SlideShare uma empresa Scribd logo
caféACOMPANHAMENTO
DA SAFRA BRASILEIRA
V. 5 - SAFRA 2019 - N.3 - Terceiro levantamento | SETEMBRO 2019
Monitoramento agrícola
OBSERVATÓRIOAGRÍCOLA
ISSN: 2318-7913
2 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Presidente da República
Jair Messias Bolsonaro
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa)
Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias
Diretor - Presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)
Newton Araújo Silva Júnior
Diretor - Executivo de Operações e Abastecimento (Dirab)
Bruno Scalon Cordeiro
Diretor - Executivo de Gestão de Pessoas (Digep)
Cláudio Rangel Pinheiro
Diretor - Executivo Administrativa, Financeira e Fiscalização (Diafi)
José Ferreira da Costa Neto
Diretor - Executivo de Política Agrícola e Informações (Dipai)
Guilherme Soria Bastos Filho
Superintendência de Informações do Agronegócio (Suinf)
Cleverton Tiago Carneiro de Santana
Gerência de Levantamento e Avaliação de Safras (Geasa)
Fabiano Borges de Vasconcellos
Gerência de Geotecnologias (Geote)
Candice Mello Romero Santos
Equipe Técnica da Geasa
Bernardo Nogueira Schlemper
Carlos Eduardo Gomes de Oliveira
Eledon Pereira de Oliveira
Francisco Olavo Batista de Sousa
Juarez Batista de Oliveira
Juliana Pacheco de Almeida
Letícia Bandeira Araújo (estagiária)
Martha Helena Gama de Macêdo
Equipe Técnica da Geote
Fernanda Seratim Alves (estagiária)
Fernando Arthur Santos Lima
João Luis Santana Nascimento (estagiário)
Joaquim Gasparino Neto
Lucas Barbosa Fernandes
Rafaela dos Santos Souza
Tarsis Rodrigo de Oliveira Piffer
Thiago Lima de Oliveira (menor aprendiz)
Superintendências Regionais
Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rondônia e São Paulo
caféACOMPANHAMENTO
DA SAFRA BRASILEIRA
V.5 - SAFRA 2019 - N.3 - Terceiro levantamento | SETEMBRO 2019
OBSERVATÓRIOAGRÍCOLA
ISSN 2318-7913
Acomp. safra brasileira de café, v. 5– Safra 2019, n. 3 - Terceiro levantamento, Brasília, p. 1-48,
setembro 2019.
Monitoramento agrícola
Copyright © 2019 – Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)
Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte.
Disponível também em: <http://www.conab.gov.br>
Depósito legal junto à Biblioteca Josué de Castro
Publicação integrante do Observatório Agrícola
ISSN: 2318-7913
Colaboradores
João Marcelo Brito Alves de Faria (Geint)
Djalma Fernandes de Aquino (Gefab)
Colaboradores das Superintendências
BA – Marcelo Ribeiro, Ednabel Lima, Aurendir de Melo, Gerson dos Santos, Jair Lucas Junior, Israel Santos, Joctã do Couto e Suely de Lima.
ES – Maicow Paulo de Almeida e Ismael Cavalcante Maciel Júnior.
GO – Espedito Leite Ferreira, Manoel Ramos de Menezes Sobrinho, Roberto Alves de Andrade, Rogério César Barbosa, Ronaldo Elias Campos,
Marcos Aurélio Grano e Sírio José da Silva Júnior.
MG – Alessandro Lúcio Marques, Eliana Aparecida Silva, Luiz Paulo Junqueira, Hélio Maurício Gonçalves de Rezende, José Henrique Rocha
Viana de Oliveira,Márcio Carlos Magno, Pedro Pinheiro Soares,Sérgio de Lima Starling,Warlen César Henriques Maldonado e Samuel Ferreira.
MT – Allan Vinicius Pinheiro Salgado, Jacir Lopes da Silveira e Pedro Ramon Manhone.
PR – Rosimeire Lauretto, Daniela Furtado de Freitas Yanaga, José Segundo Bosqui e Rafael Rodrigues Fogaça.
RJ – Olavo Franco de Godoy Neto e Jorge Antonio de F Carvalho.
RO – João Adolfo Kásper, Niécio Campanati Ribeiro e Thales Augusto Duarte Daniel.
SP – Cláudio Lobo de Ávila, Elias Tadeu de Oliveira, Ivan Donizetti de Paula Júnior e Marisete Belloli Breviglieri.
Instituições Parceiras
BA – Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater);
ES – Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper);
MG – Empresa Estadual de Assistência Técnica e Extensã0 (Emater);
MT – Empresa Matogrossense de Pesquisa, Asistência e Extensão Rural (Empaer);
PR – Departamento de Economia Rural (Deral);
RJ – Empresa Estadual de Assistência Técnica e Extensã0 (Emater);
RO – Empresa Estadual de Assistência Técnica e Extensã0 (Emater);
SP – Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati) - IEA (Instituto de Economia Agrícola).
Editoração
Estúdio Nous (Célia Matsunaga e Elzimar Moreira)
Superintendência de Marketing e Comunicação (Sumac)
Gerência de Eventos e Promoção Institucional (Gepin)
Diagramação
Guilherme dos Reis Rodrigues
Fotos
Arquivo Geasa/Conab, https://br.dollarphotoclub.com
Normalização
Thelma Das Graças Fernandes Sousa – CRB-1/1843
Catalogação na publicação: Equipe da Biblioteca Josué de Castro
633.73(81)(05)
C737a
Companhia Nacional de Abastecimento.
Acompamento da safra brasileira : café – v. 1, n. 1 (2014-) – Brasília : Conab, 2014-
v.
Quadrimestral
Disponível em: http://www.conab.gov.br
Recebeu numeração a partir de jan./2014. Continuação de: Acompamento da safra brasileira de café (2008-2012).
ISSN 2318-7913
1. Café. 2. Safra. 3. Agronegócio. I.Título.
SUMÁRIO
1. Resumo executivo -------------------------------------------------------------------------8
2. Introdução----------------------------------------------------------------------------------10
3. Estimativa de área cultivada-----------------------------------------------------------11
4. Estimativa de produtividade-----------------------------------------------------------16
5. Estimativa de produção ----------------------------------------------------------------19
6 Monitoramento agrometeorológico--------------------------------------------------25
7. Avaliação por estado-------------------------------------------------------------------- 29
71. Minas Gerais-------------------------------------------------------------------------------29	
7.2 Espírito Santo-------------------------------------------------------------------------------31	
7.3. São Paulo ---------------------------------------------------------------------------------- 32	
7.4.Bahia ---------------------------------------------------------------------------------------- 32	
7.5. Rondônia --------------------------------------------------------------------------------- 34	
7.6. Paraná ------------------------------------------------------------------------------------- 34
7.7. Rio de Janeiro------------------------------------------------------------------------------ 35
7.8. Goiás---------------------------------------------------------------------------------------- 35
7.9. Mato Grosso-------------------------------------------------------------------------------36
8. Preços do café beneficiado ----------------------------------------------------------- 37
9. Parque cafeeiro ------------------------------------------------------------------------- 40
10. Calendário de colheita ---------------------------------------------------------------- 43
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2019
8 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.8
A
A safra 2019 prevê, em quase todas as regiões
produtoras de café do país, a influência (sobre-
tudo no café arábica) da bienalidade negativa,
estimando assim uma produção menor que aquela
obtida em 2018, devendo alcançar 48,99 milhões de
sacas beneficiadas. Além disso, a incidência de altas
temperaturas, atrelada à escassez de chuvas em pe-
ríodo importante do ciclo (veranico registrado em
várias regiões produtoras de café entre dezembro de
2018 e janeiro de 2019) fez com que as estimativas de
rendimento médio fossem ainda menores.
Quanto à área em produção, a tendência também é
de redução em relação à temporada passada, dimi-
nuindo 2,8%, e estimada em 1.812,8 mil hectares.
Arábica: produção estimada em 34,47 milhões de sa-
cas, representando redução em comparação ao volu-
me produzido na safra passada, de 27,4%.
Conilon: produção estimada em 14,52 milhões de sa-
cas, aumento de 2,5%.
Minas Gerais
Sul de Minas (Sul e Centro-Oeste): perspectiva de re-
dução de área em produção e do rendimento médio
da cultura, refletindo assim em uma projeção tam-
bém menor na produção final, quando comparada à
safra passada, devendo ficar em 13,93 milhões de sa-
cas.
1. Resumo executivo
9CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Cerrado Mineiro (Triângulo, Alto Paranaíba e Noroes-
te): há estimativa de diminuição de área, de produti-
vidade média e de produção, podendo alcançar 4,59
milhões de sacas beneficiadas.
Zona da Mata Mineira (Zona da Mata,Rio Doce e Cen-
tral): redução de área e produtividade média. Estima-
-se uma produção de 5,4 milhões de sacas.
Norte de Minas (Norte, Jequitinhonha e Mucuri): a
previsão é de uma produção menor que aquela obtida
em 2018, devendo ficar em 592,8 mil sacas beneficia-
das.
Espírito Santo
As condições climáticas verificadas ao longo do desen-
volvimento da cultura oscilaram e, atrelados a isso, os
efeitos da bienalidade negativa trouxeram a projeção
de diminuição de rendimento médio e de produção
total em comparação a 2018, devendo assim, alcançar
13,47 milhões de sacas,com uma produtividade média
de 34,20 scs/ha.
São Paulo
Com uma produção predominantemente de café ará-
bica e uma safra de bienalidade negativa, a previsão
é de redução em relação a 2018, devendo diminuir
30,7%,alcançando 4,37 milhões de sacas beneficiadas.
Bahia
Cerrado: diminuição de área em produção e expecta-
tiva de produção menor que 2018, podendo chegar a
300 mil sacas.
Planalto: previsão de redução de área em produção
de aproximadamente 27,7% em comparação à safra
passada, além de expectativa de rendimento médio
inferior àquela verificada em 2018, perfazendo uma
estimativa de produção de 900 mil sacas.
Atlântico: Diminuição de área em produção, produti-
vidade média e produção final, alcançando 1,6 milhão
de sacas de café, ante as 2,67 milhões de sacas produ-
zidas em 2018.
Rondônia
Expectativa de leve redução da área em produção, po-
rém com previsão de aumento de rendimento médio,
gerando uma produção de 2,1 milhões de sacas de
café, exclusivamente do tipo conilon, sendo 6% maior
que na safra anterior.
Paraná
A área em produção deve se manter próxima à da sa-
fra 2018 e a produtividade média indica redução de
4,5% em comparação à safra anterior. Espera-se cerca
de 950 mil sacas de café nesta temporada.
Rio de Janeiro
Produtividademédiaeáreaemproduçãoinferioresàque-
las verificadas no exercício anterior.Dessa forma,estima-
Goiás
Estimativas de incrementos na área em produção em
cerca de 11,3%, 8,6% na produtividade média e 20,9%
Mato Grosso
Diminuiçãode9,5%naáreaemproduçãoeexpectativade
crescimento de 28,8% no rendimento médio, ambos em
relação à safra passada, estimando assim uma produção
-se redução de 20,2% na produção, devendo ficar em 276
mil sacas de café beneficiadas.
na produção final,devendo produzir cerca de 236,3 mil
sacas.
de121,4milsacasdecafébeneficiadas,16,5%amaisquena
últimasafra.
10 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
2. introdução
10
A
Companhia Nacional de Abastecimento (Co-
nab) realiza o acompanhamento da safra brasi-
leira de café desde a safra 2001.
Neste levantamento, as informações serão de uma
safra de bienalidade negativa, que, naturalmente,
possui produtividades inferiores à safra anterior. Essa
é uma característica de culturas permanentes, sobre-
tudo no café arábica, que é a maior produção do país.
São quatro levantamentos divulgados anualmente:
O primeiro ocorre em novembro e dezembro, com di-
vulgação em janeiro.
O segundo ocorre em abril, com divulgação em maio,
onde menos de 20% do café do país foi colhido.
O terceiro acontece em agosto e divulgado em setem-
bro,nessa ocasião a colheita já terá ultrapassado 90%
do total.
O quarto será realizado em dezembro e divulgado no
mesmo mês. É o último da safra, em que a colheita já
foi finalizada e as estimativas são corrigidas com os
dados consolidados e coletados a campo.
Ressalta-se que as previsões iniciais são passíveis de
correções e ajustes ao longo do ano-safra, visto que
informações mais precisas somente se consolidam
com a finalização da colheita, porém as consequên-
cias reais serão efetivamente mensuradas à medida
que a colheita avança.
11CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
3. Estimativa de área 3.1. Café total (arábica e conilon)
A
área total cultivada no país com café (arábica e
conilon) totaliza 2,13 milhões hectares, 1,2% me-
nor que a cultivada em 2018. Desse total, 319,17
mil hectares (15%) estão em formação e 1,81 milhão de
hectares (85%) em produção.
Em comparação com à safra anterior, a área em pro-
dução reduziu 2,8%, enquanto a área em formação
aumentou 8,5%. Por se tratar de uma safra de biena-
lidade negativa, é normal que os produtores aprovei-
tam para realizar tratos culturais nas lavouras e, con-
sequentemente, diminuir a área em produção.
12 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
0
500.000
1.000.000
1.500.000
2.000.000
2.500.000
2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 (¹)
EmHectares
Arábica Conilon
Gráfico 1 – Área total de café (arábica e conilon)
Gráfico 2 – Área total de café (arábica e conilon)
Gráfico 3 – Área das Unidades da Federação
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019 (1
).
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019 (1
).
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa emsetembro/2019 (1
).
A área cultivada com café nesta safra é 26,5 mil hecta-
res menor que à de 2018.Nos últimos anos,a área vem
apresentado redução e é notório que esse comporta-
mento ocorra em virtude dos ganhos de produtivida-
de que os produtores têm alcançado,tendo em vista a
aplicação de novas tecnologias.
A redução de área é uma tendência. Dos principais
estados produtores, apenas Minas Gerais apresentou
ganho na área cultivada no período de 2001 a 2019.
Na região da Zona da Mata, em Minas Gerais, a área
em produção diminuiu 0,8% em relação à safra passa-
da,em razão da intensificação das podas nas lavouras
mais velhas ou que necessitavam de renovação.
Na Bahia, a redução da área produtiva se deve, princi-
palmente, à erradicação de lavouras de café que foram
abandonadas ou substituídas por pastagens para a
criação de bovinos, grãos e pela fruticultura e também
ao ajuste na área cultivada, com base no mapeamento
realizado e divulgado em janeiro,no boletim do primei-
ro levantamento da safra 2019 de café. Em relação ao
aumento da área em formação,este se deve ao plantio
de novas áreas em algumas regiões, impulsionado pe-
los bons resultados das últimas safras.
0
500
1.000
1.500
2.000
2.500
3.000
2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019
(¹)
Emmilhectares
Área em produção Área em formação
0
500.000
1.000.000
1.500.000
2.000.000
2.500.000
3.000.000
2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019
(¹)
Emhectares
MG ES SP BA RO PR Outros¹
13CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
3.2. Área total de arábica
A área plantada do café arábica no país soma 1,73
milhão de hectares, o que corresponde a 81% da área
existente. Para esta safra, estima-se diminuição de
0,9% (16,3 mil hectares) em relação à safra passada.
Minas Gerais concentra a maior área com a espécie,
1,22 milhão de hectares, correspondendo a 70% da
área ocupada com café arábica em âmbito nacional.
	
