SlideShare uma empresa Scribd logo
Meu marido foi embora. E agora?
Valéria Araujo – www.valeriaaraujo.com
Meu marido foi embora. E agora?
Valéria Araujo – www.valeriaaraujo.com
CAPÍTULO 1
A CIRURGIA (01/12/2002)
Era quase verão e, no Rio de Janeiro, o calor já estava asfixiante. Minha pele suada
embebia o lençol em que meu corpo repousava. Finalmente chegou a hora...
Eles me deixaram sem nada, até a prótese dentária tive que tirar. Coloquei aquele
avental ridículo, que deixa a gente com tudo de fora e fiquei deitada sobre a maca, no corredor
do hospital, esperando o momento de entrar para a sala de cirurgia. Quando o maqueiro veio me
buscar, Rodrigo abaixou lentamente e beijou-me a testa. Parecia meu pai. Senti vontade de
chorar. Fui levada para a cirurgia e ele seguiu para o aeroporto.
Acordei com a luz do Sol em meu rosto. O sol teimava em invadir o quarto,
atravessando uma pequena fenda na veneziana. Olhei em volta e não vi ninguém. Não havia
ninguém ali. Sozinha, desejei várias vezes estar na enfermaria com outros pacientes.
Já estava acabando o horário de visitas, quando Rodrigo apareceu com a desculpa de
que ficou preso em um engarrafamento enorme e não teve como chegar mais cedo. Estava com
aquela expressão de sempre. Suas atitudes eram de uma pessoa que estava sempre apressada.
Não conseguia ficar sossegado. Mal chegava e parecia que já era hora de ir embora. Ele nunca
teve tantos compromissos como tentava demonstrar, mas se comportava como um executivo
ocupadíssimo. Até desempregado, agia assim. Acho que fazia com que se sentisse mais
importante, porque, na cabeça dele, uma pessoa muito atarefada era, sem dúvida, uma pessoa
importante.
Conversei com ele e disse que estava sentindo muita dor e com medo de ficar sozinha.
Mas ele imediatamente disse que não era possível ficar ali, porque tinha que tomar conta de
Marina, que havia ficado com a empregada de Dona Júlia, mãe dele. Então me conformei e fiz
várias recomendações para cuidar bem de nossa filha:
Não a deixe dormir sem tomar banho! Passe pomada no pescoço dela, pois está
muito calor! Assim que chegar em casa me liga para que eu não fique preocupada!
Tá bom. Pode ficar tranquila, que vou fazer tudo direitinho. Do jeitinho que você
gosta, tá?
Ele foi embora com seu jeito desesperado e apressado.
As horas não passavam e cada vez mais a dor aumentava. Sentia vontade de evacuar e a
enfermeira dizia que era só impressão, que eu estava vazia e que não havia nada que pudesse
querer sair. Mas a vontade continuava. Tive a impressão de terem colocado um tampão em mim
Meu marido foi embora. E agora?
Valéria Araujo – www.valeriaaraujo.com
e pensei: “Como foi aparecer um problema no meu intestino tão inesperadamente a ponto de ter
que operar às pressas?”
Já havia algum tempo que não me sentia bem, tudo o que comia me fazia mal, sentia
enjoos com muita frequência, problemas no fígado e o intestino não funcionava direito. Mas
nunca imaginei que teria que me submeter a uma cirurgia repentina.
Quanto mais as horas avançavam, mais a dor aumentava. Nove horas da noite, dez
horas, onze horas e Rodrigo não havia ligado. Liguei para a telefonista e pedi que fizesse uma
ligação para minha casa. Ela fez e disse:
Ninguém atende.
Poderia tentar novamente? pedi gentilmente.
Ninguém atende ela falou calmamente.
Deixei passar mais um tempinho e pedi que ligasse mais uma vez, mas não havia
ninguém em casa.
Entrei em pânico e comecei a pensar um monte de coisas: “Será que aconteceu alguma
coisa ruim? Será que eles sofreram um acidente? Meu Deus, o que aconteceu?”
