SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Certa noite, num estábulo… .  Certa noite,  num estábulo…
Certa noite, um vento muito forte levantou-se sobre as colinas de Belém As ovelhas que ali pastavam e os pássaros que ali viviam procuraram rapidamente refúgio sob as oliveiras ou entre os ramos.
Mas uma pomba branca procurou abrigo debaixo do telhado de um estábulo.
A sua chegada encheu de alegria o coração da velha vaquinha que ali vivia. - Sabes, já estou velha, não tenho forças para puxar o arado - explicou a vaquinha. - Mas aborreço-me aqui sozinha. Só o meu dono é que me vem visitar, de vez em quando.  - Diz-me, pomba, por acaso não o vês a caminho?
- Infelizmente não - respondeu a pomba. - Só vejo as oliveiras que dançam com o vento e uma lebre enregelada à procura da entrada da sua toca. - E se fosses dizer-lhe para vir para o meu estábulo? -disse a vaquinha. - Aqui dentro estará abrigada.
E quando a lebre se refugiou entre os seus cascos, a vaquinha aqueceu-a com o seu bafo.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
E quando os cabritinhos se refugiaram entre os seus cascos, a vaquinha aqueceu-os com o seu bafo
No   entanto, como ainda esperava ver o seu dono, voltou a pedir: - Diz-me pomba, não vês mesmo ninguém a aproximar-se?
[object Object],[object Object]
[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Quando a última ovelha entrou no estábulo, a noite envolvia já as colinas à volta de Belém. Mas como a velha vaquinha mantinha uma réstea de esperança, de novo perguntou pelo seu dono: - Diz-me pomba, não vês a luz trémula da candeia do meu dono a aproximar-se, na escuridão?
-  Sim! Vejo uma luz que se aproxima! - respondeu a pomba, entusiasmada, - mas vem lá alta, no céu, e deixa atrás de si um rasto brilhante .
- Será o meu dono a descer a colina com uma grande tocha? Pomba branca, peço-te: vai dizer-lhe que estou à espera dele - exultou a vaquinha. - Eu não vejo o teu dono - retorquiu a pomba, - apenas esta luz resplandecente que agora paira sobre o estábulo.
De súbito, o vento parou de soprar. Então a voz de um anjo ecoou: “ Neste  estábulo vive uma vaquinha de bafo forte e quente. À espera do seu dono, a todos oferece abrigo.  Até o burro carregado e cansado que neste instante avança pelo caminho virá a pedir-lhe hospedagem.”
No estábulo fez-se silêncio. E foi no silêncio que se ouviu o suspiro da velha vaquinha. -O estábulo já está cheio… Não há lugar para mais nenhum animal – disse, desolada.
Mas como tinha um coração bom, não era capaz de negar abrigo ao pobre burro carregado e cansado.
Por isso, disse à pomba: Voa até ele e diz-lhe que lhe cedo o meu lugar. Vou rebentar a corda que me prende e dormirei lá fora, à porta.
Só que a vaquinha já era velhinha e as forças não eram muitas. Em vão tentava libertar-se do forte laço que a prendia quando a porta se abriu, empurrada por mão humana. Por uma segundo a vaquinha alegrou-se pensando que se tratava do seu dono. Mas não era a voz do seu dono que perguntava se havia espaço para mais três…
- Para quatro - arrulhou, feliz, a pomba. - Montada no burro vem uma jovem que está prestes a dar à luz. No estábulo todos se alegraram. Todos menos a vaquinha. Não, ela já não era o animal possante de outrora, capaz de rebentar com a corda mais forte. Agora estava fechada num estábulo, incapaz de oferecer guarida até a um bebé .
Ao verem a sua tristeza, os outros animais disseram-lhe: - Não te preocupes. Nos damos-lhes o nosso lugar - e a lebre, os cabritinhos e as ovelhas abandonaram o estábulo, um a um. -  Se ao menos o meu dono chegasse, ele podia libertar-me de laço. Pomba branca, tens a certeza que não o vês? - perguntou mais uma vez a velha vaquinha.
Desta vez a pomba não respondeu. Só muito mais tarde, quando um choro de bebé ecoou no estábulo, ela, arrulhou, docemente: - Vejo uma criança deitada nas palhinhas. Está despida e precisa de ti. A velha vaquinha baixou os olhos e o seu coração encheu-se de felicidade. Aproximou-se do bebé e aqueceu-o com o seu bafo.
Foi então que escutou a voz do seu dono que, comovido, lhe dizia: - A partir desta noite nunca mais estarás só. De todas as colinas à volta de Belém virão pastores e camponeses. Virão adorar a este menino, que será para sempre o teu, o nosso, verdadeiro mestre.
Título: Certa noite, num estábulo Autor: Guido Visconti Ilustração: Alessandra Climatoribus Editora: Livros Horizonte

