SlideShare uma empresa Scribd logo
-934533399042Antropologia da Imagem<br />                                A<br />                        matança<br />                            do porco<br />Docente: João Maia e Carmo<br />Discente: Tânia Prates<br />ÍNDICE<br />INTRODUÇÃO<br />Cada vez é mais rara a criação doméstica do porco e tende a desaparecer a tradição da matança. <br />A matança do porco com os seus rituais, era uma necessidade básica que servia para suprir a falta de carne, na grande maioria das casas de antigamente. Com o fluxo migratório para os grandes centros urbanos, além de provocar algum despovoamento, o contacto com outros hábitos alimentares culturais diferentes, alterou o sistema de alimentação vigente.<br />No entanto, mesmo com algumas alterações, há pessoas que continuam a manter viva a tradição da matança do porco, não por necessidade, mas pelo gosto de ter em casa aquilo que com esforço ajudaram a criar.<br />Sendo este um ritual milenar, foram editados vários livros, artigos, estudos etnográficos sobre o acto da matança do porco e a sua importância nas relações interpessoais na comunidade. Durante três dias tive oportunidade de conviver com uma simpática família, que partilhou em cada momento a sua experiência e hábitos de vida. Neste meu trabalho terei a preocupação de transmitir o que observei. Partirei, por isso, da realidade dos factos e de alguma literatura produzida sobre a matança do porco. Apesar de ser uma tradição, não deixa de ser um acto violento, mas devemos insistir para que as memórias não caiam no esquecimento.<br />O DIA DA MATANÇA<br />O sangramento<br />A região que escolhi para falar sobre a matança do porco é o distrito de Santarém, mais propriamente o concelho de Coruche.<br />Na manhã do dia 24 de Abril de 2010, às 6:30 da manhã, ainda o sol estava meio adormecido,  a azáfama era grande e a família Parreira preparava-se para mais um dos seus rituais: matar dois porcos, criados em ambiente doméstico durante alguns meses. Os convidados da família Parreira iam chegando para beber o café da manhã. O café consiste numas passas de figo , pedaços de bolo de mel, café e alguns homens completando com o chamado “mata bicho”, uma mistura feita de aguardente e café. <br />Os homens tratam de matar o porco e cortar a carne, as mulheres tratam da cozinha, preparam as carnes confeccionam as refeições e os enchidos. <br />A dona da casa distribui ordens precisas ás companheiras, é preciso preparar os “panos” e as “rodilhas”, os “alguidades”, o balde com limões e cebolas cortados aos pedaços para depois lavar as tripas. Apesar de todo este aparato a dona da casa está triste pela perda de uma amizade conseguida ao longo de doze meses, porque foi o porco o seu inseparável companheiro ao qual dedicou parte do seu tempo e vai-se lamentando “eu viu-o crescer, ele até já conhecia a minha voz. Era já como uma pessoa de família....”<br />Na pocilga, o porco esconde-se bem ao fundo, nervoso sente que algo está para acontecer.<br />Ao mando do dono da casa, os familiares e amigos homens aproximam-se da pocilga, avaliam o animal as arrobas e preparam-se para o acto. A “trepeça de madeira”, a corda de nylon para atar as patas do animal, o “alguidar” para o sangue e a faca são alguns utensílios essenciais para a concretização do acto. Os mais novos, curiosos, observam a movimentação, sempre receosos dos grunhidos do porco e de alguma eventual fuga. <br />Os mais destemidos preparam-se para filar o porco, dentro da pocilga o dono da casa e o filho tentam atar uma das patas do animal para este não fugir. É necessária muita força,  o porco ao ver-se cercado esperneia e solta grunhidos de revolta, até que o filho do dono passa o “arganel” pelo focinho e aperta o “nó corrediço”. Num gesto de agilidade e força, o porco é empurrado e arrastado para junto da “trepeça”. As mãos possantes dos homens, conduzem o animal para cima da “trepeça”, cada um com a sua função específica seguram o animal para este não se mexer. Um aperta o focinho do porco com o cordel fino para não morder, outro segura o pescoço do porco de modo que o sangue escorra para o “alguidar”, os outros seguram as  patas e o rabo.<br />A dona da casa carrega o “alguidar de plástico” que antigamente era de barro para junto da trapeça e ajeita-o debaixo da cabeça do animal para o sangue cair diretamente para dentro deste.<br />Surge o “matador” de faca em punho, lâmina afiada e comprida, introduz a lâmina fatal no tórax, do lado esquerdo do animal, a fim de ir directa ao coração (é aconselhável não matar à primeira tentativa para haver melhor escoamento do sangue, bem como melhor limpar as artérias para a boa conservação da carne).<br /> O animal começa a jorrar fluxos de sangue quente em desesperados e dolorosos grunhidos, alguns salpicos sujam a cara da dona da casa, esta tenta esquecer a todo o custo a agonia do animal, com a colher de pau  mexe o sangue num vai-vêm  para o sangue não coalhar. É o único momento em que há contacto ou aproximação entre as mulheres e o processo específico da matança do animal.