Cherry Colours - Apresentação

809 visualizações

Publicada em

Apresentação e defesa do projeto gráfico da revista Cherry Colours. Trabalho de Diagramação

Publicada em: Design, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
809
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cherry Colours - Apresentação

  1. 1. ApresentAção digitAlCeCoteg - 2° Módulo - design revista: Cherry Coloursturma: pep - Aodg 37 Aluna: paola giovanaprofessor: rangel salesProjeto Gráfico É importantíssimo se considerar um conceito para a criação derno, o qual procura ser expresso através de característicasde um projeto gráfico. A revista “Cherry Colours” e os seus como criatividade, liberdade, inocação, ousadia, provocaçãoelementos visuais foram construídos a partir de um conceito e, mais uma vez, sensualidade.que pressupõe uma perspectiva feminina existente no design Estes foram os motivos e referências que justificam todasrealizado por mulheres, bem como em qualquer produção as escolhas do projeto gráfico. A existência de um conceito efeita por uma mulher. um objetivo específicos com a publicação norteiam a criação A partir de referências pessoais como a sensualidade pre- de uma unidade visual.sente nas cerejas, e a a música “Cherry Lips” da banda Gar-bage surgiu a inspiração para aplicar o conceito do femininovisualmente. A questão do feminino não é exclusiva das mulheres, poistrata-se de gênero e não corpo físico. Embora a revista tenhacomo seu principal público-alvo as mulheres designers, elapode ser agradável para as pessoas andróginas, das quais falaa música “Cherry Lips”. É a sensualidade do feminino o queprocurou-se representar neste conceito e projeto gráfico. Os elementos gráficos mais importantes na aplicação desteconceito são as cores, as tipografias utilizadas e as cerejas ondeestá colocada a numeração das páginas. A cor rosa, predominante nos elementos de destaque temrelação não apenas com a proposta do título, que trata dascores das cerejas, mas também com uma caracterização dosenso comum de que as mulheres e a cor rosa combinam. Os títulos e subtítulos utilizam a mesma cor dos elementosde destaque e dos gráficos ornamentais, além de suas tipogra-fias também se relacionarem com a idéia de um feminino mo-
  2. 2. 5 Numeração Outro toque de unidade visual é o elemento gráfico em que a numeração está inserida nas páginas: Uma cereja, remetendo ao nome da revista, com a cor mais escura, aproximando-a1 visualmente também ao bigode e ao fio. 6 Fio 42 O fio, também de um tom rosa mais escuro, acrescenta delicadeza, harmonizando página e estabelecendo o alinhamento com o rodapé. 3 7 Rodapé O rodapé utiliza a mesma tipografia do ca-5 beçalho e tem a mesma função de indicar a seção da revista. Com um corpo de fonte bem 6 7 menor, e próximo ao fio e à numeração, ajuda a orientar o leitor, além de proporcionar uma quebra com os elementos rosas da página, de- vido à sua cor branca.1 Cabeçalho 3 Bigode O cabeçalho marca o nome da seção. A es- Com uma cor um pouco mais escura do colha de sua posição vertical, em lugar da po- que a do título e subtítulo e uma tipogra- sição horizontal, mais comum, foi justamen- fia mais próxima do manuscrito, o bigode te para diferenciar o layout e corresponder à é destacado, além de adicionar mais femi- intenção de modernidade do projeto gráfico. nilidade e leveza ao visual da peça gráfica.2 Subtítulo 4 Título O subtítulo mantém a tipografia do título, O título utiliza a mesma tipografia do nome com corpo de fonte menor, de modo a manter na capa da revista. Mais um elemento de uni- a unidade visual e a leiturabilidade dentro do dade visual, reflete os conceitos de feminilida- contexto. Não foi utilizado em todas as ma- de e modernidade através da cor e da própria térias, devido à própria divisão e conteúdo tipografia escolhida. dos textos.
