SlideShare uma empresa Scribd logo
Yaol
Culto e Magia
1
Yaol
Culto e Magia
Ubirani Yaraima
1994
Yaol
Culto e Magia
2
“A mata Úmida nos causava arrepios... E muitos olhos estranhos nos seguia...
Não parecia ser um animal... Ele não deixou pegadas e nem cheiro.... Algo
sobrenatural nos rondava a noite toda....
Diegho Courtenbitter
Yaol
Culto e Magia
3
Dedicatória,
Este livro é dedicado a mãe natureza e amor que ela tem por nós todos aqui na
terra.... Não sejamos filhos ingratos.... Ao tirar dela.... Devolvemos.... Ao destruir
dela.... Possamos reconstruir.... Tenhamos clareza em zelar pela nossa mãe
matéria e carbono.... Tenhamos bom senso ao cuidar de nossa essência.... Somos
um bem coletivo.... Algo que somente temos ao compartilhar com alguém...
Rusgat Niccus
Yaol
Culto e Magia
4
Autobiografia
Nome: Ubirani Yaraima Aruana de Abrantes
Data de Nascimento: 04/06/1969
Data de Falecimento: 27/11/2016
Cidade Natal: Belém
Estado Natal: Para
País: Brasil
Nome do Pai: Uipiara Yaraima Aruana de Abrantes
Nome da Mãe: Anahí Aymane Aruana de Abrantes
Cônjuge: Tuane Aiyra Itapema Aruana de Abrantes
Ocupação: Poeta, Escritor, Contista, Cronista, Fotografo, Grafista e Iluminarista
Profissão: Representante de Causas Indígenas do Governo do Pará e
Paragominas, Comerciante, Ativista Ambiental, Artesão e Chefe de Tribal
Bairro onde Morou na Infância: Aldeia Taguatinga
Locais onde Trabalhou: Governo do Estado do Pará, Prefeitura de Paragominas,
e Centro de Artesanato
Formação Acadêmica: Ensino Superior Completo
Lugares onde Morou: Pará, Maranhão e Piauí
Ideologia Política: Esquerda de Vanguarda
Gosto Musical: Cantos do folclore Tupinambá
Gosto Gastronômico: Peixes, Cobras, Cutias, Arroz Branco, Vinagreira, Farinha
d´água, e Pimenta
Religião: Tupã
Altura: 1,65 Mts
Etnia / Raça: Indígena
Aldeia / Povo: Tupinambá
Cor da Pele: Parda
Cor dos Olhos: Pretos e Pequenos
Cor dos Cabelos: Pretos Claros, Lisos e Compridos
Postura Física: Estatura Média
Tipo Físico: Magro, Dedos pequenos, Pés pequenos e Pernas Curtas
Tipo Físico Facial: Nariz pequeno e Afinado, Cabeça Oval e Queixo Arredondado
Trajes Habituais: Cocar de Penas Vermelhas, Amarelas, Laranjas, Pretas e
Brancas, Camisa Social Branca, Calça Preta, Sapatos Pretos e Várias Pulseiras e
Assessórios Indígenas.
Escritores Favoritos: Friedrich Wilhelm Nietzsche Johann Wolfgang von Goethe,
Fernando Pessoa, Lord Byron e Alvares de Azevedo
Pintores Prediletos: Vincent Willem van Gogh, Salvador Dalí i Domènech e
Oscar-Claude Monet
Músicos Preferidos: Franz Liszt, Wolfgang Amadeus Mozart, Ludwig van
Beethoven e Frédéric François Chopin
Título Poético:
Curiosidade:
Idade: 47 anos
Orientação Sexual: Heterossexual
Heterônimo: Ubirani Yaraima Aruana
Yaol
Culto e Magia
5
Historiografia: 1969 - 2016
Autor/Criador: Roosevelt Ferreira Abrantes
Ubirani Yaraima Aruana
Yaol
Culto e Magia
6
“Amar é uma lembrança doce.... Amar é uma doença feliz... Amar um sofrer por
causa alguma.... É invenção de te amar....
Ubirani Yaraima Aruana
Yaol
Culto e Magia
7
Livro: Yaol
Tradução: Culto e Magia
Gênero: Conto
Ano: 1994
Autor: Ubirani Yaraima
Titularidade: Este é um Heterônimos de Roosevelt F. Abrantes
Editora: Editora Lascivinista / Produção e Publicação Independente
Coletânea: Amores e Perdições
Ano de Finalização Escritural da Obra: 1993
Data da Primeira Publicação deste Livro: 26 de Abril de 1993
Contatos:
End.: Rua das Palmeiras, n° 09
Residencial Parque das Palmeiras
Vila Embratel – São Luís - Maranhão
Cep.: 65080140 – São Luís – Ma
País.: Brasil / Região.: Nordeste
Tel.: (98) 9 9907-9243 / (98) 9 8545-4918
WhatsApp.: (98) 9 8545-4918
E-mail.: rooseveltabrantes@gmail.com
Redes Sociais:
Facebook.: https://www.facebook.com/rooseveltfabrantes
Twitter.: https://twitter.com/rooseveltabrant
Linkendin.: https://www.linkedin.com/in/roosevelt-f-abrantes-0b1b2426/
Instagran.: https://www.instagram.com/abrantesroosevelt/
Hotmail.: rooseveltabrantes@outlook.com
Blogger: http://movimentolascivinista.blogspot.com/
Site.: http://movimentolascivinista.com
Yaol
Culto e Magia
8
“A Trilogia dos livros “O Índio Enfeitiçado”, “Natuya” e “Yaol” são parte de um
conto indígena que conta a saga do Índio Guerreiro Yaol que lutou com todas as
forças para não perder o amor de sua vida... A bela Índia Natuya... Estes três
livros são dedicados a linda Anajara Oliveira... O seu amor verdadeiro... A sua
única paixão... O seu eterno amar...
Abrantes F. Roosevelt
Yaol
Culto e Magia
9
Prefácio
Este conto tribal trata do misticismo indígena envolvendo o amor entre dois jovens
índios de tribos distintas que residiam na mesma região que abarca o grande rio
Kaitana.... O jovem Yaol da tribo Guajajaras, depois de saber que o seu amor
poderia ser uma das eleitas ao sacrifício indígena, tenta encontra a jovem as
escondidas para fugir... Mas os seres do mundo sobrenatural o impedem de
chegar próximo a Natuya...
A índia Natuya era uma das indígenas tupinambás mais bela de sua tribo... E por
isso foi preterida a sacrifício através de uma consulta mística erigida junto a
grande serpente. A índia seria oferecida em sacrilégio ao deus sol. Uma moeda de
troca para acalmar a ira do astro rei que havia se afastado da terra devido a
desobediência dos indígenas que não desejavam pôr fim a grande guerra.
Este conflito ardente entre as tribos já perdurava por muitas luas. E milhares de
indígenas haviam morrido devido a questões territoriais e cerimoniais... A guerra
era truculenta, insana e egoísta, mas ainda assim não se havia erigido um
vencedor.
Yoal apaixonado pela jovem Natuya não se conformava com o destino cruel de
sua amada e após perde-la para o sacrifício, tentou resgata-la da morte depois de
vê-la presa no reflexo do sol imprimido na água do rio Kaituna...
O jovem índio passou metade de seus melhores anos de vida nadando da praia
até o mar em busca da índia Natuya que se refletia na lamina d´água do mar...
Yaol a perseguia do nascer até o pôr do sol... Mas o seu reflexo no mar não podia
ser abraçado ou tocado.
Milhares de luas mais tarde Yaol desiste de procura-la nas águas do mar... E
como o seu reflexo se confundia com o próprio sol... Yaol tentou de várias
maneiras mirabolantes ultrapassar os limites do firmamento dos céus e chegar até
o sol... Um fato que se mostrou fracassado e impossível...
E poucas luas depois Yaol rever a sua amada Natuya no reflexo do rio Kaituna...
Era a primeira vez que ele a olhava durante a noite no reflexo da lua... Antes Yaol
a via no reflexo do sol refletido no mar...
Desta vez Natuya se transmutou da bela lua... E Yoal foi ao seu encontro... E
mergulhou no rio em busca de sua amada... Porém, tudo aquilo era uma mentira
produzida por Iara... E desejosa por Yaol... Acabou afogando o jovem.... Levando-
o definitivamente para o fundo do rio...
Abrantes F. Roosevelt
Yaol
Culto e Magia
10
Capitulo I
A Fogueira....
Há muitas luas não se via um céu tão iluminado como este... E Yaol não se referia
ao brilho das estrelas ou da lua... O clarão enorme que aumentava de
intensidade.... Tinha uma natureza artificial.... No alto da pirâmide de pedra....
Ardia uma grande fogueira....
As suas chamas iluminavam toda a aldeia, o rio Kaituna, O grande mar e toda a
floresta.... Aquilo parecia um sol no meio da escuridão opaca... Os Guajajaras
faziam a madruga mais barulhenta e iluminada de toda a ilha.... Vários povos
vieram de longe para participar deste rito...
Os Tupinambás e os Xavantes eram a maioria dentre os povos que
compareceram à reunião... Todos estavam felizes e contentes... Mas do ato da
arvore... E longe da festividades... Yoal era o único que chorava e se entristecia
com aquela algazarra...
Yaol
Culto e Magia
11
Capitulo II
O Sacrifício...
O motivo de tanta alegria.... Estava ligado a um sacrifício.... Um ritual indígena....
Há muitas luas.... O deus sol... Furioso com as guerras que existia entre
Tupinambás, Guajajaras e Xavantes.... Resolveu que se não se estabelece a
paz... Ele iria embora da mãe terra... E se juntaria com as outras estrelas....
Afastando o seu brilho para sempre de nossa aldeia...
Quando isto aconteceu.... Muitas nuvens cinzas e pretas se juntaram no alto do
firmamento... E por vários anos.... Apenas chovia.... Em outras ocasiões, as vezes
garoava.... Em outros momentos, apenas se via o orvalho... Mas na maioria das
vezes, a aldeia apenas via os céu nublados e nenhuma chuva...
Este inconstante mal humor do deus sol.... Começou a afeta as colheitas... Os
aninais domésticos morreram... As crianças, mulheres e idosos adoeciam... E
muitos acabaram morrendo...
Yaol
Culto e Magia
12
Capitulo III
O Fim da Guerra...
As tribos resolveram pôr fim à guerra... Os Tupinambás, os Xavantes e os
Guajajaras.... Reuniram-se as beiras do rio Kaituna.... Uma longa discursão
começou a ser travada... E depois de duas luas.... Uma decisão unânime foi
acordada entre as três tribos...
Os índios fariam uma oferenda ritualística ao deus sol... Eles pediriam ao astro rei
a revogação de seu afastamento.... Os pedidos por piedade, clemencia e
mansidão viriam de um ato nobre das três tribos.... Eles ofereceriam o que tinham
de melhor em sua aldeia... E para enfatiza a honra ao deus sol... Eles ergueriam a
maior fogueira que já existiu no alto da pirâmide de pedra...
Yaol
