Dramaturgas brasileiras

1.706 visualizações

Publicada em

1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Paola, podes compartilhar as referências utilizadas para elaboração dos slides?
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.706
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dramaturgas brasileiras

  1. 1. Alexander Lisboa, Gustavo Andrade, Gustavo Gomes, Júlia Marinho, Paola Giovana Dramaturgas Brasileiras
  2. 2. mulheres na história
  3. 3. mulheres na história • Mulheres na História do Brasil • Relegadas a segundo plano • Movimentações em prol dos direitos da mulher surgiram em meio aos grupos anarquistas do início do século 20 - buscavam melhores condições de trabalho e qualidade de vida. • A luta feminina ganhou força com o movimento das sufragistas, nas décadas de 1920 e 30, que conseguiram o direito ao voto em 1932, na Constituição promulgada por Getúlio Vargas. • A partir dos anos 1970 emergiram no país organizações que passaram a incluir na pauta das discussões a igualdade entre os gêneros, a sexualidade e a saúde da mulher.
  4. 4. mulheres na história • Nosso trabalho traz um breve panorama, pontuando algumas dramaturgas brasileiras dos sécs. XVIII e XIX • Mostra a busca por conquistar, afirmar e confirmar a capacidade feminina em um campo dominado até então pela figura masculina • Não se sabe ao certo quem foi a primeira mulher dramaturga • Muitas vezes era usado pseudônimo, o que dificulta a identificação da primeira mulher a se dedicar à escrita dramática • Primeira peça feminina: “Tristes efeitos do amor, drama em que falam Pauliceia, a Prudência e a Desesperação na figura de uma Fúria” por uma Anônima e Ilustre Senhora da cidade de São Paulo, de 1797
  5. 5. mulheres na história • Transformações na sociedade brasileira na segunda metade do séc. XIX • Projeto modernizador • Movimento de renovação da cena teatral - RJ - Teatro Ginásio Dramático • Formação de nova consciência de gênero • A luta por direitos • Educação • Voto • Produção literária
  6. 6. renovação teatral
  7. 7. renovação teatral • Predominava na época: • A mesmice do repertório de João Caetano (1808-1863) - interpretação apoiada nos cânones do romantismo teatral: explosivo e melodramático • Teatro Ginásio Dramático (antigo Teatro São Francisco de Paula) • Novo tipo de peça • Proposta “moderna” de dramaturgos franceses • Rejeita o romantismo teatral
  8. 8. teatro ginásio dramático
  9. 9. Renovação teatral • Novas peças • Identificadas com as comédias realistas francesas • Buscam retratar e corrigir costumes - reforma social segundo valores burgueses • Missão civilizadora e função utilitária do teatro • Crítica teatral dos jovens folhetinistas • José de Alencar (1829-1877) e Machado de Assis (1839-1908) • Teatro como meio ideal de regenerar a sociedade brasileira • Necessidade de se criar um teatro nacional • Convocação para a dramaturgia e incitação às “vocações dramáticas” nacionais, para que as veias do povo fossem inoculadas com o “sangue da civilização”
  10. 10. renovação teatral • Boom na dramaturgia nacional • “O demônio familiar”, “Mãe” e “As asas de um anjo”, de José de Alencar • “Luxo e vaidade”, de Joaquim Manuel de Macedo (1820-1882) • “Onfália”, de Quintino Bocaiúva • “História de uma moça rica”, de Pinheiro Guimarães (1832-1877) • As escritoras • Escritoras de prestígio nos círculos literários - RJ • Crônicas regulares na imprensa jornalística • Sem o mesmo reconhecimento e alcance das produções masculinas da época
  11. 11. joana paula manso de noronha
  12. 12. joana paula manso de noronha • Nacionalidade: Argentina • Fundou a primeira publicação periódica redigida e editada por e para mulheres • “O Jornal das Senhoras” • Joana foi ousada em uma sociedade em que as mulheres eram na maioria analfabetas • Direito das mulheres à educação como primeiro passo para a construção da cidadania
  13. 13. o jornal das senhoras
  14. 14. “o jornal das senhoras” “Ora pois, uma Senhora a testa da redacção de um jornal! que bicho de sete cabeças será?”
