CIDADE DE DEUS                                       OUTUBRO DE 2010 - ANO I - No 01 A       NOTÍCIA POR QUEM VIVE“Um jorn...
2       A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro    de   2010EditorialPor Marília Gonçalves e Celso     dade. Além disso,...
A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro   de   2010       3Como a comunidade da Zona Oeste vem se adaptando aoconceito d...
4        A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro       de   2010            construída com apoio integral      2h da man...
A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro       de   2010            5Fazendo a cabeça com artePor: Rosalina Brito, Rita d...
6          A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro                     de   2010Meios de Comunicação Comunitáriosfortale...
A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro                     de   2010             7ge nte n ão c on he c e, m a s q ue  ...
8           A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro                     de   2010s á r i a at u a l me nt e, d e v i do ...
A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro        de   2010        9Programas que unem idosos, crianças e jovensUnindo pont...
10        A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro      de   2010                                      mente, a Casa de S...
A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro    de   2010       11A Unidade de Pronto Atendimento aten-de as necessidades da ...
12        A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro     de   2010Os jovens e a internetPor Julcinara Vilela, Maria        ...
A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro         de   2010         13Qualificação JáPor Leila Mar t iniano               ...
14        A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro          de   2010pa r te do Com itê Comu n itá-         a s i nst it ...
A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro        de   2010      15Qualificação? Aonde?Instituição       Local             ...
16       A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro        de   2010Nosso Jornal  Eu sou um papel  Que veio do céu  Que vei...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Jornal anpqv v_final_baixa

633 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
633
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal anpqv v_final_baixa

  1. 1. CIDADE DE DEUS OUTUBRO DE 2010 - ANO I - No 01 A NOTÍCIA POR QUEM VIVE“Um jornal feito pela comunidade, com a comunidade, para a comunidade.” A UPP chegou. E agora? C omo os mor a dore s e s t ão s e a d ap t a ndo a e s s e no v o modelo de p ol i c i a me nto ? Ve ja n a m até r i a de A r i a n a Ap ol i n á r io o q ue a C i d a de de D e u s e a s out r a s c omu n i d a de s “p a c i f i c a d a s” e s t ão f a z e ndo e m re s p os t a a e s s a p ol ít i c a de s e g u r a nç a pú bl i c a . Ve ja t a m b é m o q ue a s f av el a s n ão “p a c i f i c a d a s” a c h a m d a U P P. >PÁGINA 3 Qualificação Já A te mp or a d a de q u al i f i c a ç ão prof i s s ion al já c ome ç ou n a C i d a de de D eu s. S ão c u r s os de i n f or m át i c a, i nglê s, c on s t r uç ão c iv i l , tele m a rke t i ng e mu ito m a i s ! E ele s s ão a b e r- tos p a r a p e s s o a s de tod a s a s i d a de s – jo v e n s e a dultos ! Ve ja n a m até r i a de L e i l a M a r- t i n i a no q u a i s s ão a s op or t u n i d a de s e c omo v o c ê p ode s e i n s c re v e r p a r a p a r t i c ip a r. >PÁGINA 13 Solta a voz, comunidade! A c omu n i c a ç ã o c omu n it á r i a p e r m ite q ue luga re s c omo a C i d a de de D e u s de i xe m de s e r ap e n a s a s s u nto d a s not í c i a s e p a s s e a s e r t a m b é m produtor d a s s u a s própr i a s not í - c i a s. O mu ndo v i s to do p onto de v i s t a d a s c omu n i d a de s, e s s e é o obje t iv o d a c omu n i - c a ç ã o c omu n it á r i a . I n i c i at iv a s c omo o Por t al d a C i d a de de D e u s e o jor n al “A not í c i a p or q ue m v iv e“ v ê m p a r a te nt a r d a r e s s a v oz q ue a c omu n i d a de pre c i s a . >PÁGINA 6 >>>E MUITO, MUITO MAIS!!!
  2. 2. 2 A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010EditorialPor Marília Gonçalves e Celso dade. Além disso, a ideia era tem de bom na Cidade de Deus,Alexandre Souza de Alvear ter mais moradores enviando sem deixar de apresentar al- matérias para o Portal da CDD, guns problemas, mas a partir Este jornal é resultado do que é aberto a contribuições da visão dos próprios morado-curso de extensão “Análise de toda comunidade. res. Discutimos e apresentamosCrítica dos Meios de Comunica- Para esse curso, convidamos questões amplas (como a saú-ção” (que f icou conhecido na pessoas que estudam ou prati- de, a arte, os idosos, os jovens,CDD como “A Notícia por quem cam comunicação comunitária, a qualif icação prof issional etc)vive”), realizado pelo Núcleo como Claudia Santiago e Vito a partir de experiências da Ci-de Solidariedade Técnica da Gianotti (do Núcleo Piratinin- dade de Deus, pois discutir aUFRJ (SOLTEC/UFRJ) em par- ga de Comunicação), Gizele CDD é discutir o Rio de Janeiroceria com o Portal Comunitário Martins (do jornal O Cidadão, e o Brasil.da Cidade de Deus. Esse cur- do Complexo da Maré), entre Por f im, é importante des-so contou com a participação muitos outros. Assim, pude- tacar que esse jornal é o traba-de muitos moradores da CDD mos debater juntos que tipo de lho f inal do curso, em que seuse algumas pessoas de outras comunicação queríamos para alunos se juntaram em gru-comunidades e foi realizado a Cidade de Deus. Ref letimos pos e foram fazer entrevistasquinzenalmente, aos sábados, como a grande mídia (como os e matérias, a partir de temasna Cidade de Deus, na sede canais de televisão, os gran- debatidos em sala de aula. Comda ASVI, durante os meses de des jornais e revistas etc.) tem as matérias feitas, o grupo semaio a outubro de 2010. uma visão preconceituosa das juntou e revisou tudo conjun- A ideia do curso surgiu du- comunidades pobres