plano;
Projeto de layout;
Procedimentos para situações de emergência, inspeções rotineiras,
investigação e análise de acidentes e auditorias interna e externa;
Sistema de avaliação para melhoria contínua, alimentando sempre o
escritório de informações e práticas de prevenção;
Gestão em três fatores:
Dono do empreendimento;
Envolvimento de projetistas
Estabelecimento de um sistema de prevenção onde envolva todos os
responsáveis durante todo o empreendimento – gerentes de SST
O GRO, previsto na NR1, é o processo de gestão
administrativa (planejamento, organização e controle) de
Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional que tem por
objetivo evitar, eliminar, minimizar ou controlar os riscos
ocupacionais. O GRO deve estar organizado na forma de
um PGRO (Programa de Gerenciamento de Riscos
Ocupacionais) que é o instrumento, a materialização desta
ferramenta de gestão.
NR 18 – CONDIÇÕES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO
TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO
PORTARIA Nº 3.733, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2020
18.4 Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR)
18.4.1 São obrigatórias a elaboração e a implementação do PGR nos
canteiros de obras, contemplando os riscos ocupacionais e suas
respectivas medidas de prevenção.
18.4.2 O PGR deve ser elaborado por PROFISSIONAL
LEGALMENTE HABILITADO em segurança do trabalho e
implementado sob responsabilidade da organização.
As construtoras deverão elaborar e implementar um
PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO (PGR), no
lugar do PCMAT e PPRA, de forma que cada canteiro de obras
possua o seu.
• As contratadas deverão fornecer à contratante principal o
inventário de riscos de suas atividades, que deverá ser
contemplado no PGR.
• Os PCMAT’s em andamento continuarão válidos até a
conclusão das respectivas obras.
O setor da construção civil é um dos que mais registra acidentes
de trabalho, dos quais muitos registram afastamentos e mortes,
tornando a prevenção de acidentes neste setor algo de extrema
importância.
Um dos principais desafios será a implantação do PGR que é um
programa que irá substituir o Programa de Condições e Meio
Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção – PCMAT,
definido na NR 18 que vigora até a data prevista da nova versão
da NR 18.
O PGR – Programa de Gerenciamento de Risco, é um conjunto de
procedimentos, técnicas de gestão, métodos de avaliação, registros e
controles de monitoramento e avaliação de riscos que devem ser
seguidos e adotados pela empresa com o objetivo de prevenção de
acidentes de trabalho nos canteiros de obras, contemplando os riscos
ocupacionais e suas respectivas medidas de prevenção.
É um documento que demonstra o conjunto de
ações e todos os procedimentos necessários para
que meios de prevenção sejam implantados
dentro de uma obra.
Controlar as exposições aos riscos ocupacionais é o método mais
eficiente de proteção dos trabalhadores.
E, comumente, a hierarquia de controles mais usada para determinar as
soluções viáveis e eficazes é proposta pela NIOSH (The National Institute for
Occupational Safety and Health), onde a ideia é que devemos iniciar com ações
que eliminem os riscos e só em situações em que realmente o risco não possa
ser controlado, implantar os EPI’s, acompanhados de ações administrativas.
Hierarquia de Controle de Riscos
Hierarquia de Controle de Riscos (Fonte: NIOSH, 2020).
As ações de prevenção ou melhorias propostas no PGR devem ser implantadas,
monitoradas e documentadas pela organização. A execução do plano de trabalho
proposto no PGR é fundamental para reduzir e evitar acidentes de trabalho e,
consequentemente, reduzir os custos ou tributos do FAP.
Além de contemplar as exigências previstas na NR 01 e que são relacionadas com a
organização, o meio de divulgação da informação e capacitação e treinamento do
trabalhador, o Programa de Gerenciamento de Riscos deve conter os seguintes
documentos:
1.Projeto da área de vivência do canteiro de obras e de eventual frente de trabalho, em
conformidade com o item 18.5 da NR 18 , elaborado por profissional legalmente habilitado;
2.Projeto elétrico das instalações temporárias, elaborado por profissional legalmente habilitado;
3.Projetos dos sistemas de proteção coletiva elaborados por profissional legalmente habilitado;
4.Projetos dos Sistemas de Proteção Individual Contra Quedas (SPIQ), quando aplicável,
elaborados por profissional legalmente habilitado;
5.Relação dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e suas respectivas especificações
técnicas, de acordo com os riscos ocupacionais existente.
É importante que também exista um controle de documentação do PGR
visto que o documento deve estar atualizado de acordo com a etapa em
que se encontra o canteiro de obras. Lembre-se que é um documento que
deve estar sempre a disposição dos trabalhadores ou da fiscalização no
local de trabalho.
O PGR é elaborado por um profissional legalmente habilitado em segurança do trabalho,
isto é, por um Engenheiro ou Técnico de Segurança do Trabalho.
A NR 18 no item 18.4.2.1 também destaca que “em canteiros de obras com até 7 m (sete
metros) de altura e com, no máximo, 10 (dez) trabalhadores, o PGR pode ser elaborado
por profissional qualificado em segurança do trabalho e implementado sob
responsabilidade da organização.”.
Sempre é melhor contratar um profissional ou uma assessoria especializada e
habilitada no levantamento e avaliação dos riscos ocupacionais no canteiro de