O fato de ter apenas uma filha e não poder ter mais, me deixou um pouco neurótica.
Sempre achava que algo ruim tinha acontecido, estava acontecendo ou poderia acontecer.
E os pensamentos continuavam rondando em minha cabeça: “Será que minha filhinha
está bem? Ah! Por que fui deixá-la na casa de Dona Júlia? Será que a Tica (uma cadela enorme
que vivia na casa de Dona Júlia) a mordeu? Será que Tica a comeu? Ai meu Deus! Por que
ninguém atende?”
Pedi que ligasse para a casa da minha sogra. A telefonista, muito atenciosa, atendeu
meu pedido.
Alô! Dona Júlia, é Helena. Estou ligando para minha casa e ninguém atende.
Rodrigo está aí?
Não. Ele esteve aqui, deixou Marina e saiu.
Deixou a Marina aí? Ué! Ele saiu daqui dizendo que iria buscá-la.
Ele buscou, mas assim que anoiteceu, a trouxe de volta e me pediu que tomasse conta
dela.
Será que aconteceu alguma coisa?! Ele disse que faltaria à faculdade hoje e ficaria
com ela para que não sentisse a minha falta.
Deve ter acontecido alguma coisa inesperada e ele teve que ir.
Ah! Dona Júlia, por favor, não deixe a Tica chegar perto dela! não poderia dizer
para ela o que realmente estava pensando e fui logo completando a frase com uma outra
desculpa. É que ela tem alergia a pelo.
Pode deixar que Tica não ficará perto dela. Ela está no quintal e Marina aqui dentro.
Meu marido foi embora. E agora?
Valéria Araujo – www.valeriaaraujo.com
E como foi de viagem? Tudo bem? perguntei por educação.
Foi tudo normal. E você, está bem?
Não muito. Está doendo demais. Já tomei remédio para dormir e não consigo. Queria,
então, falar com Rodrigo, conversar um pouco, mas ele não está em casa.
Bem, ele deixou a menina aqui e disse que tinha que sair para resolver um problema e
não voltou.
Mas já são onze e vinte e ele ainda não pegou a menina. Ela já tomou banho? Jantou?
E a pomada no pescoço? Ela não pode ficar sem usá-la.
Pode ficar tranquila que ela já está de banho tomado, já jantou e já passei a pomada no
pescoço também. Ela está muito bem. Agora, em relação ao Rodrigo realmente não sei dizer o
que pode ter ocorrido. Já ligou para o celular dele?
Não sei se pode fazer ligação para celular daqui do hospital e meu celular está sem
crédito. Como ele sempre fica furioso quando ligo para ele a cobrar, achei melhor não arriscar
expliquei triste e ressentida.
Vou ligar para ele e pedir que ele ligue para você. Ok?
Não demorou muito, o telefone tocou e uma voz extremamente mal-humorada
perguntou:
O que foi, Helena?
Nossa, que horror! respondi sem entender o que estava acontecendo. É que você
não ligou e eu fiquei preocupada. A Marina está bem?
Está! falou sem paciência.
Sua mãe disse que ela ainda está na casa dela. O que houve? Aconteceu alguma coisa
ruim e você não quer me falar?
Não, não aconteceu nada de ruim. Você é que tem mania de se preocupar com tudo e
sempre achar que aconteceu alguma coisa ruim.
Onde você está?
Estou aqui, em frente à casa da mamãe, dentro do carro disse nervoso.
Ué! E por que não entrou? falei naturalmente.
Ué! Por que não entrei? irritado, repetiu a pergunta Não entrei porque não quis.
Quero ficar aqui. Pensando nos meus problemas.
Problemas!? Então tem algum problema e você não quer me dizer.
NÃO TEM PROBLEMA ALGUM! gritou.
Percebi que estava nervoso e achei melhor mudar de assunto:
Estou com muita dor. A enfermeira já me deu remédio para dormir e eu não consigo.
Meu marido foi embora. E agora?
Valéria Araujo – www.valeriaaraujo.com
Ah! Pelo amor de Deus, você acha que eu vou acreditar que você não está
conseguindo dormir?
