Vírus

20.549 visualizações

Publicada em

Vírus

Publicada em: Educação
2 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.549
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
100
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
99
Comentários
2
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vírus

  1. 1. Escola Básica e Secundária de Canelas Área de Projecto Tecnologias de Informação e Comunicação
  2. 2. <ul><li>Segurança na Internet e nos Computadores </li></ul><ul><li>Vírus </li></ul><ul><li>Professora: Liliana Monteiro </li></ul><ul><li>Alunos: Ronaldo Barbosa n.º16 8ºC Pedro Henriques n.º14 8ºC </li></ul><ul><li>Data: 4 Dezembro 2008 </li></ul>
  3. 3. Índice <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>Vírus </li></ul><ul><li>Conclusão </li></ul><ul><li>Bibliografia </li></ul>
  4. 4. Introdução <ul><li>O nosso trabalho é sobre vírus. Falamos da sua historia, dos tipos de vírus e dos seus possíveis danos. Ainda pesquisamos as assinaturas e nomenclaturas dos vírus. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Um vírus de computador é que um programa ou instrução de máquina que visa prejudicar o próprio usuário ou a terceiros. </li></ul><ul><li>A maioria das contaminações ocorrem pela acção do usuário executando o arquivo infectado recebido como um anexo de um e-mail. Ainda existem alguns tipos de vírus que permanecem ocultos em determinadas horas, entrando em execução em horas especificas. </li></ul>Vírus
  6. 6. <ul><li>Possíveis danos: </li></ul><ul><li>Perda de desempenho do micro; </li></ul><ul><li>Exclusão de arquivos; </li></ul><ul><li>Alteração de dados; </li></ul><ul><li>Acesso a informações confidenciais por pessoas não </li></ul><ul><li>autorizadas; </li></ul><ul><li>Perda de desempenho da rede (local e Internet); </li></ul><ul><li>Monitoramento de utilização (espiões). </li></ul><ul><li>Mantenha seu Sistema Operacional sempre actualizado. Instale no mínimo o Service Pac 2 e no caso do Windows Vista, o Service Pack 1. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Nomenclatura dos vírus </li></ul><ul><li>Ainda não existe uma padronização na escolha do nome de um vírus. Um mesmo vírus recebe diferentes nomes das várias firmas de antivírus. A Symantec apresenta um pequeno glossário onde ela se baseia para dar nome a um determinado vírus. </li></ul><ul><li>Assinaturas dos vírus </li></ul><ul><li>As assinaturas dos vírus são uma sequência de caracteres que o representa. É através desta sequência que os antivírus identificam os arquivos contaminados, pois na maioria dos casos os vírus passam uma parte de seu código para os arquivos ao contaminá-los. As assinaturas são definidas pelas empresas desenvolvedoras de antivírus com o objectivo de: </li></ul><ul><li>evitar os falso-positivos (quando um arquivo sadio é apontado como infectado); </li></ul><ul><li>reconhecer o maior número de variantes do vírus; </li></ul><ul><li>identificar o código mal intencionado na maior quantidade de arquivos possível. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Técnicas de esconderijo dos vírus </li></ul><ul><li>Os vírus escondem-se e protegem-se cada vez melhor dos antivírus e do acesso das pessoas. Eis algumas técnicas usadas por alguns vírus: </li></ul><ul><li>Encriptação: </li></ul><ul><li>Os vírus usam a encriptação para que o código não fique visível para os antivírus e para que não possam ser apagados do ficheiro original. Esta técnica é usada para que os vírus permaneçam mais tempo no computador. Mas os antivírus da actualidade já estão preparados contra esta técnica, apesar de ser difícil conseguirem eliminá-los. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Cookie: </li></ul><ul><li>Alguns cookies armazenados por sites mal-intencionados, podem possuir linhas e códigos que visam roubar informações. Outros casos são de vírus que roubam cookies para obter logins e senhas. </li></ul><ul><li>História </li></ul><ul><li>Em 1983, Len Eidelmen demonstrou em um seminário sobre segurança computacional, um programa auto-replicante em um sistema VAX11/750. Este conseguia instalar-se em vários locais do sistema. Um ano depois, na 7th Annual Information Security Conference, o termo vírus de computador foi definido como um programa que infecta outros programas, modificando-os para que seja possível instalar cópias de si mesmo. O primeiro vírus para PC nasceu em 1986 e chamava-se Brain, era da classe dos Vírus de Boot, ou seja, danificava o sector de inicialização do disco rígido. A sua forma de propagação era através de uma disquete contaminada. Apesar do Brain ser considerado o primeiro vírus conhecido, o título de primeiro código malicioso pertence ao Elk Cloner, escrito por Richard Skrenta. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Crackers e hackers </li></ul><ul><li>Há quem diga que cracker e hacker são a mesma coisa, mas tecnicamente há uma diferença. Hackers são os que quebram senhas, códigos e sistemas de segurança por puro prazer em achar tais falhas. Preocupam-se em conhecer o funcionamento mais íntimo de um sistema computacional ou seja uma pessoa boa. Já o Crackers é o criminoso virtual, que extorque pessoas usando seus conhecimentos, usando as mais variadas estratégias. Hoje em dia são pessoas que atacam outras máquinas com fins criminosos com um objectivo traçado: capturar senhas bancárias, números de conta e informações privilegiadas que lhes despertem a atenção. Porém, já se criou um verdadeiro mercado negro de vírus de computador, onde certos sites, principalmente russos, disponibilizam downloads de vírus e kits para qualquer um que puder pagar, virar um Cracker, o que é chamado de terceirização da &quot;actividade&quot;. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Existem vários tipos de vírus de computador: </li></ul><ul><li>Vírus de Boot, Time Bomb, Minhocas, worm ou vermes, Trojans ou cavalos de Tróia, Hijackers, Vírus no Orkut, Keylogger, Estado Zumbi, Vírus de Macro, etc. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Novos meios </li></ul><ul><li>Muito se fala de prevenção contra vírus de computador em computadores pessoais, o famoso PC, mas pouca gente sabe que com a evolução, aparelhos que tem acesso à internet, como muitos tipos de telefones celulares, handhealds, VOIP, etc. podem estar atacando e prejudicando a performance dos aparelhos em questão. Por enquanto são casos isolados, mas o temor entre especialistas em segurança digital é que com a propagação de uma imensa quantidade de aparelhos com acesso à internet, hackers e crackers irão se interessar cada vez mais por atacar esses novos meios de acesso a web. Também se viu recentemente que vírus podem chegar em produtos electrónicos defeituosos, como aconteceu recentemente com iPODS da Apple, que trazia um &quot;inofensivo&quot; vírus (qualquer antivírus o elimina, antes que ele elimine alguns arquivos contidos no iPOD), nessas situações, avisar o fabricante é essencial para evitar danos muito grandes </li></ul>
  13. 13. Conclusão <ul><li>Chegamos á conclusão que este trabalho era o mais interessante, pois os vírus estragam os computadores. </li></ul><ul><li>Ficamos a conhecer mais sobre esta “dor de cabeça” dos computadores. </li></ul>
  14. 14. Bibliografia <ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/V%C3%ADrus_de_computador </li></ul>

×