  3. 3. Tipografia um acréscimo de memória ram começou a travar repentina Neste Projeto Gráfico foram utilizadas quatro famílias ti- e repetidamente.pográficas diferentes: A escolha inicial da identidade visual da revista e a escolha das tipografias também foi algo que demandou muito tempo. • Minion Pro - no corpo de texto Depois desta escolha realizada, houve também dificuldade • Stencil - noS cabeçalhoS, rodapéS para importar o elemento gráfico no qual a numeração é po- e numeração sicionada, mesmo este sendo uma imagem vetorial produzida • You rook Marbelous - nos títulos e nome em outro software da Adobe, o Illustrator. da revista Parece, portanto, que as principais dificuldades ocorreram • BlackJack - nos bigodes por falta de tempo e experiência, condições estas que, certa- mente, serão diferentes nos próximos trabalhos. Estas combinações podem ser observadas nas figuras des-ta apresentação. O uso da cor rosa já foi explicado na parte Habilidades adquiridasque se refere ao Projeto Gráfico. Quanto ao uso da cor bran-ca, sobre o fundo preto, além de tornar possível um maior As habilidades adquiridas e aprimoradas neste projetocontraste e, portanto, mais leiturabilidade, é um diferencial foram bem variadas, desde a habilidade suprema de ficarergonômico e visual para o corpo de texto e as indicações de acordada até as 5 horas da manhã, durante vários dias, até aseções da revista. habilidade de enganar o InDesign quando ele não respeitava A escolha por estas famílias tipográficas foi pautada nos o grid e deixava uma linha em branco sem motivo, atrapa-conceitos da revista, e sua combinação nos tamanhos e cores lhando o alinhamento.foi previamente estudada e planejada para que houvesse a Outras habilidades importantes foram:harmonia necessária a uma boa transmissão de informações. • Planejamento • Pesquisa tipográfica • Criação e aplicação de um conceito De um modo geral, mesmo com o pouco tempo para sePrincipais dificuldades • Criação de capa realizar a revista inteira, a avaliação e entrega parcial dos pro- As maiores dificuldades com este trabalho foram com re- • Uso de um grid, entre outras atividades de diagrama- cessos é algo que colaborou com a pontualidade do trabalho,lação ao tempo. Embora as etapas do processo tenham sido ção pois não seria possível concluí-lo todo de uma vez, em umapresentadas de acordo com o cronograma dado pelo pro- • Revisão através de boneca em preto-e-branco prazo mais curto ainda.fessor, para que isso acontecesse foram necessárias muitas • Mais familiaridade com o software InDesign A procura de imagens e anúncios também foi um proces-noites mal-dormidas. • Configuração de páginas e grids so difícil e demorado. Talvez o professor pudesse dar mais É claro que as dificuldades têm a ver, principalmente, com as • Utilização de estilos de parágrafo e estilos de caracteres dicas de como encontrar estas imagens, pois mesmo com osdificuldades que a prática irá eliminar, além de características links de vários bancos de imagens foi complicado encontrarpessoais perfeccionistas e obcecadas. Através das aulas, das Sugestões as imagens que correspondessem aos assuntos, em alta reso-pesquisas, dos textos e tutoriais lidos, o que eram dificuldades lução, e gratuitas.no começo deixaram de o ser. O trabalho foi bem acompanhado pelo professor, com escla- Não há muitas sugestões, portanto, pois a esta altura do tra- Alguns momentos em que o trabalho esteve realmente difícil recimento a todas as dúvidas que os alunos tiveram iniciativa balho é difícil de lembrar de detalhes que fariam a diferençaforam no processo de procura e troca de imagens, devido às de perguntar. Algumas instruções quanto à apresentação di- na eficiência e qualidade da produção. De qualquer forma, onecessidades de uma resolução que possibilitasse uma grande gital do trabalho não foram tão claras, deixando algumas am- acompanhamento e a orientação foram bastante satisfatórios,impressão; os momentos em que o computador, mesmo com biguidades sobre como ela deveria ser realizada exatamente. e o aprendizado enriquecedor.

×