Dimensionamento do turismo receptivo 2008 2009

1.619 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.619
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.050
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dimensionamento do turismo receptivo 2008 2009

  1. 1. Caracterização e Dimensionamentodo Turismo Receptivo na Bahia 2009 Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE
  2. 2. Pesquisa Fipe Para aferir os números do turismo na Bahia, tivemos a preocupação de contratar a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE, instituição da Universidade de São Paulo – USP, responsável pelas pesquisas da Embratur, de forma que, usando a mesma metodologia, pudéssemos comparar o dados da Bahia com o de outros estados da Federação. A pesquisa foi contratada em junho de 2008 e realizada durante exatamente um ano.
  3. 3. Aspectos GeraisObjetivos:Caracterizar e dimensionar o turismo doméstico einternacional no estado, identificando os seguinteselementos: Contagem do fluxo turístico Perfil sócio-econômico dos viajantes Seus gastos Suas avaliações das áreas e / ou eventos visitados Taxa de ocupação dos meios de hospedagem das localidades pesquisadas.
  4. 4. Aspectos Gerais As pesquisas foram realizadas no período de alta, média e baixa estações nos 22 principais portões de entrada do estado (receptivo tradicional) e nos municípios marcados fortemente pelas festas juninas, carnavalescas e religiosas. As localidades foram selecionadas com base na capacidade hoteleira, no apelo natural, cultural e/ou econômica, além do seu reconhecido potencial turístico. Para consolidação dos dados, foram feitas, no período, quatro tipos de pesquisas, realizadas em sete etapas. Ao todo, foram aplicados 16.525 questionários nas localidades de receptivo tradicional e nos municípios fortemente marcados pelos eventos juninos, carnavalescos e religiosos. As entrevistas foram realizadas de forma direta e aleatória nas seguintes localidades:
  5. 5. Receptivos tradicionais Salvador  Lençóis Porto Seguro  Maraú / Camamu Trancoso  Barreiras Arraial D’Ajuda  Cachoeira Santa Cruz Cabrália  Ilha de Itaparica Ilhéus  Vera Cruz Ilha de Comandatuba  Itacaré Morro de São Paulo  Juazeiro Praia do Forte  Paulo Afonso Costa do Sauípe  Rio de Contas Imbassaí  Prado
  6. 6. Eventos Juninos Salvador  Euclides da Cunha Porto Seguro  Cachoeira Ilhéus  Serrinha Lençóis  Macaúbas Senhor do Bonfim  Entre Rios Barreiras  Amargosa Jequié  Piritiba Paulo Afonso  Barra Cruz das Almas  Maragojipe Santo Antonio de Jesus  Ibicuí Mucugê
  7. 7. Eventos religiosos Bom Jesus da Lapa (Festa de Nosso Senhor Bom Jesus) Cachoeira (Festa de Nossa Senhora da Boa Morte) Canudos (Romaria de Canudos) Monte Santo (Romaria da Serra de Piquaraçá)
  8. 8. Eventos carnavalescos Salvador Porto Seguro
  9. 9. Fluxo TurísticoFundação Instituto de Pesquisas Econômicas - FIPE
  10. 10. Aspectos Gerais A metodologia de contagem desenvolvida pela Fipe, como procedimento complementar ao Perfil do Turismo Receptivo, permite uma melhor estimativa do número total de turistas, tanto internacional quanto doméstico, que se movimentou no território baiano. O procedimento contempla algumas etapas e é adotado também pela Embratur para a determinação de fluxos turísticos no Brasil. Como a consolidação deve ser por ano, as projeções de fluxo turístico elaboradas pela Fipe contemplaram os anos de 2008 e 2009.