  15. 15. “o jornal das senhoras” • Primeira publicação periódica dirigida e editada por uma mulher e para o público feminino • 1º de Janeiro de 1852 • Joana Paula Manso de Noronha • “Modas, Litteratura, Bellas-Artes, Theatros e Critica” • Reivindicava melhores condições de educação e acesso ao mercado de trabalho • Recife e Rio de Janeiro – pólos de produção periódica feminina
  16. 16. “o jornal das senhoras”
  17. 17. o jornal das senhoras • Importante canal de propagação dos ideários feministas e dos pensamentos das mulheres da época, muitas expressas em anonimato • Canal fundamental de comunicação entre elas • 1853 - convocação de Joana Paula para as colaboradoras e leitoras assistirem no Teatro São Pedro a récita do drama histórico “O ditador Rosas e a Mashorca” e da comédiavaudeville “As manias do século”, de sua autoria • Sancionar publicamente as conquistas intelectuais das mulheres, em ressonância às ideias em prol da igualdade entre os sexos que já há algum tempo circulavam pelo Rio de Janeiro • Teatro como o mais eficaz “meio de propaganda”
  18. 18. outros jornais
  19. 19. Dramaturgas do séc. xix
  20. 20. dramaturgas do séc. xix • Algumas dramaturgas importantes da época no Brasil: • Maria Angélica Ribeiro • Josephina Álvares de Azevedo • Julia Lopes de Almeida • Consuelo de Castro
  21. 21. maria angélica ribeiro
  22. 22. maria angélica ribeiro (1829-1880) • Não foi a primeira dramaturga brasileira • Relevância de sua obra está na continuidade da produção • Mais de 20 textos para teatro - a maior parte inéditos e perdidos • Pioneira na cena teatral brasileira no gênero feminino • Incentivada pelo marido cenógrafo • Pouco depois da convocação de Joana Paula, Maria Angélica remete ao Conservatório Dramático seu primeiro drama
  23. 23. maria angélica ribeiro • Órfã de pai, recebeu educação aprimorada por seu tutor, Antônio Bracet • Aos 12 anos já escrevia versos e pouco depois colabora em revistas sob o pseudônimo de Nênia Silva • Casa-se aos 14 anos e somente aos 25, após ter três filhos, investe na carreira literária • Maio de 1855 • Buscando alívio pela morte do caçula (Ribeiro apud Andrade, 2011:4), escreve o primeiro texto teatral, “Guite ou A feiticeira dos desfiladeiros negros”, obtendo aprovação do Conservatório Dramático e os louvores do seu presidente, Diogo de Bivar
  24. 24. maria angélica ribeiro • 1856 • Escreve os dramas “Paulina” e “A aventureira de Vaucloix”, também aprovados pelo Conservatório Dramático e elogiados pelo presidente da casa. • O censor que examinara “A aventureira de Vaucloix”, embora lamentasse “que a autora preferisse fazer a ação passar-se em França e entre franceses” e fizesse ressalvas à “linguagem empolada e algumas vezes sentenciosa que a autora empresta a seus campônios”, bem como ao estilo “demasiadamente afrancesado”, cobriu-lhe de louvores desde o início e fez a seguinte recomendação: “Prossiga a autora na tarefa que encetou, aproveite seu talento a bem da literatura, que os amantes das letras lhe tributarão as homenagens de que é credora” (Silva apud Andrade, 2011:5)
  25. 25. maria angélica ribeiro • 1858 - “O anjo sem asas” • Drama em 5 atos • Diálogo evidente com “As asas de um anjo”, de José de Alencar • Encenado no Ginásio Dramático no mesmo ano • Não foi à cena mais que três vezes, devido à intervenção da polícia, que proibiu sua encenação por julgá-lo imoral (inovação no tema prostituição) • Sem negar a visão burguesa em relação à não possibilidade de reabilitação da mulher decaída, admitia a ideia romântica de que, pelo menos na esfera do espírito, era possível à cortesã regenerar-se. E mais: reconhecia que a responsabilidade por sua degradação era menos dela que da própria sociedade