É sério. Sério mesmo. Já tomei remédio para dormir e não consigo mesmo. A dor é
muito forte. A enfermeira disse que o remédio sossegaria até um leão, mas em mim não está
fazendo efeito. Também não consigo entender o porquê.
Tá, tá bom. E o que quer que eu faça? Que eu vá até aí para parar de sentir dor?
Não... não é isso... é que eu... é que eu... comecei a chorar.
Ah! Pela mãe do guarda, já vai começar com o drama?
Não, não vou começar drama algum. Só queria ouvir sua voz e dividir minha dor com
você, mas já que não posso contar com você, posso ao menos falar com a minha filha? Você
pode entrar para que eu possa falar com a MINHA FILHA? perguntei demonstrando toda a
minha decepção.
Não.
Não?! Por quê? Você disse que estava em frente à casa da sua mãe, então é só entrar e
passar o telefone para ela.
Agora você vai querer regular cada passo que dou?
Naquele momento ouvi uma voz feminina e percebi que ele não estava sozinho.
Rodrigo, o que está acontecendo? falei palavra por palavra. Eu estou aqui, jogada
em uma cama de hospital, com uma rolha enfiada na bunda, sem poder cagar, morrendo de
dor, ligo para sua mãe e ela me diz que você saiu e deixou minha filha na casa dela, quando o
que combinamos foi algo bem diferente; então eu te ligo e você se comporta desta maneira. O
que está havendo?
Olha! Eu já estou farto de tudo. Quero a separação. Acho que vai ser melhor para
todos! declarou, sem pensar duas vezes.
O quê? perguntei sem acreditar no que estava ouvindo Separação? Você quer a
separação?
É, eu quero a separação. Agora vê se dorme e acaba logo com essa palhaçada.
O quê? Palhaçada...
Ele desligou o telefone na minha cara.
Peguei meu celular e tentei ligar várias vezes para ele, a cobrar, é claro, pois meu
celular não passava de um pai de santo, que só recebia chamadas, nunca tinha crédito suficiente
para fazer uma ligação.
Liguei, mas as inúmeras tentativas foram em vão e o que eu ouvia era: “O número que
você ligou encontra-se fora da área de cobertura ou desligado.” Cansada de ouvir aquela
vozinha irritante, desliguei o celular e comecei a chorar. Primeiro senti um calor saindo das
Meu marido foi embora. E agora?
Valéria Araujo – www.valeriaaraujo.com
minhas entranhas e uma dor no peito tão grande, que acabei esquecendo a dor da cirurgia. Não
conseguia acreditar no que estava acontecendo e dizia: “Não, isto não está acontecendo! É um
pesadelo.” Mas estava acordada e ele realmente me deixou no hospital e estava com outra. Eu
pensava: “Como pode querer terminar um casamento de tantos anos, hoje, agora, neste
momento, que estou aqui jogada em uma cama de hospital? Não, não pode ser verdade.”
Não consegui dormir a noite toda e por isso perturbei a enfermeira a noite inteirinha.
Apertei várias vezes aquele botãozinho que fica bem próximo à cama para chamá-la. Ela foi
bastante compreensiva, acho até que pressentiu o que estava acontecendo.
No dia seguinte, ele não apareceu e seu telefone continuava desligado.
Liguei para Dona Júlia. Ela não mencionou nada sobre separação e Marina ainda estava
na casa dela. Ele não tinha dormido em casa.
Fiquei mais um dia no soro, sem poder comer absolutamente nada.
Minhas irmãs, Maria Flor e Jurema foram me visitar. Não falei nada sobre a separação,
mas elas estranharam o fato de Rodrigo não ter aparecido.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AS DIFICULDADES DA MULHER AO RELATAR UMA AGRESSÃO
AS DIFICULDADES DA MULHER AO RELATAR UMA AGRESSÃOAS DIFICULDADES DA MULHER AO RELATAR UMA AGRESSÃO
AS DIFICULDADES DA MULHER AO RELATAR UMA AGRESSÃO
BiancaMabel
 
