UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA




     ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                           Sistemas de Controle
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGI...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                               ROTAÇÃO
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      N...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
       CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
       NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA        ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                      Robótica
      CENTR...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                 Classificação dos Sistemas de
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                 Classificação dos Sistemas de
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA


       ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA         M...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA         M...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                           Modelagem no Domínio da
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOL...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                                      Modelagem no
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOL...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                                  Modelagem no
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                                           Modelagem no
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E T...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                                      Modelagem no
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOL...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                                Modelagem no
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
 ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                                          Modelagem no
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TE...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                                      Modelagem no
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOL...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                                           Modelagem no
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E T...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                                    Modelagem no
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOG...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                  Resposta ao degrau
     ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                  Resposta ao degrau
     ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                         Resposta ao degra...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                  Resposta ao degrau
     ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                  Resposta ao degrau
     ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                  Resposta ao degrau
     ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                  Resposta ao degrau
     ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                  Resposta ao degrau
     ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                            Controladores Eletrônicos
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TEC...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                         Controladores Eletrônicos
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOL...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                     Controladores Eletrônicos
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                         Controladores Eletrônicos
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOL...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE                Controladores Eletrônicos
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
    ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
                                             ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

10. Sistemas e Controles Eletrônicos

7.370 visualizações

Publicada em

• Introdução
– Motivação
– Conceitos Básicos
• Aplicação dos Sistemas de Controle
– Regulador de Esferas (James Watt - 1769)
– Aplicações Espaciais
– Robótica
– Máquinas Elétricas

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.370
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
324
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