<br />1.2- Imagens seqüenciais do acto do sangramento do porco<br />TrepeçaPreparação dos utencílios3-   Nó corrediçoColocação do porco em cima da trepeçaImobilização do porco6-  O sangramento do porco<br />2-A CHAMUSCAGEM DO PORCO <br />2.1-  Chamuscar<br />Começa a segunda fase da matança, antigamente o processo da chamuscagem do animal era feito com carqueja ou tojo, que se fazia arder em molhos pequenos. Hoje em dia este processo está praticamente extinto, e para tornar a tarefa mais fácil e rápida os homens optaram pelo maçarico a gás. Uns começam a chamuscar para queimar os pêlos do animal, bem como para endurecer o couro, enquanto outros raspam com uma “sachola” ou facas velhas para lhe tiram as unhas<br />Os homens começam a chamuscar o porco com um maçarico a gásEndurecimento do couro<br />2.2- O Rapar da pele<br />Finda a operação da chamuscagem, segue-se o rapar da pele, procede-se à lavagem que é feita com sal e água. O porco volta a ser esfregado com uma pedra, uma telha, ou um raro de regador de chapa de zinco e começam a barbeá-lo impecavelmente com as facas e navalhas.<br />9- Fim da chamuscagem10- Lavagem com sal e água11-Barbemento do porco com facas, e pedra-pomes<br />3-ABRIR O PORCO<br />3.1- Desmanchar<br />Inicia-se com um corte longitudinal a todo o cumprimento da barriga. com golpes cuidadosos, abre-se o animal sem ferir os intestinos, que se depositam num tabuleiro colocado em frente. Abre-se a cavidade toráxica, retiram-se os pulmões, o fígado e a língua, Corta-se a cabeça, destacam-se as «mantas» de toucinho e separa-se a carne segundo o uso e as necessidades do casal Parreira. Após a desmancha, as mulheres e homens migam a carne para os “alguidares” ou para as “maceiros”.<br />Depois de seco o porco, procede-se ao seu esquartejamento, vulgarmente chamado «a desmancha»,o toucinho com destino à salgadeira, lombos que hão-de ser transformados em chouriços e as «banhas» em farinheiras. <br />3.2- Imagens sequenciai do acto de esquartejamento do porco<br />12- Corte longitudinal13- O coração 14- As tripas15- Desmanchar o porco16- Separação das peças17- Cortar a carne<br />3.3-Separação das tripas<br />Aberta a barriga desde a garganta até ao ânus, são-lhe então retiradas as tripas que são colocadas dentro de um tabuleiro,  separadas por uma faca ou com as mãos, pois estão agarradas ao chamado “véu” que depois de convenientemente lavadas em água corredia, passadas várias vezes por água bem quente, esfregadas com sal, limão e com vinho alho e depois serão usadas para fazer os enchidos.<br />18- Selecção de separação das tripas19- Selecção de separação das tripas comas mãos<br />-15771-326373<br />3.4- Lavagem das tripas<br />As tripas depois de bem lavadas em água corrente, passadas várias vezes por água limpa, esfregadas com sal, limão, e marinadas com vinho e alho serão usadas para fazer os enchidos. Depois de lavadas, as tripas, são atadas na parte inferior para que possam ser enchidas pela parte  superior. È necessário muito jeito para manusear a tripa e um bom estômago para resistir ao cheiro.<br />3.5- Imagens sequenciais do acto da lavagem das tripas<br />20- Abertura da fossa21- Pau para virar a tripa22- Lavagem da tripa 23- Lavagem da tripa24-Lavagem da tripa (intestino grosso)25- Bexiga do porco<br />4.0- A HORA DO PETISCO<br />4.1- Ritual do Petisco<br />Depois do porco desmanchado, vem a hora do petisco. Saborear o primeiro petisco feito com ingredientes retirados do porco.  Carne grelhada (fígado, febras) cortada em pedacinhos temperada com: alho, cebola, azeite, vinagre, sal e pimenta. <br />Ajuntam-se em pé á volta da mesa, retiram com a ponta da navalha os nacos de carne, à vez, e vão bebendo do vinho produzido nas adegas caseiras.<br />26- Petisco dos Adultos27- Petisco dos Adultos28- Petisco das crianças<br />5-PREPARAÇÃO DOS ENCHIDOS<br />5.1- O ensacamento dos enchidos<br />As mulheres encarregam-se de preparar e condimentar as carnes para fazer os enchidos: morcelas, farinheiras, chouriços (chouriços de sangue), feitos à base de carnes e miudezas de porco,<br />Os enchidos são ensacados geralmente um ou dois dias depois da morte do porco. <br />As morcelas são enchidas em tripa de porco (intestino grosso) por serem mais saborosas e adequadas, cozidas em água a ferver, os chouriços em tripa de porco, as linguiças e as farinheiras em tripa de vaca. Durante o enchimento das tripas, aperta-se muito bem a carne com as mãos para não ficar ar nenhum no seu interior sendo mesmo a tripa depois picada com uma agulha de meia para retirar ainda algum ar que, eventualmente, tenha ficado no interior das linguiças e dos outros enchidos. <br />5.2- Imagens sequenciais do acto de preparação dos enchidos<br />29- Ensacamento manual das morcelas 30- Ensacamento manual das morcelas 31- Morcelas ensacadas 32- Ensacamento das linguiças 33- Ensacamento manual das linguiças 34- Linguiças ensacadas<br />6- FUMEIRO<br />6.1- Secagem dos enchidos<br />Enchem-se, depois, os invólucros (tripa seca de vaca) de forma a que os enchidos fiquem bem apertados e atados, são então colocados em varas de pau nas chaminés largas tradicionais por cima da lareira e submetem-se à “fumagem” para apanharem o fume do lume, durante três a dez dias, o lume é feito com lenha bem seca de azinho ou sobro. Sabe-se quando estão “curados” quando se começa a notar a tripa gordurosa.  <br />35-Preparação da secagem dos enchidos36-Secagem dos enchidos (farinheira branca)37-Secagem dos enchidos (farinheira, linguiça e chouriço de sangue)<br />Conclusão<br />A matança do porco sempre constituiu um momento alto da vida das populações rurais. Sendo esta uma tradição secular, que representa fartura para muitos e para outros uma fonte de rendimento.  É um ritual familiar, neste caso tratando-se do Baixo-Ribatejo, tem particularidades próprias que tornam este acontecimento distinto do modo como é praticado em outras Regiões do País.<br /> A matança do porco como espaço social faz parte da nossa riqueza patrimonial.<br />Bibliografia<br />
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco
A matança do porco

