A graça e a lei

944 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
944
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A graça e a lei

  1. 1. ;J_3J, u3/1111.ç11 _é ! (1 -, _;¡, V¡ 1 . ; z* É ' 1
  2. 2. . . _m -. ... ,_,1.1 , . 1 Í . _. - . s. . ctüwiyh II; . Ir , J 4111.1., .ms , u . u c 0 +3 T l_ . nu__. .._f~__, ._. e_, m. , um_ . ü e . . . 0 O xxcwvàow , meu W115 a. Y . .› , na c www_ a_ . m1 e e e. P l. . .Wñnà .11 . I l» : W _1.: .1._. .1L»_ . no. .u_______m__1e1,. _., r_ 11.1. 11.. . H1 H . .m. .,um. ... .m. ..u, ;H _o_ r. .., E . U. 1 . ,1 41.. -.. .À . m- 1a 2.. ,a à . .O . u ÂCÍFÍ m . ..J . .. .Nail . .. -. ñ -.1 E . .V LH_ . O i - U_ . Hcuk. m1 É . O mc 2.. . 4,11m_ R. . . an¡ f | . l. .., P' , . . lt. ?9vn1mzuew1 an¡ Í». f . e amu 5. . É «.15 [CIPM Im Ídorbl. . nl» rh l1.. @m9 . - e . |l n' IF r' 1. um. . e , na O 3 Mie . ..u 3 _u_ 1. J-. Ilr . .fl . H . , . .L _M›J. JF1L. m . e uu. , . .yrc . . Tr, a J _ora 11,. .. I. . .a a o o_ e 1,1 S M_ . n. .www. .cio s. .. ã . B, .11 o . c2._: .H W» . M 1_ É _Put __1u_d, h . .e 1:11 n_ m_ e . M r_ F . n. H ml. .. . xl. E V. , J; .T. P. P É e 511ml. . .Â
  3. 3. Diante de sua f? J 'Í , a ' desesperadora , g É¡ condição, o servo caiu 21 (c de joelhos, rogando " “Ígs- I aos prantos, que o re¡ _¡~- , «:. °~« tivesse compaixão r -Í '. e o perdoasse. ¡'- gx' c *L __ .5_. ”¡«/ 7/ * Diante dos rogos, ~ - o rei o perdoou , da e o deixou Lrg' sair livre. , (ícf. Mateus 1'8:›23-27) |
  4. 4. Chamamos a esta atitude compassiva e amorosa do rei, de misericórdia, complacência ou graça. Isso é algo semelhante ao que Deus faz com os seres humanos.
  5. 5. Cada um de nós' tem uma dívida impagável de pecados para com Deus.
  6. 6. ;_ 1 «v» -- . . j. I o* g ' M# 4.; ° 1 t. _. , uañílo bÊE/ den» G) aq; hu m”a“in'o_lpecou, @à senteñãíâif* R: ¡¡1&›~"' . - $ . ' "certmeñtefmorrerás! " *$553* »e sigla ' . c, . t. Çí: §_*'¡&í vu -1 v f¡ ›' 'a . ' . , ' j¡ . A y o . _ Í . . l A» A . ., n, ' v - MY. "é" ; '_ h
  7. 7. Como 'todos os _ seres i1umanos são pecadores, 'todos estão r' , ' a- u V ¡Fm l' - concãlenaclos_, a morte e¡: e¡'. na_: ,g, ., m. ; N 'a " ' -. ' Í _ ' Í' o . - ~, _o r 'l' _ t. " u . " ' ; (2.211 . ' ' r h. 'i ' PoiqLieo bçglc-. i Io c-o pecclc-. o-gd-s 1. " ' , ,_ . ., _Í~____z _ , ~. : . I *n _. - _' f_ 4 e nÉTWnPÀÊLGEiÉÊOÉEÂÊÉÚO 65:35) . _; 1.3.: - 1 . _ *w . P' x 1. . e_ -ya. 1.5"# v ' __ . _ . 31"**- e . _. , . , à . _. __r, .-. . . . _ N _ ' __ 11.'. " v « - “¡-"'Í'. .“- ' 't' l l ' . a O _ . '. _. .. A . . '- . ?A _ l ' V A Ã. L ) x o . ” ""'w _ . «_s›_¡ . . _ -_ 1 . ._ , ç _1 1 1 ' *c l ', w W ' N. . - . . . E. p' _ . __~_'¡. O V ' 'H A , ' Q I. . 'IEF' ' c _ . l 1 u- ' '› 'r ') ' l "" 0': u v3' _4Ç-L. ..-= -.. ..-= w-- % * _ , fã Hãâygu _ . __ 'n_l. f_o_~odet? ? 'n33' tiã$í 4.4 '. 'f_; _ o '“. , ¡ - v' x - _i * H o . ' K Mx c l W ' ¡¡ . ' n ' ' ' ' l ' ' - o ' -- “no 4 -n _ n. l' " N . JW' z . _ 3;- _ . a ~. ~' ' 'e' - f. M. " . . ~. aih ' ' m' V” v . ..Ni
  8. 8. Que fazer entã# _Como escapar dessa xcondenãção? , p é. «$532» r . t» a »w ».24 x4' NF' 1 O 1 . à / l 1 .