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bruxa mimi
Bruxa mimiBruxa mimi
Bruxa mimiAna Alho
 
Casamento diospiro noz
Casamento diospiro nozCasamento diospiro noz
Casamento diospiro nozMaria Leonor
 
A pequena-folha-amarela[1]
A pequena-folha-amarela[1]A pequena-folha-amarela[1]
A pequena-folha-amarela[1]teresa_ramos
 
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01beebgondomar Judite
 
A castanha lili-
A castanha lili-A castanha lili-
A castanha lili-labeques
 
Power point a bruxinha que voava numa escova de dentes
Power point  a bruxinha que voava numa escova de dentesPower point  a bruxinha que voava numa escova de dentes
Power point a bruxinha que voava numa escova de dentesTeresa Ramos
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos Tânia Alves
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaMaria Ferreira
 
Que grande abóbora mimi!
Que grande abóbora mimi!Que grande abóbora mimi!
Que grande abóbora mimi!AVEOS
 
Uma história de natal
Uma história de natalUma história de natal
Uma história de natalbecresforte
 
Quem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natalQuem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natalMarcio Flores
 
Corpo humano e_casa
Corpo humano e_casaCorpo humano e_casa
Corpo humano e_casaAcilu
 
Um sonho de neve
Um sonho de neveUm sonho de neve
Um sonho de nevelenatubal
 

Mais procurados (20)

Bruxa mimi
Bruxa mimiBruxa mimi
Bruxa mimi
 
Casamento diospiro noz
Casamento diospiro nozCasamento diospiro noz
Casamento diospiro noz
 
A pequena-folha-amarela[1]
A pequena-folha-amarela[1]A pequena-folha-amarela[1]
A pequena-folha-amarela[1]
 
Historia de outono
Historia de outonoHistoria de outono
Historia de outono
 
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
 
A castanha lili-
A castanha lili-A castanha lili-
A castanha lili-
 
Um bocadinho inverno
Um bocadinho invernoUm bocadinho inverno
Um bocadinho inverno
 
Power point a bruxinha que voava numa escova de dentes
Power point  a bruxinha que voava numa escova de dentesPower point  a bruxinha que voava numa escova de dentes
Power point a bruxinha que voava numa escova de dentes
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
 
O Palhacinho
O PalhacinhoO Palhacinho
O Palhacinho
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
 
A lagartinha comilona
A lagartinha comilonaA lagartinha comilona
A lagartinha comilona
 
Que grande abóbora mimi!
Que grande abóbora mimi!Que grande abóbora mimi!
Que grande abóbora mimi!
 
Uma história de natal
Uma história de natalUma história de natal
Uma história de natal
 
Quem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natalQuem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natal
 
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
 
A Abóbora Gigante
A Abóbora GiganteA Abóbora Gigante
A Abóbora Gigante
 
Corpo humano e_casa
Corpo humano e_casaCorpo humano e_casa
Corpo humano e_casa
 
Um sonho de neve
Um sonho de neveUm sonho de neve
Um sonho de neve
 

Semelhante a Histria Certa Noite Num Estbulo

O corvo POE, Edgar Allan
O corvo POE, Edgar AllanO corvo POE, Edgar Allan
O corvo POE, Edgar AllanSUICIDE GALLERY
 
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-revAngelica Moreira
 
Monteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_Narizinho
Monteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_NarizinhoMonteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_Narizinho
Monteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_NarizinhoTânia Sampaio
 
Doze lendas brasileiras como nasceram as estrelas - clarice lispector -
Doze lendas brasileiras   como nasceram as estrelas - clarice lispector -Doze lendas brasileiras   como nasceram as estrelas - clarice lispector -
Doze lendas brasileiras como nasceram as estrelas - clarice lispector -VALERIADEOLIVEIRALIM
 
Lenda Alvoroço de festa no céu
Lenda Alvoroço de festa no céuLenda Alvoroço de festa no céu
Lenda Alvoroço de festa no céuSheyla Tasso
 
O canário e a andorinha
O canário e a andorinhaO canário e a andorinha
O canário e a andorinhaBE-EB2
 
02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf
02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf
02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdfPauloPereira34163
 
01.09 o burro e o leão
01.09   o burro e o leão01.09   o burro e o leão
01.09 o burro e o leãoneolookcitnes
 
O ouriço e a lebre som
O ouriço e a lebre somO ouriço e a lebre som
O ouriço e a lebre sompeixinhos
 
