SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
FUNDAMENTOS DA NAVEGAÇÃO
        INTERIOR
                           CAPÍTULO-5
                     BALIZAMENTO MARÍTIMO
SINAIS VISUAIS                          PERIGO ISOLADO
CEGOS- LUMINOSOS
                                        AGUAS SEGURAS
IDENTIFICAÇÃO DE BOIAS
CEGAS -LUMINOSAS                        SINAIS ESPECIAIS

TIPOS DE LUZES                          SINAIS CARDINAIS

SINAIS LATERAIS: BB e BE                VISUALIZAÇÃO NOTURNA

APROXIMAÇÃO NUM CANAL
NOTURNA- CARTA



Curso de Arrais amador
  Prof. Fabio Reis
78
                                BALIZAMENTO MARÍTIMO


     Numa estrada as informações de
     curvas, estreitamento da pista, etc. são
     dadas antecipadamente por meio de
     placas de sinalização.




     No mar também temos esse problema
     de sinalização,
     No mar não tem estradas e a
     sinalização deve ser de forma que
     possa a ser identificada de qualquer
     direção.



     BALIZAMENTO: É o conjunto de sinais
     luminosos, cegos ou sonoros, fixos ou
     flutuantes, destinados a indicar os
     canais e demarcar os perigos nos
     portos, baias, rios lagos ou lagoas
79
                          SISTEMA DE BALIZAMENTO MARÍTIMO
                           Conjuntos de regras aplicadas a todos os sinais fixos flutuantes.


                     Existem dois tipos de SINAIS VISUAIS : CEGOS E LUMINOSOS

                                         1- SINAIS VISUAIS CEGOS




                          baliza

                                                                                         Bóias




     Baliza: Hastes de ferro, cimento ou outros               Bóia: Equipamentos flutuantes, que podem ou
     materiais, encimadas por esferas, cones, que             não conter luz, fundeadas por ferros e amarras
     fornecem durante o dia indicações aos                    em locais previamente determinados, a fim de
     navegantes                                               indicar o caminho a ser seguido
80

                            2- SINAIS VISUAIS LUMINOSOS


     Bóia Luminosa : É           Farolete: é toda         Farol: Construção onde
     todo dispositivo            armação ou coluna        está instalado equipamento
     flutuante exibindo          instalada em portos,     que exibe forte luz de
     luz com alcance             baias, canais ,etc.      alcance maior que 10
     inferior a 2 milhas.        exibindo luz com         milhas
                                 alcance inferior a
                                 10 milhas
                                                            Farol


                                 Farolete




      Bóia luminosa
81
                      IDENTIFICAÇÃO DO SIGNIFICADO DAS BÓIAS
                Cada bóia significará um procedimento a ser tomado, esses procedimentos
                são identificados conforme a forma e a cor da bóias, e a noite pelas cores da luz




       1- Identificação das BÓIAS CEGAS

     Cada procedimento é associado a                           Identificamos também pelo
     uma COR: Verde, encarnada,                                FORMATO da estrutura da bóia ou do
     amarela, preto                                            TOPE : Cilíndrico , cônico


                                                                       Tope cilíndrico
                    Cor verde
                    Formato cilíndrico



                                                                                       Tope cônico

     Cor encarnada (vermelha)
     Formato cônico
82

     2- Identificação das BÓIAS LUMINOSAS


                        À NOITE SÃO IDENTIFICADAS PELAS:
                        CORES E RITMOS DAS LUZES




          DE DIA SÃO IDENTIFICADAS
          PELO FORMATO E COR DO
          TOPE
83

             TIPOS DE LUZES UTILIZADAS NO SISTEMA DE BALIZAMENTO
             Para que cada informação do procedimento que deverá ser tomado, seja identificada à
             noite, são usados vários tipos de luzes e ritmos.


     Quanto às características luminosas, as luzes poderão ser de uma só cor ou de mais de uma, e ainda,
     conforme a duração relativa dessa luz e da obscuridade. As mais comuns são Lampejo e Ocultação.
84
                      PRIMEIRO CONJUNTO de bóias e a informação do como proceder quando avistadas.

                                       SINAIS LATERAIS:
                            BÓIA DE BOMBORDO E BOIA DE BORESTE
          Para chegar à uma cidade em terra, é só seguir a estrada, mas na aproximação de um porto não temos como
          identificar o caminho sem perigos a seguir .
                           Foi criado então um sistema de balizamento que indica o caminho a seguir.


                                                                 Aproximação diurna
 PROCEDIMENTO:
 Quem vem do mar entra
 num canal dando
 BORESTE ao sinal
 encarnado (vermelho)
 e BOMBORDO para o sinal
 verde.


