25 de abril de 1974
Trabalho realizado por:
 Ivo Madureira,
2º TGD nº 7
17/3/2014
 Intrudução
 Antecedentes
 Preparação do golpe
 Movimentação militar
no dia 25 de abril
 Consequências
 O 25 de abri...
 A Revolução dos
Cravos, conhecida, efetivamente, como Revolução de
25 de Abril, refere-se a um período da história
de Po...
 …que depôs o regime ditatorial do Estado
Novo, vigente desde 1933, e iniciou um processo que
viria a terminar com a impl...
 Na sequência do golpe militar de 28 de Maio de
1926, foi instaurada em Portugal uma ditadura militar
que, culminaria na ...
 António de Oliveira Salazar passou então a controlar o
país através do partido único designado por "União
Nacional", fic...
 Primavera Marcelista designa o período inicial do
governo de Marcelo Caetano, entre 1968 e 1970, no
qual se operou uma c...
 Durante o Estado Novo, Portugal foi sempre
considerado como um país governado por
uma ditadura pela oposição ao regime, ...
 O Estado Novo tinha como polícia política
a PIDE (Polícia Internacional de Defesa do
Estado), versão renovada da PVDE (P...
 Gestapo é o acrómio em alemão de Geheime Staatspolizei,
significando "polícia secreta do Estado".
 A Central Intelligen...
 Na visão histórica dos ideólogos do regime, o país teria
de manter uma política de defesa, de manutenção do
"Ultramar“*,...
 Ultramar serviu para designar
as colónias europeias situadas fora do continente
europeu - daí, por exemplo, chamar-se de...
 Apesar de séria contestação nos fóruns
mundiais, como na ONU*, Portugal manteve a sua
política irredentista, endurecendo...
 Organização das Nações Unidas (ONU), é
uma organização internacional cujo objetivo declarado
é facilitar a cooperação em...
 Economicamente, o regime manteve uma política de
condicionamento industrial que protegia
certos monopólios* e certos gru...
 Em economia, monopólio designa uma situação
particular de concorrência imperfeita, em que uma
única empresa detém o merc...
 O país permaneceu pobre até à década de 1960, sendo
consequência disso um significativo acréscimo
da emigração. Contudo,...
 A Associação Europeia de Comércio Livre é
um bloco económico europeu, de que Portugal fez
parte desde a fundação até à s...
 A primeira reunião clandestina de capitães foi
realizada em Bissau, em 21 de agosto de 1973.
 Uma nova reunião, em 9 de...
 No dia 5 de março de 1974 é aprovado o primeiro
documento do movimento: Os Militares, as Forças
Armadas e a Nação. Este ...
 No dia 14 de março o governo demite os
generais Spínola e Costa Gomes dos cargos de Vice-
Chefe e Chefe de Estado-Maior ...
 No entanto, a verdadeira causa da expulsão dos dois
Generais foi o facto do primeiro ter escrito, com a
cobertura do seg...
 No dia 24 de março, a última reunião clandestina dos
capitães revoltosos decide o derrube do regime pela
força. Prossegu...
 No dia 24 de abril de 1974, um grupo de militares
comandados por Otelo Saraiva de Carvalho instala
secretamente o posto ...
 Às 22h 55m é transmitida a canção E depois do
Adeus, de Paulo de Carvalho, pelos Emissores
Associados de Lisboa. Este é ...
 O segundo sinal é dado às 0h20 m, quando a
canção Grândola, Vila Morena de José Afonso é
transmitida pelo programa Limit...
 O golpe militar do dia 25 de abril tem a colaboração de
vários regimentos militares que desenvolvem uma ação
concertada....
 Estas forças são reforçadas por forças vindas
de Lamego. Forças do BC9 de Viana do Castelo tomam
o Aeroporto de Pedras R...
 À Escola Prática de Cavalaria, que parte
de Santarém, cabe o papel mais importante: a
ocupação do Terreiro do Paço. As f...
 Salgueiro Maia move, mais tarde, parte das suas forças
para o Quartel do Carmo onde se encontra o chefe do
governo, Marc...
 No rescaldo dos confrontos morrem quatro
pessoas, quando elementos da polícia política
disparam sobre um grupo que se ma...