O ouriço e a lebre
O ouriço e a lebreO ouriço e a lebre
O ouriço e a lebrepeixinhos
 

Semelhante a Histria Certa Noite Num Estbulo (16)

O corvo POE, Edgar Allan
O corvo POE, Edgar AllanO corvo POE, Edgar Allan
O corvo POE, Edgar Allan
 
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
50560569 clarice-lispector-como-nasceram-as-estrelas-pdf-rev
 
O Corvo / The Raven
O Corvo / The RavenO Corvo / The Raven
O Corvo / The Raven
 
Monteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_Narizinho
Monteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_NarizinhoMonteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_Narizinho
Monteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_Narizinho
 
A Polegarzinha
A PolegarzinhaA Polegarzinha
A Polegarzinha
 
Doze lendas brasileiras como nasceram as estrelas - clarice lispector -
Doze lendas brasileiras   como nasceram as estrelas - clarice lispector -Doze lendas brasileiras   como nasceram as estrelas - clarice lispector -
Doze lendas brasileiras como nasceram as estrelas - clarice lispector -
 
Fábulas de monteiro lobato
Fábulas de monteiro lobatoFábulas de monteiro lobato
Fábulas de monteiro lobato
 
Trabalho do 4ºc2
Trabalho do 4ºc2Trabalho do 4ºc2
Trabalho do 4ºc2
 
Trabalho do 4ºc2
Trabalho do 4ºc2Trabalho do 4ºc2
Trabalho do 4ºc2
 
Lenda Alvoroço de festa no céu
Lenda Alvoroço de festa no céuLenda Alvoroço de festa no céu
Lenda Alvoroço de festa no céu
 
O canário e a andorinha
O canário e a andorinhaO canário e a andorinha
O canário e a andorinha
 
02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf
02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf
02. O Patinho Feio Autor Hans Christian Andersen.pdf
 
Poema o Corvo
Poema o CorvoPoema o Corvo
Poema o Corvo
 
01.09 o burro e o leão
01.09   o burro e o leão01.09   o burro e o leão
01.09 o burro e o leão
 
O ouriço e a lebre som
O ouriço e a lebre somO ouriço e a lebre som
O ouriço e a lebre som
 
O ouriço e a lebre
O ouriço e a lebreO ouriço e a lebre
O ouriço e a lebre
 

Mais de maria do rosario macedo (20)

Animais vertebrados
Animais vertebradosAnimais vertebrados
Animais vertebrados
 
animais de estimação
animais de estimaçãoanimais de estimação
animais de estimação
 
Números e letras
Números e letrasNúmeros e letras
Números e letras
 
Mães do mundo ...
Mães do mundo ...Mães do mundo ...
Mães do mundo ...
 
O vendedor ambulante
O vendedor ambulanteO vendedor ambulante
O vendedor ambulante
 
Está frio lá fora
Está frio lá foraEstá frio lá fora
Está frio lá fora
 
Boneco de neve
Boneco de neveBoneco de neve
Boneco de neve
 
Janeiro
JaneiroJaneiro
Janeiro
 
As aventuras dos ursitos,2013 2
As aventuras dos ursitos,2013 2As aventuras dos ursitos,2013 2
As aventuras dos ursitos,2013 2
 
Junho
JunhoJunho
Junho
 
Com o meu pa ix
Com o meu pa ixCom o meu pa ix
Com o meu pa ix
 
Amulher
AmulherAmulher
Amulher
 
Conheço bem este valor
Conheço bem este valorConheço bem este valor
Conheço bem este valor
 
Responsabilidade
ResponsabilidadeResponsabilidade
Responsabilidade
 
Natal é tempo de paz
Natal é tempo de pazNatal é tempo de paz
Natal é tempo de paz
 
Solidariedade
SolidariedadeSolidariedade
Solidariedade
 
Ser educador
Ser educadorSer educador
Ser educador
 
Dia mundial do sorriso
Dia mundial  do sorrisoDia mundial  do sorriso
Dia mundial do sorriso
 
