07/12/2011
Duatra e seu Duplo
Anseio paixão que transforme,
uma paixão que me faça bem
nesse coração que palpita,
sussurra...
Meu corpo foi vendido
Em mil pedaços a vocês
Cada momento em que procurei enriquecê-los
Distanciei-me daquilo que vês.
Est...
eu e eu
Serei livre naquilo que usam para aprisioná-los
Morte a todos nós,
E a seus duplos que foram levados...
Fernand Du...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Duatra e seu duplo

71 visualizações

Publicada em

Duatra e seu duplo

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
71
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Duatra e seu duplo

  1. 1. 07/12/2011 Duatra e seu Duplo Anseio paixão que transforme, uma paixão que me faça bem nesse coração que palpita, sussurrando a angústia de não ser ninguém Mas quem disse que a paixão não deixa marcas? Ó ilusão desse amor que vem vendido Que me fazes acreditar de que viver é o caminho a ser escolhido Só o estático nos potencializa Um momento sublime, um toque de artista. Vãs vidas pesadas, Por que me sufocas? Eu quero apenas partir e no tudo minguar Desaparecer, sem rastro nem fé Sem o anseio de mais um despertar
  2. 2. Meu corpo foi vendido Em mil pedaços a vocês Cada momento em que procurei enriquecê-los Distanciei-me daquilo que vês. Esta carta, estes versos sustentam-me por ora tentadora a vontade de imergir só esta caneta não me permite partir. Ó linha que registra e marca Que de meu corpo “ex-tende” Objetiva, e também foi objetivada Entre a razão e a loucura se fende onde se perde o artista, num lugar escuro... duvidoso onde se guarda apenas, um desabafo caloroso Extensão de mim que queria que não tivesse fim que se fizesse eterno pra que a eternidade fosse sempre assim
  3. 3. eu e eu Serei livre naquilo que usam para aprisioná-los Morte a todos nós, E a seus duplos que foram levados... Fernand Duatra

×