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A cidade e a aldeia
A cidade e a aldeiaA cidade e a aldeia
A cidade e a aldeia
mcruzgago
 
Significado dos verbos mais usados nos testes
Significado dos verbos mais usados nos testesSignificado dos verbos mais usados nos testes
Significado dos verbos mais usados nos testes
RBCondeixa
 
Hassel, sven 02 blindatele mortii
Hassel, sven   02 blindatele mortiiHassel, sven   02 blindatele mortii
Hassel, sven 02 blindatele mortii
Doinita Sarbu
 
Sapo Leleca e a princesa Lili
Sapo Leleca e a princesa LiliSapo Leleca e a princesa Lili
Sapo Leleca e a princesa Lili
jromeronc
 
White tiger
White tigerWhite tiger
White tiger
Chien Lee
 
A floresta zangada
A floresta zangadaA floresta zangada
A floresta zangada
Maria Das Dores Oliveira
 
Coelhinho branco e a cabra cabrês
Coelhinho branco e a cabra cabrêsCoelhinho branco e a cabra cabrês
Coelhinho branco e a cabra cabrês
Joaquina Rafael Barbosa
 
A princesa baixinha power point
A princesa baixinha   power pointA princesa baixinha   power point
A princesa baixinha power point
labeques
 
A HistóRia De Uma Bruxa
A HistóRia De Uma BruxaA HistóRia De Uma Bruxa
A HistóRia De Uma Bruxa
Joana Sobrenome
 
A Maria Castanha
A Maria CastanhaA Maria Castanha
A Maria Castanha
Biblioteca Caliços
 
Clarice lispector a quinta história
Clarice lispector   a quinta históriaClarice lispector   a quinta história
Clarice lispector a quinta história
Leticia Miura
 
O patinho feio - teatro
O patinho feio - teatro O patinho feio - teatro
O patinho feio - teatro
Constantino Alves
 
