MANUAL DESNORTEADOR DE
SOBREVIVÊNCIA VOCACIONAL
1. A TEORIA É NECESSÁRIAMENTE DIFERENTE DA PRÁTICA
1.1 Busque o Material N...
O Material
Norteador é
como um oásis
no meio do deserto.
Mas não um oásis de salvação,
um local para ficar.
O oásis do Mat...
3. O PROCESSO NÃO HABITA UMA BANHEIRA DE
HIDROMASSAGEM
3.1 Todo processo deve ser emancipador. (A emancipação se dá no
ent...
ATENÇÃO:
ESSE
ENSAIO
FOI
CRIADO
A
DERIVA.
(OUÇA
A
SUA
VERSÃO
EM
AUDIO).
4. CRIE A
CULTURA DA
MANUTENÇÃO
DA DUVIDA OU
DA
IN...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manual desnorteador de sobrevivência vocacional

202 visualizações

Publicada em

Ensaio de Pesquisa-Ação da Coordenadora Artístico-Pedagógica Peticia Carvalho. Programa Vocacional. Ano 2015.

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
202
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
37
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual desnorteador de sobrevivência vocacional

  1. 1. MANUAL DESNORTEADOR DE SOBREVIVÊNCIA VOCACIONAL 1. A TEORIA É NECESSÁRIAMENTE DIFERENTE DA PRÁTICA 1.1 Busque o Material Norteador toda vez que precisar ser desorientado. (Pouco importa se você leu o Material Norteador no inicio, meio ou final de  seu  trabalho  de  “um  ano”  dentro  do  Programa  Vocacional. O Material Norteador deve ser buscado toda vez em que a prática de orientar se confundir com a prática de martelar pregos. Toda teoria deve vir para desorientar a prática). 1.2 Invente uma fala nova toda vez que te perguntarem: O Que é Vocacional? (Toda teoria é pura invenção. Então, por que não se jogar em um processo criativo emancipatório de discursos? Por que não recriar o Programa Vocacional a todo o momento? Só o que não vale é reproduzir textos massificados). 2. A DIVULGAÇÃO É ILUSÃO 2.1 Nenhuma distribuição de panfletos vai te trazer Vocacionados. (É isso.) 2.2 Nenhuma divulgação artística é divulgação. (Ação Cultural, Formação de Público, Mostra de Processo, tudo isso é a divulgação artística, menos divulgação artística. Divulgação Artística não pode ser um objetivo- pretexto para amenizar a responsabilidade do fazer criativo e da potência da ação do artista frente ao espectador). Era uma vez uma cidade onde as pessoas entendiam a diferença entre arte e entretenimento. Nesta cidade, o Programa Vocacional havia acabado há 2 anos. Era uma vez uma cidade onde as pessoas livremente escolhiam fazer parte de processos educativos que geravam emancipação. Nesta cidade, o Programa Vocacional havia acabado há 5 anos. Coordenadora Artistico-Pedagógica: Peticia Carvalho 1
  2. 2. O Material Norteador é como um oásis no meio do deserto. Mas não um oásis de salvação, um local para ficar. O oásis do Material Norteador aparece no deserto para caotizar a imagem. Para provocar a despermanência do olhar. Um oásis gerador de caos. Manual de Sobrevivência a um Vocacional Liquido: 1. Seja Liquido. 2. Seja Liquido. 3. Seja Liquido. 4. Responda Óleo. 5. Seja Liquido. 6. Seja Liquido. 7. Ganhe um gelo. 8. Seja Liquido. 9. Seja Liquido. 10. Seja Liquido. 11. Espirre. 12. Seja Liquido. 13. Oriente Liquido. 14. Oriente Liquido. 15. Ouça seu próprio borbulhar. 16. Oriente Liquido. 17. Engula Sal. 18. Fique com cara de açúcar. 19. Seja Liquido. 20. Processe o Liquido. 21. Processe o Liquido. 22. Processe o Liquido. 23. Crie tijolo. 24. Oriente Liquido. 25. Seja Liquido. 26. Seja Liquido. 27. Veja o Liquido no espelho. 28. Seja Liquido. 29. Liquido Emancipado. 30. Liquide-se. 2