A área plantada de café arábica no país tem se man-
tido estável nas últimas dez safras e gira em torno de
1,7 milhão de hectares. Além dos ciclos plurianuais de
preços e produção de café, o café arábica é caracte-
rizado por flutuações de área em produção entre as
safras. Essas variações ocorrem devido ao ciclo de bie-
nalidade do café. Nos anos de ciclo de bienalidade ne-
gativa a área em formação aumenta, uma vez que os
produtores optam por manejar as culturas, especial-
mente as áreas mais velhas, onde a produtividade é
menor.Em 2019,ano de bienalidade negativa,tivemos
um aumento de 12,3% na área em formação.
Tabela 1 - Café total (arábica e conilon) - Comparativo de área em formação, em produção e total
Legenda: (*) Acre, Amazonas, Pará, Ceará. Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019.
REGIÃO/UF
ÁREA EM FORMAÇÃO (ha) ÁREA EM PRODUÇÃO (ha) ÁREA TOTAL (ha)
Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. %
(a) (b) (b/a) (c) (d) (d/c) (e) (f) (f/e)
NORTE 9.538,0 7.820,0 (18,0) 63.879,0 62.729,0 (1,8) 73.417,0 70.549,0 (3,9)
RO 9.538,0 7.820,0 (18,0) 63.879,0 62.729,0 (1,8) 73.417,0 70.549,0 (3,9)
NORDESTE 7.487,0 12.400,0 65,6 130.000,0 97.335,0 (25,1) 137.487,0 109.735,0 (20,2)
BA 7.487,0 12.400,0 65,6 130.000,0 97.335,0 (25,1) 137.487,0 109.735,0 (20,2)
Cerrado 937,0 2.300,0 145,5 11.300,0 9.000,0 (20,4) 12.237,0 11.300,0 (7,7)
Planalto 3.650,0 7.200,0 97,3 71.000,0 51.335,0 (27,7) 74.650,0 58.535,0 (21,6)
Atlântico 2.900,0 2.900,0 - 47.700,0 37.000,0 (22,4) 50.600,0 39.900,0 (21,1)
CENTRO-OESTE 5.001,0 4.349,0 (13,0) 15.215,0 14.997,0 (1,4) 20.216,0 19.346,0 (4,3)
MT 2.856,0 2.790,0 (2,3) 9.310,0 8.422,0 (9,5) 12.166,0 11.212,0 (7,8)
GO 2.145,0 1.559,0 (27,3) 5.905,0 6.575,0 11,3 8.050,0 8.134,0 1,0
SUDESTE 267.559,0 290.646,0 8,6 1.611.132,0 1.590.611,0 48,2 1.878.691,0 1.881.257,0 0,1
MG 215.038,0 245.191,0 14,0 1.008.595,0 983.959,0 (2,4) 1.223.633,0 1.229.150,0 0,5
Sul e Centro-Oeste 118.186,0 154.368,0 30,6 514.193,0 496.766,0 (3,4) 632.379,0 651.134,0 3,0
Triângulo, Alto Paranaiba e Noroeste 42.829,0 40.235,0 (6,1) 189.183,0 185.688,0 (1,8) 232.012,0 225.923,0 (2,6)
Zona da Mata, Rio Doce e Central 51.174,0 46.503,0 (9,1) 278.811,0 276.520,0 (0,8) 329.985,0 323.023,0 (2,1)
Norte, Jequitinhonha e Mucuri 2.849,0 4.085,0 43,4 26.408,0 24.985,0 (5,4) 29.257,0 29.070,0 (0,6)
ES 39.724,0 31.301,0 (21,2) 387.926,0 393.902,0 1,5 427.650,0 425.203,0 (0,6)
RJ 1.436,0 2.012,0 40,1 12.030,0 11.381,0 (5,4) 13.466,0 13.393,0 (0,5)
SP 11.361,0 12.142,0 6,9 202.581,0 201.369,0 (0,6) 213.942,0 213.511,0 (0,2)
SUL 3.300,0 2.800,0 (15,2) 37.500,0 37.300,0 (0,5) 40.800,0 40.100,0 (1,7)
PR 3.300,0 2.800,0 (15,2) 37.500,0 37.300,0 (0,5) 40.800,0 40.100,0 (1,7)
OUTROS (*) 1.309,1 1.150,0 (12,2) 6.596,8 9.793,0 48,5 7.905,9 10.943,0 38,4
NORTE/NORDESTE 17.025,0 20.220,0 18,8 193.879,0 160.064,0 (17,4) 210.904,0 180.284,0 (14,5)
CENTRO-SUL 275.860,0 297.795,0 8,0 1.663.847,0 1.642.908,0 (1,3) 1.939.707,0 1.940.703,0 0,1
BRASIL 294.194,1 319.165,0 8,5 1.864.322,8 1.812.765,0 (2,8) 2.158.516,9 2.131.930,0 (1,2)
14 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Gráfico 4 – Área de café arábica
Tabela 2 - Café arábica - Comparativo de área em formação, em produção e total
Legenda: (*) Acre, Amazonas, Ceará. Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019.
REGIÃO/UF
ÁREA EM FORMAÇÃO (ha) ÁREA EM PRODUÇÃO (ha) ÁREA TOTAL (ha)
Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. %
(a) (b) (b/a) (c) (d) (d/c) (e) (f) (f/e)
NORDESTE 4.587,0 9.500,0 107,1 82.300,0 60.335,0 (26,7) 86.887,0 69.835,0 (19,6)
BA 4.587,0 9.500,0 107,1 82.300,0 60.335,0 (26,7) 86.887,0 69.835,0 (19,6)
Cerrado 937,0 2.300,0 145,5 11.300,0 9.000,0 (20,4) 12.237,0 11.300,0 (7,7)
Planalto 3.650,0 7.200,0 97,3 71.000,0 51.335,0 (27,7) 74.650,0 58.535,0 (21,6)
CENTRO-OESTE 2.155,0 1.559,0 (27,7) 5.950,0 6.575,0 10,5 8.105,0 8.134,0 0,4
MT 10,00 - (100,0) 45,00 - (100,0) 55,0 - (100,0)
GO 2.145,0 1.559,0 (27,3) 5.905,0 6.575,0 11,3 8.050,0 8.134,0 1,0
SUDESTE 241.689,0 269.496,0 11,5 1.366.798,0 1.339.349,0 (2,0) 1.608.487,0 1.608.845,0 -
MG 214.392,0 243.739,0 13,7 995.584,0 974.502,0 (2,1) 1.209.976,0 1.218.241,0 0,7
Sul e Centro-Oeste 118.186,0 154.368,0 30,6 514.193,0 496.766,0 (3,4) 632.379,0 651.134,0 3,0
Triângulo,Alto Paranaiba e Noroeste 42.829,0 40.235,0 (6,1) 189.183,0 185.688,0 (1,8) 232.012,0 225.923,0 (2,6)
Zona da Mata, Rio Doce e Central 50.754,0 45.559,0 (10,2) 270.354,0 270.373,0 - 321.108,0 315.932,0 (1,6)
Norte, Jequitinhonha e Mucuri 2.623,0 3.577,0 36,4 21.854,0 21.675,0 (0,8) 24.477,0 25.252,0 3,2
ES 14.500,0 11.603,0 (20,0) 156.603,0 152.097,0 (2,9) 171.103,0 163.700,0 (4,3)
RJ 1.436,0 2.012,0 40,1 12.030,0 11.381,0 (5,4) 13.466,0 13.393,0 (0,5)
SP 11.361,0 12.142,0 6,9 202.581,0 201.369,0 (0,6) 213.942,0 213.511,0 (0,2)
SUL 3.300,0 2.800,0 (15,2) 37.500,0 37.300,0 (0,5) 40.800,0 40.100,0 (1,7)
PR 3.300,0 2.800,0 (15,2) 37.500,0 37.300,0 (0,5) 40.800,0 40.100,0 (1,7)
OUTROS (*) 614,0 109,0 (82,2) 4.511,0 6.097,0 35,2 5.125,0 6.206,0 21,1
NORTE/NORDESTE 4.587,0 9.500,0 107,1 82.300,0 60.335,0 (26,7) 86.887,0 69.835,0 (19,6)
CENTRO-SUL 247.144,0 273.855,0 10,8 1.410.248,0 1.383.224,0 (1,9) 1.657.392,0 1.657.079,0 -
BRASIL 252.345,0 283.464,0 12,3 1.497.059,0 1.449.656,0 (3,2) 1.749.404,0 1.733.120,0 (0,9)
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019 (1
).
0
200
400
600
800
1.000
1.200
1.400
1.600
1.800
2.000
2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 (¹)
Emmilhectares
Área em produção Área em formação
15CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019 (1
).
Gráfico 5 – Área de café conilon
3.3. Área total de conilon
Para o café conilon,a estimativa é de redução de 2,5% na
área, estimada em 398,8 mil hectares. Desse total, 363,1
mil hectares estão em produção e 35,7 mil hectares em
formação. No Espírito Santo está a maior área, 261,5 mil
hectares, seguido por Rondônia, com 70,5 mil hectares e
logo após a Bahia,com 39,9 mil hectares.Apesar de tam-
bém sofrer influência da bienalidade, normalmente ela
ocorre com menor intensidade no conilon.
A área dessa espécie vem decrescendo a cada ano. Des-
de 2009 a área reduziu 162,1 mil hectares.
A diminuição na área está vinculada à tendência impor-
tante na otimização do manejo dessa cultura e à utiliza-
ção de material genético mais produtivo.
Tabela 3 - Café arábica - Comparativo de área em formação, em produção e total
Legenda: (*) Acre, Amazonas, Pará e Ceará.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019.
REGIÃO/UF
ÁREA EM FORMAÇÃO (ha) ÁREA EM PRODUÇÃO (ha) ÁREA TOTAL (ha)
Safra
2018
Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. %
(a) (b) (b/a) (c) (d) (d/c) (e) (f) (f/e)
NORTE 9.538,0 7.820,0 (18,0) 63.879,0 62.729,0 (1,8) 73.417,0 70.549,0 (3,9)
RO 9.538,0 7.820,0 (18,0) 63.879,0 62.729,0 (1,8) 73.417,0 70.549,0 (3,9)
NORDESTE 2.900,0 2.900,0 - 47.700,0 37.000,0 (22,4) 50.600,0 39.900,0 (21,1)
BA 2.900,0 2.900,0 - 47.700,0 37.000,0 (22,4) 50.600,0 39.900,0 (21,1)
Atlântico 2.900,0 2.900,0 - 47.700,0 37.000,0 (22,4) 50.600,0 39.900,0 (21,1)
CENTRO-OESTE 2.846,0 2.790,0 (2,0) 9.265,0 8.422,0 (9,1) 12.111,0 11.212,0 (7,4)
MT 2.846,00 2.790,0 (2,0) 9.265,00 8.422,00 (9,1) 12.111,0 11.212,0 (7,4)
SUDESTE 25.870,0 21.150,0 (18,2) 244.334,0 251.262,0 2,8 270.204,0 272.412,0 0,8
MG 646,0 1.452,0 124,8 13.011,0 9.457,0 (27,3) 13.657,0 10.909,0 (20,1)
Zona da Mata, Rio Doce e Central 420,0 944,0 124,8 8.457,0 6.147,0 (27,3) 8.877,0 7.091,0 (20,1)
Norte, Jequitinhonha e Mucuri 226,0 508,0 124,8 4.554,0 3.310,0 (27,3) 4.780,0 3.818,0 (20,1)
ES 25.224,0 19.698,0 (21,9) 231.323,0 241.805,0 4,5 256.547,0 261.503,0 1,9
OUTROS (*) 695,1 1.041,0 49,8 2.085,8 3.696,0 77,2 2.780,9 4.737,0 70,3
NORTE/NORDESTE 12.438,0 10.720,0 (13,8) 111.579,0 99.729,0 (10,6) 124.017,0 110.449,0 (10,9)
CENTRO-SUL 28.716,0 23.940,0 (16,6) 253.599,0 259.684,0 2,4 282.315,0 283.624,0 0,5
BRASIL 41.849,1 35.701,0 (14,7) 367.263,8 363.109,0 (1,1) 409.112,9 398.810,0 (2,5)
0
100
200
300
400
500
600
2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 ¹
Emmilhectares
Área em produção Área em formação
16 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
4.Estimativa de produtividade 4.1. Produtividade total (arábica e
conilon)
P
ara a safra 2019, estima-se que a produtividade
média seja de 27,03 scs/ha, que equivale à redu-
ção de 18,3% em relação à safra passada. Tal di-
minuição deve ocorrer em todas as principais regiões
produtoras, principalmente àquelas que dispõem de
café arábica, devido aos impactos ocasionados pela
bienalidade negativa, além da estiagem em dezem-
bro de 2018 e janeiro de 2019, que comprometeram
a formação e a granação dos frutos. Na maior parte
das regiões onde predomina o cultivo do conilon, a
expectativa é de rendimento médio superior que o
da safra passada,devido às características fisiológicas
dessa espécie e sua maior resistência aos efeitos da
bienalidade.
17CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Gráfico 6 – Produtividade de café total (arábica e conilon)
Gráfico 7 – Produtividade de café arábica no Brasil
de bienalidade negativa ela se recupera para produzir
melhor na safra subsequente. No entanto o melhor
manejo e o pacote tecnológico elevado, utilizados pe-
los produtores têm levado, ao longo dos anos, a uma
diminuição da diferença entre as produtividades de
ciclo positivo e negativo.
Fonte: Conab.
Nota: : Estimativa em setembro/2019 (1).
Fonte: Conab.
Nota: : Estimativa em setembro/2019 (1).
Os ciclos de bienalidade são uma das características
do cafeeiro, em especial para o café arábica, e consiste
na alternância de um ano com grande florada, segui-
do por outro, com florada menos intensa. Isso é uma
característica natural dessa cultura perene, ocasiona-
da pelo esgotamento da planta, uma vez que no ano
4.3. Produtividade de conilon
O café conilon é uma espécie mais rústica e, por isso,
possui vantagens sobre o arábica. O ciclo de bienali-
dade é menos intenso no café conilon que no arábica,
apresentando mais resistência aos estresses, quando
comparado ao arábica.
A previsão nacional de produtividade média, nesta sa-
fra, é de 40 scs/ha, sinalizando aumento de 3,6% em
relação à temporada anterior. O rendimento estimado
no Nordeste,em particular na região do atlântico baia-
no,ficou muito aquém do esperado e isso impactou na
expectativa de produtividade média.Porém,no Espírito
Santo, maior produtor de café conilon, a produtividade
apresenta 9,8% maior que na safra passada.
4.2. Produtividade de arábica
O arábica, espécie mais influenciada pelos ciclos bie-
nais, tem nesta safra um ciclo de bienalidade negati-
va. A estimativa é que a produtividade seja de 23,78
scs/ha.
-
5,00
10,00
15,00
20,00
25,00
30,00
35,00
2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019
(¹)
Emscs/ha
Bienalidade negativa
Bienalidade positiva
-
5,00
10,00
15,00
20,00
25,00
30,00
35,00
2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 (¹)
Emscs/ha
Bienalidade negativa
Bienalidade positiva
18 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Gráfico 8 – Produtividade de café conilon no Brasil
-
5,00
10,00
15,00
20,00
25,00
30,00
35,00
40,00
45,00
2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 (¹)
Emscs/ha
Fonte: Conab.
Nota: : Estimativa em setembro/2019 (1)
19CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
5. Estimativa de produção 5.1.Produçãototal(arábicaeconilon)
A
terceira estimativa para a produção de café
nessa safra (espécies arábica e conilon) indica
que o país deverá colher cerca de 48,99 milhões
de sacas de café beneficiado. O resultado representa
diminuição de 20,5%, quando comparado à produção
obtida em 2018..
20 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Tabela 4 – Café total (arábica e conilon) - Comparativo de área em produção,produtividade e produção
Legenda: (*) Acre, Amazonas, Pará, Ceará, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019.
Gráfico 9 – Produção total de café (arábica e conilon)
REGIÃO/UF
ÁREA EM PRODUÇÃO (ha) PRODUTIVIDADE (sc/ha) PRODUÇÃO (mil sc)
Safra 2018
(a)
Safra 2019
(b)
VAR. %
(b/a)
Safra 2018
(c)
Safra 2019
(d)
VAR. %
(d/c)
Safra 2018 (e) Safra 2019 (f)
VAR. %
(e/f)
NORTE 63.879,0 62.729,0 (1,8) 30,97 33,43 7,9 1.978,3 2.097,0 6,0
RO 63.879,0 62.729,0 (1,8) 30,97 33,43 7,9 1.978,3 2.097,0 6,0
NORDESTE 130.000,0 97.335,0 (25,1) 35,00 28,77 (17,8) 4.550,2 2.800,0 (38,5)
BA 130.000,0 97.335,0 (25,1) 35,00 28,77 (17,8) 4.550,2 2.800,0 (38,5)
Cerrado 11.300,0 9.000,0 (20,4) 44,00 33,33 (24,2) 497,2 300,0 (39,7)
Planalto 71.000,0 51.335,0 (27,7) 19,48 17,53 (10,0) 1.383,0 900,0 (34,9)
Atlântico 47.700,0 37.000,0 (22,4) 55,97 43,24 (22,7) 2.670,0 1.600,0 (40,1)
CENTRO-OESTE 15.215,0 14.997,0 (1,4) 19,69 23,85 21,1 299,6 357,7 19,4
MT 9.310,0 8.422,0 (9,5) 11,19 14,41 28,8 104,2 121,4 16,5
GO 5.905,0 6.575,0 11,3 33,09 35,94 8,6 195,4 236,3 20,9
SUDESTE 1.611.132,0 1.590.611,0 (1,3) 33,36 26,80 (19,6) 53.747,7 42.636,3 (20,7)
MG 1.008.595,0 983.959,0 (2,4) 33,08 24,92 (24,7) 33.360,4 24.521,6 (26,5)
Sul e Centro-Oeste 514.193,0 496.766,0 (3,4) 34,80 28,04 (19,4) 17.896,1 13.930,6 (22,2)
Triângulo,Alto Paranaiba
e Noroeste
189.183,0 185.688,0 (1,8) 37,73 24,73 (34,4) 7.138,0 4.592,7 (35,7)
Zona da Mata, Rio Doce
e Central
278.811,0 276.520,0 (0,8) 27,13 19,55 (27,9) 7.563,2 5.405,5 (28,5)
Norte, Jequitinhonha e
Mucuri
26.408,0 24.985,0 (5,4) 28,90 23,72 (17,9) 763,1 592,8 (22,3)
ES 387.926,0 393.902,0 1,5 35,42 34,20 (3,4) 13.739,0 13.471,0 (2,0)
RJ 12.030,0 11.381,0 (5,4) 28,76 24,25 (15,7) 346,0 276,0 (20,2)
SP 202.581,0 201.369,0 (0,6) 31,11 21,69 (30,3) 6.302,3 4.367,7 (30,7)
SUL 37.500,0 37.300,0 (0,5) 26,67 25,47 (4,5) 1.000,0 950,0 (5,0)
PR 37.500,0 37.300,0 (0,5) 26,67 25,47 (4,5) 1.000,0 950,0 (5,0)
OUTROS (*) 6.596,8 9.793,0 48,5 12,38 15,40 24,3 81,7 150,8 84,6
NORTE/NORDESTE 193.879,0 160.064,0 (17,4) 33,67 30,59 (9,1) 6.528,5 4.897,0 (25,0)
CENTRO-SUL 1.663.847,0 1.642.908,0 (1,3) 33,08 26,75 (19,2) 55.047,3 43.944,0 (20,2)
BRASIL 1.864.322,8 1.812.765,0 (2,8) 33,07 27,03 (18,3) 61.657,5 48.991,8 (20,5)
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019 (1).
28,82
39,27
32,94
42,51
36,07
45,99
39,47
48,09
43,48
50,83
49,15
45,34 43,24
51,37
44,97
61,66
48,99
0,00
5,00
10,00
15,00
20,00
25,00
30,00
35,00
40,00
45,00
50,00
55,00
60,00
65,00
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
2019(¹)
Produção(emmilhõesdesacas)
Bienalidade negativa
Bienalidade positiva
21CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Gráfico 10 – Produção total de café (arábica e conilon) – Anos de bienalidade positiva
Gráfico 11 – Produção total de café (arábica e conilon) – Anos de bienalidade negativa
5.2. Produção de arábica
O café arábica representa mais de 70% da estimati-
va de produção total (arábica e conilon) de café do
país. Considerando que a safra atual apresenta um
ciclo de bienalidade negativa, são estimados cerca
de 34,47 milhões de sacas. Isso sinaliza redução de
27,4% em comparação à temporada anterior.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019 (1).
42,51
45,99 48,09
50,83
45,34
51,37
61,66
0,00
5,00
10,00
15,00
20,00
25,00
30,00
35,00
40,00
45,00
50,00
55,00
60,00
65,00
2006 2008 2010 2012 2014 2016 2018
Bienalidade positiva
Produção(emmilhõesdesacas)
28,82
32,94
36,07
39,47
43,48
49,15
43,24 44,97
48,99
0,00
5,00
10,00
15,00
20,00
25,00
30,00
35,00
40,00
45,00
50,00
55,00
2003 2005 2007 2009 2011 2013 2015 2017 2019 (¹)
Bienalidade negativa
Produção(emmilhõesdesacas)
22 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Tabela 5 – Café arábica - Comparativo de área em produção, produtividade e produção
Legenda: (*) Ceará, Amazonas, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019.
REGIÃO/UF
ÁREA EM PRODUÇÃO (ha) PRODUTIVIDADE (sc/ha) PRODUÇÃO (mil sc)
Safra 2018
(a)
Safra 2019
(b)
VAR. %
(b/a)
Safra 2018
(c)
Safra 2019
(d)
VAR. %
(d/c)
Safra 2018 (e) Safra 2019 (f)
VAR. %
(e/f)
NORDESTE 82.300,0 60.335,0 (26,7) 22,85 19,89 (12,9) 1.880,2 1.200,0 (36,2)
BA 82.300,0 60.335,0 (26,7) 22,85 19,89 (12,9) 1.880,2 1.200,0 (36,2)
Cerrado 11.300,0 9.000,0 (20,4) 44,00 33,33 (24,2) 497,2 300,0 (39,7)
Planalto 71.000,0 51.335,0 (27,7) 19,48 17,53 (10,0) 1.383,0 900,0 (34,9)
CENTRO-OESTE 5.950,0 6.575,0 10,5 32,99 35,94 8,9 196,3 236,3 20,4
MT 45,0 - (100,0) 20,00 - ! - 0,9 - (100,0)
GO 5.905,0 6.575,0 11,3 33,09 35,94 8,6 195,4 236,3 20,9
SUDESTE 1.366.798,0 1.339.349,0 (2,0) 32,46 23,90 (26,4) 44.369,4 32.008,9 (27,9)
MG 995.584,0 974.502,0 (2,1) 33,12 24,85 (25,0) 32.970,1 24.212,2 (26,6)
Sul e Centro-Oeste 514.193,0 496.766,0 (3,4) 34,80 28,04 (19,4) 17.896,1 13.930,6 (22,2)
Triângulo,Alto Paranaiba
e Noroeste
189.183,0 185.688,0 (1,8) 37,73 24,73 (34,4) 7.138,0 4.592,7 (35,7)
Zona da Mata, Rio Doce
e Central
270.354,0 270.373,0 - 27,04 19,25 (28,8) 7.309,5 5.204,4 (28,8)
Norte, Jequitinhonha e
Mucuri
21.854,0 21.675,0 (0,8) 28,67 22,35 (22,0) 626,5 484,5 (22,7)
ES 156.603,0 152.097,0 (2,9) 30,34 20,73 (31,7) 4.751,0 3.153,0 (33,6)
RJ 12.030,0 11.381,0 (5,4) 28,76 24,25 (15,7) 346,0 276,0 (20,2)
SP 202.581,0 201.369,0 (0,6) 31,11 21,69 (30,3) 6.302,3 4.367,7 (30,7)
SUL 37.500,0 37.300,0 (0,5) 26,67 25,47 (4,5) 1.000,0 950,0 (5,0)
PR 37.500,0 37.300,0 (0,5) 26,67 25,47 (4,5) 1.000,0 950,0 (5,0)
OUTROS (*) 4.511,0 6.097,0 35,2 8,42 11,83 40,4 38,0 72,1 89,7
NORTE/NORDESTE 82.300,0 60.335,0 (26,7) 22,85 19,89 (12,9) 1.880,2 1.200,0 (36,2)
CENTRO-SUL 1.410.248,0 1.383.224,0 (1,9) 32,31 24,00 (25,7) 45.565,7 33.195,2 (27,1)
BRASIL 1.497.059,0 1.449.656,0 (3,2) 31,72 23,78 (25,0) 47.483,9 34.467,3 (27,4)
Gráfico 12 – Produção de café arábica
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019 (1).
20,08
31,72
23,82
33,02
25,10
35,48
28,87
36,82
32,19
38,34
38,29
32,31
32,05
34,25
34,25
47,48
34,47
0,00
5,00
10,00
15,00
20,00
25,00
30,00
35,00
40,00
45,00
50,00
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
2019(¹)
Produção(emmilhõesdesacas)
Bienalidade negativa
Bienalidade positiva
23CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019 (1).
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019.
Gráfico 13 – Produção de café arábica – Anos de bienalidade positiva
Gráfico 14 – Produção de café arábica – Anos de bienalidade negativa
5.3. Produção de conilon
A produção do conilon, nessa safra 2019, está es-
timada em 14,52 milhões de sacas, representando
aumento de 2,5% em relação a 2018. Essa projeção
se deve, sobretudo, à expectativa de aumento na
produção do Espírito Santo, que aumentou área e
apresentou maiores estimativas de produtivida-
des médias.
33,02 35,48 36,82 38,34
32,31 34,25
47,48
0,00
10,00
20,00
30,00
40,00
50,00
2006 2008 2010 2012 2014 2016 2018
Bienalidade positiva
Produção(em
milhõesdesacas)
25,10
28,87
32,19
38,29
32,05
34,25 34,47
0,00
5,00
10,00
15,00
20,00
25,00
30,00
35,00
40,00
45,00
50,00
55,00
2007 2009 2011 2013 2015 2017 2019 (¹)
Bienalidade negativa
Produção(emmilhõesde
sacas)
24 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Tabela 6 – Café conilon - Comparativo de área em produção, produtividade e produção
Legenda: (*) Acre, Amazonas, Pará e Ceará.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019.
Gráfico 15 – Produção de café conilon
REGIÃO/UF
ÁREA EM PRODUÇÃO (ha) PRODUTIVIDADE (sc/ha) PRODUÇÃO (mil sc)
Safra 2018
(a)
Safra 2019
(b)
VAR. %
(b/a)
Safra 2018
(c)
Safra 2019
(d)
VAR. %
(d/c)
Safra 2018 (e) Safra 2019 (f)
VAR. %
(e/f)
NORTE 63.879,0 62.729,0 (1,8) 30,97 33,43 7,9 1.978,3 2.097,0 6,0
RO 63.879,0 62.729,0 (1,8) 30,97 33,43 7,9 1.978,3 2.097,0 6,0
NORDESTE 47.700,0 37.000,0 (22,4) 55,97 43,24 (22,7) 2.670,0 1.600,0 (40,1)
BA 47.700,0 37.000,0 (22,4) 55,97 43,24 (22,7) 2.670,0 1.600,0 (40,1)
Atlântico 47.700,0 37.000,0 (22,4) 55,97 43,24 (22,7) 2.670,0 1.600,0 (40,1)
CENTRO-OESTE 9.265,0 8.422,0 (9,1) 11,15 14,41 29,3 103,3 121,4 17,5
MT 9.265,0 8.422,0 (9,1) 11,15 14,41 29,3 103,3 121,4 17,5
SUDESTE 244.334,0 251.262,0 2,8 38,38 42,30 10,2 9.378,3 10.627,4 13,3
MG 13.011,0 9.457,0 (27,3) 30,00 32,72 9,1 390,3 309,4 (20,7)
Zona da Mata, Rio Doce
e Central
8.457,0 6.147,0 (27,3) 30,00 32,72 9,1 253,7 201,1 (20,7)
Norte, Jequitinhonha
e Mucuri
4.554,0 3.310,0 (27,3) 30,00 32,72 9,1 136,6 108,3 (20,7)
ES 231.323,0 241.805,0 4,5 38,85 42,67 9,8 8.988,0 10.318,0 14,8
OUTROS (*) 2.085,8 3.696,0 77,2 20,95 21,29 1,6 43,7 78,7 80,1
NORTE/NORDESTE 111.579,0 99.729,0 (10,6) 41,66 37,07 (11,0) 4.648,3 3.697,0 (20,5)
CENTRO-SUL 253.599,0 259.684,0 2,4 37,39 41,39 10,7 9.481,6 10.748,8 13,4
BRASIL 367.263,8 363.109,0 (1,1) 38,59 40,00 3,6 14.173,6 14.524,5 2,5
8,74
7,56
9,13 9,50
10,97
10,51 10,60 11,27
11,30
12,48
10,87
13,04
11,19
7,99
10,72
14,17 14,52
0,00
2,00
4,00
6,00
8,00
10,00
12,00
14,00
16,00
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
2019(¹)
Produção(emmilhãodesacas)
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019 (1).
25CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
O
monitoramento agrícola do café tem por ob-
jetivo contribuir com o fortalecimento da ca-
pacidade de produzir e divulgar previsões re-
levantes, oportunas e precisas da produção agrícola
nacional. Esse monitoramento é feito a partir do ma-
peamento das áreas de cultivo, que auxilia na quan-
tificação da área plantada, no acompanhamento da
dinâmica do uso do solo e na análise das condições
meteorológicas, desde o início do florescimento até a
conclusão da colheita. A condição para o desenvolvi-
mento das lavouras, considerando a sua localização
(mapeamentos) e as fases predominantes, são anali-
sadas no monitoramento agrometeorológico.
6. Monitoramento agromete-
orológico
26 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
6.1. Monitoramento agrometeorológico
cesso de chuvas, e/ou por baixas temperaturas,
(geadas) ou altas temperaturas;
•	 Média restrição: quando houver problemas gene-
ralizados de média e alta intensidade por falta ou
excesso de chuvas, e/ou por baixas temperaturas,
(geadas) ou altas temperaturas;
•	 Alta restrição:quando houver problemas crônicos
ou extremos de média e alta intensidade por falta
ou excesso de precipitações, e/ou por baixas tem-
peraturas (geadas), ou altas temperaturas, que
podem causar impactos significativos na produ-
ção.
A seguir, seguem as cores que representam as dife-
rentes condições nas tabelas:
Favorável
Baixa restrição
falta de chuva
Média restrição
falta de chuva
Alta restrição
falta de chuva
Baixa restrição
excesso de chuva
Média restrição
excesso de chuva
Alta restrição
excesso de chuva
Baixa restrição
temperaturas baixas
Média restrição
temperaturas baixas
Alta restrição
temperaturas baixas
No monitoramento agrometeorológico, dentre os
parâmetros observados, destacam-se: a precipitação
acumulada (decendial e mensal) e o desvio da preci-
pitação e das temperaturas máxima ou mínima com
relação à média histórica (anomalia). Para os princi-
pais estados produtores foi elaborada uma tabela que
apresenta o resultado do monitoramento por mês, de
acordo com a fase fenológica predominante. A condi-
ção pode ser:
•	 Favorável:quando a precipitação e a temperatura
são adequadas para a fase do desenvolvimento
da cultura ou houver apenas problemas pontuais;
•	 Baixa restrição: quando houver problemas pontu-
ais de média e alta intensidade por falta ou ex-
Precipitação de 21 a 31/12/2018
Figura 1 -Precipitação decendial, precipitação total, anomalia da precipitação e da temperatura máxi-
ma média nos meses com maiores restrições no desenvolvimento da safra 2019
Precipitação de 1º a 10/12/2018
Dezembro/2018
Precipitação de 11 a 20/12/2018
Continua
Na floração,a condição está mais relacionada com a re-
gularidade das precipitações do que com a intensidade
das mesmas.Por isso,a classificação pode ser diferente.
Os mapas agrometeorológicos dos meses em que
houve maiores restrições são apresentados a se-
guir.
27CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Janeiro/2019
Precipitação de 21 a 31/01/2019Precipitação de 1º a 10/01/2019 Precipitação de 11 a 20/01/2019
Precipitação total Anomalia da precipitação Anomalia da temperatura máxima média
Precipitação total Anomalia da precipitação Anomalia da temperatura máxima média
28 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Fevereiro/2019
Precipitação de 21 a 28/02/2019Precipitação de 1º a 10/02/2019 Precipitação de 11 a 20/02/2019
Precipitação total Anomalia da precipitação Anomalia da temperatura máxima média
Fonte: Inmet.
29CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
7. Avaliação por estado 7.1. Minas Gerais
N
o início do período de implantação e desenvol-
vimento das lavouras, ainda em 2018, as condi-
ções climáticas nas principais regiões cafeiculto-
ras do estado eram consideradas favoráveis em razão,
principalmente, da quantidade de chuvas registradas,
com regularidade e bem distribuídas.Todavia, no perí-
odo entre dezembro de 2018 e fevereiro de 2019,houve
veranico em algumas regiões do estado.Isso proporcio-
nou um significativo deficit hídrico que, associado às
condições de altas temperaturas e alta insolação, pre-
judicaram o enchimento e a granação dos frutos em
diferentes proporções. Ressalva-se que a partir desse
período de seca extemporânea, as precipitações volta-
riam a ocorrer, especialmente até maio de 2019, prece-
dendo a usual estação seca.
Com o avanço fenológico da cultura, a fase de matura-
ção dos grãos e o início das operações de colheita coin-
cidiram com esse período de escassez de chuvas (a par-
tir de maio de 2019), favorecendo assim tais estádios
de desenvolvimento, bem como os manejos realizados
nas lavouras.
Vale ressaltar a ocorrência de geadas localizadas no
estado, de intensidades variadas de danos às lavouras
pela queima das partes superiores do cafeeiro,mas que
não impactaram diretamente o rendimento dos grãos
produzidos nesta safra.
30 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
De maneira geral, com as oscilações climáticas apre-
sentadas durante o ciclo, bem como os efeitos fisioló-
gicos relacionados à bienalidade negativa esperada,
o rendimento médio para esta safra está estimado
em 24,92 scs/ha, sinalizando diminuição de 24,7% em
comparação à temporada passada.
7.1.1. Condições da cultura
Para a região do sul e centro-oeste de Minas o indica-
tivo de produção, nesta safra, é de 13.930,6 mil sacas,
demonstrando uma redução de 22,2% em relação ao
ano passado. Esse decréscimo está atrelado aos efei-
tos da bienalidade negativa, aos fatores climáticos re-
gistrados ao longo do ciclo e à diminuição de área em
produção,que ficou em 496,8 mil hectares.
Na região do Cerrado Mineiro foram destinados cerca de
185,7 mil hectares para a produção de café,nesta safra.Tal
área é 1,8% inferior àquela utilizada na temporada passa-
da,gerando impacto na estimativa de produção final. De
modo geral,são esperadas 4.592,7 mil sacas de café colhi-
das,com uma produtividade média de 24,73 scs/ha.
Na região da Zona da Mata,cerca de 90% dos 276,5 mil
hectares plantados, nessa safra, já foram colhidos, res-
tando aquelas lavouras situadas em regiões de maior
altitude, bem como a colheita do café no chão. A área
em produção reduziu 0,8% em relação à temporada
passada, principalmente em razão da intensificação
das podas nas lavouras mais velhas, depolperada ou
desestruturadas, e dos ajustes de área feitos em con-
sonância com o mapeamento do parque cafeeiro em
Minas Gerais, realizado pela Secretaria de Estado da
Agricultura e Emater,em parceria com a Conab.
São esperadas 5.405,5 mil sacas de café beneficiadas
para a região, sinalizando redução de 28,5% em com-
paração a 2018.Tal expectativa de diminuição se deve à
bienalidade negativa em razão do acentuado desgaste
fisiológico dos cafeeiros após duas safras de alta pro-
dução, pelas variações climáticas durante o ciclo e pela
escassez de oferta e majoração expressiva dos preços
dos fertilizantes,que prejudicaram a realização dos tra-
tos culturais recomendados, concorrendo para a redu-
ção do potencial produtivo. As multifloradas, ocorridas
ao longo do segundo semestre de 2018 e nos primeiros
meses de 2019,provocaram o crescimento e maturação
desuniforme dos frutos e dificultou a decisão pelo me-
lhor momento para a colheita em razão da existência
de frutos verdes, maduros e secos, na mesma planta, e
até mesmo na mesma haste, com registros de perdas
significativas na produção inicialmente esperada e na
qualidade da bebida colhida.O alto percentual de grãos
pequenos, malformados, chocos ou com casca grossa
colhidos geraram um rendimento abaixo da média
na formação das sacas beneficiadas. Usualmente são
utilizados de sete a oito cestos de frutos colhidos para
a confecção de uma saca de café beneficiado. No en-
tanto,com o menor rendimento e qualidade dos grãos,
nessa safra,foram destinados dez cestos de frutos para
a formação de uma saca beneficiada.
Na região norte de Minas,Jequitinhonha e Mucuri,a si-
tuação das lavouras estão entre regular e boa.De modo
geral,as plantas se encontram razoavelmente enfolha-
das, sem relato de danos econômicos significativos
causados por pragas ou doenças. As chuvas ocorridas
a partir de agosto de 2018 e entre outubro e novembro
do mesmo ano determinaram o surgimento de boas
floradas nas diversas localidades produtoras de café da
região. Atualmente, a colheita está em fase avançada
de evolução, com estimativa de produção final na or-
dem de 592,8 mil sacas de café, apontando redução de
22,3% em relação à safra anterior. O rendimento médio
esperado é de 23,72 scs/ha e a área em produção é de
aproximadamente 25 mil hectares.
Quadro 1 – Análise de parte do período vegetativo e reprodutivo da safra 2019,com os possíveis impac-
tos de acordo com as fases* do café em Minas Gerais
Minas Gerais
Ano 2018 2019
Meses Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set
Fases*
Sul de Minas (Sul e Centro-Oeste) F F F F/CH EF GF GF GF GF/M M/C M/C C C C
Cerrado Mineiro (Triângulo, Alto Paranaíba
e Noroeste)**
F F F F/CH CH/EF EF GF GF GF/M M/C M/C C C C
Zona da Mata, Rio Doce e Central F F F F/CH CH/EF EF GF GF GF/M M/C M/C C C C
Norte, Jequitinhonha e Mucuri F F F F/CH CH/EF EF GF GF GF/M M/C M/C C C C
** (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação;
** parte irrigada
Fonte: Conab.
Baixa restrição
Excesso de chuvas
Favorável Baixa restrição
falta de chuva
Baixa Restrição
Geadas ou baixas
temperaturas
Média restrição
falta de chuva
Chuvas desfavoráveis para a uni-
formidade das floradas
31CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
7.2. Espírito Santo
A destinação de área para a produção de café no esta-
do apresentou incremento de 1,5% em comparação à
temporada anterior. Foram 393,9 mil hectares utiliza-
dos,com a perspectiva de produção total na ordem de
13.471 mil sacas,sendo 3.153 mil sacas de café arábica e
10.318 mil sacas de café conilon.
As condições climáticas verificadas ao longo do de-
senvolvimento da cultura oscilaram, de maneira que
a escassez de precipitações visualizadas no início de
2019, assim como o registro de temperaturas eleva-
das influenciou na projeção de um rendimento mé-
dio menor para a cafeicultura do estado, se compa-
rado a 2018. Soma-se a isso os efeitos da bienalidade
negativa esperada para essa temporada (especial-