Culto e Magia
13
Capitulo IV
A Recusa de Iara...
No dia do ritual.... Os índios trouxeram de suas aldeias.... As três índias mais
lindas que existia em seus povoados... E uma delas seria a escolhida para o
sacrifício.... Uma nova reunião juntou novamente os três povos as beiras do rio
Kaituna.... Mas um consenso parecia impossível... O ego dos pajés era enorme...
E nenhum deles queria ficar de fora daquele ritual... Afinal quem trouxesse a luz
do sol de volta para a terra... Deveria reinar sobre as outras aldeias... Isto era o
acordado...
Então um ritual de purificação e consulta mística foi erigido pelos caciques.... Eles
iriam consulta Iara no alto da nascente do rio Kaituna... E a ela.... Eles pediriam
orientação... Mas Iara estava antipática... E se negava a falar com Os índios... Os
rios nunca estiveram tão cheios e repleto de vivos... As matas estas mais vividas e
verdes.... Os animais aquáticos se multiplicavam... E os animais terrestres se
alimentavam com abundância e fervo...
E para Iara.... A deusa dos rios e das águas.... O afastamento do deus Sol era
benéfico... A noite não era o bastante para o seu reinado... E por isso tinha
interesse nos dias nublado e escuros...
Iara agora tinha mais dias escuros e nublados para se locomover... E a sua única
preocupação e apreço era em cuida de suas crias e alimentar os escravizados...
Os índios então não viam outra saída a não ser consultar um outro deus... No
entanto... Este outro ser sempre exigia pagamentos... E como de habitual... Uma
índia era ofertada como alimento para tal criatura....
Yaol
Culto e Magia
14
Capitulo V
O Caminho até Sucumbira....
Os indígenas então caminharam até o alto do rio Kaituna e foram em direção a
floresta negra.... Todos queria chegar a gruta das lamentações antes que a
escuridão ficasse compacta... Esta gruta... Abrigava uma grande cachoeira... As
suas águas eram as mais límpidas e bonitas de toda a região... E este era o lar de
Sucumbira... A Grande Serpente... A criatura portadora do abraço da morte... A
dona dos olhos e língua de fogo... O deus mais cruel dos indígenas...
E na comitiva... Além dos três reis indígenas.... Também estavam as três índias...
Uma Tupinambá, uma Xavante e um Guajajara.... Todas estavam preparadas com
banhos mágicos, perfumadas, alimentadas e amarada em uma dobra de
madeira...
Uma das lindas índias seria escolhida pela grande serpente... E somente assim a
consulta mística poderia ser desperta e acolhida por Sucumbira... E em meio as
águas da cachoeira.... Eis que uma surpresa estava as portas da gruta... Mãe Iara
estava banhando... E ainda nua e lavando os cabelos... Iara perguntou o motivo
da visita aos viajantes.... Afinal.... Sucumbira era uma das escravas de Iara.... E
todos tinham que dar satisfações a ela...
O rei xavante foi o primeiro a falar... Eles queriam o deus sol de volta a aldeia... Os
seus filhos estavam doentes... suas mulheres morriam de uma tosse
desconhecida, seus idosos morriam dormido após uma longa febre.... E as suas
plantações não germinavam... E os peixes, e os outros animais da floresta sobre
as suas ordens não se doavam como alimento.... Até água do rio não quer mais
nos saciar a sede.... Estamos morrendo de fome e de sede...
Yaol
Culto e Magia
15
Capitulo VI
A Suplica a Iara...
Mãe Iara ouvia com atenção todas as lamurias e as dores que os índios
enfrentavam por ter desobedecidos o astro sol... E convencida do arrependimento
daquele povo... Iara ofereceu um pacto... Trata-se de uma troca... A dona do rio....
Deseja ter em seus braços.... Um amor que a muito tempo aguardava... O seu
nascimento ocorreu a doze anos atrás... Ele vive hoje na aldeia Guajajaras... E o
seu nome é Yaol.... Tragam a mim este menino... Desejo ter com ele uma noite
inteira de amor... Após isso... Vocês podem entra na gruta e falar com
Sucumbira...
A oferta de Iara não era algo incomum ou impossível... Mas o povo tinha pressa...
E a fome e a sede não aguardam prazos... E descer as montanhas somente para
buscar o menino em outra aldeia... Permitiria mais mortes, fome e sede para todas
as tribos... E isto também demandaria umas três luas...
O Chefe pajé Guajajara.... Angustiado e perdido.... Então fez a Iara um contra
pedido.... Explicou a urgência que a consulta demandaria com Sucumbira...
Reforçou que a fome e a sede poderia matar muitos mais índios se isto se
prolongasse.... E sendo direto ao assunto.... Ofertou o jovem Yaol como
presente... A bela Iara não teria uma noite apenas com o Jovem.... Ela o teria para
todo o sempre.... Afirmou o pajé.... Estabelecendo a sua palavra como fechamento
e confirmação do acordo...
Iara pensou um pouco... Mas não vacilou com a oferta... Aceito e permitiu que os
índios entrassem na gruta... A serpente foi despertada por Mae Iara.... A consulta
iria começar....
Yaol
Culto e Magia
16
Capitulo VII
A Consulta....
Quando os índios entraram na gruta... A grande serpente já estava de pé e
soerguida sobre as faces dos indignas.... Os grandes olhos de Sucumbira ardiam
em chamas.... E a sua voz parecia um trovão em plena chuva... A sua língua tinha
labaredas de fogo sendo expelidas a cada falar da serpente... E o seu cheiro
principiava a enxofre e fel...
A serpente então os indagou... – O que vocês desejam saber... – O que querem
de mim nesta noite de chuva... E os índios lhe perguntaram.... – Queremos saber
de povo o astro rei deseja ter a índia para o sacrifício no alto da pirâmide de
pedra... – Ele nos ignora.... – Não falar conosco a muitas luas... – Sabemos que é
exigido de nós um sacrifício... – A rainha Iara também não quer nos orientar... – E
por isso estamos aqui.... – Pois sabemos que em troca de sua consulta... –
Podemos lhe pagar....
A serpente enrola-se em sim mesma e prostrando-se perante os índios, os refuta
de maneira positiva... – Vou lhes ajudar... – Mais primeiro amarem a minha oferta
sobre o Girau.... Eu quero a índia Guajajaras para oferta...
E assim foi feito... A índia Guajajara foi amarrada e preparada no Girau
ritualístico... E depois da índia ter sido devorada pela serpente... Sucumbira se
pronunciou... – A índia que o seu deus sol deseja está entre os Tupinambás...
Trata-se da menina que nasceu a doze anos atrás... E a menina Natuya...
Yaol
Culto e Magia
17
Capitulo VIII
A Oferta...
Os índios retornaram a aldeia Tupinambá... E seguindo o que a grande serpente
dissera... Prepararam a menina Natuya para o sacrifício... As mães de outras
meninas choravam pela escolha triste que a tribo tinham tomado. Uma decisão
desta afetou não somente a família da pequena Natuya, mas toda a tribo...
Todos cantarolavam consternados durante as preparações ritualísticas... E
enquanto a fogueira era erguida... Yaol chorava... E quanto mais se enfeitavam a
aldeia... Mas tristeza se acumulava no coração do pequeno índio... Yaol e Natuya
tiveram apenas três luas como encontro amoroso... A lua e a cachoeira Itamavapa
era as suas únicas testemunhas....
O índio Yaol não se conformava com aquela decisão grotescas.... Por que
somente as meninas índias estão passiveis de sacrifícios.... Por que os deuses
querem tanto as índias.... Eles não se contentam mais somente com os sacrifícios
de nossos animais domésticos.
Agora eles também querem os nossos amores, as nossas paixões e as nossas
vidas... Yaol estava desolado.... Uma estória alegre veio a sua cabeça em meio a
tristeza... o jovem Yaol recordou-se de uma curiosidade que a pela menina
compartilhou no alto da cachoeira.
Natuya contava a Yaol como adquiriu o machucado da testa... Yaol gostava de
ficar passando a mão sobre a sua pequenina cicatriz em forma de carinho... A
linda indígena ainda era muito criança quando caiu de testa sobre a pedra grande
do rio Kaituna... A sua mãe e irmão lembram que o rio ficou tingido de vermelho...
E até os peixes se cobriram com o seu sangue.... Alguns desses peixes até hoje
se banho perto da margem para brinca com a pequena Natuya..
Os tambores começaram a ruflar.... As mesas com comidas e bebidas estavam
expostas no meio da aldeia.... Os mastros com frutas estavam erguidos... E a
fogueira estava montada.... Agora não se tinha nada a fazer... Yaol perderia o seu
grande amor para o fogo da fogueira naquela noite...
Yaol
Culto e Magia
18
Capitulo IX
A Tristeza de Yaol...
O jovem Yaol sabendo que a bela Natuya podia ser uma das erigidas ao grande
sacrifício... Tentou se comunicar com a jovem para poderem fugirem juntos da
aldeia... Mas os espíritos sobrenaturais da floreta e das águas do rio Kaitana, o
impediu de chegar próximo a Natuya.
O dia amanheceu... Yaol havia dormido no topo da arvore.... Nos céus apenas um
rastro de fumaça e cinzas... A fogueira estava apagada... E junto com ela o seu
amor... Natuya havia sido sacrificada... O seu grande amor está com os deuses....
O jovem Yaol não tinha mais por que viver... A sua vida era Natuya... Depois de
algumas horas sobre o alto da arvores... Algo surpreendente aconteceu sobre a
aldeia...... As nuvens cinzas e pretas estavam se dissipando... Algumas estavam
indo embora... O céu se abriu majestoso e lindo... E o sol finalmente apareceu nos
céus de maneira lindíssima...
A muito tempo não se via o sol... Tanto tempo que Yaol quase se esqueceu de
como era lindo a sua face... Minutos mais tarde... Um movimentos atípico atinou