  11. 11. Metodologia A Contagem de Turismo Receptivo na Bahia foi realizada em todas as localidades de receptivo tradicional concomitantemente às pesquisas de Perfil do Turista Receptivo. O processo se deu por sete dias no município de Salvador e quatro nas demais localidades, nos principais portões de saídas de turistas: aéreos, rodoviários e hidroviários. Foi contabilizado o local de residência:
  12. 12. Metodologia De todos os passageiros desembarcados em voos internacionais e embarcados em vôos nacionais do aeroporto em questão; De todos os passageiros embarcados em viagens de ônibus intermunicipais e interestaduais realizadas no terminal rodoviário em questão; De todos os ocupantes de carros de passeio com placa de município não pertencente à região pesquisada e de carros parados aleatoriamente nos postos policiais rodoviários em questão ao longo de um período de 6 horas por dia em turnos variados; De todos os passageiros à espera de embarque no terminal hidroviário em questão, ao longo de 6 horas por dia e em turnos variados.
  13. 13. Metodologia Para consolidar os números dos fluxos turísticos, a Fipe adotou outros procedimentos metodológicos que foram cruzados entre si. O primeiro foi realizado pela própria Fipe, no período da pesquisa de turismo receptivo, nas localidades pesquisadas, contabilizando o número de turistas hospedados em cada Unidade Hoteleira (UH), obtida junto a Embratur.
  14. 14. Metodologia Os números obtidos no levantamento censitário da rede hoteleira foram cruzados com as informações dos Boletins de Ocupação Hoteleira (BOHs), emitidos, mensalmente, por cada estabelecimento de hospedagem. A partir da taxa de ocupação informada pelas UHs, estabeleceu-se a quantidade de turistas hospedados na localidade. Para consolidar a procedência dos visitantes, os números dos BOHs foram cruzados com as Fichas Nacionais de Registros de Hóspedes (FNRHs), também emitidas pelas UHs, obtidos junto a Embratur.
  15. 15. Metodologia Todos esses números foram cruzados com as informações colhidas com as administrações dos aeroportos sobre o número de passageiros que desembarcaram nas localidades pesquisadas. Com isso, além do número total de turistas, obteve-se o percentual de visitantes que chegaram ao estado por via aérea e a sua procedência. Além disso, a Fipe utilizou os dados sobre a Bahia, obtidos na Pesquisa Dimensionamento e Caracterização do Turismo Receptivo no Brasil, encomendada pelo Ministério do Turismo, que se baseou em 38 mil entrevistas domiciliares, realizadas em todo o país.
  16. 16. Fluxo Global
  17. 17. Fluxo de TuristasFluxo Global A Bahia teve um fluxo global de 9.052.000 (nove milhões e cinqüenta dois mil) turistas no ano de 2008.Fluxo Doméstico (Nacional + Local) O fluxo de turistas brasileiros representa 94,3% do fluxo global, ou em números absolutos, 8.538.000 (oito milhões quinhentos e trinta e oito mil são de turistas domésticos, da própria Bahia e de outros estados.Fluxo Nacional O fluxo de turistas brasileiros de outros estados da Federação representa 47,8% do total do fluxo doméstico. Em números absolutos: 4.081.164 dos turistas da Bahia são procedentes de outros estados.Fluxo local Os turistas locais respondem por 52,2% do fluxo nacional. Em números absolutos: 4.456.836 dos turistas da Bahia são baianos.Fluxo Internacional O fluxo turístico internacional representou 5,7% do total. Em números absolutos, 514.000 turistas estrangeiros visitaram a Bahia.
  18. 18. Brasil e Bahia Fluxo de Turistas - Brasil Fluxo de Turistas - Bahia Internacional Doméstico Internacional Doméstico 3,9% 5,7% 96,1% 94,3%Fonte: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas Fonte: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas
  19. 19. Fluxo dos estados do Nordeste Estado Fluxo Global Fluxo Internacional Fluxo Doméstico Bahia 9.052.000 7% 514.000 10,2,% 8.538.000 6,9% Ceará 4.497.675 3,5% 140.728 2,8% 4.445.244 3,6% Pernambuco 3.598.140 2,8% 120.624 2,4% 3.457.412 2,8% Estado Fluxo Doméstico Fluxo Nacional Fluxo Local Bahia 8.538.000 4.081.164 47,8% 4.456.836 52,2% Ceará 4.445.244 1.689.193 38%  2.756.051  62% Pernambuco 3.457.412 1.348.391  39%  2.109.021  61%
  20. 20. Receita Turística
  21. 21. Receita Turística A receita turística da Bahia em 2008 foi de R$ 5,068 bilhões. A receita proveniente do fluxo internacional foi de R$ 779,8 milhões, enquanto o fluxo doméstico (nacional + local) contribui com R$ 4,288 bilhões.