10. Sistemas e Controles Eletrônicos

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Sistemas e Controles Eletrônicos 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 1
  2. 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Conteúdo • Introdução d ã – Motivação – Conceitos Básicos • Aplicação dos Sistemas de Controle – Regulador de Esferas (James Watt - 1769) – Aplicações Espaciais – Robótica – Má i Máquinas Elét i Elétricas 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 2
  3. 3. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Introdução ç • Motivação: i ã – Manipulação de processos (controle de temperatura, controle de velocidade, etc.). – Automação de tarefas repetitivas. – Obtenção de um resultado satisfatório. • Presente no Cotidiano – Caixa eletrônico – Aviões (piloto automático) – Automóveis (controle de tração.) Controle é o mecanismo utilizado para manter o equilíbrio. 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 3
  4. 4. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Sistemas de Controle CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Visão geral g Sensores melhores mais visão. Melhores atuadores M lh t d mais músculos. Melhor controle maior precisão, combinando sensores e atuadores p , de uma forma mais “inteligente”. 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 4
  5. 5. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Introdução • Conceitos Básicos (Exemplo) Objetivo: Independente das variações na temperatura ambiente, a temperatura interna do forno deve ser constante. 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 5
  6. 6. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Introdução • Conceitos Básicos – SISO (Single Input Single Output) Entrada Saída Planta (Processo) – MIMO (Multiple Input Multiple Output) 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 6
  7. 7. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Conteúdo • Introdução d ã – Motivação – Conceitos Básicos • Aplicação dos Sistemas de Controle – 300 a.C. – Grécia: relógio de água (Ktesibios) – Regulador de Esferas (James Watt - 1769) – Aplicações Espaciais – R bóti Robótica – Máquinas Elétricas 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 7
  8. 8. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE ROTAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA NORMAL Regulador de Esferas James Watt - 1769 J W tt FLUXO DE VAPOR NORMAL ROTAÇÃO ALTA 11/08/2009de algodão – Manchester - Douglas Bressan Riffel Fábrica 18:21 Prof. UK FLUXO DE VAPOR RESTRINGIDO 8
  9. 9. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Aplicações Espaciais p ç p Antena para Rastreio de Satélites INPE/UFRN • Motores • Drivers • Engrenagens • Redutores Lançamento do foguete VSB-30 • Sensores Alcântara - 19/07/2007 - INPE 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 9
  10. 10. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Robótica CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Miguel Nicolelis – Indicado ao g Nobel de Medicina Japão EUA 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 10
  11. 11. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Máquinas Elétricas q Instalação do primeiro gerador na década de 80 1760 toneladas, 16 m de diâmetro, 700 MW 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 11
  12. 12. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Conteúdo • Classificação d Sistemas d Controle l ifi ã dos i de l – Controle em Malha Aberta – Controle em Malha Fechada – Malha Aberta x Malha Fechada • Vantagens e Desvantagens • Conclusões e Considerações Finais 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 12
  13. 13. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Classificação dos Sistemas de CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Controle • Controle em Malha Aberta – Características: • Sinal de controle predeterminado. – Exemplos: • Automóvel sem velocímetro. – Experiência do Motorista Motorista. – Carga do veículo, terreno e rajadas de vento. • Lava-roupas. p – Escolhe-se o “programa de lavagem”. 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 13
  14. 14. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Classificação dos Sistemas de CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Controle • Controle em Malha Fechada – Características • Medição do sinal de saída. • Sinal de controle em função da saída. – Exemplos: • Automóvel com velocímetro velocímetro. • Forno com sensor de temperatura. 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 14
  15. 15. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Classificação dos Sistemas de Controle • Diagrama de blocos • Para o exemplo do carro: – Sensor: Olhos do motorista – Controlador: Cérebro do motorista. – Atuador: Motor do automóvel. 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 15
  16. 16. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Malha Aberta x Malha Fechada • Controle em Malha Aberta – Vantagens: g • Barato (não precisa de sensores). • Conveniente quando não se pode medir a saída. • Construção simples e manutenção fácil. – Desvantagens: • Sensível a perturbações. • Impreciso Impreciso. 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 16
  17. 17. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Malha Aberta x Malha Fechada • Controle em Malha Fechada – Vantagens: g • Boa precisão quando comparado ao sistema em malha aberta. • Rejeita o efeito das perturbações sobre a variável do processo. – Desvantagens: • Mais complexo e caro ( p (uso de sensores). ) 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 17
  18. 18. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Modelagem no Domínio da CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Freqüência Objetivo: Função de Transferência Entrada Saída Sistema Entrada Saída Subsistema Subsistema Subsistema Revisão sobre Transformada de Laplace • A transformada de Laplace é definida como: ∞ L[ f (t )] = F ( s ) = ∫ f (t )e − st dt 0− em que: s = σ + jω é uma variável complexa. • O limite inferior da integral significa que, mesmo se f(t) for descontínua em t=0, pode-se começar a integração antes da referida, desde que a integral convirja. j 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 18