os aldeões... Muitas vozes... Muitos cânticos... Algumas correrias... E algumas
outras gritarias se iniciavam entre as ocas... Segundos depois principiou-se uma
nova festa.... Todos se presentavam no meio da aldeia... A alegria estava de volta
aos Tupinambás... O mesmo deveria está ocorrendo com os Xavante e
Guajajaras. Todos ali já se esqueceram de Natuya... Menos Yaol...
Yaol
Culto e Magia
19
Capítulo X
A Presença de Natuya...
O jovem Yaol estava triste... O seu rosto tinha muitas lacrimas para alguém de
apenas doze anos de idade.... Os pingos de suas lagrimas batam com forma nas
aguas do rio Kaituna... E do alto daquela arvore solitária... Beirada no topo do
rio.... Não se via nada... Além do pobre Yaol... E com a cabeça para baixo... E com
os olhos em lagrimas voltados para lamina d´água do rio... Yaol fitava a correnteza
que não para de seguir o seu curso natural...
Mas eis que o dia estava lindo... O sol era um colírio para a felicidade... Todos os
pássaros voltaram a voar livremente.... Os animais voltaram a beber agua no rio
Kaituna.... Os peixes pulavam sobre a lamina d´água... E a floreta parecia
respirar.... E junto com os raios de sol... Yoal viu a sua bela Natuya no reflexo da
água.... Ela sorria... Era sim... A sua Natuya... Yaol pulou do alto da arvore e
mergulhou no rio.... Tentou alcançar a sua amada... Mas Yaol percebia que quanto
mais nadava para o fundo mais Natuya se afastava...
O reflexo do sol e de Natuya se misturava em um só ser sobrenatural... A sua bela
amada era o sol literalmente.... Os dois agora eram um ser unificado... O brilho do
sol hora se transmutava em Natuya, ora se transmutava no próprio sol... Aquilo
era incrível e magico...
O coração de Yaol tinha menos peso... O amor voltou a seu lugar de origem... E
tudo que estava morto dentro dele... Tinha voltado a vida... Até o seu coração
voltou a bater feliz... Pois Natuya estava de volta...
Yaol
Culto e Magia
20
Capítulo XI
A Busca de Natuya...
A busca por Natuya levou Yaol até o grande mar... O jovem Yaol passava agora
todos os dias de sua vida tentando alcançar a materialidade de Natuya... Houve
dias que ele nadava para o alto mar seguindo o reflexo do sol até ele se pôr no
horizonte...
Yaol nadava todos os dias.... Isto era feito logo nos primeiros raios de sol... Yaol
nadava tanto que chegava a exaustão... O sal da água do mar... O sol quente... O
vento frio dos invernos e as oscilações das marés.... Estavam acabando com a
saúde de Yaol...
Yaol então percebendo que não conseguiria alcança a sua amada pelo mar... Ele
tentaria chegar a ela indo até os céus... O grande mar azul do firmamento pintado
por Tycara.... Seria a sua nova batalha... O índio resolveu que iria até o
firmamento para vê-la... Ele começou a desenhar nas areias da praia várias
maquetes de engenhocas que pudessem lhe catapultar até o sol...
E por várias luas Yaol tentou ser lançado para o sol... Usou um tipo de catapulta
feita com cipós e uma palmeira para ser inçado e lançado...... A arvore teve o todo
de suas folhas amarradas ao chão e direcionada ao horizonte... O ártico contava
com uma mecânica engenhosa... O corte do cipó acionava a catapulta... Mas
ideia não deu certo... Yaol mal passou da altura das maiores arvores que existia
na beira da praia...
Depois tentou uma espécie de alavanca... Feita de madeira cortada e amarrações
de cipós... O dispositivo contava com um tipo de palha elástica que poderia lhe
oferecer a energia de impulso necessário para ser alavancado da praia até o sol...
E novamente falhou.... Depois tentou usar um elástico amarado a um cofo de
palha.... As amarrações contavam com um tipo de fluido retirado de uma
seringueira... E sendo resistente... Desta vez ele seria impulsionado até os céus...
Mas novamente falhou... E por fim usou um arco e flecha gigantesco para lhe
arremessar. Mas novamente fracassou...
Yaol
Culto e Magia
21
Capitulo XII
O Fim Trágico de Yaol...
Yaol tentou por várias luas e vários sois chegar até a sua amada Natuya... Mas o
tempo foi um carrasco e algoz de suas empreitadas... O jovem índio já estava
doente e cansado... Quando em uma destas luas viu a sua Natuya pela primeira
vez no reflexo da lua espreitada na lamina das águas do rio Kaituna... Yaol foi a
encontro de sua amada... Mas novamente não conseguia ter em seus braços...
Yaol novamente sentia que quanto mais nadava para o fundo do rio....
Perseguindo a imagem de Natuya.... Mais ele se afastava de si mesmo e de sua
amada. Isto ocorreu por duas luas inteiras... Na terceira noite Yaol morreu
afogado... A imagem refletida da lua que apresentava as feições de Natuya... Na
verdade era Iara... Ela o enganou e reclamou o jovem para o fundo do rio... E
como prometido pelo povo Tupinambá... Yaol foi finalmente entregue a dona do
rio...
Yaol
Culto e Magia
22
Capitulo XIII
O Jovem Yaol....
Hoje em todas as luas que se fazem cheias no céu.... É possível ver o pequeno
Yaol se lamentando por não ter Natuya em seus braços... O jovem índio sempre é
visto na beira do rio Kaituna... E sentado sobre a grande pedra... vive eternamente
esperando o nascer do sol para ver o seu.... Para ver o seu sol.... A bela Natuya....
Infelizmente até os dias de hoje... Yaol nunca mais pode ver o sol nascer... Ele
nunca mais viu o rosto de Natuya... Pois Iara sempre que possível.... Vai busca-lo
antes que o sol nasça.... Levando-o novamente para o fundo do rio...
Fim
Yaol
Culto e Magia
23
Agradecimentos
A todos os meus amigos e colegas que leram este livro
Antes mesmo de sua impressão
Que elogiaram e criticaram as suas entrelinhas
Que deram muitas sugestões importantes
E que às vezes até compactuaram comigo
Em recitações ao ar livre
E dito isto
Na embriaguez da companhia de um bom e velho vinho
Um salve a todos vocês...
Yaol
Culto e Magia
24
Memorial
Em memória de um amor
Que ficou no passado...
Ao amor de minha vida
Ao amor de meu viver...
Ainda que este amor
Não esteja por mim....
Em público
Em púlpito...
Como devia o ser
Como deveria ter...
Tanto a mim
Quanto a ela...
Esteja aqui está declaração
Em memória de seu nome
Em estrato de dignifico título...
Oh! Minha amada bendita
Oh! Minha bendita amada...
Está escrito em sangue
Está escrito em chamas...
Mesmo que ainda esteja
No anonimato completo
Meu amor por você anA
Ainda continuará no espaço...
Percorrendo o infinito
Como o brilho de bilhões
De estrelas mortas nos céus
Que insistem em te focalizar...
Ainda que inerte na alma
Ainda que inerte na calma
Isto sim meu amor
É apenas amar-te....
Yaol
Culto e Magia
25
Notas do Autor
Este livro revela todas as ansiedades de liberação de pensamento, ilustra todas as
dramaticidades da exposição dos sentimentos proibidos a raízes ideológicas
inóspitas, refrata todas as inteligíveis percepções de um mundo completamente
formulado e arquitetado pelos apaixonados....
Exercer na declaração dos sentimentos inócuos, o amor, o desejo, a ternura, a
saudade, a dedicação, a paixão e o tempo a efêmeros resultados da resignação
refrataria de quem se ama, incidindo no desejo febril, o amor ao colo coibido do
próprio inimigo...
Um permanecer do tempo, entregue aos julgamentos dos amantes, um vincular do
cerne as críticas dos possíveis insultos alógenos.... Um sofre eterno do amar, um
vagar inacabável da escuridão, um sitiar deixado aos escritos não correspondidos,
um ferver do amor, um sofre do amar, uma desilusão no tecer do tempo...
Um amor colocado a guilhotina dos medos, um puxar incerto da alça que libera a
laminar do frio carrasco, um íntimo sentir tênue da ríspida morte.... Um milésimo
mínimo da paixão profana aterrada no sofrer...
Um final pernicioso a todos os poetas, uma ponderação inóspita ao ternário das
letras, um partir solitário na data de suas publicações, um livro incendiado pelas
forças do sobrenatural, um texto solto ao acaso do amados... Entre os poetas,
restam o lúgubre trabalho do sentir, a frágil volúpia do fingir, a réstia da eternidade
efêmera, o fardo do etéreo, a casta de um patrimônio cultural sucumbido, a
matéria da humanidade mórbida e a insanidade absurda do vazio.
Um especulo dos loucos, um hospício da maturidade, um assombro das
angustias, um atributo do amor frágil, um vício da paixão inerte. Um pertencimento
da comunhão seletiva dos leitores, um expor-se imediato a ilusão, um querer
complicado do universo...
Um atendimento irracional de todas as expectativas de quem nos devora a alma,
pagina por pagina, um remetente da preparação da trincheira, uma vivacidade de
guerra oblíqua, um tumulto revirado pelas bombas, onde as armas e o tedio são
colunas que pouco importam ao imprevisto da musa, algo que não nos incomoda
a carne, travá-la em campo aberto e ao frio.
Exposto as estas letras, desejo aos meus devoradores que este livro e um bom
vinho, sejam em uma madrugada chuvosa, belos companheiros, sugiro aos meus
leitores que os tome como hospede inato em suas vidas, regozije-o em tamanha
amplitude e gozo, na intenção de degustá-los e recita-los como prova de minha
companhia, tendo também os velhos amigos, reunidos sobre roda de uma boa
conversa em recitação de meus versos. Permanecendo o vinho, o livro e as belas
jovens ao lado de suas ébrias confraternizações eternas.
Abrantes F. Roosevelt