Questionario Ondjaki
Questionario Ondjaki Questionario Ondjaki
Questionario Ondjaki
Biblioteca Gil Vicente
 
Uma história de carnaval
Uma história de carnavalUma história de carnaval
Uma história de carnaval
Ana Arminda Moreira
 
Lista De Livros Do Plano Nacional De Leitura
Lista De Livros Do Plano Nacional De LeituraLista De Livros Do Plano Nacional De Leitura
Lista De Livros Do Plano Nacional De Leitura
bibliotecasalir
 
A verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionados
A verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionadosA verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionados
A verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionados
Renata Maria
 
O principe feliz guião
O principe feliz guiãoO principe feliz guião
O principe feliz guião
Cristina Silva
 
Conto_A menina que sorria a dormir Aula 3.pdf
Conto_A menina que sorria a dormir Aula 3.pdfConto_A menina que sorria a dormir Aula 3.pdf
Conto_A menina que sorria a dormir Aula 3.pdf
Beatriz Gomes
 
Uma história de natal
Uma história de natalUma história de natal
Uma história de natal
becresforte
 
O meu livro é cinco estrelas
O meu livro é cinco estrelasO meu livro é cinco estrelas
O meu livro é cinco estrelas
helderoliveira2000
 

Mais procurados (20)

A cidade e a aldeia
A cidade e a aldeiaA cidade e a aldeia
A cidade e a aldeia
 
Significado dos verbos mais usados nos testes
Significado dos verbos mais usados nos testesSignificado dos verbos mais usados nos testes
Significado dos verbos mais usados nos testes
 
Hassel, sven 02 blindatele mortii
Hassel, sven   02 blindatele mortiiHassel, sven   02 blindatele mortii
Hassel, sven 02 blindatele mortii
 
Sapo Leleca e a princesa Lili
Sapo Leleca e a princesa LiliSapo Leleca e a princesa Lili
Sapo Leleca e a princesa Lili
 
White tiger
White tigerWhite tiger
White tiger
 
A floresta zangada
A floresta zangadaA floresta zangada
A floresta zangada
 
Coelhinho branco e a cabra cabrês
Coelhinho branco e a cabra cabrêsCoelhinho branco e a cabra cabrês
Coelhinho branco e a cabra cabrês
 
A princesa baixinha power point
A princesa baixinha   power pointA princesa baixinha   power point
A princesa baixinha power point
 
A HistóRia De Uma Bruxa
A HistóRia De Uma BruxaA HistóRia De Uma Bruxa
A HistóRia De Uma Bruxa
 
A Maria Castanha
A Maria CastanhaA Maria Castanha
A Maria Castanha
 
Clarice lispector a quinta história
Clarice lispector   a quinta históriaClarice lispector   a quinta história
Clarice lispector a quinta história
 
O patinho feio - teatro
O patinho feio - teatro O patinho feio - teatro
O patinho feio - teatro
 
Questionario Ondjaki
Questionario Ondjaki Questionario Ondjaki
Questionario Ondjaki
 
Uma história de carnaval
Uma história de carnavalUma história de carnaval
Uma história de carnaval
 
Lista De Livros Do Plano Nacional De Leitura
Lista De Livros Do Plano Nacional De LeituraLista De Livros Do Plano Nacional De Leitura
Lista De Livros Do Plano Nacional De Leitura
 
A verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionados
A verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionadosA verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionados
A verdade sobre os contos de fadas e outros arquivos relacionados
 
O principe feliz guião
O principe feliz guiãoO principe feliz guião
O principe feliz guião
 
Conto_A menina que sorria a dormir Aula 3.pdf
Conto_A menina que sorria a dormir Aula 3.pdfConto_A menina que sorria a dormir Aula 3.pdf
Conto_A menina que sorria a dormir Aula 3.pdf
 
Uma história de natal
Uma história de natalUma história de natal
Uma história de natal
 
O meu livro é cinco estrelas
O meu livro é cinco estrelasO meu livro é cinco estrelas
O meu livro é cinco estrelas
 

Semelhante a A matança do porco

Escola superior de educação de santarém
Escola superior de educação de santarémEscola superior de educação de santarém
Escola superior de educação de santarém
Tânia Prates
 
Consumo de carnes
Consumo de carnesConsumo de carnes
Consumo de carnes
Arnaldo Carvalho
 