  3. 3. 3. O PROCESSO NÃO HABITA UMA BANHEIRA DE HIDROMASSAGEM 3.1 Todo processo deve ser emancipador. (A emancipação se dá no entendimento da potencialidade coletiva do saber-fazer, logo, habitar o processo não pode ser um habitar individualista. O processo deve ser, a todo momento, compartilhado.) 3.2 O processo não é o oposto complementar do produto. (Pensar a arte sob a ótica do processo não é negar o produto artístico. É somente mudar o foco do trabalho. Processo e produto estão sempre presentes no trabalho do artista, mas focar-se em uma ou em outra característica evidencia escolhas politicas da arte.) 3.3 O processo criativo é rio. (Assim como o rio, em um processo criativo, existem os que habitam esse processo e os que bebem ou se banham nele a qualquer momento. O processo criativo não pode ser uma banheira de hidromassagem onde me afundo e somente saio dela com uma sensação individual de bem estar e com o corpo enrugado. A potência do processo deve possibilitar a instauração de produtos a todo momento.) Era uma vez uma cidade onde os processos criativos faziam parte da cultura local. Nesta cidade, o Programa Vocacional havia acabado há 10 anos. O Dia em que as Nuvens Caíram (A Zona Leste, a Paraiba e eu) 20 de agosto de 2015. 17 horas. Estou no trem. Volto do Jardim Romano para casa, Santa Cecilia. A experiência de hoje me fez rir. As coincidências existem ou somos nós que as criamos? Eu nasci no interior de São Paulo, moro na metrópole há 11 anos. Em 2013 iniciei minha atuação no Programa Vocacional. No mesmo ano iniciei minha pesquisa de mestrado, onde realizo pesquisas de campo no estado da Paraíba. Hoje, acabo de visitar um coletivo de teatro que habita o Jardim Romano e acompanhar seu trabalho no bairro. O coletivo se chama Estopô Balaio. Alguns integrantes do grupo são migrantes de estados da Região Nordeste. A menina que nos recebeu tinha um sotaque gostoso. Senti-me há 5 anos atrás, quando conheci um coletivo de circo de rua de João Pessoa – PB, o Perambularte. Faço minha pesquisa de campo em uma comunidade quilombola graças a eles. Ir para lá também é um pretexto para vê-los. Aprendi a apreciar o pôr do sol na Paraíba e aprendi a pôr essa apreciação em prática em 2014. Amava ver o sol no ônibus, voltando de Sapopemba, após visitar os equipamentos que eu coordenava. Hoje eu estava no Jardim Romano, mas o coletivo, o sotaque, o sol, me faziam também, um pouco Paraíba. Afinal, como não se desterritorializar no local e no dia em que as nuvens caem? 3
  4. 4. ATENÇÃO: ESSE ENSAIO FOI CRIADO A DERIVA. (OUÇA A SUA VERSÃO EM AUDIO). 4. CRIE A CULTURA DA MANUTENÇÃO DA DUVIDA OU DA INCERTEZA. (Ela é potente nas orientações e nas reuniões de equipe. Mas costuma também acontecer (ops): nas assembleias, na Divisão de Formação e no Vocacional 2015). 5. ENSAIE AO CAMINHAR. (Se o caminho de casa até o equipamento é distante, aproveite para ensaiar. O ensaio de pesquisa nada mais é do que a própria ação de caminhar: da carne, do pensar, do teclar...). Era uma vez uma cidade onde toda a geografia construída por um homem tinha como objetivo estimular os passantes, espectadores, a criar. Nesta cidade, o Programa Vocacional havia acabado há 20 anos. 4

×