  19. 19. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Modelagem no CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Domínio da Freqüência • A transformada inversa de Laplace é dada por: 1 σ + j∞ 2πj ∫σ − j∞ −1 L [ F ( s )] = f (t )u (t ) = F ( s )e st ds onde u(t) = 1, p/ t > 0 ou u(t) = 0, p/ t < 0. (função degrau unitário) Algumas f õ representativas Al funções t ti f (t ) F (s ) f (t ) F (s ) δ (t ) 1 1 e − at u (t ) 1 s+a u (t ) ω s sin ωtu (t ) s2 + ω 2 t n u (t ) n! s s n +1 cos ωtu (t ) s2 + ω 2 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 19
  20. 20. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Modelagem no CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Domínio da Freqüência Função de Transferência F ã d T f ê i Escrevendo a saída C(s) em função de R(s), obtém-se: C ( s) (bm s m + bm −1s m −1 + ... + b0 ) = G (s) = R( s) (an s n + an −1s n −1 + ... + a0 ) A relação de polinômios acima G(s), denomina-se de Função de Transferência e o seu cálculo é feito com condições iniciais nulas. Problema: Obter a função de transferência representada por: dc(t ) + 2c(t ) = r (t ) dt Solução: Aplicando Laplace, C ( s) 1 sC ( s ) + 2C ( s ) = R( s) ⇒ G ( s) = = R( s) s + 2 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 20
  21. 21. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Modelagem no CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Domínio do Tempo Objetivo: Representação em espaço de estados • Considere o circuito RL abaixo, com condições iniciais nulas: Para a corrente i(t), pode-se escrever: di d v(t ) = L + Ri dt Por Laplace, V ( s ) = L[ sI ( s ) − i (0)] + RI ( s ) Se V(s) for um degrau unitário, 1 ⎛1 1 ⎞ i (0) I (s) = ⎜ − ⎟ + L⎝ s s+R/L⎠ s+R/L Aplicando a transformada inversa de Laplace Laplace, i (t ) = 1 L (1 − e−( R / L)t ) + i(0)e−( R / L)t onde i(t) é uma variável de estado. 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 21
  22. 22. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Modelagem no CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Domínio do Tempo Objetivo: Representação em espaço de estados A variável de estado i(t) é obtida a partir da equação de estado di L + Ri = v(t ) ( dt A partir de i(t) e de v(t), pode-se obter outras variáveis de circuito: vR (t ) = Ri (t ) tensão sobre o resistor. vL (t ) = v(t ) − Ri (t ) tensão sobre o indutor. di 1 = [v(t ) − Ri ] derivada da corrente. dt L Determinando-se a variável de estado i(t) e a entrada v(t), pode-se obter o estado de qualquer variável de circuito para t >= to to. As equações acima são denominadas de equações de saída. O sistema de equações que combina equações de estado e de saída compõe a representação no espaço de estado do sistema sistema. 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 22
  23. 23. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Modelagem no CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Domínio do Tempo Objetivo: Representação em espaço de estados A equação de estado que representa o circuito exemplo não é única. Por exemplo: considere i = vR/R, então: L dvR + vR = v(t ) R dt Considere agora um sistema de segunda ordem: di 1 L + Ri + ∫ idt = v(t ) dt C fazendo i(t) = dq/dt, d 2q dq 1 L 2 +R + q = v(t ) dt dt C Uma equação de ordem n pode ser convertida em n equações de primeira ordem. ordem 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 23
  24. 24. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Modelagem no CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Domínio do Tempo Objetivo: Representação em espaço de estados As equações de primeira ordem resultantes são do tipo: dxi = ai1 x1 + ai 2 x2 + ... + aiin xn + bi f (t ) dt onde cada xi é uma variável de estado, e os coeficientes aij e bi são constantes nos sistemas lineares e invariantes no tempo, sendo f(t) a entrada. Assim, podemos resolver a equação do circuito em termos de q(t) e i(t). Como dq/dt = i, então o seguinte sistema pode ser escrito: dq =i dt di 1 ⎡ 1 ⎤ = ⎢− q − Ri + v( )⎥ (t dt L ⎣ C ⎦ O sistema de equações acima, associado a uma equação de saída, corresponde a representação no espaço de estado sistema. 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 24
  25. 25. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Modelagem no CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Domínio do Tempo Objetivo: Representação em espaço de estados Um exemplo de equação de saída é: 1 vL (t ) = − q (t ) − Ri (t ) + v(t ) C • Observe que a equação de saída é uma combinação linear das variáveis de estado. Outras variáveis de estado podem também ser escritas, por exemplo: dvR 1 = [− RvR − RvC + Rv(t )] dt L dvC 1 = vR dt RC As variáveis de estado devem ser linearmente independentes. Do ponto de vista de aplicabilidade, as equações de estados devem ser lineares. 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 25
  26. 26. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Modelagem no CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Domínio do Tempo Objetivo: Representação em espaço de estados As equações de estado podem ser representada matricialmente: x = Ax + Bu & onde: ⎡dq / dt ⎤ ⎡ 0 1 ⎤ ⎡q ⎤ ⎡ 0 ⎤ & =⎢ A=⎢ ⎥ x = ⎢ i ⎥ B = ⎢1 / L ⎥ u = v(t ) di / dt ⎥ x ⎣ ⎦ ⎣− 1 / LC − R / L⎦ ⎣ ⎦ ⎣ ⎦ A equação de saída para y(t) = vL(t) é dada por y = Cx + Du onde: C = [− 1 / C − R] D =1 • D fi i õ Definições: 1. Combinação linear: Uma combinação linear de n variáveis é definida como: S = k n xn + k n −1 xn −1 + ... + k1 x1 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 26
  27. 27. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Modelagem no CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Domínio do Tempo Representação em espaço de estados • Definições: 2. Variáveis de sistema: Qualquer variável que responda a uma entrada ou a condições iniciais i i i i em um sistema. it 3. Variáveis de estado: Menor conjunto linearmente independente de variáveis de sistema que determinam os valores das variáveis de sistema para t >= to. 4. Vetor de estado: Vetor cujos elementos são variáveis de estado. 5. Espaço de estado: Espaço n-dimensional cujos eixos são variáveis de estado. 6. 6 Equações de estado: Conjunto de n equações diferenciais de primeira ordem ordem. 7. Equações de saída: Equações algébricas que representam as variáveis de saída de um sistema como combinações lineares das variáveis de estado e da entrada. x = Ax + Bu & y = Cx + Du 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 27
