Caros amigos

1.773 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.773
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.574
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caros amigos

  1. 1. Caros amigos,Minha turma da Força Aérea está atenta ao problema daatividade estrangeira na RESERVA RAPOSA SERRA DO SOL(em Roraima).Abaixo está um email enviado por um pesquisador Brasileiro(hÁ 2 anos), cumprimentando o reporter da ISTO É pelotrabalho, que mostrava (já naquela época!) a roubalheira dematerial radioativo Brasileiro. Na mesma carta, ele acrescentadetalhes sobre a atividade.Abaixo desta msg, outra mais recente, explica a qualidade eaplicação dos minerais ali encontrados.Por isto que, de uma hora pra outra, uma reserva indígenaBrasileira tornou-se o lugar mais proibido para Brasileiros.Meus parabéns pela reportagem, que acabei de ler nainternet. Finalmente alguém leva a público a roubalheira datorianita, Nos anos 80, até 1990 analisamos diversasamostras de torianita, recebidas do Conselho de SegurançaNacional. Eu era pesquisador da CNEN, chefe do Laboratóriode Análise Mineral. A primeira amostra que recebi eraparecida com cassiterita, minério de estanho. Ao fazerpessoalmente os testes, descobri que não era cassiterita, mastorianita, óxido de tório ( teor maior do que 80%), contendocerca de 8% de óxido de urânio e teores mais baixos debaddeleyta (óxido de zircônio). Quem estava investigando erao Comandante Sérgio Quintieri, da Marinha, pelo Conselho deSegurança. A maior surpresa não foram apenas os teores detório e de urânio, mas O TEOR DE CHUMBO RADIOGÊNICO :cerca de 10%. Isto significa que a maior parte desse chumboprovêm do tório, o chumbo-208 é o final da cadeia dedesintegração do tório. Ao longo de alguns anos recebemosamostras do Comandante Quintieri, na CNEN. O material atéenganou o maior especialista em mineralogia da CNEN, queexaminando-o na mão, disse que era cassiterita, em uma dasreuniões, lá por 1986. Dei minha opinião porque já tinhaanalisado o material, e chamei à atenção para as diferenças(os cristais são parecidos, mas são mais pesados e, ao
  2. 2. contrário da cassiterita, dissolve-se com facilidade em ácidonítrico, testes muito fáceis de serem executados, até porestudantes).O Cmte Quintieri informou-me que o material deveria termuito valor, porque estava investigando há tempos e já tinhadescoberto esse material em exportações legais, dizendo sercassiterita, também em outro caso em caçambas do material,com uma cobertura de cassiterita, para enganar quem fossetirar amostras, e, o que era incrível, em contrabando deavião. Ele já sabia que o material estava sendo levado para aGuiana, e de lá ia para os EUA, mas ainda não tinhadescoberto o local da jazida primária, porque os materiaisdescobertos eram de aluvião, granulado.O valor do tório e do urânio não justificaria o transporte deavião, ele teria que ter algum outro valor. Considerando oalto teor de chumbo da ordem de 10%, não acreditei,achando que poderíamos ter cometido algum erro, porquenão havia minério de urânio ou tório com tanto chumbo.Quando o teor foi confirmado, separamos o chumbo comosulfato de chumbo, depois preparamos o material paraanálise por espectrometria de massas, no Instituto deEngenharia Nuclear, Ilha do Fundão. Não deu outra coisa :predominava largamente o chumbo-208 sobre os outrosisótopos, o chumbo-207, que provém do urânio-235 e ochumbo 206, que provém do urânio 238, mais abundante nanatureza.Qual a característica desse chumbo-208 ? Assim como osoutros chumbos ele não é radioativo, mas o que o distinguedo chumbo natural, que é uma mistura dos isótopos, é a suatransparência aos nêutrons, isto é, ele deixa os nêutrons oatravessarem sem resistda mesma forma que o chumbocomum. Esta característica faz dele o material ideal para ablindagem da bomba de nêutrons, que agora estãochamando de arma nuclear estratégica - a bomba que sómata seres vivos, sem destruir as instalações e as cidades,porque a blindagem de chumbo-208 deixa passar os feixesintensos de nêutrons, da bomba atômica encapsulada com onosso chumbo-208, sem deixar passar a radiação gama, aradiação beta, a radiação alfa, e os fragmentos de fissão, queprovocam as ondas de choque que tudo destroem. Esta
