O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Oficina de Introdução ao Roteiro Audiovisual

4.586 visualizações

Publicada em

Oficina de Roteiro Audiovisual ministrada na calourada de Artes Cênicas da UFOP em Agosto de 2014. Introdução ao Roteiro e breve comparação entre texto teatral e roteiro audiovisual.

Publicada em: Arte e fotografia
  • Seja o primeiro a comentar

Oficina de Introdução ao Roteiro Audiovisual

  1. 1. Oficina de Introdução ao Roteiro Audiovisual Paola Giovana contato@paolagiovana.com.br
  2. 2. O que é um roteiro audiovisual? • O roteiro é o gênero literário que precede e corresponde ao filme, do mesmo modo como se dá com o texto teatral ou dramatúrgico em relação à encenação de uma peça • A transposição de um roteiro para um filme e de um texto teatral para uma peça quase nunca se dá de forma literal, passando sempre pelo filtro do diretor, que escolhe o modo como as histórias serão apresentadas • Os conteúdos principais de um roteiro são: a descrição de ações e os diálogos • É fundamental lembrar que se trata de uma linguagem de imagens e sons, portanto qualquer pensamento ou abstração devem ser transformados em ações ou imagens representáveis na tela • Cada página de roteiro, na formatação padrão, corresponde aproximadamente a um minuto de filme
  3. 3. Etapas para a criação de um roteiro • Idéia • Logline • Storyline • Perfil de personagens • Sinopse ou Argumento • Estrutura ou Escaleta • Roteiro
  4. 4. Idéias • Antes de contar qualquer história, seja em forma de roteiro ou sob outras formas, é necessário ter idéias. Além dos temas de sua preferência, você pode buscá-las através de: • Adaptação de histórias conhecidas (cuidado com os direitos autorais!) • Livros • Quadrinhos • Casos populares • Observação • Os conflitos inerentes à vida • As manchetes de jornais e revistas • As fofocas do Facebook (por que não?) • Os arquétipos • Os Mitos • A Commedia dell’Arte • O Tarô
  5. 5. Logline • Situação dramática • 3 elementos principais: • Protagonista • Objetivo • Obstáculo • Não se define, aqui, o final da história. • Tamanho: 1 frase. • Exemplo: Juno — para garantir uma boa adoção para o seu bebê (o objetivo) uma precoce adolescente grávida (a protagonista) tem de enfrentar a crise do casamento dos pais adotivos (o obstáculo). • Exemplo retirado do site: http://joaonunes.com/2010/guionismo/curso- 19-do-storyline-ao-guio/
  6. 6. Storyline • É a apresentação da linha da história. • Deve conter o conflito principal, seu desenvolvimento e solução, de modo a conquistar a curiosidade do seu público sobre a forma como a narrativa irá se desenvolver. • Tamanho: 1 parágrafo • Exemplo: Um príncipe cujo pai, que era rei, foi assassinado por seu tio com o fim de usurpar a coroa. Este crime conduziu o jovem príncipe a uma crise existencial, que terminou numa onda de mortes. • Storyline possível para Hamlet, retirada do site: http://cineparanoia.blogspot.com.br/2009/04/roteiro-parte-3- storyline.html
  7. 7. Perfil de personagens • As ações dos personagens não são aleatórias mas coerentes com a personalidade de cada um, consequências de suas motivações, caráter e formação • Motivações podem estar condicionadas a status social, idade, gênero, profissão, infância, preferências, etc. • Para ter clareza das motivações e possibilidades de ação de suas personagens é interessante criar um perfil e/ou subtexto para elas, como se fossem pessoas vivas, frutos de suas experiências
  8. 8. Sinopse ou Argumento • Desenvolvimento da história à partir da storyline • Neste ponto, descreve-se a narrativa do início ao fim, incluindo detalhes que não “cabiam” nas etapas anteriores, como época e local em que a história ocorre e características dos personagens • A escrita do argumento é mais próxima do gênero literário • Exemplo:
  9. 9. Estrutura ou Escaleta • Organização do argumento em forma de cenas, com cabeçalhos e indicação de ações em frases simples que correspondem à cada cena ou sequência • Método dos cartões: Alguns autores preferem formular a escaleta a partir de cartões com cada cena, para ordenar mais livremente o modo que vão contar a história • Exemplo: CENA 1 - EXT. PRAÇA - NOITE – Turista se assusta com sombra no Museu da Inconfidência fechado CENA 2 – INT. MUSEU – NOITE – Estátuas e outros objetos mudam de lugar sozinhos (...)
  10. 10. Roteiro • Após as etapas anteriores, escrever seu roteiro nada mais é do que descrever as imagens que contam sua história através de ações e diálogos. • Há alguns elementos fundamentais para cada cena do roteiro: • Cabeçalho da cena: indica o número da cena, onde ela se passa e a luz ambiente (dia/noite) • Descrição do ambiente e da ação • Nome do personagem assim que ele aparece, na próxima linha a rubrica ou indicação e, logo abaixo, sua fala • Outra descrição de ambiente e/ou ação e transição para a próxima cena
  11. 11. Formatação • Exemplo de roteiro • Celtx • Formatação automática • Outros tipos de roteiro (A/V, peça teatral, etc.)
  12. 12. Principais diferenças entre os gêneros roteiro audiovisual e texto teatral Roteiro • Foco nas ações • Storyline • Escaleta • Previsão aproximada da minutagem do filme • Mudança de cena = mudança de local ou tempo Texto Teatral • Foco nos diálogos • Imagem dramática • Canovaccio • Imprevisibilidade do tempo de encenação • Mudança de cena = entrada ou saída de personagens, mudança de local ou de tempo
  13. 13. Dicas • É importante conhecer a linguagem cinematográfica e as possibilidades de expressão deste meio para criar roteiros que possam efetivamente ser filmados • O roteirista não deve dar indicações de enquadramento ou outras indicações que dizem respeito ao diretor. Estas instruções são definidas no momento da decupagem ou roteiro técnico • Dependendo do tema abordado é necessário uma pesquisa anterior para evitar falhas históricas, como no caso dos filmes de época • O tempo de leitura de uma cena no roteiro pode indicar o ritmo e tempo da cena filmada
  14. 14. Referências • CAMPOS, Flávio de. Roteiro de Cinema e Televisão. • CARRIERE, Jean-Claude & BONITZER, Pascal. Prática do Roteiro Cinematográfico. • COMPARATO, Doc. Da Criação ao Roteiro. • MOSS, Hugo. Como Formatar o seu Roteiro. • MARQUEZ, Gabriel G. Como Contar um Conto. • FIELD, Syd. Manual do Roteiro. • http://www.roteirodecinema.com.br/roteiros.htm • http://joaonunes.com/2010/guionismo/curso-19-do-storyline- ao-guio/ • http://cineparanoia.blogspot.com.br/2009/04/roteiro-parte- 3-storyline.html

×