  9. 9. um meio de escape, ' Deus providenciou ' t _J_ ea¡ Ele mesmo: ' “Mas o dom gratuito r de Deus é a vida eterna, por Cristo - Jesus nosso Senhor! " (Romanos 6:23). _M
  10. 10. Existe uma oferta, n». , ' a. - 1 Jesus é esse Dom g * l 'l “ para pagar nossa dívida, nossos pecados. E quanto isso custa para nós? Nada, pois é de graça! _, '
  11. 11. DQÚHIÊÊA@A
  12. 12. Graça é favor ¡merecido! Graça é perdão! Graça é misericórdia! Graça é salvação! Graça é justificação! Graça é amor! Graça é o poder de D; eus'i para transformar! ? pecador!
  13. 13. Nós nada merecemos, mas Deus em Seu . imenso amor oferece-nos a Sua graça. "Porque a graça de . Deus se há anifestado, ,trazendo salvação a todos os homens. " (mto 2:11)
  14. 14. A graça de Deus está unida . . a graça de Cristo. "Porque já sabeis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que sendo rico, por amor de vós -j e se fez pobre; . ' _ e 3;», para que por Sua 'l / ' à pobreza enriquecêsseis"; 1*_- II C . 8:5 . i "i s. .. á - 1,. , f a.
  15. 15. «ÉÃzãfilíívlf-v *à* m «É -v À ““i'*= "í**jàã'r"*° 5;» «ÍÊÁHÀJJÇLJKÀAÊÊVÀ @s A23 Édüamsj ©2534! MJÇQM ; ,' _4- . É 'M v wi* . 7 › É: @é V_ @eva “Jüfmatcama quantos deulhes l OS . ue mmmãaâmg GJÊEIID @Q1203 omeg 8.8925) I¡ H¡
  16. 16. 2 -Tomar posse da graça, pela fé. "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de nós é Dom de Deus! " (Efésios 2:8).
  17. 17. ¡a-re'c_isa~ma~ovs« . Tá ? que . .S'0'I1_1'0"S saíivos apenas" ¡peia dgraçia? , I ob'e*ã”e"cíe'r'ra* Ve¡ de ; Deixsâ
  18. 18. ,à LEE E É. GRÀÇÂ "Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. Pois que? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum! " (Romanos 6:14 e 15)
  19. 19. , n V¡ x": A¡ . ,. 1, í3@; § *a ' o 'N emet ¡, - ífoêamgg a @eo o é g @E53 ÚCâÚwo @a @ao @m9
  20. 20. O apóstolo @mb é bem claro: v "peca remos a. porque estamos xdebaixo- da grgça? oünenhum! " *crf
  21. 21. a Jesus disse a mulher pecadora: "Vai e 'não peques mais". Noutras palavras: “Estás perdoada, mas de agora em diante, observe a lei".
  22. 22. 5 . .m 'Seria um absurdo alguém pensar num criminoso que, depois de ' estar livre, pudesse transgredir a ° lei e continuar cometendo crimes!