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Yaol (conto).doc

O Índio Enfeitiçado (conto)
O Índio Enfeitiçado (conto)O Índio Enfeitiçado (conto)
O Índio Enfeitiçado (conto)
Roosevelt F. Abrantes
 
Turma41
Turma41Turma41
Turma41
Turma41Turma41
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
KatrinaKatrina
Coletânea HADITHI NJOO 11
Coletânea HADITHI NJOO 11Coletânea HADITHI NJOO 11
Coletânea HADITHI NJOO 11
oficinativa
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
Amadeu Wolff
 
Aula 5 - Pablo Neruda
Aula 5 -  Pablo NerudaAula 5 -  Pablo Neruda
Aula 5 - Pablo Neruda
isadoravivacqua
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina 2
Katrina 2Katrina 2
Katrina 2
guest70476b1
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
guestc20bb4
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
guest70476b1
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
ricierisantos
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
ield
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
guest70476b1
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
guestc20bb4
 
Erico Veríssimo As aventuras de tibicuera (pdf) (rev)
Erico Veríssimo   As aventuras de tibicuera (pdf) (rev)Erico Veríssimo   As aventuras de tibicuera (pdf) (rev)
Erico Veríssimo As aventuras de tibicuera (pdf) (rev)
Museu Erico Veríssimo Cruz Alta
 
1 rafael j., leonardo karen xeramõi
1 rafael j., leonardo karen  xeramõi1 rafael j., leonardo karen  xeramõi
1 rafael j., leonardo karen xeramõi
inclusaodigital2011
 
Contos Indigenas de Terror para Crianças.docx
Contos Indigenas de Terror para Crianças.docxContos Indigenas de Terror para Crianças.docx
Contos Indigenas de Terror para Crianças.docx
Roosevelt F. Abrantes
 

Semelhante a Yaol (conto).doc (20)

O Índio Enfeitiçado (conto)
O Índio Enfeitiçado (conto)O Índio Enfeitiçado (conto)
O Índio Enfeitiçado (conto)
 
Turma41
Turma41Turma41
Turma41
 
Turma41
Turma41Turma41
Turma41
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
 
Coletânea HADITHI NJOO 11
Coletânea HADITHI NJOO 11Coletânea HADITHI NJOO 11
Coletânea HADITHI NJOO 11
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
 
Aula 5 - Pablo Neruda
Aula 5 -  Pablo NerudaAula 5 -  Pablo Neruda
Aula 5 - Pablo Neruda
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
 
Katrina 2
Katrina 2Katrina 2
Katrina 2
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
 
Katrina
KatrinaKatrina
Katrina
 
Erico Veríssimo As aventuras de tibicuera (pdf) (rev)
Erico Veríssimo   As aventuras de tibicuera (pdf) (rev)Erico Veríssimo   As aventuras de tibicuera (pdf) (rev)
Erico Veríssimo As aventuras de tibicuera (pdf) (rev)
 
1 rafael j., leonardo karen xeramõi
1 rafael j., leonardo karen  xeramõi1 rafael j., leonardo karen  xeramõi
1 rafael j., leonardo karen xeramõi
 
Contos Indigenas de Terror para Crianças.docx
Contos Indigenas de Terror para Crianças.docxContos Indigenas de Terror para Crianças.docx
Contos Indigenas de Terror para Crianças.docx
 

Mais de Roosevelt F. Abrantes

COE´s.docx
COE´s.docxCOE´s.docx
Tipos de Carteiras de Investimento.docx
Tipos de Carteiras de Investimento.docxTipos de Carteiras de Investimento.docx
Tipos de Carteiras de Investimento.docx
Roosevelt F. Abrantes
 
Fundo de Índices - ETF´s.docx
Fundo de Índices - ETF´s.docxFundo de Índices - ETF´s.docx
Fundo de Índices - ETF´s.docx
Roosevelt F. Abrantes
 
1981 (poesia).doc
1981 (poesia).doc1981 (poesia).doc
1981 (poesia).doc
Roosevelt F. Abrantes
 
Teoria Alienigena um Contato Extraterrestre.docx
Teoria Alienigena um Contato Extraterrestre.docxTeoria Alienigena um Contato Extraterrestre.docx
Teoria Alienigena um Contato Extraterrestre.docx
Roosevelt F. Abrantes
 
Ensaios Ideológicos - Discursos Dialéticos da Ideologia.docx
Ensaios Ideológicos - Discursos Dialéticos da Ideologia.docxEnsaios Ideológicos - Discursos Dialéticos da Ideologia.docx
Ensaios Ideológicos - Discursos Dialéticos da Ideologia.docx
Roosevelt F. Abrantes
 
Lista dos Códigos Bancarios do Brasil.docx
Lista dos Códigos Bancarios do Brasil.docxLista dos Códigos Bancarios do Brasil.docx
Lista dos Códigos Bancarios do Brasil.docx
Roosevelt F. Abrantes
 
Investimentos para 2023.docx
Investimentos para 2023.docxInvestimentos para 2023.docx
Investimentos para 2023.docx
Roosevelt F. Abrantes
 
Relatório Financeiro - Categoria de Ativos e Moedas Digitais
Relatório Financeiro - Categoria de Ativos e Moedas Digitais Relatório Financeiro - Categoria de Ativos e Moedas Digitais
Relatório Financeiro - Categoria de Ativos e Moedas Digitais
Roosevelt F. Abrantes
 
Relatório Financeiro - Títulos Públicos
Relatório Financeiro - Títulos PúblicosRelatório Financeiro - Títulos Públicos
Relatório Financeiro - Títulos Públicos
Roosevelt F. Abrantes
 