 No dia 26 de abril, forma-se a Junta de Salvação
Nacional, constituída por militares, que dará início a
um governo de tr...
 O MFA ou “Movimento das Forças Armadas” foi
responsável pela revolução que terminou com o Estado
Novo em Portugal, em 25...
 Entre as medidas imediatas da revolução conta-se a
extinção da polícia política (PIDE/DGS) e da Censura.
Os sindicatos l...
 Os líderes políticos da oposição no exílio voltam ao
país nos dias seguintes. Passada uma semana, o 1.º de
Maio é celebr...
 Portugal passará por um período conturbado de cerca
de dois anos, comummente designado por PREC
(Processo Revolucionário...
 São nacionalizadas grandes empresas, "saneados"
quadros importantes e levadas ao exílio personalidades
identificadas com...
 Forma-se o I Governo Constitucional de
Portugal, chefiado por Mário Soares (23 de setembro
de 1976). Ramalho Eanes, mili...
 Eanes impõe-se como chefe militar e Mário
Soares, desvinculado dos fundamentos marxistas do
ideário socialista, proclama...
 Com o seu talento, ergue a voz e faz-se ouvir: com ele, a
democracia em Portugal está garantida e o país livre da
"ameaç...
 Finalmente, no dia 25 de abril de 1975, têm lugar as
primeiras eleições livres para a Assembleia
Constituinte, ganhas pe...
 Na sequência dos trabalhos desta assembleia é
elaborada uma nova Constituição, de forte pendor
socialista, e estabelecid...
 A Revolução dos Cravos continua a dividir a sociedade
portuguesa, sobretudo nos estratos mais velhos da
população que vi...
 Extremam-se entre eles os pontos de vista dominantes
na sociedade portuguesa em relação ao 25 de abril.
Quase todos reco...
 À esquerda, pensa-se que o espírito inicial da
revolução se perdeu. O PCP lamenta que não se tenha
ido mais longee que m...
 De uma forma geral, uns e outros lamentam a forma
como a descolonização foi feita. A direita lamenta as
nacionalizaçõesn...
 A esquerda defende que a o agravamento da situação
económica do país é consequente de medidas então
programadas que não ...
 O cravo vermelho tornou-se o símbolo da Revolução
de Abril de 1974. Segundo se conta, foi uma florista de
Lisboa que ini...
 Neste trabalho descrevo o antes, durante e depois do 25
de abril de 1974.
 Este dia é um marco histórico para os portug...
 Wikipédia
 Google(imagens)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revolução dos escravos/25 de abril de 1974

2.323 visualizações

Publicada em

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.323
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revolução dos escravos/25 de abril de 1974

  1. 1. 25 de abril de 1974
  2. 2. Trabalho realizado por:  Ivo Madureira, 2º TGD nº 7 17/3/2014
  3. 3.  Intrudução  Antecedentes  Preparação do golpe  Movimentação militar no dia 25 de abril  Consequências  O 25 de abril visto mais tarde  Cravo  Conclusão  Biografia
  4. 4.  A Revolução dos Cravos, conhecida, efetivamente, como Revolução de 25 de Abril, refere-se a um período da história de Portugal resultante de um movimento social, ocorrido a 25 de abril de 1974, …
  5. 5.  …que depôs o regime ditatorial do Estado Novo, vigente desde 1933, e iniciou um processo que viria a terminar com a implantação de um regime democrático e com a entrada em vigor da nova Constituição a 25 de abril de 1976, com uma forte orientação socialista na sua origem.
  6. 6.  Na sequência do golpe militar de 28 de Maio de 1926, foi instaurada em Portugal uma ditadura militar que, culminaria na eleição presidencial de Óscar Carmona em 1928. Foi durante o mandato presidencial de Carmona, período que se designou por "Ditadura Nacional", que foi elaborada a Constituição de 1933 e instituído um novo regime autoritário de inspiração fascista - "o Estado Novo".
  7. 7.  António de Oliveira Salazar passou então a controlar o país através do partido único designado por "União Nacional", ficando no poder até lhe ter sido retirado por incapacidade em 1968, na sequência de uma queda de uma cadeira em que sofreu lesões cerebrais. Foi substituído por Marcello Caetano que, pôs em prática a Primavera Marcelista* e dirigiu o país até ser deposto no dia 25 de Abril de 1974.
