,___u, ,__. m_ Í

4
_ , n 1 V. .
vv¡ ,4
4+ L R. 
z _ E
.  4 r . 
. A¡ . E T 4_
.  í S T. , 
A.  ..  p O  y
Ta» »Tx M _ _ _...
Há pouco mais de l ano,  a Baila Mundo vem .  f l
mostrando que e' uma empresa de divulgação da   'i
dança de salão que se...
1? x
$133. "í
mx 
_ n33..  ,

 

RAFAEL ARROS

 

r 

.  -r W

I

, _. 

r f" '. _. _
r ' . .n
i ' . '~ 
a "N

 

- carine...
xxx

1°N<1ñr _ 5,; 

   
     

u-Âwtg .  -. .,
;  l à. 

“"Qv>'N-ilT"", ,1h'

A Baila Mundo falou com o criador
desta mar...
do ç:  _e
s. ? , ln en? 

Baila Mundo:  Conta para nós,  como
surgiu a ideia?  Como começou a
produzir essas super estampa...
~ -. ue1_¡_ê›i_¡_rerg›-: 

    
  
  
  
    
 
 

r ›i_i_l91'. '1i
~ -mt-; ra _gx-; usryiteuslst-; asxaí
~ _';1,'í': !_':...
A Baila Mundo entrevistou quatro grandes casais
de profissionais da dança.  Fomos procura-los pela
referência que são quan...
l 7'  í
  l l
J j!  J
í í é 31 à
L
Â
E 1

A l

í í í í à J
,  Ç rangeiro conta que por volta da década de 30, com a
< expl...
"Acho que a preparação do corpo e' muito importante
tanto quanto a técnica.  Pois,  quanto mais força e
alongamento você t...
E

Eddie Torres,  o Rei dO MQIÍIbO,  é

considerado o mais popular dançarino de salsa
no estilo New York do mundo.  Minist...
E itrevi sta exclusiva

com o rei do Mambo

BM:  Porque você acha que a salsa era muito popular
a alguns anos no Brasil,  ...
n¡
l ! lol

II ! Ivon nt II¡ 1.a 4

I n o O¡ . 

n¡ I 1 c¡ ¡Odüuiñ . 

,  .ai. 

l 'A z , 
ç. 
7.» É'
A ! x7

l i tãzrâju
...
(g ' ¡

 

 

“Samba
Sexta-Feira Carioca - Banda Black Rio

( j I V Saba
x ~ Así - La Sucursal S. A.

* Zouk
F  T E p Tá b...
| Z W
- _ - z
_x

I r:  :i n:  I:  f: : 1:: : v6¡ I Ii" su: : I:  r: ›:; :< ›:  :

1 'NI ¡34 r' ›: . i I r:   : :qm n;  i ...
e m p F 

Professores

Felipe Moreno

Contato:  (11) 96459 4320 (tim) /  (11) 2668-4445 (comercial)
Facebook:  Felipe More...
l Professores Samba Funkeado
Léo Fortes e Robertinha

Diego Fiori e Mônica Batista

Adalberto Shock e Mariana Torres
Árthu...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista Baila Mundo: tudo sobre o mundo da dança de salão - 1ª edição

1.637 visualizações

Publicada em

Há pouco mais de 1 ano, a Baila Mundo vem mostrando que é uma empresa de divulgação da dança de salão que se compromete com o fortalecimento e valorização deste segmento.

Hoje ela faz parte do cotidiano de milhares de amantes da dança de salão no Brasil e no mundo, por meio dos conteúdos divulgados em seus canais de comunicação: site, página do Facebook, perfis no Twitter, Instagram, Google Plus e canal do YouTube.

Agora estamos lançando a Revista Baila Mundo com o propósito de levar a mais pessoas tudo o que acontece no mundo da dança de salão. Nesta primeira edição, trazemos como capa um dos maiores ícones da dança social mundial: Eddie Torres, que nos recebeu em uma entrevista exclusiva e nos falou da história da salsa e mambo que em determinado momento se mistura com a sua.

Também trazemos para essa edição, uma matéria sobre movimentos acrobáticos, com o intuito de conscientizar as pessoas em relação a preocupação com a segurança em sua realização. Para isso, a Baila Mundo conversou com 8 profissionais especialistas no assunto, que acumulam títulos nacionais e internacionais em competições de alta performance.

Uma das marcas mais conhecidas entre os salseiros do Brasil complementa a nossa seção de moda, a Callejero. E para aumentar o repertório de músicas dos nossos leitores o DJ Zé do Lago, que já tocou no exterior e em todos os estados brasileiros, dá dica das 5 músicas mais pedidas.

