ProjetoCancro da MamaPara o desenvolvimento do projeto, foi importante tentar perceber o que está feitoque se relacione de...
American Cancer Societywww.cancer.orgÀ semelhança do anterior, o website da American Cancer Society, desenvolvido pelapróp...
animações poderiam ser mais curtos e abordar o problema pontual eobjetivamente. A linguagem e oconhecimento prévio que é n...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Projeto cancro da mama

156 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Projeto cancro da mama

  1. 1. ProjetoCancro da MamaPara o desenvolvimento do projeto, foi importante tentar perceber o que está feitoque se relacione dealguma forma com o nosso trabalho, tanto em Portugal,como fora do nosso país. Se por um lado temosde abordar o cancro da mama, ea informação que sobre este tema é disponibilizada publicamente, como pacientecomo público primordial, por outro lado interessa-nos perceber qual a relação dainfografiaem particular, e do design em geral, com conteúdos de carácter científicoe/ou social.Durante a investigação feita, pudemos perceber que os projetos que procurávamosse enquadravam emdiferentes categorias: projetos informativos sobre o cancroda mama, sobretudo online; projetos comrecurso à infografia sobre problemas sociais;e projetos que, não se relacionando diretamente cominfografia, mas sendo daárea do design, tentam resolver problemas de ordem social.Importa referir queos exemplos a seguir descritos representam uma seleção dasreferências encontradas, e não a suatotalidade.Breast Cancerwww.breastcancer.orgO projeto online, norte americano, Breast Cancer é constituído por uma equipapluridisciplinar, que,contemplando desde profissionais de saúde a profissionais decomunicação social, gere uma associaçãosem fins lucrativos essencialmente dedicadaà disponibilização de informação o mais fiável, completa eatualizada possívelsobre cancro da mama. Apresenta como missão principal ajudar as mulheres e osseusfamiliares a compreender a vasta e complexa informação médica sobre cancrode mama, de forma afacilitar decisões em relação às suas vidas.O site está dividido em cinco secções: sintomas e diagnóstico,tratamento e efeitossecundários, quotidiano, baixar o risco e conhecimento comunitário. Apesardestadivisão, a informação está organizada de uma forma confusa e pouco coerente.Não existe um caminhopasso a passo que o paciente ou interessado possaseguir de forma a obter facilmente a informação deque necessita, resultandonum nível de complexidade desagradável e em caminhos demasiado longosparachegar ao assunto que se procura. Quando se consegue encontrar o procurado, ainformação estábastante completa, entrando em detalhes que não se esparariamneste tipo de sites. Desta forma oprojeto ajuda o paciente a saber um pouco maise a sentir-se mais à vontade com a sua situação. Cadasecção é acompanhada pormuito poucas imagens, que aparecem raramente. Quando encontradas, asimagenspodem enquadrar-se em dois tipos: fotografia e ilustração/infografia. Se no casoda fotografia,que é bastante mais recorrente, ela não acrescenta informação, jáatravés do recurso a pequenasinfografias em alguns casos muito concretos, comoas cirurgias, o utilizador consegue perceber de umaforma mais clara a intervençãopela qual vai passar.Parece-nos que o uso muito pontual da infografianesta plataforma não é suficientepara clarificar o discurso na sua generalidade.
  2. 2. American Cancer Societywww.cancer.orgÀ semelhança do anterior, o website da American Cancer Society, desenvolvido pelaprópria associação,disponibiliza todo o tipo de informação sobre cancro. Parece-nos ser uma plataforma muito completanão só a nível de informação técnica relative à doença, como a todo o tipo de contactos e apoioemocional que os pacientese familiares possam precisar. Esta complexidade de informação éconseguida sobretudoatravés de uma vasta rede de contactos e colaborações.Contudo, por se tratar deum site tão generalista e denso, pode tornar-se confuso para quem ambicione apenas procurar sabermais sobre a sua situação, ou sobreum problema específico. Pelas mesmas razões a informaçãosobrepõe-se, refletindoalguma falta de objetividade na disposição dos conteúdos. O recurso a imagenséfeito muito pontualmente, sem unidade, coerência ou regularidade, no seu tratamentográfico ounatureza —sendo possível encontrar desde fotografias, videos ouilustrações—, resultando numa massade informação quase exclusivamente textual,densa e de difícil aproximação.Cancer Carewww.breastcancercare.org.ukO projeto inglês Breast Cancer Care é uma associação solidária de apoio a doentesde carcinoma damama, fundada por Betty Westgate em 1973, cinco anos depoisdo seu próprio diagnóstico de cancro damama. O seu website é exclusivamentededicado ao cancro da mama, e podemos encontrar todo o tipode informaçãorelativa à doença, desde a sua explicação até à fase de recuperação. Para alémdestainformação, apresenta, à semelhança dos outros websites, informação relativa aserviços de apoioao paciente, assim como o reforço da ideia de comunidade paraajudar a superar a