  26. 26. maria angélica ribeiro • “O Onfalista” • Possível diálogo com “Onfália”, peça de Quintino Bocaiúva • Volta à temática da prostituição • “Gabriela” • Drama em 4 atos escrito “ao correr da pena” para o espetáculo em benefício da famosa Gabriela da Cunha. • Encenado pela companhia do Ginásio Dramático em 1863, sendo aplaudido pelo público e pela crítica. • Manifestações mais destacadas no “Jornal do Comércio”, assinadas por Visconti Coaraci e Machado de Assis, que sublinham a naturalidade dos diálogos e, sobretudo, a moralidade da peça, filiando-a implícita e explicitamente à estética realista francesa
  27. 27. maria angélica ribeiro • Algumas obras: • “Guite ou A Feiticeira dos Desfiladeiros Negros” - 1855 • “O Anjo sem Asas” - 1858 • “Gabriela” - 1863 • “Cancros Sociais” - 1865 • “Um dia na opulência” - 1877 • “A Ressureição do Primo Basílio” - 1878 • “Opinião pública” - encenado em 1879 no Teatro São Luís
  28. 28. maria angélica ribeiro • Peça mais conhecida: “Cancros Sociais” • Publicado em 1866 • Aplaudido pelo público e pela imprensa local – com várias críticas favoráveis em jornais, tornando seu nome conhecido e principalmente respeitado no ambiente teatral da época, como até então nenhum nome feminino o fora • Paralelamente à dramaturgia, traduzia textos teatrais
  29. 29. maria angélica ribeiro • Desabafos de uma autora do séc. XIX - Prefácio de “Cancros Sociais” “As europeias sim, essas inteligentes e talentosas, podem estudar e escrever; poetar ou compor dramas e romances; podem satisfazer as ambições da sua alma, ter culto e conquistar renome.. Entre nós, não, que nada disso se pode dar! O que sai de lavra femininina, ou não presta ou é trabalho de homem. E nesta última suposição, vai uma ideia oculta e desonesta. E para que compraríamos, nós mulheres, a fama de sermos autoras de trabalhos que não fossem nossos, se com ela nada ganhamos, nem temos possibilidade de obter lugar ou emprego pelos nossos méritos literários? Valem-nos eles de coisa alguma? [...]” (RIBEIRO, 1886).
  30. 30. josephina álvares de azevedo
  31. 31. josephina álvares de azevedo • Uma mulher misteriosa • Nascimento: Recife, Pernambuco. 05 de Maio de 1851 • Prima de Álvares de Azevedo • Professora e escritora - formação desconhecida • Mãe e esposa, mas não se sabe quantos filhos e quem era o marido
  32. 32. josephina álvares de azevedo • Escrita militante • Obra jornalístico-literária produzida em torno dos direitos femininos a uma “educação sólida e desenvolvida”, • Narrativas (contos, artigos, esboços biográficos), versos, traduções e texto teatral com o objetivo primeiro de intervir na ordem social e política do seu tempo, contribuindo para criar condições mais justas e igualitárias para mulheres e homens • Discussões pelos direitos eleitorais das mulheres na Constituição brasileira de 1891 • Dramaturgia • Inspiração: teatro musicado • Textos musicais + drama burguês + comédia de costumes • Ruptura do clima doméstico-burguês • Contradição: novo lugar social reivindicado politicamente pelas mulheres x drama doméstico conteúdo novo x forma antiga
  33. 33. jornal “a família” • 1888 - 1898 • Publicações ininterruptas do jornal até 1897, quando publica seu terceiro e último livro “Galleria Illustre (Mulheres Célebres)” • 1898 retoma “A Família”, com nova fase • Conteúdo • Série de artigos “O direito de voto” • Artigos de Opinião Pública • Tradução de textos franceses • Contos e poemas • Personalidades feministas
  34. 34. josephina álvares de azevedo • 1878 - “O Voto Feminino” • Comédia de costumes encenada no Teatro Recreio Dramático, um dos mais populares do RJ à época • Aborda o conflito entre homens e mulheres sobre o direito feminino ao voto • Resistência masculina • Republicada no jornal “A Família” e sob forma de livro =(“A mulher moderna: trabalhos de propaganda”) • Objetivo: fortalecer a propaganda sufragista • Sucessão de 15 cenas do cotidiano doméstico da época - conjunto de discussões entre casais relacionadas ao voto das mulheres • Não se efetiva enquanto ação dramática - diálogo não faz passagem à ação • Criação de tipos sociais • 1890 - “Retalhos” • Reedição dos artigos “O direito de voto”, entre outros, em meio menos efêmero que o jornal