Esperemos que você leitor curta a nossa revista que preparamos especialmente para você!

Atenciosamente,
Equipe Baila Mundo

Para anunciar:
contato@bailamundo.com.br
(11)9 8209-9366 (Tim)

Publicada em: Estilo de vida
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.637
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
597
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Baila Mundo: tudo sobre o mundo da dança de salão - 1ª edição

  1. 1. ,___u, ,__. m_ Í 4 _ , n 1 V. . vv¡ ,4 4+ L R. z _ E . 4 r . . A¡ . E T 4_ . í S T. , A. .. p O y Ta» »Tx M _ _ _ T_ I u! T 'li R _ , Ar Y l ü w L : E , r rürm . .FL v à . w u. .. S r 4_ . 1 O , z ! à 1 n _ , _ JI _ M TP» a. .x - a S 5 E Em S _ I , T L v L PJ; IT», u fazem , gl-Í m: x Í 1. w . AI , T . . @W D' , a
  2. 2. Há pouco mais de l ano, a Baila Mundo vem . f l mostrando que e' uma empresa de divulgação da 'i dança de salão que se compromete com o 'i fortalecimento e valorização deste segmento. Hoje ela faz parte do cotidiano de milhares de amantes da dança de salão no Brasil e no mundo, por meio dos conteúdos divulgados em seus canais de comunicação: site, página do Facebook, perfis no Twitter, Instagram, Google Plus e canal do YouTube. English Spoken _i Ouem dança é mms feliz! 'i . ' M Il' J ii' 'y É Difvhrwrvw lX 'lv r h I¡ um . L f V lj/ "Í/ í. , à a. mm( NK_ n w/ ll| |_( Agora estamos lançando a Revista Baila í Mundo com o propósito de levar a mais pessoas tudo o que acontece no mundo da dança de salão. Nesta primeira edição, trazemos como capa um dos maiores icones da dança social mundial: Eddie Torres, que nos recebeu em uma entrevista exclusiva e nos falou da história da salsa e mambo que em determinado »IT IIIOÍIICIIÍO SC mistura COIII a S113.. A( T n Também trazemos para essa edição, uma l É - . a matéria sobre movimentos acrobáticos, com 9;. . g o intuito de conscientizar as pessoas em relação l' . , v' A a preocupação com a segurança em sua realização. Para isso, a Baila Mundo conversou Aums de dança com 8 profissionais especialistas no assunto, . que acumulam títulos nacionais e internacionais (9 re 099m¡ em competições de alta performance. ¡- ? I 981903253 7I 988424835 9299824302 Uma das marcas mais conhecidas entre os rüdllílügemü”U9lU@Gm0¡l-(0m salseiros do Brasil complementa a nossa seção de moda, a Callej ero. E para aumentar o repertório de músicas dos nossos leitores o DJ Zé do Lago, que já tocou no exterior e em todos os estados brasileiros, dá dica das 5 músicas f faCebOOkÇOm/ bailamundo mais pedidas. A _ *lí* @bailamundo Esperemos que voce leitor curta a nossa revista que preparamos especialmente para E youtubecom/ bailamundo você! EQUIPE BAILA MUNDO COLABORARAM PARAESTAREVISTA: REI/ ISTA Gledson Silva- proprietário Julia Pera~ jornalista ' › TUDO SOBRE O MUNDO DA DANÇA DE SALAO PARAANUNCIAR: contato@bai| amundo. com. br (11)9 3209-9366 NNMLBNlÂMMWAOIaOÂNbV
  3. 3. 1? x $133. "í mx _ n33.. , RAFAEL ARROS r . -r W I , _. r f" '. _. _ r ' . .n i ' . '~ a "N - carineerafael@hotmail. com - faceboolçcom/ carineyrafael - Aulas particulares - Shows - Aperfeiçoamento tecnico para apresentações e competição
  4. 4. xxx 1°N<1ñr _ 5,; u-Âwtg . -. ., ; l à. “"Qv>'N-ilT"", ,1h' A Baila Mundo falou com o criador desta marca de camisetas que caiu no gosto dos salseiros do Brasil e do Mundo: Rodrigo, que diz ter estampas para lançar novidades até 2049 fala que a primeira camiseta ficou pronta em 2006! Ele diz que o que falta é tempo, pois tem que conciliar isso com a vida de designer gráfico. Mas, promete que quando se aposentar vai se dedicar 100%! Ele também nos contou que essa é a sua forma de por para fora o que ele não consegue dançar. Expondo de alguma maneira esse amor/ paixão pela salsa, sendo através da arte, dos desenhos e dos grañsmos nas camisetas. "Tem gente que pinta, grafita, enjím, eu resolvi transformar isso em uma imagem que joga no peito. 0 que tem muito a ver com asalsa. " -RODRlGO REIS- a¡ [7 Qiàrxiiiliílit'