Medico de Serviço Episodio 7
Medico de Serviço Episodio 7Medico de Serviço Episodio 7
Medico de Serviço Episodio 7
guested8989
 
Dempeo
Dempeo Dempeo
CAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINO
CAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINOCAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINO
CAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINO
Jean Souza
 
Dempeo 1
Dempeo 1Dempeo 1
Dempeo 1
Bianca Martins
 
Dempeo ii segunda parte +1
Dempeo ii   segunda parte +1Dempeo ii   segunda parte +1
Dempeo ii segunda parte +1
Bianca Martins
 
A tal noite
A tal noiteA tal noite
A tal noite
thais_domingues
 
Félix, 93
Félix, 93Félix, 93
Félix, 93
thais_domingues
 
Manual Sobre Vampiros
Manual Sobre VampirosManual Sobre Vampiros
Manual Sobre Vampiros
grigoriow7
 
Amor, fartura e sucesso
Amor, fartura e sucessoAmor, fartura e sucesso
Amor, fartura e sucesso
Fer Nanda
 
Ninguém é feliz para sempre
Ninguém é feliz para sempreNinguém é feliz para sempre
Ninguém é feliz para sempre
Lucas Prata
 
Sequestrada
SequestradaSequestrada
Sequestrada
Maria Silva
 
Parte 2
Parte 2Parte 2
Parte 2
biancadempeo
 
Dempeo ii sexta parte
Dempeo ii   sexta parteDempeo ii   sexta parte
Dempeo ii sexta parte
Bianca Martins
 

Mais procurados (14)

AS DIFICULDADES DA MULHER AO RELATAR UMA AGRESSÃO
AS DIFICULDADES DA MULHER AO RELATAR UMA AGRESSÃOAS DIFICULDADES DA MULHER AO RELATAR UMA AGRESSÃO
AS DIFICULDADES DA MULHER AO RELATAR UMA AGRESSÃO
 
Medico de Serviço Episodio 7
Medico de Serviço Episodio 7Medico de Serviço Episodio 7
Medico de Serviço Episodio 7
 
Dempeo
Dempeo Dempeo
Dempeo
 
CAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINO
CAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINOCAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINO
CAPÍTULO CINCO - PASSOS DO DESTINO
 
Dempeo 1
Dempeo 1Dempeo 1
Dempeo 1
 
Dempeo ii segunda parte +1
Dempeo ii   segunda parte +1Dempeo ii   segunda parte +1
Dempeo ii segunda parte +1
 
A tal noite
A tal noiteA tal noite
A tal noite
 
Félix, 93
Félix, 93Félix, 93
Félix, 93
 
Manual Sobre Vampiros
Manual Sobre VampirosManual Sobre Vampiros
Manual Sobre Vampiros
 
Amor, fartura e sucesso
Amor, fartura e sucessoAmor, fartura e sucesso
Amor, fartura e sucesso
 
Ninguém é feliz para sempre
Ninguém é feliz para sempreNinguém é feliz para sempre
Ninguém é feliz para sempre
 
Sequestrada
SequestradaSequestrada
Sequestrada
 
Parte 2
Parte 2Parte 2
Parte 2
 
Dempeo ii sexta parte
Dempeo ii   sexta parteDempeo ii   sexta parte
Dempeo ii sexta parte
 

Destaque

Jornadas dor na comunidade_importância do psicólogo
Jornadas dor na comunidade_importância do psicólogoJornadas dor na comunidade_importância do psicólogo
Jornadas dor na comunidade_importância do psicólogo
Filipa Teixeira
 
A história da psicologia hospitalar
A história da psicologia hospitalarA história da psicologia hospitalar
A história da psicologia hospitalar
Anderson Souza
 
Atendimento ao Cliente - Hospital
Atendimento ao Cliente -  HospitalAtendimento ao Cliente -  Hospital
Atendimento ao Cliente - Hospital
Tajra Assessoria Educacional Ltda
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
Eduardo Gomes da Silva
 
Qualidade No Atendimento Ao Cliente
Qualidade No Atendimento Ao ClienteQualidade No Atendimento Ao Cliente
Qualidade No Atendimento Ao Cliente
Marco Antonio
 
Qualidade no Atendimento
Qualidade no AtendimentoQualidade no Atendimento
Qualidade no Atendimento
Nyedson Barbosa
 

Destaque (6)

Jornadas dor na comunidade_importância do psicólogo
Jornadas dor na comunidade_importância do psicólogoJornadas dor na comunidade_importância do psicólogo
Jornadas dor na comunidade_importância do psicólogo
 
A história da psicologia hospitalar
A história da psicologia hospitalarA história da psicologia hospitalar
A história da psicologia hospitalar
 
Atendimento ao Cliente - Hospital
Atendimento ao Cliente -  HospitalAtendimento ao Cliente -  Hospital
Atendimento ao Cliente - Hospital
 
Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1Atendimento pré hospitalar -1
Atendimento pré hospitalar -1
 
Qualidade No Atendimento Ao Cliente
Qualidade No Atendimento Ao ClienteQualidade No Atendimento Ao Cliente
Qualidade No Atendimento Ao Cliente
 
Qualidade no Atendimento
Qualidade no AtendimentoQualidade no Atendimento
Qualidade no Atendimento
 

Semelhante a Primeirocapitulo

CRIATURA - Livro erotico
CRIATURA - Livro eroticoCRIATURA - Livro erotico
CRIATURA - Livro erotico
Angelo Tomasini
 
Geovana Reis 1cv1
Geovana Reis 1cv1Geovana Reis 1cv1
Geovana Reis 1cv1
hsjval
 
COTIDIANO
COTIDIANOCOTIDIANO
A Luz e a Escuridão
A Luz e a Escuridão A Luz e a Escuridão
A Luz e a Escuridão
Leandro Vargas
 