  35. 35. josephina álvares de azevedo • Emancipação Feminina - Uma Tarefa de Vida “Eu não pretendo, qual Joana d’Arc, de uma cruzada santa, conduzir exércitos à vitória, desfraldando o estandarte aurifulgente da legítima e sagrada - Emancipação da Mulher - porque não tenho força nem talento para tanto; mas não deixarei jamais de pensar assim e dizer francamente aquilo que penso. Não interceptemos os raios do sol com a transparência de uma cambraia.” (A Família - Ano 1 - Nº 1)
  36. 36. josephina álvares de azevedo • Recepção negativa dos homens: “O artigo da redação tem por epígrafe estas palavras de Victor Hugo: ‘Veneremos a mulher! Santifiquemo-la e glorifiquemola!’ Inteiramente de acordo, exma. senhora. Permita-nos, porém, que humildemente lhe digamos que a mulher para ser venerada, glorificada e, sobretudo santificada, não deve competir com o homem na ‘direção de estado’ e em muitas coisas mais, como V. Exc. sustenta.” (Da Província de São Paulo, sem Nº apud A Família, ano I, Nº 2)
  37. 37. josephina álvares de azevedo • O Sufrágio Universal - O Voto Feminino “É chegado o momento de mostrares às nossas patrícias a sua importância na sociedade. (...) O direito de voto das mulheres é uma necessidade latente, de que há muito recente se não só o nosso, como muitos outros países.” (A Família, 06/07/1889)
  38. 38. josephina álvares de azevedo • O Voto Feminino • A intenção de sensibilizar também a opinião pública, o mais amplamente possível, terá indicado à ativista o teatro musicado, de grande popularidade na época, como inspiração de um texto com uns poucos números musicais, incluídos numa forma misturada de drama burguês e comédia de costumes. • O híbrido deste formato revela-se já nas rubricas do cenário (“Sala em casa do Conselheiro Anastácio. Mobília rica. Decoração de luxo.”), indicadoras da atmosfera de drama burguês, a que se juntam o risível do marido rico avarento, o Conselheiro Anastácio, ocupado numa inusitada aferição de contas do armazém e, logo a seguir, a desenvoltura da esposa insubordinada, Sra. D. Inês, vinda à sala a seu chamado. Há, desde então, uma ruptura irremediável do clima doméstico-burguês. A esposa, em resposta à reclamação do
  39. 39. josephina álvares de azevedo marido por ela não priorizar os afazeres da casa e se ocupar antes com a leitura das notícias do dia publicadas nos jornais, retruca-lhe, irreverente e imperiosa: “Naturalmente. E então queria o senhor que assim não fosse?”.
  40. 40. júlia lopes de almeida
  41. 41. júlia lopes de almeida • Rio de Janeiro, 1862-1934 • Defendia a educação feminina, o divórcio e a abolição da escravatura • Teatro, romance, contos, literatura infantil, crônicas e artigos • Foi presidenta honorária da Legião da Mulher Brasileira (1919); • Participou das reuniões de formação da Academia Brasileira de Letras, da qual ficou excluída por ser do sexo feminino
  42. 42. júlia lopes de almeida • Peças: • “A Herança” (um ato) • “Quem Não Perdoa” (três atos) • “Nos Jardins de Saul” (um ato) • “Doidos de Amor” (um ato) • Escreveu para diversos jornais e revistas: • Gazeta de Campinas • A Semana • A Mensageira
  43. 43. consuelo de castro
  44. 44. dramaturgas do séc. xx
  45. 45. dramaturgas do séc. xx • Algumas dramaturgas importantes da época no Brasil: • Denise Stoklos - Irati, Paraná, 14 de julho de 1950. • Hilda Hilst - Jaú, 1930-2004. • Leila Assumpção - Botucatu, 1943
  46. 46. denise stocklos
  47. 47. denise stocklos • Irati, Paraná - 14 de Julho de 1950 • Começou a carreira como autora, diretora e atriz em 1968. • Trabalhou em diversas peças até 1977 • Londres • 1979 - Especializa-se em mímica e desenvolve seu primeiro solo: “Denise Stoklos” - One Woman Show” apresentado-o na Inglaterra e na França.