mente para o café arábica), bem como o registro de
danos econômicos causados pelo ataque da broca
do café (Hypothenemus hampei) em algumas regi-
ões produtoras do estado. Portanto a projeção atual
é de 34,20 scs/ha, sinalizando diminuição de 3,4%
em relação ao rendimento médio apresentado na
temporada passada.
7.2.1. Café arábica
A produção de café arábica está concentrada princi-
palmente na região sul do estado e, atualmente, as
lavouras estão em plena colheita, com aproximada-
mente 75% dos 152,1 mil hectares destinados à pro-
dução já colhidos. A estimativa é de 3.153 mil sacas
beneficiadas nesta safra, apontando diminuição de
33,6% em relação a 2018, devido às adversidades cli-
máticas e aos efeitos da bienalidade negativa.
7.2.2. Café conilon
A área em produção e a produtividade média da cultu-
ra registraram incrementos de 4,5% e 9,8%, respecti-
vamente, quando comparadas aos valores obtidos no
ano passado. Foram cerca de 241,8 mil hectares desti-
nados à produção de 10.318 mil sacas de café conilon,
com um rendimento médio de 42,67 scs/ha. Mesmo
superando a produção de 2018, esta safra ainda está
aquém do potencial das lavouras do estado. As altas
temperaturas e a falta de precipitações, especialmen-
te entre janeiro e março de 2019, impactaram na fase
de enchimento dos grãos. De maneira geral, houve re-
tomada nas condições climáticas adversas apresenta-
das entre 2015 e 2017, trazendo maior disponibilidade
hidrica nos solos e, consequentemente, auxiliando no
desenvolvimento fisiológico das plantas do café.
Favorável Baixa restrição
falta de chuva
Baixa Restrição
Geadas ou baixas
temperaturas
Média restrição
falta de chuva
Chuvas desfavoráveis para a uni-
formidade das floradas
Favorável Baixa restrição
falta de chuva
Baixa Restrição
Geadas ou baixas
temperaturas
Média restrição
falta de chuva
Chuvas desfavoráveis para a uni-
formidade das floradas
* (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita
** maior concentração na região norte
Quadro 3 – Monitoramento agrometeorológico: análise de parte do período vegetativo e reprodutivo
da safra 2019, com os possíveis impactos de acordo com as fases* do café conilon** no Espírito Santo
Espírito Santo
Ano 2018 2019
Meses Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago
Fases* F F/CH F/CH/EF CH/EF GF GF GF GF/M M/C C C C
Quadro 2 – Monitoramento agrometeorológico: análise de parte do período vegetativo e reprodutivo
da safra 2019, com os possíveis impactos de acordo com as fases* do café arábica** no Espírito Santo
* (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita
** maior concentração na região sul
Espírito Santo
Ano 2018 2019
Meses Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov
Fases* F F/CH F/CH/EF CH/EF GF GF GF GF/M M/C C C C C C C
32 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
7.3. São Paulo
As primeiras chuvas registradas no início do ciclo
(entre agosto e setembro de 2018) proporcionaram a
intensificação da floração nas lavouras paulistas, ce-
nário favorável que perdurou até novembro de 2018.
A partir de dezembro de 2018 houve ocorrência de
veranico, impactando no enchimento dos frutos e em
seu respectivo rendimento. No período entre feverei-
ro e abril,as condições climáticas voltaram a se equili-
brar com o retorno das precipitações e o aumento da
armazenagem hídrica nos solos. A estação mais seca
passou a vigorar a partir de maio, porém tais condi-
ções favoreceram a operação de colheita dos grãos e
a sua maturação.
Atualmente a safra está em fase final de colheita e
o produto colhido, até o momento, é considerado de
qualidade moderada,com alguns problemas apresen-
tados, especialmente em razão da desuniformidade
dos frutos.
De maneira geral, a produção está estimada em
4.367,7 mil sacas, indicando redução de 30,7% em
comparação a 2018. Tal variação está associada à di-
minuição da produtividade média, principalmente
pelas oscilações climáticas e pela bienalidade negati-
va, bem como em razão da menor destinação de área
para tal produção.
Vale ressaltar o difícil manejo que os produtores estão
enfrentando para o controle da broca do café. Com a
proibição da utilização de um componente químico
bastante difundido e largamente utilizado nas lavou-
ras, denominado Endosulfam, o segmento não tem
encontrado alternativas eficientes e de baixo custo.
O inseto é um pequeno besouro que se alimenta dos
frutos, causando redução no peso dos grãos. Além
disso,os frutos atacados por esse coleóptero,também
perdem em qualidade, diminuindo o valor final da
saca do produto.
São Paulo
Ano 2017 2018
Meses Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set
Fases* F F/CH CH/EF EF GF GF GF GF/M M/C M/C C C C C
Quadro 4 – Monitoramento agrometeorológico: análise de parte do período vegetativo e reprodutivo
da safra 2019, com os possíveis impactos de acordo com as fases* do café em São Paulo
* (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita
Fonte: Conab.
7.4. Bahia
Atlântico
Na região que produz exclusivamente café conilon, a
estimativa é de colheita na ordem de 1.600 mil sacas
beneficiadas, em 37 mil hectares que estão concen-
As operações de colheita estão avançando nas três
grandes regiões cafeicultoras do estado: Atlântico,
Planalto e Cerrado. Ao todo foram cultivados cerca de
97,3 mil hectares para a produção de café nesta safra,
sendo 60,3 mil hectares destinados ao café arábica
(nas regiões do Planalto e do Cerrado baiano) e 37 mil
hectares para o café conilon (exclusivamente na re-
gião do Atlântico). Nas três regiões produtoras houve
redução de área em produção quando comparadas a
2018. Isso se deve a fatores como: erradicação de la-
vouras pouco produtivas,ajustes no mapeamento das
áreas cafeicultoras do estado e menores investimen-
Favorável Baixa restrição
falta de chuva
Baixa Restrição
Geadas ou baixas
temperaturas
Média restrição
falta de chuva
Chuvas desfavoráveis para a uni-
formidade das floradas
Baixa restrição
Excesso de chuvas
tos devido à expectativa de bienalidade negativa na
safra atual.
A expectativa de produção é de 2.800 mil sacas de
café beneficiadas nessa temporada, apontando de-
créscimo de 38,5% em relação ao ano anterior. A estia-
gem ocorrida entre dezembro de 2018 e fevereiro de
2019, a bienalidade negativa, a poda de áreas em pro-
dução, o ataque de pragas e doenças, além da menor
utilização de fertilizantes,são alguns dos motivos que
explicam a diminuição das produtividades médias e
do volume final produzido.
trados na região sul do estado, especialmente nas mi-
crorregiões do Extremo-Sul, Costa do Descobrimento,
Litoral Sul e Baixo Sul. Em comparação ao ciclo pas-
33CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
sado, essa área em produção sinaliza decréscimo de
22,4%. Isso se deve principalmente à erradicação de
lavouras de café no Baixo Sul e Litoral Sul, que foram
substituídas por outras culturas, em especial, a for-
mação de pastagens e produção de frutíferas.A maior
parte da cafeicultura realizada no Atlântico é admi-
nistrada por agricultores empresariais, com o intenso
uso de insumos e produção altamente tecnificada, al-
cançando elevadas produtividades médias.
Para esta safra,a perspectiva é de redução no rendimen-
to médio em comparação a 2018, ficando em 43,24 scs/
ha. Houve registro de danos econômicos causados pelo
ataque de broca da haste em meados de novembro de
2018 nas lavouras das microrregiões da Costa do Des-
cobrimento e Litoral Sul, bem como das intempéries cli-
máticas ocorridas em janeiro,fevereiro e março,com re-
gistros de baixa pluviosidade,baixa umidade relativa do
ar, alta insolação e alta evapotranspiração. No referido
trimestre as plantas de café sofreram intenso estresse
fisiológico, prejudicando a formação dos grãos de café
nos frutos que estavam em expansão e enchimento.
Cerrado
Na região, a expectativa de produção é de 300 mil sacas
beneficiadas, em 9 mil hectares. O cultivo é predomi-
nantemente de café arábica em sistema irrigado. Essa
estimativa de área em produção representa decréscimo
de 20,4% em relação a 2018,isso é devido à erradicação e
renovação de lavouras pouco produtivas.
O efeito da bienalidade negativa influenciou na estima-
tiva de redução da produtividade média em comparação
ao ano anterior. São esperados 33,33 scs/ha,representan-
do diminuição de 24,2%.Ressalta-se que o veranico ocor-
ridonaregiãoentredezembrode2018efevereirode2019
não impactou diretamente o rendimento médio da cul-
tura em relação a sua demanda hídrica. Com a irrigação
suplementar realizada, não houve registro de estresse,
porém ocorreu aumento nos custos com horas de irriga-
ção e maior infestação de bicho mineiro, demandando
intenso controle.
Planalto
Cerca de 83% dos 51,3 mil hectares destinados à pro-
dução de café no Planalto baiano já estão colhidos. A
expectativa final é de um volume de 900 mil sacas
beneficiadas, com uma produtividade média de 17,53
scs/ha. Houve redução tanto na área cultivada, quan-
to no rendimento médio e na produção esperada,
quando comparadas à safra anterior. A erradicação de
lavouras, especialmente na microrregião de Brejões, o
ajuste da área cultivada nas microrregiões de Vitória
da Conquista e Chapada Diamantina, com base no
mapeamento realizado por monitoramento remoto e
geoprocessamento, as altas temperaturas registradas
ao longo do ciclo, bem como a ocorrência de verani-
co e os efeitos da bienalidade negativa foram fatores
preponderantes para as variações apresentadas neste
ano.
As adversidades climáticas, por exemplo, provocaram
a antecipação da colheita, com a obtenção de frutos
com maturação forçada devido ao ressecamento, ca-
racterizando o “café velado”. Além disso, houve con-
centração das operações de colheita em um período
curto, gerando escassez de mão de obra para a reali-
zação de toda demanda.
Quadro 5 – Monitoramento agrometeorológico: análise de parte do período vegetativo e reprodutivo
da safra 2019, com os possíveis impactos de acordo com as fases* do café na Bahia.
* (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita
** cultivos irrigados
*** restrição por altas temperaturas
Bahia
Ano 2018 2019
Meses Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out
Fases*
Cerrado** F*** F*** CH EF EF GF GF GF/M M/C M/C C C C
Planalto F F F/CH CH/EF GF GF GF GF/M M/C M/C C C C C
Atlântico F F F/CH CH/EF GF GF GF/M M M/C C C
Fonte: Conab.
Favorável Baixa restrição
falta de chuva
Média restrição
falta de chuva
Previsão - Prognóstico
climático/climatologia
34 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
7.5. Rondônia
7.5.1. Condições climáticas
As condições climáticas foram consideradas favoráveis
ao desenvolvimento da cultura durante todo o ciclo. En-
tre junho de 2018 e agosto de 2018 (coincidente com a
estação seca no estado) as chuvas foram escassas, o sol
forte, a umidade relativa do ar baixa e o calor intenso. A
partir de setembro houve a transição entre as estações
seca e chuvosa,porém as primeiras precipitações foram
irregulares e de pouca intensidade. Já em outubro as
chuvas passaram a ter melhor distribuição pelo estado,
com índices maiores, favorecendo a recuperação da la-
voura e o desenvolvimento dos frutos. De novembro de
2018 até março de 2019,as precipitações foram intensas
e bem distribuídas. A partir de abril houve redução nos
índices pluviométricos com a iminente entrada da esta-
ção mais seca no estado, coincidindo com o período de
maturação e colheita dos grãos de café.
7.5.2. Condições da cultura
Nesta safra, a houve redução da área em produção de
1,8% em comparação à temporada passada. A cafei-
cultura rondoniense está adotando um novo padrão
de produção, com a utilização de um material genéti-
co mais produtivo (café clonal) e demandando menor
área para tal finalidade. Neste ano foram 62,7 mil hec-
tares destinados à produção de café exclusivamente
do tipo conilon.
O rendimento médio apresentou incremento em
comparação a 2018, principalmente estimulado
pelo processo de renovação das lavouras com a uti-
lização de clones selecionados, implantação da la-
voura com espaçamentos mais adequados, melhor
manejo da cultura, especialmente em relação a sua
nutrição, adubação e irrigação, assim como as con-
dições climáticas favoráveis. Foram cerca de 33,43
scs/ha, perfazendo uma produção de 2.097 mil sa-
cas beneficiadas.
Quadro 6 – Monitoramento agrometeorológico: análise do período reprodutivo da safra 2019, com os
possíveis impactos de acordo com as fases* do café em Rondônia
* (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita
Rondônia
Ano 2018 2019
Meses Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul
Fases* F F CH EF EF GF GF GF/M M/C M/C C C
Fonte: Conab.
7.6. Paraná
A colheita do café no estado está praticamente en-
cerrada, com o avanço das operações favorecido, nas
últimas semanas, em razão dos menores índices de
precipitação. De maneira geral, houve diminuição da
área em produção e da produtividade média, impac-
tando diretamente a projeção do volume total colhi-
do. Foram 37,3 mil hectares destinados à cafeicultura
nesta safra, com um rendimento médio de 25,47 scs/
ha e uma produção na ordem de 950 mil sacas de café
arábica. Intempéries climáticas registradas ao longo
do ciclo da cultura, além de floradas irregulares e de-
suniformes, influenciaram essas variações negativas
nos parâmetros produtivos. A qualidade dos grãos
também foi afetada, com a má formação destes e
a consequente redução de seus pesos. Além disso, a
constatação de elevado percentual de “frutos broca-
dos” também contribuiu para uma produção menor
que a esperada inicialmente.
Favorável Baixa restrição
falta de chuva
Média restrição
falta de chuva
Previsão - Prognóstico
climático/climatologia
35CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Quadro 7 – Monitoramento agrometeorológico: análise do período reprodutivo da safra 2019, com os
possíveis impactos de acordo com as fases* do café em Paraná
* (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita
** restrição aos cultivos de ciclo tardio
Paraná
Ano 2018 2019
Meses Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago
Fases* F F/CH CH/EF EF GF GF GF GF/M** M/C M/C C C
Fonte: Conab.
As condições meteorológicas oscilaram durante o
ciclo da cultura, com bons índices pluviométricos e
temperaturas médias amenas em um determinado
período, assim como ausência de precipitação e tem-
peraturas elevadas em fases importantes do desen-
volvimento das lavouras (especialmente a ocorrência
de veranico no início de 2019). No geral, houve dimi-
nuição da produtividade média, ficando em 24,25 scs/
ha, sendo 15,7% inferior ao rendimento obtido na sa-
fra passada. Além disso, os efeitos da bienalidade ne-
gativa interferem em tal resultado.
A área em produção também apresentou decréscimo
em relação ao ano anterior,chegando a 11,4 mil hectares.
Tais números influenciaram diretamente na perspec-
tiva de produção do café no estado, alcançando 276
mil sacas beneficiadas. A colheita está praticamente
finalizada e isso aponta redução de 20,2% em compa-
ração ao resultado obtido 2018.
7.7. Rio de Janeiro
Favorável Baixa restrição
falta de chuva
Média restrição
falta de chuva
Previsão - Prognóstico
climático/climatologia
7.8. Goiás
As lavouras foram beneficiadas pelo bom regime de
chuvas em grande parte do desenvolvimento da cultu-
ra,com baixa restrição registrada apenas em janeiro de
2019, devido a um período de veranico, mas com reto-
mada das condições favoráveis a partir de fevereiro.Fo-
ram cerca de 6,6 mil hectares em produção nesta safra,
representando incremento de área de 11,3% em relação
à temporada passada.
A região sul e central do estado apresentou bom de-
senvolvimento das lavouras e consequentemente
bons resultados de rendimento e qualidade dos grãos
colhidos. Na região leste, principal região produtora, o
resultado foi considerado abaixo do esperado,especial-
mente em razão da qualidade do grão, cujo alto per-
centual veio oriundo da colheita de “varredura”, reali-
zada após a queda dos frutos no chão e que denota em
um produto de qualidade inferior.
Ao todo foram colhidas cerca de 236,3 mil sacas de café
beneficiadas no estado,nesta safra,com um rendimen-
to médio na ordem de 35,94 scs/ha. Esses números
correspondem a um aumento de 20,9% e 8,6%,respec-
tivamente, quando comparados aos resultados verifi-
cados na temporada anterior
* F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita
** Cultivos irrigados
*** Restrição por altas temperaturas e indisponibilidade hídrica para irrigação
Quadro 8 – Monitoramento agrometeorológico: análise do período reprodutivo da safra 2019, com os
possíveis impactos de acordo com as fases* do café em Goiás**
Goiás
Ano 2018 2019
Meses Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set
Fases* F*** F*** CH EF EF GF GF GF/M M/C M/C C C C
Fonte: Conab.
Favorável Baixa restrição
falta de chuva
Baixa Restrição
Geadas ou baixas
temperaturas
Média restrição
falta de chuva
Chuvas desfavoráveis para a uni-
formidade das floradas
Baixa restrição
Excesso de chuvas
36 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
7.9. Mato Grosso
O manejo da cafeicultura no estado está em trans-
formação. As lavouras mais velhas, com espaçamen-
tos maiores, estão sendo substituídas por áreas mais
adensadas,utilizando-se de matérias mais produtivos
e que tenham uma produtividade maior para um me-
lhor aproveitamento de área. Dessa forma, a destina-
ção de área para a produção do café foi menor nesta
safra em comparação ao ano passado.Tal variação foi
de 9,5%, perfazendo uma área de 8,4 mil hectares.
A produtividade média obtida foi 28,8% superior a
2018, alcançando 14,41 scs/ha. Os materiais clonais
mais produtivos têm um papel preponderante nessa
variação positiva do rendimento médio.
Quanto à produção, a compensação da diminuição
de área em relação ao incremento da produtividade
média fez com que o volume colhido fosse maior que
àquele verificado no exercício passado. Foram aproxi-
madamente 121,4 mil sacas beneficiadas, apresentan-
do crescimento de 16,5% em comparação às 104,2 mil
sacas de café produzidas no ano anterior.
37CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
8. Preços do café beneficiado
38 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Gráfico 16 - Preços de café arábica - PR
Gráfico 17 - Preços de café arábica - BA
Gráfico 18 - Preço de café arábica - ES
Gráfico 19 - Preços deccafé conilon - RO
Fonte: Conab.
Fonte: Conab.
Fonte: Conab.
Fonte: Conab.
383,70 378,50
394,25 406,01
388,50
375,03 372,42 363,41
346,17 341,82
360,58
381,43 373,05
379,97 374,55 384,35
399,07
384,58
370,99 371,58 359,88
341,77 333,51
349,68
370,06 366,39
390,47 384,36 392,32
404,86 399,13
385,72 382,06 371,24
356,90 345,54
362,50
384,63 372,40
250,00
275,00
300,00
325,00
350,00
375,00
400,00
425,00
ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19
Preços
Cornélio Procópio Londrina Apucarana
412,72 405,00
418,04 425,68 418,88
402,72 397,50
388,45 380,00 378,80
394,38 401,52
384,20
382,17
371,25
391,11 390,23
374,25 369,78 366,25 363,33 356,25 349,57
362,50
378,48 373,64
300,00
325,00
350,00
375,00
400,00
425,00
450,00
ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19
Preços
Barreiras Vitória da Conquista
355,57
341,50
345,00
370,23
339,25
329,35
342,10
332,24
308,00 303,83
328,00 324,57
296,14
350,22
335,00
339,57
355,23
345,00
324,78
333,75
320,48
306,25
300,00
318,75
305,22
292,27
356,26
341,50
343,70
369,55
336,75
326,57
339,60
330,81
307,50 305,35
323,00
316,74
294,55
288,00
298,00
308,00
318,00
328,00
338,00
348,00
358,00
368,00
378,00
ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19
Preços
Brejetuba Iúna Vargem Alta
292,39 288,91 285,00
273,91 272,50
266,43
260,00
248,48
240,00 240,00 241,48
200,00
210,00
220,00
230,00
240,00
250,00
260,00
270,00
280,00
290,00
300,00
ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19
Preços
Alta Floresta D.Oeste Alto Alegre dos Parecis São Miguel do Guaporé
39CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
Gráfico 20 - Preços de café arábica - MG
Gráfico 21 - Preços de café arábica - SP
Gráfico 22 - Preços devcafé conilon - ES
Fonte: Conab.
Fonte: Conab.
Fonte: Conab.
360,00
385,00
410,00
435,00
460,00
ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19
Preços
Campos Altos Varginha Araguari Monte Carmelo São Sebastião do Paraíso
417,06
385,91
400,99
420,19
402,13
396,95 392,86
385,24
379,43
374,24
384,45
394,12
388,26
435,65
420,00
439,54 441,48
425,00
415,22
407,25
400,71
382,50
389,35
396,94
419,97
398,90
422,39
415,00
435,87 437,50
420,00
403,48 407,50
392,86
375,00 376,75
396,46
419,57
396,11
350,00
360,00
370,00
380,00
390,00
400,00
410,00
420,00
430,00
440,00
450,00
ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19
Preços
Marília Franca Espírito Santo do Pinhal
298,70 301,25 304,57 309,32
292,50
276,74 281,75 276,19 267,27 256,30
275,00 260,43 260,68
302,76 299,50 307,83 316,36
300,63 286,30 284,00 282,62 271,59 261,85 275,00 265,87 263,75
0,00
50,00
100,00
150,00
200,00
250,00
300,00
350,00
ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19
Preços
Jaguaré Nova Venécia São Gabriel da Palha
40 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
9. Parque cafeeiro
41CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
REGIÃO/UF
PARQUE CAFEEIRO
EM FORMAÇÃO (mil covas) EM PRODUÇÃO (mil covas) TOTAL (mil covas)
Safra 2018
(a)
Safra 2019
(b)
VAR. %
(b/a)
Safra 2018
(c)
Safra 2019
(D)
VAR. %
(d/c)
Safra 2018
(e)
Safra 2019
(F)
VAR. %
(f/e)
NORTE 21.193,0 23.815,0 12,4 156.117,0 159.418,0 2,1 177.310,0 183.233,0 3,3
RO 21.193,0 23.815,0 12,4 156.117,0 159.418,0 2,1 177.310,0 183.233,0 3,3
NORDESTE 26.899,0 47.581,0 76,9 455.902,0 348.368,0 (23,6) 482.801,0 395.949,0 (18,0)
BA 26.899,0 47.581,0 76,9 455.902,0 348.368,0 (23,6) 482.801,0 395.949,0 (18,0)
Cerrado 5.154,0 12.650,0 145,4 62.150,0 49.500,0 (20,4) 67.304,0 62.150,0 (7,7)
Planalto 12.088,0 23.911,0 97,8 234.911,0 169.368,0 (27,9) 246.999,0 193.279,0 (21,7)
Atlântico 9.657,0 11.020,0 14,1 158.841,0 129.500,0 (18,5) 168.498,0 140.520,0 (16,6)
CENTRO-OESTE 14.774,5 15.148,3 2,5 38.140,4 40.213,4 5,4 52.914,9 55.361,7 4,6
MT 8.490,0 9.245,8 8,9 14.369,5 15.940,3 10,9 22.859,5 25.186,1 10,2
GO 6.284,5 5.902,5 (6,1) 23.770,9 24.273,1 2,1 30.055,4 30.175,6 0,4
SUDESTE 960.799,5 1.107.298,3 15,2 5.162.645,8 5.080.906,9 48,2 6.123.445,3 6.188.205,2 1,1
MG 783.947,5 955.028,3 21,8 3.419.285,4 3.337.092,2 (2,4) 4.203.232,9 4.292.120,5 2,1
Sul e Centro-Oeste 406.561,3 601.672,0 48,0 1.657.242,5 1.601.075,8 (3,4) 2.063.803,8 2.202.747,8 6,7
Triângulo, Alto Paranaiba e Noroeste 171.315,3 160.938,4 (6,1) 733.462,5 719.914,0 (1,8) 904.777,8 880.852,4 (2,6)
Zona da Mata, Rio Doce e Central 196.099,6 178.196,9 (9,1) 940.429,5 932.701,5 (0,8) 1.136.529,1 1.110.898,4 (2,3)
Norte, Jequitinhonha e Mucuri 9.971,3 14.221,0 42,6 88.150,9 83.400,9 (5,4) 98.122,2 97.621,9 (0,5)
ES 131.394,0 103.747,0 (21,0) 1.052.324,0 1.060.356,0 0,8 1.183.718,0 1.164.103,0 (1,7)
RJ 4.280,9 6.792,6 58,7 42.767,6 40.119,3 (6,2) 47.048,5 46.911,9 (0,3)
SP 41.177,1 41.730,4 1,3 648.268,8 643.339,4 (0,8) 689.445,9 685.069,8 (0,6)
SUL 14.400,0 13.000,0 (9,7) 130.600,0 130.000,0 (0,5) 145.000,0 143.000,0 (1,4)
PR 14.400,0 13.000,0 (9,7) 130.600,0 130.000,0 (0,5) 145.000,0 143.000,0 (1,4)
OUTROS (*) 2.948,4 2.357,4 (20,0) 15.903,8 23.230,3 46,1 18.852,2 25.587,7 35,7
NORTE/NORDESTE 48.092,0 71.396,0 48,5 612.019,0 507.786,0 (17,0) 660.111,0 579.182,0 (12,3)
CENTRO-SUL 989.974,0 1.135.446,6 14,7 5.331.386,2 5.251.120,3 (1,5) 6.321.360,2 6.386.566,9 1,0
BRASIL 1.041.014,4 1.209.200,0 16,2 5.959.309,0 5.782.136,6 (3,0) 7.000.323,4 6.991.336,6 (0,1)
Tabela 7 - Café total (arábica e conilon) - Comparativo de parque cafeeiro em formação, em
produção e total
Legenda: (*) Acre, Amazonas, Pará, Ceará, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019.
42 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
REGIÃO/UF
PARQUE CAFEEIRO
EM FORMAÇÃO (mil covas) EM PRODUÇÃO (mil covas) TOTAL (mil covas)
Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. %
NORDESTE 17.242,0 36.561,0 112,0 297.061,0 218.868,0 (26,3) 314.303,0 255.429,0 (18,7)
BA 17.242,0 36.561,0 112,0 297.061,0 218.868,0 (26,3) 314.303,0 255.429,0 (18,7)
Cerrado 5.154,0 12.650,0 145,4 62.150,0 49.500,0 (20,4) 67.304,0 62.150,0 (7,7)
Planalto 12.088,0 23.911,0 97,8 234.911,0 169.368,0 (27,9) 246.999,0 193.279,0 (21,7)
CENTRO-OESTE 6.301,2 5.902,5 (6,3) 23.875,1 24.273,1 1,7 30.176,3 30.175,6 -
MT 16,70 - (100,0) 104,2 - (100,0) 120,9 - (100,0)
GO 6.284,5 5.902,5 (6,1) 23.770,9 24.273,1 2,1 30.055,4 30.175,6 0,4
SUDESTE 886.056,0 1.045.409,0 18,0 4.601.793,0 4.508.566,3 (2,0) 5.487.849,0 5.553.975,3 1,2
MG 781.547,0 949.633,0 21,5 3.375.558,6 3.305.309,6 (2,1) 4.157.105,6 4.254.942,6 2,4
Sul e Centro-Oeste 406.561,3 601.672,0 48,0 1.657.242,5 1.601.075,8 (3,4) 2.063.803,8 2.202.747,8 6,7
Triângulo, Alto Paranaiba e
Noroeste
171.315,3 160.938,4 (6,1) 733.462,5 719.914,0 (1,8) 904.777,8 880.852,4 (2,6)
Zona da Mata, Rio Doce e Central 194.490,5 174.580,3 (10,2) 911.903,5 911.967,5 - 1.106.394,0 1.086.547,8 (1,8)
Norte,Jequitinhonha e Mucuri 9.179,9 12.442,3 35,5 72.950,1 72.352,3 (0,8) 82.130,0 84.794,6 3,2
ES 59.051,0 47.253,0 (20,0) 535.198,0 519.798,0 (2,9) 594.249,0 567.051,0 (4,6)
RJ 4.280,9 6.792,6 58,7 42.767,6 40.119,3 (6,2) 47.048,5 46.911,9 (0,3)
SP 41.177,1 41.730,4 1,3 648.268,8 643.339,4 (0,8) 689.445,9 685.069,8 (0,6)
SUL 14.400,0 13.000,0 (9,7) 130.600,0 130.000,0 (0,5) 145.000,0 143.000,0 (1,4)
PR 14.400,0 13.000,0 (9,7) 130.600,0 130.000,0 (0,5) 145.000,0 143.000,0 (1,4)
OUTROS (*) 1.831,5 294,3 (83,9) 12.328,8 15.808,9 28,2 14.160,3 16.103,2 13,7
NORTE/NORDESTE 17.242,0 36.561,0 112,0 297.061,0 218.868,0 (26,3) 314.303,0 255.429,0 (18,7)
CENTRO-SUL 906.757,2 1.064.311,5 17,4 4.756.268,1 4.662.839,4 (2,0) 5.663.025,3 5.727.150,9 1,1
BRASIL 925.830,7 1.101.166,8 18,9 5.065.657,9 4.897.516,3 (3,3) 5.991.488,6 5.998.683,1 0,1
Tabela 8 - Café arábica - Comparativo de parque cafeeiro em formação, em produção e total
Legenda: (*) Ceará, Amazonas, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em Setembro/2019.
Tabela 9 - Café conilon - Comparativo de parque cafeeiro em formação, em produção e total
REGIÃO/UF
PARQUE CAFEEIRO
EM FORMAÇÃO (mil covas) EM PRODUÇÃO (mil covas) TOTAL (mil covas)
Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. %
NORTE 21.193,0 23.815,0 12,4 156.117,0 159.418,0 2,1 177.310,0 183.233,0 3,3
RO 21.193,0 23.815,0 12,4 156.117,0 159.418,0 2,1 177.310,0 183.233,0 3,3
NORDESTE 9.657,0 11.020,0 14,1 158.841,0 129.500,0 (18,5) 168.498,0 140.520,0 (16,6)
BA 9.657,0 11.020,0 14,1 158.841,0 129.500,0 (18,5) 168.498,0 140.520,0 (16,6)
Atlântico 9.657,0 11.020,0 14,1 158.841,0 129.500,0 (18,5) 168.498,0 140.520,0 (16,6)
CENTRO-OESTE 8.473,3 9.245,8 9,1 14.265,3 15.940,3 11,7 22.738,6 25.186,1 10,8
MT 8.473,3 9.245,8 9,1 14.265,3 15.940,3 11,7 22.738,6 25.186,1 10,8
SUDESTE 74.743,5 61.889,3 (17,2) 560.852,8 572.340,6 2,0 635.596,3 634.229,9 (0,2)
MG 2.400,5 5.395,3 124,8 43.726,8 31.782,6 (27,3) 46.127,3 37.177,9 (19,4)
Zona da Mata, Rio Doce e Central 1.609,1 3.616,6 124,8 28.526,0 20.734,0 (27,3) 30.135,1 24.350,6 (19,2)
Norte, Jequitinhonha e Mucuri 791,4 1.778,7 124,8 15.200,8 11.048,6 (27,3) 15.992,2 12.827,3 (19,8)
ES 72.343,0 56.494,0 (21,9) 517.126,0 540.558,0 4,5 589.469,0 597.052,0 1,3
OUTROS (*) 1.116,9 2.063,1 84,7 3.575,0 7.421,4 107,6 4.691,9 9.484,5 102,1
NORTE/NORDESTE 30.850,0 34.835,0 12,9 314.958,0 288.918,0 (8,3) 345.808,0 323.753,0 (6,4)
CENTRO-SUL 83.216,8 71.135,1 (14,5) 575.118,1 588.280,9 2,3 658.334,9 659.416,0 0,2
BRASIL 115.183,7 108.033,2 (6,2) 893.651,1 884.620,3 (1,0) 1.008.834,8 992.653,5 (1,6)
Legenda: (*) Amazonas, Pará, Acre e Ceará.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019.
43CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
10. Calendário de colheita
44 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
0,0 0,0 0,4
3,6
18,8
25,0
27,7
18,1
5,1
1,0 0,2 0,1
0,0
5,0
10,0
15,0
20,0
25,0
30,0
JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ
Empercentual(%)
Tabela 9 – Estimativa mensal de colheita de café total (arábica e conilon)
Gráfico 23 – Estimativa mensal de colheita de café total (arábica e conilon)
Legenda: * Acre, Ceará, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019.
Fonte: Conab.
Nota: Estimativa em setembro/2019.
U.F PROD.
MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO
% Qtd % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd
NORTE 2.097,0 10,0 209,7 30,0 629,1 35,0 734,0 20,0 419,4 5,0 104,9 - - - - - - - - - -
RO 2.097,0 10,0 209,7 30,0 629,1 35,0 734,0 20,0 419,4 5,0 104,9 - - - - - - - - - -
NORDESTE 2.800,0 - - 2,1 59,0 28,4 795,4 30,7 859,3 18,2 509,7 15,2 426,3 4,6 129,6 0,7 20,7 - - - -
BA 2.800,0 - - 2,3 59,0 22,6 795,4 26,4 859,3 20,8 509,7 19,1 426,3 7,6 129,6 1,2 20,7 - - - -
Cerrado 300,0 - - - - 20,0 60,0 20,0 60,0 30,0 90,0 30,0 90,0 - - - - - - - -
Planalto 900,0 - - 3,0 27,0 10,6 95,4 17,7 159,3 25,3 227,7 26,7 240,3 14,4 129,6 2,3 20,7 - - - -
Atlântico 1.600,0 - - 2,0 32,0 40,0 640,0 40,0 640,0 12,0 192,0 6,0 96,0 - - - - - - - -
CENTRO-
OESTE
357,7 - - 7,5 26,8 17,3 61,8 41,9 149,9 30,0 107,3 3,3 11,8 - - - - - - - -
MT 121,4 - - 22,1 26,8 41,2 50,0 35,9 43,6 0,8 1,0 - - - - - - - - - -
GO 236,3 - - - - 5,0 11,8 45,0 106,3 45,0 106,3 5,0 11,8 - - - - - - - -
SUDESTE 42.636,3 - - 2,3 976,9 17,2 7.326,2 24,8 10.572,4 29,2 12.458,7 19,4 8.269,1 5,6 2.382,1 1,1 462,4 0,3 121,2 0,2 67,4
MG 24.521,6 - - 1,0 245,2 15,0 3.678,2 22,0 5.394,8 30,0 7.356,5 23,0 5.640,0 8,0 1.961,7 1,0 245,2 - - - -
ES 13.471,0 - - 4,1 552,3 24,4 3.286,9 31,5 4.243,4 26,20 3.529,4 8,5 1.145,0 2,3 309,8 1,6 215,5 0,9 121,2 0,5 67,4
RJ 276,0 - - 1,7 4,7 4,2 11,6 22,0 60,7 31,8 87,8 31,3 86,4 8,4 23,2 0,6 1,7 - - - -
SP 4.367,7 - - 4,0 174,7 8,0 349,4 20,0 873,5 34,0 1.485,0 32,0 1.397,7 2,0 87,4 - - - - - -
SUL 950,0 - - 5,0 47,5 26,0 247,0 21,0 199,5 34,0 323,0 14,0 133,0 - - - - - - - -
PR 950,0 - - 5,0 47,5 26,0 247,0 21,0 199,5 34,0 323,0 14,0 133,0 - - - - - - - -
OUTROS 150,8 - - 10,0 15,1 20,0 30,2 30,0 45,2 30,0 45,2 5,0 7,5 5,0 7,5 - - - - - -
NORTE/
NORDESTE
4.897,0 4,3 209,7 14,1 688,1 31,2 1.529,4 26,1 1.278,7 12,5 614,6 8,7 426,3 2,6 129,6 0,4 20,7 - - - -
CENTRO-SUL
43.944,0
- - 2,4 1.051,3 17,4 7.635,0 24,9 10.921,8 29,3 12.889,0 19,1 8.413,9 5,4 2.382,1 1,1 462,4 0,3 121,2 0,2 67,4
BRASIL 48.991,8 0,4 209,7 3,6 1.754,4 18,8 9.194,5 25,0 12.245,7 27,7 13.548,8 18,1 8.847,7 5,1 2.519,2 1,0 483,1 0,2 121,2 0,1 67,4
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2019
Distribuição:
Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)
Diretoria de Política Agrícola e Informações (Dipai)
Superintendência de Informações do Agronegócio (Suinf)
Gerência de Levantamento e Avaliação de Safras (Geasa)
SGAS Quadra 901 Bloco A Lote 69, Ed. Conab - 70390-010 – Brasília – DF
(61) 3312-6277/6264/6230
http://www.conab.gov.br / geasa@conab.gov.br
47CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
48 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020
Luiz Valeriano
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018
Luiz Valeriano
 