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começaCapítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
pribeletato
 
O cotidiano de uma vida
O cotidiano de uma vidaO cotidiano de uma vida
Cabeça de mulher
Cabeça de mulherCabeça de mulher
Parte 10
Parte 10Parte 10
Parte 10
biancadempeo
 
Dempeo ii oitava parte
Dempeo ii   oitava parteDempeo ii   oitava parte
Dempeo ii oitava parte
Bianca Martins
 
Dempeo ii oitava parte
Dempeo ii   oitava parteDempeo ii   oitava parte
Dempeo ii oitava parte
Bianca Martins
 
fanfic
fanficfanfic
Conto débora a. r. de oliveira
Conto débora a. r. de oliveiraConto débora a. r. de oliveira
Conto débora a. r. de oliveira
Débora A. R. de Oliveira
 
Cuidebemdoseuamor X(1)
Cuidebemdoseuamor X(1)Cuidebemdoseuamor X(1)
Cuidebemdoseuamor X(1)
Sandro Moretty
 
Cuidebemdoseuamor X(1)
Cuidebemdoseuamor X(1)Cuidebemdoseuamor X(1)
Cuidebemdoseuamor X(1)
CARLOS CAVALLINI
 
Cuide bem do seu amor
Cuide bem do seu amorCuide bem do seu amor
Cuide bem do seu amor
Mensagens Virtuais
 
Cuide Bem Do Seu Amor
Cuide Bem Do Seu AmorCuide Bem Do Seu Amor
Cuide Bem Do Seu Amor
Emilia Maria Araujo Rios
 
Cuidebemdoseuamor x(1)
Cuidebemdoseuamor x(1)Cuidebemdoseuamor x(1)
Cuidebemdoseuamor x(1)
Juninho Moral
 
Alice Jones
Alice JonesAlice Jones
Alice Jones
camposrossana
 
Documentária de não ficção.
Documentária de não ficção.Documentária de não ficção.
Documentária de não ficção.
CarolSilva5572
 

Semelhante a Primeirocapitulo (20)

CRIATURA - Livro erotico
CRIATURA - Livro eroticoCRIATURA - Livro erotico
CRIATURA - Livro erotico
 
Geovana Reis 1cv1
Geovana Reis 1cv1Geovana Reis 1cv1
Geovana Reis 1cv1
 
COTIDIANO
COTIDIANOCOTIDIANO
COTIDIANO
 
A Luz e a Escuridão
A Luz e a Escuridão A Luz e a Escuridão
A Luz e a Escuridão
 
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começaCapítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
 
O cotidiano de uma vida
O cotidiano de uma vidaO cotidiano de uma vida
O cotidiano de uma vida
 
Cabeça de mulher
Cabeça de mulherCabeça de mulher
Cabeça de mulher
 
Parte 10
Parte 10Parte 10
Parte 10
 
Dempeo ii oitava parte
Dempeo ii   oitava parteDempeo ii   oitava parte
Dempeo ii oitava parte
 
Dempeo ii oitava parte
Dempeo ii   oitava parteDempeo ii   oitava parte
Dempeo ii oitava parte
 
fanfic
fanficfanfic
fanfic
 
Dempeo
DempeoDempeo
Dempeo
 
Conto débora a. r. de oliveira
Conto débora a. r. de oliveiraConto débora a. r. de oliveira
Conto débora a. r. de oliveira
 
Cuidebemdoseuamor X(1)
Cuidebemdoseuamor X(1)Cuidebemdoseuamor X(1)
Cuidebemdoseuamor X(1)
 
Cuidebemdoseuamor X(1)
Cuidebemdoseuamor X(1)Cuidebemdoseuamor X(1)
Cuidebemdoseuamor X(1)
 
Cuide bem do seu amor
Cuide bem do seu amorCuide bem do seu amor
Cuide bem do seu amor
 
Cuide Bem Do Seu Amor
Cuide Bem Do Seu AmorCuide Bem Do Seu Amor
Cuide Bem Do Seu Amor
 
Cuidebemdoseuamor x(1)
Cuidebemdoseuamor x(1)Cuidebemdoseuamor x(1)
Cuidebemdoseuamor x(1)
 
Alice Jones
Alice JonesAlice Jones
Alice Jones
 
Documentária de não ficção.
Documentária de não ficção.Documentária de não ficção.
Documentária de não ficção.
 

