Igreja Matriz de Azurara
Igreja Matriz de Azurara A igreja Paroquial de Azurara é obra do século XVI e na opinião de Monsenhor Ferreira é em estilo...
Fontes: Cidades e Vilas de Portugal.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Igreja Azurara Bruno

670 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
670
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
33
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Igreja Azurara Bruno

  1. 1. Igreja Matriz de Azurara
  2. 2. Igreja Matriz de Azurara A igreja Paroquial de Azurara é obra do século XVI e na opinião de Monsenhor Ferreira é em estilo manuelino ou renascença do primeiro período ou do período de transição. Trata-se de um edifício de boas proporções, inserido num desafogado terreiro voltado ao mar como era uso. É constituído por três naves forradas a madeira, divididas em cinco tramos de arcos de volta inteira, apoiados em pilares oitavados com faces alternadas de duas larguras. Dois anéis, em forma de corda, envolvem as colunas, também ornamentadas com motivos vegetais. A igreja não possui transepto nem capelas laterais. A nave central fecha-se na capela-mor, de planta rectangular, com abóbada de arestas ricamente trabalhada. Remata-se com as esferas armilares e com duas cruzes de Cristo, armas e emblema do rei que mandou erguer o templo. Gravado na pedra aparece o nome do construtor: Gonçalo Lopes e uma data, que provavelmente será a da conclusão: 1522. O altar principal ostenta um retábulo em talha dourada, trabalho da autoria de Francisco Machado, e boas esculturas, pintadas e estofadas, de S.Pedro e S.Paulo. São ainda visíveis alguns azulejos, setecentistas, em tons de azul e branco provenientes da oficina de António Ri farto, e que revestiram todas as paredes da cabeceira. Nos altares das naves, chamam a atenção as pinturas, especialmente as quinhentistas, de escola maneirista, do altar de Nossa Senhora do Rosário.
  3. 3. Fontes: Cidades e Vilas de Portugal.

×