4°Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - Dezembro 2017
4°Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - Dezembro 20174°Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - Dezembro 2017
4°Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - Dezembro 2017
Luiz Valeriano
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2018Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2018
Luiz Valeriano
 
Censo Agropecuário 2006
Censo Agropecuário 2006Censo Agropecuário 2006
Censo Agropecuário 2006
Maria Izabel Lopes
 
Clipping cnc 22082016 versão de impressão
Clipping cnc 22082016   versão de impressãoClipping cnc 22082016   versão de impressão
Clipping cnc 22082016 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
16 05 24_08_59_49_boletim_cafe_-_maio_2016 (1)
16 05 24_08_59_49_boletim_cafe_-_maio_2016 (1)16 05 24_08_59_49_boletim_cafe_-_maio_2016 (1)
16 05 24_08_59_49_boletim_cafe_-_maio_2016 (1)
Sergio Pereira
 
Ativos cafe-outubro2016
Ativos cafe-outubro2016Ativos cafe-outubro2016
Ativos cafe-outubro2016
Natália Fernandes
 
Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.
Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.
Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.
Diana Oliveira Pessoa
 
A AGRICULTURA CIENTÍFICA GLOBALIZADA NO MERCADO DE CAFÉS FINOS NO MUNICÍPIO D...
A AGRICULTURA CIENTÍFICA GLOBALIZADA NO MERCADO DE CAFÉS FINOS NO MUNICÍPIO D...A AGRICULTURA CIENTÍFICA GLOBALIZADA NO MERCADO DE CAFÉS FINOS NO MUNICÍPIO D...
A AGRICULTURA CIENTÍFICA GLOBALIZADA NO MERCADO DE CAFÉS FINOS NO MUNICÍPIO D...
Andrieli .
 
Clipping cnc 30012015 versão de impressão
Clipping cnc 30012015   versão de impressãoClipping cnc 30012015   versão de impressão
Clipping cnc 30012015 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2018Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2018
Luiz Valeriano
 
Conab 2001
Conab 2001Conab 2001
Conab 2001
Sergio Pereira
 
Periódico Extensão Rural 2011-2
Periódico Extensão Rural 2011-2Periódico Extensão Rural 2011-2
Periódico Extensão Rural 2011-2
Ezequiel Redin
 
Clipping cnc 18072016 versão de impressão
Clipping cnc 18072016   versão de impressãoClipping cnc 18072016   versão de impressão
Clipping cnc 18072016 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Clipping cnc 16062015 versão de impressão
Clipping cnc 16062015   versão de impressãoClipping cnc 16062015   versão de impressão
Clipping cnc 16062015 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Clipping cnc 10 e 11052016 versão de impressão
Clipping cnc 10 e 11052016   versão de impressãoClipping cnc 10 e 11052016   versão de impressão
Clipping cnc 10 e 11052016 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 

Mais procurados (17)

Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2020
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018
 
4°Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - Dezembro 2017
4°Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - Dezembro 20174°Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - Dezembro 2017
4°Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - Dezembro 2017
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2018Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2018
 
Censo Agropecuário 2006
Censo Agropecuário 2006Censo Agropecuário 2006
Censo Agropecuário 2006
 
Clipping cnc 22082016 versão de impressão
Clipping cnc 22082016   versão de impressãoClipping cnc 22082016   versão de impressão
Clipping cnc 22082016 versão de impressão
 
16 05 24_08_59_49_boletim_cafe_-_maio_2016 (1)
16 05 24_08_59_49_boletim_cafe_-_maio_2016 (1)16 05 24_08_59_49_boletim_cafe_-_maio_2016 (1)
16 05 24_08_59_49_boletim_cafe_-_maio_2016 (1)
 
Ativos cafe-outubro2016
Ativos cafe-outubro2016Ativos cafe-outubro2016
Ativos cafe-outubro2016
 
Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.
Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.
Agricultura Familiar no Nordeste e a evolução do crédito do PRONAF.
 
A AGRICULTURA CIENTÍFICA GLOBALIZADA NO MERCADO DE CAFÉS FINOS NO MUNICÍPIO D...
A AGRICULTURA CIENTÍFICA GLOBALIZADA NO MERCADO DE CAFÉS FINOS NO MUNICÍPIO D...A AGRICULTURA CIENTÍFICA GLOBALIZADA NO MERCADO DE CAFÉS FINOS NO MUNICÍPIO D...
A AGRICULTURA CIENTÍFICA GLOBALIZADA NO MERCADO DE CAFÉS FINOS NO MUNICÍPIO D...
 
Clipping cnc 30012015 versão de impressão
Clipping cnc 30012015   versão de impressãoClipping cnc 30012015   versão de impressão
Clipping cnc 30012015 versão de impressão
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2018Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 4º Levantamento - Dezembro 2018
 
Conab 2001
Conab 2001Conab 2001
Conab 2001
 
Periódico Extensão Rural 2011-2
Periódico Extensão Rural 2011-2Periódico Extensão Rural 2011-2
Periódico Extensão Rural 2011-2
 
Clipping cnc 18072016 versão de impressão
Clipping cnc 18072016   versão de impressãoClipping cnc 18072016   versão de impressão
Clipping cnc 18072016 versão de impressão
 
Clipping cnc 16062015 versão de impressão
Clipping cnc 16062015   versão de impressãoClipping cnc 16062015   versão de impressão
Clipping cnc 16062015 versão de impressão
 
Clipping cnc 10 e 11052016 versão de impressão
Clipping cnc 10 e 11052016   versão de impressãoClipping cnc 10 e 11052016   versão de impressão
Clipping cnc 10 e 11052016 versão de impressão
 

Semelhante a Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2019

2° Levantamento da Safra 2017 - Maio
2° Levantamento da Safra 2017 - Maio2° Levantamento da Safra 2017 - Maio
2° Levantamento da Safra 2017 - Maio
Luiz Valeriano
 
ESTIMATIVA CAFÉ - CONAB Janeiro de 2018
ESTIMATIVA CAFÉ - CONAB Janeiro de 2018ESTIMATIVA CAFÉ - CONAB Janeiro de 2018
ESTIMATIVA CAFÉ - CONAB Janeiro de 2018
Sergio Pereira
 
Estimativa da Conab, estima-se uma safra de 47,5 milhões de sacas em 2013.
Estimativa da Conab, estima-se uma safra de 47,5 milhões de sacas em 2013.Estimativa da Conab, estima-se uma safra de 47,5 milhões de sacas em 2013.
Estimativa da Conab, estima-se uma safra de 47,5 milhões de sacas em 2013.
Revista Cafeicultura
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2021
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2021Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2021
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2021
Luiz Valeriano
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2020
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2020Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2020
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2020
Luiz Valeriano
 
2° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Maio
2° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Maio2° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Maio
2° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Maio
Luiz Valeriano
 
13 05 14_09_35_12_boletim_cafe_maio_2013
13 05 14_09_35_12_boletim_cafe_maio_201313 05 14_09_35_12_boletim_cafe_maio_2013
13 05 14_09_35_12_boletim_cafe_maio_2013
Luiz Valeriano
 
2º Estimativa da CONAB para Safra de café do Brasil maio_2013
2º Estimativa da CONAB para Safra de café do Brasil maio_20132º Estimativa da CONAB para Safra de café do Brasil maio_2013
2º Estimativa da CONAB para Safra de café do Brasil maio_2013
Revista Cafeicultura
 
4° Levantamento da Safra 2016 de Café - Dezembro
4° Levantamento da Safra 2016 de Café - Dezembro4° Levantamento da Safra 2016 de Café - Dezembro
4° Levantamento da Safra 2016 de Café - Dezembro
Luiz Valeriano
 
1° Levantamento da Safra 2017 - Janeiro
1° Levantamento da Safra 2017 - Janeiro1° Levantamento da Safra 2017 - Janeiro
1° Levantamento da Safra 2017 - Janeiro
Luiz Valeriano
 
1° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Janeiro
1° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Janeiro1° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Janeiro
1° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Janeiro
Luiz Valeriano
 
Café - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - Janeiro
Café - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - JaneiroCafé - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - Janeiro
Café - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - Janeiro
Luiz Valeriano
 
Levantamento safra café Conab - maio 2011
Levantamento safra café Conab - maio 2011Levantamento safra café Conab - maio 2011
Levantamento safra café Conab - maio 2011
nataliafernandes
 
Clipping cnc 16052016 versão de impressão
Clipping cnc 16052016   versão de impressãoClipping cnc 16052016   versão de impressão
Clipping cnc 16052016 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
1º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - JAN-2014
1º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - JAN-20141º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - JAN-2014
1º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - JAN-2014
Luiz Valeriano
 
13 12 20_10_53_32_boletim_cafe_-_original
13 12 20_10_53_32_boletim_cafe_-_original13 12 20_10_53_32_boletim_cafe_-_original
13 12 20_10_53_32_boletim_cafe_-_original
jgrafista
 
Conab 4º Levantamento - dez-13 - Safra de Cafe 2013 (13/14)
Conab 4º Levantamento - dez-13 - Safra de Cafe 2013 (13/14)Conab 4º Levantamento - dez-13 - Safra de Cafe 2013 (13/14)
Conab 4º Levantamento - dez-13 - Safra de Cafe 2013 (13/14)
Luiz Valeriano
 
Conab café maio 2014
Conab café maio 2014Conab café maio 2014
Conab café maio 2014
jgrafista
 
2º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - MAIO - 2014
2º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - MAIO - 20142º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - MAIO - 2014
2º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - MAIO - 2014
Luiz Valeriano
 
Boletim cafe dezembro_2010
Boletim cafe dezembro_2010Boletim cafe dezembro_2010
Boletim cafe dezembro_2010
nataliafernandes
 

Semelhante a Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2019 (20)