e como tamente. Da última aula, saiurante uma reunião do Portal não conhecem realmente o que a proposta por alguns membrosComunitário da CDD (www.ci- acontece dentro dessas comuni- do grupo de continuar o jor-dadededeus.org.br), na qual as dades (e nem buscam conhecer, nal, mas, para isso, contamosinstituições presentes ressal- vindo conversar com seus mo- com todos que quiserem aju-taram a dif iculdade em fazer radores). Por isso, só noticiam dar, buscando patrocinadores,matérias para o Portal, pela as coisas ruins, a violência, os contribuindo com matérias,falta de hábito e de tempo. problemas, mas não mostram a poesias, fotos. Para entrar emAssim, pensamos em organi- superação de seus moradores, o contato conosco, procure umazar um curso aberto a todos os movimento cultural que surge das instituições que fazemmoradores da CDD (e não só aos dessas comunidades (o samba, parte do portal da CDD ou en-membros das instituições que o funk, as danças, as artes, as vie um e-mail para anoticia-participam do Portal), para poesias e muito mais), entre p orq ue mv iv e @ google g roup s.pensarmos juntos como seria tantas outras coisas boas. com.produzir comunicação pelos Dessa forma, decidimos Esperamos que vocês gos-próprios moradores da comuni- priorizar no nosso jornal o que tem do nosso jornal! EXPEDIENTE - Outubro de 2010 A notícia por quem vive Jornal do Curso de Comunicação Comunitária da Cidade de Deus Contato: anoticiaporquemvive@googlegroups.com Edição: Ana Lúcia, Ariana Apolinário, Celso Alexandre Souza de Alvear, Cilene Vieira, Dara Ban- deira, Dayse Vieira, Felipe Brum, Joana da Conceição Campos, João Carlos Souza, José Alberto, Julcinara Vilela, Landerson Soares, Leila Martiniano, Maria Angélica Ponciano, Marília Gonçalves, Mônica Rocha, Rita de Cássia, Rosalina Brito, Valéria Barbosa da Silva Revisão de textos: Marília Gonçalves, Elis de Aquino e Renata da Silva Melo; Diagramação: Alan Tygel Agradecimentos: Gizele Martins, Gustavo Barreto, Claudia Santiago, Sandra Mayrink Veiga, Pablo Laignier, Vitor Castro, Cesar Benjamin Queiroz
  3. 3. A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010 3Como a comunidade da Zona Oeste vem se adaptando aoconceito de polícia de proximidade?Por Ariana Apolinário de rua, festas juninas etc., e dimento) 24 horas, além de durante esse período de adap- uma iluminação pública me- Se em 2002 a Cidade de Deus tação era proibido”, conta. lhor, asfalto, cursos voltadasf icou conhecida mundialmente Todos os eventos que ocor- para tecnologia e educação,através das lentes do cineasta rem na comunidade precisam entre outros”, comenta.Fernando Meirelles, em 2009, a de permissão do Comandante Entre os comentários ne-comunidade na Zona Oeste do responsável, nesse caso, do Ca- gativos feitos por ambos osRio de Janeiro voltou a ganhar pitão José Luis de Medeiros. entrevistados, Márcio e Ale-destaque na mídia. xandre, o abuso de po-Ocupada por uma der é sempre o primeiroUnidade de Polícia problema a ser citado.Pacif icadora (UPP), “Alguns policiais nãoa comunidade foi a fazem bem o serviço, osegunda a receber o que acaba prejudicandomodelo que visa ex- a população. Parece quetinguir o tráf ico de eles não queriam estardrogas. Mas e para a aqui”, comenta Márcio,população, como foi um dos mais de 60 milesse período? Será habitantes que residemque eles ainda sofrem na comunidade.com a adaptação? Para o morador Onde tudo começouMárcio José Gomes,de 26 anos, nascido Assim como a Cidadee criado na Cidade de de Deus, o Santa Mar-Deus, muitas mudan- ta também faz parte doças ocorreram nes- grupo de comunidadestes quase dois anos. ocupadas pela Polícia“Existem diversos Pacif icadora. Essa, porbenef ícios a serem sinal, foi a primeira acitados quando o as- implantar o conceito desunto são as UPPs, Unidade de Policiamen-mas existe também to Pacif icador, conside-o lado negativo. No rado um novo modelo deentanto, o que mais Segurança Pública e depreocupa a popula- policiamento, visandoção é se esse modelo promover a aproximaçãorealmente vai vingar. entre a população e aSerá que os políticos Capa da Cartilha Abordagem Policial polícia.vão dar continuida- Localizada em Bota-de? ”, questiona o jovem. Para Alexandre, nem sempre a fogo, na Zona Sul da cidade, o De acordo com o presiden- autorização sai, o que preju- Santa Marta tem um importan-te da Associação dos Moradores dica os eventos da população. te papel na história das comu-da CDD, Alexandre Ferramenta, “Algumas exigências como esta nidades pacif icadas, não só porno começo foi muito dif ícil a no começo incomodam, mas de- ter sido o modelo do projeto,adaptação, mas atualmente pois vira rotina”. mas por ter moradores articu-vem melhorando. “Antes a gen- O presidente da Associação lados na defesa de seus direi-te não podia fazer nada, mas também comentou sobre alguns tos. Um exemplo disso foi aaos poucos estamos conseguin- serviços que, juntamente com produção da Cartilha Popular,do nos entender. A CDD é um a UPP, trouxeram benef ícios que tem como objetivo evitar olocal que ao longo de 30, 40 à comunidade. “Hoje temos a abuso policial. A Cartilha, queanos sempre promoveu festas UPA (Unidade de Pronto Aten- está disponível na internet, foi
