Está implantada a
República em Portugal!
Não perca nesta edição:
Reportagem: Fique a par de todos os
pormenores. (leia na ...
Forma de governo de uma nação em que
o governante supremo é o rei, ao qual
sucede, em princípio, o filho primogénito.
Cham...
ANTECEDENTES
A primeira tentativa de implantação da
república aconteceu no dia 31 de Janeiro
de 1981, no Porto.
O «31 de J...
REPORTAGEM
A revolução que culminou com a implanta-
ção da República em Portugal começou
uns dias antes. No dia 3 de Outub...
In José Fanha, Era uma Vez a República.
José Relvas foi um protagonista dos
acontecimentos do dia 5 de Outubro de
1910 porque proclamou a República Portu-
guesa n...
ENTREVISTA AO
Dr. José Relvas
JR—Eu aderi ao Parti-
do Republicano em
1907, com 49 anos,
em parte graças à cri-
se politic...
Manuel de Arriaga Brum da Silveira, filho
de Sebastião de Arriaga e Maria Antónia
Pardal Ramos Caldeira de Arriaga, nasceu...
SÍMBOLOS DO NOVO REGIME
No dia 15 de Outubro de 1910 foi lançado um
concurso de que saiu vencedora a bandeira que
ainda ho...
O hino: A Portuguesa
Heróis do mar,______ povo,
Nação valente, _______,
Levantai hoje de novo
O esplendor de ______!
Entre...
TOPONÍMIA DE ALMEIRIM
este acontecimento histórico na toponímia
da cidade.
A toponímia é o ramo da onomástica que
estuda o...
FONTES CONSULTADAS
AAVV (1994). História de Portugal. (dir.
José Mattoso e Rui Ramos). Vol. 6. Lisboa:
Editorial Estampa.
...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Notícias da historia 5 de outubro

197 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
197
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Notícias da historia 5 de outubro

  1. 1. Está implantada a República em Portugal! Não perca nesta edição: Reportagem: Fique a par de todos os pormenores. (leia na pág. 4). Conheça os protagonistas. (Pág. 6) Saiba o que mudou na toponímia de Almeirim. (Pág. 11) Conheça os símbolos da República Portu- guesa: bandeira, hino, moeda. (Pág. 9 e 10) EM EXCLUSIVO! Entrevistas a Manuel de Arriaga e José Relvas. (Pág. 6 e 7)
  2. 2. Forma de governo de uma nação em que o governante supremo é o rei, ao qual sucede, em princípio, o filho primogénito. Chama-se a este processo a sucessão he- reditária. Há dois grandes tipos de monarquias: a Monarquia Absoluta e a Monarquia Constitucional. Na Monarquia Absoluta, o rei detém to- do o poder de formar e demitir os seus ministros ou secretários. Chega-se a afir- mar que os reis absolutos são os repre- sentantes legítimos de Deus na Terra e por isso mesmo são absolutos. D. João V em Portugal ou o rei Luís XIV em França são exemplos típicos do absolutismo. Na Monarquia Constitucional, o poder encontra-se distribuído e cabe ao rei veri- ficar o seu bom funcionamento. Neste tipo de regime há uma lei da nação, a Constituição, e eleições para um parla- mento. Ao rei competirá escolher para chefiar o governo o representante do par- tido mais votado para o Parlamento. Na Monarquia Constitucional o rei tem uma função semelhante à do Presidente na República, tendo direitos e obrigações que são conferidos pela Constituição. Em Portugal a Monarquia Constitucional teve início com a aprovação da Constituição de 1822. Esse regime político governou o país até à implantação da República em 1910. MONARQUIA bastante diferentes das repúblicas atu- ais. Em Portugal, o movimento republicano ganha força pública com os protestos que se seguiram ao Ultimatum, em 1890. Lo- go a seguir, o republicanismo sofre al- gum abalo com a repressão e as prisões que se seguiram à revolta de 31 de janei- ro de 1891, no Porto para voltar a crescer com grande força e entu- siasmo a partir do iní- cio do século XX. As orga- nizações re- publicanas multiplica- ram-se e es- palharam-se pelo país em- bora com grande pre- dominância em Lisboa. A palavra REPÚBLICA vem do latim RES PUBLICA, ou seja, coisa pública, e é uma forma de governo na qual o povo escolhe por eleição um chefe para o país. Esse chefe é normalmente chamado presiden- te e pode ou não ser também o chefe do governo. A forma de eleição é normalmente reali- zada por voto livre e secreto, em inter- valos regulares. Em Portugal, segundo a Constituição de 1911, o povo elegia os membros do Parlamento e eram estes que escolhiam o Presidente da República. A primeira REPÚBLICA de que se tem notícia é a República romana, fundada no século VI aC, que pôs fim à Monar- quia etrusca. Na Idade Média surgiram diversas repúblicas, das quais as mais famosas foram as italianas como Veneza, Génova, Pisa e Florença, que, de qual- quer maneira, tinham características REPÚBLICA In José Fanha, Era uma Vez a República, , 2010.