2° Levantamento da Safra 2017 - Maio
2° Levantamento da Safra 2017 - Maio2° Levantamento da Safra 2017 - Maio
2° Levantamento da Safra 2017 - Maio
 
ESTIMATIVA CAFÉ - CONAB Janeiro de 2018
ESTIMATIVA CAFÉ - CONAB Janeiro de 2018ESTIMATIVA CAFÉ - CONAB Janeiro de 2018
ESTIMATIVA CAFÉ - CONAB Janeiro de 2018
 
Estimativa da Conab, estima-se uma safra de 47,5 milhões de sacas em 2013.
Estimativa da Conab, estima-se uma safra de 47,5 milhões de sacas em 2013.Estimativa da Conab, estima-se uma safra de 47,5 milhões de sacas em 2013.
Estimativa da Conab, estima-se uma safra de 47,5 milhões de sacas em 2013.
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2021
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2021Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2021
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2021
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2020
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2020Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2020
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 1º Levantamento - Janeiro 2020
 
2° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Maio
2° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Maio2° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Maio
2° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Maio
 
13 05 14_09_35_12_boletim_cafe_maio_2013
13 05 14_09_35_12_boletim_cafe_maio_201313 05 14_09_35_12_boletim_cafe_maio_2013
13 05 14_09_35_12_boletim_cafe_maio_2013
 
2º Estimativa da CONAB para Safra de café do Brasil maio_2013
2º Estimativa da CONAB para Safra de café do Brasil maio_20132º Estimativa da CONAB para Safra de café do Brasil maio_2013
2º Estimativa da CONAB para Safra de café do Brasil maio_2013
 
4° Levantamento da Safra 2016 de Café - Dezembro
4° Levantamento da Safra 2016 de Café - Dezembro4° Levantamento da Safra 2016 de Café - Dezembro
4° Levantamento da Safra 2016 de Café - Dezembro
 
1° Levantamento da Safra 2017 - Janeiro
1° Levantamento da Safra 2017 - Janeiro1° Levantamento da Safra 2017 - Janeiro
1° Levantamento da Safra 2017 - Janeiro
 
1° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Janeiro
1° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Janeiro1° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Janeiro
1° Levantamento da Safra 2016 de Café da Conab - Janeiro
 
Café - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - Janeiro
Café - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - JaneiroCafé - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - Janeiro
Café - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - Janeiro
 
Levantamento safra café Conab - maio 2011
Levantamento safra café Conab - maio 2011Levantamento safra café Conab - maio 2011
Levantamento safra café Conab - maio 2011
 
Clipping cnc 16052016 versão de impressão
Clipping cnc 16052016   versão de impressãoClipping cnc 16052016   versão de impressão
Clipping cnc 16052016 versão de impressão
 
1º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - JAN-2014
1º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - JAN-20141º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - JAN-2014
1º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - JAN-2014
 
13 12 20_10_53_32_boletim_cafe_-_original
13 12 20_10_53_32_boletim_cafe_-_original13 12 20_10_53_32_boletim_cafe_-_original
13 12 20_10_53_32_boletim_cafe_-_original
 
Conab 4º Levantamento - dez-13 - Safra de Cafe 2013 (13/14)
Conab 4º Levantamento - dez-13 - Safra de Cafe 2013 (13/14)Conab 4º Levantamento - dez-13 - Safra de Cafe 2013 (13/14)
Conab 4º Levantamento - dez-13 - Safra de Cafe 2013 (13/14)
 
Conab café maio 2014
Conab café maio 2014Conab café maio 2014
Conab café maio 2014
 
2º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - MAIO - 2014
2º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - MAIO - 20142º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - MAIO - 2014
2º Levantamento Café Safra 2014 - CONAB - MAIO - 2014
 
Boletim cafe dezembro_2010
Boletim cafe dezembro_2010Boletim cafe dezembro_2010
Boletim cafe dezembro_2010
 

Mais de Luiz Valeriano

CECAFÉ - Relatório Mensal JULHO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal JULHO 2021CECAFÉ - Relatório Mensal JULHO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal JULHO 2021
Luiz Valeriano
 
CECAFÉ - Relatório Mensal JUNHO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal JUNHO 2021CECAFÉ - Relatório Mensal JUNHO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal JUNHO 2021
Luiz Valeriano
 
CECAFÉ - Relatório Mensal MAIO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal MAIO 2021CECAFÉ - Relatório Mensal MAIO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal MAIO 2021
Luiz Valeriano
 
CECAFÉ - Relatório Mensal ABRIL 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal ABRIL 2021CECAFÉ - Relatório Mensal ABRIL 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal ABRIL 2021
Luiz Valeriano
 
INCAPER: Relatório de perdas na agropecuária devido aos eventos climáticos
INCAPER: Relatório de perdas na agropecuária devido aos eventos climáticosINCAPER: Relatório de perdas na agropecuária devido aos eventos climáticos
INCAPER: Relatório de perdas na agropecuária devido aos eventos climáticos
Luiz Valeriano
 
Emater-MG divulga cartilha com cuidados contra a Covid-19 na colheita do café
Emater-MG divulga cartilha com cuidados contra a Covid-19 na colheita do caféEmater-MG divulga cartilha com cuidados contra a Covid-19 na colheita do café
Emater-MG divulga cartilha com cuidados contra a Covid-19 na colheita do café
Luiz Valeriano
 
CECAFÉ - Relatório Mensal MARÇO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal MARÇO 2021CECAFÉ - Relatório Mensal MARÇO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal MARÇO 2021
Luiz Valeriano
 
Cartilha Colheita do Café 2021 – Orientações para prevenção do novo Coronavírus
Cartilha Colheita do Café 2021 – Orientações para prevenção do novo CoronavírusCartilha Colheita do Café 2021 – Orientações para prevenção do novo Coronavírus
Cartilha Colheita do Café 2021 – Orientações para prevenção do novo Coronavírus
Luiz Valeriano
 
Relatório de Levantamento da Estimativa de Perdas na Cafeicultura
Relatório de Levantamento da Estimativa de Perdas na CafeiculturaRelatório de Levantamento da Estimativa de Perdas na Cafeicultura
Relatório de Levantamento da Estimativa de Perdas na Cafeicultura
Luiz Valeriano
 
CECAFÉ - Relatório Mensal FEVEREIRO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal FEVEREIRO 2021CECAFÉ - Relatório Mensal FEVEREIRO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal FEVEREIRO 2021
Luiz Valeriano
 
CECAFÉ - Relatório Mensal JANEIRO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal JANEIRO 2021CECAFÉ - Relatório Mensal JANEIRO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal JANEIRO 2021
Luiz Valeriano
 
Relatório Café Solúvel - Janeiro 2021
Relatório Café Solúvel - Janeiro 2021Relatório Café Solúvel - Janeiro 2021
Relatório Café Solúvel - Janeiro 2021
Luiz Valeriano
 
CECAFÉ - Relatório Mensal DEZEMBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal DEZEMBRO 2020CECAFÉ - Relatório Mensal DEZEMBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal DEZEMBRO 2020
Luiz Valeriano
 
Resultados Preliminares UDs Café Cerrado 2020
Resultados Preliminares UDs Café Cerrado 2020Resultados Preliminares UDs Café Cerrado 2020
Resultados Preliminares UDs Café Cerrado 2020
Luiz Valeriano
 
CECAFÉ - Relatório Mensal NOVEMBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal NOVEMBRO 2020CECAFÉ - Relatório Mensal NOVEMBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal NOVEMBRO 2020
Luiz Valeriano
 
CECAFÉ - Relatório Mensal OUTUBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal OUTUBRO 2020CECAFÉ - Relatório Mensal OUTUBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal OUTUBRO 2020
Luiz Valeriano
 
CECAFÉ - Relatório Mensal SETEMBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal SETEMBRO 2020CECAFÉ - Relatório Mensal SETEMBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal SETEMBRO 2020
Luiz Valeriano
 
CAFÉ: Análise do mercado chinês
CAFÉ: Análise do mercado chinêsCAFÉ: Análise do mercado chinês
CAFÉ: Análise do mercado chinês
Luiz Valeriano
 
Anuário Brasileiro do Café 2020 (Editora Gazeta)
Anuário Brasileiro do Café 2020 (Editora Gazeta)Anuário Brasileiro do Café 2020 (Editora Gazeta)
Anuário Brasileiro do Café 2020 (Editora Gazeta)
Luiz Valeriano
 
CECAFÉ - Relatório Mensal AGOSTO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal AGOSTO 2020CECAFÉ - Relatório Mensal AGOSTO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal AGOSTO 2020
Luiz Valeriano
 

Mais de Luiz Valeriano (20)

CECAFÉ - Relatório Mensal JULHO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal JULHO 2021CECAFÉ - Relatório Mensal JULHO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal JULHO 2021
 
CECAFÉ - Relatório Mensal JUNHO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal JUNHO 2021CECAFÉ - Relatório Mensal JUNHO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal JUNHO 2021
 
CECAFÉ - Relatório Mensal MAIO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal MAIO 2021CECAFÉ - Relatório Mensal MAIO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal MAIO 2021
 
CECAFÉ - Relatório Mensal ABRIL 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal ABRIL 2021CECAFÉ - Relatório Mensal ABRIL 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal ABRIL 2021
 
INCAPER: Relatório de perdas na agropecuária devido aos eventos climáticos
INCAPER: Relatório de perdas na agropecuária devido aos eventos climáticosINCAPER: Relatório de perdas na agropecuária devido aos eventos climáticos
INCAPER: Relatório de perdas na agropecuária devido aos eventos climáticos
 
Emater-MG divulga cartilha com cuidados contra a Covid-19 na colheita do café
Emater-MG divulga cartilha com cuidados contra a Covid-19 na colheita do caféEmater-MG divulga cartilha com cuidados contra a Covid-19 na colheita do café
Emater-MG divulga cartilha com cuidados contra a Covid-19 na colheita do café
 
CECAFÉ - Relatório Mensal MARÇO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal MARÇO 2021CECAFÉ - Relatório Mensal MARÇO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal MARÇO 2021
 
Cartilha Colheita do Café 2021 – Orientações para prevenção do novo Coronavírus
Cartilha Colheita do Café 2021 – Orientações para prevenção do novo CoronavírusCartilha Colheita do Café 2021 – Orientações para prevenção do novo Coronavírus
Cartilha Colheita do Café 2021 – Orientações para prevenção do novo Coronavírus
 
Relatório de Levantamento da Estimativa de Perdas na Cafeicultura
Relatório de Levantamento da Estimativa de Perdas na CafeiculturaRelatório de Levantamento da Estimativa de Perdas na Cafeicultura
Relatório de Levantamento da Estimativa de Perdas na Cafeicultura
 
CECAFÉ - Relatório Mensal FEVEREIRO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal FEVEREIRO 2021CECAFÉ - Relatório Mensal FEVEREIRO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal FEVEREIRO 2021
 
CECAFÉ - Relatório Mensal JANEIRO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal JANEIRO 2021CECAFÉ - Relatório Mensal JANEIRO 2021
CECAFÉ - Relatório Mensal JANEIRO 2021
 
Relatório Café Solúvel - Janeiro 2021
Relatório Café Solúvel - Janeiro 2021Relatório Café Solúvel - Janeiro 2021
Relatório Café Solúvel - Janeiro 2021
 
CECAFÉ - Relatório Mensal DEZEMBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal DEZEMBRO 2020CECAFÉ - Relatório Mensal DEZEMBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal DEZEMBRO 2020
 
Resultados Preliminares UDs Café Cerrado 2020
Resultados Preliminares UDs Café Cerrado 2020Resultados Preliminares UDs Café Cerrado 2020
Resultados Preliminares UDs Café Cerrado 2020
 
CECAFÉ - Relatório Mensal NOVEMBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal NOVEMBRO 2020CECAFÉ - Relatório Mensal NOVEMBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal NOVEMBRO 2020
 
CECAFÉ - Relatório Mensal OUTUBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal OUTUBRO 2020CECAFÉ - Relatório Mensal OUTUBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal OUTUBRO 2020
 
CECAFÉ - Relatório Mensal SETEMBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal SETEMBRO 2020CECAFÉ - Relatório Mensal SETEMBRO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal SETEMBRO 2020
 
CAFÉ: Análise do mercado chinês
CAFÉ: Análise do mercado chinêsCAFÉ: Análise do mercado chinês
CAFÉ: Análise do mercado chinês
 
Anuário Brasileiro do Café 2020 (Editora Gazeta)
Anuário Brasileiro do Café 2020 (Editora Gazeta)Anuário Brasileiro do Café 2020 (Editora Gazeta)
Anuário Brasileiro do Café 2020 (Editora Gazeta)
 
CECAFÉ - Relatório Mensal AGOSTO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal AGOSTO 2020CECAFÉ - Relatório Mensal AGOSTO 2020
CECAFÉ - Relatório Mensal AGOSTO 2020
 

Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2019

  • 1. caféACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA V. 5 - SAFRA 2019 - N.3 - Terceiro levantamento | SETEMBRO 2019 Monitoramento agrícola OBSERVATÓRIOAGRÍCOLA ISSN: 2318-7913
  • 2. 2 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Presidente da República Jair Messias Bolsonaro Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias Diretor - Presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) Newton Araújo Silva Júnior Diretor - Executivo de Operações e Abastecimento (Dirab) Bruno Scalon Cordeiro Diretor - Executivo de Gestão de Pessoas (Digep) Cláudio Rangel Pinheiro Diretor - Executivo Administrativa, Financeira e Fiscalização (Diafi) José Ferreira da Costa Neto Diretor - Executivo de Política Agrícola e Informações (Dipai) Guilherme Soria Bastos Filho Superintendência de Informações do Agronegócio (Suinf) Cleverton Tiago Carneiro de Santana Gerência de Levantamento e Avaliação de Safras (Geasa) Fabiano Borges de Vasconcellos Gerência de Geotecnologias (Geote) Candice Mello Romero Santos Equipe Técnica da Geasa Bernardo Nogueira Schlemper Carlos Eduardo Gomes de Oliveira Eledon Pereira de Oliveira Francisco Olavo Batista de Sousa Juarez Batista de Oliveira Juliana Pacheco de Almeida Letícia Bandeira Araújo (estagiária) Martha Helena Gama de Macêdo Equipe Técnica da Geote Fernanda Seratim Alves (estagiária) Fernando Arthur Santos Lima João Luis Santana Nascimento (estagiário) Joaquim Gasparino Neto Lucas Barbosa Fernandes Rafaela dos Santos Souza Tarsis Rodrigo de Oliveira Piffer Thiago Lima de Oliveira (menor aprendiz) Superintendências Regionais Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rondônia e São Paulo
  • 3. caféACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA V.5 - SAFRA 2019 - N.3 - Terceiro levantamento | SETEMBRO 2019 OBSERVATÓRIOAGRÍCOLA ISSN 2318-7913 Acomp. safra brasileira de café, v. 5– Safra 2019, n. 3 - Terceiro levantamento, Brasília, p. 1-48, setembro 2019. Monitoramento agrícola
  • 4. Copyright © 2019 – Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Disponível também em: <http://www.conab.gov.br> Depósito legal junto à Biblioteca Josué de Castro Publicação integrante do Observatório Agrícola ISSN: 2318-7913 Colaboradores João Marcelo Brito Alves de Faria (Geint) Djalma Fernandes de Aquino (Gefab) Colaboradores das Superintendências BA – Marcelo Ribeiro, Ednabel Lima, Aurendir de Melo, Gerson dos Santos, Jair Lucas Junior, Israel Santos, Joctã do Couto e Suely de Lima. ES – Maicow Paulo de Almeida e Ismael Cavalcante Maciel Júnior. GO – Espedito Leite Ferreira, Manoel Ramos de Menezes Sobrinho, Roberto Alves de Andrade, Rogério César Barbosa, Ronaldo Elias Campos, Marcos Aurélio Grano e Sírio José da Silva Júnior. MG – Alessandro Lúcio Marques, Eliana Aparecida Silva, Luiz Paulo Junqueira, Hélio Maurício Gonçalves de Rezende, José Henrique Rocha Viana de Oliveira,Márcio Carlos Magno, Pedro Pinheiro Soares,Sérgio de Lima Starling,Warlen César Henriques Maldonado e Samuel Ferreira. MT – Allan Vinicius Pinheiro Salgado, Jacir Lopes da Silveira e Pedro Ramon Manhone. PR – Rosimeire Lauretto, Daniela Furtado de Freitas Yanaga, José Segundo Bosqui e Rafael Rodrigues Fogaça. RJ – Olavo Franco de Godoy Neto e Jorge Antonio de F Carvalho. RO – João Adolfo Kásper, Niécio Campanati Ribeiro e Thales Augusto Duarte Daniel. SP – Cláudio Lobo de Ávila, Elias Tadeu de Oliveira, Ivan Donizetti de Paula Júnior e Marisete Belloli Breviglieri. Instituições Parceiras BA – Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater); ES – Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper); MG – Empresa Estadual de Assistência Técnica e Extensã0 (Emater); MT – Empresa Matogrossense de Pesquisa, Asistência e Extensão Rural (Empaer); PR – Departamento de Economia Rural (Deral); RJ – Empresa Estadual de Assistência Técnica e Extensã0 (Emater); RO – Empresa Estadual de Assistência Técnica e Extensã0 (Emater); SP – Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati) - IEA (Instituto de Economia Agrícola). Editoração Estúdio Nous (Célia Matsunaga e Elzimar Moreira) Superintendência de Marketing e Comunicação (Sumac) Gerência de Eventos e Promoção Institucional (Gepin) Diagramação Guilherme dos Reis Rodrigues Fotos Arquivo Geasa/Conab, https://br.dollarphotoclub.com Normalização Thelma Das Graças Fernandes Sousa – CRB-1/1843 Catalogação na publicação: Equipe da Biblioteca Josué de Castro 633.73(81)(05) C737a Companhia Nacional de Abastecimento. Acompamento da safra brasileira : café – v. 1, n. 1 (2014-) – Brasília : Conab, 2014- v. Quadrimestral Disponível em: http://www.conab.gov.br Recebeu numeração a partir de jan./2014. Continuação de: Acompamento da safra brasileira de café (2008-2012). ISSN 2318-7913 1. Café. 2. Safra. 3. Agronegócio. I.Título.
  • 5. SUMÁRIO 1. Resumo executivo -------------------------------------------------------------------------8 2. Introdução----------------------------------------------------------------------------------10 3. Estimativa de área cultivada-----------------------------------------------------------11 4. Estimativa de produtividade-----------------------------------------------------------16 5. Estimativa de produção ----------------------------------------------------------------19 6 Monitoramento agrometeorológico--------------------------------------------------25 7. Avaliação por estado-------------------------------------------------------------------- 29 71. Minas Gerais-------------------------------------------------------------------------------29 7.2 Espírito Santo-------------------------------------------------------------------------------31 7.3. São Paulo ---------------------------------------------------------------------------------- 32 7.4.Bahia ---------------------------------------------------------------------------------------- 32 7.5. Rondônia --------------------------------------------------------------------------------- 34 7.6. Paraná ------------------------------------------------------------------------------------- 34 7.7. Rio de Janeiro------------------------------------------------------------------------------ 35
  • 6. 7.8. Goiás---------------------------------------------------------------------------------------- 35 7.9. Mato Grosso-------------------------------------------------------------------------------36 8. Preços do café beneficiado ----------------------------------------------------------- 37 9. Parque cafeeiro ------------------------------------------------------------------------- 40 10. Calendário de colheita ---------------------------------------------------------------- 43
  • 8. 8 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.8 A A safra 2019 prevê, em quase todas as regiões produtoras de café do país, a influência (sobre- tudo no café arábica) da bienalidade negativa, estimando assim uma produção menor que aquela obtida em 2018, devendo alcançar 48,99 milhões de sacas beneficiadas. Além disso, a incidência de altas temperaturas, atrelada à escassez de chuvas em pe- ríodo importante do ciclo (veranico registrado em várias regiões produtoras de café entre dezembro de 2018 e janeiro de 2019) fez com que as estimativas de rendimento médio fossem ainda menores. Quanto à área em produção, a tendência também é de redução em relação à temporada passada, dimi- nuindo 2,8%, e estimada em 1.812,8 mil hectares. Arábica: produção estimada em 34,47 milhões de sa- cas, representando redução em comparação ao volu- me produzido na safra passada, de 27,4%. Conilon: produção estimada em 14,52 milhões de sa- cas, aumento de 2,5%. Minas Gerais Sul de Minas (Sul e Centro-Oeste): perspectiva de re- dução de área em produção e do rendimento médio da cultura, refletindo assim em uma projeção tam- bém menor na produção final, quando comparada à safra passada, devendo ficar em 13,93 milhões de sa- cas. 1. Resumo executivo
  • 9. 9CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Cerrado Mineiro (Triângulo, Alto Paranaíba e Noroes- te): há estimativa de diminuição de área, de produti- vidade média e de produção, podendo alcançar 4,59 milhões de sacas beneficiadas. Zona da Mata Mineira (Zona da Mata,Rio Doce e Cen- tral): redução de área e produtividade média. Estima- -se uma produção de 5,4 milhões de sacas. Norte de Minas (Norte, Jequitinhonha e Mucuri): a previsão é de uma produção menor que aquela obtida em 2018, devendo ficar em 592,8 mil sacas beneficia- das. Espírito Santo As condições climáticas verificadas ao longo do desen- volvimento da cultura oscilaram e, atrelados a isso, os efeitos da bienalidade negativa trouxeram a projeção de diminuição de rendimento médio e de produção total em comparação a 2018, devendo assim, alcançar 13,47 milhões de sacas,com uma produtividade média de 34,20 scs/ha. São Paulo Com uma produção predominantemente de café ará- bica e uma safra de bienalidade negativa, a previsão é de redução em relação a 2018, devendo diminuir 30,7%,alcançando 4,37 milhões de sacas beneficiadas. Bahia Cerrado: diminuição de área em produção e expecta- tiva de produção menor que 2018, podendo chegar a 300 mil sacas. Planalto: previsão de redução de área em produção de aproximadamente 27,7% em comparação à safra passada, além de expectativa de rendimento médio inferior àquela verificada em 2018, perfazendo uma estimativa de produção de 900 mil sacas. Atlântico: Diminuição de área em produção, produti- vidade média e produção final, alcançando 1,6 milhão de sacas de café, ante as 2,67 milhões de sacas produ- zidas em 2018. Rondônia Expectativa de leve redução da área em produção, po- rém com previsão de aumento de rendimento médio, gerando uma produção de 2,1 milhões de sacas de café, exclusivamente do tipo conilon, sendo 6% maior que na safra anterior. Paraná A área em produção deve se manter próxima à da sa- fra 2018 e a produtividade média indica redução de 4,5% em comparação à safra anterior. Espera-se cerca de 950 mil sacas de café nesta temporada. Rio de Janeiro Produtividademédiaeáreaemproduçãoinferioresàque- las verificadas no exercício anterior.Dessa forma,estima- Goiás Estimativas de incrementos na área em produção em cerca de 11,3%, 8,6% na produtividade média e 20,9% Mato Grosso Diminuiçãode9,5%naáreaemproduçãoeexpectativade crescimento de 28,8% no rendimento médio, ambos em relação à safra passada, estimando assim uma produção -se redução de 20,2% na produção, devendo ficar em 276 mil sacas de café beneficiadas. na produção final,devendo produzir cerca de 236,3 mil sacas. de121,4milsacasdecafébeneficiadas,16,5%amaisquena últimasafra.
  • 10. 10 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 2. introdução 10 A Companhia Nacional de Abastecimento (Co- nab) realiza o acompanhamento da safra brasi- leira de café desde a safra 2001. Neste levantamento, as informações serão de uma safra de bienalidade negativa, que, naturalmente, possui produtividades inferiores à safra anterior. Essa é uma característica de culturas permanentes, sobre- tudo no café arábica, que é a maior produção do país. São quatro levantamentos divulgados anualmente: O primeiro ocorre em novembro e dezembro, com di- vulgação em janeiro. O segundo ocorre em abril, com divulgação em maio, onde menos de 20% do café do país foi colhido. O terceiro acontece em agosto e divulgado em setem- bro,nessa ocasião a colheita já terá ultrapassado 90% do total. O quarto será realizado em dezembro e divulgado no mesmo mês. É o último da safra, em que a colheita já foi finalizada e as estimativas são corrigidas com os dados consolidados e coletados a campo. Ressalta-se que as previsões iniciais são passíveis de correções e ajustes ao longo do ano-safra, visto que informações mais precisas somente se consolidam com a finalização da colheita, porém as consequên- cias reais serão efetivamente mensuradas à medida que a colheita avança.
  • 11. 11CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 3. Estimativa de área 3.1. Café total (arábica e conilon) A área total cultivada no país com café (arábica e conilon) totaliza 2,13 milhões hectares, 1,2% me- nor que a cultivada em 2018. Desse total, 319,17 mil hectares (15%) estão em formação e 1,81 milhão de hectares (85%) em produção. Em comparação com à safra anterior, a área em pro- dução reduziu 2,8%, enquanto a área em formação aumentou 8,5%. Por se tratar de uma safra de biena- lidade negativa, é normal que os produtores aprovei- tam para realizar tratos culturais nas lavouras e, con- sequentemente, diminuir a área em produção.
  • 12. 12 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 0 500.000 1.000.000 1.500.000 2.000.000 2.500.000 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 (¹) EmHectares Arábica Conilon Gráfico 1 – Área total de café (arábica e conilon) Gráfico 2 – Área total de café (arábica e conilon) Gráfico 3 – Área das Unidades da Federação Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019 (1 ). Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019 (1 ). Fonte: Conab. Nota: Estimativa emsetembro/2019 (1 ). A área cultivada com café nesta safra é 26,5 mil hecta- res menor que à de 2018.Nos últimos anos,a área vem apresentado redução e é notório que esse comporta- mento ocorra em virtude dos ganhos de produtivida- de que os produtores têm alcançado,tendo em vista a aplicação de novas tecnologias. A redução de área é uma tendência. Dos principais estados produtores, apenas Minas Gerais apresentou ganho na área cultivada no período de 2001 a 2019. Na região da Zona da Mata, em Minas Gerais, a área em produção diminuiu 0,8% em relação à safra passa- da,em razão da intensificação das podas nas lavouras mais velhas ou que necessitavam de renovação. Na Bahia, a redução da área produtiva se deve, princi- palmente, à erradicação de lavouras de café que foram abandonadas ou substituídas por pastagens para a criação de bovinos, grãos e pela fruticultura e também ao ajuste na área cultivada, com base no mapeamento realizado e divulgado em janeiro,no boletim do primei- ro levantamento da safra 2019 de café. Em relação ao aumento da área em formação,este se deve ao plantio de novas áreas em algumas regiões, impulsionado pe- los bons resultados das últimas safras. 0 500 1.000 1.500 2.000 2.500 3.000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 (¹) Emmilhectares Área em produção Área em formação 0 500.000 1.000.000 1.500.000 2.000.000 2.500.000 3.000.000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 (¹) Emhectares MG ES SP BA RO PR Outros¹
  • 13. 13CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 3.2. Área total de arábica A área plantada do café arábica no país soma 1,73 milhão de hectares, o que corresponde a 81% da área existente. Para esta safra, estima-se diminuição de 0,9% (16,3 mil hectares) em relação à safra passada. Minas Gerais concentra a maior área com a espécie, 1,22 milhão de hectares, correspondendo a 70% da área ocupada com café arábica em âmbito nacional. A área plantada de café arábica no país tem se man- tido estável nas últimas dez safras e gira em torno de 1,7 milhão de hectares. Além dos ciclos plurianuais de preços e produção de café, o café arábica é caracte- rizado por flutuações de área em produção entre as safras. Essas variações ocorrem devido ao ciclo de bie- nalidade do café. Nos anos de ciclo de bienalidade ne- gativa a área em formação aumenta, uma vez que os produtores optam por manejar as culturas, especial- mente as áreas mais velhas, onde a produtividade é menor.Em 2019,ano de bienalidade negativa,tivemos um aumento de 12,3% na área em formação. Tabela 1 - Café total (arábica e conilon) - Comparativo de área em formação, em produção e total Legenda: (*) Acre, Amazonas, Pará, Ceará. Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019. REGIÃO/UF ÁREA EM FORMAÇÃO (ha) ÁREA EM PRODUÇÃO (ha) ÁREA TOTAL (ha) Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % (a) (b) (b/a) (c) (d) (d/c) (e) (f) (f/e) NORTE 9.538,0 7.820,0 (18,0) 63.879,0 62.729,0 (1,8) 73.417,0 70.549,0 (3,9) RO 9.538,0 7.820,0 (18,0) 63.879,0 62.729,0 (1,8) 73.417,0 70.549,0 (3,9) NORDESTE 7.487,0 12.400,0 65,6 130.000,0 97.335,0 (25,1) 137.487,0 109.735,0 (20,2) BA 7.487,0 12.400,0 65,6 130.000,0 97.335,0 (25,1) 137.487,0 109.735,0 (20,2) Cerrado 937,0 2.300,0 145,5 11.300,0 9.000,0 (20,4) 12.237,0 11.300,0 (7,7) Planalto 3.650,0 7.200,0 97,3 71.000,0 51.335,0 (27,7) 74.650,0 58.535,0 (21,6) Atlântico 2.900,0 2.900,0 - 47.700,0 37.000,0 (22,4) 50.600,0 39.900,0 (21,1) CENTRO-OESTE 5.001,0 4.349,0 (13,0) 15.215,0 14.997,0 (1,4) 20.216,0 19.346,0 (4,3) MT 2.856,0 2.790,0 (2,3) 9.310,0 8.422,0 (9,5) 12.166,0 11.212,0 (7,8) GO 2.145,0 1.559,0 (27,3) 5.905,0 6.575,0 11,3 8.050,0 8.134,0 1,0 SUDESTE 267.559,0 290.646,0 8,6 1.611.132,0 1.590.611,0 48,2 1.878.691,0 1.881.257,0 0,1 MG 215.038,0 245.191,0 14,0 1.008.595,0 983.959,0 (2,4) 1.223.633,0 1.229.150,0 0,5 Sul e Centro-Oeste 118.186,0 154.368,0 30,6 514.193,0 496.766,0 (3,4) 632.379,0 651.134,0 3,0 Triângulo, Alto Paranaiba e Noroeste 42.829,0 40.235,0 (6,1) 189.183,0 185.688,0 (1,8) 232.012,0 225.923,0 (2,6) Zona da Mata, Rio Doce e Central 51.174,0 46.503,0 (9,1) 278.811,0 276.520,0 (0,8) 329.985,0 323.023,0 (2,1) Norte, Jequitinhonha e Mucuri 2.849,0 4.085,0 43,4 26.408,0 24.985,0 (5,4) 29.257,0 29.070,0 (0,6) ES 39.724,0 31.301,0 (21,2) 387.926,0 393.902,0 1,5 427.650,0 425.203,0 (0,6) RJ 1.436,0 2.012,0 40,1 12.030,0 11.381,0 (5,4) 13.466,0 13.393,0 (0,5) SP 11.361,0 12.142,0 6,9 202.581,0 201.369,0 (0,6) 213.942,0 213.511,0 (0,2) SUL 3.300,0 2.800,0 (15,2) 37.500,0 37.300,0 (0,5) 40.800,0 40.100,0 (1,7) PR 3.300,0 2.800,0 (15,2) 37.500,0 37.300,0 (0,5) 40.800,0 40.100,0 (1,7) OUTROS (*) 1.309,1 1.150,0 (12,2) 6.596,8 9.793,0 48,5 7.905,9 10.943,0 38,4 NORTE/NORDESTE 17.025,0 20.220,0 18,8 193.879,0 160.064,0 (17,4) 210.904,0 180.284,0 (14,5) CENTRO-SUL 275.860,0 297.795,0 8,0 1.663.847,0 1.642.908,0 (1,3) 1.939.707,0 1.940.703,0 0,1 BRASIL 294.194,1 319.165,0 8,5 1.864.322,8 1.812.765,0 (2,8) 2.158.516,9 2.131.930,0 (1,2)
  • 14. 14 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Gráfico 4 – Área de café arábica Tabela 2 - Café arábica - Comparativo de área em formação, em produção e total Legenda: (*) Acre, Amazonas, Ceará. Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019. REGIÃO/UF ÁREA EM FORMAÇÃO (ha) ÁREA EM PRODUÇÃO (ha) ÁREA TOTAL (ha) Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % (a) (b) (b/a) (c) (d) (d/c) (e) (f) (f/e) NORDESTE 4.587,0 9.500,0 107,1 82.300,0 60.335,0 (26,7) 86.887,0 69.835,0 (19,6) BA 4.587,0 9.500,0 107,1 82.300,0 60.335,0 (26,7) 86.887,0 69.835,0 (19,6) Cerrado 937,0 2.300,0 145,5 11.300,0 9.000,0 (20,4) 12.237,0 11.300,0 (7,7) Planalto 3.650,0 7.200,0 97,3 71.000,0 51.335,0 (27,7) 74.650,0 58.535,0 (21,6) CENTRO-OESTE 2.155,0 1.559,0 (27,7) 5.950,0 6.575,0 10,5 8.105,0 8.134,0 0,4 MT 10,00 - (100,0) 45,00 - (100,0) 55,0 - (100,0) GO 2.145,0 1.559,0 (27,3) 5.905,0 6.575,0 11,3 8.050,0 8.134,0 1,0 SUDESTE 241.689,0 269.496,0 11,5 1.366.798,0 1.339.349,0 (2,0) 1.608.487,0 1.608.845,0 - MG 214.392,0 243.739,0 13,7 995.584,0 974.502,0 (2,1) 1.209.976,0 1.218.241,0 0,7 Sul e Centro-Oeste 118.186,0 154.368,0 30,6 514.193,0 496.766,0 (3,4) 632.379,0 651.134,0 3,0 Triângulo,Alto Paranaiba e Noroeste 42.829,0 40.235,0 (6,1) 189.183,0 185.688,0 (1,8) 232.012,0 225.923,0 (2,6) Zona da Mata, Rio Doce e Central 50.754,0 45.559,0 (10,2) 270.354,0 270.373,0 - 321.108,0 315.932,0 (1,6) Norte, Jequitinhonha e Mucuri 2.623,0 3.577,0 36,4 21.854,0 21.675,0 (0,8) 24.477,0 25.252,0 3,2 ES 14.500,0 11.603,0 (20,0) 156.603,0 152.097,0 (2,9) 171.103,0 163.700,0 (4,3) RJ 1.436,0 2.012,0 40,1 12.030,0 11.381,0 (5,4) 13.466,0 13.393,0 (0,5) SP 11.361,0 12.142,0 6,9 202.581,0 201.369,0 (0,6) 213.942,0 213.511,0 (0,2) SUL 3.300,0 2.800,0 (15,2) 37.500,0 37.300,0 (0,5) 40.800,0 40.100,0 (1,7) PR 3.300,0 2.800,0 (15,2) 37.500,0 37.300,0 (0,5) 40.800,0 40.100,0 (1,7) OUTROS (*) 614,0 109,0 (82,2) 4.511,0 6.097,0 35,2 5.125,0 6.206,0 21,1 NORTE/NORDESTE 4.587,0 9.500,0 107,1 82.300,0 60.335,0 (26,7) 86.887,0 69.835,0 (19,6) CENTRO-SUL 247.144,0 273.855,0 10,8 1.410.248,0 1.383.224,0 (1,9) 1.657.392,0 1.657.079,0 - BRASIL 252.345,0 283.464,0 12,3 1.497.059,0 1.449.656,0 (3,2) 1.749.404,0 1.733.120,0 (0,9) Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019 (1 ). 0 200 400 600 800 1.000 1.200 1.400 1.600 1.800 2.000 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 (¹) Emmilhectares Área em produção Área em formação
  • 15. 15CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019 (1 ). Gráfico 5 – Área de café conilon 3.3. Área total de conilon Para o café conilon,a estimativa é de redução de 2,5% na área, estimada em 398,8 mil hectares. Desse total, 363,1 mil hectares estão em produção e 35,7 mil hectares em formação. No Espírito Santo está a maior área, 261,5 mil hectares, seguido por Rondônia, com 70,5 mil hectares e logo após a Bahia,com 39,9 mil hectares.Apesar de tam- bém sofrer influência da bienalidade, normalmente ela ocorre com menor intensidade no conilon. A área dessa espécie vem decrescendo a cada ano. Des- de 2009 a área reduziu 162,1 mil hectares. A diminuição na área está vinculada à tendência impor- tante na otimização do manejo dessa cultura e à utiliza- ção de material genético mais produtivo. Tabela 3 - Café arábica - Comparativo de área em formação, em produção e total Legenda: (*) Acre, Amazonas, Pará e Ceará. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019. REGIÃO/UF ÁREA EM FORMAÇÃO (ha) ÁREA EM PRODUÇÃO (ha) ÁREA TOTAL (ha) Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % (a) (b) (b/a) (c) (d) (d/c) (e) (f) (f/e) NORTE 9.538,0 7.820,0 (18,0) 63.879,0 62.729,0 (1,8) 73.417,0 70.549,0 (3,9) RO 9.538,0 7.820,0 (18,0) 63.879,0 62.729,0 (1,8) 73.417,0 70.549,0 (3,9) NORDESTE 2.900,0 2.900,0 - 47.700,0 37.000,0 (22,4) 50.600,0 39.900,0 (21,1) BA 2.900,0 2.900,0 - 47.700,0 37.000,0 (22,4) 50.600,0 39.900,0 (21,1) Atlântico 2.900,0 2.900,0 - 47.700,0 37.000,0 (22,4) 50.600,0 39.900,0 (21,1) CENTRO-OESTE 2.846,0 2.790,0 (2,0) 9.265,0 8.422,0 (9,1) 12.111,0 11.212,0 (7,4) MT 2.846,00 2.790,0 (2,0) 9.265,00 8.422,00 (9,1) 12.111,0 11.212,0 (7,4) SUDESTE 25.870,0 21.150,0 (18,2) 244.334,0 251.262,0 2,8 270.204,0 272.412,0 0,8 MG 646,0 1.452,0 124,8 13.011,0 9.457,0 (27,3) 13.657,0 10.909,0 (20,1) Zona da Mata, Rio Doce e Central 420,0 944,0 124,8 8.457,0 6.147,0 (27,3) 8.877,0 7.091,0 (20,1) Norte, Jequitinhonha e Mucuri 226,0 508,0 124,8 4.554,0 3.310,0 (27,3) 4.780,0 3.818,0 (20,1) ES 25.224,0 19.698,0 (21,9) 231.323,0 241.805,0 4,5 256.547,0 261.503,0 1,9 OUTROS (*) 695,1 1.041,0 49,8 2.085,8 3.696,0 77,2 2.780,9 4.737,0 70,3 NORTE/NORDESTE 12.438,0 10.720,0 (13,8) 111.579,0 99.729,0 (10,6) 124.017,0 110.449,0 (10,9) CENTRO-SUL 28.716,0 23.940,0 (16,6) 253.599,0 259.684,0 2,4 282.315,0 283.624,0 0,5 BRASIL 41.849,1 35.701,0 (14,7) 367.263,8 363.109,0 (1,1) 409.112,9 398.810,0 (2,5) 0 100 200 300 400 500 600 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 ¹ Emmilhectares Área em produção Área em formação
  • 16. 16 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 4.Estimativa de produtividade 4.1. Produtividade total (arábica e conilon) P ara a safra 2019, estima-se que a produtividade média seja de 27,03 scs/ha, que equivale à redu- ção de 18,3% em relação à safra passada. Tal di- minuição deve ocorrer em todas as principais regiões produtoras, principalmente àquelas que dispõem de café arábica, devido aos impactos ocasionados pela bienalidade negativa, além da estiagem em dezem- bro de 2018 e janeiro de 2019, que comprometeram a formação e a granação dos frutos. Na maior parte das regiões onde predomina o cultivo do conilon, a expectativa é de rendimento médio superior que o da safra passada,devido às características fisiológicas dessa espécie e sua maior resistência aos efeitos da bienalidade.
  • 17. 17CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Gráfico 6 – Produtividade de café total (arábica e conilon) Gráfico 7 – Produtividade de café arábica no Brasil de bienalidade negativa ela se recupera para produzir melhor na safra subsequente. No entanto o melhor manejo e o pacote tecnológico elevado, utilizados pe- los produtores têm levado, ao longo dos anos, a uma diminuição da diferença entre as produtividades de ciclo positivo e negativo. Fonte: Conab. Nota: : Estimativa em setembro/2019 (1). Fonte: Conab. Nota: : Estimativa em setembro/2019 (1). Os ciclos de bienalidade são uma das características do cafeeiro, em especial para o café arábica, e consiste na alternância de um ano com grande florada, segui- do por outro, com florada menos intensa. Isso é uma característica natural dessa cultura perene, ocasiona- da pelo esgotamento da planta, uma vez que no ano 4.3. Produtividade de conilon O café conilon é uma espécie mais rústica e, por isso, possui vantagens sobre o arábica. O ciclo de bienali- dade é menos intenso no café conilon que no arábica, apresentando mais resistência aos estresses, quando comparado ao arábica. A previsão nacional de produtividade média, nesta sa- fra, é de 40 scs/ha, sinalizando aumento de 3,6% em relação à temporada anterior. O rendimento estimado no Nordeste,em particular na região do atlântico baia- no,ficou muito aquém do esperado e isso impactou na expectativa de produtividade média.Porém,no Espírito Santo, maior produtor de café conilon, a produtividade apresenta 9,8% maior que na safra passada. 4.2. Produtividade de arábica O arábica, espécie mais influenciada pelos ciclos bie- nais, tem nesta safra um ciclo de bienalidade negati- va. A estimativa é que a produtividade seja de 23,78 scs/ha. - 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 (¹) Emscs/ha Bienalidade negativa Bienalidade positiva - 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 (¹) Emscs/ha Bienalidade negativa Bienalidade positiva