  8. 8.  Primavera Marcelista designa o período inicial do governo de Marcelo Caetano, entre 1968 e 1970, no qual se operou uma certa modernização económica e social e uma liberalização política moderada, criando a expectativa de uma verdadeira reforma do regime em Portugal, o que não chegou a acontecer
  9. 9.  Durante o Estado Novo, Portugal foi sempre considerado como um país governado por uma ditadura pela oposição ao regime, pelos observadores estrangeiros e até mesmo pelos próprios dirigentes do regime. Durante o Estado Novo existiam eleições, que não eram universais e eram consideradas fraudulentas pela oposição.
  10. 10.  O Estado Novo tinha como polícia política a PIDE (Polícia Internacional de Defesa do Estado), versão renovada da PVDE (Polícia de Vigilância e Defesa do Estado), que mais tarde foi reconvertida na DGS (Direcção-Geral de Segurança). A polícia política do regime, que recebeu formação da Gestapo* e da CIA* , tinha como objectivo censurar e controlar tanto a oposição como a opinião pública em Portugal e nas colónias.
  11. 11.  Gestapo é o acrómio em alemão de Geheime Staatspolizei, significando "polícia secreta do Estado".  A Central Intelligence Agency ("Agência Central de Inteligência"), mais conhecida pela sigla CIA, é uma agência de inteligência civil do governo dos Estados Unidos responsável por investigar e fornecer informações de segurança nacional para os senadores daquele país. A CIA também se engaja em atividades secretas, a pedido do presidente dos Estados Unidos.
  12. 12.  Na visão histórica dos ideólogos do regime, o país teria de manter uma política de defesa, de manutenção do "Ultramar“*, numa época em que os países europeus iniciavam os seus processos de descolonização progressiva.
  13. 13.  Ultramar serviu para designar as colónias europeias situadas fora do continente europeu - daí, por exemplo, chamar-se de Guerra do Ultramar à Guerra Colonial Portuguesa (1961-1974).
  14. 14.  Apesar de séria contestação nos fóruns mundiais, como na ONU*, Portugal manteve a sua política irredentista, endurecendo-a a partir do início dos anos 1960, face ao alastramento dos movimentos independentistas em Angola, na Guiné e em Moçambique.
  15. 15.  Organização das Nações Unidas (ONU), é uma organização internacional cujo objetivo declarado é facilitar a cooperação em matéria de direito internacional, segurança internacional, desenvolvimento econômico, progresso social, direitos humanos e a realização da paz mundial.
  16. 16.  Economicamente, o regime manteve uma política de condicionamento industrial que protegia certos monopólios* e certos grupos industriais e financeiros (a acusação de plutocracia* é frequente).
  17. 17.  Em economia, monopólio designa uma situação particular de concorrência imperfeita, em que uma única empresa detém o mercado de um determinado produto ou serviço, conseguindo portanto influenciar o preço do bem que comercializa.  A plutocracia é um sistema político no qual o poder é exercido pelo grupo mais rico. Do ponto de vista social, esta concentração de poder nas mãos de uma classe é acompanhada de uma grande desigualdade e de uma pequena mobilidade.
  18. 18.  O país permaneceu pobre até à década de 1960, sendo consequência disso um significativo acréscimo da emigração. Contudo, é durante a década de 60 que se notam sinais de desenvolvimento económico com a adesão de Portugal à EFTA* .
  19. 19.  A Associação Europeia de Comércio Livre é um bloco económico europeu, de que Portugal fez parte desde a fundação até à sua adesão à Comunidade Económica Europeia em 1986.
  20. 20.  A primeira reunião clandestina de capitães foi realizada em Bissau, em 21 de agosto de 1973.  Uma nova reunião, em 9 de setembro de 1973 no Monte Sobral (Alcáçovas) dá origem ao Movimento das Forças Armadas.
  21. 21.  No dia 5 de março de 1974 é aprovado o primeiro documento do movimento: Os Militares, as Forças Armadas e a Nação. Este documento é posto a circular clandestinamente.
  22. 22.  No dia 14 de março o governo demite os generais Spínola e Costa Gomes dos cargos de Vice- Chefe e Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, alegadamente por estes se terem recusado a participar numa cerimónia de apoio ao regime.