  3. 3. ANTECEDENTES A primeira tentativa de implantação da república aconteceu no dia 31 de Janeiro de 1981, no Porto. O «31 de Janeiro» Em 1890 Inglaterra lançou a Portugal um ulti- mato para abandonar as pretensões sobre os territórios entre Angola e Moçambique. O monarca português cedeu, a coroa tremeu, e o regime monárquico ficou desacreditado. O «Regicídio» Mapa “Cor-de-rosa” A crise do «Ultimato» Em 1908, no Terreiro do Paço em Lisboa... ... a família real sofreu um atentado. O rei, D. Car- los, e o príncipe herdeiro, D. Luiz Filipe, foram assassinados.
  4. 4. REPORTAGEM A revolução que culminou com a implanta- ção da República em Portugal começou uns dias antes. No dia 3 de Outubro de 1910, aconteceu a última reunião dos co- mandos civis e militares da revolução, já era noite, nessa reunião surgiu a proposta para adiantar o plano. Apenas o Almirante Cândido dos Reis se opõe. Fica decidido avançar com a revolução. Foi nessa noite que foi assassinado o Dr. Manuel Bombarda por um doente do Hos- pital de Rilhafoles do qual era diretor. Mi- guel Bombarda também era deputado e um dos principais dirigentes do partido Republicano. A ele fora dado o encargo de distribuir armas por grupos civis, estando prevista a sua participação no assalto ao quartel de Artilharia. No dia 4 de Outubro, de madrugada, Ma- chado Santos, que nem esteve na reunião dos comandos civis e militares da revolu- ção, avançou com um grupo de Carboná- rios, mal armados. O comandante e o capi- tão que tentaram opor-se. Foram mortos a tiro. Machado Santos foi com 100 soldados ao Quartel de Artilharia 1. O comandante tinha prometido não se opor aos revolucio- nários. O capitão Afonso Palla e vários sar- gentos tomaram conta do quartel e fizeram entrar vários civis armados que se junta- ram aos militares a quem o capitão Palla mandou distribuir armas. As tropas co- mandadas pelo capitão Sá Cardoso dirigi- ram – se ao palácio das necessidades onde estava o rei. O navio almirante D. Carlos caiu nas mãos dos republicanos. Por fim no dia 5 de Outubro, a monarquia constitucional foi deposta em Lisboa. Uma vez institucionalizada a República, muito do programa republicano ficou por cum- prir, nomeadamente a extensão da partici- pação política. Assim Portugal tornar-se-ia uma das pri- meiras Repúblicas da europa no início do século XX . A implantação da República no dia 5 de Outubro de 1910 Revolucionários num trem, no Largo das Duas Igrejas, Lisboa. Repórteres: Adriana, Ana Clara, Maria Inês, Sara.
  5. 5. In José Fanha, Era uma Vez a República.
  6. 6. José Relvas foi um protagonista dos acontecimentos do dia 5 de Outubro de 1910 porque proclamou a República Portu- guesa na varanda da Câmara Municipal de Lisboa. PROTAGONISTAS Manuel de Arriaga foi o primeiro presi- dente da república eleito. Bernardino Machado, líder republicano, foi eleito Presidente da República duas vezes, uma em 1915 e outra em 1917. «Pode passar-lhe um cilindro de estrada por cima que ele levanta-se logo, todo lépido, a tirar o chapéu.» Frase de Raúl Brandão in Memórias, III.. Teófilo Braga foi eleito o segundo presidente da República de Portugal. Miguel Bombarda era médico psiquiatra. Foi assassinado por um doente no Hospital de Rilhafoles do qual era diretor. Miguel Bombar- da além de médico, era deputado e um dos prin- cipais dirigentes do par- tido republicano. Recolha elaborada por: Adriane, Rodrigo, Tiago Campos. Carolina Beatriz Ângelo aproveitou o facto de ser viúva e médica para reivindi- car o estatuto de chefe de família. Dessa forma reuniu as condições para ser a primeira mulher portuguesa a exercer o direito de vo- to.