obras, evitando multas ou penalidades durante uma fiscalização.
Independente de quem elabora e para promover uma Cultura de Segurança do
Trabalho no canteiro de obras é fundamental que as frentes de trabalho
participem da elaboração e implementação do PGR.
A terceirização na Construção Civil é bastante presente e usada como
alternativa para aumentar a produtividade e reduzir os custos nos canteiros
de obras.
Especificamente, é uma estratégia que permite a contratação de prestação de
serviços entre duas empresas, em que a primeira (construtora) remunera a
terceirizada, que fornece a mão de obra necessária para a realização das
atividades no canteiro de obras.
Neste caso, as empresas contratantes devem exigir das empresas contratadas o
inventário de riscos ocupacionais específicos de suas atividades, o qual deve ser
contemplado no PGR do canteiro de obras.
É fundamental que todos os trabalhadores que executam atividades no Canteiro de
Obras tenham capacidade, conhecimento e recebam treinamentos adequados as
atividades e riscos expostos.
O PGR é um documento extenso, com diversos pontos, e para que sua implementação
seja bem efetiva, alguns requerem maior atenção e uma preparação dos profissionais para
atuar fortemente em processos gerenciais que garantam a implantação efetiva das
medidas preventivas.
O primeiro e talvez o mais importante, o PGR não é um documento estático, é um
conjunto de ações de planejamento, execução e controle que devem abranger todas as
fases da obra, desde a terraplanagem do terreno até o acabamento, como, por exemplo, a
pintura externa ou instalação de revestimentos em alturas elevadas.
Tendo que abordar todas as fases, o documento tem vigência do início ao fim da obra,
geralmente sendo realizado apenas antes do início da construção, portanto, é muito
importante atualizá-lo sempre que houver alguma mudança em relação aos planos iniciais.
Outro ponto de extrema importância são as medidas de proteção coletiva, no documento deve
constar todos os desenhos com as unidades de medidas dos EPC’s a serem utilizados, bem
como as memórias de cálculos desses equipamentos, entre outras informações adotadas para
prevenir acidentes de trabalho e reduzir os níveis de exposição aos riscos do trabalhador.
É previsto no PGR que as empresas construtoras que
estão regularmente registradas no Sistema
CONFEA/CREA, sob responsabilidade de profissional
legalmente habilitado em segurança do trabalho, podem
adotar soluções alternativas às medidas de proteção
coletiva previstas na nova versão da NR 18.
Neste caso, podem ser adotadas técnicas de trabalho e usar equipamentos,
tecnologias e outros dispositivos inovadores que:
•propiciem avanço tecnológico em segurança, higiene e saúde dos
trabalhadores;
•objetivem a implementação de medidas de controle e de sistemas
preventivos de segurança nos processos, nas condições e no meio
ambiente de trabalho na indústria da construção;
•garantam a realização das tarefas e atividades de modo seguro e saudável.
Todas as tarefas executadas pelo trabalhador mediante a adoção de soluções
alternativas devem estar expressamente previstas em procedimentos de
segurança do trabalho, nos quais devem constar:
•os riscos ocupacionais aos quais os trabalhadores estarão expostos;
•a descrição dos equipamentos e das medidas de proteção coletiva a serem
implementadas;
•a identificação e a indicação dos EPI a serem utilizados;
•a descrição de uso e a indicação de procedimentos quanto aos
Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) e EPI, conforme as etapas das
tarefas a serem realizadas;
•a descrição das medidas de prevenção a serem observadas durante a
execução dos serviços, dentre outras medidas a serem previstas e prescritas
por profissional legalmente habilitado em segurança do trabalho.
Mas antes de executar as atividades ou a tarefa que envolve soluções
alternativas, o trabalhador deve solicitar uma autorização especial,
precedida de análise de risco e permissão de trabalho, que contemple
os treinamentos, os procedimentos operacionais, os materiais, as
ferramentas e outros dispositivos necessários à execução segura da
tarefa.
Lembre-se que todas as informações devem estar sempre
documentadas no PGR e disponível no local de trabalho.
Todos os programas de prevenção de acidentes são de suma
importância, pois se implantados e seguidos corretamente,
cumprem sua função, reduzem muito os números de acidentes e
mantém os trabalhadores seguros.
O PGR definido em uma NR certamente é uma iniciativa que
incentivará nas organizações a implantação de medidas efetivas
para melhorar continuamente o desempenho da SST.
No caso do PGR para a construção civil é fundamental para reduzir os
acidentes de trabalho, padronizar o processo de avaliação de riscos,
efetivar o controle de riscos e organizar plano de contingências para
situações de emergência, de acordo com os riscos, as características e
circunstâncias das atividades realizadas pelos trabalhadores.
É um programa que abrange todas as fases do canteiro de obra e que
integrado com outros programas como, por exemplo, o PPRA (NR 9) é
extremamente eficiente e torna um ambiente de trabalho, que por muitas
vezes é perigoso, em um local mais seguro para se trabalhar.
Ou seja, na construção civil, o PGR e o PPRA devem
formar um único documento, extremamente completo em
relação aos riscos ocupacionais e as ações que devem ser
adotadas.
Obrigada
maria.felix@fundacentro.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a apresentacao-maria-christina-felix-md-1.pdf