  23. 23.  No entanto, a verdadeira causa da expulsão dos dois Generais foi o facto do primeiro ter escrito, com a cobertura do segundo, um livro, Portugal e o Futuro, no qual, pela primeira vez uma alta patente advogava a necessidade de uma solução política para as revoltas separatistas nas colónias e não uma solução militar.
  24. 24.  No dia 24 de março, a última reunião clandestina dos capitães revoltosos decide o derrube do regime pela força. Prossegue a movimentação secreta dos capitães até ao dia 25 de abril. A mudança de regime acaba por ser feita por acção armada.
  25. 25.  No dia 24 de abril de 1974, um grupo de militares comandados por Otelo Saraiva de Carvalho instala secretamente o posto de comando do movimento golpista no quartel da Pontinha, em Lisboa.
  26. 26.  Às 22h 55m é transmitida a canção E depois do Adeus, de Paulo de Carvalho, pelos Emissores Associados de Lisboa. Este é um dos sinais previamente combinados pelos golpistas, que desencadeia a tomada de posições da primeira fase do golpe de estado.
  27. 27.  O segundo sinal é dado às 0h20 m, quando a canção Grândola, Vila Morena de José Afonso é transmitida pelo programa Limite, da Rádio Renascença, que confirma o golpe e marca o início das operações.
  28. 28.  O golpe militar do dia 25 de abril tem a colaboração de vários regimentos militares que desenvolvem uma ação concertada. No Norte, uma força do CICA liderada pelo Tenente-Coronel Carlos de Azeredo toma o Quartel-General da Região Militar do Porto.
  29. 29.  Estas forças são reforçadas por forças vindas de Lamego. Forças do BC9 de Viana do Castelo tomam o Aeroporto de Pedras Rubras. Forças do CIOE tomam a RTP e o RCP no Porto. O regime reage, e o ministro da Defesa ordena a forças sediadas em Braga para avançarem sobre o Porto, no que não é obedecido, dado que estas já tinham aderido ao golpe.
  30. 30.  À Escola Prática de Cavalaria, que parte de Santarém, cabe o papel mais importante: a ocupação do Terreiro do Paço. As forças da Escola Prática de Cavalaria são comandadas pelo então Capitão Salgueiro Maia. O Terreiro do Paço é ocupado às primeiras horas da manhã.
  31. 31.  Salgueiro Maia move, mais tarde, parte das suas forças para o Quartel do Carmo onde se encontra o chefe do governo, Marcelo Caetano, que ao final do dia se rende, exigindo, contudo, que o poder seja entregue ao General António de Spínola, que não fazia parte do MFA, para que o "poder não caísse na rua". Marcelo Caetano parte, depois, para a Madeira, rumo ao exílio no Brasil.
  32. 32.  No rescaldo dos confrontos morrem quatro pessoas, quando elementos da polícia política disparam sobre um grupo que se manifesta à porta das suas instalações na Rua António Maria Cardoso, em Lisboa.
  33. 33.  No dia 26 de abril, forma-se a Junta de Salvação Nacional, constituída por militares, que dará início a um governo de transição. O essencial do programa do MFA* é, em síntese, resumido no programa dos três D: Democratizar, Descolonizar, Desenvolver.
  34. 34.  O MFA ou “Movimento das Forças Armadas” foi responsável pela revolução que terminou com o Estado Novo em Portugal, em 25 de Abril de 1974. A principal motivação deste grupo de militares era a oposição ao regime e o descontentamento pela política seguida pelo governo em relação à Guerra Colonial.
  35. 35.  Entre as medidas imediatas da revolução conta-se a extinção da polícia política (PIDE/DGS) e da Censura. Os sindicatos livres e os partidos são legalizados. No dia seguinte, a 26 de abril, são libertados os presos políticos da Prisão de Caxias e de Peniche.
  36. 36.  Os líderes políticos da oposição no exílio voltam ao país nos dias seguintes. Passada uma semana, o 1.º de Maio é celebrado em plena liberdade nas ruas, pela primeira vez em muitos anos. Em Lisboa junta-se cerca de um milhão de pessoas.