  22. 22. Fluxo x Receita Nº de turistas Receita Turística Fluxo (milhões) (milhões R$)Internacional 514.000 779,8Doméstico (nacional +  8.538.000 4.290,00 local)Total 9.052.000 5.068,00Fonte: Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas
  23. 23. Fluxo DomésticoPrincipais mercados emissores
  24. 24. Estados Emissores A própria Bahia é o maior emissor de turistas para o estado, representando 52,2% do receptivo total ou 4.456.836 turistas. Os estados de Minas Gerais (1.263.624) e São Paulo (1.220.934) são os dois maiores estados emissores de turistas para a Bahia.
  25. 25. Receita x Estados Emissores São Paulo é a fonte da maior fatia da receita turística doméstica baiana (24,8%). O estado de Minas Gerais também representa parcela significativa, com 20% do total da receita. A receita proveniente dos turistas baianos representa 24% do total.
  26. 26. Fluxo x Receita Estado Fluxo (%) Receita (%)Bahia 52,2 24Minas Gerais 14,8 20São Paulo 14,3 24,8Distrito Federal 3,2 5,9Rio de Janeiro 2,9 6,9Sergipe 3,9 2,2Pernambuco 1,5 0,7Goiás 1,6 4,0Espírito Santo 1,5 1,7Paraná 0,7 2,4R. Grande do Sul 0,7 2,0Alagoas 0,7 0,8Santa Catarina 0,5 1,3Rio Grande do Norte 0,3 -Mato Grosso do Sul - 0,7Outros 1,37 1,1
  27. 27. Principais Zonas e Destinos Receptores de Turismo da Bahia
  28. 28. Zonas receptoras A Baía de Todos-os-Santos (incluindo Salvador) é responsável pela atração de 35,1% de todo o fluxo receptor doméstico da Bahia. Outras regiões turísticas que merecem grande destaque são a Costa do Descobrimento (10,8%), Caminhos do Oeste (7,0%), Costa dos Coqueiros (5,3%), Caminhos do Sertão (5,1%), e Costa das Baleias (5,0%). As demais cidades do Estado que não são consideradas turísticas, juntas, totalizam o segundo maior fluxo por região. Cabe ressaltar que esse resultado é altamente influenciado pelo grande número de municípios e pelos fluxos de visita a amigos e parentes e negócios.
  29. 29. Participação das Zonas Turísticas Zona Participação (%) No absolutoBaía de Todos-os-Santos 35,1 2.996.838Costa do Descobrimento 10,8 922.104Caminhos do Oeste 7,0 597.660Costa dos Coqueiros 5,3 452.514Caminhos do Sertão 5,1 435.438Costa das Baleias 5,0 426.900Costa do Cacau 3,8 324.444Costa do Dendê 1,9 162.222Chapada Diamantina 1,5 128.070Lagos do São Francisco 1,3 110.994Vale do Jiquiriçá 0,4 34.152Outras cidades 22,8 1.946.664Total 100 8.538.000
  30. 30. Destinos receptores Duas cidades merecem atenção especial pela grandeza do fluxo turístico receptor e, por isso, permitem estimativas desagregadas: Salvador e Porto Seguro. A capital baiana atrai 28,8% do fluxo turístico doméstico com destino ao Estado, enquanto Porto Seguro responde por 10,8% desse total.