Relatório Financeiro - Títulos de Ações
Relatório Financeiro - Títulos de AçõesRelatório Financeiro - Títulos de Ações
Relatório Financeiro - Títulos de Ações
Roosevelt F. Abrantes
 
Relatório Financeiro - Poupança
Relatório Financeiro - PoupançaRelatório Financeiro - Poupança
Relatório Financeiro - Poupança
Roosevelt F. Abrantes
 
Relatório Financeiro - Numismática
Relatório Financeiro - NumismáticaRelatório Financeiro - Numismática
Relatório Financeiro - Numismática
Roosevelt F. Abrantes
 
Relatório Financeiro - Fundos de Investimentos
Relatório Financeiro - Fundos de InvestimentosRelatório Financeiro - Fundos de Investimentos
Relatório Financeiro - Fundos de Investimentos
Roosevelt F. Abrantes
 
Relatório Financeiro - Criptomoedas
Relatório Financeiro - CriptomoedasRelatório Financeiro - Criptomoedas
Relatório Financeiro - Criptomoedas
Roosevelt F. Abrantes
 
Relatório Financeiro - Certificados Bancários
Relatório Financeiro - Certificados BancáriosRelatório Financeiro - Certificados Bancários
Relatório Financeiro - Certificados Bancários
Roosevelt F. Abrantes
 
Relatório Financeiro - Apostas Desportivas
Relatório Financeiro - Apostas DesportivasRelatório Financeiro - Apostas Desportivas
Relatório Financeiro - Apostas Desportivas
Roosevelt F. Abrantes
 
Relatório de Informações - Segurança Eletrônica
Relatório de Informações - Segurança EletrônicaRelatório de Informações - Segurança Eletrônica
Relatório de Informações - Segurança Eletrônica
Roosevelt F. Abrantes
 
Relatório de Informações - Direitos de Correntistas
Relatório de Informações - Direitos de CorrentistasRelatório de Informações - Direitos de Correntistas
Relatório de Informações - Direitos de Correntistas
Roosevelt F. Abrantes
 
Relatório de Informações - Corretoras de Ativos
Relatório de Informações - Corretoras de AtivosRelatório de Informações - Corretoras de Ativos
Relatório de Informações - Corretoras de Ativos
Roosevelt F. Abrantes
 

Mais de Roosevelt F. Abrantes (20)

COE´s.docx
COE´s.docxCOE´s.docx
COE´s.docx
 
Tipos de Carteiras de Investimento.docx
Tipos de Carteiras de Investimento.docxTipos de Carteiras de Investimento.docx
Tipos de Carteiras de Investimento.docx
 
Fundo de Índices - ETF´s.docx
Fundo de Índices - ETF´s.docxFundo de Índices - ETF´s.docx
Fundo de Índices - ETF´s.docx
 
1981 (poesia).doc
1981 (poesia).doc1981 (poesia).doc
1981 (poesia).doc
 
Teoria Alienigena um Contato Extraterrestre.docx
Teoria Alienigena um Contato Extraterrestre.docxTeoria Alienigena um Contato Extraterrestre.docx
Teoria Alienigena um Contato Extraterrestre.docx
 
Ensaios Ideológicos - Discursos Dialéticos da Ideologia.docx
Ensaios Ideológicos - Discursos Dialéticos da Ideologia.docxEnsaios Ideológicos - Discursos Dialéticos da Ideologia.docx
Ensaios Ideológicos - Discursos Dialéticos da Ideologia.docx
 
Lista dos Códigos Bancarios do Brasil.docx
Lista dos Códigos Bancarios do Brasil.docxLista dos Códigos Bancarios do Brasil.docx
Lista dos Códigos Bancarios do Brasil.docx
 
Investimentos para 2023.docx
Investimentos para 2023.docxInvestimentos para 2023.docx
Investimentos para 2023.docx
 
Relatório Financeiro - Categoria de Ativos e Moedas Digitais
Relatório Financeiro - Categoria de Ativos e Moedas Digitais Relatório Financeiro - Categoria de Ativos e Moedas Digitais
Relatório Financeiro - Categoria de Ativos e Moedas Digitais
 
Relatório Financeiro - Títulos Públicos
Relatório Financeiro - Títulos PúblicosRelatório Financeiro - Títulos Públicos
Relatório Financeiro - Títulos Públicos
 
Relatório Financeiro - Títulos de Ações
Relatório Financeiro - Títulos de AçõesRelatório Financeiro - Títulos de Ações
Relatório Financeiro - Títulos de Ações
 
Relatório Financeiro - Poupança
Relatório Financeiro - PoupançaRelatório Financeiro - Poupança
Relatório Financeiro - Poupança
 
Relatório Financeiro - Numismática
Relatório Financeiro - NumismáticaRelatório Financeiro - Numismática
Relatório Financeiro - Numismática
 
Relatório Financeiro - Fundos de Investimentos
Relatório Financeiro - Fundos de InvestimentosRelatório Financeiro - Fundos de Investimentos
Relatório Financeiro - Fundos de Investimentos
 
Relatório Financeiro - Criptomoedas
Relatório Financeiro - CriptomoedasRelatório Financeiro - Criptomoedas
Relatório Financeiro - Criptomoedas
 
Relatório Financeiro - Certificados Bancários
Relatório Financeiro - Certificados BancáriosRelatório Financeiro - Certificados Bancários
Relatório Financeiro - Certificados Bancários
 
Relatório Financeiro - Apostas Desportivas
Relatório Financeiro - Apostas DesportivasRelatório Financeiro - Apostas Desportivas
Relatório Financeiro - Apostas Desportivas
 
Relatório de Informações - Segurança Eletrônica
Relatório de Informações - Segurança EletrônicaRelatório de Informações - Segurança Eletrônica
Relatório de Informações - Segurança Eletrônica
 
Relatório de Informações - Direitos de Correntistas
Relatório de Informações - Direitos de CorrentistasRelatório de Informações - Direitos de Correntistas
Relatório de Informações - Direitos de Correntistas
 
Relatório de Informações - Corretoras de Ativos
Relatório de Informações - Corretoras de AtivosRelatório de Informações - Corretoras de Ativos
Relatório de Informações - Corretoras de Ativos
 

Último

Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 

Último (20)

Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 

Yaol (conto).doc

  • 1. Yaol Culto e Magia 1 Yaol Culto e Magia Ubirani Yaraima 1994
  • 2. Yaol Culto e Magia 2 “A mata Úmida nos causava arrepios... E muitos olhos estranhos nos seguia... Não parecia ser um animal... Ele não deixou pegadas e nem cheiro.... Algo sobrenatural nos rondava a noite toda.... Diegho Courtenbitter
  • 3. Yaol Culto e Magia 3 Dedicatória, Este livro é dedicado a mãe natureza e amor que ela tem por nós todos aqui na terra.... Não sejamos filhos ingratos.... Ao tirar dela.... Devolvemos.... Ao destruir dela.... Possamos reconstruir.... Tenhamos clareza em zelar pela nossa mãe matéria e carbono.... Tenhamos bom senso ao cuidar de nossa essência.... Somos um bem coletivo.... Algo que somente temos ao compartilhar com alguém... Rusgat Niccus
  • 4. Yaol Culto e Magia 4 Autobiografia Nome: Ubirani Yaraima Aruana de Abrantes Data de Nascimento: 04/06/1969 Data de Falecimento: 27/11/2016 Cidade Natal: Belém Estado Natal: Para País: Brasil Nome do Pai: Uipiara Yaraima Aruana de Abrantes Nome da Mãe: Anahí Aymane Aruana de Abrantes Cônjuge: Tuane Aiyra Itapema Aruana de Abrantes Ocupação: Poeta, Escritor, Contista, Cronista, Fotografo, Grafista e Iluminarista Profissão: Representante de Causas Indígenas do Governo do Pará e Paragominas, Comerciante, Ativista Ambiental, Artesão e Chefe de Tribal Bairro onde Morou na Infância: Aldeia Taguatinga Locais onde Trabalhou: Governo do Estado do Pará, Prefeitura de Paragominas, e Centro de Artesanato Formação Acadêmica: Ensino Superior Completo Lugares onde Morou: Pará, Maranhão e Piauí Ideologia Política: Esquerda de Vanguarda Gosto Musical: Cantos do folclore Tupinambá Gosto Gastronômico: Peixes, Cobras, Cutias, Arroz Branco, Vinagreira, Farinha d´água, e Pimenta Religião: Tupã Altura: 1,65 Mts Etnia / Raça: Indígena Aldeia / Povo: Tupinambá Cor da Pele: Parda Cor dos Olhos: Pretos e Pequenos Cor dos Cabelos: Pretos Claros, Lisos e Compridos Postura Física: Estatura Média Tipo Físico: Magro, Dedos pequenos, Pés pequenos e Pernas Curtas Tipo Físico Facial: Nariz pequeno e Afinado, Cabeça Oval e Queixo Arredondado Trajes Habituais: Cocar de Penas Vermelhas, Amarelas, Laranjas, Pretas e Brancas, Camisa Social Branca, Calça Preta, Sapatos Pretos e Várias Pulseiras e Assessórios Indígenas. Escritores Favoritos: Friedrich Wilhelm Nietzsche Johann Wolfgang von Goethe, Fernando Pessoa, Lord Byron e Alvares de Azevedo Pintores Prediletos: Vincent Willem van Gogh, Salvador Dalí i Domènech e Oscar-Claude Monet Músicos Preferidos: Franz Liszt, Wolfgang Amadeus Mozart, Ludwig van Beethoven e Frédéric François Chopin Título Poético: Curiosidade: Idade: 47 anos Orientação Sexual: Heterossexual Heterônimo: Ubirani Yaraima Aruana
  • 5. Yaol Culto e Magia 5 Historiografia: 1969 - 2016 Autor/Criador: Roosevelt Ferreira Abrantes Ubirani Yaraima Aruana
  • 6. Yaol Culto e Magia 6 “Amar é uma lembrança doce.... Amar é uma doença feliz... Amar um sofrer por causa alguma.... É invenção de te amar.... Ubirani Yaraima Aruana
  • 7. Yaol Culto e Magia 7 Livro: Yaol Tradução: Culto e Magia Gênero: Conto Ano: 1994 Autor: Ubirani Yaraima Titularidade: Este é um Heterônimos de Roosevelt F. Abrantes Editora: Editora Lascivinista / Produção e Publicação Independente Coletânea: Amores e Perdições Ano de Finalização Escritural da Obra: 1993 Data da Primeira Publicação deste Livro: 26 de Abril de 1993 Contatos: End.: Rua das Palmeiras, n° 09 Residencial Parque das Palmeiras Vila Embratel – São Luís - Maranhão Cep.: 65080140 – São Luís – Ma País.: Brasil / Região.: Nordeste Tel.: (98) 9 9907-9243 / (98) 9 8545-4918 WhatsApp.: (98) 9 8545-4918 E-mail.: rooseveltabrantes@gmail.com Redes Sociais: Facebook.: https://www.facebook.com/rooseveltfabrantes Twitter.: https://twitter.com/rooseveltabrant Linkendin.: https://www.linkedin.com/in/roosevelt-f-abrantes-0b1b2426/ Instagran.: https://www.instagram.com/abrantesroosevelt/ Hotmail.: rooseveltabrantes@outlook.com Blogger: http://movimentolascivinista.blogspot.com/ Site.: http://movimentolascivinista.com
  • 8. Yaol Culto e Magia 8 “A Trilogia dos livros “O Índio Enfeitiçado”, “Natuya” e “Yaol” são parte de um conto indígena que conta a saga do Índio Guerreiro Yaol que lutou com todas as forças para não perder o amor de sua vida... A bela Índia Natuya... Estes três livros são dedicados a linda Anajara Oliveira... O seu amor verdadeiro... A sua única paixão... O seu eterno amar... Abrantes F. Roosevelt
  • 9. Yaol Culto e Magia 9 Prefácio Este conto tribal trata do misticismo indígena envolvendo o amor entre dois jovens índios de tribos distintas que residiam na mesma região que abarca o grande rio Kaitana.... O jovem Yaol da tribo Guajajaras, depois de saber que o seu amor poderia ser uma das eleitas ao sacrifício indígena, tenta encontra a jovem as escondidas para fugir... Mas os seres do mundo sobrenatural o impedem de chegar próximo a Natuya... A índia Natuya era uma das indígenas tupinambás mais bela de sua tribo... E por isso foi preterida a sacrifício através de uma consulta mística erigida junto a grande serpente. A índia seria oferecida em sacrilégio ao deus sol. Uma moeda de troca para acalmar a ira do astro rei que havia se afastado da terra devido a desobediência dos indígenas que não desejavam pôr fim a grande guerra. Este conflito ardente entre as tribos já perdurava por muitas luas. E milhares de indígenas haviam morrido devido a questões territoriais e cerimoniais... A guerra era truculenta, insana e egoísta, mas ainda assim não se havia erigido um vencedor. Yoal apaixonado pela jovem Natuya não se conformava com o destino cruel de sua amada e após perde-la para o sacrifício, tentou resgata-la da morte depois de vê-la presa no reflexo do sol imprimido na água do rio Kaituna... O jovem índio passou metade de seus melhores anos de vida nadando da praia até o mar em busca da índia Natuya que se refletia na lamina d´água do mar... Yaol a perseguia do nascer até o pôr do sol... Mas o seu reflexo no mar não podia ser abraçado ou tocado. Milhares de luas mais tarde Yaol desiste de procura-la nas águas do mar... E como o seu reflexo se confundia com o próprio sol... Yaol tentou de várias maneiras mirabolantes ultrapassar os limites do firmamento dos céus e chegar até o sol... Um fato que se mostrou fracassado e impossível... E poucas luas depois Yaol rever a sua amada Natuya no reflexo do rio Kaituna... Era a primeira vez que ele a olhava durante a noite no reflexo da lua... Antes Yaol a via no reflexo do sol refletido no mar... Desta vez Natuya se transmutou da bela lua... E Yoal foi ao seu encontro... E mergulhou no rio em busca de sua amada... Porém, tudo aquilo era uma mentira produzida por Iara... E desejosa por Yaol... Acabou afogando o jovem.... Levando- o definitivamente para o fundo do rio... Abrantes F. Roosevelt
  • 10. Yaol Culto e Magia 10 Capitulo I A Fogueira.... Há muitas luas não se via um céu tão iluminado como este... E Yaol não se referia ao brilho das estrelas ou da lua... O clarão enorme que aumentava de intensidade.... Tinha uma natureza artificial.... No alto da pirâmide de pedra.... Ardia uma grande fogueira.... As suas chamas iluminavam toda a aldeia, o rio Kaituna, O grande mar e toda a floresta.... Aquilo parecia um sol no meio da escuridão opaca... Os Guajajaras faziam a madruga mais barulhenta e iluminada de toda a ilha.... Vários povos vieram de longe para participar deste rito... Os Tupinambás e os Xavantes eram a maioria dentre os povos que compareceram à reunião... Todos estavam felizes e contentes... Mas do ato da arvore... E longe da festividades... Yoal era o único que chorava e se entristecia com aquela algazarra...
  • 11. Yaol Culto e Magia 11 Capitulo II O Sacrifício... O motivo de tanta alegria.... Estava ligado a um sacrifício.... Um ritual indígena.... Há muitas luas.... O deus sol... Furioso com as guerras que existia entre Tupinambás, Guajajaras e Xavantes.... Resolveu que se não se estabelece a paz... Ele iria embora da mãe terra... E se juntaria com as outras estrelas.... Afastando o seu brilho para sempre de nossa aldeia... Quando isto aconteceu.... Muitas nuvens cinzas e pretas se juntaram no alto do firmamento... E por vários anos.... Apenas chovia.... Em outras ocasiões, as vezes garoava.... Em outros momentos, apenas se via o orvalho... Mas na maioria das vezes, a aldeia apenas via os céu nublados e nenhuma chuva... Este inconstante mal humor do deus sol.... Começou a afeta as colheitas... Os aninais domésticos morreram... As crianças, mulheres e idosos adoeciam... E muitos acabaram morrendo...
  • 12. Yaol Culto e Magia 12 Capitulo III O Fim da Guerra... As tribos resolveram pôr fim à guerra... Os Tupinambás, os Xavantes e os Guajajaras.... Reuniram-se as beiras do rio Kaituna.... Uma longa discursão começou a ser travada... E depois de duas luas.... Uma decisão unânime foi acordada entre as três tribos... Os índios fariam uma oferenda ritualística ao deus sol... Eles pediriam ao astro rei a revogação de seu afastamento.... Os pedidos por piedade, clemencia e mansidão viriam de um ato nobre das três tribos.... Eles ofereceriam o que tinham de melhor em sua aldeia... E para enfatiza a honra ao deus sol... Eles ergueriam a maior fogueira que já existiu no alto da pirâmide de pedra...
