A carta de pero vaz de caminha

158 visualizações

Publicada em

jmkmkmm

Publicada em: Saúde
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
158
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A carta de pero vaz de caminha

  1. 1. Deram á eles ali de comer: pão e peixe cozido, confeitos, bolos de açúcar, mel e figos passados. Eles não quiseram comer quase nada, e o que provaram, logo jogaram fora. Eles trouxeram vinho numa taça, mal colocaram a boca; não gostaram de nada e não quiseram mais nada. Trouxeram água em uma vasilha. Não beberam. Mal colocaram na boca, e logo jogaram fora. Um deles viu um rosário e acenou para que lhe dessem, folgou muito com ele e colocou no pescoço. Depois tirou e enrolou no braço, ele mostrava para a terra e de novo para o rosário e depois para o colar do capitão dizendo que dariam ouro por aquilo. Ele queria dizer que levaria o rosário mais o colar, mas ele não queria entender o porquê não havíamos de dar. Então eles deitaram de costas no tapete,para dormir, sem encobrir suas vergonhas, que não eram circuncisadas e as cabeleiras delas estavam bem rapadas e feitas. O capitão colocou almofadas por baixo de suas cabeças e um cobertor por cima, eles consentiram e adormeceram. No sábado pela manhã o capitão mandou-nos embora e fomos procurar a entrada da qual era muito larga e alta de seis a sete braças. Entraram todos os barcos dentro, e ancoraram em cinco ou seis braças, a ancoragem era tão grande , tão formosa e tão segura que podia abrigar nela mais de duzentos navios e barcos.
  2. 2. Então muitos começaram a chegar; e entravam pela beira do mar para as canoas, até onde podiam. E traziam cabaças d'água, e tomavam alguns barris que levávamos e os enchiam de água e traziam ate as canoas. Não que eles chegassem a bordo das canoas. Mas junto a ela, nos lançavam os barris cheios de água. E nós o tomávamos. E eles pediam alguma coisa em troca. Levava Nicolau Coelho o chocalho da cobra cascavel e pulseiras. E dava a alguns um chocalho, e a outros uma pulseira, de maneira que com aqueles atrativos quase que nos queriam dar a mão. Davam para nós arcos e setas em troca de chapéus e carapuças de linho, e de qualquer coisa que a gente queria dar a eles. Dali se partiram os outros, dois jovens, que não os vimos mais. Muitos deles ou quase a maioria que ali andavam tinham aqueles bicos de osso nos lábios. E alguns, que andavam sem eles, tinham os lábios furados e nos buracos uns pequenos recipientes de couro para vinhos, sendo a tampa, de pau, chamada de espelho. E alguns deles traziam três daqueles bicos, sendo um no meio, e os outros nas extremidades. E outros andavam, divididos em cores, sendo metade deles da sua própria cor, e metade de tintura preta, um tanto azulada; e outros divididos em cores se assemelhando aos quadrados dos tabuleiros de xadrez. Ali andavam entre eles três ou quatro moças, bem novinhas e gentis, com cabelos muito pretos e compridos pelas costas; e suas partes intimas, tão altas, aparadas e limpas de cabelos que, de as olharmos, não nos envergonhavam.
  3. 3. Os barcos chegaram ancorados e todos os capitães vieram ao barco do capitão Mor.E os mandaram a Nicolau Coelho e Bartolomeu que fossem em terra e levassem aqueles dois homens e os deixassem ir com seu arco e setas, tudo isso depois que cada um com sua camisa nova, sua carapuça vermelha e um rosário de contas brancas de osso , que eles levaram nos braços, suas cascavéis e suas companhias.Entrou com eles um escravo degredado, criado de D. João Telo, chamado Afonso Ribeiro, para andar com eles e saber sobre sua maneira de viver. Fomos rapidamente direto a praia.Ali acudiram a obra de duzentos homens todos nus, e com arcos e setas nas mãos.Aqueles que levávamos acenaram para que eles se afastassem e descansassem os arcos, e eles descansaram mas não se afastaram muito. E mal descansaram os arcos, saíram os que nós levávamos e um jovem degredado com eles. Quando saíram não passaram mais, e não esperava um pelo o outro e corriam a quem mais corria. E passaram por um rio que por ali corre, de água doce com muito água que batia na coxa deles. E eles foram correndo além do rio, entre moitas onde estavam outros e ali passaram. Entretanto se foi o degredado com um homem que ao sair do barco, o agasalhou e o levou até lá. Mas logo voltaram até nós, e com ele vieram os outros que nós levamos, os quais vinham nus e sem carapuças.

×