  5. 5. do ç: _e s. ? , ln en? Baila Mundo: Conta para nós, como surgiu a ideia? Como começou a produzir essas super estampas? Rodrigo Reis: Hummm, rs! Tudo começou em 2002. Já tinha ouvido falar de salsa aqui no Brasil por uma amiga e já havia ido ao bar Conexion Caribe. Mas, a conheci de verdade em uma viagem para aAustrália. Na Verdade, fui para lá com o intuito de aprender inglês, mas também queria me enturmar, conhecer pessoas, interagir e isso era muito dificil com meu inglês primario, que só sabia falar: ai, meu nome é Rodrigo, tudo bem? Tchau, rs! Foi quando percebi que muita gente dançava salsa e que era um ritmo muito gostoso, então era isso, eu tinha que fazer aulas! Foram ótimas, então comecei a sair com o pessoal da academia e me diverti demais. Voltando ao Brasil eu só queria experimentar mais daquela sensação. Então continuei fazendo aulas. Logo conheci o novo congresso de salsa do Brasil organizado pela Cia Conexión Caribe, com o Douglas Mormahi e Ricardo Garcia a frente de tudo. Como bom designer, vi que a parte visual do congresso era muito precária e pedi para tomar a frente disso, dando uma nova cara para a divulgação do evento. Fiquei mais próximo de todo o movimento salseiro por conta disso e o Douglas sempre me lembrava que eu tinha portas abertas para fazer o que quisesse lá dentro. E a paixão crescia! Eu queria poder falar disso com todo mundo do trabalho, sair para qualquer lugar mostrar meu amor a salsa. Então pensei que precisava de uma camiseta com a salsa estampada! Procurei muito na internet, o Ricardo me ajudou. Só conseguia achar coisas muito comerciais, como o M de MC Donald escrito Mambo, queria algo mais fashion. Porque não eu mesmo fazer? Produzir? Era isso! Passei meses no Bras (bairro de São Paulo conhecido principalmente pela venda de roupas no atacado e tecidos) tentando aprender como confeccionar camisetas, mas foi difícil viu? ! Não tive . JV J IC ajuda facil, tive que aprender na raça. E em 2006, sairam do forno os três primeiros modelos! Foi no congresso de salsa que tentei vender. Mas as pessoas só passavam, olhavam desconñadas e não levavam. Pensei, o que fazer? As camisetas já estavam produzidas, pagas. Decidi presentear os professores! Claro! Foi a melhor propaganda. Todos os alunos viram os cortes bacanas, diferenciados e ai começaram a me procurar! De lá para cá cresci muito. As pessoas me passam a sensação de que já estou em casa, de que a Callejero sempre existiu! Todos querem as novidades, escolher um modelo para si, A ideia era essa mesma, eu queria produzir as camisas para serem usadas em baladas e aulas, Bonitas e confortáveis. Baila Mundo: E da onde vem o nome? Callej ero? Rodrigo Reis: No começo eu queria colocar: “Echo em Cuba”. Até que um amigo que havia acabado de voltar da Espanha falou que tinha uma gíria por lá que o pessoal fala: Callejero que se comparava, sem tradução perfeita, mas sim livre, ao bom malandro carioca. Porque literalmente significa rueiro, aquele cara que está sempre na rua. A medida que vou viajando vou vendo que a palavra tem conotações distintas nos paises hispânicos. No Chile, por exemplo, é uma palavra normal, qualquer um que não para em casa é callej ero. Mas no Panama se é falado para uma mulher significa que ela é garota de programa. Aqui se mistura com a marca, que se auto descreve. São aqueles que curtem os bons bailes, o bom malandro que vive da salsa. No meu site (www. callejero. com. br) na parte do quem somos descreve bem esse sentimento. Baila Mundo: Você se obriga a lançar uma nova coleção em alguma época determinada do ano? Rodrigo Reis: Tenho feito sempre no ñnal do ano. Mas estou querendo mudar isso. Quero lançar a cada dois meses, deixar o face da marca ativo sempre com algumas novidades. Essa é a ideia para o segundo semestre desse ano. Baila Mundo: Alguém já encomendou camisas de fora do Brasil? Rodrigo Reis: Já! Tenho algumas histórias! Teve um americano que descobriu a gente, veio para o Brasil, conseguiu meu celular, me ligou, eu levei as camisetas até ele e ele comprou todas! Rs! Tem um mexicano que veio para o Brasil, me conheceu no congresso, e sempre me pede encomenda! E também já mandei para o Japão, Alemanha e Eslováquia! Baila Mundo: Planos para a marca que pode adiantar? Rodrigo Reis: Me falta hoje um braço feminino. Porque sou homem, sei fazer estampa de homem, sei fazer camiseta. Por isso sei que dou um ar masculino a coisa. Falta essa orientação feminina, para dar um charme, criar alguma coisa mais diferenciada! A minha feminina hoje é feita por uma sócia, mas ela não cria, a especialidade dela é confecção. Então seria meu grande desafio agora, sair um pouco do básico no feminino. Criar uma coisa mais delicada. x ~ ~ r _ p_ . - z V / »x í ' ç x/ 'f ' e/ _ - “*- a_ ' '7^'*r S** I Ô
  6. 6. ~ -. ue1_¡_ê›i_¡_rerg›-: r ›i_i_l91'. '1i ~ -mt-; ra _gx-; usryiteuslst-; asxaí ~ _';1,'í': !_': I°j, |_H-Ç, L-, (Êl! > _kl-. Âlfí-jl s(ei¡, ¡J_': I-A; -'rt_-, Gxa›< ~ , i,¡, l!l, i,¡Í-K-j, l§lêijjl esta* ! (9l_'›¡§(! L§lÇr1-. ,i, ÍÍ-j_¡'3 c" : :recuar -Íi-. ÍlfrLíáclcilÍlilelí °. Íl, i_¡, l9'_(-Í, Í9lf›l§§'5/ 4êljjfHg1_R! i_ni›ÍÍ!1_i_lá. [Í'í a* _gl_'í! i,ÍÍ$fÍ9), iJé, Ú'i uàúãç» 1L49.L. ~d. 'Â. r.t_-»- "Íei/ “Tiê, LtL-¡rm é! ? um¡ LrL-rnw» é! ? › lr QiBEVÁÍ-. V : J 9'!4'! '~x$/ .!7~2 >_<| !(91_iJÊ(áiÊ(91G¡_Íá_l_Ê tiara-ah . !(9 1m >_<l ju 91:31h stat-aja ! iiGlirerfviijnr 511,! . ! (91111 C» ; tl : r6i35'›<: ›:/ <: 13.0 Ç> ; H : r-? Eí-: iâk . $313 _ ÍiÍ-, üeuil-«Iii9511151! -F' , hletnjrtttt-. Ln (terem
  7. 7. A Baila Mundo entrevistou quatro grandes casais de profissionais da dança. Fomos procura-los pela referência que são quando o assunto e' passos aéreos, pegadas e portés. Kleire Tavares, Ricardo Mello, Diego Maia, Bárbara Rodrigues, Fabiana Terra, Patrick Oliveira, Marcelo Grangeiro e Damyla Maria. MARCELO GRANGEJRO E DAMYLA MARlA FOTO: EDU FUICA
  8. 8. l 7' í l l J j! J í í é 31 à L Â E 1 A l í í í í à J , Ç rangeiro conta que por volta da década de 30, com a < explosão das Big Bands nos EstadosUnidos, um J . cara chamado Frankie Manning, participava de bailes onde bandas disputavam entre si para chamar a atenção e eram acompanhadas por pessoas que também competiam dançando na pista. Então, ele resolveu treinar um movimento que fosse além do que era dançado no salão, nascendo desde então o primeiro movimento acrobático que deu origem a um novo estilo de swing dance primeiramente chamado de Crazy Dance e depois de Lindy Hop. Fabiana Terra, acrescenta que grande parte da inspiração destes movimentos veio do circo, onde essas movimentações já existiam a mais de 1000 anos, tendo como exemplo as pirâmides humanas do circo chinês. No Brasil, Grangeiro fala que esse tipo de movimentação pode ter sido iniciado na década de 40 por conta da vinda de um grupo de lindy hop para o Rio de Janeiro, mais especificamente no Cassino da Urca, onde eles faziam seus shows. Esses, eram para durar em tomo de três semanas, só que em função da 2° Guerra Mundial eles acabaram passando muito mais tempo aqui, cerca de ll meses, onde visitaram diversos estados brasileiros, sempre utilizando