  • 13. Yaol Culto e Magia 13 Capitulo IV A Recusa de Iara... No dia do ritual.... Os índios trouxeram de suas aldeias.... As três índias mais lindas que existia em seus povoados... E uma delas seria a escolhida para o sacrifício.... Uma nova reunião juntou novamente os três povos as beiras do rio Kaituna.... Mas um consenso parecia impossível... O ego dos pajés era enorme... E nenhum deles queria ficar de fora daquele ritual... Afinal quem trouxesse a luz do sol de volta para a terra... Deveria reinar sobre as outras aldeias... Isto era o acordado... Então um ritual de purificação e consulta mística foi erigido pelos caciques.... Eles iriam consulta Iara no alto da nascente do rio Kaituna... E a ela.... Eles pediriam orientação... Mas Iara estava antipática... E se negava a falar com Os índios... Os rios nunca estiveram tão cheios e repleto de vivos... As matas estas mais vividas e verdes.... Os animais aquáticos se multiplicavam... E os animais terrestres se alimentavam com abundância e fervo... E para Iara.... A deusa dos rios e das águas.... O afastamento do deus Sol era benéfico... A noite não era o bastante para o seu reinado... E por isso tinha interesse nos dias nublado e escuros... Iara agora tinha mais dias escuros e nublados para se locomover... E a sua única preocupação e apreço era em cuida de suas crias e alimentar os escravizados... Os índios então não viam outra saída a não ser consultar um outro deus... No entanto... Este outro ser sempre exigia pagamentos... E como de habitual... Uma índia era ofertada como alimento para tal criatura....
  • 14. Yaol Culto e Magia 14 Capitulo V O Caminho até Sucumbira.... Os indígenas então caminharam até o alto do rio Kaituna e foram em direção a floresta negra.... Todos queria chegar a gruta das lamentações antes que a escuridão ficasse compacta... Esta gruta... Abrigava uma grande cachoeira... As suas águas eram as mais límpidas e bonitas de toda a região... E este era o lar de Sucumbira... A Grande Serpente... A criatura portadora do abraço da morte... A dona dos olhos e língua de fogo... O deus mais cruel dos indígenas... E na comitiva... Além dos três reis indígenas.... Também estavam as três índias... Uma Tupinambá, uma Xavante e um Guajajara.... Todas estavam preparadas com banhos mágicos, perfumadas, alimentadas e amarada em uma dobra de madeira... Uma das lindas índias seria escolhida pela grande serpente... E somente assim a consulta mística poderia ser desperta e acolhida por Sucumbira... E em meio as águas da cachoeira.... Eis que uma surpresa estava as portas da gruta... Mãe Iara estava banhando... E ainda nua e lavando os cabelos... Iara perguntou o motivo da visita aos viajantes.... Afinal.... Sucumbira era uma das escravas de Iara.... E todos tinham que dar satisfações a ela... O rei xavante foi o primeiro a falar... Eles queriam o deus sol de volta a aldeia... Os seus filhos estavam doentes... suas mulheres morriam de uma tosse desconhecida, seus idosos morriam dormido após uma longa febre.... E as suas plantações não germinavam... E os peixes, e os outros animais da floresta sobre as suas ordens não se doavam como alimento.... Até água do rio não quer mais nos saciar a sede.... Estamos morrendo de fome e de sede...
  • 15. Yaol Culto e Magia 15 Capitulo VI A Suplica a Iara... Mãe Iara ouvia com atenção todas as lamurias e as dores que os índios enfrentavam por ter desobedecidos o astro sol... E convencida do arrependimento daquele povo... Iara ofereceu um pacto... Trata-se de uma troca... A dona do rio.... Deseja ter em seus braços.... Um amor que a muito tempo aguardava... O seu nascimento ocorreu a doze anos atrás... Ele vive hoje na aldeia Guajajaras... E o seu nome é Yaol.... Tragam a mim este menino... Desejo ter com ele uma noite inteira de amor... Após isso... Vocês podem entra na gruta e falar com Sucumbira... A oferta de Iara não era algo incomum ou impossível... Mas o povo tinha pressa... E a fome e a sede não aguardam prazos... E descer as montanhas somente para buscar o menino em outra aldeia... Permitiria mais mortes, fome e sede para todas as tribos... E isto também demandaria umas três luas... O Chefe pajé Guajajara.... Angustiado e perdido.... Então fez a Iara um contra pedido.... Explicou a urgência que a consulta demandaria com Sucumbira... Reforçou que a fome e a sede poderia matar muitos mais índios se isto se prolongasse.... E sendo direto ao assunto.... Ofertou o jovem Yaol como presente... A bela Iara não teria uma noite apenas com o Jovem.... Ela o teria para todo o sempre.... Afirmou o pajé.... Estabelecendo a sua palavra como fechamento e confirmação do acordo... Iara pensou um pouco... Mas não vacilou com a oferta... Aceito e permitiu que os índios entrassem na gruta... A serpente foi despertada por Mae Iara.... A consulta iria começar....
  • 16. Yaol Culto e Magia 16 Capitulo VII A Consulta.... Quando os índios entraram na gruta... A grande serpente já estava de pé e soerguida sobre as faces dos indignas.... Os grandes olhos de Sucumbira ardiam em chamas.... E a sua voz parecia um trovão em plena chuva... A sua língua tinha labaredas de fogo sendo expelidas a cada falar da serpente... E o seu cheiro principiava a enxofre e fel... A serpente então os indagou... – O que vocês desejam saber... – O que querem de mim nesta noite de chuva... E os índios lhe perguntaram.... – Queremos saber de povo o astro rei deseja ter a índia para o sacrifício no alto da pirâmide de pedra... – Ele nos ignora.... – Não falar conosco a muitas luas... – Sabemos que é exigido de nós um sacrifício... – A rainha Iara também não quer nos orientar... – E por isso estamos aqui.... – Pois sabemos que em troca de sua consulta... – Podemos lhe pagar.... A serpente enrola-se em sim mesma e prostrando-se perante os índios, os refuta de maneira positiva... – Vou lhes ajudar... – Mais primeiro amarem a minha oferta sobre o Girau.... Eu quero a índia Guajajaras para oferta... E assim foi feito... A índia Guajajara foi amarrada e preparada no Girau ritualístico... E depois da índia ter sido devorada pela serpente... Sucumbira se pronunciou... – A índia que o seu deus sol deseja está entre os Tupinambás... Trata-se da menina que nasceu a doze anos atrás... E a menina Natuya...
  • 17. Yaol Culto e Magia 17 Capitulo VIII A Oferta... Os índios retornaram a aldeia Tupinambá... E seguindo o que a grande serpente dissera... Prepararam a menina Natuya para o sacrifício... As mães de outras meninas choravam pela escolha triste que a tribo tinham tomado. Uma decisão desta afetou não somente a família da pequena Natuya, mas toda a tribo... Todos cantarolavam consternados durante as preparações ritualísticas... E enquanto a fogueira era erguida... Yaol chorava... E quanto mais se enfeitavam a aldeia... Mas tristeza se acumulava no coração do pequeno índio... Yaol e Natuya tiveram apenas três luas como encontro amoroso... A lua e a cachoeira Itamavapa era as suas únicas testemunhas.... O índio Yaol não se conformava com aquela decisão grotescas.... Por que somente as meninas índias estão passiveis de sacrifícios.... Por que os deuses querem tanto as índias.... Eles não se contentam mais somente com os sacrifícios de nossos animais domésticos. Agora eles também querem os nossos amores, as nossas paixões e as nossas vidas... Yaol estava desolado.... Uma estória alegre veio a sua cabeça em meio a tristeza... o jovem Yaol recordou-se de uma curiosidade que a pela menina compartilhou no alto da cachoeira. Natuya contava a Yaol como adquiriu o machucado da testa... Yaol gostava de ficar passando a mão sobre a sua pequenina cicatriz em forma de carinho... A linda indígena ainda era muito criança quando caiu de testa sobre a pedra grande do rio Kaituna... A sua mãe e irmão lembram que o rio ficou tingido de vermelho... E até os peixes se cobriram com o seu sangue.... Alguns desses peixes até hoje se banho perto da margem para brinca com a pequena Natuya.. Os tambores começaram a ruflar.... As mesas com comidas e bebidas estavam expostas no meio da aldeia.... Os mastros com frutas estavam erguidos... E a fogueira estava montada.... Agora não se tinha nada a fazer... Yaol perderia o seu grande amor para o fogo da fogueira naquela noite...
  • 18. Yaol Culto e Magia 18 Capitulo IX A Tristeza de Yaol... O jovem Yaol sabendo que a bela Natuya podia ser uma das erigidas ao grande sacrifício... Tentou se comunicar com a jovem para poderem fugirem juntos da aldeia... Mas os espíritos sobrenaturais da floreta e das águas do rio Kaitana, o impediu de chegar próximo a Natuya. O dia amanheceu... Yaol havia dormido no topo da arvore.... Nos céus apenas um rastro de fumaça e cinzas... A fogueira estava apagada... E junto com ela o seu amor... Natuya havia sido sacrificada... O seu grande amor está com os deuses.... O jovem Yaol não tinha mais por que viver... A sua vida era Natuya... Depois de algumas horas sobre o alto da arvores... Algo surpreendente aconteceu sobre a aldeia...... As nuvens cinzas e pretas estavam se dissipando... Algumas estavam indo embora... O céu se abriu majestoso e lindo... E o sol finalmente apareceu nos céus de maneira lindíssima... A muito tempo não se via o sol... Tanto tempo que Yaol quase se esqueceu de como era lindo a sua face... Minutos mais tarde... Um movimentos atípico atinou os aldeões... Muitas vozes... Muitos cânticos... Algumas correrias... E algumas outras gritarias se iniciavam entre as ocas... Segundos depois principiou-se uma nova festa.... Todos se presentavam no meio da aldeia... A alegria estava de volta aos Tupinambás... O mesmo deveria está ocorrendo com os Xavante e Guajajaras. Todos ali já se esqueceram de Natuya... Menos Yaol...