Modelo ppra
Modelo ppraModelo ppra
Modelo ppra
Renato Franciscon
 
Ppra comercio-materiais-eletricos.pdf'
Ppra comercio-materiais-eletricos.pdf'Ppra comercio-materiais-eletricos.pdf'
Ppra comercio-materiais-eletricos.pdf'
André Lopes
 
nr-20-bsico--lquidos-combustveis-e-inflamveis-apostila02.pdf
nr-20-bsico--lquidos-combustveis-e-inflamveis-apostila02.pdfnr-20-bsico--lquidos-combustveis-e-inflamveis-apostila02.pdf
nr-20-bsico--lquidos-combustveis-e-inflamveis-apostila02.pdf
rwewerw
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
Anderson Bhering Tst
 
Canteiro
CanteiroCanteiro
Resumo nr´s
Resumo nr´sResumo nr´s
Resumo nr´s
stoc3214
 
Resumo nr´s
Resumo nr´sResumo nr´s
Resumo nr´s
stoc3214
 
Resumo nr´s
Resumo nr´sResumo nr´s
Resumo nr´s
stoc3214
 
Modelo de ppra_comentado
Modelo de ppra_comentadoModelo de ppra_comentado
Modelo de ppra_comentado
Silvia Nascimento
 
W grupo acr
W grupo acrW grupo acr
W grupo acr
Inacio Tembe
 
Relatorio auditoria ambiental
Relatorio auditoria ambientalRelatorio auditoria ambiental
Relatorio auditoria ambiental
Consult Ambiente
 
NR12 - Guia de Prevenção de Acidentes no Uso de Máquinas e Equipamentos - 12 ...
NR12 - Guia de Prevenção de Acidentes no Uso de Máquinas e Equipamentos - 12 ...NR12 - Guia de Prevenção de Acidentes no Uso de Máquinas e Equipamentos - 12 ...
NR12 - Guia de Prevenção de Acidentes no Uso de Máquinas e Equipamentos - 12 ...
DaianeGamaranoDaiane
 
Aula de numero 2-Canterio Obras - 2019.pdf
Aula de numero 2-Canterio Obras - 2019.pdfAula de numero 2-Canterio Obras - 2019.pdf
Aula de numero 2-Canterio Obras - 2019.pdf
AlissonWitmann
 
