Levantamento de Videojogos em Oncologia Disponíveis

164 visualizações

Publicada em

Publicada em: Diversão e humor, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
164
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Levantamento de Videojogos em Oncologia Disponíveis

  1. 1. VideojogosLevantamento de Videojogos em Saúde, nomeadamente em Oncologia PediátricaRe-MissionEste jogo, que é o mais falado, é garantidamenteo melhor jogo para adolescentes e jovens adultosdoentes de cancro.Foi desenvolvido para a Windows e lançado em2006.Tem como base o shooter na primeira pessoa. O jogador controla o RX5-E (Roxxi), que é umnano-robot, desenhado para combater as doenças a nível celular, nomeadamente cancro einfecções.É uma espécie de Lara Croft-robot-futurista, que tem como missão destruir as células más. Nãogosto muito da linguagem visual que eles usam, além de já ser um bocadinho ultrapassada.Mas é, no entanto, o único desenvolvido especificamente neste campo.É base de alguma pesquisa, como por exemplo os artigos que enviei por email e outros(http://kotaku.com/5894912/certain-video-games-can-help-kids-beat-cancer-researchers-say).É gratuito e pode ser descarregado a partir do próprio site:http://www.re-mission.net/The Cancer GameNão existe muita informação sobre este jogo.Foi lançado em 2011 e joga-se online.A linguagem é demasiado complexa e sem equilíbrio estético.Utilizam-se assemblages de vários estilos sem harmonia, numdesenho dos órgãos internos em estilo de animação muitoindustrial.Vejam o vídeo demo: http://www.youtube.com/watch?v=BHdgKNZHNVMOu tentem jogar:http://veevia.com/playgame/cancergame.html
  2. 2. The CancerGame (II)Não há muito a dizer sobre este jogo. É muito básico, 2Dmuito pixelizado, e apenas uma adaptação de tantosoutros jogos que podemos encontrar em máquinas decafé.Foi desenvolvido em ambiente académico e lançado em2003, teve um orçamento de 500$.Objectivo: matar as células cancerígenas com uma T-Cell. A linguagem, apesar deextremamente básica, chega a todos e entretém.Usam-se as setas para mover a nossa personagem e a barra de espaço para atirar. O saco daquimo vai-se esvaziando, conforme se vai gastando energias. Há também umas injecções quetem que se “apanhar” para ganharmos mais pontos.Joga-se directamente no site, que abre uma nova janela com o jogo. Melhor, só jogando:http://www.cancergame.org/Cancer Smash GameNa mesma linha que o anterior, é também maisdirecionada para crianças.Como o nome indica, e seguindo o objectivoestratégico dos jogos anteriores, a intenção éesmagar os “cancer bugs”. A nossa personagem éum glóbulo branco que vai colecionando célulaspara matar as células más.Não tem site próprio e é alojado em outros sites, como uma aplicação, por exemplo:http://www.cartoondan.com/games/cancer.htmlPAC / The Survivor GamesTemos o exemplo de um miúdo que deu uma conferência na TEDx.Steven Gonzalez tinha 12 anos quando foi diagnosticado com Leucemia Mieloide. Ele explica amaneira como os videojogos foram importantes para o combate ao cancro (healing power ofvideogames).Cinco anos depois, desenvolveu um jogo chamado PAC (play against cancer), baseado no jogoPacman. Não está activo presentemente.
  3. 3. Existe, no entanto, uma comunidade que ele está a desenvolver, a que chamou de “TheSurvivor Games”, que ainda não está activa (é bastante recente, e o vídeo é de Setembro doano passado). Existe site: http://signup.thesurvivorgames.com/, mas não há conteúdo.É para ficarmos atentos. Esta comunidade pretende ajudar os mais novos a combater adoença, através de videojogos. Talvez seja um fórum com sugestões, pode ser uma boa basede dados a colocar no site.Fica o vídeo do rapaz: http://www.youtube.com/watch?v=5FS31HWzyVoOncologyÉ um jogo interessante, mais direcionado paraadultos. Surpreende-me haver um jogo destes,tão detalhado. Relaciono-o com o Dr. House,versão comics.Apesar de parecer, nos primeiros passos do jogo,bastante básico, a nível de linguagem visual,torna-se mais interessante quanto mais jogares. Ébastante informativo.Os gráficos que usam, como a imagem acima, são exemplos de software usados na vida real,como os scans e tac’s.Nós jogamos a personagem de um médico de oncologia, que faz diagnósticos através dossintomas que o doente apresenta, escolhendo o melhor tratamento para cada caso.Joga-se online.http://www.filamentgames.com/projects/oncologyAqui apresenta-se uma revisão ao jogo:http://gatorgamers.wordpress.com/2011/06/06/oncology-game-review/
  4. 4. Sumariamente podemos dizer que a área dos Videojogos em Saúde, e em específico emOncologia, não está muito desenvolvida. Estes jogos são aqueles que me pareceram maisespecíficos em Oncologia Pediátrica (tirando o último exemplo), que é o caso que vamosdesenvolver.Vemos que os jogos que, supostamente, têm uma vertente informativa (daí serem específicosem oncologia pediátrica), pecam bastante na informação que transmitem. A linguagem ébastante simples, direcionada para um público alvo menor, mas a mensagem é sempre muitogenérica: matar as células más, e muito pouco informativa. Apenas no último caso, que meparece mais complexo para ser usado por crianças, tem esse cuidado de apresentar váriasetapas, desde a consulta do médico, diagnóstico e tratamento.O jogo que vamos desenvolver, além de uma linguagem simples, mas cuidada, deve ter essapreocupação de informar o paciente.Escusado será dizer que estes jogos foram desenvolvidos nos Estados Unidos.Encontrei, no entanto, uma notícia do Público de 2009, sobre este mesmo tema, que diz quecientistas portugueses usam a teoria dos jogos no combate ao cancro. Fala-se do Dr. JorgePacheco, é físico e professor na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Podia ser umbom aliado nesta causa.http://www.publico.pt/ciencia/noticia/cientistas-portugueses-usam-teoria-dos-jogos-para-redefinir-o-combate-do-cancro-1399197

×