  48. 48. denise stocklos • Retorna ao Brasil com este espetáculo apresentando-se e ensinando nas principais cidades brasileiras e coreografando • Peças • “Círculo na Lua, Lama na Rua” - 1968 • “A Semana” - 1969 • “Vejo o Sol” - 1970 • “Mar Doce Prisão” - 1971 • “Cadillac de Lata” - 1973 • “One Woman Show” - 1980 • “Elis Regina” - 1982 • “Habeas Corpus” - 1986 • “Denise Stocklos in Mary Stuart” - 1987 • “Hamlet em Irati” - 1988 • “Casa” - 1990 • “500 Anos - Um Fax de Denise Stocklos para Cristóvão Colombo” 1992 • “Amanhã Será Tarde e Depois de Amanhã nem Existe” - 1993 • “Des-Medéia” - 1994 • “Elogio” - 1995 • “Mais Pesado que o Ar / Santos Dumont” - 1996
  49. 49. denise stocklos • “Desobediência Civil” - 1997 • “Vozes Dissonantes” - 1999 • “Louise Bourgeois - I do, I undo, I redo” - 2000 • “Calendário da Pedra” - 2001 • “Olhos Recém-Nascidos” - 2004 • “Cantadas” - 2007 • “Denise Stocklos em Teatro para Crianças” - 2007 • “Preferiria Não?” - 2011 • Em 2013 Denise Stocklos está com seu novo espetáculo solo “Carta ao Pai”, de Kafka, em comemoração aos 45 anos de Teatro Essencial.
  50. 50. denise stocklos • Faço, Desfaço, Refaço • Louise Bourgeois • Companhia Denise Stocklos • Texto: Louise Bourgeois • Tradução, adaptação, direção e atuação: Denise Stocklos
  51. 51. denise stocklos • Teatro Essencial “Onde apenas o vivo, a energia vital, a força de sobrevivência do humano se estabelecem como base do teatro. Uma idéia surgida da própria organicidade da sobrevivência sul americana onde a Sociedade-mãe e o Estado-pai abandonam o recém-nascido e só lhe prometem carência física, mental espiritual. A idéia de um teatro que carrega a resistência desse povo para a cena. Aquilo que o ator tem como instrumento: seu corpo, voz e pensamento seria tudo. Do corpo o espaco, o gesto, o movimento. Da voz a palavra, a sonoridade, o canto. Do pensamento a crítica, a dramaturgia, a organização dos elementos. Espetáculo feito na estrutura de monólogos, música e gestual. Peça de Teatro cuja leitura pode ser feita ao nível da imagem e ao nível do verbo, ambos muitas vezes complementandose ou até contradizendo-se. A meta é uma comunicação mais ampla com estímulos a uma nova organização perceptiva. A plataforma da
  52. 52. denise stocklos representação está nos signos resultantes de ritmo/espaço e som calcados na agilidade da decodificação. Não há mais nada no palco do que não seja ambientação cênica exteriorizada da presença humana (nada decorativo). E dessa presença todos os momentos teatrais são articulados. Diversos generos, modalidades e tempos, são rotas para um percurso plástico em direção ao contexto apresentado: um poema sobre nossa natureza. A perspectiva é a realização técnica rigorosa e humorista. Ensaio teatral em que se pretende elevar ainda que sísifamente a pedra de confiança na auto-suficiência genuína do ser humano. A certeza serena e obstinada de que apenas o ato amoroso da valorização humana pode proporcionar ao criador de sua própria transformação, a chance. O lúcido encontro do real com o imaginário. Não só a lógica, não só o distanciamento, não só a defacetação. Mas uma chama revolucionária, ardente não apenas em câmera teatral onde o espetáculo ocorre, mas incendiária em todos os