  4. 4. 4 A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010 construída com apoio integral 2h da manhã. Caso passasse do nas UPPs além da possibilidade do rapper Emerson Cláudio Nas- horário permitido, os policiais de recuperar territórios perdi- cimento dos Santos, também apreenderiam o responsável e dos para o tráf ico, levar a in- conhecido como MC Fiell, mo- os equipamentos. Minutos an- clusão social à população que rador do Santa Marta e diretor tes do horário marcado, eles mora nesses locais. do curta “788”, que se passa na invadiram o local e, mesmo sem Na comunidade do Jacare- comunidade. zinho, subúrbio do “Nossa in- Rio, a realidade do tenção não tráf ico não é dife-astres oueafrontar i a é a Busca Pessoal rente. Entre os mo- S cretar radores, diversos de Seguran- deles torcem para ça do Rio de que as Unidades de Janeiro e sim Polícia Pacif icadora q u e s t i o n a r, cheguem ao local,urante o dia. i a l o g a r , d como é o caso de Fá- participar tima da Silva, que as, quebrar transfor- da mora a 55 anos naque eles(as) legado(a).mação de um favela. “Espero quemeaçar para novo com- esse modelo traga por ta mento mais tranquilidade e s entrarem da Polícia oportunidade para aor(a). NesteMilitar con- população. É preciso ial, horario, temporâ- investir em educa- nea”. ção, lazer, esporte Mesmo a etc”, salienta. cartilha ten- Fátima ainda co- do a f inali- mentou que o mé- dade de in- todo atual inibe a formar sobre população de f icar direitos de nas ruas. “Quando cada cidadão eu era pequena, as e os limites coisas eram mais fá- da atuação ceis. Hoje em dia as policial em crianças não podem situações mais brincar na rua, de revista, a violência aumen- abordagem, tou muito”. Já para c u mpr i me n- o comerciante Fábio to de manda- Borges, com a chega- dos de busca Página da Cartilha de Abordagem Policial da da UPP não só os e apreensão, habitantes poderão o próprio Mc Fiell, dois meses um mandato, desligaram os andar tranquilos pela comu- depois de a cartilha começar a aparelhos e levaram Fiell para nidade, mas os moradores das ser distribuída, foi alvo de pro- a delegacia alegando desacato. redondezas, que têm medo de blemas com policiais. “Eles me A esposa do rapper também foi frequentar o local, poderão vi- deram voz de prisão e foram me levada, sob mesma acusação. sitar o Jacarezinho sem medo. batendo desde o local onde eu “Acho que serão diversas as estava até o camburão. Eram O outro lado melhorias, tanto para o mora- mais de dez policiais”, conta. dor quanto para o comerciante. O fato ocorreu em maio deste De acordo com dados do Ins- Só tenho receio da ocupação, ano, quando o rapper promovia tituto Pereira Passos (IPP) de de pessoas inocentes que po- um baile em um bar tradicional 2008, existem 968 favelas no dem ser feridas. É preciso fa- da comunidade. Por volta das Rio de Janeiro. Assim, o Gover- zer tudo com muita cautela”, 21h, policiais avisaram que o no do Estado do Rio e a Secreta- comenta. evento só poderia durar até as ria de Segurança Pública viram
  5. 5. A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010 5Fazendo a cabeça com artePor: Rosalina Brito, Rita de é personagem de um documen-Cássia e José Alberto tário que está sendo f ilmado no Atelier de Gaia, na Colônia, Aos 3 anos, Gilmar Ferreira pelos cineastas Julio e Paulo,veio com seus pais de Campo que também moram na CidadeGrande, bairro na Zona Oeste de Deus. O f ilme vai contar ado Rio de janeiro, para morar vida e obra dos artistas inter-na Cidade de Deus, onde vive nos.até hoje. Filho de um pintor de Gilmar Ferreira já e um per-automóveis e de uma artesã, sonagem interessante por suaGilmar hoje tem 43 anos, é ca- história de vida. Além disso,sado e pai. Um dia, um amigo adora fazer trabalhos voluntá-lhe perguntou se tinha f ilhos. rios em casas de recuperaçãoeE Gilmar respondeu: “não, quem outros lugares, o que tambémtem f ilhos é a minha mulher”. vai ser contado no documen- Quando tinha 18 anos, Gil- tário. “Me sinto feliz como vo- Gilmar Ferreira, artista da CDDmar teve uma estafa de traba- luntario”, af irma o artista. Ele DVDs do grupo de funk Os Ha-lho, e sua família o internou também está participando do vaianos, também moradores dana Colônia Juliano Moreira. A projeto Cultura Portátil, junta- CDD.Colônia é um hospital psiquiá- mente com outras instituiçõestrico que existe desde 1924 em locais. O projeto está sendo re-Jacarepaguá. Lá, Gilmar teve alizado no laboratório da Far- E n d e r e ç o d o M u s e u Na c i o -a oportunidade de descobrir e manguinhos, que está prepa- n a l d e B e l a s Ar t e s : Ave n i -desenvolver sua arte, ele é pin- rando Gilmar e os outros alunos d a R i o b r a n c o, n ú m e ro 199,tor e gosta de inspirar-se nas para uma grande exposição. Cinelândia.obras de Picasso, por exemplo. Recentemente, Gilmar par-Gilmar já foi comparado com o ticipou da gravação de um dosartista plástico Bispodo Rosário, pois gos-ta de usar em sua artesucata e reciclagem.Em 1996, participou deexposição no Museu Na-cional de Belas Artes, edoou uma de suas obraspara o museu. O quadroestá exposto ate hoje.O museu f ica na Cine-lândia, centro do Riode Janeiro. Gilmar é artistaplástico do atelier te-rapêutico da colônia,onde procura resgatarsua identidade, com ou-tros artistas do local. Aarte o ajuda na supera-ção de preconceitos eno reconhecimento dafamília, que sempre lheapoiou. Em breve, o artistaestará nas telas. Issoporque Gilmar Ferreira Uma das obras de Gilmar Ferreira
  6. 6. 6 A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010Meios de Comunicação Comunitáriosfortalecendo a voz da comunidadePor D ara Bande ira , Lande r- e x i s t i r de nt ro de u m me s mo r i a s s e nte m-s e, p or v e z e s,s on Soare s, Mônic a Roc ha b a i r ro. p a s s iv os e m rel a ç ão à i n f or- “ Eu, e nq u a nto mor a dor a m a ç ão. N ão tê m op or t u n i d a- O s me ios de c omu n i c a ç ão d a c omu n i d a de, s e mpre s e n- de de de mon s t r a r u m out ro(ou m í d i a s) c omu n it á r ios t i f a lt a de u m a c omu n i c a ç ão l a do d a v e rd a de q ue é m a s -tê m u m p ap el a br a nge nte e f i c i e nte, q ue nos d iga o q ue c a r a d a p elo jor n a l i s mo. A sde nt ro d a c omu n i c a ç ão. N ão e s t á a c onte c e ndo a q u i de n- m í d i a s c omu n it á r i a s n a s c e ms ó p elo f ato de le v a re m i n- t ro. Mu it a s v e z e s, e u me s m a, c omo u m me c a n i s mo p a r af or m a ç õ e s à s p e s s o a s s obre q ue p or s e r l i de r a nç a p a r t i c i- q ue h aja u m a s i mpl i f i c a ç ãoa c omu n i d a de, m a s t a m b é m p at iv a de re u n i õ e s, s e m i n á- n a f or m a de s e c omu n i c a r.p or c r i a r u m a no v a v i s ão e r ios, n ão s e i o q ue a c onte c e. Te r u m a f e r r a me nt a p a r ai de nt i d a de p a r a os q ue nel a S ó f i c o s a b e ndo dep oi s ou n a q ue a s i n f or m a ç õ e s s e ja mmor a m. M a r i a do S o c or ro, v é s p e r a . Por i s s o, a c re d ito produ z i d a s e d iv ulga d a s p e -pre s i de nte