  23. 23. g. A graça de Cristo não é _ uma permissão 4g_ para continuarmos no 'g pecado e na transgressão - _ da lei deqDeusl
  24. 24. __ V _ “mí” . _ 3 . › j V u, _'33 an_ _ . . _H A. ___ . _ ~ r t: _^. _ ' 4 I' › . '~ ›-. ' › j¡ , ' *- . .. d ' ' i *mv* 3. A, a " '1347-0' - 3 . x - '› de nosjíustificar edar-, nos podíerz": t» tera; . 9.¡ A graça' tem a flnalld . »r mais que suficiente paría vivermos em harmonia coma Ie¡ de Deus¡ que' e_ a expressã “ de Sua santa vontade. (! J »K “ u/ r. * I ---_ ,
  25. 25. Há perfeita harmooio eotre o graça e o lei, cado Mora¡ tem soa"fo'rrç'ãor
  26. 26. [Em homem estava sujo, todo mannchade, 1 mas ele não saíbia que estava sujo, ,, _«"' até que se olhou * no espelho. Apavoreu-se com a sujeira. Que fazer? - x* o na à, r'. "L2 *x15* 7 fz? ”
  27. 27. © espel me ae meneame, @DEE não m. s. k . . _ _r . . , ' , vz - " l *V* - -. J _. ,__-_, /_. _. '° . - . _ _ . a - - . (, - * - “" . l v g_ . L , I'm. 'a ã -_ , J x _ . . . . . . --, ,_«_ r' . .--; c' n; '- 4 I '. É X Í. ” -) “à ___. › , r “'~r~j_-: ›.J , _- _qr-V _ _ r . - at? ? . '77- 1*"" . V* ? rm r: *§'. =<= ñ' “
  28. 28. Procurou uma fonte de água limpa e ali lavou-se, tornando-se completamente limpo. no espelho e constatou x _g que estava limpo! t '. ,” wtf? ? 'o e à É? ? v ~ i . . , v” . ..a 1:. :a v
  29. 29. ai. , tah, . ií* 5' _-'. f '9 5 / A sujeira representago “pecadoy _ _ O esp'é'Ího representfàgàêiãque mostra o pecâaofífíágga re'p'resenta a grabârde ' Cristó"'c'| ú'”e lava'fo pêâado.
  30. 30. Aconteceu que aqweñfããe homem voltou a sujar-se, olhou n'mgçla'm'emãe no espeühofe viu suas mam›ch*a*s¡ l ) x (4
  31. 31. .a- - “à ; Àéãifêã Efcfb, s'Eím'p'AE'e"s%m'e'nM te poxtqíawe e*sfâêe_m'go°stro*w aulas? mosvâs êñãâmícümavsz _¡. ._-. ¡›~ : ' . -,; _ . _ x ›-~' l 5 › x V, lç "K. . h . K / ss &x; . GN; lí~ n. Q l. K "âgdxi Q¡›/ ç¡ Í-v . f , l ' , xlxu ¡u! * ; .. um * . . : a x w A ué** ' _ NV “f” A. _ 1" , Jul w _ N n 9%» _›x Yu s? »x ui' v. * . ,, O mig r . / , t'. (¡'›_~h kt¡ 49"' v» ¡ u 'C * 1 í ¡JW- 'v' . , Tc YJWÍ , J- _ . x r ' A. . ¡ 'fu s); " x v** ' ' mw** , 13 1' u' I I"¡': - ~~"“'W| .. lv , I c” w y *S* 15 nr. , , .. x . . ; WÍJ - 3"”. 7 r x ' 'gfçl “Í v¡ . ñlx ¡. x Ewàñg na dia, iãiítíáíüêüü à** q u @Em m u
  32. 32. .Ci-"i-Ét-v-av¡ M. . ' y . __ F . .*" s › . V u. ' . .-“' 'tr' a : q 3.¡ qm »- . '4' . Àxssnñãâãfazíem Amuítaás pessoas. % ÍQgtrerem flíyieij nvcypecàdo e” : como : à fé¡ íñ“i“õstra os seus . -.»~= -'e"I*. ”F°o3sÀ, À a/ tacain a Eei. k ÉssàaêfêàêgíxvnÊfà-? EriHsensatêz! °; fi; iVAn'çã”õ, .dale'i L í 7" í _N llm. x3» _fu . F-. Txlif ' _t AMAM_ 5': ... *à _Í l' -r/ . eza pçnasám ostra m1 ' . xiii; Í_, .~. ¡*¡ u": ;iv É É: _›: '.'“_: ' ›¡ . / . VN. , r "- “  nossa anecÍessIdadeA/ r * r-; ¡ f '. ;.-, ~'-L›Lj; ._. .-; Iv_ 'LÊ 'mmÍ _ À L de gprpcurarmos à "'7›Ç: ;'i› . XÊL 3 ¡y-Jçlíl; V, JN _ t, ajuda. *cv J "x x. Av” 0'- . . A _. xWm-a. . " ~__)y. x A t' j'. ' . . / . . .ln ›_ . 'A , um* no! " . .›' A (rj 0;¡ «rir “ty/ bt 1x '. ¡. “ . . AI. .. , _t I í '. . ' x ' um. ; . -T -. -. «N a ; gh )I_ - . , 1:4* X m' 'w' '”
  33. 33. A justificação ou perdão de nossos pecados e obtida pela fe, ma graça redentora de triste, que nos dá poder ¡mediaüo para obedecer aee @eus conseEhos e eeientaçõesg . / *
  34. 34. Há uma harmonia perfeita : entre: graça, 'fée ãléeí, as três andam juntas* e e são ilnsulàdsfituíveãis. ç Uma não za' nula a' outra, elas se lcdmplementam!