A minha mãe
A minha mãeA minha mãe
A minha mãe
 
Avós
AvósAvós
Avós
 

Histria Certa Noite Num Estbulo

  • 1. Certa noite, num estábulo… . Certa noite, num estábulo…
  • 2. Certa noite, um vento muito forte levantou-se sobre as colinas de Belém As ovelhas que ali pastavam e os pássaros que ali viviam procuraram rapidamente refúgio sob as oliveiras ou entre os ramos.
  • 3. Mas uma pomba branca procurou abrigo debaixo do telhado de um estábulo.
  • 4. A sua chegada encheu de alegria o coração da velha vaquinha que ali vivia. - Sabes, já estou velha, não tenho forças para puxar o arado - explicou a vaquinha. - Mas aborreço-me aqui sozinha. Só o meu dono é que me vem visitar, de vez em quando. - Diz-me, pomba, por acaso não o vês a caminho?
  • 5. - Infelizmente não - respondeu a pomba. - Só vejo as oliveiras que dançam com o vento e uma lebre enregelada à procura da entrada da sua toca. - E se fosses dizer-lhe para vir para o meu estábulo? -disse a vaquinha. - Aqui dentro estará abrigada.
  • 6. E quando a lebre se refugiou entre os seus cascos, a vaquinha aqueceu-a com o seu bafo.
  • 7.
  • 8. E quando os cabritinhos se refugiaram entre os seus cascos, a vaquinha aqueceu-os com o seu bafo
  • 9. No entanto, como ainda esperava ver o seu dono, voltou a pedir: - Diz-me pomba, não vês mesmo ninguém a aproximar-se?
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13. Quando a última ovelha entrou no estábulo, a noite envolvia já as colinas à volta de Belém. Mas como a velha vaquinha mantinha uma réstea de esperança, de novo perguntou pelo seu dono: - Diz-me pomba, não vês a luz trémula da candeia do meu dono a aproximar-se, na escuridão?
  • 14. - Sim! Vejo uma luz que se aproxima! - respondeu a pomba, entusiasmada, - mas vem lá alta, no céu, e deixa atrás de si um rasto brilhante .
  • 15. - Será o meu dono a descer a colina com uma grande tocha? Pomba branca, peço-te: vai dizer-lhe que estou à espera dele - exultou a vaquinha. - Eu não vejo o teu dono - retorquiu a pomba, - apenas esta luz resplandecente que agora paira sobre o estábulo.
  • 16. De súbito, o vento parou de soprar. Então a voz de um anjo ecoou: “ Neste estábulo vive uma vaquinha de bafo forte e quente. À espera do seu dono, a todos oferece abrigo. Até o burro carregado e cansado que neste instante avança pelo caminho virá a pedir-lhe hospedagem.”
  • 17. No estábulo fez-se silêncio. E foi no silêncio que se ouviu o suspiro da velha vaquinha. -O estábulo já está cheio… Não há lugar para mais nenhum animal – disse, desolada.
  • 18. Mas como tinha um coração bom, não era capaz de negar abrigo ao pobre burro carregado e cansado.
  • 19. Por isso, disse à pomba: Voa até ele e diz-lhe que lhe cedo o meu lugar. Vou rebentar a corda que me prende e dormirei lá fora, à porta.
  • 20. Só que a vaquinha já era velhinha e as forças não eram muitas. Em vão tentava libertar-se do forte laço que a prendia quando a porta se abriu, empurrada por mão humana. Por uma segundo a vaquinha alegrou-se pensando que se tratava do seu dono. Mas não era a voz do seu dono que perguntava se havia espaço para mais três…
  • 21. - Para quatro - arrulhou, feliz, a pomba. - Montada no burro vem uma jovem que está prestes a dar à luz. No estábulo todos se alegraram. Todos menos a vaquinha. Não, ela já não era o animal possante de outrora, capaz de rebentar com a corda mais forte. Agora estava fechada num estábulo, incapaz de oferecer guarida até a um bebé .
  • 22. Ao verem a sua tristeza, os outros animais disseram-lhe: - Não te preocupes. Nos damos-lhes o nosso lugar - e a lebre, os cabritinhos e as ovelhas abandonaram o estábulo, um a um. - Se ao menos o meu dono chegasse, ele podia libertar-me de laço. Pomba branca, tens a certeza que não o vês? - perguntou mais uma vez a velha vaquinha.
  • 23. Desta vez a pomba não respondeu. Só muito mais tarde, quando um choro de bebé ecoou no estábulo, ela, arrulhou, docemente: - Vejo uma criança deitada nas palhinhas. Está despida e precisa de ti. A velha vaquinha baixou os olhos e o seu coração encheu-se de felicidade. Aproximou-se do bebé e aqueceu-o com o seu bafo.
  • 24. Foi então que escutou a voz do seu dono que, comovido, lhe dizia: - A partir desta noite nunca mais estarás só. De todas as colinas à volta de Belém virão pastores e camponeses. Virão adorar a este menino, que será para sempre o teu, o nosso, verdadeiro mestre.
  • 25. Título: Certa noite, num estábulo Autor: Guido Visconti Ilustração: Alessandra Climatoribus Editora: Livros Horizonte