EXÉRCITO DE UM  HOMEM SÓ Prof. Fernanda Braga
O Exército de um Homem Só é um romanceescrito por Moacyr Scliar, publicado em 1973 etraduzido para mais de dez idiomas.O p...
Tinha outros amigos marxistas, incluindo ajovem Léia com quem se casa.Após algum tempo abandona tudo e vai viverna proprie...
Em Nova Birobidjan, como ele batiza suaterra, passa a viver para o trabalhoacompanhado pelo Companheiro Porco,Companheira ...
Depois de algum tempo apareceminimigos, quatro vagabundos a quemataca após ser atacado, e cuja amantecoletiva passa a se t...
Troca de ramo para a construção eenriquece, mas complica-se ao se tornaramante da secretária e acaba se divorciandoapós ab...
Acuado, abandonado, triste, muito ligado àreligião e quase sem esperança (oshomenzinhos para quem discursava agora jáeram ...
Contado em terceira pessoa, cadacapítulo deste livro nos remete a um anoou conjunto de anos. O primeiro eúltimo é 1970, ma...
Capitão Birobidjan, um louco humanista,tentando construir uma sociedademelhor e coletivista, apesar de tudo e detodos que ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Extensivo Aula 15 Resumo de exército de um homem só

2.169 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.169
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Extensivo Aula 15 Resumo de exército de um homem só

  1. 1. EXÉRCITO DE UM HOMEM SÓ Prof. Fernanda Braga
  2. 2. O Exército de um Homem Só é um romanceescrito por Moacyr Scliar, publicado em 1973 etraduzido para mais de dez idiomas.O personagem título é Mayer CapitãoBirobidjan Guiznburg, um judeu que chegouainda menino da Rússia. Mayer era marxista esonhava fundar uma nova Birobidjan (nome deuma colônia coletiva de judeus na Rússia), umautopia socialista. Jovem, era muito rebelde, edeu muitos desgostos ao pai que lhe queria verrabino.
  3. 3. Tinha outros amigos marxistas, incluindo ajovem Léia com quem se casa.Após algum tempo abandona tudo e vai viverna propriedade de um desses amigos, que,como todos a essas alturas, já haviaabandonado suas convicções.
  4. 4. Em Nova Birobidjan, como ele batiza suaterra, passa a viver para o trabalhoacompanhado pelo Companheiro Porco,Companheira Cabra e CompanheiraGalinha, a última a qual ele não gostava porser improdutiva, lia Rosa Luxemburgo edava discursos a homenzinhos que só elevia.
  5. 5. Depois de algum tempo apareceminimigos, quatro vagabundos a quemataca após ser atacado, e cuja amantecoletiva passa a se tornar a segundacidadã. Mais tarde ela sai de NovaBirobidjan e Mayer volta para casa. Ele sereforma, após algum tempo até mesmoabandona o ateísmo, e passa a trabalharduro.
  6. 6. Troca de ramo para a construção eenriquece, mas complica-se ao se tornaramante da secretária e acaba se divorciandoapós abandoná-la. Sua companhia vai àfalência e ele acaba numa pensão(localizada no terreno de Maykir, sua antigaempresa, que por sua vez se localizava noterreno da Nova Birobidjan), onde tentareiniciar Nova Birobidjan, mas acabafalhando.
  7. 7. Acuado, abandonado, triste, muito ligado àreligião e quase sem esperança (oshomenzinhos para quem discursava agora jáeram só três), o Capitão Birobidjan tem umataque do coração ao ensaiar umaresistência, mas como descobrimos nocomeço do livro, ele sobrevive. A história,no entanto, acaba aqui.
  8. 8. Contado em terceira pessoa, cadacapítulo deste livro nos remete a um anoou conjunto de anos. O primeiro eúltimo é 1970, mas recua-se logo apara1928, 1916, 1929, 1930... até voltar-se para1970, contando sempre com o humorirônico e amargo de Scliar.
  9. 9. Capitão Birobidjan, um louco humanista,tentando construir uma sociedademelhor e coletivista, apesar de tudo e detodos que se opõem a ele, ridicularizadopor todos aqueles a quem chamaCompanheiro, ele é um exército de umhomem só lutando por um mundo maisjusto que no final não vale a pena.

×