                                                  Bóias de BB                                  Bóias de BE
       Esses sinais definem o
     caminho seguro que se deve
     seguir para aproximação de
      portos.(demandar o porto)
85
                         BÓIA DE BOMBORDO E BÓIA DE BORESTE


                                        Aproximação noturna

     PROCEDIMENTO:
     Quem vem do mar entra
     num canal dando
     BORESTE a luz Encarnada
     (vermelha)




     e BOMBORDO para a luz
     verde.
86
                               BÓIA DE BOMBORDO E BÓIA DE BORESTE


               PREPARAÇÃO DE UMA APROXIMAÇÃO POR UMA CARTA NÁUTICA

      Toda embarcação deve ter a bordo a carta Náutica , pois nela podemos antecipadamente localizar as bóias de entrada
      do porto a demandar. Procuro na cartas os símbolos das bóias, veja desenho abaixo.


     Símbolo da                             Símbolo da              Símbolo da                               Símbolo da
     bóia de BB                             bóia de BE              bóia de BB                               bóia de BE
        cega                                   cega                  luminosa                                 luminosa




                                     Seguimento                                                        Seguimento
                                     de entrada                                                        de entrada


      Quando o tráfego não é intenso, na entrada                 Quando o tráfego é intenso, como na entrada de
      de um Porto, as bóias são CEGAS                            um Porto, as bóias são LUMINOSAS
87




     Quadro contendo
     todos os tipos e
     formas das Bóias
     de BOMBORDO
     A Marinha
     apresenta esses
     quadros numa
     publicação
     chamada carta
     12.000- Símbolos
     e Abreviaturas
88

     Quadro
     contendo
     todos os tipos
     e formas das
     Bóias de
     BORESTE
89                   SEGUNDO CONJUNTO de bóias e a informação do como proceder quando avistadas.

                                          SINAIS LATERAIS
                                   CANAL PREFERENCIAL A BORESTE
 Quando temos uma
 situação de uma
 bifurcação, onde um dos
 canais é o principal ,
 para identificar o canal
 principal é utilizado uma
 bóia de BB modificada,
 ié, com uma faixa
 encarnada no centro,
 como figura.



                                                                              Note que se o navegador não
                                                                              identificar o bóia de canal
                                                                              preferencial ele continua no canal
                                                                              principal.




                                                          A bóia é chamada de canal
                                                          preferencial à Boreste, mas
                                                          é uma bóia de Bombordo modificada.
90
                  CANAL PREFERENCIAL A BORESTE

     Aproximação noturna
91
             SINAIS LATERAIS
     CANAL PREFERENCIAL A BOMBORDO




                                     Note que se o navegador não
                                     identificar o bóia de canal
                                     preferencial ele continua no canal
                                     principal
92
                 CANAL PREFERENCIAL A BOMBORDO

     Aproximação noturna
93

     Quadro
     contendo
     todos os tipos
     e formas das
     Bóias de Canal
     Preferencial a
     BORESTE
94

     Quadro
     contendo
     todos os tipos
     e formas das
     Bóias de Canal
     Preferencial a
     BOMBORDO
95   TERCEIRO CONJUNTO de bóias e a informação do como proceder quando avistadas.



                     SINAL DE PERIGO ISOLADO

      Como está dizendo indicam perigo isolado de tamanho limitado,
      que devem ser contornados , ié , é passar ao largo
96



     Quadro contendo
     todos os tipos e
     formas das Bóias
     de PERIGO
     ISOLADO
97   TERCEIRO CONJUNTO de bóias e a informação do como proceder quando avistadas.


                        SINAIS DE ÁGUAS SEGURAS

               Indicam que entorno desses sinais as águas são
               seguras (meio do Canal).
98



     Quadro
     contendo
     todos os tipos
     e formas dos
     Sinais de
     ÁGUAS
     SEGURAS
99

                             SINAIS CARDINAIS
           Cujo emprego, como no uso de uma agulha, serve para indicar ao
           navegante onde ( em que direção) a embarcação pode encontrar
           águas seguras




     Águas seguras à W
100
                                      SINAIS CARDINAIS

                                                           Este desenho corresponde ao fato
                                                            real mostrado no slide anterior



        Tope indica o quadrante das
               águas seguras


                   Norte


                                                                         PERIGO
      Oeste                     Leste                                    SUBMERSO



                   Sul




                                               Quadrante a seguir
101




  Quadro
  contendo
  todos os tipos
  e formas dos
  Sinais
  CARDINAIS
102
                                          SINAIS ESPECIAIS



                             Sem terem como principal propósito o auxílio à
                             navegação, indicam certas condições de alinhamento
                             e bóias de poitas.