  • 18. 18 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Gráfico 8 – Produtividade de café conilon no Brasil - 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 (¹) Emscs/ha Fonte: Conab. Nota: : Estimativa em setembro/2019 (1)
  • 19. 19CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 5. Estimativa de produção 5.1.Produçãototal(arábicaeconilon) A terceira estimativa para a produção de café nessa safra (espécies arábica e conilon) indica que o país deverá colher cerca de 48,99 milhões de sacas de café beneficiado. O resultado representa diminuição de 20,5%, quando comparado à produção obtida em 2018..
  • 20. 20 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Tabela 4 – Café total (arábica e conilon) - Comparativo de área em produção,produtividade e produção Legenda: (*) Acre, Amazonas, Pará, Ceará, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019. Gráfico 9 – Produção total de café (arábica e conilon) REGIÃO/UF ÁREA EM PRODUÇÃO (ha) PRODUTIVIDADE (sc/ha) PRODUÇÃO (mil sc) Safra 2018 (a) Safra 2019 (b) VAR. % (b/a) Safra 2018 (c) Safra 2019 (d) VAR. % (d/c) Safra 2018 (e) Safra 2019 (f) VAR. % (e/f) NORTE 63.879,0 62.729,0 (1,8) 30,97 33,43 7,9 1.978,3 2.097,0 6,0 RO 63.879,0 62.729,0 (1,8) 30,97 33,43 7,9 1.978,3 2.097,0 6,0 NORDESTE 130.000,0 97.335,0 (25,1) 35,00 28,77 (17,8) 4.550,2 2.800,0 (38,5) BA 130.000,0 97.335,0 (25,1) 35,00 28,77 (17,8) 4.550,2 2.800,0 (38,5) Cerrado 11.300,0 9.000,0 (20,4) 44,00 33,33 (24,2) 497,2 300,0 (39,7) Planalto 71.000,0 51.335,0 (27,7) 19,48 17,53 (10,0) 1.383,0 900,0 (34,9) Atlântico 47.700,0 37.000,0 (22,4) 55,97 43,24 (22,7) 2.670,0 1.600,0 (40,1) CENTRO-OESTE 15.215,0 14.997,0 (1,4) 19,69 23,85 21,1 299,6 357,7 19,4 MT 9.310,0 8.422,0 (9,5) 11,19 14,41 28,8 104,2 121,4 16,5 GO 5.905,0 6.575,0 11,3 33,09 35,94 8,6 195,4 236,3 20,9 SUDESTE 1.611.132,0 1.590.611,0 (1,3) 33,36 26,80 (19,6) 53.747,7 42.636,3 (20,7) MG 1.008.595,0 983.959,0 (2,4) 33,08 24,92 (24,7) 33.360,4 24.521,6 (26,5) Sul e Centro-Oeste 514.193,0 496.766,0 (3,4) 34,80 28,04 (19,4) 17.896,1 13.930,6 (22,2) Triângulo,Alto Paranaiba e Noroeste 189.183,0 185.688,0 (1,8) 37,73 24,73 (34,4) 7.138,0 4.592,7 (35,7) Zona da Mata, Rio Doce e Central 278.811,0 276.520,0 (0,8) 27,13 19,55 (27,9) 7.563,2 5.405,5 (28,5) Norte, Jequitinhonha e Mucuri 26.408,0 24.985,0 (5,4) 28,90 23,72 (17,9) 763,1 592,8 (22,3) ES 387.926,0 393.902,0 1,5 35,42 34,20 (3,4) 13.739,0 13.471,0 (2,0) RJ 12.030,0 11.381,0 (5,4) 28,76 24,25 (15,7) 346,0 276,0 (20,2) SP 202.581,0 201.369,0 (0,6) 31,11 21,69 (30,3) 6.302,3 4.367,7 (30,7) SUL 37.500,0 37.300,0 (0,5) 26,67 25,47 (4,5) 1.000,0 950,0 (5,0) PR 37.500,0 37.300,0 (0,5) 26,67 25,47 (4,5) 1.000,0 950,0 (5,0) OUTROS (*) 6.596,8 9.793,0 48,5 12,38 15,40 24,3 81,7 150,8 84,6 NORTE/NORDESTE 193.879,0 160.064,0 (17,4) 33,67 30,59 (9,1) 6.528,5 4.897,0 (25,0) CENTRO-SUL 1.663.847,0 1.642.908,0 (1,3) 33,08 26,75 (19,2) 55.047,3 43.944,0 (20,2) BRASIL 1.864.322,8 1.812.765,0 (2,8) 33,07 27,03 (18,3) 61.657,5 48.991,8 (20,5) Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019 (1). 28,82 39,27 32,94 42,51 36,07 45,99 39,47 48,09 43,48 50,83 49,15 45,34 43,24 51,37 44,97 61,66 48,99 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 50,00 55,00 60,00 65,00 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019(¹) Produção(emmilhõesdesacas) Bienalidade negativa Bienalidade positiva
  • 21. 21CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Gráfico 10 – Produção total de café (arábica e conilon) – Anos de bienalidade positiva Gráfico 11 – Produção total de café (arábica e conilon) – Anos de bienalidade negativa 5.2. Produção de arábica O café arábica representa mais de 70% da estimati- va de produção total (arábica e conilon) de café do país. Considerando que a safra atual apresenta um ciclo de bienalidade negativa, são estimados cerca de 34,47 milhões de sacas. Isso sinaliza redução de 27,4% em comparação à temporada anterior. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019 (1). 42,51 45,99 48,09 50,83 45,34 51,37 61,66 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 50,00 55,00 60,00 65,00 2006 2008 2010 2012 2014 2016 2018 Bienalidade positiva Produção(emmilhõesdesacas) 28,82 32,94 36,07 39,47 43,48 49,15 43,24 44,97 48,99 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 50,00 55,00 2003 2005 2007 2009 2011 2013 2015 2017 2019 (¹) Bienalidade negativa Produção(emmilhõesdesacas)
  • 22. 22 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Tabela 5 – Café arábica - Comparativo de área em produção, produtividade e produção Legenda: (*) Ceará, Amazonas, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019. REGIÃO/UF ÁREA EM PRODUÇÃO (ha) PRODUTIVIDADE (sc/ha) PRODUÇÃO (mil sc) Safra 2018 (a) Safra 2019 (b) VAR. % (b/a) Safra 2018 (c) Safra 2019 (d) VAR. % (d/c) Safra 2018 (e) Safra 2019 (f) VAR. % (e/f) NORDESTE 82.300,0 60.335,0 (26,7) 22,85 19,89 (12,9) 1.880,2 1.200,0 (36,2) BA 82.300,0 60.335,0 (26,7) 22,85 19,89 (12,9) 1.880,2 1.200,0 (36,2) Cerrado 11.300,0 9.000,0 (20,4) 44,00 33,33 (24,2) 497,2 300,0 (39,7) Planalto 71.000,0 51.335,0 (27,7) 19,48 17,53 (10,0) 1.383,0 900,0 (34,9) CENTRO-OESTE 5.950,0 6.575,0 10,5 32,99 35,94 8,9 196,3 236,3 20,4 MT 45,0 - (100,0) 20,00 - ! - 0,9 - (100,0) GO 5.905,0 6.575,0 11,3 33,09 35,94 8,6 195,4 236,3 20,9 SUDESTE 1.366.798,0 1.339.349,0 (2,0) 32,46 23,90 (26,4) 44.369,4 32.008,9 (27,9) MG 995.584,0 974.502,0 (2,1) 33,12 24,85 (25,0) 32.970,1 24.212,2 (26,6) Sul e Centro-Oeste 514.193,0 496.766,0 (3,4) 34,80 28,04 (19,4) 17.896,1 13.930,6 (22,2) Triângulo,Alto Paranaiba e Noroeste 189.183,0 185.688,0 (1,8) 37,73 24,73 (34,4) 7.138,0 4.592,7 (35,7) Zona da Mata, Rio Doce e Central 270.354,0 270.373,0 - 27,04 19,25 (28,8) 7.309,5 5.204,4 (28,8) Norte, Jequitinhonha e Mucuri 21.854,0 21.675,0 (0,8) 28,67 22,35 (22,0) 626,5 484,5 (22,7) ES 156.603,0 152.097,0 (2,9) 30,34 20,73 (31,7) 4.751,0 3.153,0 (33,6) RJ 12.030,0 11.381,0 (5,4) 28,76 24,25 (15,7) 346,0 276,0 (20,2) SP 202.581,0 201.369,0 (0,6) 31,11 21,69 (30,3) 6.302,3 4.367,7 (30,7) SUL 37.500,0 37.300,0 (0,5) 26,67 25,47 (4,5) 1.000,0 950,0 (5,0) PR 37.500,0 37.300,0 (0,5) 26,67 25,47 (4,5) 1.000,0 950,0 (5,0) OUTROS (*) 4.511,0 6.097,0 35,2 8,42 11,83 40,4 38,0 72,1 89,7 NORTE/NORDESTE 82.300,0 60.335,0 (26,7) 22,85 19,89 (12,9) 1.880,2 1.200,0 (36,2) CENTRO-SUL 1.410.248,0 1.383.224,0 (1,9) 32,31 24,00 (25,7) 45.565,7 33.195,2 (27,1) BRASIL 1.497.059,0 1.449.656,0 (3,2) 31,72 23,78 (25,0) 47.483,9 34.467,3 (27,4) Gráfico 12 – Produção de café arábica Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019 (1). 20,08 31,72 23,82 33,02 25,10 35,48 28,87 36,82 32,19 38,34 38,29 32,31 32,05 34,25 34,25 47,48 34,47 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 50,00 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019(¹) Produção(emmilhõesdesacas) Bienalidade negativa Bienalidade positiva
  • 23. 23CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019 (1). Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019. Gráfico 13 – Produção de café arábica – Anos de bienalidade positiva Gráfico 14 – Produção de café arábica – Anos de bienalidade negativa 5.3. Produção de conilon A produção do conilon, nessa safra 2019, está es- timada em 14,52 milhões de sacas, representando aumento de 2,5% em relação a 2018. Essa projeção se deve, sobretudo, à expectativa de aumento na produção do Espírito Santo, que aumentou área e apresentou maiores estimativas de produtivida- des médias. 33,02 35,48 36,82 38,34 32,31 34,25 47,48 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 2006 2008 2010 2012 2014 2016 2018 Bienalidade positiva Produção(em milhõesdesacas) 25,10 28,87 32,19 38,29 32,05 34,25 34,47 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 50,00 55,00 2007 2009 2011 2013 2015 2017 2019 (¹) Bienalidade negativa Produção(emmilhõesde sacas)
  • 24. 24 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Tabela 6 – Café conilon - Comparativo de área em produção, produtividade e produção Legenda: (*) Acre, Amazonas, Pará e Ceará. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019. Gráfico 15 – Produção de café conilon REGIÃO/UF ÁREA EM PRODUÇÃO (ha) PRODUTIVIDADE (sc/ha) PRODUÇÃO (mil sc) Safra 2018 (a) Safra 2019 (b) VAR. % (b/a) Safra 2018 (c) Safra 2019 (d) VAR. % (d/c) Safra 2018 (e) Safra 2019 (f) VAR. % (e/f) NORTE 63.879,0 62.729,0 (1,8) 30,97 33,43 7,9 1.978,3 2.097,0 6,0 RO 63.879,0 62.729,0 (1,8) 30,97 33,43 7,9 1.978,3 2.097,0 6,0 NORDESTE 47.700,0 37.000,0 (22,4) 55,97 43,24 (22,7) 2.670,0 1.600,0 (40,1) BA 47.700,0 37.000,0 (22,4) 55,97 43,24 (22,7) 2.670,0 1.600,0 (40,1) Atlântico 47.700,0 37.000,0 (22,4) 55,97 43,24 (22,7) 2.670,0 1.600,0 (40,1) CENTRO-OESTE 9.265,0 8.422,0 (9,1) 11,15 14,41 29,3 103,3 121,4 17,5 MT 9.265,0 8.422,0 (9,1) 11,15 14,41 29,3 103,3 121,4 17,5 SUDESTE 244.334,0 251.262,0 2,8 38,38 42,30 10,2 9.378,3 10.627,4 13,3 MG 13.011,0 9.457,0 (27,3) 30,00 32,72 9,1 390,3 309,4 (20,7) Zona da Mata, Rio Doce e Central 8.457,0 6.147,0 (27,3) 30,00 32,72 9,1 253,7 201,1 (20,7) Norte, Jequitinhonha e Mucuri 4.554,0 3.310,0 (27,3) 30,00 32,72 9,1 136,6 108,3 (20,7) ES 231.323,0 241.805,0 4,5 38,85 42,67 9,8 8.988,0 10.318,0 14,8 OUTROS (*) 2.085,8 3.696,0 77,2 20,95 21,29 1,6 43,7 78,7 80,1 NORTE/NORDESTE 111.579,0 99.729,0 (10,6) 41,66 37,07 (11,0) 4.648,3 3.697,0 (20,5) CENTRO-SUL 253.599,0 259.684,0 2,4 37,39 41,39 10,7 9.481,6 10.748,8 13,4 BRASIL 367.263,8 363.109,0 (1,1) 38,59 40,00 3,6 14.173,6 14.524,5 2,5 8,74 7,56 9,13 9,50 10,97 10,51 10,60 11,27 11,30 12,48 10,87 13,04 11,19 7,99 10,72 14,17 14,52 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019(¹) Produção(emmilhãodesacas) Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019 (1).
  • 25. 25CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. O monitoramento agrícola do café tem por ob- jetivo contribuir com o fortalecimento da ca- pacidade de produzir e divulgar previsões re- levantes, oportunas e precisas da produção agrícola nacional. Esse monitoramento é feito a partir do ma- peamento das áreas de cultivo, que auxilia na quan- tificação da área plantada, no acompanhamento da dinâmica do uso do solo e na análise das condições meteorológicas, desde o início do florescimento até a conclusão da colheita. A condição para o desenvolvi- mento das lavouras, considerando a sua localização (mapeamentos) e as fases predominantes, são anali- sadas no monitoramento agrometeorológico. 6. Monitoramento agromete- orológico
  • 26. 26 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 6.1. Monitoramento agrometeorológico cesso de chuvas, e/ou por baixas temperaturas, (geadas) ou altas temperaturas; • Média restrição: quando houver problemas gene- ralizados de média e alta intensidade por falta ou excesso de chuvas, e/ou por baixas temperaturas, (geadas) ou altas temperaturas; • Alta restrição:quando houver problemas crônicos ou extremos de média e alta intensidade por falta ou excesso de precipitações, e/ou por baixas tem- peraturas (geadas), ou altas temperaturas, que podem causar impactos significativos na produ- ção. A seguir, seguem as cores que representam as dife- rentes condições nas tabelas: Favorável Baixa restrição falta de chuva Média restrição falta de chuva Alta restrição falta de chuva Baixa restrição excesso de chuva Média restrição excesso de chuva Alta restrição excesso de chuva Baixa restrição temperaturas baixas Média restrição temperaturas baixas Alta restrição temperaturas baixas No monitoramento agrometeorológico, dentre os parâmetros observados, destacam-se: a precipitação acumulada (decendial e mensal) e o desvio da preci- pitação e das temperaturas máxima ou mínima com relação à média histórica (anomalia). Para os princi- pais estados produtores foi elaborada uma tabela que apresenta o resultado do monitoramento por mês, de acordo com a fase fenológica predominante. A condi- ção pode ser: • Favorável:quando a precipitação e a temperatura são adequadas para a fase do desenvolvimento da cultura ou houver apenas problemas pontuais; • Baixa restrição: quando houver problemas pontu- ais de média e alta intensidade por falta ou ex- Precipitação de 21 a 31/12/2018 Figura 1 -Precipitação decendial, precipitação total, anomalia da precipitação e da temperatura máxi- ma média nos meses com maiores restrições no desenvolvimento da safra 2019 Precipitação de 1º a 10/12/2018 Dezembro/2018 Precipitação de 11 a 20/12/2018 Continua Na floração,a condição está mais relacionada com a re- gularidade das precipitações do que com a intensidade das mesmas.Por isso,a classificação pode ser diferente. Os mapas agrometeorológicos dos meses em que houve maiores restrições são apresentados a se- guir.
  • 27. 27CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Janeiro/2019 Precipitação de 21 a 31/01/2019Precipitação de 1º a 10/01/2019 Precipitação de 11 a 20/01/2019 Precipitação total Anomalia da precipitação Anomalia da temperatura máxima média Precipitação total Anomalia da precipitação Anomalia da temperatura máxima média
  • 28. 28 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Fevereiro/2019 Precipitação de 21 a 28/02/2019Precipitação de 1º a 10/02/2019 Precipitação de 11 a 20/02/2019 Precipitação total Anomalia da precipitação Anomalia da temperatura máxima média Fonte: Inmet.
  • 29. 29CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 7. Avaliação por estado 7.1. Minas Gerais N o início do período de implantação e desenvol- vimento das lavouras, ainda em 2018, as condi- ções climáticas nas principais regiões cafeiculto- ras do estado eram consideradas favoráveis em razão, principalmente, da quantidade de chuvas registradas, com regularidade e bem distribuídas.Todavia, no perí- odo entre dezembro de 2018 e fevereiro de 2019,houve veranico em algumas regiões do estado.Isso proporcio- nou um significativo deficit hídrico que, associado às condições de altas temperaturas e alta insolação, pre- judicaram o enchimento e a granação dos frutos em diferentes proporções. Ressalva-se que a partir desse período de seca extemporânea, as precipitações volta- riam a ocorrer, especialmente até maio de 2019, prece- dendo a usual estação seca. Com o avanço fenológico da cultura, a fase de matura- ção dos grãos e o início das operações de colheita coin- cidiram com esse período de escassez de chuvas (a par- tir de maio de 2019), favorecendo assim tais estádios de desenvolvimento, bem como os manejos realizados nas lavouras. Vale ressaltar a ocorrência de geadas localizadas no estado, de intensidades variadas de danos às lavouras pela queima das partes superiores do cafeeiro,mas que não impactaram diretamente o rendimento dos grãos produzidos nesta safra.
  • 30. 30 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. De maneira geral, com as oscilações climáticas apre- sentadas durante o ciclo, bem como os efeitos fisioló- gicos relacionados à bienalidade negativa esperada, o rendimento médio para esta safra está estimado em 24,92 scs/ha, sinalizando diminuição de 24,7% em comparação à temporada passada. 7.1.1. Condições da cultura Para a região do sul e centro-oeste de Minas o indica- tivo de produção, nesta safra, é de 13.930,6 mil sacas, demonstrando uma redução de 22,2% em relação ao ano passado. Esse decréscimo está atrelado aos efei- tos da bienalidade negativa, aos fatores climáticos re- gistrados ao longo do ciclo e à diminuição de área em produção,que ficou em 496,8 mil hectares. Na região do Cerrado Mineiro foram destinados cerca de 185,7 mil hectares para a produção de café,nesta safra.Tal área é 1,8% inferior àquela utilizada na temporada passa- da,gerando impacto na estimativa de produção final. De modo geral,são esperadas 4.592,7 mil sacas de café colhi- das,com uma produtividade média de 24,73 scs/ha. Na região da Zona da Mata,cerca de 90% dos 276,5 mil hectares plantados, nessa safra, já foram colhidos, res- tando aquelas lavouras situadas em regiões de maior altitude, bem como a colheita do café no chão. A área em produção reduziu 0,8% em relação à temporada passada, principalmente em razão da intensificação das podas nas lavouras mais velhas, depolperada ou desestruturadas, e dos ajustes de área feitos em con- sonância com o mapeamento do parque cafeeiro em Minas Gerais, realizado pela Secretaria de Estado da Agricultura e Emater,em parceria com a Conab. São esperadas 5.405,5 mil sacas de café beneficiadas para a região, sinalizando redução de 28,5% em com- paração a 2018.Tal expectativa de diminuição se deve à bienalidade negativa em razão do acentuado desgaste fisiológico dos cafeeiros após duas safras de alta pro- dução, pelas variações climáticas durante o ciclo e pela escassez de oferta e majoração expressiva dos preços dos fertilizantes,que prejudicaram a realização dos tra- tos culturais recomendados, concorrendo para a redu- ção do potencial produtivo. As multifloradas, ocorridas ao longo do segundo semestre de 2018 e nos primeiros meses de 2019,provocaram o crescimento e maturação desuniforme dos frutos e dificultou a decisão pelo me- lhor momento para a colheita em razão da existência de frutos verdes, maduros e secos, na mesma planta, e até mesmo na mesma haste, com registros de perdas significativas na produção inicialmente esperada e na qualidade da bebida colhida.O alto percentual de grãos pequenos, malformados, chocos ou com casca grossa colhidos geraram um rendimento abaixo da média na formação das sacas beneficiadas. Usualmente são utilizados de sete a oito cestos de frutos colhidos para a confecção de uma saca de café beneficiado. No en- tanto,com o menor rendimento e qualidade dos grãos, nessa safra,foram destinados dez cestos de frutos para a formação de uma saca beneficiada. Na região norte de Minas,Jequitinhonha e Mucuri,a si- tuação das lavouras estão entre regular e boa.De modo geral,as plantas se encontram razoavelmente enfolha- das, sem relato de danos econômicos significativos causados por pragas ou doenças. As chuvas ocorridas a partir de agosto de 2018 e entre outubro e novembro do mesmo ano determinaram o surgimento de boas floradas nas diversas localidades produtoras de café da região. Atualmente, a colheita está em fase avançada de evolução, com estimativa de produção final na or- dem de 592,8 mil sacas de café, apontando redução de 22,3% em relação à safra anterior. O rendimento médio esperado é de 23,72 scs/ha e a área em produção é de aproximadamente 25 mil hectares. Quadro 1 – Análise de parte do período vegetativo e reprodutivo da safra 2019,com os possíveis impac- tos de acordo com as fases* do café em Minas Gerais Minas Gerais Ano 2018 2019 Meses Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Fases* Sul de Minas (Sul e Centro-Oeste) F F F F/CH EF GF GF GF GF/M M/C M/C C C C Cerrado Mineiro (Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste)** F F F F/CH CH/EF EF GF GF GF/M M/C M/C C C C Zona da Mata, Rio Doce e Central F F F F/CH CH/EF EF GF GF GF/M M/C M/C C C C Norte, Jequitinhonha e Mucuri F F F F/CH CH/EF EF GF GF GF/M M/C M/C C C C ** (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; ** parte irrigada Fonte: Conab. Baixa restrição Excesso de chuvas Favorável Baixa restrição falta de chuva Baixa Restrição Geadas ou baixas temperaturas Média restrição falta de chuva Chuvas desfavoráveis para a uni- formidade das floradas
  • 31. 31CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 7.2. Espírito Santo A destinação de área para a produção de café no esta- do apresentou incremento de 1,5% em comparação à temporada anterior. Foram 393,9 mil hectares utiliza- dos,com a perspectiva de produção total na ordem de 13.471 mil sacas,sendo 3.153 mil sacas de café arábica e 10.318 mil sacas de café conilon. As condições climáticas verificadas ao longo do de- senvolvimento da cultura oscilaram, de maneira que a escassez de precipitações visualizadas no início de 2019, assim como o registro de temperaturas eleva- das influenciou na projeção de um rendimento mé- dio menor para a cafeicultura do estado, se compa- rado a 2018. Soma-se a isso os efeitos da bienalidade negativa esperada para essa temporada (especial- mente para o café arábica), bem como o registro de danos econômicos causados pelo ataque da broca do café (Hypothenemus hampei) em algumas regi- ões produtoras do estado. Portanto a projeção atual é de 34,20 scs/ha, sinalizando diminuição de 3,4% em relação ao rendimento médio apresentado na temporada passada. 7.2.1. Café arábica A produção de café arábica está concentrada princi- palmente na região sul do estado e, atualmente, as lavouras estão em plena colheita, com aproximada- mente 75% dos 152,1 mil hectares destinados à pro- dução já colhidos. A estimativa é de 3.153 mil sacas beneficiadas nesta safra, apontando diminuição de 33,6% em relação a 2018, devido às adversidades cli- máticas e aos efeitos da bienalidade negativa. 7.2.2. Café conilon A área em produção e a produtividade média da cultu- ra registraram incrementos de 4,5% e 9,8%, respecti- vamente, quando comparadas aos valores obtidos no ano passado. Foram cerca de 241,8 mil hectares desti- nados à produção de 10.318 mil sacas de café conilon, com um rendimento médio de 42,67 scs/ha. Mesmo superando a produção de 2018, esta safra ainda está aquém do potencial das lavouras do estado. As altas temperaturas e a falta de precipitações, especialmen- te entre janeiro e março de 2019, impactaram na fase de enchimento dos grãos. De maneira geral, houve re- tomada nas condições climáticas adversas apresenta- das entre 2015 e 2017, trazendo maior disponibilidade hidrica nos solos e, consequentemente, auxiliando no desenvolvimento fisiológico das plantas do café. Favorável Baixa restrição falta de chuva Baixa Restrição Geadas ou baixas temperaturas Média restrição falta de chuva Chuvas desfavoráveis para a uni- formidade das floradas Favorável Baixa restrição falta de chuva Baixa Restrição Geadas ou baixas temperaturas Média restrição falta de chuva Chuvas desfavoráveis para a uni- formidade das floradas * (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita ** maior concentração na região norte Quadro 3 – Monitoramento agrometeorológico: análise de parte do período vegetativo e reprodutivo da safra 2019, com os possíveis impactos de acordo com as fases* do café conilon** no Espírito Santo Espírito Santo Ano 2018 2019 Meses Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Fases* F F/CH F/CH/EF CH/EF GF GF GF GF/M M/C C C C Quadro 2 – Monitoramento agrometeorológico: análise de parte do período vegetativo e reprodutivo da safra 2019, com os possíveis impactos de acordo com as fases* do café arábica** no Espírito Santo * (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita ** maior concentração na região sul Espírito Santo Ano 2018 2019 Meses Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Fases* F F/CH F/CH/EF CH/EF GF GF GF GF/M M/C C C C C C C
  • 32. 32 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 7.3. São Paulo As primeiras chuvas registradas no início do ciclo (entre agosto e setembro de 2018) proporcionaram a intensificação da floração nas lavouras paulistas, ce- nário favorável que perdurou até novembro de 2018. A partir de dezembro de 2018 houve ocorrência de veranico, impactando no enchimento dos frutos e em seu respectivo rendimento. No período entre feverei- ro e abril,as condições climáticas voltaram a se equili- brar com o retorno das precipitações e o aumento da armazenagem hídrica nos solos. A estação mais seca passou a vigorar a partir de maio, porém tais condi- ções favoreceram a operação de colheita dos grãos e a sua maturação. Atualmente a safra está em fase final de colheita e o produto colhido, até o momento, é considerado de qualidade moderada,com alguns problemas apresen- tados, especialmente em razão da desuniformidade dos frutos. De maneira geral, a produção está estimada em 4.367,7 mil sacas, indicando redução de 30,7% em comparação a 2018. Tal variação está associada à di- minuição da produtividade média, principalmente pelas oscilações climáticas e pela bienalidade negati- va, bem como em razão da menor destinação de área para tal produção. Vale ressaltar o difícil manejo que os produtores estão enfrentando para o controle da broca do café. Com a proibição da utilização de um componente químico bastante difundido e largamente utilizado nas lavou- ras, denominado Endosulfam, o segmento não tem encontrado alternativas eficientes e de baixo custo. O inseto é um pequeno besouro que se alimenta dos frutos, causando redução no peso dos grãos. Além disso,os frutos atacados por esse coleóptero,também perdem em qualidade, diminuindo o valor final da saca do produto. São Paulo Ano 2017 2018 Meses Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Fases* F F/CH CH/EF EF GF GF GF GF/M M/C M/C C C C C Quadro 4 – Monitoramento agrometeorológico: análise de parte do período vegetativo e reprodutivo da safra 2019, com os possíveis impactos de acordo com as fases* do café em São Paulo * (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita Fonte: Conab. 7.4. Bahia Atlântico Na região que produz exclusivamente café conilon, a estimativa é de colheita na ordem de 1.600 mil sacas beneficiadas, em 37 mil hectares que estão concen- As operações de colheita estão avançando nas três grandes regiões cafeicultoras do estado: Atlântico, Planalto e Cerrado. Ao todo foram cultivados cerca de 97,3 mil hectares para a produção de café nesta safra, sendo 60,3 mil hectares destinados ao café arábica (nas regiões do Planalto e do Cerrado baiano) e 37 mil hectares para o café conilon (exclusivamente na re- gião do Atlântico). Nas três regiões produtoras houve redução de área em produção quando comparadas a 2018. Isso se deve a fatores como: erradicação de la- vouras pouco produtivas,ajustes no mapeamento das áreas cafeicultoras do estado e menores investimen- Favorável Baixa restrição falta de chuva Baixa Restrição Geadas ou baixas temperaturas Média restrição falta de chuva Chuvas desfavoráveis para a uni- formidade das floradas Baixa restrição Excesso de chuvas tos devido à expectativa de bienalidade negativa na safra atual. A expectativa de produção é de 2.800 mil sacas de café beneficiadas nessa temporada, apontando de- créscimo de 38,5% em relação ao ano anterior. A estia- gem ocorrida entre dezembro de 2018 e fevereiro de 2019, a bienalidade negativa, a poda de áreas em pro- dução, o ataque de pragas e doenças, além da menor utilização de fertilizantes,são alguns dos motivos que explicam a diminuição das produtividades médias e do volume final produzido. trados na região sul do estado, especialmente nas mi- crorregiões do Extremo-Sul, Costa do Descobrimento, Litoral Sul e Baixo Sul. Em comparação ao ciclo pas-