  37. 37.  Portugal passará por um período conturbado de cerca de dois anos, comummente designado por PREC (Processo Revolucionário em Curso), em que se confrontam facções de esquerda e direita, por vezes com alguma violência, sobretudo em ações organizadas no Norte.
  38. 38.  São nacionalizadas grandes empresas, "saneados" quadros importantes e levadas ao exílio personalidades identificadas com o Estado Novo, gente que não partilha da visão política que a revolução prescreve. Consumam-se várias conquistas da revolução". Acabada a guerra colonial e durante o PREC, as colónias africanas e de Timor-Leste tornam-se independentes.
  39. 39.  Forma-se o I Governo Constitucional de Portugal, chefiado por Mário Soares (23 de setembro de 1976). Ramalho Eanes, militar em Angola no 25 de Abril, o sisudo oficial que adere ao MFA fora de horas, o extemporâneo general que na televisão se esconde por trás de uns óculos de sol, ganha as presidenciais de 27 de junho de 1976. Segue-se o fim do PREC e um período de estabilização política.
  40. 40.  Eanes impõe-se como chefe militar e Mário Soares, desvinculado dos fundamentos marxistas do ideário socialista, proclama as virtudes do pluralismo, a inevitabilidade do liberalismo, e lidera, dominando o partido e o país.
  41. 41.  Com o seu talento, ergue a voz e faz-se ouvir: com ele, a democracia em Portugal está garantida e o país livre da "ameaça comunista". Com a sua habitual persistência, mantendo durante anos o mesmo discurso sempre que fala, acaba por ganhar terreno e isolar a esquerda.
  42. 42.  Finalmente, no dia 25 de abril de 1975, têm lugar as primeiras eleições livres para a Assembleia Constituinte, ganhas pelo PS .
  43. 43.  Na sequência dos trabalhos desta assembleia é elaborada uma nova Constituição, de forte pendor socialista, e estabelecida uma democracia parlamentar de tipo ocidental. A constituição é aprovada em 1976 pela maioria dos deputados, abstendo-se apenas o CDS.
  44. 44.  A Revolução dos Cravos continua a dividir a sociedade portuguesa, sobretudo nos estratos mais velhos da população que viveram os acontecimentos, nas facções extremas do espectro político e nas pessoas politicamente mais empenhadas. A análise que se segue refere-se apenas às divisões entre estes estratos sociais.
  45. 45.  Extremam-se entre eles os pontos de vista dominantes na sociedade portuguesa em relação ao 25 de abril. Quase todos reconhecem, de uma forma ou de outra, que a revolução de abril representou um grande salto no desenvolvimento político-social do país.
  46. 46.  À esquerda, pensa-se que o espírito inicial da revolução se perdeu. O PCP lamenta que não se tenha ido mais longee que muitas das chamadas "conquistas da revolução" se tenham perdido. Os sectores mais conservadores de direita tendem a lamentar o que se passou.
  47. 47.  De uma forma geral, uns e outros lamentam a forma como a descolonização foi feita. A direita lamenta as nacionalizaçõesno período imediato ao 25 de abril de 1974, afirmando que a revolução agravou o crescimento de uma economia já então fraca.
  48. 48.  A esquerda defende que a o agravamento da situação económica do país é consequente de medidas então programadas que não foram aplicadas ou que foram desfeitaspelos governos posteriores a 1975, desfeitas as utopias da construção de um socialismo democrático.
  49. 49.  O cravo vermelho tornou-se o símbolo da Revolução de Abril de 1974. Segundo se conta, foi uma florista de Lisboa que iniciou a distribuição dos cravos vermelhos pelos populares que os ofereceram aos soldados. Estes colocaram-nos nos canos das espingardas. Por isso se chama ao 25 de Abril de 74 a "Revolução dos Cravos".
  50. 50.  Neste trabalho descrevo o antes, durante e depois do 25 de abril de 1974.  Este dia é um marco histórico para os portugueses, que o celebram como o dia da liberdade.  Neste dia revelou-se que a união faz a força e de quando achamos que algo está incorreto temos que lutar para que seja corrigido e “não ficar parados e mudos, a ver”.  Pretendo com este trabalho que vocês, a quem é dirigido este trabalho, que fiquem a perceber a importância e de como foi este dia.
  51. 51.  Wikipédia  Google(imagens)

×