d a A s s o c i a ç ão s e r mu ito i mp or t a nte q ue a s l a s c omu n i d a de s é u m f atorS e me nte d a V i d a d a C i d a de p e s s o a s tome m c on he c i me n- rele v a nte. É o q ue a c re d it ade D e u s (A S V I ) , de s t a c a a to d a s at iv i d a de s, p a r a q ue o e s t ud a nte de M a rke t i ng,i mp or t â nc i a de u m a c omu- p os s a m le v a r p a r a out r a s mor a dor d a C i d a de de D e u s,n i c a ç ão i nte r n a e f i c i e nte e p e s s o a s e s s a s i n f or m a ç õ e s”, R e n ato Ga rdel .de proje tos q ue f or t ale ç a m a f i r m a a c oorde n a dor a do R e n ato a f i r m a q ue “é i m-a v oz d a c omu n i d a de. S o c or- proje to q ue te m m a i s de oito p or t a nte p a r a a c omu n i d a-ro, q ue é ps i c óloga, re f orç a a nos de at iv i d a de n a C i d a de de mos t r a r a s u a v oz, e s s a éa p os s i b i l i d a de de i nte g r a r de D e u s. u m a d a s f or m a s de mos t r a rtodos os nú cle os q ue p os s a m O s mor a dore s d a s p e r i f e - a s c oi s a s b o a s q ue mu it aPortal Comunitário da Cidade de Deus: www.cidadededeus.org.br
  7. 7. A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010 7ge nte n ão c on he c e, m a s q ue t udo a q u i lo q ue p os s a s e r de m a r a nos s a i de nt i d a de lo c a l ,e x i s te m de nt ro d a c omu n i- i nte re s s e c omu m a u m a ou- a nos s a i de nt i d a de c i d a d ã, ed a de. É a f or m a le g ít i m a de t r a p e s s o a . Ga n h a m, t a m- d a í nos re c on he c e mos c omoe x pre s s ão e de f or m a ç ão de b é m, s u b s í d i os p a r a re f le t i r p e s s o a s ig u a i s, q ue s of re mi de nt i d a de, a lé m de s e r u m s obre o q ue s e te m de nt ro e p a s s a m p elos me s mos pro -ót i mo e xe rc í c io d a c i d a d a- d a c omu n i d a de. A lé m d i s s o, ble m a s e s it u a ç õ e s. Da í lu-n i a”. tê m a op or t u n i d a de de f a z e r t a re mos ju ntos p or u m out ro A q uele s q ue i nte g r a m e o própr i o e s t i lo de c omu n i- mu ndo, p or u m mu ndo q uep a r t i c ip a m de m í d i a s c omu- c a ç ão. É o q ue a f i r m a G i z ele de f ato nos s i r v a . A c re d iton it á r i a s ga n h a m u m a v i s ão M a r t i n s, e d itor a do jor n a l ‘ O n a c omu n i c a ç ão c omo f or m am a i s c r ít i c a do mu ndo at u- C i d a d ão’, produ z i do n a f av e - de mud a nç a s o c i a l , p orq uea l , pr i nc ip al me nte q u a ndo l a d a M a ré, R i o de Ja ne i ro, é p or me i o del a q ue o p o v os e t r at a dos me ios de c omu- h á 11 a nos. p ode s olt a r a s u a v oz e d i z e r :n i c a ç ão de m a s s a . P a s s a m G i z ele d i z : “Jor n al C omu- Eu q ue ro mud a r, e u q ue ro osa n ão a c e it a r c omo v e rd a de n it á r io s e f a z c om o q ue v e m me u s d i re itos ga r a nt i dos ! ”.t udo q ue é p aut a do e d i s c u- d a al m a, c om o q ue v e m de A produ ç ão de i n f or m a-t i do n a tele v i s ão, no r á d io e de nt ro, dos s e nt i me ntos, d a ç ão e c onte údo at r a v é s d anos jor n a i s. Ga n h a m v ont a de v i d a, do d i a a d i a de u m a f a- i nte r ne t t a m b é m é a lgo q uede reprodu z i r, p el a v iv ê nc i a, v el a . E le nos ajud a a rea f i r- s e f a z e x t re m a me nte ne c e s - Meios de comunicação comunitária ou alternativa na internet Portal Comunitário da Cidade de Deus - www.cidadededeus.org.br Revista Consciencia.net – www.consciencia.net Blog do Jornal O Cidadão – www.ocidadaoonline.blogspot.com Núcleo Piratininga de Comunicação – www.piratininga.org.br Observatório de Favelas – www.noticiaseanalises.org.br Rádio Santa Marta – www.radiosantamarta.com.br Blog Vozes das Comunidades – www.vozesdascomunidades.blogspot.com Viva Favela – www.vivafavela.com.br
  8. 8. 8 A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010s á r i a at u a l me nt e, d e v i do a o s i m a s f a m í l i a s q u e re p re - c a n i s mo s mu it o m a i s d i re t o sf at o d e a l g u n s me i o s d e c o - s e nt a m, p or v e z e s, ap e n a s no rel a c i on a m e nt o e nt re a smu n i c a ç ã o s of re re m u m mo - o s p róp r i o s i nt e re s s e s . E m p e s s o a s . E l a s p e r m it e m s e g -nop ól i o s e m i g u a l . É o c a s o, c ont r a-p a r t i d a , orga n i z a - m e nt a ç ã o e p e r s on a l i z a ç ã o,p or e x e mpl o, do s c a n a i s d e ç õ e s p op u l a re s c om m i l h a re s p o d e n d o s e g u i r o s p a d rõ e st el e v i s ã o, q u e ne c e s s it a m d e me m b ro s, a s s o c i a ç õ e s d e c r i a d o s p el o s p róp r i o s a d m i-d e c onc e s s õ e s p ú bl i c a s p a r a t r a b a l h a d ore s, e s t u d a nt e s, n i s t r a d ore s . Tu d o i s s o c omi re m a o a r, i s t o é, é p re c i- b a i r ro s e “a f i n s ”, n ã o t ê m u m c u s t o mu it o m a i s b a i x os o u m a aut or i z a ç ã o ju d i- d i re it o a t r a n s m it i re m a o do que as m íd ias trad icio-c i a l p a r a t e r o dom í n i o d e re s t a nt e d a p op u l a ç ã o u m a n a i s ( T V, r á d i o e jor n a l) .u m d e t e r m i n a do e s p a ç o n a op i n i ã o s ob re d e t e r m i n a d o s Acessíveis a grande par teT V. No c a s o do B r a s i l , o q u e a s s u nt o s . d a s p e s s o a s, n ã o h á mo t i v o sa g r a v a m a i s e s s e monop ól i o A s no v a s m í d i a s, e s p e - p a r a n ã o p a r t i c ip a r e c ol a -é o f at o d e a s c onc e s s õ e s e s - c i a l me nt e o s p or t a i s, bl o g s b or a r d e nt ro d a s p róp r i a st a re m n a s m ã o s d e p ou q u í s - e a s re d e s s o c i a i s, c r i a m m e - p o s s i b i l i d a d e s e l i m it a ç õ e s .Cidade de Deus mostra a sua caraPor Mônica Rocha tence à área de Jacare- de infor mação nos coloca paguá, que completou no em rede. Ev ita om issão Com o Por tal Comun i- últ imo d ia 9 de setem- dos poderes públ icos outár io da Cidade de Deus b r o 416 a n o s . P a r a b é n s nos faz sent ir menos semnasce o curso de for ma- ao ba ir ro que nos br inda voz e vez. Os sof t waresção de comun icadores com constr uções h istór i- l iv res nos