Mais de professoravaleriaaraujo

Anexo3 gabaritos-oficiais
Anexo3 gabaritos-oficiaisAnexo3 gabaritos-oficiais
Anexo3 gabaritos-oficiais
professoravaleriaaraujo
 
Prova tipo5
Prova tipo5Prova tipo5
Prova tipo4
Prova tipo4Prova tipo4
Prova tipo3
Prova tipo3Prova tipo3
Prova tipo2
Prova tipo2Prova tipo2
Prova tipo1
Prova tipo1Prova tipo1
Tjrj 001 1
Tjrj 001 1Tjrj 001 1
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabarito
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabaritoCespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabarito
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabarito
professoravaleriaaraujo
 
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabarito
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabaritoCespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabarito
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabarito
professoravaleriaaraujo
 
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-prova
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-provaCespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-prova
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-prova
professoravaleriaaraujo
 

Mais de professoravaleriaaraujo (10)

Anexo3 gabaritos-oficiais
Anexo3 gabaritos-oficiaisAnexo3 gabaritos-oficiais
Anexo3 gabaritos-oficiais
 
Prova tipo5
Prova tipo5Prova tipo5
Prova tipo5
 
Prova tipo4
Prova tipo4Prova tipo4
Prova tipo4
 
Prova tipo3
Prova tipo3Prova tipo3
Prova tipo3
 
Prova tipo2
Prova tipo2Prova tipo2
Prova tipo2
 
Prova tipo1
Prova tipo1Prova tipo1
Prova tipo1
 
Tjrj 001 1
Tjrj 001 1Tjrj 001 1
Tjrj 001 1
 
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabarito
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabaritoCespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabarito
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabarito
 
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabarito
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabaritoCespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabarito
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-gabarito
 
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-prova
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-provaCespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-prova
Cespe 2008-tj-rj-tecnico-de-atividade-judiciaria-prova
 