Respeito Pelos Os Animais
Respeito Pelos Os AnimaisRespeito Pelos Os Animais
Respeito Pelos Os Animais
llorena roses
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
margaridafonseca63
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
margaridafonseca63
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
margaridafonseca63
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
margaridafonseca63
 
Exposição - Conhecendo as maravilhas do nordeste
Exposição - Conhecendo as maravilhas do nordesteExposição - Conhecendo as maravilhas do nordeste
Exposição - Conhecendo as maravilhas do nordeste
Celinhabortolozo
 
Livro de receitas imigrantes
Livro de receitas imigrantesLivro de receitas imigrantes
Livro de receitas imigrantes
turma401
 
Bebidas trempe camaracascudo
Bebidas trempe camaracascudoBebidas trempe camaracascudo
Bebidas trempe camaracascudo
Tássia Spinelli
 
Contando a historia dos números
Contando a historia dos númerosContando a historia dos números
Contando a historia dos números
SergioManoel1968
 
.
..
A cozinha sertaneja
A cozinha sertanejaA cozinha sertaneja
A cozinha sertaneja
Miriam Issa
 
Receitas Com Tempero E Sabor
Receitas Com Tempero E SaborReceitas Com Tempero E Sabor
Receitas Com Tempero E Sabor
Culinaria Fabula
 
Cultura com Tempero e Sabor
Cultura com Tempero e SaborCultura com Tempero e Sabor
Cultura com Tempero e Sabor
Carolina Sá
 
Cultura Tempero E Sabor
Cultura  Tempero E  SaborCultura  Tempero E  Sabor
Cultura Tempero E Sabor
TomateVerdeFrito
 
Receitas Com Tempero E Sabor
Receitas Com Tempero E SaborReceitas Com Tempero E Sabor
Receitas Com Tempero E Sabor
Claudia Cozinha
 
CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .
CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .
CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .
Vis-UAB
 
Trabalho sobre a cultura de pernambuco
Trabalho sobre a cultura de pernambucoTrabalho sobre a cultura de pernambuco
Trabalho sobre a cultura de pernambuco
nubia veves
 
Ferrador
FerradorFerrador
Ferrador
Soraia Lino
 

Semelhante a A matança do porco (20)

Escola superior de educação de santarém
Escola superior de educação de santarémEscola superior de educação de santarém
Escola superior de educação de santarém
 
Consumo de carnes
Consumo de carnesConsumo de carnes
Consumo de carnes
 
Respeito Pelos Os Animais
Respeito Pelos Os AnimaisRespeito Pelos Os Animais
Respeito Pelos Os Animais
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
 
Power point cidade dos cães
Power point cidade dos cãesPower point cidade dos cães
Power point cidade dos cães
 
Exposição - Conhecendo as maravilhas do nordeste
Exposição - Conhecendo as maravilhas do nordesteExposição - Conhecendo as maravilhas do nordeste
Exposição - Conhecendo as maravilhas do nordeste
 
Livro de receitas imigrantes
Livro de receitas imigrantesLivro de receitas imigrantes
Livro de receitas imigrantes
 
Bebidas trempe camaracascudo
Bebidas trempe camaracascudoBebidas trempe camaracascudo
Bebidas trempe camaracascudo
 
Contando a historia dos números
Contando a historia dos númerosContando a historia dos números
Contando a historia dos números
 
.
..
.
 
A cozinha sertaneja
A cozinha sertanejaA cozinha sertaneja
A cozinha sertaneja
 
Receitas Com Tempero E Sabor
Receitas Com Tempero E SaborReceitas Com Tempero E Sabor
Receitas Com Tempero E Sabor
 
Cultura com Tempero e Sabor
Cultura com Tempero e SaborCultura com Tempero e Sabor
Cultura com Tempero e Sabor
 
Cultura Tempero E Sabor
Cultura  Tempero E  SaborCultura  Tempero E  Sabor
Cultura Tempero E Sabor
 
Receitas Com Tempero E Sabor
Receitas Com Tempero E SaborReceitas Com Tempero E Sabor
Receitas Com Tempero E Sabor
 
CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .
CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .
CULTURA ACREANA- A IMPORTÂNCIA DAS LENDAS E DO FOLCLORE NO ENSINO DE ARTES .
 