trazem opçãopopul a res pel a U F R J. A cas! A casa do Engenho d e i n c l u s ã o n a i n f o r-fala do cidadão da ci- D ’á g u a , q u e f i c a d e b a i x o m aç ão. Na m ão de pou-dade de Deus conqu ista da l inha amarela, na en- cos com a concessão dema i s espaço nos jor na i s, t r a d a d a C D D, p o r e x e m - T V, r á d i o s , a i n f o r m a ç ã oT V, r á d i o . A n o t í c i a p o r plo. Aq u i mor a m t r a ba- acaba i mpondo u ma co-quem v ive : opinião de mun icação que só ser vequem é o foco da not ícia. Graças às novas aos poucos dos poderesM a i s de 15 orga n i z ações mídias, essas econôm icos.socia is estão unidas no O Estado dever ia darPor tal somando força. A pessoas, e nós, opor tunidade de acessofala cidadã em sol idar ie- podemos parti- da produção de infor ma-dade. ção nos meios de jor na i s, C idade de Deu s sempre cipar da comuni- rád ios, e T V como for mafoi a nunc iada como v io- cação solidária. d e i n c l u s ã o s o c i a l . O j o r-lenta. Quem ganha com nal A Not ícia por Quemisso? Qual a consequên- l hadores, estuda ntes, V iv e, no f i n al do c u rsocia dessas matér ias que homens de bem que não promov ido pelo SOLT ECc r i a m o ter ror? C id ade são not ícia, mas que têm U F R J, c o m a p o i o d a A S V Ide Deu s n a sceu de f al- orgul ho de ser brasilei- e do Por tal Comun itár iota de pol ít ica s públ ica s, ro. da Cidade de Deus, vemremoç ão. S ão m a i s de 30 Graças às novas mí- colaborar para que estaanos de om issão com as d ia s, essa s pessoa s, e comun idadecomun idades ! nós, podemos pa r t ic ipa r Cidade de Deus local i- da comun icação sol idá- Mostre a sua Cara !z a - s e n a z o n a o e s t e , p e r- r ia. O acesso à produção
  9. 9. A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010 9Programas que unem idosos, crianças e jovensUnindo pontas na linha da vidaPor Valéria Barbosa da Silva, desenvolv idos : o Centro de 2010, todas as cr ianças e al-Felipe Brum, Joana da Con- Conv ivência para 75 idosos; e guns idosos da Casa Emil ienceição Campos a creche, onde são atendidas L acay/Cr uzada do Menor par- 150 cr ianças. Cada uma delas t iciparam do desf ile cív ico O que dir ia Braguinha, Noel real iza at iv idades especif icas, na Cidade de Deus junto comRosa, Monteiro Lobato, P ixin- com conteúdos e t ipo de aten- a creche do Centro Integradoguinha, Candeia ou Vinícius dimento adequados a cada fa i- São José, o Espaço de Educaçãode Moraes, se soubessem que xa de idade. Infant il da Cidade de Deus ehá um lugar na Cidade de Deus A grande descober ta nes- a Pol icia Mil itar. O evento foionde idosos repassam para as te programa surgiu da apro- organizado pela Região Admi-cr ianças diar iamente as suas ximação natural dos idosos e nistrat iva (R.A.) e as crechesobras? Que, juntos, jogam ca- cr ianças proporcionada pelo que atendem as cr ianças dapoeira, br incam de roda, con- espaço f ísico. A par tir des- Cidade de Deus.tam histór ias e cantam em um te encontro diár io foi sendo Jandira Tavares, 84 anos,coral? Exis- é moradora doste um lugar apa r ta mentos,onde a me- na Cidade demór ia oral Deus, desdeestá sendo que foi remo-repassada, v ida da I lhaonde a cultu- das Dragas. Aora encontra perguntarmosem persona- para ela comol idades bra- se sente par ti-sileiras o ca- cipando de umminho para programa queunir idosos e atende cr ian-cr ianças em ças e idosos,um mesmo ela faz pose deespaço. Um ba ilar ina e res-lugar onde ponde sorr indo.os prof issio- Desfile cívico na CDD, no dia 3 de setembro de 2010 “A minha ma iorna is e as fa- fel icidade é es-míl ias aprendem cada dia um traçada uma nova forma de tar nesta casa. Aqui eu contopouco sobre os grandes ar tis- perceber o valor da relação de histór ias, ensino as cr ianças atas de nosso pa ís e par ticipam car inho e respeito, levando os dançarem, canto, danço e f icode uma apresentação mensal prof issiona is a desper tarem o em paz. Eu sempre dei aulaonde o ar tista pr incipal é o olhar para a união das fa i xas para as cr ianças da Igreja Pa iidoso e a cr iança. etár ias em at iv idades conjun- Eterno São José. Sempre gos- Eles perguntar iam onde tas. tei de teatro e de dançar. Aquif ica este lugar com toda a Idosos e cr ianças passam o eu faço tudo isto e a inda te-cer teza. Este lugar é a Casa dia na Emil ien L acay, onde fa- nho o car inho de todos. Eu meEmil ien L acay, um dos progra- zem quatro refeições por dia, real izo e cont inuo a ensinarmas da Cr uzada do Menor, f ica têm atendimento social e pe- as cr ianças. A Casa Emil ienna Rua Edgard Werneck, 420. dagógico, além de acompanha- L acay é a minha 2ª casa e elesTodos os f uncionár ios e 90 % mento à saúde. A par t ir desta são os meus netos”.das pessoas atendidas na Casa união, o respeito, o amor e o E não para por a í, os idososmoram na Cidade de Deus. Há repasse cultural se for tale- da Casa Emil ien L acay também20 anos, a Casa Emil ien L acay cem. Isso nos leva a perceber par t icipam do projeto Multi-vem colaborando para o de- o quanto é necessár io aproxi- pl icadores da Alegr ia, levandosenvolv imento das famíl ias mar os idosos da CDD aos seus amor, respeito e sol idar iedadeda comunidade da Cidade de netos e f ilhos. a idosos dos asilos no estadoDeus. L á, dois programas são No dia 3 de setembro de do R io de Janeiro, por meio
