Os 10 mandamentos

3.033 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.033
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
76
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os 10 mandamentos

  1. 1. Antigo Testamento 1
  2. 2. A Lei e as leis A lei de Moisés não caiu do céu. Alguns parágrafos do Código de Hamurabi (1750 a.C. – 5 séc. antes de Moisés) permitem apreciar as semelhanças e as diferenças com a legislação do Sinai. 2
  3. 3. Israel vem do Egipto. Este país possuía já um direito e uma legislação social. Conhecemo-lo através do Livro dos Mortos. 3
  4. 4. Alguns extractos do Livros dos Mortos: Eu não blasfemei contra nenhum deus... Eu não difamei um escravo junto do seu superior... Eu não matei... Eu não dei ordem para matar... Eu não falseei o peso da balança... Eu não roubei... Eu não disse mentiras... Eu não cometi o adultério... Eu não fiz nenhum mal... Eu não blasfemei contra o meu deus local... 4
  5. 5. Estas declarações são semelhantes aos dez mandamentos. Mas destinam-se a ser feitas pelo morto, no julgamento que terá na outra vida depois da morte . No Livro do Êxodo os Dez Mandamentos são regras de vida a aplicar e exprimem a libertação do povo. Começam pela frase: «Eu sou Javé, teu Deus, que te fez sair da terra do Egipto, da casa da escravidão» – que apresenta a intervenção/ ordem de Deus na vida concreta do povo. 5
  6. 6. Atum – deus da Criação Os textos egípcios supõem a existência de Rá – deus Sol Seth – deus da tempestade, mal, desordem e violência diferentes divindades. No Êxodo, a Lei é a expressão de Javé, o único Deus de Israel. 6
  7. 7. As Tábuas da Lei No terceiro mês após a partida do Egipto, os israelitas chegaram ao Monte Sinai. Moisés reuniu o povo e subiu à montanha, onde Deus lhe entregou os Dez Mandamentos escritos em tábuas de pedra. 7
  8. 8. As montanhas da Península do Sinai, das quais fará parte o Monte no qual, segundo a tradição, Deus falou a Moisés 8
  9. 9. Moisés subiu uma segunda vez ao Monte e Deus ordenou-lhe que construísse a Arca da Aliança com madeira de acácia e ouro. Esta Arca guardaria as Tábuas da Lei e seria mantida num Tabernáculo – um santuário sagrado (portátil) – que os israelitas transportariam consigo. 9
  10. 10. Moisés esteve no monte durante 40 dias e 40 noites e durante este período o povo persuadiu Aarão a fazer um ídolo que eles pudessem adorar. 10
  11. 11. Aarão cumpriu o que lhe foi exigido, derreteu todas as jóias e fabricou um bezerro. 11
  12. 12. Quando Moisés desceu do monte e viu o povo a dançar diante do bezerro de ouro, enfureceu-se e atirou com as tábuas partindo-as. 12
  13. 13. A Arca da Aliança A arca da aliança é um relicário em madeira transportado com a ajuda de duas barras. É olhada como sinal da presença de Javé e como uma garantia de vida para as tribos. Acompanhava o povo durante a sua peregrinação no deserto e os seus combates em Canaã. Dava-lhe a esperança da vitória. 13
  14. 14. A arca esteve numa primeira fase guardada na tenda da reunião, depois nos santuários locais: Guilgal, Siquém, Betel e Silo. David transferiu-a com grande pompa para a sua nova capital, Jerusalém. O Tabernáculo 14
  15. 15. Sob o governo de Salomão, a arca encontra o seu lugar no local mais sagrado do templo construído em Jerusalém, o Santo dos Santos, sob as asas abertas de dois imensos querubins. 15
  16. 16. Quando o texto do Êxodo foi escrito, a arca já tinha desaparecido devido à destruição do templo por Nabucodonosor em 587 a.C.. A descrição da arca é uma reconstrução graças às transmissões orais e à liturgia dos sacerdotes-autores. A arca lembra a presença de Javé, simultaneamente, localizado e invisível. Só no Novo Testamento a presença de Deus não está ligada nem limitada a um objecto ou a um lugar. 16
  17. 17. A Lei da Aliança A Lei de Deus não é um catálogo de proibições. É uma lei de santidade, de liberdade e de vida. O Decálogo relaciona o amor de Deus e o amor ao próximo, coloca na relação com o outro uma preocupação espiritual e religiosa. O povo consagrado a Deus deve ser santo como Deus: «Sede para Mim santos, porque Eu sou santo, Eu, o Senhor; distingui-vos do meio dos povos para que sejais para mim» (Lv 20,26). 17
  18. 18. Esta lei de santidade está muito ligada à lei natural e é uma lei de vida porque guia a humanidade pelo caminho mais difícil da sua realização. Moisés dizia ao povo: «Ofereço-te hoje, de um lado, a vida e o bem; de outro, a morte e o mal. Recomendo-te hoje que ames o Senhor, teu Deus, que andes nos seus caminhos, que guardes os seus preceitos, suas leis e seus decretos. Se assim fizerdes, viverás […]. Escolhe a vida, e então viverás com a tua posteridade» (Dt 30, 15-16. 19). 18
  19. 19. Esta lei de vida é também já uma lei de amor: «Amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças» (Dt 6,5; cf. Jos 23,11). Cristo recusa-se a abolir a lei completa-a corrige as suas deformações radicaliza as exigências 19
  20. 20. Os Dez Mandamentos continuam a ser a orientação primeira do cristão são a expressão da vontade de Deus que chama os seus filhos para a liberdade. A liberdade não é um capricho. Deus ordena, põe as coisas no seu lugar, indica o que é preciso fazer para viver, para amar e para ser autenticamente livre, e isso é um dom. 20
  21. 21. Uns são formulados de maneira negativa: – Não matarás – Não cometerás adultério O preceito não é claro, precisa de ser precisado. Certamente que existirão casos de legítimas defesa, mas se se começar a indicar exceções esvazia-se o preceito essencial. 21
  22. 22. Outros são formulados de forma positiva: – Honra teu pai e tua mãe Estas diferenças de formulação são importantes – a proibição como limite a não ultrapassar e o convite para amar sempre mais . 22
  23. 23. Os Dez Mandamentos (Dt 5:1-21 ) Então falou Deus todas estas palavras, dizendo: Eu sou o SENHOR teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. 1 Não terás outros deuses diante de mim. 2 Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. 1 Amar a Deus sobre todas as coisas. 2 Não usar o nome de Deus em vão. 23
  24. 24. Não te curvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos. 24
  25. 25. 3 Não tomarás o nome do 3 Guardar domingos e SENHOR teu Deus em festas de guarda. vão; porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão. 4 Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do SENHOR teu Deus; não farás nenhuma 4 Honrar pai e mãe (e os outros legítimos superiores). 25
  26. 26. obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o SENHOR o dia do sábado, e o santificou. 26
  27. 27. 5 Honra a teu pai e a tua 5 Não matarás. mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o SENHOR teu Deus te dá. 6 Não matarás. 6 Guardar castidade nas palavras e nas obras. 7 Não adulterarás. 7 Não roubar (nem injustamente reter ou danificar os bens do próximo). 8 Não furtarás. 8 Não levantar testemunhos. falsos 27
  28. 28. 9 Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. 9 Guardar castidade nos pensamentos e nos desejos. 10 Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo." 10 Não cobiçar as coisas alheias. 28

×