acrobáticos em suas apresentações. "Foi uma das primeiras vezes que os brasileiros viram esse tipo de movimentação na dança ”, acrescenta. _ 'J 4g E quando a pergunta é: E como são vistos esses movimentos agora? A resposta foi unânime, pois todos concordam que a aplicação desses movimentos estão principalmente ligados a alta performance e competições. Que não são movimentos para serem executados no salão, na dança social. A não ser pequenos truques, como cadeirinha, poses e cambrés. Em relação a utilização deste tipo de movimentação nas apresentações, todos eles concordam que não são obrigatoriamente necessárias. “Apesar de eu adorar fazer acrobacias, não acho que ela seja uma necessidade. Pois, conheço vários shows que a mulher não sai do chão e mesmo assim são maravilhosos. ” (Kleire Tavares). "Nós sempre tivemos o cuidado de colocar a dança em primeiro lugar e a pegada como artifício para embelezar a dança ” (Patrick Oliveira eFabiana Terra). Mas, se o dançarino se propõe a fazer, ele deve se preocupar com sua boa execução. Para isso, acreditam que isso está muito ligado as caracteristica fisicas, como força, condicionamento e equilibrio. E até mesmo as psicológicas, como confiança e intimidade com o parceiro. , ÍÀP-ljjl# 'Jt| '5tljí'-L”« ¡Entry! a! fl' : um: -. ,ltÍÍliP-_ljfítlw YÁ_Í'-I_ÍII= il . ll anime. íkuirwmw _iunme sir qlllñliíi " iutinllimnum uam; aipir-iemuiieryfüm ira : lim p "Isiilirf-_Iirtiar 'limits ouilfusxgrsil) m» : falhar i ; gi _Brandt . gm : ia : :mini ei aim- 'üpisw tia um¡ ; Uruana ; mk Mamma um 'm azciiiítnr m pimñeieítsiialh uílftwvr-. mi msmiiiiaiiiiargrüm etária: : *- unnamma alheia. : um: -. :ianupiur- Jnargn» Yljtlh' - E Ji¡ I um 37.10 _situar-film É! ' : uma Vfoiuir-imitsinit 'il _situa-ami ; nur-i ! um aulupxanflo Iii'- mimo, :Ir-nm IIIOVÍÍIIEJIIH uma: ilâf-ERL '- mas aipim ik-isílníhr-_iuia : r- @namorar m mim Vipxam Íilnnñt ; limit- animo. :P10 (acionar-tardio): _nx-alta qpnlhikidka dia : uma 'ojpllilif-JIIRLQÚYW.
  9. 9. "Acho que a preparação do corpo e' muito importante tanto quanto a técnica. Pois, quanto mais força e alongamento você tiver, mais fácil você vai aprender a técnica e aperfeiçoar a execução deste tipo de movimento. " (Diego Maia). Patrick Oliveira acrescenta que o excesso de confiança pode também ser um complicador: “Se a pessoa que sabe o movimento corre o risco de errar, imagina aquela que acha que sabe. " m ri Ceni- fiat: e o: i Outro ponto seria o da preparação para a execução deste tipo de movimentação, Diego e Bárbara contaram que no inicio da carreira já deixaram de se preparar e isso ocasionou em uma lesão na coluna do Diego e até hoje ele sofre com isso. Eles desaconselham totalmente o “Ver no video e copiar”. Patrick e Fabiana falam que no começo da parceria chegaram a procurar um professor de circo para fazer aulas, pois naquela época essa era a grande referência em portés, mas que hoje existem profissionais da dança de salão especialistas nisso, que trabalham para o aperfeiçoamento dessas técnicas. Marcelo e Damyla, em sua metodologia de aula conceituam o que é: pegada, acrobático, aéreo e porté. Como cada um sendo de uma “familia” diferente. A pegada é um movimento que podemos “realizar no salão". Como o elevador do forró e cadeirinha no samba. Apesar de existir muita discussão se isso pode ou não ser feito no salão, Marcelo e Damyla se declararam contra, acham que salão é lugar para se dançar a dois. Mas, acreditam que podem sim ser feitos desde que não prejudique ninguém como no final do baile quando a pista está vazia. Os acrobáticos são todos os movimentos que a dama passa com os dois pés virados para cima. Como a estrelinha (foto l). O porté são os que