Trabalho sobre a cultura de pernambuco
Trabalho sobre a cultura de pernambucoTrabalho sobre a cultura de pernambuco
Trabalho sobre a cultura de pernambuco
 
Ferrador
FerradorFerrador
Ferrador
 

Mais de Tânia Prates

Comunicado nº 12
Comunicado nº 12Comunicado nº 12
Comunicado nº 12
Tânia Prates
 
Joana vasconcelos
Joana vasconcelosJoana vasconcelos
Joana vasconcelos
Tânia Prates
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
Tânia Prates
 
Nomes para exercicio do exel
Nomes para exercicio do exelNomes para exercicio do exel
Nomes para exercicio do exel
Tânia Prates
 
Exercicio de word
Exercicio de wordExercicio de word
Exercicio de word
Tânia Prates
 
Apresentação museu municipal de coruchee
Apresentação  museu municipal de corucheeApresentação  museu municipal de coruchee
Apresentação museu municipal de coruchee
Tânia Prates
 
Média de visitantes
Média de visitantesMédia de visitantes
Média de visitantes
Tânia Prates
 
Grelha de guiao
Grelha de guiaoGrelha de guiao
Grelha de guiao
Tânia Prates
 
Curriculum da tânia
Curriculum da tâniaCurriculum da tânia
Curriculum da tânia
Tânia Prates
 

Mais de Tânia Prates (9)

Comunicado nº 12
Comunicado nº 12Comunicado nº 12
Comunicado nº 12
 
Joana vasconcelos
Joana vasconcelosJoana vasconcelos
Joana vasconcelos
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Nomes para exercicio do exel
Nomes para exercicio do exelNomes para exercicio do exel
Nomes para exercicio do exel
 
Exercicio de word
Exercicio de wordExercicio de word
Exercicio de word
 
Apresentação museu municipal de coruchee
Apresentação  museu municipal de corucheeApresentação  museu municipal de coruchee
Apresentação museu municipal de coruchee
 