  3. 3. famigerada bomba atômica, que usa a blindagem de chumbo-208, bombardeia tudo com os nêutrons, que destroem ascélulas vivas, sem gerar destruição das ondas de choque . Aíque está o grande valor da torianita para os senhores daguerra : o chumbo-208, altamente concentrado, em ummaterial do qual tudo pode ser aproveitado a baixo custo,porque é facilmente dissolvido em soluções ácidas diluídas.Até em Goiânia, quando estávamos descontaminando oslocais contaminados com Césio-137 (depois da grandesabotagerm contra o programa nuclear, apresentada comoum simples acidente causado por um roubo...) o CmteQuintieri foi levar amostras para o Presidente da CNEN e paramim. No final do governo, em 1990, a investigação parou, porordens vindas da Presidência da República. Já se sabia que arede que contrabandeava torianita era a mesma de pedraspreciosa e de drogas. Ao que tudo indica, havia gente muitoimportante envolvida. Anos depois encontrei casualmente oCmte Sérgio Quintieri, em Copacabana,e ele me disse quetinha sido transferido para a Capitania dos Portos de SãoFrancisco do Sul, em Santa Catarina, depois foi para aReserva, e estava em Florianópolis, dava palestra paraestagiários da Escola Superior de Guerra, e não sabia mais oque estava acontecendo com a torianita. Ele faleceu háalguns anos, atacado por um câncer. Procure saber destainvestigação sobre a torianita no Conselho de SegurançaNacional e na CNEN.Deve haver registros da época. Como erasigiloso, eu só participava das reuniões técnicas napresidência da CNEN, não tinha informações, a não seraquelas que o Cmte Quintieri me passava. Eu tinha quecaracterizar os materiais. Em geral os teores de tório eramsempre muito parecidos, mais de de 80% em óxido, e osteores de urânio variavam entre 4 e 8%. Os teores dechumbo eram sempre da ordem de 10%. AInda devemos terum pacote de 1 quilo de torianita em nosso laboratório, hojena UFRJ (Laboratório de Análise Ambiental e Mineral), ondesou professor de Química Analítica (aposentado da CNEN).Este escândalo da torianita, outros de urânio (naquela épocatambém foi descoberto um contrabando de 2 toneladas deminério com quase 20% de urânio no aeroporto de Brasília),o atual de columbita -tantalita são possíveis pelo abandonoda área mineral, e pela incompetência na análise de minérios,
  4. 4. que deveria ser ensinada nos cursos de química, deveriahaver laboratórios competentes atendendo rapidamente atodos os portos e aeroportos e as polícias federal e rodoviária,para não deixar levar materiais valiosos como pedras, comoacontece com a Tantalita da Paraíba até o Amapá (procurarBebel, na feirinha de Copacabana, posto 6, que negociapedras preciosas e tem garimpo na Paraíba). Sobre acolumbita-tantalita , de Nióbio e Tântalo, consultar AlmiranteRoberto Gama e Silva, autor do livro O entreguismo dosMinérios, Editora Tche, recolhido...), e com esmeraldasexportadas com berilo sem valor de gemas, como foidescoberto pela CNEN, há anos, e contrabandeadas porpolíticos...Hoje leciono Química Analítica na UFRJ, reclamo contra odescaso pela Análise Mineral, não se ensina mais análise deminérios pelo Brasil, reclamo contra a roubalheira dosminérios - a grande pirataria - estou lutando para resolver oproblema ambiental da Cia Ingá, junto ao porto de Itaguaí-Sepetiba, designado pela Justiça Federal, em uma Ação CivilPública, agora com nosso projeto de 10 anos aprovado comoProjeto Definitivo do Juíza Federal, para reciclar os rejeitos eefluentes que