os cavalheiros sustentam as damas. Como aquele movimento muito conhecido do filme Dirty Dance (foto 2). E o aéreo são aqueles em que a dama fica solta no ar. Apanqueca é um exemplo (foto 3). “E existem movimentos que são três, quatro coisas dessas juntas. Isso não é uma regra, foi uma forma que a gente achou de trabalhar cada uma dessas ações, de conseguir transportar isso para a nossa dança, o nosso corpo e ensinar. Porque quando a gente vê um movimento e conseguimos conceituar, caracteriza-lo, fica mais fácil para treinarmos ele. ” Para o dia de treinar essa movimentação todos recomendam aquecimento e alongamento: “Não existe comprovação de que a pessoa não sofrerá nenhuma lesão ao fazer alongamento antes do treino. Mas os pesquisadores da educação física defendem que o músculo alongado tem uma menor probabilidade de se lesar. Já o aquecimento, a ativação dos músculos do abdômen, membros inferiores, costas e ombro é essencial. "- Marcelo. Outro ponto que todos defenderam também é em relação a exercicios importantes para desenvolver conexão com o parceiro, a confiança, cumplicidade; exercicios de plié e de encaixe de coluna. Que a prática é melhor sempre em colchões, areia, gramado, não no cimento de primeira. E procurar o auxilio de outra pessoa, para ver de fora o que está acontecendo, principalmente de um profissional gabaritado, é muito importante. Eitãlilüillji' 'ghljritñ' -. /PHIJEIUIÍL lÍÍVlHÍÍfW-Q. Íilkt aim-w iiirs : :ampli-aiii 240? aims. IÍÍ'. ITF-Jimi a aii- íl'›' ainsi: : Limits». fFt _sY-_llíliúpnliilllw ii'- ¡Íhvzaimsw sniiiipx-isiir-. itsic. :: tramitam '- iiir-iuinisiisimits. Íñsiir-_iiia ! um dim. camila 'imieílkaixsia _omni-aum : rs Wsilhíl &tam; Vip-aii; siIiIÍÍ-u fa Littmann ¡mir- sis. f sir-ic. emana Iii- trilhar» IÍts ks. 'lsxlíkw m sisiiraisigaiiuw lullP-_IP-. lllw Mtlllw iirsxmiir-iiikrsñY-ic trair-mc. ; mjiigiruutia wigraiug-iílgirr -. ;hiituçtjir YLP-_ljrEHt Axiiiixsic. iniciar-mini» '- : r- sisiilir-isr-iiir-_iiia us Ímkiaiilims. m. _Inlnüñlsiü sit; vúlíli - dk'- lÍP-_iinmt fit 1' iiusxji LF; gr-_iiliriiaiiii fiiiiitsis. s quanta *KY- vñm um. m" tits _girsigaiiim tits Ífíiiiiams mi 'P' Glkslixs a s _siirsigiaiiim 'TEF-Jimi : :custaria-ati tits sniir-_IJ 5 _ Hi'- â 'Isisiimits 'wlllw -isílirsiirms , fisting : Ler-i dk'- aims. e! ruim afim. ,àiiirsxisw [multi-ásia Maximo¡ '- ITM qui- V! iiiisic. il : um visitei â s' _ sigam' l asnlisl! ! ! TP-Jimi ¡ft-quir- sic. if¡ mms. a fit Int _oiirsii-isisisiai ¡ft- shvr-isasis. avi-anima iiiipxsisiziiit-is : is , gir-_iml a _um gi . .iiimiits '-ll'l f; _ isílsijp
  10. 10. E Eddie Torres, o Rei dO MQIÍIbO, é considerado o mais popular dançarino de salsa no estilo New York do mundo. Ministra aulas e dança a mais de 4 décadas e tem formado 6 f ° ° milhares de dançarinos, entre eles nomes 0 1116111013 e O QUÊ “VHS como Delille Thomas (Mambo D), Wilton o e . u a Beltre (o fundador da Santo Rico Dance as l C001 daçües, P01 QUÊ Company), Adolfo Indacochea, Franklin e , , , a 9 Diaz, Frankie Martineze Seaon Bristol. Ele já a “da Se Val nlultü l°apldü esteve duas vezes aqui no Brasil, em 2012 e 2013. Dessa última vez, foi em um dos eventos mais conhecidos pelos bailadores brasileiros, a Semana da Cultura Latina. E é claro que a Baila Mundo estava presente e conseguiu uma entrevista exclusiva com esse grande professor internacional! “Uma ñgura iluminada", é assim que a l¡ - maioria das pessoas que chegam perto dele o 'F definem. Um Porto Riquenho de alma, 'Fl- ' nascido e criado em Nova Iorque, nos disse l logo no começo da entrevista que adorou o t_ nome do evento, pois ama a valorização da l' cultura latina. E que amou a recepção das pessoas e o encantou muito a