Slides-de-Gestão-de-Riscos-Ocupacionais IFPB concurso substituto.pptx
Slides-de-Gestão-de-Riscos-Ocupacionais IFPB concurso substituto.pptxSlides-de-Gestão-de-Riscos-Ocupacionais IFPB concurso substituto.pptx
Slides-de-Gestão-de-Riscos-Ocupacionais IFPB concurso substituto.pptx
valeskaMenezes2
 
Roteiro para elaboração do ppra
Roteiro para elaboração do ppraRoteiro para elaboração do ppra
Roteiro para elaboração do ppra
Eng. César Guimarães
 
Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar
Tecpreve Tecpreve
 
Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar
Tecpreve Tecpreve
 
Modelo ppra
Modelo ppraModelo ppra
Modelo ppra
Modelo ppraModelo ppra
Modelo ppra
Paulo Roberto
 
Modelo ppra
Modelo ppraModelo ppra
Modelo ppra
Gleuciane Rocha
 

Semelhante a apresentacao-maria-christina-felix-md-1.pdf (20)

Modelo ppra
Modelo ppraModelo ppra
Modelo ppra
 
Ppra comercio-materiais-eletricos.pdf'
Ppra comercio-materiais-eletricos.pdf'Ppra comercio-materiais-eletricos.pdf'
Ppra comercio-materiais-eletricos.pdf'
 
nr-20-bsico--lquidos-combustveis-e-inflamveis-apostila02.pdf
nr-20-bsico--lquidos-combustveis-e-inflamveis-apostila02.pdfnr-20-bsico--lquidos-combustveis-e-inflamveis-apostila02.pdf
nr-20-bsico--lquidos-combustveis-e-inflamveis-apostila02.pdf
 
Canteiro de obras
Canteiro de obrasCanteiro de obras
Canteiro de obras
 
Canteiro
CanteiroCanteiro
Canteiro
 
Resumo nr´s
Resumo nr´sResumo nr´s
Resumo nr´s
 
Resumo nr´s
Resumo nr´sResumo nr´s
Resumo nr´s
 
Resumo nr´s
Resumo nr´sResumo nr´s
Resumo nr´s
 
Modelo de ppra_comentado
Modelo de ppra_comentadoModelo de ppra_comentado
Modelo de ppra_comentado
 
W grupo acr
W grupo acrW grupo acr
W grupo acr
 
Relatorio auditoria ambiental
Relatorio auditoria ambientalRelatorio auditoria ambiental
Relatorio auditoria ambiental
 
NR12 - Guia de Prevenção de Acidentes no Uso de Máquinas e Equipamentos - 12 ...
NR12 - Guia de Prevenção de Acidentes no Uso de Máquinas e Equipamentos - 12 ...NR12 - Guia de Prevenção de Acidentes no Uso de Máquinas e Equipamentos - 12 ...
NR12 - Guia de Prevenção de Acidentes no Uso de Máquinas e Equipamentos - 12 ...
 
Aula de numero 2-Canterio Obras - 2019.pdf
Aula de numero 2-Canterio Obras - 2019.pdfAula de numero 2-Canterio Obras - 2019.pdf
Aula de numero 2-Canterio Obras - 2019.pdf
 
Slides-de-Gestão-de-Riscos-Ocupacionais IFPB concurso substituto.pptx
Slides-de-Gestão-de-Riscos-Ocupacionais IFPB concurso substituto.pptxSlides-de-Gestão-de-Riscos-Ocupacionais IFPB concurso substituto.pptx
Slides-de-Gestão-de-Riscos-Ocupacionais IFPB concurso substituto.pptx
 
Roteiro para elaboração do ppra
Roteiro para elaboração do ppraRoteiro para elaboração do ppra
Roteiro para elaboração do ppra
 
Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar
 
Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar
 
Modelo ppra
Modelo ppraModelo ppra
Modelo ppra
 
Modelo ppra
Modelo ppraModelo ppra
Modelo ppra
 
Modelo ppra
Modelo ppraModelo ppra
Modelo ppra
 

Último

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 

Último (20)