  31. 31. Principais destinos Destino Participação (%) No absolutoSalvador 28,8 2.458.944Porto Seguro 10,8 922.104Demais cidades 60,4 5.156.952Total 100 8.538.000
  32. 32. Fluxo Internacional
  33. 33. Países emissores Observa-se, ao longo dos anos, uma alternância entre os 10 principais países emissores. Em 2008, os Estados Unidos liderou com 12%, seguido da França (11%), Itália (10%), Portugal (10%), Alemanha (9%), Espanha (8%) e Argentina (8%).
  34. 34. Países emissores País emissor Participação (%) No absolutoEstados Unidos 12.3 63.222França 10,9 56.026Itália 10 51.400Portugal 9,8 50.372Alemanha 8,5 43.690Espanha 8,4 43.176Argentina 7,7 39.578Inglaterra 5,0 25.700Chile 4,5 23.130Suíça 2,3 11.822Holanda 2,0 10.280Israel 1,9 9.766Canadá 1,6 8.224Bélgica 1,2 6.168Austrália 1,2 6.168Outros 12,6 64.764
  35. 35. Destinos receptores do fluxointernacional O principal destino turístico internacional do Estado é Salvador. A capital baiana ocupa a primeira posição no ranking de maiores destinos de todos os mercados emissores. Porto Seguro também se destaca como grande destino receptor de turistas internacionais. Entre os destinos turísticos, os mais relevantes são Cairu, Ilhéus, Itacaré, Mata de São João e Itaparica.
  36. 36. Participação dos destinos Destino Participação média (%)Salvador 60Porto Seguro 16,1Mata de São João 4,5(Praia do Forte, Sauípe, Imabassaí)Cairu 4,2(Morro de São Paulo)Ilhéus 2,6Itaparica 0,8Itacaré 0,7Outros 11
  37. 37. Fluxo Internacional em Salvador A origem dos turistas internacionais que visitam Salvador também é dispersa. Os principais mercados emissores de turistas para a capital baiana são Estados Unidos, Espanha e Itália (12% cada uma), Portugal (11%), Alemanha e França (10% cada) e Argentina (7%).
  38. 38. Fluxo internacional em Salvador País Participação (%)Estados Unidos 12,4Espanha 11,5Itália 11,5Portugal 10,6Alemanha 10,3França 10,1Argentina 7,3Outros 26,2
  39. 39. Fluxo Internacional em Porto Seguro Já a origem dos turistas internacionais que visitam Porto Seguro é um pouco mais concentrada, sendo que Portugal (19%), Argentina (15%) e Itália (14%) somam quase metade todos turistas recebidos pelo destino. Turistas dos Estados Unidos, Espanha e Alemanha são substancialmente menos freqüentes em Porto Seguro do que na Bahia como um todo.
  40. 40. Fluxo internacional em Porto Seguro País Participação (%)Portugal 19,2Argentina 15,4Itália 13,6Chile 7,7França 7,1Inglaterra 7,0Estados Unidos 5,8Outros 24,2
  41. 41. Principais portões de entrada O principal portão de entrada no Brasil dos turistas estrangeiros que visitam a Bahia é São Paulo (42,7%), seguido de Salvador (27,6%). O Rio de Janeiro também se coloca como um importante portão de acesso ao país entre aqueles que vêm à Bahia (14,7%).
  42. 42. Fluxo Internacional A Bahia atrai 19% dos turistas da Europa que visitam o Brasil, enquanto a média Brasil é 6,2%. Bahia atrai 9% dos turistas norte-americanos que visitam o Brasil. A média do Brasil é 5,6%. 3% dos turistas sul-americanos que visitam o Brasil vão à Bahia, enquanto a média do Brasil é 4%. Na média, tanto em Permanência quanto em Gasto, os turistas da América do Sul e Europa apresentam resultados superiores na Bahia do que na média do país. Para os turistas da América do Norte, o resultado é o contrário.

×