  10. 10. 10 A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010 mente, a Casa de Santana tem tantos atr ibutos adormecidos um coral de idosos e cr ianças, nos idosos da Cidade de Deus, além de aulas de dança para é hora de desper tar todo o jovens onde os idosos par t i- conhecimento adormecido e cipam interagindo como pla- dar opor tunidade às cr ianças teia. e jovens da comunidade de A Casa invest iu também aprenderem com seus avós e na saúde dos idosos. Os que v izinhos o valor do envelhe- chegam doentes são tratados cer com saúde, dignidade, ca- na Casa de Geralda por uma r inho da famíl ia e reconheci- equipe de f isioterapeutas, en- mento do contexto. fermeiros e assistente social. A comunidade ganhará com Assim que melhoram, passam está proposta, a cultura será a integrar as at iv idades cultu- repassada, preser vando o co- ra is da inst ituição. nhecimento e favorecendo a Segundo a assistente social autoest ima do idoso. Assim jáD. Jandira Tavares, moradora da CDD e coordenadora geral da Casa vem fazendo a Casa Emil ien de Santana edas ar tes cênicas e musica is. Casa de Geral-O retorno é a real ização pes- da, senhora Ma-soal e o orgulho da equipe l i- r ia de Lourdesderada pela Assistente Social Braz, o Conse-e Coordenadora do programa, lho EstadualMárcia Bogéa Jul iani. do idoso está estudando aOutra experiência : Casa de implantação deSantana um Centro de Referência para Encontramos o mesmo em- o idoso na Cida-penho intergeracional na Casa de de Deus.de Santa Ana, que também já A CDD temestá beirando os 20 anos de uma exten-atendimento no Centro de Con- são terr itor ialv ivência de idosos, local izado que apenas umna travessa Déboran° 07. A Centro de Con-coordenação da Casa percebeu v ivência nãoque a união das fa ixas etár ias absor ver ia adever ia ser explorada em seu demanda da po-programa. Quando hav ia even- pulação idosatos para os idosos, os netos e da comunidade.parentes quer iam par ticipar. É impor tante aCom isso, a equipe começou a cr iação de ma isconv idar os famil iares para os espaços onde oencontros e passeios, for tale- idoso possa de-cendo os v ínculos da famíl ia. senvolver toda Idosos da Casa Emilien Lacay Mesmo assim, as cr ianças a sua cr iat iv i-e jovens não se interessavam dade, repassar conhecimen- L acay (Cr uzada do Menor) e apor par ticipar das ativ idades tos cultura is e v ivenciar toda Casa de Santana. Há equipesjunto aos seus avós. A estra- energia em prol da sua qua- mult iprof issiona is envolv idastégia foi conv idar um gr upo l idade de v ida. O espaço será na promoção da qual idade dede fora, o Af roReggae, para ma is valoroso se forem apro- v ida do idoso e no investi-se juntar aos idosos da Casa veitados os talentos loca is e mento dos v ínculos cultura isde Santana, o que deu muito favorecido o repasse cultural. das gerações. A Cidade decer to. Ao perceberem outros Há costureiras, alfa iates, Deus espera que outras expe-jovens atuando com os idosos, bordadeiras, cozinheiras, pin- r iências deste t ipo cheguem àa barreira foi vencida. Atual- toras, poetas, cantoras, entre comunidade.
  11. 11. A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010 11A Unidade de Pronto Atendimento aten-de as necessidades da Cidade de Deus?Por Dayse Vieira, João Carlos pois raramente se encontraSouza e Cilene Vieira quando procura atendimento. A comunidade se pergunta: será que essa unidade foi mon- tada às pressas devido ao fato de que 2010 é um ano eleito- cada com o acontecido, e saído ral? então da unidade sem receber Prestem atenção na história o atendimento. de descaso sofrido por uma mo- Este descaso deve ser in- radora da Cidade de Deus. Ela vestigado pelos órgãos compe- relatou que, no dia 21 de julho tentes, por ser uma situaçãoLula brincando de médico com Cabral deste ano, estando com muita onde imperou a falta de ética No dia 31 de maio de 2010 febre e tosse, procurou o aten- deste médico. Esse prof issionala Cidade de Deus recebeu um dimento na UPA Cidade de Deus precisa entender que o aten-posto da Unidade de Pronto pela manhã. Como estava tos- dimento público de saúde nãoAtendimento (UPA), para aten- é gratuito, e sim pago pelosder a própria comunidade e o Será que essa unida- impostos da população. Logo,entorno. Foi uma obra muito exigimos que o direito à saúde de foi montada às pres-rápida, com duração de apro- seja respeitado, independente sas devido ao fato de que de classe social que esta popu-ximadamente 120 dias. Para 2010 é um ano eleitoral?surpresa da população, esta lação faça parte.unidade está instalada no ter-reno do CIEP João Batista dos sindo muito, a enfermeira lheSantos. Isso signif ica que, pro- deu uma máscara, para aguar- Atenção usuários dos hos-vavelmente, os governantes dar o atendimento. Chegando pitais públicos e particula-das instâncias responsáveis, a sua vez, ela caminhou em res, caso passem pela situa-bem como a Secretaria de Saú- direção ao consultório, quan- ção citada acima, procuremde, não pensaram no risco das do o médico de repente gritou: imediatamente o Serviçocrianças e jovens que estudam “tirem essa mulher daqui, por- Social do hospital e relateneste CIEP serem infectados. O que ela está com tuberculose e o que aconteceu, ou liguecontato direto entre os doentes precisa ir para o Hospital Santa para 190, chame a Polícia ee os alunos aumenta em muito Maria”. A paciente diz ter f ica-o risco de proliferação de do- do muito constrangida e deslo- denuncie!enças. Alémdisso, háconsta n-tes recla-maçõesdos usuá-rios devi-do à faltade prof is-sionaisespecia-lizados(Pedia-tra, Orto-pedista,Cardio-logi sta), A UPA da Cidade de Deus
  12. 12. 12 A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010Os jovens e a internetPor Julcinara Vilela, Maria vídeos diferentes e me comu- violentos, por exemplo. Jane,Angélica Ponciano e Ana Lú- nicar com meus amigos distan- porém, não acredita que istocia tes”. inibe a presença do jovem, que Somente 10% af irma usar a frequenta o lugar como forma O Brasil é o 5º país do mun- internet para os trabalhos es- também de se relacionar so-do com o maior numero de co- colares. A frequência de uso é cialmente. Ela diz que “a maio-nexões à Internet. Vivem no diária e em alguns casos exa- ria dos jovens quer ser popularBrasil metade dos internautas gerada. A maioria tem compu- entre os amigos”.da América Latina, ou seja, pa- tador em casa, mas usam Lan Para a pedagoga Márcia Fei-íses como Argentina e México House por no mínimo uma hora tosa, que mora e trabalha nanão somam juntos a quantida- por dia. Ainda segundo a pes- Cidade de Deus, a internet podede de internautas que existem quisa, o uso da internet corres- contribuir muito com a educa-no Brasil. Aqui, 44% da popula- ponde ao que eles procuram, ou ção, desde que utilizada de ma-ção está conectada á internet, seja, eles se sentem satisfeitos neira correta. Márcia acreditanas áreas urbanas. Além disso, com a web. Contudo, uma