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 

apresentacao-maria-christina-felix-md-1.pdf

  • 1. WEBINAR Seminário Dia Nacional de Prevenção De Acidentes de Trabalho PCMAT x PGR na Indústria da Construção Msc.Maria Christina Felix Tecnologista
  • 2. OIT - SG de SST na empresa Elementos Principais Melhoria contínua Política Organização Planejamento Implement. Avaliação Ação para melhorias
  • 3. Sistema de gestão SST PCMAT Programa de SST PPRA amplo PCMSO vinculado PPRA (NR9)
  • 4. Modelos Internacionais  Diretiva Canteiros 92/57/CEE Coordenação de segurança baseado em uma cadeia de responsabilidade (intervenientes do processo)  Modelo Japonês – Norma Nacional de Sistemas de Gestão Elevar o nível de segurança encorajando os empregadores a adotá-la em conjunto com seus trabalha- dores com o escritório empresarial e os canteiros de obras como uma organização integrada
  • 5. Modelo Brasileiro - PCMAT 18.3.1 – São obrigatórios a elaboração e o cumprimento do PCMAT nos estabelecimentos com 20 trabalhadores ou mais, contemplando os aspectos desta NR e outros dispositivos complementares de segurança. 18.3.1.1. – O PCMAT deve contemplar as exigências contidas na NR 09 – PPRA 18.3.1.2. – O PCMAT deve ser mantido no estabelecimento à disposição do órgão regional do MTE.
  • 6. 18.3.2. – O PCMAT deve ser elaborado e executado por profissional legalmente habilitado na área de Segurança do trabalho. 18.3.3. – A implementação do PCMAT nos estabelecimentos é de responsabilidade do empregador ou condomínio. Modelo Brasileiro - PCMAT
  • 7. PCMAT Quesitos pré – definidos no item 18.3: - DI - PPRA - Procedimentos de segurança - Programa de treinamento
  • 8. Programa sobre Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção - PCMAT Objetivo PRINCIPAL Assegurar que as empresas da indústria da construção desenvolvam um programa preventivo de acidentes e doenças do trabalho, obedecendo a NR 18, promovendo integração entre a segurança do trabalho, o projeto e a execução da obra.
  • 9. Objetivos ESPECÍFICOS Fazer a previsão dos riscos que derivam do processo produtivo; Determinar medidas de proteção e prevenção que evitem situações de riscos; Aplicar técnicas de execução que reduzam ao máximo os riscos e doenças do trabalho; Executar cronograma de ações preventivas em consonância ao cronograma físico-financeiro da obra.
  • 10. Princípios Básicos de Segurança Adotados: 1. Evitar os riscos - ao nível de projeto: previsão de riscos e sua eliminação através de soluções adequadas de concepção de projeto - ao nível de execução: planejamento de métodos e processos de trabalho, seleção de máquinas, equipamentos e materiais que resultem na ausência de riscos
  • 11. 2. Avaliar os riscos que não podem ser evitados - Identificados, os riscos que não podem ser evitados deverão ser avaliados, que consiste num processo de análise para caracterizar o fenômeno quanto a sua origem, natureza e consequências.
  • 12. 3. Combater os riscos na origem - Resulta do critério geral de eficácia que deve orientar a prevenção. Eliminado a propagação do risco, ou mesmo reduzindo sua escala, evitar-se-á a potencialidade e probabilidade de outros riscos, além de reduzir a necessidade de recurso a processos complementares de controle.
  • 13. Hierarquia das Medidas de Controle Riscos Ambientais Eliminar Agente Promover a Liberação do Agente Redução em Níveis do Agente Medidas Administrativas EPI
  • 14. 4. Adaptação do Trabalho ao homem - Intervir ao nível dos componentes materiais do trabalho, ferramentas, equipamentos, métodos, processos de trabalho, etc.
  • 15. 5. Atender o estado de evolução da técnica - A prevenção deverá atender, permanentemente, a evolução da tecnologia, Deste princípio resultará a escolha de recursos de proteção mais eficaz, face ao risco, mais adequado ao trabalho e mais adaptado ao homem.
  • 16. 6. Organização do Trabalho A organização do trabalho como princípio permitirá: - Isolar/afastar a fonte de risco - Eliminar/reduzir o tempo de exposição ao risco - Reduzir o número de trabalhadores expostos ao risco - Eliminar a sobreposição de tarefas incompatíveis - Integrar as diversas medidas de prevenção
  • 17. 7. Prioridade da proteção coletiva face a individual Quanto a proteção coletiva: - estabilidade dos seus elementos - resistência dos materiais - permanência no espaço e no tempo Quanto a proteção individual: - adequação do equipamento ao homem - adequação do equipamento ao risco - adequação do equipamento ao trabalho