      Bóias de cor amarela
102
                                APROXIMAÇÃO NOTURNA




  Quando o barco estiver na
  posição B teremos que nos                           Quando o barco estiver na
  preocupar com o balizamento                         posição A do desenho,
  cardinal, note a luz branca                         veremos o farol como
  em seu ritmo.                                       referência de entrada

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

“Common damage defects that may occur on watertight transverse bulkheads situ...
“Common damage defects that may occur on watertight transverse bulkheads situ...“Common damage defects that may occur on watertight transverse bulkheads situ...
“Common damage defects that may occur on watertight transverse bulkheads situ...
HANNAMARECAIPANG
 
Elementos estruturais de navios (arranjo e nomeclatura) construcao naval 1
Elementos estruturais de navios (arranjo e nomeclatura)   construcao naval 1Elementos estruturais de navios (arranjo e nomeclatura)   construcao naval 1
Elementos estruturais de navios (arranjo e nomeclatura) construcao naval 1
Jairo Patricio
 

Mais procurados (20)

Estrutura do Casco dos Navios Metálicos
Estrutura do Casco dos Navios MetálicosEstrutura do Casco dos Navios Metálicos
Estrutura do Casco dos Navios Metálicos
 
RIPEAM
RIPEAMRIPEAM
RIPEAM
 
Prova simulada arrais
Prova simulada arraisProva simulada arrais
Prova simulada arrais
 
Resistência Estrutural
Resistência EstruturalResistência Estrutural
Resistência Estrutural
 
Manual de Mergulho Autonômo
Manual de Mergulho AutonômoManual de Mergulho Autonômo
Manual de Mergulho Autonômo
 
Arte naval cap. 01
Arte naval   cap. 01Arte naval   cap. 01
Arte naval cap. 01
 
Aula 2 nomenclatura do navio 1
Aula 2   nomenclatura do navio 1Aula 2   nomenclatura do navio 1
Aula 2 nomenclatura do navio 1
 
Sobrevivencia no Mar
Sobrevivencia no MarSobrevivencia no Mar
Sobrevivencia no Mar
 
Aula 2 nomenclatura do navio - parte 2
Aula 2   nomenclatura do navio - parte 2Aula 2   nomenclatura do navio - parte 2
Aula 2 nomenclatura do navio - parte 2
 
“Common damage defects that may occur on watertight transverse bulkheads situ...
“Common damage defects that may occur on watertight transverse bulkheads situ...“Common damage defects that may occur on watertight transverse bulkheads situ...
“Common damage defects that may occur on watertight transverse bulkheads situ...
 
Arrais apostila 2010a
Arrais apostila 2010aArrais apostila 2010a
Arrais apostila 2010a
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
An Overview of Design, Analysis, Construction and Installation of Offshore Pe...
An Overview of Design, Analysis, Construction and Installation of Offshore Pe...An Overview of Design, Analysis, Construction and Installation of Offshore Pe...
An Overview of Design, Analysis, Construction and Installation of Offshore Pe...
 
Elementos estruturais de navios (arranjo e nomeclatura) construcao naval 1
Elementos estruturais de navios (arranjo e nomeclatura)   construcao naval 1Elementos estruturais de navios (arranjo e nomeclatura)   construcao naval 1
Elementos estruturais de navios (arranjo e nomeclatura) construcao naval 1
 
Código Q
Código QCódigo Q
Código Q
 
Ripeam 15536
Ripeam 15536Ripeam 15536
Ripeam 15536
 
Art nav01a nomenclatura
Art nav01a nomenclaturaArt nav01a nomenclatura
Art nav01a nomenclatura
 
Gírias e Códigos "Q" do Radioamador
Gírias e Códigos "Q" do RadioamadorGírias e Códigos "Q" do Radioamador
Gírias e Códigos "Q" do Radioamador
 
Gmg dersnotu
Gmg dersnotuGmg dersnotu
Gmg dersnotu
 
Aim 3
Aim 3Aim 3
Aim 3
 

Mais de Cleverson Sacramento

Misturando Demoiselle, Nuvem e Mobilidade no Latinoware 2012
Misturando Demoiselle, Nuvem e Mobilidade no Latinoware 2012Misturando Demoiselle, Nuvem e Mobilidade no Latinoware 2012
Misturando Demoiselle, Nuvem e Mobilidade no Latinoware 2012
Cleverson Sacramento
 

Mais de Cleverson Sacramento (20)

