Cimento para todo o Brasil

1.953 visualizações

Publicada em

Artigo publicado na Revista Tecnologística, aborda as vantagens adquiridas com o uso de uma ferramenta analítica para auxiliar no S&OP da Votorantim Cimentos.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.953
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.229
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cimento para todo o Brasil

  1. 1. TECNOLOGIAFotos: Divulgação Cimento para todo o Brasil Unidade cimenteira da Votorantim aplica solução tecnológica da Gapso para auxiliar nas tomadas de decisão e otimizar os processos de toda a cadeia produtiva e logística, assegurando a eficiência na distribuição do produto no território nacionalA Votorantim Cimentos, em- de por praticamente todo o territó- Com uma produção de mais de presa pertencente ao Gru- rio brasileiro. 15 tipos de cimento, entre ensaca- po Votorantim, companhia Há 76 anos no mercado e de- dos e granéis, a empresa observou a100% brasileira que, além do seg- tentora de 40% de participação na necessidade de buscar no mercadomento cimenteiro, atua com mine- produção nacional de cimentos, a uma solução tecnológica que fosseração, metalurgia, siderurgia, celu- Votorantim conta com 32 fábricas capaz de auxiliar no planejamento,lose e papel, suco concentrado de operadas por cerca de nove mil co- em curto e médio prazos, de suaslaranja e autogeração de energia, laboradores, 45 centros de distri- atividades fabris e logísticas. “Todadistribui diariamente um total de buição e seis unidades portuárias, nossa malha, somada às variações90.000 toneladas de cimento em totalizando dez mil rotas e mais de de mercado, exige análises comple-sua complexa malha, que se esten- 500 zonas logísticas. xas e muito rápidas. Precisávamos44 - Revista Tecnologística - Dezembro/2012
  2. 2. de uma ferramenta que fosse capazde aglomerar todas as variáveis queimpactam nas decisões de abasteci- Apoio à decisãomento”, conta o gerente de Plane-jamento Logístico da VotorantimCimentos, Eduardo Botelho. O executivo explica que, para O gerente de Projetos da Gap- so, Matheus Silva, faz questão de esclarecer que soluções como o lização da tecnologia aliada aos recursos intelectuais da empresa para facilitar e levar excelência aocumprir com o compromisso de OML têm como função primordial cotidiano das operações.abastecer todo o Brasil, a rede de servir como base para nortear as de- O gerente conta que a capa-produção e distribuição de cimen- cisões tomadas por pessoas-chave cidade de raciocínio humana étos da empresa se depara constante- dentro das empresas utilizadoras, muito importante no empregomente com diversos desafios. “Cada assim como é feito pela Votoran- de um sistema como esse, devidoregião tem um perfil de consumo ao tim em suas reuniões de S&OP. “As ao fato de os cenários serem gera-longo do ano e isso faz com que al- ferramentas de apoio à decisão não dos a partir de variáveis indicadasterações no fluxo de abastecimento falam ‘você tem de fazer isso desse pelo utilizador. “O OML forneceocorram com certa frequência. Por jeito’. Elas não mandam, mas suge- a melhor solução com base emexemplo, se começa a chover mais rem. Na verdade, fornecem dados um mundo ideal, ou com restri-que o normal em um determinado que mostram, da melhor maneira ções que devem ser indicadas. Selocal, o consumo de cimento pode possível, que determinada ação va- o planejamento já foi feito, mascair, acompanhando o ritmo da lerá a pena”, explica. uma máquina quebrou, por exem-construção civil”, conta Botelho. De fato, softwares desse tipo plo, é preciso imputar esse fato e Outro fator primordial que deve baseiam-se na premissa de reunir replanejar com base nesse aconte-sempre ser levado em conta, segundo conhecimentos para analisar o cimento, gerando um novo resul-ele, é o fato de