CAR - Causal Analysis and Resolution(Análise de causas e resolução de defeitos)                   Disciplina: Qualidade de...
AGENDA• Introdução;• Objetivos e Práticas;• Determinar Causas de Defeitos;• Atacar Causas dos Defeitos;• Conclusão.
INTRODUÇÃO• Processo de apoio de nível 5 de maturidade;• O objetivo da análise causal é identificar causas de defeitos e p...
INTRODUÇÃOQuais as influencias no aumento de custo de umprojeto?Visualização Parcial:
INTRODUÇÃOApós uma análise mais detalhada das causas x efeitos:
OBJETIVOS E PRÁTICAS
SG 1- DETERMINAR CAUSAS DE DEFEITOS• SP 1.1 - Selecionar defeitos e dados associados• Sub prática 1 – Recolher dados relev...
SG 1- DETERMINAR CAUSAS DE DEFEITOS• SP 1.1 - Selecionar defeitos e dados associados• Sub prática 2 – Definir quais defeit...
SG 1- DETERMINAR CAUSAS DE DEFEITOS• SP 1.2 - Analisar causas       O objetivo desta análise é de desenvolver soluções par...
SG 1- DETERMINAR CAUSAS DE DEFEITOS• SP 1.2 - Analisar causas• Sub prática 1 – Analisar causas com os responsáveis pela ex...
SG 1- DETERMINAR CAUSAS DE DEFEITOS• SP 1.2 - Analisar causas• Sub prática 3 – Agrupar os defeitos e outros problemas  sel...
SG 1- DETERMINAR CAUSAS DE DEFEITOS• SP 1.2 - Analisar causas• Sub prática 4 – Propor e documentar ações que devem ser rea...
SG 2 – ATACAR AS CAUSAS DOS DEFEITOS• SP 2.1 Implementar propostas de ações• Sub prática 1 – Analisar as ações propostas e...
SG 2 – ATACAR AS CAUSAS DOS DEFEITOS• SP 2.1 Implementar propostas de ações• Sub prática 3 – Detalhar as atividades que im...
SG 2 – ATACAR AS CAUSAS DOS DEFEITOS• SP 2.1 Implementar propostas de ações• Sub prática 4 – Identificar e remover defeito...
SG 2 – ATACAR AS CAUSAS DOS DEFEITOS• SP 2.2 - Avaliar o efeito das mudanças• O efeito das alterações deve ser alvo de ver...
SG 2 – ATACAR AS CAUSAS DOS DEFEITOS• SP 2.2 - Avaliar o efeito das mudanças• Sub prática 2 - Medir a capacidade do proces...
SG 2 – ATACAR AS CAUSAS DOS DEFEITOS• SP 2.3 Registrar os dados• Registrar os dados de modo a que outros projetos e organi...
CONCLUSÃO• Concluímos que a utilização do CAR é essencial para solução dos problemas, já que não é necessário apenas encon...
REFERÊNCIA• http://www.inf.ufsc.br/~cybis/ine5322/Aula16_Analise_de_ causas_e_resolucao_de_defeitos.pdf• http://www.blogcm...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

CMMI Car - Causal Analysis and Rresolution

580 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
580
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CMMI Car - Causal Analysis and Rresolution

