Fotógrafo Bob Wolfenson

408 visualizações

Publicada em

Bob Wolfenson

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
408
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
72
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fotógrafo Bob Wolfenson

  1. 1. Biografia resumida de Bob Wolfenson Pierri de Avila Fernandes Iluminacao – 2015/01 Curso Superior de Tecnologia em Fotografia / ULBRA Fernando Pires
  2. 2. Bob Wolfenson (1954) Fotógrafo brasileiro. Desde que iniciou sua trajetória profissional, aos dezesseis anos, no estúdio da Editora Abril, o paulistano Bob Wolfenson já trabalhou com os principais gênero fotográficos. E o fez com sucesso, tanto em seu estúdio como em viagens pelo Brasil e mundo afora – tomando café da manhã no salão vazio do Hotel Glória em Caxambu ou pedindo o room service do Copacabana Palace. Uma das referências nacionais como retratista, fotógrafo de nu e de moda, Wolfenson transita entre a publicidade e a arte. Possui obras nos acervos do Museu de Arte de São Paulo (Coleção Pirelli-Masp), do Museu de Arte Moderna de São Paulo, do Museu de Arte Brasileira da Faap, do Itaú Cultural, entre outras coleções. Iniciou a carreira ao 16 anos como assistente de fotografia na Editora Abril onde permaneceu por quatro anos. Em 1974, passou a trabalhar como free-lancer, fazendo algumas revistas técnicas da Editora Abril, como Químicos e Derivados, Máquinas e Metais. As fotos eram de empresários ? o famoso boneco, na linguagem jornalística. Em 1978, montou seu primeiro estúdio e estudou Ciências Sociais. Em 1982 mudou-se para Nova Iorque , trabalhou como assistente do fotógrafo norte-americano Bill King. De volta ao Brasil, sua carreira tomou novo rumo e, a partir de 1985, começou a fazer editoriais para diversas revistas. A consagração como fotógrafo veio após a exposição Jardim da Luz, em 1996, no Museu de Arte de São Paulo. Foi responsável por vários ensaios para a Playboy e diversas capas e editoriais de moda. Em 2004 realizou a exposição Antifachada - Encadernação Dourada no Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado, e suas fotos passam a pertencer a diversas coleções, museus e instituições de arte. MAB - FAAP Atualmente é considerado por muitos como um dos maiores fotógrafos da América Latina.[2] Bob Wolfenson fotografou dezenas de top models, fez muitas campanhas publicitarias importantes apesar de ser essencialmente um artista. Atualmente Bob Wolfenson é co-editor da revista da qual ele mesmo é co-criador, a S/N (lê-se Sem Número).
  3. 3. Curriculum 1954 - Nasce em São Paulo. 1966-67 - As primeiras fotos. 1970 - Ingressa como estagiário-aprendiz no estúdio fotográfico da Editora Abril na época dirigido pelo fotógrafo Francisco Albuquerque e lá permanece por 4 anos. 1973 - Ingressa na Faculdade de Ciências Sociais na USP. 1974 - Sai da Editora Abril, e começa carreira solo como fotógrafo free-lancer para revistas da própria editora. 1982 - Viaja a Nova York e trabalha como assistente para o fotógrafo Bill King. 1985 - Começa a trabalhar para as principais revistas brasileiras 1989 - Faz a primeira exposição individual “Minhas Amigas do Peito” na Galeria Fotóptica 1991 - A Pirelli adquire e expõe três de suas fotos que passam a integrar a Coleção Pirelli de Fotografia. A Revista Gráfica número 30, publica uma matéria de 16 páginas sobre seus trabalhos. 1995 - Ganha o prêmio Funarte - Ministério da Cultura de melhor fotógrafo do ano na categoria arte aplicada pela campanha para a griffe Viva Vida realizada em Israel. A revista Vogue publica edição especial sobre seus trabalhos.
  4. 4. Publicidade
  5. 5. Moda
  6. 6. Revista S/N
  7. 7. Retratos O fotógrafo paulistano ficou famoso por seus retratos de celebridades. Apesar de sua proximidade com o mundo dos famosos, Wolfenson não mantém um relacionamento próximo, pois acredita que esses encontros são sempre efêmeros, acontecem apenas para o clique.
  8. 8. Carlos Nader, documentarista, 2014
  9. 9. Bibliografia http://neverdrunk.blogspot.com.br/2010_05_01_archive.htmlhttp://w http://www.bobwolfenson.com.br/v2/pt/fashion

×