o cimento não fazer maior número possível de variá- tado com o cenário alterado”, diz.viagens longas. “Por ser um produ- veis, com o objetivo de auxiliar no “A ferramenta, sozinha, não levato de baixo valor agregado, o custo planejamento e na tomada de de- em consideração esse tipo de fa-do frete pode inviabilizar a operação cisões importantes, apresentando tor que, por ser imprevisto, torna-em alguns casos. Se o produto chega as melhores alternativas e rumos -se impossível de ser modelado”,acima do preço de mercado, ele não a serem tomados. Trata-se da uti- completa Silva. é competitivo”. Por isso, a Votoran- produzir em cada uma das unidades tim conta com aproximadamente fabris da Votorantim. “A primeira se- 80 pontos de expedição espalhados mente surgiu em 2010, com discus- pelo país, de onde o cliente pode sões dentro da própria empresa, até retirar o produto ou solicitar que a chegarmos ao modelo desejado. Mas empresa realize a entrega. o projeto começou, de fato, em mar- Toda essa complexidade fez com ço do ano passado”, conta Botelho. que, em 2011, a Votorantim procu- De acordo com o gerente de Pro- rasse a Gapso – empresa desenvol- jetos da Gapso, Matheus Silva, a in- vedora de soluções tecnológicas de tenção, desde o início, era criar uma apoio à decisão, especializada em su- solução que fornecesse uma visão ge- pply chain management –, para criar ral da cadeia produtiva do cimento, o Otimizador de Malha Logística desde o fornecimento dos insumos (OML), um software capaz de auxiliar até a entrega para o cliente. “O OML no planejamento, considerando os é uma ferramenta desenvolvida es- contextos macro, que definem o que pecificamente para a otimização da produzir, como atender e distribuir malha de distribuição de cimentos; Botelho: necessidade de ferramenta que o produto da melhor maneira pos- porém, o sistema não olha somente analisasse todas as variáveis sível e com o menor custo; e micro, para esse aspecto, mas também para de abastecimento que apresentam a melhor forma de a produção”, explica. Dezembro/2012 - Revista Tecnologística - 45
  3. 3. TECNOLOGIA Desenvolvimento mento da Gapso sobre os processos produtivos e logísticos envolvidos. Silva conta que o grande desafio Eduardo Botelho explica que todo ona criação desse tipo de aplicação projeto contou com a participaçãoé a geração do modelo matemático de um profissional da área de Pla-por trás da ferramenta. Para enten- nejamento e Controle de Produçãoder melhor as necessidades da Voto- (PCP) da Votorantim, mas o auxíliorantim, o gerente da Gapso lembra de outras áreas da empresa, como osque, durante um mês, os profis- departamentos industrial, logísticosionais da empresa envolvidos no e de finanças, foi fundamental paraprojeto realizaram exaustivas reu- o desenvolvimento do OML.niões, com o objetivo de acumular Na primeira etapa, o foco prin-conhecimento a respeito do negó- cipal para a criação do otimizadorcio do cliente. “Foram encontros era definir quais seriam as entradascom todas as áreas envolvidas. As- de dados do sistema, baseado emsim, conhecemos as características todo o know-how adquirido duran-e particularidades que deveriam ser Silva: além da distribuição, OML olha te os estudos realizados junto à Vo- também a produçãolevadas em consideração dentro do torantim. “Os elementos que com-modelo”, diz. Segundo ele, todas um documento, aprovado pela Vo- põem a ferramenta são as fábricas,as informações anotadas geraram torantim, a respeito do entendi- fornecedores, clientes e máquinas