  7. 7. ENTREVISTA AO Dr. José Relvas JR—Eu aderi ao Parti- do Republicano em 1907, com 49 anos, em parte graças à cri- se politica causada pela chamada ao po- der do ministro João Franco. Que, como devem estar recorda- dos, governou em di- tadura, sem o apoio do parlamento. Para mim isso era inconcebível. E—Se o senhor vinha de uma família rica porque é que se revolucionou contra a JR— Revolucionei-me contra a monarquia pois queria defender os meus ideais políticos e implantar a justiça no nosso país. E—Quais foram os cargos políticos que ocupou ao longo da sua vida? JR—Fui várias vezes presidente da Câmara Municipal da Golegã, fui Ministro das Fi- nanças do Governo Provisório, de 12 de ou- tubro de 1910 a 4 de setembro de 1911. Depois fui embaixador de Portugal em Es- panha até finais de 1913, quando voltei pa- ra Portugal. E—Muito agradecidos pela sua disponibili- dade em responder às nossas questões. JR—Eu é que agradeço o vosso interesse. E quero convidar-vos a visitarem a minha ca- sa em Alpiarça, agora transformada em museu. José Maria de Mascarenhas Relvas de Campos, nascido na Golegã a 5 de Março de 1858 e falecido em Alpiarça a 31 de Outubro de 1929 foi um revo- lucionário Republicano conhecido por ter proclamado a implantação Repú- blica na varanda da Câmara Munici- pal de Lisboa. Entrevistadores—Quais eram os seus ideais políticos que o levaram a revo- lucionar-se contra a monarquia? José Relvas—Eu apoiava os ideais Re- publicanos tais como poder escolher o líder máximo do meu país, e o fim da distinção social com base na família de nascimento. E—Quando é que aderiu ao partido Republicano? Entrevistadores: Alexandre, André, Frederico, Ricardo.
  8. 8. Manuel de Arriaga Brum da Silveira, filho de Sebastião de Arriaga e Maria Antónia Pardal Ramos Caldeira de Arriaga, nasceu a 8 de Julho de 1840 na ilha do Faial, nos Açores. É o primeiro Presidente eleito da Repúbli- ca Portuguesa e está aqui connosco para nos dar esta entrevista. Entrevistadoras - Sr. Manuel de Arriaga, como se sente por ser eleito presidente? Manuel de Arriaga- Desde já agradeço a confi- ança que os portugueses tiveram em mim ao escolher-me para seu presidente. E- O que pretende para fazer melhorar a situa- ção que o país atravessa? MA- Vou aplicar ideais republicanos, como por exemplo, desenvolver a nossa economia, vou melhorar a situação social e a educação . E- Acha que essas medidas vão fazer o país progredir? MA- Penso que sim, estas medidas são boas para 'levantar' o país. E- O senhor esteve sempre do lado dos repu- blicanos? MA- Sim, estive presente na revolta do 31 de Janeiro de 1891, fui membro do partido repu- blicano e para além disso defendo os ideais republicanos. E- Como republicano, o que significou ser eleito primeiro presidente da republi- ca ? MA- Ser o primeiro presidente da repu- blica significou muito para mim. Além de Portugal ter saído de uma monarquia, penso que estamos no rumo certo. E-Obrigado pela disponibilidade. Dese- jamos-lhe as maiores felicidades para o seu novo cargo e que seja o bem para Portugal. MA - Viva a República! Viva Portugal! ENTREVISTA AO Dr. Manuel de Arriaga Entrevistadoras: Catarina Oliveira, Catarina Tomaz, Francisca Constantino, Samantha Berg.