Média de visitantes
Média de visitantesMédia de visitantes
Média de visitantes
 
Grelha de guiao
Grelha de guiaoGrelha de guiao
Grelha de guiao
 
Curriculum da tânia
Curriculum da tâniaCurriculum da tânia
Curriculum da tânia
 

A matança do porco

  • 1. -934533399042Antropologia da Imagem<br /> A<br /> matança<br /> do porco<br />Docente: João Maia e Carmo<br />Discente: Tânia Prates<br />ÍNDICE<br />INTRODUÇÃO<br />Cada vez é mais rara a criação doméstica do porco e tende a desaparecer a tradição da matança. <br />A matança do porco com os seus rituais, era uma necessidade básica que servia para suprir a falta de carne, na grande maioria das casas de antigamente. Com o fluxo migratório para os grandes centros urbanos, além de provocar algum despovoamento, o contacto com outros hábitos alimentares culturais diferentes, alterou o sistema de alimentação vigente.<br />No entanto, mesmo com algumas alterações, há pessoas que continuam a manter viva a tradição da matança do porco, não por necessidade, mas pelo gosto de ter em casa aquilo que com esforço ajudaram a criar.<br />Sendo este um ritual milenar, foram editados vários livros, artigos, estudos etnográficos sobre o acto da matança do porco e a sua importância nas relações interpessoais na comunidade. Durante três dias tive oportunidade de conviver com uma simpática família, que partilhou em cada momento a sua experiência e hábitos de vida. Neste meu trabalho terei a preocupação de transmitir o que observei. Partirei, por isso, da realidade dos factos e de alguma literatura produzida sobre a matança do porco. Apesar de ser uma tradição, não deixa de ser um acto violento, mas devemos insistir para que as memórias não caiam no esquecimento.<br />O DIA DA MATANÇA<br />O sangramento<br />A região que escolhi para falar sobre a matança do porco é o distrito de Santarém, mais propriamente o concelho de Coruche.<br />Na manhã do dia 24 de Abril de 2010, às 6:30 da manhã, ainda o sol estava meio adormecido, a azáfama era grande e a família Parreira preparava-se para mais um dos seus rituais: matar dois porcos, criados em ambiente doméstico durante alguns meses. Os convidados da família Parreira iam chegando para beber o café da manhã. O café consiste numas passas de figo , pedaços de bolo de mel, café e alguns homens completando com o chamado “mata bicho”, uma mistura feita de aguardente e café. <br />Os homens tratam de matar o porco e cortar a carne, as mulheres tratam da cozinha, preparam as carnes confeccionam as refeições e os enchidos. <br />A dona da casa distribui ordens precisas ás companheiras, é preciso preparar os “panos” e as “rodilhas”, os “alguidades”, o balde com limões e cebolas cortados aos pedaços para depois lavar as tripas. Apesar de todo este aparato a dona da casa está triste pela perda de uma amizade conseguida ao longo de doze meses, porque foi o porco o seu inseparável companheiro ao qual dedicou parte do seu tempo e vai-se lamentando “eu viu-o crescer, ele até já conhecia a minha voz. Era já como uma pessoa de família....”<br />Na pocilga, o porco esconde-se bem ao fundo, nervoso sente que algo está para acontecer.<br />Ao mando do dono da casa, os familiares e amigos homens aproximam-se da pocilga, avaliam o animal as arrobas e preparam-se para o acto. A “trepeça de madeira”, a corda de nylon para atar as patas do animal, o “alguidar” para o sangue e a faca são alguns utensílios essenciais para a concretização do acto. Os mais novos, curiosos, observam a movimentação, sempre receosos dos grunhidos do porco e de alguma eventual fuga. <br />Os mais destemidos preparam-se para filar o porco, dentro da pocilga o dono da casa e o filho tentam atar uma das patas do animal para este não fugir. É necessária muita força, o porco ao ver-se cercado esperneia e solta grunhidos de revolta, até que o filho do dono passa o “arganel” pelo focinho e aperta o “nó corrediço”. Num gesto de agilidade e força, o porco é empurrado e arrastado para junto da “trepeça”. As mãos possantes dos homens, conduzem o animal para cima da “trepeça”, cada um com a sua função específica seguram o animal para este não se mexer. Um aperta o focinho do porco com o cordel fino para não morder, outro segura o pescoço do porco de modo que o sangue escorra para o “alguidar”, os outros seguram as patas e o rabo.<br />A dona da casa carrega o “alguidar de plástico” que antigamente era de barro para junto da trapeça e ajeita-o debaixo da cabeça do animal para o sangue cair diretamente para dentro deste.<br />Surge o “matador” de faca em punho, lâmina afiada e comprida, introduz a lâmina fatal no tórax, do lado esquerdo do animal, a fim de ir directa ao coração (é aconselhável não matar à primeira tentativa para haver melhor escoamento do sangue, bem como melhor limpar as artérias para a boa conservação da carne).<br /> O animal começa a jorrar fluxos de sangue quente em desesperados e dolorosos grunhidos, alguns salpicos sujam a cara da dona da casa, esta tenta esquecer a todo o custo a agonia do animal, com a colher de pau mexe o sangue num vai-vêm para o sangue não coalhar. É o único momento em que há contacto ou aproximação entre as mulheres e o processo específico da matança do animal.