  • 18. 8. Informação e Formação Este processo significa um sistema institucionalizado de alimentação e circulação de conhecimentos adequados ao processo produtivo. A informação deverá - Permitir um conhecimento mais profundo dos componentes do processo produtivo que possibilite a identificação dos riscos que lhes estão associados; - Integrar o conhecimento da forma de prevenir estes riscos - Apresentar-se de forma adequada aos usuários.
  • 19. Recomendações sobre a Estrutura Básica do PCMAT: Política de Segurança Toda a administração da obra deverá definir, documentar e ratificar sua política em SST . Tópicos: - reconhecimento da SST como parte integrante do desempenho de seus negócios; - fornecer recursos adequados; -colocação da gestão da SST como uma primeira responsabilidade dos gerentes; -assegurar seu entendimento, implementação e manutenção em todos os níveis da empresa;
  • 20. - análise periódica da política e do sistema de gestão, - assegurar que todos os funcionários sejam selecionados com rigor quanto as funções que desempenharão; - garantia de processo de treinamento e integração apropriado; - delegação de atribuições e responsabilidades bem definida.
  • 21. Controle e Avaliação do PCMAT: - Auditoria Objetivos:  Determinar a idoneidade e efetividade do sistema de gestão de prevenção de riscos ocupacionais de uma organização para alcançar os objetivos de gestão especificados em matéria de SST;  Proporcionar ao auditado a oportunidade de melhorar seu sistema de gestão e com isso contribuir com a melhora contínua da SST .
  • 22.  Verificar o cumprimento da norma vigente  Avaliar uma organização quando se estabelece com ela uma relação contratual. Indicadores
  • 23. Anexos do PCMAT: Cláusulas contratuais relativas a SST: - Normas de Segurança sobre produtos químicos - Normas de manutenção de equipamentos - Modelos de relatórios de avaliação de condições de obra - Modelo de Investigação de acidentes de trabalho - Modelos de registros de reuniões - Modelo de notificação de empreiteiros, sub-empreiteiros e trabalhadores autônomos - Planta geral do canteiro - Plantas de localização de máquinas e equipamentos - Plantas de instalações provisórias (água,esgoto, elétrica) - Projetos de layout
  • 25. Plano de SST Caracterização do empreendimento; Memorial descritivo das técnicas construtivas a serem utilizadas, máquinas e equipamentos necessários, efetivo máximo da obra e desenvolvimento de projetos de SST (dispositivos de proteção coletiva e individual; Projeto de instalação e desinstalação do canteiro de obras; Elaborar e guardar documentação como política de SST, procedimentos e ações para prevenção de riscos; Responsabilidade e competências Coordenador de SST
  • 26. Projeto de SST Implementação do Plano; Projeto de layout; Procedimentos para situações de emergência, inspeções rotineiras, investigação e análise de acidentes e auditorias interna e externa; Sistema de avaliação para melhoria contínua, alimentando sempre o escritório de informações e práticas de prevenção; Gestão em três fatores: Dono do empreendimento; Envolvimento de projetistas Estabelecimento de um sistema de prevenção onde envolva todos os responsáveis durante todo o empreendimento – gerentes de SST
  • 27. O GRO, previsto na NR1, é o processo de gestão administrativa (planejamento, organização e controle) de Segurança do Trabalho e Saúde Ocupacional que tem por objetivo evitar, eliminar, minimizar ou controlar os riscos ocupacionais. O GRO deve estar organizado na forma de um PGRO (Programa de Gerenciamento de Riscos Ocupacionais) que é o instrumento, a materialização desta ferramenta de gestão.
  • 28. NR 18 – CONDIÇÕES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO PORTARIA Nº 3.733, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2020 18.4 Programa de Gerenciamento de Riscos (PGR) 18.4.1 São obrigatórias a elaboração e a implementação do PGR nos canteiros de obras, contemplando os riscos ocupacionais e suas respectivas medidas de prevenção. 18.4.2 O PGR deve ser elaborado por PROFISSIONAL LEGALMENTE HABILITADO em segurança do trabalho e implementado sob responsabilidade da organização.
  • 29. As construtoras deverão elaborar e implementar um PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO (PGR), no lugar do PCMAT e PPRA, de forma que cada canteiro de obras possua o seu. • As contratadas deverão fornecer à contratante principal o inventário de riscos de suas atividades, que deverá ser contemplado no PGR. • Os PCMAT’s em andamento continuarão válidos até a conclusão das respectivas obras.