  28. 28. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Entradas de teste Entradas de teste 1 1 1 R(s ) = (s R(s ) = ( R( s) = s2 s3 s Degrau unitário g Rampa unitária Parábola Posição constante Velocidade constante Aceleração constante Representação Geral R ã G l Representação com realimentação unitária R ã li ã iái 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 28
  29. 29. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Resposta ao degrau CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA no Domínio do Tempo p Sistemas de Segunda Ordem – Tipos de respostas 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 29
  30. 30. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Resposta ao degrau CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA no Domínio do Tempo p Sistemas de Segunda Ordem – Tipos de respostas 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 30
  31. 31. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Resposta ao degrau CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA no Domínio do Tempo p Sistemas Subamortecido – Especificações Cálculo de Tp Ou seja: ωn ωn 1 − ξ 2 1− ξ 2 = ( s + ξωn ) 2 + ωn (1 − ξ 2 ) ξ 2 Portanto: c(t ) = & ωn 1− ξ 2 ( e −ξωnt sin ωn 1 − ξ 2 t ) Igualando a zero, nπ t = Tp = ωn 1 − ξ 2 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 31
  32. 32. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Resposta ao degrau CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA no Domínio do Tempo p Sistemas Subamortecido – Análise Gráfica Respostas ao degrau em função da movimentação dos pólos 1. Parte real constante: 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 32
  33. 33. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Resposta ao degrau CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA no Domínio do Tempo p Sistemas Subamortecido – Análise Gráfica Respostas ao degrau em função da movimentação dos pólos 2. Parte imaginária constante: 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 33
  34. 34. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Resposta ao degrau CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA no Domínio do Tempo p Sistemas Subamortecido – Análise Gráfica Respostas ao degrau em função da movimentação dos pólos 3. Com relação de amortecimento constante: 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 34
  35. 35. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Resposta ao degrau CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA no Domínio do Tempo p Sistemas Subamortecido – Pólos Adicionais Resposta do sistema com a adição de um pólo ao sistema subamortecido. 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 35
  36. 36. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Resposta ao degrau CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA no Domínio do Tempo p Sistemas Subamortecido – Zeros A inclusão de um zero na planta de controle altera basicamente a amplitude da ultrapassagem (overshoot) 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 36
  37. 37. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Erros de Estado Estacionário • Admita o sistema de controle : • O erro entre a entrada e a saída é dado por: E ( s) = R( s) − C ( s) mas como C ( s ) = E ( s )G ( s ) R( s) então, E (s) = 1 + G (s) • Fazendo t ir para ∞, obtém-se que: sR(s) (s e(∞) = lim s →0 1 + G ( s ) 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 37
  38. 38. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Erros de Estado Estacionário Constantes de erros estáticos e tipo de sistema • Constante de Posição Kp s(1 / s ) 1 e(∞ ) = edeg rau ( ∞ ) = lim = s →0 1 + G ( s ) 1 + lim G ( s ) s →0 K p = lim G ( s ) 1 s →0 edeg rau ( ∞ ) = 1+ Kp • Constante de Velocidade Kv K v = lim sG ( s ) 1 s →0 erampa (∞ ) = p Kv • Constante de Aceleração Ka 1 K a = lim s 2G ( s ) e parábola ( ∞ ) = s →0 Ka 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 38
  39. 39. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Erros de Estado Estacionário Tipos de sistema Ti d it Degrau Rampa Aceleração r(t) = 1 r(t) = t r(t) = t² /2 Tipo 0 1 ∞ ∞ 1+ K Tipo 1 0 1 ∞ K Tipo 2 1 0 0 K C( s) ( s − z1 )( s − z2 )( s − zn ) K (T s + 1)(Tb s + 1)... = G( s) = ? = ? a R( s ) s ( s − p1 )( s − p2 )( s − pm ) s (T1s + 1)(T2 s + 1)... 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 39
  40. 40. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Controladores Eletrônicos CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Proporcional - P R2 R4 R1 R3 + + R4 R2 G( s) = R3 R1 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 40
  41. 41. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Controladores Eletrônicos CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Integral - I C2 R4 R1 R3 + + R4 1 G( s) = R3 R1C2 s 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 41
  42. 42. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Controladores Eletrônicos CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Proporcional- Proporcional-Derivativo - PD C1 R2 R4 R1 R3 + + R4 R2 G( s) = (R1C1s + 1) R3 R1 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 42
  43. 43. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Controladores Eletrônicos CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Proporcional- Proporcional-Integral - PI R2 C2 R4 R1 R3 + + R4 R2 R2C2 s + 1 G( s) = R3 R1 R2C2 s 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 43
  44. 44. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Controladores Eletrônicos CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Proporcional-Integral-Derivativo Proporcional-Integral- e at o opo c o a teg a PID C1 R2 C2 R4 R1 R3 + + R4 R2 (R1C1s + 1)(R2C2 s + 1) G( s) = R3 R1 R2C2 s 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 44
  45. 45. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA Exemplo de Utilização NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Compensador 11/08/2009 18:21 Prof. Douglas Bressan Riffel 45

×