<br />1.2- Imagens seqüenciais do acto do sangramento do porco<br />TrepeçaPreparação dos utencílios3- Nó corrediçoColocação do porco em cima da trepeçaImobilização do porco6- O sangramento do porco<br />2-A CHAMUSCAGEM DO PORCO <br />2.1- Chamuscar<br />Começa a segunda fase da matança, antigamente o processo da chamuscagem do animal era feito com carqueja ou tojo, que se fazia arder em molhos pequenos. Hoje em dia este processo está praticamente extinto, e para tornar a tarefa mais fácil e rápida os homens optaram pelo maçarico a gás. Uns começam a chamuscar para queimar os pêlos do animal, bem como para endurecer o couro, enquanto outros raspam com uma “sachola” ou facas velhas para lhe tiram as unhas<br />Os homens começam a chamuscar o porco com um maçarico a gásEndurecimento do couro<br />2.2- O Rapar da pele<br />Finda a operação da chamuscagem, segue-se o rapar da pele, procede-se à lavagem que é feita com sal e água. O porco volta a ser esfregado com uma pedra, uma telha, ou um raro de regador de chapa de zinco e começam a barbeá-lo impecavelmente com as facas e navalhas.<br />9- Fim da chamuscagem10- Lavagem com sal e água11-Barbemento do porco com facas, e pedra-pomes<br />3-ABRIR O PORCO<br />3.1- Desmanchar<br />Inicia-se com um corte longitudinal a todo o cumprimento da barriga. com golpes cuidadosos, abre-se o animal sem ferir os intestinos, que se depositam num tabuleiro colocado em frente. Abre-se a cavidade toráxica, retiram-se os pulmões, o fígado e a língua, Corta-se a cabeça, destacam-se as «mantas» de toucinho e separa-se a carne segundo o uso e as necessidades do casal Parreira. Após a desmancha, as mulheres e homens migam a carne para os “alguidares” ou para as “maceiros”.<br />Depois de seco o porco, procede-se ao seu esquartejamento, vulgarmente chamado «a desmancha»,o toucinho com destino à salgadeira, lombos que hão-de ser transformados em chouriços e as «banhas» em farinheiras. <br />3.2- Imagens sequenciai do acto de esquartejamento do porco<br />12- Corte longitudinal13- O coração 14- As tripas15- Desmanchar o porco16- Separação das peças17- Cortar a carne<br />3.3-Separação das tripas<br />Aberta a barriga desde a garganta até ao ânus, são-lhe então retiradas as tripas que são colocadas dentro de um tabuleiro, separadas por uma faca ou com as mãos, pois estão agarradas ao chamado “véu” que depois de convenientemente lavadas em água corredia, passadas várias vezes por água bem quente, esfregadas com sal, limão e com vinho alho e depois serão usadas para fazer os enchidos.<br />18- Selecção de separação das tripas19- Selecção de separação das tripas comas mãos<br />-15771-326373<br />3.4- Lavagem das tripas<br />As tripas depois de bem lavadas em água corrente, passadas várias vezes por água limpa, esfregadas com sal, limão, e marinadas com vinho e alho serão usadas para fazer os enchidos. Depois de lavadas, as tripas, são atadas na parte inferior para que possam ser enchidas pela parte  superior. È necessário muito jeito para manusear a tripa e um bom estômago para resistir ao cheiro.<br />3.5- Imagens sequenciais do acto da lavagem das tripas<br />20- Abertura da fossa21- Pau para virar a tripa22- Lavagem da tripa 23- Lavagem da tripa24-Lavagem da tripa (intestino grosso)25- Bexiga do porco<br />4.0- A HORA DO PETISCO<br />4.1- Ritual do Petisco<br />Depois do porco desmanchado, vem a hora do petisco. Saborear o primeiro petisco feito com ingredientes retirados do porco. Carne grelhada (fígado, febras) cortada em pedacinhos temperada com: alho, cebola, azeite, vinagre, sal e pimenta. <br />Ajuntam-se em pé á volta da mesa, retiram com a ponta da navalha os nacos de carne, à vez, e vão bebendo do vinho produzido nas adegas caseiras.<br />26- Petisco dos Adultos27- Petisco dos Adultos28- Petisco das crianças<br />5-PREPARAÇÃO DOS ENCHIDOS<br />5.1- O ensacamento dos enchidos<br />As mulheres encarregam-se de preparar e condimentar as carnes para fazer os enchidos: morcelas, farinheiras, chouriços (chouriços de sangue), feitos à base de carnes e miudezas de porco,<br />Os enchidos são ensacados geralmente um ou dois dias depois da morte do porco. <br />As morcelas são enchidas em tripa de porco (intestino grosso) por serem mais saborosas e adequadas, cozidas em água a ferver, os chouriços em tripa de porco, as linguiças e as farinheiras em tripa de vaca. Durante o enchimento das tripas, aperta-se muito bem a carne com as mãos para não ficar ar nenhum no seu interior sendo mesmo a tripa depois picada com uma agulha de meia para retirar ainda algum ar que, eventualmente, tenha ficado no interior das linguiças e dos outros enchidos. <br />5.2- Imagens sequenciais do acto de preparação dos enchidos<br />29- Ensacamento manual das morcelas 30- Ensacamento manual das morcelas 31- Morcelas ensacadas 32- Ensacamento das linguiças 33- Ensacamento manual das linguiças 34- Linguiças ensacadas<br />6- FUMEIRO<br />6.1- Secagem dos enchidos<br />Enchem-se, depois, os invólucros (tripa seca de vaca) de forma a que os enchidos fiquem bem apertados e atados, são então colocados em varas de pau nas chaminés largas tradicionais por cima da lareira e submetem-se à “fumagem” para apanharem o fume do lume, durante três a dez dias, o lume é feito com lenha bem seca de azinho ou sobro. Sabe-se quando estão “curados” quando se começa a notar a tripa gordurosa. <br />35-Preparação da secagem dos enchidos36-Secagem dos enchidos (farinheira branca)37-Secagem dos enchidos (farinheira, linguiça e chouriço de sangue)<br />Conclusão<br />A matança do porco sempre constituiu um momento alto da vida das populações rurais. Sendo esta uma tradição secular, que representa fartura para muitos e para outros uma fonte de rendimento. É um ritual familiar, neste caso tratando-se do Baixo-Ribatejo, tem particularidades próprias que tornam este acontecimento distinto do modo como é praticado em outras Regiões do País.<br /> A matança do porco como espaço social faz parte da nossa riqueza patrimonial.<br />Bibliografia<br />