  1. 1. CAR - Causal Analysis and Resolution(Análise de causas e resolução de defeitos) Disciplina: Qualidade de Software Aluno: Jander Cerqueira Professor: Alexandre Lenz
  2. 2. AGENDA• Introdução;• Objetivos e Práticas;• Determinar Causas de Defeitos;• Atacar Causas dos Defeitos;• Conclusão.
  3. 3. INTRODUÇÃO• Processo de apoio de nível 5 de maturidade;• O objetivo da análise causal é identificar causas de defeitos e problemas, e adotar práticas para prevenir a sua ocorrência no futuro;• Esta análise permite o estabelecimento de tendências na produção de defeitos e problemas que são examinados desde suas raízes;• A técnica de análise e resolução de causas pode ser aplicada para a melhoria de áreas não necessariamente problemáticas.
  4. 4. INTRODUÇÃOQuais as influencias no aumento de custo de umprojeto?Visualização Parcial:
  5. 5. INTRODUÇÃOApós uma análise mais detalhada das causas x efeitos:
  6. 6. OBJETIVOS E PRÁTICAS
  7. 7. SG 1- DETERMINAR CAUSAS DE DEFEITOS• SP 1.1 - Selecionar defeitos e dados associados• Sub prática 1 – Recolher dados relevantes sobre defeitos ou problemas associados;• Exemplos de defeitos: • Defeitos descritos pelos usuários; • Defeitos encontrados em revisões ad-hoc; • Defeitos encontrados em testes;• Exemplos de problemas associados: • Problemas de gerenciamento de projeto requerendo ações corretivas ; • Problemas na capacidade do processo; • Problemas de duração do processo;
  8. 8. SG 1- DETERMINAR CAUSAS DE DEFEITOS• SP 1.1 - Selecionar defeitos e dados associados• Sub prática 2 – Definir quais defeitos e problemas vão ser analisados; Considerar o impacto dos defeitos, sua frequência deocorrência, a similaridade entre defeitos, o custo de suaanálise, o tempo e os recursos necessários, aspectos desegurança, etc.Exemplos de técnicas:• Análise de Paretto;• Histogramas;• Análise da capacidade do processo;
  9. 9. SG 1- DETERMINAR CAUSAS DE DEFEITOS• SP 1.2 - Analisar causas O objetivo desta análise é de desenvolver soluções paraos problemas identificados e produzir propostas de ações paraa sua implementação.• Quando realizar esta análise: • Quando um processo estável não responde aos requisitos de qualidade e desempenho; • Quando um produto de trabalho exibe um desvio inesperado em relação a seus requisitos;
  10. 10. SG 1- DETERMINAR CAUSAS DE DEFEITOS• SP 1.2 - Analisar causas• Sub prática 1 – Analisar causas com os responsáveis pela execução dos processos. Isto ocorre em encontros com quem conhece o defeitoou o problema em estudo;• Sub prática 2 – Analisar cada defeito selecionado para determinar sua causa-raiz.Técnicas: • Diagrama de Causa e Efeito (espinha de peixe) • Listas de verificação
  11. 11. SG 1- DETERMINAR CAUSAS DE DEFEITOS• SP 1.2 - Analisar causas• Sub prática 3 – Agrupar os defeitos e outros problemas selecionados baseados em suas causas-raiz.• Exemplos: • Treinamento inadequado; • Problemas de comunicação; • Falta de consideração com os detalhes das tarefas; • Enganos em procedimentos; • Deficiência do processo;
  12. 12. SG 1- DETERMINAR CAUSAS DE DEFEITOS• SP 1.2 - Analisar causas• Sub prática 4 – Propor e documentar ações que devem ser realizadas para prevenir novas ocorrências de defeitos ou problemas similares.• Exemplos de ações: • Questionar o processo; • Fornecer treinamento; • Automatizar parte do processo com ferramentas; • Reorganizar os métodos • Melhorar os canais de comunicação; • Adicionar atividades de prevenção de erros e problemas; • Documentos de uma proposta de ação: • Origem da proposta; • Descrição do defeito ou problema; • Descrição da causa do defeito ou problema • Categoria do defeito ou problema • Fase na qual o problema foi introduzido • Fase na qual o problema foi identificado; • Descrição das ações propostas;
  13. 13. SG 2 – ATACAR AS CAUSAS DOS DEFEITOS• SP 2.1 Implementar propostas de ações• Sub prática 1 – Analisar as ações propostas e definir as prioridades.• Critérios: • Impacto esperado na qualidade; • Custos de implementação do plano de ações preventivas; • Consequência da não resolução do defeito ou problema;• Sub prática 2 – Selecionar as propostas de ações que serão implementadas;
  14. 14. SG 2 – ATACAR AS CAUSAS DOS DEFEITOS• SP 2.1 Implementar propostas de ações• Sub prática 3 – Detalhar as atividades que implementem as ações propostas;Detalhamento: • Pessoa responsável pela implementação; • Descrição das áreas afetadas; • Pessoas que deve ser informadas; • Justificativa para as decisões-chave; • Descrição da implementação das ações; • Tempo e custo para identificar e corrigir o defeito; • Custo estimado da não correção do defeito;
  15. 15. SG 2 – ATACAR AS CAUSAS DOS DEFEITOS• SP 2.1 Implementar propostas de ações• Sub prática 4 – Identificar e remover defeitos similares que possam existir em outros processos e produtos de trabalho;• Sub prática 5 – Identificar e documentar propostas de melhoria para o conjunto de processos da organização;
  16. 16. SG 2 – ATACAR AS CAUSAS DOS DEFEITOS• SP 2.2 - Avaliar o efeito das mudanças• O efeito das alterações deve ser alvo de verificação e de coleta de evidências que mostrem que as alterações do processo corrigiram o problema e melhoraram o seu desempenho;• Sub prática 1 - Medir a alteração no desempenho do processo definido para o projeto. Verificar se a alteração teve impacto positivo e medir onível deste impacto.
  17. 17. SG 2 – ATACAR AS CAUSAS DOS DEFEITOS• SP 2.2 - Avaliar o efeito das mudanças• Sub prática 2 - Medir a capacidade do processo definida para o projeto.• Verificar se a alteração influenciou a capacidade do processo em responder aos requisitos de qualidade e de desempenho.• Ex. Verificar se o projeto alcança os valores mínimos permitidos para a densidade de defeitos na documentação. Medida derivada de verificações ad-hoc antes e depois da modificação;
  18. 18. SG 2 – ATACAR AS CAUSAS DOS DEFEITOS• SP 2.3 Registrar os dados• Registrar os dados de modo a que outros projetos e organizações possam realizar as mesmas alterações e obter resultados similares;• Registros: • Dados sobre os defeitos e outros problemas que foram analisados; • Justificativas das decisões tomadas; • Ações propostas nas reuniões de análise de causas; • Atividades detalhando as ações propostas; • Custo das atividades de análises e da resolução de defeitos; • Medidas das alterações do desempenho do processo definido para o projeto depois das alterações;
  19. 19. CONCLUSÃO• Concluímos que a utilização do CAR é essencial para solução dos problemas, já que não é necessário apenas encontrar os problemas e sim as causas, que geralmente não são óbvias. E sempre realizar documentações para as utilizações futuras.
  20. 20. REFERÊNCIA• http://www.inf.ufsc.br/~cybis/ine5322/Aula16_Analise_de_ causas_e_resolucao_de_defeitos.pdf• http://www.blogcmmi.com.br/alta-maturidade/entendendo- mais-sobre-analise-de-causa-e-efeito-car

×