Coloquio cumplicidades bairro, apresentação Maria Manuela Mendes

197 visualizações

Publicada em

Apresentações do colóquio As cumplicidades do Bairro, realizado pelo CEACT/UAL a 22 de janeiro de 2013.

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Coloquio cumplicidades bairro, apresentação Maria Manuela Mendes

  1. 1. CIDADE(S) ENTRE BAIRROSMaria Manuela Mendes, FA-UTL e CIES-IUL 1
  2. 2. 1. Intersecções de um bairro onlineReflexões partilhadas em torno do blogue Viver LisboaGraça Índias Cordeiro e Tiago Figueiredo2. “Ainda há bairros na cidade?”Teresa Sá3. Narrativas de Bairro numa Cidade em Mudança: o Bairro como catalisador de urbanidadeda cidadeJorge Nicolau4. Projectar a cidade entre bairros: Lisboa, um Projecto de Cidade em MudançaCarlos Henriques Ferreira5. Algumas complexidades do bairro no contexto da cidade: o caso do bairro da Bela VistaJosé Luís Crespo6. Uma política cultural e artística para o desenvolvimento territorial: o caso do Vale daAmoreiraAntónio Guterres7. Bairros de génese ilegal: metamorfoses dos modelos de intervençãoIsabel Raposo8. A demolição do bairro do Aleixo e a acção da população local vista pela imprensa diária enas notícias onlineMaria Manuela Mendes 2
  3. 3. Fig. 1 PUAL- área de intervenção Fonte: Tiago Figueiredo e Graça Cordeiro 3
  4. 4. Fig. 2 Alta de Lisboa Créditos: Mendes e Caetano, 2012 4
  5. 5. Fig. 3 Alta de Lisboa Créditos: Mendes e Caetano, 2012 5
  6. 6. 6Fig. 5. SETÚBAL, Bela Vista
  7. 7. Fig. 6: Funções e valências do CEA, por Pedro Pinhal Fonte: António Guterres 7
  8. 8. Espinhal, Unhos Fig. 8 Residência permanente Fonte: Projecto “Reconversão e Reinserção Urbana de Bairros de 8Fig. 7 Habitação arrendada Génese Ilegal” - CIAUD da FAUTL
  9. 9. Quinta da Lobateira, SeixalFig. 9: 2ª habitação e local de trabalho(empresa de serviços) Fig. 10 Proprietário e residente com um estabelecimento comercial no bairroFonte: Projecto “Reconversão e Reinserção Urbana de 9Bairros de Génese Ilegal” - CIAUD da FAUTL
  10. 10. “A demolição do bairro do Aleixo e a acção da população local vista pela imprensa diária e nas notícias online” Maria Manuela Mendes, FA-UTL e CIES-IUL 10
  11. 11. 1. Questões prévias-Urbanização e industrialização-soluções improvisadas e tardias-desindustrialização da cidade-as orientações das políticas urbanas (desde 1974):•novas construções de alojamentos sociais (até finais dos anos 90);•apagamento da problemática do centro histórico da cidade;•ausência de investimento na recuperação dos bairros sociais;•existência de ilhas e de populações mal alojadas;• recurso pontual a programas europeus dedesenvolvimento urbano;•desertificação da baixa citadina• emergência da Sociedade deReabilitação Urbana … 11
  12. 12. 12
  13. 13. 2. Bairro do Aleixo - apresentação do contexto localNoção Bairro• ideologia comunitária; expressão normativa• os efeitos do espaço (Bourdieu, 1993) e os efeitos do lugar (Bidou-Zachariasen, 1997) 13
  14. 14. 2. Bairro do Aleixo - apresentação do contexto localFoto 1. Localização do Bairro do Aleixo Fonte: Google Maps 14
  15. 15. Foto 2. Vistas da Torre 2 Fonte APSPBA, 2010 15
  16. 16. Foto 3. Vistas da Torre 2 sobre VN de Gaia e Arrábida Fonte APSPBA, 2010 16
  17. 17. 2. Bairro do Aleixo - apresentação docontexto local - antes de 25 de Abril de 1974 (entre 1968 e 1976), 5 torres de 13 pisos, cada uma contendo 64 fogos. Atributos: o mais problemático; “bairro das drogas”, “ bairro do tráfico”, “gueto portuense”; Foto 4. Torres do Aleixo  centro de tráfico e de consumo de droga (o atributo mais frequente)”, “mercado e supermercado do norte do país aberto 24 h por dia” ;  chaga social e “vergonha da Fonte : APSPBA, 2010 cidade”(discursos do Pres. da Câmara). 17
  18. 18. Foto 5. Rua Arnaldo Leite, principal acesso ao bairro e à Torre 1 Fonte: Google Maps 18
  19. 19. Foto 6. Torre 1, entrada principal Fonte: Google Maps 19