  • 33. 33CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. sado, essa área em produção sinaliza decréscimo de 22,4%. Isso se deve principalmente à erradicação de lavouras de café no Baixo Sul e Litoral Sul, que foram substituídas por outras culturas, em especial, a for- mação de pastagens e produção de frutíferas.A maior parte da cafeicultura realizada no Atlântico é admi- nistrada por agricultores empresariais, com o intenso uso de insumos e produção altamente tecnificada, al- cançando elevadas produtividades médias. Para esta safra,a perspectiva é de redução no rendimen- to médio em comparação a 2018, ficando em 43,24 scs/ ha. Houve registro de danos econômicos causados pelo ataque de broca da haste em meados de novembro de 2018 nas lavouras das microrregiões da Costa do Des- cobrimento e Litoral Sul, bem como das intempéries cli- máticas ocorridas em janeiro,fevereiro e março,com re- gistros de baixa pluviosidade,baixa umidade relativa do ar, alta insolação e alta evapotranspiração. No referido trimestre as plantas de café sofreram intenso estresse fisiológico, prejudicando a formação dos grãos de café nos frutos que estavam em expansão e enchimento. Cerrado Na região, a expectativa de produção é de 300 mil sacas beneficiadas, em 9 mil hectares. O cultivo é predomi- nantemente de café arábica em sistema irrigado. Essa estimativa de área em produção representa decréscimo de 20,4% em relação a 2018,isso é devido à erradicação e renovação de lavouras pouco produtivas. O efeito da bienalidade negativa influenciou na estima- tiva de redução da produtividade média em comparação ao ano anterior. São esperados 33,33 scs/ha,representan- do diminuição de 24,2%.Ressalta-se que o veranico ocor- ridonaregiãoentredezembrode2018efevereirode2019 não impactou diretamente o rendimento médio da cul- tura em relação a sua demanda hídrica. Com a irrigação suplementar realizada, não houve registro de estresse, porém ocorreu aumento nos custos com horas de irriga- ção e maior infestação de bicho mineiro, demandando intenso controle. Planalto Cerca de 83% dos 51,3 mil hectares destinados à pro- dução de café no Planalto baiano já estão colhidos. A expectativa final é de um volume de 900 mil sacas beneficiadas, com uma produtividade média de 17,53 scs/ha. Houve redução tanto na área cultivada, quan- to no rendimento médio e na produção esperada, quando comparadas à safra anterior. A erradicação de lavouras, especialmente na microrregião de Brejões, o ajuste da área cultivada nas microrregiões de Vitória da Conquista e Chapada Diamantina, com base no mapeamento realizado por monitoramento remoto e geoprocessamento, as altas temperaturas registradas ao longo do ciclo, bem como a ocorrência de verani- co e os efeitos da bienalidade negativa foram fatores preponderantes para as variações apresentadas neste ano. As adversidades climáticas, por exemplo, provocaram a antecipação da colheita, com a obtenção de frutos com maturação forçada devido ao ressecamento, ca- racterizando o “café velado”. Além disso, houve con- centração das operações de colheita em um período curto, gerando escassez de mão de obra para a reali- zação de toda demanda. Quadro 5 – Monitoramento agrometeorológico: análise de parte do período vegetativo e reprodutivo da safra 2019, com os possíveis impactos de acordo com as fases* do café na Bahia. * (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita ** cultivos irrigados *** restrição por altas temperaturas Bahia Ano 2018 2019 Meses Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Fases* Cerrado** F*** F*** CH EF EF GF GF GF/M M/C M/C C C C Planalto F F F/CH CH/EF GF GF GF GF/M M/C M/C C C C C Atlântico F F F/CH CH/EF GF GF GF/M M M/C C C Fonte: Conab. Favorável Baixa restrição falta de chuva Média restrição falta de chuva Previsão - Prognóstico climático/climatologia
  • 34. 34 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 7.5. Rondônia 7.5.1. Condições climáticas As condições climáticas foram consideradas favoráveis ao desenvolvimento da cultura durante todo o ciclo. En- tre junho de 2018 e agosto de 2018 (coincidente com a estação seca no estado) as chuvas foram escassas, o sol forte, a umidade relativa do ar baixa e o calor intenso. A partir de setembro houve a transição entre as estações seca e chuvosa,porém as primeiras precipitações foram irregulares e de pouca intensidade. Já em outubro as chuvas passaram a ter melhor distribuição pelo estado, com índices maiores, favorecendo a recuperação da la- voura e o desenvolvimento dos frutos. De novembro de 2018 até março de 2019,as precipitações foram intensas e bem distribuídas. A partir de abril houve redução nos índices pluviométricos com a iminente entrada da esta- ção mais seca no estado, coincidindo com o período de maturação e colheita dos grãos de café. 7.5.2. Condições da cultura Nesta safra, a houve redução da área em produção de 1,8% em comparação à temporada passada. A cafei- cultura rondoniense está adotando um novo padrão de produção, com a utilização de um material genéti- co mais produtivo (café clonal) e demandando menor área para tal finalidade. Neste ano foram 62,7 mil hec- tares destinados à produção de café exclusivamente do tipo conilon. O rendimento médio apresentou incremento em comparação a 2018, principalmente estimulado pelo processo de renovação das lavouras com a uti- lização de clones selecionados, implantação da la- voura com espaçamentos mais adequados, melhor manejo da cultura, especialmente em relação a sua nutrição, adubação e irrigação, assim como as con- dições climáticas favoráveis. Foram cerca de 33,43 scs/ha, perfazendo uma produção de 2.097 mil sa- cas beneficiadas. Quadro 6 – Monitoramento agrometeorológico: análise do período reprodutivo da safra 2019, com os possíveis impactos de acordo com as fases* do café em Rondônia * (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita Rondônia Ano 2018 2019 Meses Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Fases* F F CH EF EF GF GF GF/M M/C M/C C C Fonte: Conab. 7.6. Paraná A colheita do café no estado está praticamente en- cerrada, com o avanço das operações favorecido, nas últimas semanas, em razão dos menores índices de precipitação. De maneira geral, houve diminuição da área em produção e da produtividade média, impac- tando diretamente a projeção do volume total colhi- do. Foram 37,3 mil hectares destinados à cafeicultura nesta safra, com um rendimento médio de 25,47 scs/ ha e uma produção na ordem de 950 mil sacas de café arábica. Intempéries climáticas registradas ao longo do ciclo da cultura, além de floradas irregulares e de- suniformes, influenciaram essas variações negativas nos parâmetros produtivos. A qualidade dos grãos também foi afetada, com a má formação destes e a consequente redução de seus pesos. Além disso, a constatação de elevado percentual de “frutos broca- dos” também contribuiu para uma produção menor que a esperada inicialmente. Favorável Baixa restrição falta de chuva Média restrição falta de chuva Previsão - Prognóstico climático/climatologia
  • 35. 35CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Quadro 7 – Monitoramento agrometeorológico: análise do período reprodutivo da safra 2019, com os possíveis impactos de acordo com as fases* do café em Paraná * (F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita ** restrição aos cultivos de ciclo tardio Paraná Ano 2018 2019 Meses Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Fases* F F/CH CH/EF EF GF GF GF GF/M** M/C M/C C C Fonte: Conab. As condições meteorológicas oscilaram durante o ciclo da cultura, com bons índices pluviométricos e temperaturas médias amenas em um determinado período, assim como ausência de precipitação e tem- peraturas elevadas em fases importantes do desen- volvimento das lavouras (especialmente a ocorrência de veranico no início de 2019). No geral, houve dimi- nuição da produtividade média, ficando em 24,25 scs/ ha, sendo 15,7% inferior ao rendimento obtido na sa- fra passada. Além disso, os efeitos da bienalidade ne- gativa interferem em tal resultado. A área em produção também apresentou decréscimo em relação ao ano anterior,chegando a 11,4 mil hectares. Tais números influenciaram diretamente na perspec- tiva de produção do café no estado, alcançando 276 mil sacas beneficiadas. A colheita está praticamente finalizada e isso aponta redução de 20,2% em compa- ração ao resultado obtido 2018. 7.7. Rio de Janeiro Favorável Baixa restrição falta de chuva Média restrição falta de chuva Previsão - Prognóstico climático/climatologia 7.8. Goiás As lavouras foram beneficiadas pelo bom regime de chuvas em grande parte do desenvolvimento da cultu- ra,com baixa restrição registrada apenas em janeiro de 2019, devido a um período de veranico, mas com reto- mada das condições favoráveis a partir de fevereiro.Fo- ram cerca de 6,6 mil hectares em produção nesta safra, representando incremento de área de 11,3% em relação à temporada passada. A região sul e central do estado apresentou bom de- senvolvimento das lavouras e consequentemente bons resultados de rendimento e qualidade dos grãos colhidos. Na região leste, principal região produtora, o resultado foi considerado abaixo do esperado,especial- mente em razão da qualidade do grão, cujo alto per- centual veio oriundo da colheita de “varredura”, reali- zada após a queda dos frutos no chão e que denota em um produto de qualidade inferior. Ao todo foram colhidas cerca de 236,3 mil sacas de café beneficiadas no estado,nesta safra,com um rendimen- to médio na ordem de 35,94 scs/ha. Esses números correspondem a um aumento de 20,9% e 8,6%,respec- tivamente, quando comparados aos resultados verifi- cados na temporada anterior * F)=floração; (CH)=formação dos chumbinhos; (EF)=expansão dos frutos; (GF)=granação dos frutos; (M)=maturação; (C)=colheita ** Cultivos irrigados *** Restrição por altas temperaturas e indisponibilidade hídrica para irrigação Quadro 8 – Monitoramento agrometeorológico: análise do período reprodutivo da safra 2019, com os possíveis impactos de acordo com as fases* do café em Goiás** Goiás Ano 2018 2019 Meses Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Fases* F*** F*** CH EF EF GF GF GF/M M/C M/C C C C Fonte: Conab. Favorável Baixa restrição falta de chuva Baixa Restrição Geadas ou baixas temperaturas Média restrição falta de chuva Chuvas desfavoráveis para a uni- formidade das floradas Baixa restrição Excesso de chuvas
  • 36. 36 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 7.9. Mato Grosso O manejo da cafeicultura no estado está em trans- formação. As lavouras mais velhas, com espaçamen- tos maiores, estão sendo substituídas por áreas mais adensadas,utilizando-se de matérias mais produtivos e que tenham uma produtividade maior para um me- lhor aproveitamento de área. Dessa forma, a destina- ção de área para a produção do café foi menor nesta safra em comparação ao ano passado.Tal variação foi de 9,5%, perfazendo uma área de 8,4 mil hectares. A produtividade média obtida foi 28,8% superior a 2018, alcançando 14,41 scs/ha. Os materiais clonais mais produtivos têm um papel preponderante nessa variação positiva do rendimento médio. Quanto à produção, a compensação da diminuição de área em relação ao incremento da produtividade média fez com que o volume colhido fosse maior que àquele verificado no exercício passado. Foram aproxi- madamente 121,4 mil sacas beneficiadas, apresentan- do crescimento de 16,5% em comparação às 104,2 mil sacas de café produzidas no ano anterior.
  • 37. 37CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 8. Preços do café beneficiado
  • 38. 38 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Gráfico 16 - Preços de café arábica - PR Gráfico 17 - Preços de café arábica - BA Gráfico 18 - Preço de café arábica - ES Gráfico 19 - Preços deccafé conilon - RO Fonte: Conab. Fonte: Conab. Fonte: Conab. Fonte: Conab. 383,70 378,50 394,25 406,01 388,50 375,03 372,42 363,41 346,17 341,82 360,58 381,43 373,05 379,97 374,55 384,35 399,07 384,58 370,99 371,58 359,88 341,77 333,51 349,68 370,06 366,39 390,47 384,36 392,32 404,86 399,13 385,72 382,06 371,24 356,90 345,54 362,50 384,63 372,40 250,00 275,00 300,00 325,00 350,00 375,00 400,00 425,00 ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19 Preços Cornélio Procópio Londrina Apucarana 412,72 405,00 418,04 425,68 418,88 402,72 397,50 388,45 380,00 378,80 394,38 401,52 384,20 382,17 371,25 391,11 390,23 374,25 369,78 366,25 363,33 356,25 349,57 362,50 378,48 373,64 300,00 325,00 350,00 375,00 400,00 425,00 450,00 ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19 Preços Barreiras Vitória da Conquista 355,57 341,50 345,00 370,23 339,25 329,35 342,10 332,24 308,00 303,83 328,00 324,57 296,14 350,22 335,00 339,57 355,23 345,00 324,78 333,75 320,48 306,25 300,00 318,75 305,22 292,27 356,26 341,50 343,70 369,55 336,75 326,57 339,60 330,81 307,50 305,35 323,00 316,74 294,55 288,00 298,00 308,00 318,00 328,00 338,00 348,00 358,00 368,00 378,00 ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19 Preços Brejetuba Iúna Vargem Alta 292,39 288,91 285,00 273,91 272,50 266,43 260,00 248,48 240,00 240,00 241,48 200,00 210,00 220,00 230,00 240,00 250,00 260,00 270,00 280,00 290,00 300,00 ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19 Preços Alta Floresta D.Oeste Alto Alegre dos Parecis São Miguel do Guaporé
  • 39. 39CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. Gráfico 20 - Preços de café arábica - MG Gráfico 21 - Preços de café arábica - SP Gráfico 22 - Preços devcafé conilon - ES Fonte: Conab. Fonte: Conab. Fonte: Conab. 360,00 385,00 410,00 435,00 460,00 ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19 Preços Campos Altos Varginha Araguari Monte Carmelo São Sebastião do Paraíso 417,06 385,91 400,99 420,19 402,13 396,95 392,86 385,24 379,43 374,24 384,45 394,12 388,26 435,65 420,00 439,54 441,48 425,00 415,22 407,25 400,71 382,50 389,35 396,94 419,97 398,90 422,39 415,00 435,87 437,50 420,00 403,48 407,50 392,86 375,00 376,75 396,46 419,57 396,11 350,00 360,00 370,00 380,00 390,00 400,00 410,00 420,00 430,00 440,00 450,00 ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19 Preços Marília Franca Espírito Santo do Pinhal 298,70 301,25 304,57 309,32 292,50 276,74 281,75 276,19 267,27 256,30 275,00 260,43 260,68 302,76 299,50 307,83 316,36 300,63 286,30 284,00 282,62 271,59 261,85 275,00 265,87 263,75 0,00 50,00 100,00 150,00 200,00 250,00 300,00 350,00 ago/18 set/18 out/18 nov/18 dez/18 jan/19 fev/19 mar/19 abr/19 mai/19 jun/19 jul/19 ago/19 Preços Jaguaré Nova Venécia São Gabriel da Palha
  • 40. 40 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 9. Parque cafeeiro
  • 41. 41CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. REGIÃO/UF PARQUE CAFEEIRO EM FORMAÇÃO (mil covas) EM PRODUÇÃO (mil covas) TOTAL (mil covas) Safra 2018 (a) Safra 2019 (b) VAR. % (b/a) Safra 2018 (c) Safra 2019 (D) VAR. % (d/c) Safra 2018 (e) Safra 2019 (F) VAR. % (f/e) NORTE 21.193,0 23.815,0 12,4 156.117,0 159.418,0 2,1 177.310,0 183.233,0 3,3 RO 21.193,0 23.815,0 12,4 156.117,0 159.418,0 2,1 177.310,0 183.233,0 3,3 NORDESTE 26.899,0 47.581,0 76,9 455.902,0 348.368,0 (23,6) 482.801,0 395.949,0 (18,0) BA 26.899,0 47.581,0 76,9 455.902,0 348.368,0 (23,6) 482.801,0 395.949,0 (18,0) Cerrado 5.154,0 12.650,0 145,4 62.150,0 49.500,0 (20,4) 67.304,0 62.150,0 (7,7) Planalto 12.088,0 23.911,0 97,8 234.911,0 169.368,0 (27,9) 246.999,0 193.279,0 (21,7) Atlântico 9.657,0 11.020,0 14,1 158.841,0 129.500,0 (18,5) 168.498,0 140.520,0 (16,6) CENTRO-OESTE 14.774,5 15.148,3 2,5 38.140,4 40.213,4 5,4 52.914,9 55.361,7 4,6 MT 8.490,0 9.245,8 8,9 14.369,5 15.940,3 10,9 22.859,5 25.186,1 10,2 GO 6.284,5 5.902,5 (6,1) 23.770,9 24.273,1 2,1 30.055,4 30.175,6 0,4 SUDESTE 960.799,5 1.107.298,3 15,2 5.162.645,8 5.080.906,9 48,2 6.123.445,3 6.188.205,2 1,1 MG 783.947,5 955.028,3 21,8 3.419.285,4 3.337.092,2 (2,4) 4.203.232,9 4.292.120,5 2,1 Sul e Centro-Oeste 406.561,3 601.672,0 48,0 1.657.242,5 1.601.075,8 (3,4) 2.063.803,8 2.202.747,8 6,7 Triângulo, Alto Paranaiba e Noroeste 171.315,3 160.938,4 (6,1) 733.462,5 719.914,0 (1,8) 904.777,8 880.852,4 (2,6) Zona da Mata, Rio Doce e Central 196.099,6 178.196,9 (9,1) 940.429,5 932.701,5 (0,8) 1.136.529,1 1.110.898,4 (2,3) Norte, Jequitinhonha e Mucuri 9.971,3 14.221,0 42,6 88.150,9 83.400,9 (5,4) 98.122,2 97.621,9 (0,5) ES 131.394,0 103.747,0 (21,0) 1.052.324,0 1.060.356,0 0,8 1.183.718,0 1.164.103,0 (1,7) RJ 4.280,9 6.792,6 58,7 42.767,6 40.119,3 (6,2) 47.048,5 46.911,9 (0,3) SP 41.177,1 41.730,4 1,3 648.268,8 643.339,4 (0,8) 689.445,9 685.069,8 (0,6) SUL 14.400,0 13.000,0 (9,7) 130.600,0 130.000,0 (0,5) 145.000,0 143.000,0 (1,4) PR 14.400,0 13.000,0 (9,7) 130.600,0 130.000,0 (0,5) 145.000,0 143.000,0 (1,4) OUTROS (*) 2.948,4 2.357,4 (20,0) 15.903,8 23.230,3 46,1 18.852,2 25.587,7 35,7 NORTE/NORDESTE 48.092,0 71.396,0 48,5 612.019,0 507.786,0 (17,0) 660.111,0 579.182,0 (12,3) CENTRO-SUL 989.974,0 1.135.446,6 14,7 5.331.386,2 5.251.120,3 (1,5) 6.321.360,2 6.386.566,9 1,0 BRASIL 1.041.014,4 1.209.200,0 16,2 5.959.309,0 5.782.136,6 (3,0) 7.000.323,4 6.991.336,6 (0,1) Tabela 7 - Café total (arábica e conilon) - Comparativo de parque cafeeiro em formação, em produção e total Legenda: (*) Acre, Amazonas, Pará, Ceará, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019.
  • 42. 42 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. REGIÃO/UF PARQUE CAFEEIRO EM FORMAÇÃO (mil covas) EM PRODUÇÃO (mil covas) TOTAL (mil covas) Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % NORDESTE 17.242,0 36.561,0 112,0 297.061,0 218.868,0 (26,3) 314.303,0 255.429,0 (18,7) BA 17.242,0 36.561,0 112,0 297.061,0 218.868,0 (26,3) 314.303,0 255.429,0 (18,7) Cerrado 5.154,0 12.650,0 145,4 62.150,0 49.500,0 (20,4) 67.304,0 62.150,0 (7,7) Planalto 12.088,0 23.911,0 97,8 234.911,0 169.368,0 (27,9) 246.999,0 193.279,0 (21,7) CENTRO-OESTE 6.301,2 5.902,5 (6,3) 23.875,1 24.273,1 1,7 30.176,3 30.175,6 - MT 16,70 - (100,0) 104,2 - (100,0) 120,9 - (100,0) GO 6.284,5 5.902,5 (6,1) 23.770,9 24.273,1 2,1 30.055,4 30.175,6 0,4 SUDESTE 886.056,0 1.045.409,0 18,0 4.601.793,0 4.508.566,3 (2,0) 5.487.849,0 5.553.975,3 1,2 MG 781.547,0 949.633,0 21,5 3.375.558,6 3.305.309,6 (2,1) 4.157.105,6 4.254.942,6 2,4 Sul e Centro-Oeste 406.561,3 601.672,0 48,0 1.657.242,5 1.601.075,8 (3,4) 2.063.803,8 2.202.747,8 6,7 Triângulo, Alto Paranaiba e Noroeste 171.315,3 160.938,4 (6,1) 733.462,5 719.914,0 (1,8) 904.777,8 880.852,4 (2,6) Zona da Mata, Rio Doce e Central 194.490,5 174.580,3 (10,2) 911.903,5 911.967,5 - 1.106.394,0 1.086.547,8 (1,8) Norte,Jequitinhonha e Mucuri 9.179,9 12.442,3 35,5 72.950,1 72.352,3 (0,8) 82.130,0 84.794,6 3,2 ES 59.051,0 47.253,0 (20,0) 535.198,0 519.798,0 (2,9) 594.249,0 567.051,0 (4,6) RJ 4.280,9 6.792,6 58,7 42.767,6 40.119,3 (6,2) 47.048,5 46.911,9 (0,3) SP 41.177,1 41.730,4 1,3 648.268,8 643.339,4 (0,8) 689.445,9 685.069,8 (0,6) SUL 14.400,0 13.000,0 (9,7) 130.600,0 130.000,0 (0,5) 145.000,0 143.000,0 (1,4) PR 14.400,0 13.000,0 (9,7) 130.600,0 130.000,0 (0,5) 145.000,0 143.000,0 (1,4) OUTROS (*) 1.831,5 294,3 (83,9) 12.328,8 15.808,9 28,2 14.160,3 16.103,2 13,7 NORTE/NORDESTE 17.242,0 36.561,0 112,0 297.061,0 218.868,0 (26,3) 314.303,0 255.429,0 (18,7) CENTRO-SUL 906.757,2 1.064.311,5 17,4 4.756.268,1 4.662.839,4 (2,0) 5.663.025,3 5.727.150,9 1,1 BRASIL 925.830,7 1.101.166,8 18,9 5.065.657,9 4.897.516,3 (3,3) 5.991.488,6 5.998.683,1 0,1 Tabela 8 - Café arábica - Comparativo de parque cafeeiro em formação, em produção e total Legenda: (*) Ceará, Amazonas, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em Setembro/2019. Tabela 9 - Café conilon - Comparativo de parque cafeeiro em formação, em produção e total REGIÃO/UF PARQUE CAFEEIRO EM FORMAÇÃO (mil covas) EM PRODUÇÃO (mil covas) TOTAL (mil covas) Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % Safra 2018 Safra 2019 VAR. % NORTE 21.193,0 23.815,0 12,4 156.117,0 159.418,0 2,1 177.310,0 183.233,0 3,3 RO 21.193,0 23.815,0 12,4 156.117,0 159.418,0 2,1 177.310,0 183.233,0 3,3 NORDESTE 9.657,0 11.020,0 14,1 158.841,0 129.500,0 (18,5) 168.498,0 140.520,0 (16,6) BA 9.657,0 11.020,0 14,1 158.841,0 129.500,0 (18,5) 168.498,0 140.520,0 (16,6) Atlântico 9.657,0 11.020,0 14,1 158.841,0 129.500,0 (18,5) 168.498,0 140.520,0 (16,6) CENTRO-OESTE 8.473,3 9.245,8 9,1 14.265,3 15.940,3 11,7 22.738,6 25.186,1 10,8 MT 8.473,3 9.245,8 9,1 14.265,3 15.940,3 11,7 22.738,6 25.186,1 10,8 SUDESTE 74.743,5 61.889,3 (17,2) 560.852,8 572.340,6 2,0 635.596,3 634.229,9 (0,2) MG 2.400,5 5.395,3 124,8 43.726,8 31.782,6 (27,3) 46.127,3 37.177,9 (19,4) Zona da Mata, Rio Doce e Central 1.609,1 3.616,6 124,8 28.526,0 20.734,0 (27,3) 30.135,1 24.350,6 (19,2) Norte, Jequitinhonha e Mucuri 791,4 1.778,7 124,8 15.200,8 11.048,6 (27,3) 15.992,2 12.827,3 (19,8) ES 72.343,0 56.494,0 (21,9) 517.126,0 540.558,0 4,5 589.469,0 597.052,0 1,3 OUTROS (*) 1.116,9 2.063,1 84,7 3.575,0 7.421,4 107,6 4.691,9 9.484,5 102,1 NORTE/NORDESTE 30.850,0 34.835,0 12,9 314.958,0 288.918,0 (8,3) 345.808,0 323.753,0 (6,4) CENTRO-SUL 83.216,8 71.135,1 (14,5) 575.118,1 588.280,9 2,3 658.334,9 659.416,0 0,2 BRASIL 115.183,7 108.033,2 (6,2) 893.651,1 884.620,3 (1,0) 1.008.834,8 992.653,5 (1,6) Legenda: (*) Amazonas, Pará, Acre e Ceará. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019.
  • 43. 43CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 10. Calendário de colheita
  • 44. 44 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019. 0,0 0,0 0,4 3,6 18,8 25,0 27,7 18,1 5,1 1,0 0,2 0,1 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Empercentual(%) Tabela 9 – Estimativa mensal de colheita de café total (arábica e conilon) Gráfico 23 – Estimativa mensal de colheita de café total (arábica e conilon) Legenda: * Acre, Ceará, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019. Fonte: Conab. Nota: Estimativa em setembro/2019. U.F PROD. MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd % Qtd NORTE 2.097,0 10,0 209,7 30,0 629,1 35,0 734,0 20,0 419,4 5,0 104,9 - - - - - - - - - - RO 2.097,0 10,0 209,7 30,0 629,1 35,0 734,0 20,0 419,4 5,0 104,9 - - - - - - - - - - NORDESTE 2.800,0 - - 2,1 59,0 28,4 795,4 30,7 859,3 18,2 509,7 15,2 426,3 4,6 129,6 0,7 20,7 - - - - BA 2.800,0 - - 2,3 59,0 22,6 795,4 26,4 859,3 20,8 509,7 19,1 426,3 7,6 129,6 1,2 20,7 - - - - Cerrado 300,0 - - - - 20,0 60,0 20,0 60,0 30,0 90,0 30,0 90,0 - - - - - - - - Planalto 900,0 - - 3,0 27,0 10,6 95,4 17,7 159,3 25,3 227,7 26,7 240,3 14,4 129,6 2,3 20,7 - - - - Atlântico 1.600,0 - - 2,0 32,0 40,0 640,0 40,0 640,0 12,0 192,0 6,0 96,0 - - - - - - - - CENTRO- OESTE 357,7 - - 7,5 26,8 17,3 61,8 41,9 149,9 30,0 107,3 3,3 11,8 - - - - - - - - MT 121,4 - - 22,1 26,8 41,2 50,0 35,9 43,6 0,8 1,0 - - - - - - - - - - GO 236,3 - - - - 5,0 11,8 45,0 106,3 45,0 106,3 5,0 11,8 - - - - - - - - SUDESTE 42.636,3 - - 2,3 976,9 17,2 7.326,2 24,8 10.572,4 29,2 12.458,7 19,4 8.269,1 5,6 2.382,1 1,1 462,4 0,3 121,2 0,2 67,4 MG 24.521,6 - - 1,0 245,2 15,0 3.678,2 22,0 5.394,8 30,0 7.356,5 23,0 5.640,0 8,0 1.961,7 1,0 245,2 - - - - ES 13.471,0 - - 4,1 552,3 24,4 3.286,9 31,5 4.243,4 26,20 3.529,4 8,5 1.145,0 2,3 309,8 1,6 215,5 0,9 121,2 0,5 67,4 RJ 276,0 - - 1,7 4,7 4,2 11,6 22,0 60,7 31,8 87,8 31,3 86,4 8,4 23,2 0,6 1,7 - - - - SP 4.367,7 - - 4,0 174,7 8,0 349,4 20,0 873,5 34,0 1.485,0 32,0 1.397,7 2,0 87,4 - - - - - - SUL 950,0 - - 5,0 47,5 26,0 247,0 21,0 199,5 34,0 323,0 14,0 133,0 - - - - - - - - PR 950,0 - - 5,0 47,5 26,0 247,0 21,0 199,5 34,0 323,0 14,0 133,0 - - - - - - - - OUTROS 150,8 - - 10,0 15,1 20,0 30,2 30,0 45,2 30,0 45,2 5,0 7,5 5,0 7,5 - - - - - - NORTE/ NORDESTE 4.897,0 4,3 209,7 14,1 688,1 31,2 1.529,4 26,1 1.278,7 12,5 614,6 8,7 426,3 2,6 129,6 0,4 20,7 - - - - CENTRO-SUL 43.944,0 - - 2,4 1.051,3 17,4 7.635,0 24,9 10.921,8 29,3 12.889,0 19,1 8.413,9 5,4 2.382,1 1,1 462,4 0,3 121,2 0,2 67,4 BRASIL 48.991,8 0,4 209,7 3,6 1.754,4 18,8 9.194,5 25,0 12.245,7 27,7 13.548,8 18,1 8.847,7 5,1 2.519,2 1,0 483,1 0,2 121,2 0,1 67,4
  • 46. Distribuição: Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) Diretoria de Política Agrícola e Informações (Dipai) Superintendência de Informações do Agronegócio (Suinf) Gerência de Levantamento e Avaliação de Safras (Geasa) SGAS Quadra 901 Bloco A Lote 69, Ed. Conab - 70390-010 – Brasília – DF (61) 3312-6277/6264/6230 http://www.conab.gov.br / geasa@conab.gov.br
  • 47. 47CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.
  • 48. 48 CONAB | ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA DE CAFÉ | v. 5 - Safra 2019, n. 3 - terceiro levantamento, setembro de 2019.