Dos Poemas que Nunca Serão Lidos

358 visualizações

Publicada em

Alguns poemas surgidos naqueles momentos em que a Fênix desperta

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
358
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
77
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dos Poemas que Nunca Serão Lidos

  1. 1. DOS POEMAS QUE NUNCA SERÃO LIDOS Gileno Araújo
  2. 2. Prefácio Decidi escrever estes poemas depois de me dar conta de que estava ausente da poesia há alguns anos. Eu que sempre escrevi diariamente, fui largando a vontade de poetizar pelo caminho. O motivo é naturalmente a constatação de que a grande maioria das pessoas não tem o menor interesse por poesia. Em segundo lugar porque para que as pessoas se interessem por um poeta, em geral ele precisa ser minimamente famoso, e minhas chances nesse sentido estavam distantes. Fui ficando também um pouco deprimido pela percepção da dura realidade sociocultural em que a nossa civilização vive mergulhada. Porém, mesmo com toda a reação a um mundo doente, onde a poesia parece um contrassenso, dei por mim a perceber que era muito mais feliz no tempo em que escrevia. A sensação de preenchimento da existência me acompanhava, como se isto fosse um diálogo com o Criador, ou com uma entidade humana invisível, que me olhava por sobre os ombros. Decidi portanto voltar a poetizar, a princípio com o seguinte pensamento: “Que me importa se ninguém vai ler... Assim mesmo vou continuar escrevendo estes poemas que nunca serão lidos.” Daí surgiu o título para esta coletânea de versos. Fui deixando as palavras fluírem, e de repente... “Tu um poeta?” Gileno Araújo, Recife, Abril 2015.
  3. 3. Enquanto prossegue a eternidade Como tempos mortos Como forças sombrias Desde antes... De antes... Como antes de nada. Quando dias jogados na penumbra Repercutiam Feito forças fugazes Como nada vivo Quase vivo Tudo morto Os olhos rotos Os rostos tortos As almas fúteis Os olhos mortos Como quase nada Tudo perdido na base A vontade esquecida O sentimento de perda A derrocada Nenhum sol no horizonte Nenhuma galáxia ***
  4. 4. Abrindo céus que se fendem em dias Aos olhares quietos Às amarguras resistentes Que caem quase de repente Feito frutos quase podres O olhar do que ficou O poder de assimilar fronteiras As fendas na escuridão Que se espelham em sorrisos Frutificam Pesam e saem Não se iluminam mas Medram Funcionam pouco E chovem sobre os escatológicos Olhos olhos olhos olhos ***
  5. 5. Disse adeus ao vento Para pousar Para possuir um pedaço do que foi Ficando ficado Meio solto Meio de lado Já sem sombra de sal Sem vento O movimento quieto Tudo parado Perdido ficou Foi pouco Sobrou ***
  6. 6. Não havendo horas Os humanos Acorrentados Andam meio mortos Passos perplexos Rostos suados Vão se aglomerando por aqui Com um sentido de que tudo está perdido Petrificado Num enlameado Alicerce do que vai sendo procurado Não podendo ser dito de outra forma É o que seria se tudo tivesse prosperado Não aconteceu por acaso Foi vasculhado por mentes doentias Foi acontecido como um sortilégio O lagarto no sol Contempla o deserto E vamos ficando As horas voam Os assassinos rondam Muitas maneiras novas de sentir São eclipsadas Regurgitam as fúrias dementes Se reapresentam devagar Feito penitentes Encontrando bases lunares para pousar ***
  7. 7. Os pontos que faltam acertam Para que fique de maneira pronta Sem sentimentos flutuantes Sem sombras Só o sal que numa epopeia dos astros Cultivaram arranhacéus com pequenos mastros O capitalismo criando monstros As pequenas divagações As crises São partes de uma grande descoberta Uma revelação no dia do adeus A meia lua A ponte sobre o nada Que amargurada sempre foi jogada Como algo que não leva a nada O ponto no epicentro da calçada Que vem se movimentando devagar e sempre Mas mesmo assim sem o diapasão do destino Como a procurar O que espelha a tortuosa estrada Numa lagarta que brilha Ao céu de estrelas que rebrilham No centro do luar No mesmo lugar Onde o nada tece uma camada nova E teu ponto de retorno nem sempre se manifesta Somente cai feito uma pluma seca Sem brilho Sem sentido de algo Somente se esgueirando para chegar depois a algum lugar perdido Não sem antes se estrepitar vigorosamente sobre uma camada de vento Saindo daqui Para o antes
  8. 8. Voltando para o depois Resumindo-se a nada Manifestando sua opinião ignara Sem se desfazer dos velhos vícios e loucuras ***
  9. 9. Os escritos Que passaram sobre tudo isto aqui Para serem debatidos pelos doutos Foram largados na praia As ondas os engoliram E regurgitaram A mãe das águas não os quis ***
  10. 10. É música nas estradas Música para quem não para Feito uma orquestra Tocando nas dunas ao luar Feito camelos Atravessando em silêncio Longas estradas Finalmente no chão Finalmente sem temor de ser erguido ao céu Somente largado no colo do vazio Sentindo o prazer da quieta claridade ***
  11. 11. Não para ser lido Ou para ser lindo Para ser nada Para o sentir fútil e voraz De uma era sem essência De um momento sem consciência Sem consistência ***
  12. 12. Porque tudo foi parando ao redor E de repente Nada restava Além de um sentir Presente para o sempre Solto na esperança Aniquilado Ressentido e frio Dizendo adeus ao funeral de um deus ***
  13. 13. Nas horas frias Em que depois de tudo aquilo O que por aqui ficou Ventilado pelo amanhecer Que deste mundo se despenhou A ponto de não ter mais o que dizer Para essa gente Ou para quem fica olhando O tempo que foi assim Costurado E era como um sorriso de serpente Numa estrela fria acumulado Reagindo Se de qualquer forma a vontade de ser Ainda se apresenta Isto pode não ser o fim de tudo Mas a pequena brecha Por onde adentra a demência Deixando que o sonhador Seja despedido da realidade ***
  14. 14. Como contar histórias repetidas Que ainda assim Causam reações no imaginário Trazendo lembranças... Sentimentos vagos... A alma passeia por recônditos esquecidos E alegra-se com velhas recordações Como um quebra cabeças Em que se vai juntando peças ao acaso Criando um mosaico incompreensível ***
  15. 15. ADQUIRA O LIVRO NA ÍNTEGRA NO MERCADO PAGO Vá a esta página do meu blog http://gilenopoet.blogspot.com.br/ chegando lá é só clicar no botão: Você será redirecionada(o) para a página do Mercado Pago onde será possível efetuar o pagamento no valor de R$ 10,00 (Dez Reais), pela forma à sua escolha. Com o seu suporte conseguirei prosseguir acreditando que é possível perseverar na luta por um sonho. Ao clicar no link será direcionado à página do Pague Seguro onde estão as opções de pagamento à sua escolha O livro em formato PDF, ou EPUB, estará disponível na íntegra, no seu e-mail, assim que receber a informação de pagamento. Fico muito agradecido por compreender a importância desse empreendimento para minha sobrevivência e pela oportunidade de prosseguir criando poesia, neste mundo tão carente de arte e cultura. http://gilenopoet.blogspot.com.br/

×