  4. 4. Todos os processos e suas etapas estão representados no sistemada empresa, por exemplo”, diz Ma- a necessidade. Para exemplificar otheus Silva. Segundo ele, tudo está nível de detalhamento das opera-representado em seus mínimos de- ções da Votorantim representadastalhes no OML, com possibilidade, no OML, o executivo conta que éinclusive, de se remover e inserir possível definir até mesmo o horá-novos elementos que venham a fa- rio de funcionamento dos equipa-zer parte da malha. “Você consegue mentos para reduzir a demanda poralterar o cenário com, digamos, a energia em períodos de pico, que eminauguração de uma nova plan- alguns locais podem gerar um custota. Se ela estiver programada para maior no processo produtivo.entrar em operação em agosto de “Podemos, inclusive, deixar para2013, por exemplo, no momento o próprio sistema decidir isso”, diz.de fazer o planejamento anual com “A ferramenta permite receber atéa ferramenta é possível incluir essa instruções a respeito do uso de adi-nova unidade hoje, com todos os tivos em um determinado equipa-detalhes de capacidade de produção mento, impactando no tempo deprevistos”, explica. Da mesma ma- produção”, completa o gerente deneira, para realizar um planejamen- Projetos. Botelho concorda com ato mensal com uma data anterior a afirmação de que a flexibilidade éagosto de 2013, é possível excluir a um diferencial importante. “Esta é,nova fábrica adicionada. certamente, uma das grandes vanta- Silva diz que é impossível definir gens da utilização do OML. Ele pos-a ordem de grandeza das variáveis sibilita alterar, por exemplo, capaci-embutidas no sistema, por se tratar dades estáticas e ao longo do tempo,de uma ferramenta que trabalha com fretes por modal, incluir novos moi-um número muito grande de possi- nhos, ensacadeiras, fornos, etc.”bilidades e também pela facilidade “Em seis meses, aproximada-de se alterar esse número conforme mente, tínhamos o otimizador
  5. 5. TECNOLOGIA qual é o atendimento ideal para uma determinada demanda. Antes, Primeira 100% nacional do setor não tínhamos as visões global e lo- cal conjuntas tão apuradas”, analisa Botelho. Com a utilização do OML, A Votorantim Cimentos nas- ceu em 1933, com o início da construção da Fábrica de Cimen- to do Chá, famoso cartão postal da capital paulista localizado na região central da cidade. a empresa é capaz de obter uma so- lução ideal para um determinado cenário em cerca de 20 minutos to Santa Helena, em Sorocaba, no Atualmente, a holding, que ga- - um período de tempo rápido, se interior de São Paulo. Na época, nhou o nome oficial de Votorantim levada em conta toda a complexi- o engenheiro pernambucano José Cimentos em 1998, conta com fá- dade das operações. “Se surgir um Ermírio de Moraes decidiu diver- bricas em todo o território nacional, imprevisto, é possível refazer o pla- sificar os negócios adquiridos de bem como unidades e participações nejamento e, em pouco tempo, ter seu sogro, o imigrante português acionárias que garantem sua pre- uma nova proposta do que fazer”, Antônio Pereira Inácio, que, desde sença nos Estados Unidos, Canadá, completa Matheus Silva. 1918, mantinha uma fábrica de te- Bolívia, Chile, Argentina, Uruguai, celagem no bairro de Votorantim. Paraguai, Peru e Portugal. De cara nova Primeira fábrica do tipo, cons- Além do Viaduto do Chá, gran- truída com capital 100% nacional, des obras carregam a marca dos Com a solução implantada e em a planta possuía capacidade para cimentos da empresa, como a utilização, a Gapso iniciou, então, produzir 250 toneladas por dia do Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, a segunda fase do projeto, dedica- Cimento Votoran. Com a Santa He- os aeroportos de Recife e Congo- da ao desenvolvimento da interfa- lena, inaugurada em 2 de junho de nhas (SP) e o Centro Empresarial ce gráfica do OML. “Essa etapa foi 1936, a empresa venceu uma licita- Nações Unidas (SP). Em 2011, a mais simples. Como já conhecía- ção para fornecer o produto para os Votorantim Cimentos lucrou R$ mos todas as informações que o sis- trabalhos de remodelação do Viadu- 907,5 milhões. tema precisava, pudemos nos con- centrar