mi- que é preciso orientar o estu-97% das empresas e 23% dos noria diz que nem sempre en- dante para fazer a pesquisa nadomicílios brasileiros estão co- contra o que procura. internet. Para isso, ela vê comonectados. Segundo Alexandre importante o papel da família.Sanches Magalhães, gerente de A pedagoga af irma o seguinte:análise do Ibope/NetRating, “a “Vivemos no mundo moderno,entrada da classe C para o clube onde a tecnologia invade os la-dos internautas deve continuar res sem pedir licença, e muitasa manter esse mesmo compasso vezes os pais de famílias nemforte de aumento no número de dão conta do que acontece comusuários residenciais”1. seus f ilhos. Os pais acham que Atualmente, de acordo com os f ilhos estão se distraindo,pesquisa feita com jovens da mas muitas vezes essas crian-Cidade de Deus, a maioria de- ças estão f icando além da con-les usa a internet para navegar ta na internet, assim deixamem redes de bate papo, fazer Crianças em atividades realizadas suas atividades escolares empesquisar escolares, ver vídeos na ASVI no início de 2010 último plano”.e ouvir músicas. Foram entre- Quando o assunto é a neces-vistados jovens de 12 a 16 anos O que dizem especialistas sidade de se limitar o tempo dodo Projeto, na Cidade de Deus, jovem na internet, Márcia af ir-no mês de agosto. Na Cidade Para certif icar esse aces- ma: “Dentro de uma visão pe-de Deus, segundo pesquisa do so dos jovens, buscamos mais dagógica, não vejo necessidadeIBGE, mais da metade (53,5%) clareza com um prof issional de se limitar tempo para umada população é jovem. da área, que é a educadora co- atividade, pois o tempo vai de- A pesquisa identif icou que munitária de informática do pender da atividade em questão90% dos entrevistados nave- Comitê de Democratização da e isso vai variar. Agora, dentrogam na internet e acessam re- Informática, Jane Gomes dos de uma visão de diversão e dis-des de bate papo como o Orkut Santos. O CDI é uma Organi- tração, aí sim é preciso que see MSN, além de sites como Goo- zação Não Governamental que limite um tempo. Para tanto,gle, Vagalume, blogs e Youtu- trabalha com inclusão digital cabe à família e responsáveisbe. Os jovens mostraram gostar na América Latina. No Rio de delimitar o tempo para seusde se divertir com os amigos Janeiro, o Comitê está presente f ilhos, caso contrário, torna-internautas – eles trocam fo- em muitas favelas, trabalhan- se um vício e isso será muitotos e informações, bem como do com inclusão tecnológica prejudicial no desenvolvimen-encontram novos amigos na cidadã dos moradores. to escolar”.internet. Alguns deles prefe- No laboratório de compu- 1rem “conhecer o mundo e saber tadores do CDI na Cidade de Entrev ista publ icada no site To Be Gua- rany (w w w.tobeguarany.com). Lá, vocêsobre o que acontece no país”. Deus, não é permitido acessar encontra outras informações sobre inter-Um deles af irma: “Gosto de ver alguns conteúdos – como jogos net no Brasil.
  13. 13. A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010 13Qualificação JáPor Leila Mar t iniano estuda, trabal ha e se esforça for mação prof i ssional bá si- por uma v ida mel hor. ca, leva ndo-se em conta a A temporada de qual if i- “Mu ita gente que acor- vocação e a real idade da re-cação prof issional está aber- dou pra v ida agora está sem gião onde está situado. Sãota, na Cidade de Deus. Vá r ia s prof issão e necessita de ca- cursos na á rea de Comérc io,i nst itu ições e ent idades es- pac itação prof i ssional, t ive Hotela r ia, Adm i n i stração,tão trabal ha ndo em nome de que conversa r com d i retores Infor mát ica, Constr ução Ci-um só objet ivo : a qual if ica- dos cursos pa ra que acaba s- v il e Id ioma s. Matér ia s comoção prof issional de jovens e sem com o l i m ite má x i mo de Ét ica prof i ssional, Segura nçaadultos da região. A mobil i- idade, e consegu i, graça s a do trabal ho e Meio a mbientezação não v isa só ao lado pro- Deus”, af i r ma Rosal i na Br ito, estão na progra mação. Ót i maf i ssional, mas ao resgate da moradora da Cidade de Deus e opor tun idade pa ra a c ida-c idadan ia, ação cultural e i n- aluna do curso de comun ica- de do R io de Ja nei ro, que seclusão d igital. Com a crescen- ção comun itá r ia que or igi nou prepa ra pa ra a Copa de 2014 ete dema nda de prof issiona is este jronal. Rosal i na, após a s Ol i mpíada s de 2016, qua n-cada vez ma is qual if icados em a nos de dependênc ia qu í m i- do será gra nde a procura pord iversos setores, a Cidade de ca, deu a volta por c i ma. Faz prof i ssiona i s nessa s e em ou-Deus se tor nou um leque de vá r ios cursos, é graf itei ra, tra s á rea s. O morador da Ci-opções não só pa ra quem pre- desenh i sta, atua em ser v iços dade de Deus não pode perdertende in ic ia r no mercado de soc ia is na comun idade, sonha esta cha nce de estuda r bemtrabal ho, mas pa ra quem bus- estuda r Bela s A r tes, e bata- per to de ca sa !ca uma mel hor capac itação. l ha pa ra consegu i r publ ica r O Centro de Referênc ia da A pr inc ípio, a ma ior ia dos seu l iv ro. Fel izmente, agora Juventude (CR J) é uma açãocursos era voltada pa ra os i ntegrada da Secreta r ia dema i s jovens, mas a consta nte “...poder dizer em A ssi stênc ia soc ial e Di reitosprocura por vagas entre pes- Huma nos e vá r ia s pa rcer ia s.soas ac ima de 25 a nos mostrou alto e bom som que “É feita uma pesqu i sa pa rauma real idade bem d iferente na Cidade de Deus se def i n i r possívei s á rea s deda esperada pelas ent idades : tem gente de bem, atuação no mercado de traba-o desinteresse dos ma is jovens l ho nos ba i r ros do entor no da que estuda, traba-e o esforço pa ra estuda r en- comun idade onde está situa-tre os ma is vel hos. “No in íc io lha e se esforça por do o Centro”, revela a coor-nosso trabal ho ser ia voltado uma vida melhor.” denadora Ad i néia Magal hães.pa ra os jovens, mas éra mos No caso da Cidade de de Deus,procurados por pessoa s de to- onde há a prox i m idade dada s as idades e até de fora da os cursos são oferec idos pa ra Ba r ra da T ijuca, de shopi n-comun idade. T ivemos que nos pessoas na fa i xa de 14 ou 16 gs, hotéi