  • 30. O setor da construção civil é um dos que mais registra acidentes de trabalho, dos quais muitos registram afastamentos e mortes, tornando a prevenção de acidentes neste setor algo de extrema importância. Um dos principais desafios será a implantação do PGR que é um programa que irá substituir o Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção – PCMAT, definido na NR 18 que vigora até a data prevista da nova versão da NR 18.
  • 31. O PGR – Programa de Gerenciamento de Risco, é um conjunto de procedimentos, técnicas de gestão, métodos de avaliação, registros e controles de monitoramento e avaliação de riscos que devem ser seguidos e adotados pela empresa com o objetivo de prevenção de acidentes de trabalho nos canteiros de obras, contemplando os riscos ocupacionais e suas respectivas medidas de prevenção. É um documento que demonstra o conjunto de ações e todos os procedimentos necessários para que meios de prevenção sejam implantados dentro de uma obra.
  • 32. Controlar as exposições aos riscos ocupacionais é o método mais eficiente de proteção dos trabalhadores. E, comumente, a hierarquia de controles mais usada para determinar as soluções viáveis e eficazes é proposta pela NIOSH (The National Institute for Occupational Safety and Health), onde a ideia é que devemos iniciar com ações que eliminem os riscos e só em situações em que realmente o risco não possa ser controlado, implantar os EPI’s, acompanhados de ações administrativas.
  • 33. Hierarquia de Controle de Riscos Hierarquia de Controle de Riscos (Fonte: NIOSH, 2020).
  • 34. As ações de prevenção ou melhorias propostas no PGR devem ser implantadas, monitoradas e documentadas pela organização. A execução do plano de trabalho proposto no PGR é fundamental para reduzir e evitar acidentes de trabalho e, consequentemente, reduzir os custos ou tributos do FAP.
  • 35. Além de contemplar as exigências previstas na NR 01 e que são relacionadas com a organização, o meio de divulgação da informação e capacitação e treinamento do trabalhador, o Programa de Gerenciamento de Riscos deve conter os seguintes documentos: 1.Projeto da área de vivência do canteiro de obras e de eventual frente de trabalho, em conformidade com o item 18.5 da NR 18 , elaborado por profissional legalmente habilitado; 2.Projeto elétrico das instalações temporárias, elaborado por profissional legalmente habilitado; 3.Projetos dos sistemas de proteção coletiva elaborados por profissional legalmente habilitado; 4.Projetos dos Sistemas de Proteção Individual Contra Quedas (SPIQ), quando aplicável, elaborados por profissional legalmente habilitado; 5.Relação dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e suas respectivas especificações técnicas, de acordo com os riscos ocupacionais existente.
  • 36. É importante que também exista um controle de documentação do PGR visto que o documento deve estar atualizado de acordo com a etapa em que se encontra o canteiro de obras. Lembre-se que é um documento que deve estar sempre a disposição dos trabalhadores ou da fiscalização no local de trabalho.
  • 37. O PGR é elaborado por um profissional legalmente habilitado em segurança do trabalho, isto é, por um Engenheiro ou Técnico de Segurança do Trabalho. A NR 18 no item 18.4.2.1 também destaca que “em canteiros de obras com até 7 m (sete metros) de altura e com, no máximo, 10 (dez) trabalhadores, o PGR pode ser elaborado por profissional qualificado em segurança do trabalho e implementado sob responsabilidade da organização.”.
  • 38. Sempre é melhor contratar um profissional ou uma assessoria especializada e habilitada no levantamento e avaliação dos riscos ocupacionais no canteiro de obras, evitando multas ou penalidades durante uma fiscalização. Independente de quem elabora e para promover uma Cultura de Segurança do Trabalho no canteiro de obras é fundamental que as frentes de trabalho participem da elaboração e implementação do PGR.
  • 39. A terceirização na Construção Civil é bastante presente e usada como alternativa para aumentar a produtividade e reduzir os custos nos canteiros de obras. Especificamente, é uma estratégia que permite a contratação de prestação de serviços entre duas empresas, em que a primeira (construtora) remunera a terceirizada, que fornece a mão de obra necessária para a realização das atividades no canteiro de obras.
  • 40. Neste caso, as empresas contratantes devem exigir das empresas contratadas o inventário de riscos ocupacionais específicos de suas atividades, o qual deve ser contemplado no PGR do canteiro de obras. É fundamental que todos os trabalhadores que executam atividades no Canteiro de Obras tenham capacidade, conhecimento e recebam treinamentos adequados as atividades e riscos expostos.
