Oficina de Introdução ao Roteiro Audiovisual

3.540 visualizações

Publicada em

Oficina de Roteiro Audiovisual ministrada na calourada de Artes Cênicas da UFOP em Agosto de 2014. Introdução ao Roteiro e breve comparação entre texto teatral e roteiro audiovisual.

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
19 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.540
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
439
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
19
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Oficina de Introdução ao Roteiro Audiovisual

  1. 1. Oficina de Introdução ao Roteiro Audiovisual Paola Giovana contato@paolagiovana.com.br
  2. 2. O que é um roteiro audiovisual? • O roteiro é o gênero literário que precede e corresponde ao filme, do mesmo modo como se dá com o texto teatral ou dramatúrgico em relação à encenação de uma peça • A transposição de um roteiro para um filme e de um texto teatral para uma peça quase nunca se dá de forma literal, passando sempre pelo filtro do diretor, que escolhe o modo como as histórias serão apresentadas • Os conteúdos principais de um roteiro são: a descrição de ações e os diálogos • É fundamental lembrar que se trata de uma linguagem de imagens e sons, portanto qualquer pensamento ou abstração devem ser transformados em ações ou imagens representáveis na tela • Cada página de roteiro, na formatação padrão, corresponde aproximadamente a um minuto de filme
  3. 3. Etapas para a criação de um roteiro • Idéia • Logline • Storyline • Perfil de personagens • Sinopse ou Argumento • Estrutura ou Escaleta • Roteiro
  4. 4. Idéias • Antes de contar qualquer história, seja em forma de roteiro ou sob outras formas, é necessário ter idéias. Além dos temas de sua preferência, você pode buscá-las através de: • Adaptação de histórias conhecidas (cuidado com os direitos autorais!) • Livros • Quadrinhos • Casos populares • Observação • Os conflitos inerentes à vida • As manchetes de jornais e revistas • As fofocas do Facebook (por que não?) • Os arquétipos • Os Mitos • A Commedia dell’Arte • O Tarô
  5. 5. Logline • Situação dramática • 3 elementos principais: • Protagonista • Objetivo • Obstáculo • Não se define, aqui, o final da história. • Tamanho: 1 frase. • Exemplo: Juno — para garantir uma boa adoção para o seu bebê (o objetivo) uma precoce adolescente grávida (a protagonista) tem de enfrentar a crise do casamento dos pais adotivos (o obstáculo). • Exemplo retirado do site: http://joaonunes.com/2010/guionismo/curso- 19-do-storyline-ao-guio/
  6. 6. Storyline • É a apresentação da linha da história. • Deve conter o conflito principal, seu desenvolvimento e solução, de modo a conquistar a curiosidade do seu público sobre a forma como a narrativa irá se desenvolver. • Tamanho: 1 parágrafo • Exemplo: Um príncipe cujo pai, que era rei, foi assassinado por seu tio com o fim de usurpar a coroa. Este crime conduziu o jovem príncipe a uma crise existencial, que terminou numa onda de mortes. • Storyline possível para Hamlet, retirada do site: http://cineparanoia.blogspot.com.br/2009/04/roteiro-parte-3- storyline.html
  7. 7. Perfil de personagens • As ações dos personagens não são aleatórias mas coerentes com a personalidade de cada um, consequências de suas motivações, caráter e formação • Motivações podem estar condicionadas a status social, idade, gênero, profissão, infância, preferências, etc. • Para ter clareza das motivações e possibilidades de ação de suas personagens é interessante criar um perfil e/ou subtexto para elas, como se fossem pessoas vivas, frutos de suas experiências
  8. 8. Sinopse ou Argumento • Desenvolvimento da história à partir da storyline • Neste ponto, descreve-se a narrativa do início ao fim, incluindo detalhes que não “cabiam” nas etapas anteriores, como época e local em que a história ocorre e características dos personagens • A escrita do argumento é mais próxima do gênero literário • Exemplo:
  9. 9. Estrutura ou Escaleta • Organização do argumento em forma de cenas, com cabeçalhos e indicação de ações em frases simples que correspondem à cada cena ou sequência • Método dos cartões: Alguns autores preferem formular a escaleta a partir de cartões com cada cena, para ordenar mais livremente o modo que vão contar a história • Exemplo: CENA 1 - EXT. PRAÇA - NOITE – Turista se assusta com sombra no Museu da Inconfidência fechado CENA 2 – INT. MUSEU – NOITE – Estátuas e outros objetos mudam de lugar sozinhos (...)
  10. 10. Roteiro • Após as etapas anteriores, escrever seu roteiro nada mais é do que descrever as imagens que contam sua história através de ações e diálogos. • Há alguns elementos fundamentais para cada cena do roteiro: • Cabeçalho da cena: indica o número da cena, onde ela se passa e a luz ambiente (dia/noite) • Descrição do ambiente e da ação • Nome do personagem assim que ele aparece, na próxima linha a rubrica ou indicação e, logo abaixo, sua fala • Outra descrição de ambiente e/ou ação e transição para a próxima cena
  11. 11. Formatação • Exemplo de roteiro • Celtx • Formatação automática • Outros tipos de roteiro (A/V, peça teatral, etc.)
  12. 12. Principais diferenças entre os gêneros roteiro audiovisual e texto teatral Roteiro • Foco nas ações • Storyline • Escaleta • Previsão aproximada da minutagem do filme • Mudança de cena = mudança de local ou tempo Texto Teatral • Foco nos diálogos • Imagem dramática • Canovaccio • Imprevisibilidade do tempo de encenação • Mudança de cena = entrada ou saída de personagens, mudança de local ou de tempo
  13. 13. Dicas • É importante conhecer a linguagem cinematográfica e as possibilidades de expressão deste meio para criar roteiros que possam efetivamente ser filmados • O roteirista não deve dar indicações de enquadramento ou outras indicações que dizem respeito ao diretor. Estas instruções são definidas no momento da decupagem ou roteiro técnico • Dependendo do tema abordado é necessário uma pesquisa anterior para evitar falhas históricas, como no caso dos filmes de época • O tempo de leitura de uma cena no roteiro pode indicar o ritmo e tempo da cena filmada
  14. 14. Referências • CAMPOS, Flávio de. Roteiro de Cinema e Televisão. • CARRIERE, Jean-Claude & BONITZER, Pascal. Prática do Roteiro Cinematográfico. • COMPARATO, Doc. Da Criação ao Roteiro. • MOSS, Hugo. Como Formatar o seu Roteiro. • MARQUEZ, Gabriel G. Como Contar um Conto. • FIELD, Syd. Manual do Roteiro. • http://www.roteirodecinema.com.br/roteiros.htm • http://joaonunes.com/2010/guionismo/curso-19-do-storyline- ao-guio/ • http://cineparanoia.blogspot.com.br/2009/04/roteiro-parte- 3-storyline.html

×