contaminavam a Baía de Sepetiba, produzindozinco, manganês, magnésio, chumbo e cádmio, e estamostentando retomar o Projeto Azul da Prússia, que produzimosem Goiânia para a descontaminação de Césio-137 e de Tálio,com o Laboratório Farmacêutico da Marinha.Meus parabéns pela reportagem e procure saber sobre odestino do chumbo-208 da torianita.João Alfredo MedeirosPesquisador IV, aposentado pelo Instituto de EngenhariaNuclear da CNEN (1981 a 1995)Ex-Professor da PUC/RJ (1973-1995)Professor do Instituto de Química da UFRJ, desde 1993.C.Identidade 173647-0 / CPF 006.221.929-49Telefone UFRJ : (21) 2562-7859
  5. 5. Residência : Rua Gal Ribeiro da Costa 230 / apto 1006,22010-050 Rio de Janeiro (21-2244-7985)A LUTA PELA RESERVA RAPOSA SERRA DO SOLALDO ALVIM CEL AERParece um mistério o porquê de uns poucos índios , ignoradospor centenas de anos , de repente receberem uma áreaimensa para sua população com fazendas , povoados,estradas e linhas de transmissão, e que o Governo tenhamandado para expulsar os colonos , um efetivo de centenasde agentes federais,quando é sabida a carência de policiaisem todo o país. O mistério é porque ali esta 80% da reservamundial de Nióbio um mineral básico para se construirreatores de fusão, um processo de produção de energia queusa como combustível apenas água .1FUSÃO TERMONUCLEARO processo termonuclear se baseia na fusão nuclear - omesmo processo que ocorre no interior do sol e em algumasestrelas-no qual os núcleos de dois isótopos de hidrogênio sefundem para formar Helio, ,gerando grandes quantidades deenergia, o que oferece a humanidade uma fontepotencialmente inesgotável de energia.Este processodescontrolado já foi obtido na bomba de hidrogênio,mas oque se deseja é um processo controlado de fusão nuclear.O processo de o fusão nuclear controlado se baseia noconceito de TOKAMAT, desenvolvido por cientistas russos noqual bobinas magnéticas super condutoras, colocadas emtorno de um vaso toroidal, confinam e controlam o fluxo doplasma, um estado da matéria em elevada temperatura.induzindo a formação de uma corrente elétrica.Um modelodeste dispositivo foi mostrado pela URSS numa exposição noRio de Janeiro ainda no Governo Jango.Em 26 de junho último, um consórcio internacional que reúnea Rússia, EUA, Comunidade Européia,China, Japão e Coréiado Sul decidiu montar um reator de fusão nuclear
  6. 6. experimental em Cadarache na França. Estima-se que aversão comercial levara uns trinta anos para seroperacional.O modelo proposto deverá operar em ciclos dedécimos de segundo e gerar 500 MW de potencia, istosignifica que suas bobinas serão de alta amperagem eportanto altas temperaturas daí a necessidade do nióbio. Emciclos tão curtos, o gerador poderá produzir hidrogênio queoperaria em células de combustível.A PARTICIPAÇÃO DO BRASILSegundo o conselheiro científico do Governo Britânico sirDavid King o Brasil poderá dar uma grande contribuição aoprojeto , por possuir as maiores reservas de nióbio do mundo.O nióbio resiste a altas temperaturas e é um poderosocondutor elétrico, será usado para construir as bobinasgigantes e gerar um campo magnético para produzir econduzir o processo de fusão nuclear no interior doreator.Uma comissão da comunidade européia deverá visitaro Brasil, em breve para pedir o apoio ao projeto.Desafortunadamente tal participação será extremamenteimprovável enquanto o Brasil tiver um governo que mantenhano local das jazidas de nióbio uma grande reserva indígenaintocável chamada Raposa Serra do Sol. Ninguém sabeporque o governo criou tal reserva, sem consulta ao EMFA,universidades, nem o apoio do Congresso. Apenas o STFparece apoiar o Governo Lula , tanto que um governador daárea atingida pela reserva indígena entrou com uma ação deinconstitucionalidade e nada conseguiu.Atualmente aexpulsão de fazendeiros da reserva foi suspensa até ojulgamento final pelo STF.

×