  20. 20. Foto 7. Torre 2, entrada do Centro de Convívio da APSPBA Fonte: Google Maps 20
  21. 21. Foto 8. Torre 3 do Aleixo Fonte: Mendes, 2005 21
  22. 22. Quadro 1 – Famílias por número de elementos e dimensão média[1] Dados sócio- CMP Censos demográficos (1999) (2001) Nº Total de Famílias – nº 292 357 Nº indivíduos 1361 1379 1 ou 2 pessoas - % 17,1 29,4 3 ou 4 pessoas - % 37,0 38,7 5 ou mais pessoas - % 45,9 31,9 Dimensão média das Famílias Bairro do Aleixo 4,7 3,9 Concelho do Porto - 2,6 A.M.P. - 2,9 Fonte: CMP, Estudo Sócio-Económico da Habitação Social Municipal e INE, Censos 2001 Notar que os dados da CMP e os do INE não são directamente comparáveis pois, para além de se reportaram a anos e a espaços com limites ligeiramente diferentes,[1] podem não utilizar os mesmos critérios na definição das famílias. 22
  23. 23. - elevada a proporção de residentes com menos de 25 anos ( mais de 40% dosresidentes);- 47,5% têm o 1º Ciclo EB (CMP, 1999);-32,4% da população trabalha, encontrando trabalho principalmente no sectorterciário (INE, 2001);-56,7% não têm actividade económica (mais de 30% são estudantes) (INE, 2001);-quase metade da população residente empregada insere-se nos trabalhadores nãoqualificados (CMP, 1999);-pouco mais de 3% das pessoas com emprego são “quadros superiores”, “profissões 23intelectuais e científicas” e “técnicos intermédios”
  24. 24. 3. O futuro do bairro - demolição versus reabilitação• a acção política local tem apostado, ora em acções pontuais de requalificação urbana, ora ainda em iniciativas que passam pela demolição dos “bairros-problema” e não tanto em políticas mais estruturantes que envolvam a reabilitação ou a regeneração destas zonas da cidade;• intervenção camarária prevista para o Aleixo é classificada de “requalificação urbana”; 24
  25. 25. 3. O futuro do bairro - demolição versus reabilitação Consórcio público/ privado e com uma pequena participação da autarquia, tendo-se criado o Fundo Especial de Investimento Imobiliário (FEII). 24-25 m2 de área bruta de construção, 120 casas (com um valor de 11-13 milhões de euros), 20% dessa área deverá ter correspondência em habitações reabilitadas no centro; 5 lotes para construção de edifícios de 8 pisos com T3 e T4 com valores de mercado entre os 450-600 mil euros. O lucro estimado é de 63,4 milhões de euros. CMP classificou o Aleixo como “área de reabilitação urbana” sustentando que irá desencadear operações de loteamento e obras de urbanização para recuperar a área (Correia, 2009). A “reabilitação urbana” (Lei nº 67-A/2007 de 31 de Dezembro) é o “processo de transformação do solo urbanizado, … com o objectivo de melhorar as suas condições de uso, conservando o seu carácter fundamental” (sublinhado nosso). 25
  26. 26. Esta proposta não configura nemum processo de reabilitação, nemde requalificação urbanas!! Destruição do edificado existente e remoção dos habitantes Minoração e subvalorização da acção da população e associações 26
  27. 27. 27
  28. 28. Foto 9. A implosão do conjunto Pruitt-Igoe, localizado em St Louis, EUA, 1972 Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=t29fgA5M7VA 28
  29. 29. Foto 10. A implosão do conjunto Pruitt-Igoe, localizado em St Louis, EUA, 1972 Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=t29fgA5M7VA 29
  30. 30. Mas outras soluções merecem discussão…•A da reutilização de espaços, competências, potencialidade e capacidadesdeste lugar e da sua população, que deverão proporcionar uma melhorqualidade de vida no espaço habitado (Druot, Frédéric; Lacaton, Anne andVassal, Jean-Philippe, 2004). 30
  31. 31. “Os pobres também têm direito a boas vistas” (morador do Aleixo, JPN, 22/7/08)Foto 11. Aleixo renovado, Ana Pinho (estudante de Arq. FAUP) Fonte APSPBA, 2010 31
  32. 32. “Que culpa tenho de ser pobre? Que culpa tenho de ser rico empaisagem?” (morador em 7/8/08, in solidariedade.pt) Fonte APSPBA, 2010 Foto 12. Vistas sobre a Afurada e a Foz do Douro da Torre 2 32

×