Primeirocapitulo

  • 1. Meu marido foi embora. E agora? Valéria Araujo – www.valeriaaraujo.com
  • 2. Meu marido foi embora. E agora? Valéria Araujo – www.valeriaaraujo.com CAPÍTULO 1 A CIRURGIA (01/12/2002) Era quase verão e, no Rio de Janeiro, o calor já estava asfixiante. Minha pele suada embebia o lençol em que meu corpo repousava. Finalmente chegou a hora... Eles me deixaram sem nada, até a prótese dentária tive que tirar. Coloquei aquele avental ridículo, que deixa a gente com tudo de fora e fiquei deitada sobre a maca, no corredor do hospital, esperando o momento de entrar para a sala de cirurgia. Quando o maqueiro veio me buscar, Rodrigo abaixou lentamente e beijou-me a testa. Parecia meu pai. Senti vontade de chorar. Fui levada para a cirurgia e ele seguiu para o aeroporto. Acordei com a luz do Sol em meu rosto. O sol teimava em invadir o quarto, atravessando uma pequena fenda na veneziana. Olhei em volta e não vi ninguém. Não havia ninguém ali. Sozinha, desejei várias vezes estar na enfermaria com outros pacientes. Já estava acabando o horário de visitas, quando Rodrigo apareceu com a desculpa de que ficou preso em um engarrafamento enorme e não teve como chegar mais cedo. Estava com aquela expressão de sempre. Suas atitudes eram de uma pessoa que estava sempre apressada. Não conseguia ficar sossegado. Mal chegava e parecia que já era hora de ir embora. Ele nunca teve tantos compromissos como tentava demonstrar, mas se comportava como um executivo ocupadíssimo. Até desempregado, agia assim. Acho que fazia com que se sentisse mais importante, porque, na cabeça dele, uma pessoa muito atarefada era, sem dúvida, uma pessoa importante. Conversei com ele e disse que estava sentindo muita dor e com medo de ficar sozinha. Mas ele imediatamente disse que não era possível ficar ali, porque tinha que tomar conta de Marina, que havia ficado com a empregada de Dona Júlia, mãe dele. Então me conformei e fiz várias recomendações para cuidar bem de nossa filha: Não a deixe dormir sem tomar banho! Passe pomada no pescoço dela, pois está muito calor! Assim que chegar em casa me liga para que eu não fique preocupada! Tá bom. Pode ficar tranquila, que vou fazer tudo direitinho. Do jeitinho que você gosta, tá? Ele foi embora com seu jeito desesperado e apressado. As horas não passavam e cada vez mais a dor aumentava. Sentia vontade de evacuar e a enfermeira dizia que era só impressão, que eu estava vazia e que não havia nada que pudesse querer sair. Mas a vontade continuava. Tive a impressão de terem colocado um tampão em mim
  • 3. Meu marido foi embora. E agora? Valéria Araujo – www.valeriaaraujo.com e pensei: “Como foi aparecer um problema no meu intestino tão inesperadamente a ponto de ter que operar às pressas?” Já havia algum tempo que não me sentia bem, tudo o que comia me fazia mal, sentia enjoos com muita frequência, problemas no fígado e o intestino não funcionava direito. Mas nunca imaginei que teria que me submeter a uma cirurgia repentina. Quanto mais as horas avançavam, mais a dor aumentava. Nove horas da noite, dez horas, onze horas e Rodrigo não havia ligado. Liguei para a telefonista e pedi que fizesse uma ligação para minha casa. Ela fez e disse: Ninguém atende. Poderia tentar novamente? pedi gentilmente. Ninguém atende ela falou calmamente. Deixei passar mais um tempinho e pedi que ligasse mais uma vez, mas não havia ninguém em casa. Entrei em pânico e comecei a pensar um monte de coisas: “Será que aconteceu alguma coisa ruim? Será que eles sofreram um acidente? Meu Deus, o que aconteceu?” O fato de ter apenas uma filha e não poder ter mais, me deixou um pouco neurótica. Sempre achava que algo ruim tinha acontecido, estava acontecendo ou poderia acontecer. E os pensamentos continuavam rondando em minha cabeça: “Será que minha filhinha está bem? Ah! Por que fui deixá-la na casa de Dona Júlia? Será que a Tica (uma cadela enorme que vivia na casa de Dona Júlia) a mordeu? Será que Tica a comeu? Ai meu Deus! Por que ninguém atende?” Pedi que ligasse para a casa da minha sogra. A telefonista, muito atenciosa, atendeu meu pedido. Alô! Dona Júlia, é Helena. Estou ligando para minha casa e ninguém atende. Rodrigo está aí? Não. Ele esteve aqui, deixou Marina e saiu. Deixou a Marina aí? Ué! Ele saiu daqui dizendo que iria buscá-la. Ele buscou, mas assim que anoiteceu, a trouxe de volta e me pediu que tomasse conta dela. Será que aconteceu alguma coisa?! Ele disse que faltaria à faculdade hoje e ficaria com ela para que não sentisse a minha falta. Deve ter acontecido alguma coisa inesperada e ele teve que ir. Ah! Dona Júlia, por favor, não deixe a Tica chegar perto dela! não poderia dizer para ela o que realmente estava pensando e fui logo completando a frase com uma outra desculpa. É que ela tem alergia a pelo. Pode deixar que Tica não ficará perto dela. Ela está no quintal e Marina aqui dentro.