  9. 9. SÍMBOLOS DO NOVO REGIME No dia 15 de Outubro de 1910 foi lançado um concurso de que saiu vencedora a bandeira que ainda hoje usamos. Conhece o significado dos elementos da nossa bandeira? Verde escuro: O verde, simboliza as nações que são guiadas pela Razão. Na versão popular sim- boliza a esperança no futuro. Vermelho rubro: Simboliza a luta dos povos pe- los grandes ideais de Igualdade, Fraternidade e Liberdade. Esfera armilar: Emblema do rei D. Manuel I (1469 -1521) e que desde então esteve sempre presente nas bandeiras de Portugal. Simboliza o Universo e a vocação universal dos portugueses. Na versão popular simboliza os descobrimentos portugue- ses. Escudo: Simboliza a afirmação da cultura ociden- tal no mundo, e em particular dos seus valores cristãos. Os castelos, quinas e os besantes evocam conquistas, vitórias e lendas ligadas à fundação de Portugal por D. Afonso Henriques (1109-1185). A bandeira Sabia que existem várias formas de prender uma bandeira ao mastro? Uma vez implantada a República, o novo regime teve de mudar os símbolos do país, nomea- damente a bandeira, o hino e a moeda.
  10. 10. O hino: A Portuguesa Heróis do mar,______ povo, Nação valente, _______, Levantai hoje de novo O esplendor de ______! Entre as ______da memória, Ó Pátria sente-se a ____ Dos teus egrégios avós, Que há-de guiar-te à _____! __ armas, às armas! Sobre a ____, sobre o ____, Às armas, às armas! Pela _____ lutar Contra os _____ marchar, marchar! Contra os canhões marchar, ______! Sabe a letra do hino da República Portugue- sa? Complete cos espaços deixados em branco, com as palavras que lhe damos. | Nobre | imortal | brumas | Às | |Portugal | vitória | | voz | terra | canhões| marchar | | mar | pátria | Moeda: o Escudo Após a implantação da República, em 5 de Outubro de 1910, o escudo substituiu o real como unidade monetária. Muitas pessoas só souberam da mudança de regime através da mudança da moeda. Especialistas em símbolos: Ana Santos, Duarte Tomé, Tiago Omar, João Henrique.
  11. 11. TOPONÍMIA DE ALMEIRIM este acontecimento histórico na toponímia da cidade. A toponímia é o ramo da onomástica que estuda os topónimos, isto é, os nomes pró- prios de lugares. Devido à implantação da República em 5 de Outubro de 1910, algumas ruas, aveni- das e praças mudaram de nome. Também em Almeirim encontramos referências a Jardim da República, Almeirim. Ana Santos, Duarte Tomé, Tiago Omar, João Henrique.
  12. 12. FONTES CONSULTADAS AAVV (1994). História de Portugal. (dir. José Mattoso e Rui Ramos). Vol. 6. Lisboa: Editorial Estampa. AAVV (1999). Liberdade e Cidadania. 100 anos portugueses, Comissão do 25.º Aniversário do 25 de Abril. AAVV (1990). Portugal Contemporâneo. (dir. António Reis). vol. 3. Lisboa: Alfa. AAVV (2010). Viva a República 1910-2010. , Lisboa: Ed. Comissão Nacional Centenário da República. CRAMPTON, William (1977) - O Mundo das Bandeiras, Lisboa: Replicação. FARINHA, Luís; e outros (Dezembro de 2000). ”Dossier A República e os seus Presidentes” . Revista História, pp. 17-48. FANHA José (2010). Era uma Vez a Repú- blica, Lisboa: Ed. Gaialivro. OLIVEIRA, Ana e outros (2013). Novo Histó- ria 9. Porto: Texto Editora. SERRÃO, Luís (2001). Reis e Presidentes de Por- tugal, vol. 4, República. Lisboa: Ed. ACJ. http://restosdecoleccao.blogspot.pt/search/ label/Publicidade%20antiga http://diasquevoam.blogspot.pt/ http://ilustracaoportuguesa.tumblr.com/ search/publicidade http://arepublicano.blogspot.pt http://www.museu.presidencia.pt/ http://www.fmsoares.pt/ http://www.bportugal.pt/visitavirtual/ nucleos/nucleo10/nucleo10.html# http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/ http://5outubro.centenariorepublica.pt

×