  • 41. O PGR é um documento extenso, com diversos pontos, e para que sua implementação seja bem efetiva, alguns requerem maior atenção e uma preparação dos profissionais para atuar fortemente em processos gerenciais que garantam a implantação efetiva das medidas preventivas. O primeiro e talvez o mais importante, o PGR não é um documento estático, é um conjunto de ações de planejamento, execução e controle que devem abranger todas as fases da obra, desde a terraplanagem do terreno até o acabamento, como, por exemplo, a pintura externa ou instalação de revestimentos em alturas elevadas.
  • 42. Tendo que abordar todas as fases, o documento tem vigência do início ao fim da obra, geralmente sendo realizado apenas antes do início da construção, portanto, é muito importante atualizá-lo sempre que houver alguma mudança em relação aos planos iniciais. Outro ponto de extrema importância são as medidas de proteção coletiva, no documento deve constar todos os desenhos com as unidades de medidas dos EPC’s a serem utilizados, bem como as memórias de cálculos desses equipamentos, entre outras informações adotadas para prevenir acidentes de trabalho e reduzir os níveis de exposição aos riscos do trabalhador.
  • 43. É previsto no PGR que as empresas construtoras que estão regularmente registradas no Sistema CONFEA/CREA, sob responsabilidade de profissional legalmente habilitado em segurança do trabalho, podem adotar soluções alternativas às medidas de proteção coletiva previstas na nova versão da NR 18.
  • 44. Neste caso, podem ser adotadas técnicas de trabalho e usar equipamentos, tecnologias e outros dispositivos inovadores que: •propiciem avanço tecnológico em segurança, higiene e saúde dos trabalhadores; •objetivem a implementação de medidas de controle e de sistemas preventivos de segurança nos processos, nas condições e no meio ambiente de trabalho na indústria da construção; •garantam a realização das tarefas e atividades de modo seguro e saudável.
  • 45. Todas as tarefas executadas pelo trabalhador mediante a adoção de soluções alternativas devem estar expressamente previstas em procedimentos de segurança do trabalho, nos quais devem constar: •os riscos ocupacionais aos quais os trabalhadores estarão expostos; •a descrição dos equipamentos e das medidas de proteção coletiva a serem implementadas; •a identificação e a indicação dos EPI a serem utilizados; •a descrição de uso e a indicação de procedimentos quanto aos Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) e EPI, conforme as etapas das tarefas a serem realizadas; •a descrição das medidas de prevenção a serem observadas durante a execução dos serviços, dentre outras medidas a serem previstas e prescritas por profissional legalmente habilitado em segurança do trabalho.
  • 46. Mas antes de executar as atividades ou a tarefa que envolve soluções alternativas, o trabalhador deve solicitar uma autorização especial, precedida de análise de risco e permissão de trabalho, que contemple os treinamentos, os procedimentos operacionais, os materiais, as ferramentas e outros dispositivos necessários à execução segura da tarefa. Lembre-se que todas as informações devem estar sempre documentadas no PGR e disponível no local de trabalho.
  • 47. Todos os programas de prevenção de acidentes são de suma importância, pois se implantados e seguidos corretamente, cumprem sua função, reduzem muito os números de acidentes e mantém os trabalhadores seguros. O PGR definido em uma NR certamente é uma iniciativa que incentivará nas organizações a implantação de medidas efetivas para melhorar continuamente o desempenho da SST.
  • 48. No caso do PGR para a construção civil é fundamental para reduzir os acidentes de trabalho, padronizar o processo de avaliação de riscos, efetivar o controle de riscos e organizar plano de contingências para situações de emergência, de acordo com os riscos, as características e circunstâncias das atividades realizadas pelos trabalhadores. É um programa que abrange todas as fases do canteiro de obra e que integrado com outros programas como, por exemplo, o PPRA (NR 9) é extremamente eficiente e torna um ambiente de trabalho, que por muitas vezes é perigoso, em um local mais seguro para se trabalhar.
  • 49. Ou seja, na construção civil, o PGR e o PPRA devem formar um único documento, extremamente completo em relação aos riscos ocupacionais e as ações que devem ser adotadas.