  • 4. Meu marido foi embora. E agora? Valéria Araujo – www.valeriaaraujo.com E como foi de viagem? Tudo bem? perguntei por educação. Foi tudo normal. E você, está bem? Não muito. Está doendo demais. Já tomei remédio para dormir e não consigo. Queria, então, falar com Rodrigo, conversar um pouco, mas ele não está em casa. Bem, ele deixou a menina aqui e disse que tinha que sair para resolver um problema e não voltou. Mas já são onze e vinte e ele ainda não pegou a menina. Ela já tomou banho? Jantou? E a pomada no pescoço? Ela não pode ficar sem usá-la. Pode ficar tranquila que ela já está de banho tomado, já jantou e já passei a pomada no pescoço também. Ela está muito bem. Agora, em relação ao Rodrigo realmente não sei dizer o que pode ter ocorrido. Já ligou para o celular dele? Não sei se pode fazer ligação para celular daqui do hospital e meu celular está sem crédito. Como ele sempre fica furioso quando ligo para ele a cobrar, achei melhor não arriscar expliquei triste e ressentida. Vou ligar para ele e pedir que ele ligue para você. Ok? Não demorou muito, o telefone tocou e uma voz extremamente mal-humorada perguntou: O que foi, Helena? Nossa, que horror! respondi sem entender o que estava acontecendo. É que você não ligou e eu fiquei preocupada. A Marina está bem? Está! falou sem paciência. Sua mãe disse que ela ainda está na casa dela. O que houve? Aconteceu alguma coisa ruim e você não quer me falar? Não, não aconteceu nada de ruim. Você é que tem mania de se preocupar com tudo e sempre achar que aconteceu alguma coisa ruim. Onde você está? Estou aqui, em frente à casa da mamãe, dentro do carro disse nervoso. Ué! E por que não entrou? falei naturalmente. Ué! Por que não entrei? irritado, repetiu a pergunta Não entrei porque não quis. Quero ficar aqui. Pensando nos meus problemas. Problemas!? Então tem algum problema e você não quer me dizer. NÃO TEM PROBLEMA ALGUM! gritou. Percebi que estava nervoso e achei melhor mudar de assunto: Estou com muita dor. A enfermeira já me deu remédio para dormir e eu não consigo.
  • 5. Meu marido foi embora. E agora? Valéria Araujo – www.valeriaaraujo.com Ah! Pelo amor de Deus, você acha que eu vou acreditar que você não está conseguindo dormir? É sério. Sério mesmo. Já tomei remédio para dormir e não consigo mesmo. A dor é muito forte. A enfermeira disse que o remédio sossegaria até um leão, mas em mim não está fazendo efeito. Também não consigo entender o porquê. Tá, tá bom. E o que quer que eu faça? Que eu vá até aí para parar de sentir dor? Não... não é isso... é que eu... é que eu... comecei a chorar. Ah! Pela mãe do guarda, já vai começar com o drama? Não, não vou começar drama algum. Só queria ouvir sua voz e dividir minha dor com você, mas já que não posso contar com você, posso ao menos falar com a minha filha? Você pode entrar para que eu possa falar com a MINHA FILHA? perguntei demonstrando toda a minha decepção. Não. Não?! Por quê? Você disse que estava em frente à casa da sua mãe, então é só entrar e passar o telefone para ela. Agora você vai querer regular cada passo que dou? Naquele momento ouvi uma voz feminina e percebi que ele não estava sozinho. Rodrigo, o que está acontecendo? falei palavra por palavra. Eu estou aqui, jogada em uma cama de hospital, com uma rolha enfiada na bunda, sem poder cagar, morrendo de dor, ligo para sua mãe e ela me diz que você saiu e deixou minha filha na casa dela, quando o que combinamos foi algo bem diferente; então eu te ligo e você se comporta desta maneira. O que está havendo? Olha! Eu já estou farto de tudo. Quero a separação. Acho que vai ser melhor para todos! declarou, sem pensar duas vezes. O quê? perguntei sem acreditar no que estava ouvindo Separação? Você quer a separação? É, eu quero a separação. Agora vê se dorme e acaba logo com essa palhaçada. O quê? Palhaçada... Ele desligou o telefone na minha cara. Peguei meu celular e tentei ligar várias vezes para ele, a cobrar, é claro, pois meu celular não passava de um pai de santo, que só recebia chamadas, nunca tinha crédito suficiente para fazer uma ligação. Liguei, mas as inúmeras tentativas foram em vão e o que eu ouvia era: “O número que você ligou encontra-se fora da área de cobertura ou desligado.” Cansada de ouvir aquela vozinha irritante, desliguei o celular e comecei a chorar. Primeiro senti um calor saindo das
  • 6. Meu marido foi embora. E agora? Valéria Araujo – www.valeriaaraujo.com minhas entranhas e uma dor no peito tão grande, que acabei esquecendo a dor da cirurgia. Não conseguia acreditar no que estava acontecendo e dizia: “Não, isto não está acontecendo! É um pesadelo.” Mas estava acordada e ele realmente me deixou no hospital e estava com outra. Eu pensava: “Como pode querer terminar um casamento de tantos anos, hoje, agora, neste momento, que estou aqui jogada em uma cama de hospital? Não, não pode ser verdade.” Não consegui dormir a noite toda e por isso perturbei a enfermeira a noite inteirinha. Apertei várias vezes aquele botãozinho que fica bem próximo à cama para chamá-la. Ela foi bastante compreensiva, acho até que pressentiu o que estava acontecendo. No dia seguinte, ele não apareceu e seu telefone continuava desligado. Liguei para Dona Júlia. Ela não mencionou nada sobre separação e Marina ainda estava na casa dela. Ele não tinha dormido em casa. Fiquei mais um dia no soro, sem poder comer absolutamente nada. Minhas irmãs, Maria Flor e Jurema foram me visitar. Não falei nada sobre a separação, mas elas estranharam o fato de Rodrigo não ter aparecido.