  35. 35. l q. w l Í 'i e ' , _. ._ _ _ . r. 'f' l y - -. _ ' ' / l_ ' «- ~ , .u. › l_ gt. - Iv"- : - , _ . ú ~ iLçgl us eo o o ~ e ã y ç i _m , e V 7.3.. l . ..'. ' _ . . . r -r &clave; A n . , 1 , A . o. . . › c A . . Il. _a I . ¡ s' A. . ¡v! f, / . I l 4'/ '. ›'~'. ;àvL's-Í*" É? .. à .71 '›. - _ "" ~*/ / W' -NVZÚ pf ¡~ f: .:*¡ q' °-›' 73.7.' 'Jg-ã , ' ' * - - . ' 'q' '- 9,', .x )¡ _X14_ VE. , m. . __. _ i . ,¡ ; _- . ~ _ - "ja-camião , vj-çyàx" É; ._-_ . h. a Vl' ~ I " I -› “. - - atuar. : rf ~ . Li-J J ' s ' '“ ' ~: . I ›
  36. 36. 10 20 30 40 “Não terás outros deuses diante de Mim". “Não farás para t¡ imagem de escultura Não te enctrrvarás a elas. "Não tomarás o 'nome clofsâíeilfãlãlêior teu Deus : em Vãol-Vgwxrga “ Ír. ' “Lembra-re dó ara 'Élbi'Ê? SÍã? Ê“'aíà'o ñas-ra o santãfieairr ' ' Não farás neñfffhãllím trabalho . mu. ' *â o n _-. <i 6*. ? n * Y!
  37. 37. 5° "Honra teu páãi e tua mãe 6° "Não matarás"f""ã""t q É )*". ãã"'7”V 7° "Não adulteráàfrásfã'. u N f”, II 8° Nao furtaras . 9° "Não dirás falso testemunho i 'Wxcontra teu próximo". 10° “lflão cobiçarás . ..". (Exodo 20:1-17)
  38. 38. @o I%“” f a @ @De _ , @memso e @catia “Í “ “B @wma o Ueü é somam ç e mae se; o r (Zaíaaâzj) r Ri. YA” 'r l' _Ç h . . 1 , _ J . ççi ›
  39. 39. Certa vez perguntaram a Jesus: “Mestre, qual é o grande mandamento da lei? E disse-lhe Jesus: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo semelhante a este é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo". (S. Mateus 22:36-39) 'J 1.1,. .
  40. 40. A grandeza da le¡ de Deus, é que ela' está z envolvida no amor'. “›"›= =., _ ? "*'”'> Aquele que amar a Deus f* acima de tudo, 'T irá guardar os Seus mandamentose; por conseguinte, amará também a seu ; próxima
  41. 41. Í , ÍÍÍÍ'Í°¡7'¡¡Â¡¡7Í « Afirma Cristo: "Se me amardes, guardareis os Míeus mandamentos". 72' . ~ mZ/ &zx/ a/ -4.. ... Í'. 'I
  42. 42. à . , ; |- _ I ¡ /4 v Em 'sí5nitese, podemos dizer: Íque sofmiós salvos pela graça, mediante a fé, oque resulta em_ amora Deus e obediência a, "Sua santa lei. g " Portanto, guardar a_ Ie¡ é vixker em ¡Seu amóñ “ - 's' _ o s _› ' " ' un _ Í _ _ . x i _ Í»-
  43. 43. Pois só podemos guardar a lei, através da graça de Cristo, que nos dá Seu poder e força para obedece-Ia.
  44. 44. A lei e a graça W ': A; _; ¡ f , . estao tao Juntas, '___*_ z _' + quanto a pIanta*. a-; _xj-, '"i*'¡' i, g', . - . *~ esua flor, xo: 7É*-_”›~. ;-. _ . « . s, ~T~Í «cw ' . , r w. sendo o amor. . ~ M f x; _#1 k . _ t' | › n . N, ,, ' ll¡ f', a seiva ? É Ó t_ - . vivificante“íí'~'“ . . x . , o . « A _4 Q 'r -"! - Í, _ . . x _j“ de amba . N ~--, _ . _a ~ f' - . M

×