presença de vários jovens na sua aula, que ainda acham que ele pode ensinar muito. Aqui seguem algumas palavras sobre a evolução da salsa e o - que acha das suas constantes quedas e recuperações: O que conhecemos hoje como salsa ja' teve pelo menos três épocas na minha visão. A , primeira na década de 40, 50, no Palladium em ~ j u 1 Nova Iorque, onde a dança era só conhecida l l como mambo e chá-chá-chá e só dançavam 'I l. passinhos na pista, como os que hoje . Ef f chamamos de shines. A próxima época foi a 1 j'. minha, em que aprendemos os passinhos e acrescentamos as figuras, os passos em casal. A Hoje em dia temos isso tudo combinado com ji os passos aéreos, acrobacias ou adagio. E as f' coisas estão muito interessantes, pois se 'r uniram várias influências, vemos inserindo o “ jazz, o balé, o contemporâneo, o moderno, o hip hop, o flamenco. Eu gosto muito, pois sempre misturei tudo em minha dança e aulas. Ao meu ponto de vista é um progresso, não compartilho da opinião que temos que ficar só no tradicional. W
  11. 11. E itrevi sta exclusiva com o rei do Mambo BM: Porque você acha que a salsa era muito popular a alguns anos no Brasil, enchia qualquer pista e agora não é mais? Eddie: A minha opinião é de que sempre existe uma dança nova chegando na aérea. Que as pessoas sempre querem aprender coisas novas. Vão sempre se interessar pela novidade. Mas, isso já aconteceu algumas vezes, até mesmo em Nova York. O que não quer dizer que salsa vai sumir ou não vai voltar a crescer por aqui. Quando iniciei a minha vida de dançarino o mambo estava em baixa, mas junto com Tito Puente recuperamos essa cultura. E deixa eu contar uma coisa, Tito nunca gostou do nome salsa, ele dizia que a diferença entre mambo e salsa era simples: Mambo se dança e a salsa se come! Rs! Quando me perguntavam se eu ensinava salsa eu sempre respondia: eu dizia que ensinava mambo, mas colocava muita salsa em cima para dar sabor. Porque quando começam a mudar o nome, podem mudar e dar fim a qualquer coisa, sua língua, tradição e assim se perde a cultura latina. Mas é bom o mundo inteiro conhecer essa dança, mesmo que seja com nome de salsa. BM: O que acha dos dançarinos brasileiros? Eddie: Os brasileiros são poli rítmicos, conseguem mexer a cabeça para um lado, o braço para outro e o tronco para outro, rs. Sempre sentindo o ritmo, como uma sinfonia. Adoro ver no baile vocês dançando o samba, quero aprender um pouco. Porque mesmo com 63 anos acho que não posso parar de ser aluno! Porque nunca acho que aprendi tudo, tenho que manter a mente aberta. BM: Então nos conte um pouco como é ser considerado o rei do mambo? Eddie: Vivemos em uma época que existe muita competição. A competição é boa. Mas sempre devemos manter o respeito! O mais importante é o respeito! Admiração também. Não tente ser melhor que ninguém, seja melhor que você mesmo, faça o seu melhor. Sei que me chamam de o Rei do Mambo. Mas acho que tudo isso, a fama, o dinheiro, não importam. O melhor é o que vivi, as recordações, porque a vida se vai muito rápido, por isso não podemos desperdiçá-la discutindo, brigando se dançar salsa no l é melhor que no 2, se o estilo porto riquenho é melhor que o cubano, tudo isso é bobeira. Disfrutem sua vida, aproveitem os momentos. Quando volto para a minha casa é sempre a melhor hora. Porque sei que vou encontrar a minha família, minha esposa Maria. Eu viajo o mundo todo, mas para mim não existe melhor lugar do que minha casa, minha cama com minha esposa. Eu agradeço todos os dias por esse dom que Deus me deu, pois me fez ter a oportunidade de viajar, conhecer o mundo e pessoas maravilhosas, tenho amigos por todo o mundo. Por fim, quero deixar um grande beijo e abraço para todos os brasileiros maravilhosos! E sempre ótimo estar com vocês, espero reencontrá-los o quanto antes.
