“Não ao Julgamento
de Crimes de Guerra
com Leis Retroativas”
Robert Taft, 5 de Outubro de 1946
[Kenyon College, Ohio]
Contexto e orador
• Robert A. Taft (1889 - 1953), senador Americano. Republicano
conservador, de Ohio. Filho de William Ho...
Autoridade e
Credibilidade
• Estabelece-a primeiramente de forma exterior ao discurso. A
maioria apoiava estes julgamentos...
Conteúdo
Ao longo do discurso, Taft apresenta 3 principais críticas aos
julgamentos que até então ocorreram:
1.Violam o "p...
Conteúdo
Paralelamente, apresenta argumentos de autoridade e valores comuns:
1.

2.

3.

“Só poderemos ter paz no mundo qu...
Conteúdo
4.

“(…) pressionamos esses países até um extremo unicamente moderado
por considerações de interesse político e n...
Estrutura do discurso
• A estrutura de cada parágrafo é idêntica, havendo sempre uma
concordância dos argumentos. Há també...
Eficácia do discurso
• O discurso foi, em geral, mal recebido. Isto deveu-se à diferença de
valores de ambos os lados. É, ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Não ao julgamento de crimes de guerra

393 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
393
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Não ao julgamento de crimes de guerra

  1. 1. “Não ao Julgamento de Crimes de Guerra com Leis Retroativas” Robert Taft, 5 de Outubro de 1946 [Kenyon College, Ohio]
  2. 2. Contexto e orador • Robert A. Taft (1889 - 1953), senador Americano. Republicano conservador, de Ohio. Filho de William Howard Taft, 27º Presidente dos E.U.A. Exerceu a função de senador desde 1939 até à sua morte. • Após a II Guerra Mundial muitos líderes Nazis na Alemanha foram acusados como criminosos de guerra pelo TMI de Nuremberga, uma corte constituída pelos países Aliados vencedores da II Guerra. • O discurso tem como tópico a Lei e Justiça Anglo-Americana, baseando-se nestes julgamentos contra os 24 principais criminosos de guerra. (20 de Nov. de 1945 - 1 de Out. de 1946) • A intenção do discurso é a de acusar os E.U. do seu comportamento para com os vencidos, nomeadamente para com a Alemanha.
  3. 3. Autoridade e Credibilidade • Estabelece-a primeiramente de forma exterior ao discurso. A maioria apoiava estes julgamentos; Taft discursou contra os veredictos que acreditava serem um ato de vingança, comprometendo o sistema judicial dos Estados Unidos e da Europa; • Dirige-se de forma coletiva ao público; generaliza os defeitos e as faltas; • Uso de palavras, expressões, pontuação e estilo elevado (politicamente incorreto) podem levar a que o público mais sensível seja persuadido ou ter o efeito contrário; • Exemplos do passado americano, tão sensíveis ao auditório, podem criar persuasão.
  4. 4. Conteúdo Ao longo do discurso, Taft apresenta 3 principais críticas aos julgamentos que até então ocorreram: 1.Violam o "princípio fundamental do direito americano: ninguém pode ser julgado segundo uma lei ex post facto". [Artigo 1º, secção 9, Constituição dos E.U.A) 2. O julgamento dos "vencidos pelos vencedores nunca é imparcial, independentemente de ser vestido com as vestes da lei.” 3. Taft avisa que as sentenças não desencorajam a guerra agressiva, porque ninguém começa uma guerra agressiva sem a intenção de ganhar. Ex. Plano de Morgenthau Taft apresenta ideias e planos para o futuro, uma mudança. Discurso Deliberativo
  5. 5. Conteúdo Paralelamente, apresenta argumentos de autoridade e valores comuns: 1. 2. 3. “Só poderemos ter paz no mundo quando for acordada uma lei que regule as relações internacionais(…), que interprete e resolva as disputas entre nações (…).” “ Sem existência da lei e de um tribunal imparcial (…), nenhum homem pode ser verdadeiramente livre. (...). A justiça igualitária perante a lei (…) tem vindo a perder cada vez mais força ao longo dos últimos anos.” Atualmente o tribunal considera-se um “fazedor de política”, não podendo ser respeitado como um imparcial administrador da justiça”.
  6. 6. Conteúdo 4. “(…) pressionamos esses países até um extremo unicamente moderado por considerações de interesse político e não de justiça”. 5. “Toda a nossa atitude perante o mundo, um ano após o Dia V-E, incluindo o recurso à bomba atómica em Hiroxima e Nagasáqui, pareceme um desvio dos princípios do tratamento justo e equitativo que tornaram a América respeitada em todo o mundo antes da segunda Guerra Mundial.” 6. “(…) este episódio constituirá uma nódoa no cadastro americano que será lamentada durante muito tempo”.
  7. 7. Estrutura do discurso • A estrutura de cada parágrafo é idêntica, havendo sempre uma concordância dos argumentos. Há também uma repetição de conteúdo, propondo o reenquadramento do real; • Podemos considerar que a audiência era universal, tratando-se de uma universidade; • E, assim, existe um conflito de valores inevitável; • O discurso segue a divisão de Cícero em três aspetos:  Invenção;  Divisão/Disposição;  Elocução;
  8. 8. Eficácia do discurso • O discurso foi, em geral, mal recebido. Isto deveu-se à diferença de valores de ambos os lados. É, portanto, necessário analisar as duas partes da balança: o orador e a audiência. ▫ Robert Taft: a ação dos E.U.A. perante os vencidos poderia ter desencadeado um novo conflito e abalado a credibilidade judicial europeia e americana. ▫ Audiência: o desprezo por tais crimes significava também o desprezo pelos direitos e pela dignidade humana.

×