  • 19. Yaol Culto e Magia 19 Capítulo X A Presença de Natuya... O jovem Yaol estava triste... O seu rosto tinha muitas lacrimas para alguém de apenas doze anos de idade.... Os pingos de suas lagrimas batam com forma nas aguas do rio Kaituna... E do alto daquela arvore solitária... Beirada no topo do rio.... Não se via nada... Além do pobre Yaol... E com a cabeça para baixo... E com os olhos em lagrimas voltados para lamina d´água do rio... Yaol fitava a correnteza que não para de seguir o seu curso natural... Mas eis que o dia estava lindo... O sol era um colírio para a felicidade... Todos os pássaros voltaram a voar livremente.... Os animais voltaram a beber agua no rio Kaituna.... Os peixes pulavam sobre a lamina d´água... E a floreta parecia respirar.... E junto com os raios de sol... Yoal viu a sua bela Natuya no reflexo da água.... Ela sorria... Era sim... A sua Natuya... Yaol pulou do alto da arvore e mergulhou no rio.... Tentou alcançar a sua amada... Mas Yaol percebia que quanto mais nadava para o fundo mais Natuya se afastava... O reflexo do sol e de Natuya se misturava em um só ser sobrenatural... A sua bela amada era o sol literalmente.... Os dois agora eram um ser unificado... O brilho do sol hora se transmutava em Natuya, ora se transmutava no próprio sol... Aquilo era incrível e magico... O coração de Yaol tinha menos peso... O amor voltou a seu lugar de origem... E tudo que estava morto dentro dele... Tinha voltado a vida... Até o seu coração voltou a bater feliz... Pois Natuya estava de volta...
  • 20. Yaol Culto e Magia 20 Capítulo XI A Busca de Natuya... A busca por Natuya levou Yaol até o grande mar... O jovem Yaol passava agora todos os dias de sua vida tentando alcançar a materialidade de Natuya... Houve dias que ele nadava para o alto mar seguindo o reflexo do sol até ele se pôr no horizonte... Yaol nadava todos os dias.... Isto era feito logo nos primeiros raios de sol... Yaol nadava tanto que chegava a exaustão... O sal da água do mar... O sol quente... O vento frio dos invernos e as oscilações das marés.... Estavam acabando com a saúde de Yaol... Yaol então percebendo que não conseguiria alcança a sua amada pelo mar... Ele tentaria chegar a ela indo até os céus... O grande mar azul do firmamento pintado por Tycara.... Seria a sua nova batalha... O índio resolveu que iria até o firmamento para vê-la... Ele começou a desenhar nas areias da praia várias maquetes de engenhocas que pudessem lhe catapultar até o sol... E por várias luas Yaol tentou ser lançado para o sol... Usou um tipo de catapulta feita com cipós e uma palmeira para ser inçado e lançado...... A arvore teve o todo de suas folhas amarradas ao chão e direcionada ao horizonte... O ártico contava com uma mecânica engenhosa... O corte do cipó acionava a catapulta... Mas ideia não deu certo... Yaol mal passou da altura das maiores arvores que existia na beira da praia... Depois tentou uma espécie de alavanca... Feita de madeira cortada e amarrações de cipós... O dispositivo contava com um tipo de palha elástica que poderia lhe oferecer a energia de impulso necessário para ser alavancado da praia até o sol... E novamente falhou.... Depois tentou usar um elástico amarado a um cofo de palha.... As amarrações contavam com um tipo de fluido retirado de uma seringueira... E sendo resistente... Desta vez ele seria impulsionado até os céus... Mas novamente falhou... E por fim usou um arco e flecha gigantesco para lhe arremessar. Mas novamente fracassou...
  • 21. Yaol Culto e Magia 21 Capitulo XII O Fim Trágico de Yaol... Yaol tentou por várias luas e vários sois chegar até a sua amada Natuya... Mas o tempo foi um carrasco e algoz de suas empreitadas... O jovem índio já estava doente e cansado... Quando em uma destas luas viu a sua Natuya pela primeira vez no reflexo da lua espreitada na lamina das águas do rio Kaituna... Yaol foi a encontro de sua amada... Mas novamente não conseguia ter em seus braços... Yaol novamente sentia que quanto mais nadava para o fundo do rio.... Perseguindo a imagem de Natuya.... Mais ele se afastava de si mesmo e de sua amada. Isto ocorreu por duas luas inteiras... Na terceira noite Yaol morreu afogado... A imagem refletida da lua que apresentava as feições de Natuya... Na verdade era Iara... Ela o enganou e reclamou o jovem para o fundo do rio... E como prometido pelo povo Tupinambá... Yaol foi finalmente entregue a dona do rio...
  • 22. Yaol Culto e Magia 22 Capitulo XIII O Jovem Yaol.... Hoje em todas as luas que se fazem cheias no céu.... É possível ver o pequeno Yaol se lamentando por não ter Natuya em seus braços... O jovem índio sempre é visto na beira do rio Kaituna... E sentado sobre a grande pedra... vive eternamente esperando o nascer do sol para ver o seu.... Para ver o seu sol.... A bela Natuya.... Infelizmente até os dias de hoje... Yaol nunca mais pode ver o sol nascer... Ele nunca mais viu o rosto de Natuya... Pois Iara sempre que possível.... Vai busca-lo antes que o sol nasça.... Levando-o novamente para o fundo do rio... Fim
  • 23. Yaol Culto e Magia 23 Agradecimentos A todos os meus amigos e colegas que leram este livro Antes mesmo de sua impressão Que elogiaram e criticaram as suas entrelinhas Que deram muitas sugestões importantes E que às vezes até compactuaram comigo Em recitações ao ar livre E dito isto Na embriaguez da companhia de um bom e velho vinho Um salve a todos vocês...
  • 24. Yaol Culto e Magia 24 Memorial Em memória de um amor Que ficou no passado... Ao amor de minha vida Ao amor de meu viver... Ainda que este amor Não esteja por mim.... Em público Em púlpito... Como devia o ser Como deveria ter... Tanto a mim Quanto a ela... Esteja aqui está declaração Em memória de seu nome Em estrato de dignifico título... Oh! Minha amada bendita Oh! Minha bendita amada... Está escrito em sangue Está escrito em chamas... Mesmo que ainda esteja No anonimato completo Meu amor por você anA Ainda continuará no espaço... Percorrendo o infinito Como o brilho de bilhões De estrelas mortas nos céus Que insistem em te focalizar... Ainda que inerte na alma Ainda que inerte na calma Isto sim meu amor É apenas amar-te....
  • 25. Yaol Culto e Magia 25 Notas do Autor Este livro revela todas as ansiedades de liberação de pensamento, ilustra todas as dramaticidades da exposição dos sentimentos proibidos a raízes ideológicas inóspitas, refrata todas as inteligíveis percepções de um mundo completamente formulado e arquitetado pelos apaixonados.... Exercer na declaração dos sentimentos inócuos, o amor, o desejo, a ternura, a saudade, a dedicação, a paixão e o tempo a efêmeros resultados da resignação refrataria de quem se ama, incidindo no desejo febril, o amor ao colo coibido do próprio inimigo... Um permanecer do tempo, entregue aos julgamentos dos amantes, um vincular do cerne as críticas dos possíveis insultos alógenos.... Um sofre eterno do amar, um vagar inacabável da escuridão, um sitiar deixado aos escritos não correspondidos, um ferver do amor, um sofre do amar, uma desilusão no tecer do tempo... Um amor colocado a guilhotina dos medos, um puxar incerto da alça que libera a laminar do frio carrasco, um íntimo sentir tênue da ríspida morte.... Um milésimo mínimo da paixão profana aterrada no sofrer... Um final pernicioso a todos os poetas, uma ponderação inóspita ao ternário das letras, um partir solitário na data de suas publicações, um livro incendiado pelas forças do sobrenatural, um texto solto ao acaso do amados... Entre os poetas, restam o lúgubre trabalho do sentir, a frágil volúpia do fingir, a réstia da eternidade efêmera, o fardo do etéreo, a casta de um patrimônio cultural sucumbido, a matéria da humanidade mórbida e a insanidade absurda do vazio. Um especulo dos loucos, um hospício da maturidade, um assombro das angustias, um atributo do amor frágil, um vício da paixão inerte. Um pertencimento da comunhão seletiva dos leitores, um expor-se imediato a ilusão, um querer complicado do universo... Um atendimento irracional de todas as expectativas de quem nos devora a alma, pagina por pagina, um remetente da preparação da trincheira, uma vivacidade de guerra oblíqua, um tumulto revirado pelas bombas, onde as armas e o tedio são colunas que pouco importam ao imprevisto da musa, algo que não nos incomoda a carne, travá-la em campo aberto e ao frio. Exposto as estas letras, desejo aos meus devoradores que este livro e um bom vinho, sejam em uma madrugada chuvosa, belos companheiros, sugiro aos meus leitores que os tome como hospede inato em suas vidas, regozije-o em tamanha amplitude e gozo, na intenção de degustá-los e recita-los como prova de minha companhia, tendo também os velhos amigos, reunidos sobre roda de uma boa conversa em recitação de meus versos. Permanecendo o vinho, o livro e as belas jovens ao lado de suas ébrias confraternizações eternas. Abrantes F. Roosevelt