  12. 12. n¡ l ! lol II ! Ivon nt II¡ 1.a 4 I n o O¡ . n¡ I 1 c¡ ¡Odüuiñ . , .ai. l 'A z , ç. 7.» É' A ! x7 l i tãzrâju m _u_ . l u¡ ¡n! (i'll/ là: f! . f a 1 z' ÊQÍÉÀZ; , gl _ 'lááNã f. t ' f' z 5.4"# p _ ¡háwilmb ANY_ e' Ítâãg É “d” / l Í *W . a . , , Êâííg ; k 'EÉÉ *w r
  13. 13. (g ' ¡ “Samba Sexta-Feira Carioca - Banda Black Rio ( j I V Saba x ~ Así - La Sucursal S. A. * Zouk F T E p Tá bom - 2Much sz Í W Bolero Zé do Caroço - Mariana Aydar As músicas mais pedidas! I*FoNí 7 Dom do amor - O do Forró *à 5,5"EC7 DE SEIEMBRO DE 2014 e 'a' l x : :x 'k' ClUbt cfnzzínpos' V Múisuam¡ Hatha¡ |33| - Petropolis, Pam¡ Negra - RS - Brasil . '41 mu'ProjetoSahorLatinoblogspot mm ». -
  14. 14. | Z W - _ - z _x I r: :i n: I: f: : 1:: : v6¡ I Ii" su: : I: r: ›:; :< ›: : 1 'NI ¡34 r' ›: . i I r: : :qm n; i r l j' I ll Em I: n¡ 'z a: 'Pr/ u f] : n M: : 1:¡ ma: : m: : mcg¡ 2¡ a: : “In, ' f: : p: : l ! f 1'¡ I r: : '2 : :í r: ,IPSIÍI hi1: : N¡ fz, r ; j › rj! n m z 'I 1 i: : em: : Em : . z: : m e : t I . '51. : m: ml: n: vlmí 51min: miruí'. aulas em grupo e particulares - salas climatizadas ta_ l ° . .. p_ t k . at, À › y SALSA - SAMBA - ZOUK - TANGO - BOLERO - WEST COAST SWING - SAMBA-ROCK FORRÓ - SERTANEJO - BALLET - ZUMBA - DANÇA DO VENTRE -STREET DANCE 11 3051-4550 R. Teixeira da Silva, 531 www. c¡aterra. com. br
  15. 15. e m p F Professores Felipe Moreno Contato: (11) 96459 4320 (tim) / (11) 2668-4445 (comercial) Facebook: Felipe Moreno/ E-mail: finoreno. dance@gmail. com Região: ABC paulista e grande são Paulo Ritmos: sertanejo, dança de salão, aero dance e ritmos latinos. Geyse Carvalho Contato: (11) 982450762 / geyse7carvalho@hot1nail. com Região: São Paulo Ritmos: forró, sertanejo, gañeira, bolero, zouk, salsa e bachata. Paulo Victor Contato: (11) 96663-1130 / paulov. dance@gmail. com www. facebook. com/ PauloVictorFC Região: São Paulo Ritmos: dança de salão e zouk. Daniel Lessa e Letícia Bernardes Contato: (11) 967607728/ E-mail: dl. spdanca@gmail. com Região: São Paulo Ritmos: dança de salão. Show/ Workshop / Aulas Particulares Vanessa Jardim Contato: (11) 98292-6529 / vanessamjardim@hotmail. com facebookcom/ vanessa. jardim. danca Região: São Paulo Ritmos: aulas especializadas de samba de gañeira, coreografias, direcionamento coreográfico e grupos fechados. @tigre/ e SOUL ARTES ESTÚDIO DE DANÇA Localizado na Al. Itu, 167 - Cj. 25 | Jd. Paulista | São Paulo - SP - Fone: (55.ll) 3253.1837 | 96882.74l8 | 99223.7443 www. soulartestudiodedanca. com. br ESPAÇO NAKASONE Unidade Jardins: Alameda Itu, l67 - cj 21 J ardins/ SP -Unidade ABC: Rua Aimorés, 360 - Vila Alzira/ Santo André Contato: (11) 2712-2009 / (11) 976-039-900/ espaco@nakasone. com. br / Facebook: espaconakasone / Twitter: @edsonnakasone
  16. 16. l Professores Samba Funkeado Léo Fortes e Robertinha Diego Fiori e Mônica Batista Adalberto Shock e Mariana Torres Árthur Rodrigues e Ana Arruda Convidado Especial Tiago Tsunamy Professores Samba Tradicional Kadu Vieira e Viviane Soares Luiz Carlos e Natasha lima Gabriel Silva e Tais Benite Alexandre Silva e Mariana Gabriel Convidado Especial Rodrigo Marques X/ orkshops no Teatro Odisséia : : Roda de Samba e Feijoada : : 3 Bailes com os melhores dj's : : 18 horas de aulas de todos os niveis : : A nova geração do Samba de Gafieira : : . ^'6l . i zliil) “l A** . ÍGkAñAL ll il l l , _ / x m¡ r _V 4 ' q_ V_ l _ r _i 7 _ _› _ _ _ ; Fâzicxíiire çzcmíi 11:3 friciia. isi : ta: argila. 1': :: r ; C31 'l ? TICLCICJ VAV/ “ÂV/ *VAYÁ. JÊIHIÍHIÚEIHTEICIQÉ. CQIIII / a: mlimnmarhrcçsieml¡uxçnctgmtàir* mcg; ;zw ) VetXut-àrzzçrz/

×