s, salões de belez a,adapta r a esta real idade”, d iz a nos em d ia nte. São opor tu- restaura ntes e escr itór ios,L audel ina Fer reira, integra n- n idades na s ma i s d iversa s os cursos prof i ssional iz a nteste do Com itê Comun itá r io da á reas e o pr i nc ipal objet ivo é são na á rea de Adm i n i stração,Cidade de Deus. for ma r prof issiona is capac ita- Belez a, Hotela r ia e Infor má- Talvez ter f icado ta ntos dos pa ra trabal ha rem de acor- t ica. Como complemento, háa nos no esquec imento, com a do com a dema nda da região aula s de por tuguês, matemá-imagem de um luga r a ser ev i- e oferecer a eles or ientação t ica e c idada n ia, onde o alu-tado, tenha incut ido nos jo- prof issional, ét ica e c idadã. no aprende como se compor-vens daqu i uma falta de pers- Com o apoio do M i n i stér io ta r no a mbiente de trabal ho epec t iva de f uturo, e tenha da Ciênc ia e Tecnologia, os até em uma entrev i sta de em-reforçado nos ma is vel hos a Centros Vocac iona is Tecno- prego. São oferec ida s ta mbémvontade de muda r, de se fazer lógicos (C V Ts) são un idades outra s at iv idades como aula sex i st ir dentro de sua comun i- de ensi no prof i ssional iz a nte de música, da nça, espor tes,dade, de poder d izer em alto que estão d i rec ionados pa ra cultura e alguns ser v iços.e bom som que na Cidade de a capac itação tecnológica da Na Agênc ia de Desenvolv i-Deus tem gente de bem, que população. Os C V Ts oferecem mento L ocal, núcleo que faz
  14. 14. 14 A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010pa r te do Com itê Comu n itá- a s i nst it u ições loca i s, que vez ma i s benef íc ios pa ra elesr io d a C idade de Deu s (gr upo ajuda a tor na r v i ável proje- mesmos”.for mado por d iversa s i nst i- tos que podem acontecer em A comu n idade, hoje comt u ições que at u a m na comu- nossa comu n id ade”, ex pl ica qu a se 70 m il ha bita ntes, temn id ade), ta mbém ex i stem L audel i na Fer rei ra, que de- u m gra nde potenc i al em d i-i nú mera s opor t u n idades de d ica hora s de t ra bal ho pa ra versos segmentos, e i nvest i rqu al i f icação. É poss ível est u- o f u nc iona mento d a Agênc i a. aqu i pode t ra z er u m retor noda r grat u ita mente no SE NA I, “Qu a nto ma ior for a proc u ra e prom i ssor não só em nossoou f a zer pa r te de projetos do a per ma nênc i a até o f i nal do ba i r ro, ma s pa ra nossa c id a-SESI e SESC. São c u rsos na c u rso, ma i s cha nces nós te- de. Ações como a s d a Agênc i aá rea de elét r ica, automot i- mos de consegu i r nova s pa r- de Desenvolv i mento L ocal, dova, mecâ n ica, i nfor mát ica e cer i a s. Posso chega r em u ma C V T, do CR J e vá r i a s out ra sconst r ução c iv il. A Agênc i a reu n i ão e d i z er: -Ol ha aqu i i nst it u ições que i nvestem napromove ações de c idada n i a, qu a ntos se qu al i f ica ra m este ta ref a de qu al i f ica r e resgata ri nclu são d igital, fór u ns pa ra a no, temos que au menta r a s o morador d a C id ade de Deu sdebates e eventos c ult u ra i s. vaga s pa ra o a no que vem ! A podem ser o pontapé i n ic i al“É u ma i n ic i at iva pionei ra, at it ude do morador d aqu i é pa ra o desejo de t ra nsfor ma-u ma agênc i a pa ra u n i f ica r que va i ajud a r a t ra z er cad a ção de quem v ive aqu i. FIQUE ATENTO! O CRJ oferece vários Ponto de Orientação ao serviços como: Trabalho - POT SETRAB -Secretaria do Trabalho A Agência de Desenvolvimento Local -Carteira de Trabalho fornece oportunidades de emprego. -Seguro-Desemprego Cadastre-se: -Agência de Empregos Fundação Leão XIII - Banco de Currículos -Ações de cidadania - Oferta e demanda de emprego -Execução de diferentes ações sociais SEGOV -Fiscalização das instituições do Estado - Cursos profissionalizantes - Cadastro em banco de talentos SEBRAE - Encaminhamento ao mercado de trabalho - Orientação e legalização de empresas - Isenção de certidões - Funeral pela Santa Casa Local: Rua Edgard Werneck, 1656 Tel.: 2443-1626 / 34135-234 Endereço: Rua José de Arimatéia, 80, ao lado da Associação dos Moradores. E-mail: potcdd@gmail.com
  15. 15. A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010 15Qualificação? Aonde?Instituição Local Datas CursosCVT - Centro de Rua Edgard Werneck, Inscrições abertas de 27/09 Aux. de cozinhaValorização Tec- 1615 a 26/10/10 Aux. de restaurantenológica Fone 1: 2333-6610 Camareira Fone 2: 2333-6609 Início das aulas previsto Barmam para o dia 3/11/10 Copeiro Rotina de dep. pessoal Recepcionista Telemarketing Promotor de vendas Mont./man. de micros Enc. Bombeiro hidráulico Eletrecista predial Ladrilheiro Pedreiro Pintor Carpinteiro de forma Apontador de obrasCRJ José de Arimatéia, 80 Inscrições previstas para Assist. de cabeleireiroCentro de Refe- 2333-6598 novembro Maquiagemrência da juven- Manicure e pedicuretude Início das aulas no primei- Assist. de cozinha ro semestre de 2011 (Feve- Assist. administrativo reiro) Informática básica Web designAgência de De- Rua Edgard Werneck, Inscrições abertas para Pedreiro estucador e ladrilheirosenvolvimento 1656 cursos de qualificação do Pintor de alvenariaLocal 2443-1626 SESI-RJ Informática básica Inscrições previstas para o Eletro-automotiva SENAI-RJ no primeiro se- Mec. de manut. de motores mestre de 2011 Eletrecista predial Eletrecista de manut. industral* * A demanda de cursos oferecida pelo SENAI pode ser diferente em 2011, informe-se na agência
  16. 16. 16 A Not íci A Por Qu em Vi V e | ou t u bro de 2010Nosso Jornal Eu sou um papel Que veio do céu Que veio de uma árvore Que virou tábua Que virou folha Que virou jornal As palavras vão surgindo Nas folhas brancas Os comunicadores As notícias divulgando Saúde, escola, trabalho Cultura e até com Uma charge bem legal Assim nasceu nosso jornal A notícia por quem vive Escrito por quem vêRosalina BritoPoesia feita em homenagem ao primeiro jornalde lutas comunitárias da CDD Os editores do Jornal “A notícia por quem vive“ JORNAL A NOTÍCIA POR QUEM VIVERealização SOLTEC/UFRJ Portal Comunitário da CDD Financiamento e Certificados Local de realização UFRJ Decania do CT Pró-Reitoria de Extensão ASVI

×