doença.Porapresentar pequenos videos com testemunhos de pacientes em fase sobrevivênciatrabalha o ladoempático, mas não colmata a inexistência de imagens parasuportar a informação. Estes videos apesarde importantes documentos práticos,valorizando a experiência como fonte de informação, não explicamde uma formaclara os procedimentos pelos quais as pacientes vão passar, nem a natureza da suadoença.Infocancrowww.roche.pt/sites-tematicos/infocancroO projeto online Infocancro, da farmacéutica Roche, que funciona como um micro-site dentro do site daprópria Roche Portugal, disponibiliza informação sob aforma de texto e de animações sobre o que é ocancro, seguida de secções exclusivamentetextuais sobre diversos tipos de cancro. Para além dainformação sobreesta temática, apresenta ainda secções como questões a esclarecer,contemplandouma série de dúvidas comuns, apoio ao doente, onde para além da apresentaçãodeinstituições de apoio e acompanhamento disponibiliza uma série de documentosde apoio parafamiliares e amigos, e outros sites, onde apresenta uma longa lista deinstituições de saúde,farmacêuticas e associações assim como links informativose complementares.A utilização de animaçõesde duração não superior a cinco minutos, que abordamsub-temas, na informação sobre o cancro emgeral é sem dúvida um pontodiferenciador de outras plataformas com o mesmo objetivo. Mas, se porum lado orecurso às animações permite ao utilizador ter uma explicação oral acompanhadade imagens,que pode ser bastante elucidativa, por outro, a linguagem oral utilizadanas animações não é fácil,havendo recurso a termos técnicos que um paciente semformação científica não identifica. Asanimações passam demasiada informação,que por ser desnecessária para entender a questão principal,acabam por confundirum paciente sem conhecimento na área da saúde. Para além do factorcomplexidade,a linguagem visual utilizada nos videos podia ser mais depurada e menosrealista. As
  3. 3. animações poderiam ser mais curtos e abordar o problema pontual eobjetivamente. A linguagem e oconhecimento prévio que é necessário ter para acompreensão das animações não permite que umagrande totalidade da populaçãopossa compreender os conteúdos. Para além desse impasse, asanimações sóexistem na explicação geral do que é o cancro. Quando se entra especificamenteno cancroda mama, a informação é dada exclusivamente através de texto, nãosendo explorado o recurso aqualquer outro tipo de imagem para o acompanharou reforçar.A informação disponibilizada, para alémde nos parecer incompleta, vai umpouco para além daquilo que um paciente deverá ter em conta noseu tratamento.Secções como Escolha do tratamento apresentam valores generalizados a ter emcontana escolha do tratamento, porém esses factores estão apresentados de umaforma objectiva egeneralizada, não contemplando factores que fazem de cada casoum caso diferente. Com base nestesdados a paciente pode tirar conclusões que nãose aplicam diretamente ao seu caso e isto podeinfluenciar a sua decisão. Na nossaopinião este tipo de conteúdos devia ser omitido ou apresentado deuma outraforma. A decisão do tratamento a efetuar deve depender unicamente da avaliaçãodo casoclínico completo da paciente e por isso só deve ser feita pelo seu médico.National Breast Cancer Foundationwww.nationalbreastcancer.orgTal como Betty Westgate, também a americana Janelle Hail, sobrevivente de cancroda mama, fundou aNational Breast Cancer Foundation, no ano de 1991. O seu websitefala-nos sobre cancro da mama,dividindo-se em cinco secções: sobre cancro demama, comunidade, como ajudar, sobre NBCF econtactos.O seu ponto forte é sem dúvida a facilidade de navegação, associada a umconteúdoinformacional sucinto e ao recurso a animações informativas. Contudo, apesardos filmesserem simples e com uma linguagem acessível, focam-se mais emestatística e designações gerais, e nãotanto nos processos pelos quais a pacientevai passar.Por a informação técnica disponível ser bastanteresumida —não referindodiagnóstico ou tratamento—, e a informação restante ser bastante orientadapara anoção de comunidade, o site parece adaptar-se mais aos aspectos práticos da vidada paciente,fora do hospital e dos tratamentos.Também aqui, toda a informação é dada com pouco recurso aimagens informativasou explicativas.De uma maneira geral, o que se sente é que uma grande percentagem da informaçãodisponível sobre otema está apresentada sobre a forma de texto, semgrande recurso a imagens. Quando existem imagens,ela são maioritariamente soba forma de fotografias ou ilustrações que não acrescentam grandesignificado ouinformação àquela já presente no texto. Apesar de conseguirmos encontrar muitopontualmente infografias para ilustrar alguns assuntos —mais frequentementepara ilustrar cortes damama, e uma vez para ilustrar cirurgias— parece-nos quea sua utilização é feita inocentemente, sem anoção da riqueza de informação queestá a acrescentar à explicação oferecida, e de uma formadesconexa graficamente.Consideramos, portanto, que o potencial da utilização da imagem é,geralmente,negligenciado e subaproveitado.

×