especificamente na criação do layout”, conta Silva. Ele explicapronto e funcionando. E então co- solução já proporcionou à Voto- que, até então, todos os dados demeçaram os testes maciços para rantim um ganho entre 20% e 30% entrada imputados pelo utilizadoradequarmos a ferramenta à realida- na velocidade de replanejamento. eram feitos via planilha Excel, as-de dos processos da empresa”, con- “Hoje, conseguimos vislumbrar sim como as informações dos rela-ta Silva. O OML é operado pelo tórios gerados pelo otimiza-profissional de PCP da Voto- dor. “O modelo matemático érantim alocado em São Paulo, muito complexo, por isso nãoque acompanhou todos os pro- é simples entender as infor-cessos de criação e validação mações e transformá-las emda ferramenta. Esse profissio- conhecimento útil para o dianal recebe informações de to- a dia da operação. Muitas em-das as áreas envolvidas, insere presas acabam desistindo nes-os dados na ferramenta e gera se ponto do projeto. Acreditoo cenário otimizado. Com o que o sucesso do OML estejaresultado em mãos, a empresa justamente no comprometi-realiza suas reuniões periódicas mento que tanto a Votoran-de Sales and Operations Plan- tim quanto a Gapso tiveramning (S&OP). nessa fase”, diz. “Antes, as informações usa- Depois do término do de-das nos encontros eram feitas à senvolvimento da interfacemão. Agora é tudo gerado pela Tela do OML representando o estoque gráfica, que ocorreu em setem-ferramenta”, diz o gerente. A de cimento bro passado, as planilhas foram48 - Revista Tecnologística - Dezembro/2012
  6. 6. total suporte em re- lação à utilização da ferramenta. “Cimento não tem fidelização. Se o consumidor chega a uma loja e não en- contra uma marca, leva outra. Por isso, é preciso estar sem- pre presente, sem- pre disponível”, diz Silva, justificando a necessidade de a Votorantim plane- jar, com atenção aos mínimos detalhes, sua cadeia de distri- Devido à baixa fidelização, a falta do produto no comércio é fatal para as vendas buição. “O OML sur- giu de acordo comdeixadas de lado. Segundo Silva, a as necessidades da Votorantim, masutilização tornou-se muito mais sim- pode ser adaptado para qualquerples, apesar de ainda demandar certo empresa produtora de cimento,aprendizado, devido ao grande volu- considerando, obviamente, as par-me de informações com as quais o sis- ticularidades de cada uma. Com al-tema lida. Botelho explica que hoje gumas customizações, a ferramentaos resultados são gerados pela ferra- pode ser utilizada por outros playersmenta em diversos formatos, dentre do ramo”, diz o executivo.os quais aqueles utilizados pela Voto- “O cimento é um produto bá-rantim com maior frequência, como sico na construção civil. Temos omapas e gráficos, facilitando a leitura compromisso de sempre abastecer oe o entendimento. mercado”, afirma Botelho. Porém, o O gerente de Planejamento Lo- executivo aponta mais uma carac-gístico conta que, atualmente, o terística considerada fundamentalOML já se tornou uma ferramenta para o desenvolvimento de umade trabalho rotineira na Votorantim ferramenta como o OML: “OutroCimentos. “Utilizamos o software objetivo do projeto foi colocar todopara estudos de qualquer tipo”, diz o o conhecimento, que está na cabe-executivo, lembrando que a solução ça das pessoas, em uma base digi-engloba dados das mais diversas áre- tal, onde essa expertise permaneçaas da empresa, chegando a conside- disponível para toda a empresa aorar até mesmo os impostos envolvi- longo do tempo”, finaliza.dos em toda a cadeia. “Mas existemalguns marcos. A reunião de S&OP, Fernando Fischerpor exemplo, é mensal. No momen-to, estamos trabalhando no estudode nosso processo orçamentáriopara 2013”, completa. Silva lembraque todos os processos são acompa- Gapso: (21) 2117-8000nhados de perto pela Gapso, que dá Grupo Votorantim: 0800 8911729

×