  53. 53. denise stocklos seus vazamentos. Que atice fogo nas outonais folhas mortas dos diários estéticos artificiais. Que queime o campo infértil, ocioso dos parâmetros. Que o “Teatro Essencial” possa fazer brotar, insurreto o fruto.” Denise Stoklos - Maio de 1988
  54. 54. hilda hilst
  55. 55. hilda hilst • Jaú, São Paulo. 1930 - 2004 • Filha de Apolônio de Almeida Prado Hilst • Poeta, ficcionista, cronista e dramaturga • Teatro como comunicação imediata • Já havia se mudado para a Casa do Sol quando começa a escrever teatro
  56. 56. hilda hilst • Produziu oito peças entre 1967 e 1969, cujo tema central era a opressão do operariado, a busca pela liberdade e a censura. • O tema era significativo para o período logo após o golpe militar, que tinha como um dos objetivos impedir a revolta comunista e conter os movimentos de luta proletária • Após uma denúncia, militares invadem a casa da mãe de Hilda e queimam todos seus livros
  57. 57. hilda hilst “Lobos? São muitos. Mas tu podes ainda A palavra na língua Aquietá-los. Lúcidos? São poucos. Mas se farão milhares Se à lucidez dos poucos Te juntares. Mortos? O mundo. Mas podes acordá-lo Sortilégio de vida Na palavra escrita. Raros? Teus preclaros amigos. E tu mesmo, raro. Se nas coisas que digo Acreditares.”
  58. 58. hilda hilst • Obras para o Teatro: • “A Possessa” - 1967 • “O Rato no Muro” - 1967 • “O Visitante” - 1968 • “Auto da Barca de Camiri” - 1968 • “O Novo Sistema” - 1968 • “Aves da Noite” - 1968 • “O Verdugo” - 1969 (Prêmio Anchieta) • “A Morte de Patriarca” - 1969
  59. 59. leilah assumpção
  60. 60. leilah assumpção • Botucatu, 1943 • 16 peças teatrais • 3 novelas • “Venha Ver o Sol na Estrada” - 1973 • “Revira Volta” - 1974 • “O Remate” - 1975 • A primeira minissérie brasileira • “Avenida Paulista” - 1982
  61. 61. leilah assumpção • Peças: • “Fala baixo senão eu grito “ • “Roda cor de roda” • “Kuka de Kamaiorá” • “Seda pura e alfinetadas” • “Boca molhada de paixão calada” • “Lua nua” • “Cinco vezes comédia” • “Uiva e Vocifera” • “Vejo um vulto na janela me acudam que eu sou Donzela” • “O grande momento de Mariana Martins” • “Jorginho, o Machão” • “Amanhã” • “Amélia” • “De manhã” • “Intimidade indecente” • “Adorável Desgraçada”
  62. 62. leilah assumpção • Procedimentos Dramatúrgicos Relação de um casal • Intimidade • Cordial / afeto / próximo • Roberta • Indecente • Desonesto / inconveniente / indecoroso • Mariano • E tudo ocorre como pede a rubrica: • “Sala de visitas de família de classe média alta.”
  63. 63. leilah assumpção • No 1º Quadro: • Roberta se insinua para Mariano e ele continua lendo o jornal • No 2º quadro: A inversão. • Prazer, intimidade, desejo. • No 3º quadro: O encontro do chá. • Permanecem as dúvidas. • O 4º quadro: A Solidão. • MARIANO: Deveria apenas ter tido um caso com a Rejane, você com seu personal trainer e com a Léa, que eu detesto, nenhum contava nada pro outro, tudo passaria logo e teríamos continuado juntos e companheirinhos até hoje. • ROBERTA: Mas isso é o que faziam os nossos avôs!
  64. 64. leilah assumpção • Uma Nova Mulher • O que se discute durante todo o texto são as mudanças comportamentais da sociedade e a relação de um casal em crise devido à longa convivência, ao interesse sexual e às alterações físicas e biológicas que o envelhecimento naturalmente acarreta. • Além de uma mulher que encara todas essas mudanças a partir de uma nova perspectiva, enquanto o homem se mantem no velho olhar.

×