Oficina de Navegação com Mapa e Bússola
Oficina de Navegação com Mapa e BússolaOficina de Navegação com Mapa e Bússola
Oficina de Navegação com Mapa e Bússola
 
Lançamento do Demoiselle 2.5 no SERPRO
Lançamento do Demoiselle 2.5 no SERPROLançamento do Demoiselle 2.5 no SERPRO
Lançamento do Demoiselle 2.5 no SERPRO
 
Misturando Demoiselle, Nuvem e Mobilidade no Latinoware 2012
Misturando Demoiselle, Nuvem e Mobilidade no Latinoware 2012Misturando Demoiselle, Nuvem e Mobilidade no Latinoware 2012
Misturando Demoiselle, Nuvem e Mobilidade no Latinoware 2012
 
Facilitando a Colaboração com GitHub - SFDSSA2012
Facilitando a Colaboração com GitHub - SFDSSA2012Facilitando a Colaboração com GitHub - SFDSSA2012
Facilitando a Colaboração com GitHub - SFDSSA2012
 
Desenvolvimento com iOS no LinguÁgil 2012
Desenvolvimento com iOS no LinguÁgil 2012Desenvolvimento com iOS no LinguÁgil 2012
Desenvolvimento com iOS no LinguÁgil 2012
 
Demoiselle Avançado para Colaboradores – Maio/2012
Demoiselle Avançado para Colaboradores – Maio/2012Demoiselle Avançado para Colaboradores – Maio/2012
Demoiselle Avançado para Colaboradores – Maio/2012
 
Apresentação Demoiselle2 para novos concursados
Apresentação Demoiselle2 para novos concursadosApresentação Demoiselle2 para novos concursados
Apresentação Demoiselle2 para novos concursados
 
Configurações do domínio cleversonsacramento.com
Configurações do domínio cleversonsacramento.comConfigurações do domínio cleversonsacramento.com
Configurações do domínio cleversonsacramento.com
 
Demoiselle Paraguay Dojo 18/01/2012
Demoiselle Paraguay Dojo 18/01/2012Demoiselle Paraguay Dojo 18/01/2012
Demoiselle Paraguay Dojo 18/01/2012
 
Demoiselle Paraguay Teoria 18/01/2012
Demoiselle Paraguay Teoria 18/01/2012Demoiselle Paraguay Teoria 18/01/2012
Demoiselle Paraguay Teoria 18/01/2012
 
Demoiselle Paraguay Abertura 18/01/2012
Demoiselle Paraguay Abertura 18/01/2012Demoiselle Paraguay Abertura 18/01/2012
Demoiselle Paraguay Abertura 18/01/2012
 
Eclipse Web: 10 anos de amor e ódio
Eclipse Web: 10 anos de amor e ódioEclipse Web: 10 anos de amor e ódio
Eclipse Web: 10 anos de amor e ódio
 
Minicurso Objective-C LinguÁgil 2011 (parte1)
Minicurso Objective-C LinguÁgil 2011 (parte1)Minicurso Objective-C LinguÁgil 2011 (parte1)
Minicurso Objective-C LinguÁgil 2011 (parte1)
 
Minicurso Objective-C LinguÁgil 2011 (parte2)
Minicurso Objective-C LinguÁgil 2011 (parte2)Minicurso Objective-C LinguÁgil 2011 (parte2)
Minicurso Objective-C LinguÁgil 2011 (parte2)
 
Dojo Objective-C e Xcode no Sepro
Dojo Objective-C e Xcode no SeproDojo Objective-C e Xcode no Sepro
Dojo Objective-C e Xcode no Sepro
 
Retrospectiva do Dojo do Demoiselle 2 no Consegi 2011
Retrospectiva do Dojo do Demoiselle 2 no Consegi 2011Retrospectiva do Dojo do Demoiselle 2 no Consegi 2011
Retrospectiva do Dojo do Demoiselle 2 no Consegi 2011
 
Palestra Demoiselle2 no Consegi 2011
Palestra Demoiselle2 no Consegi 2011Palestra Demoiselle2 no Consegi 2011
Palestra Demoiselle2 no Consegi 2011
 
Oficina Demoiselle2 no Consegi 2011
Oficina Demoiselle2 no Consegi 2011Oficina Demoiselle2 no Consegi 2011
Oficina Demoiselle2 no Consegi 2011
 
Pós Ruy - Resultado da avaliação
Pós Ruy - Resultado da avaliaçãoPós Ruy - Resultado da avaliação
Pós Ruy - Resultado da avaliação
 
Pós Ruy - 2 e 3 Camadas - Coding Dojo
Pós Ruy - 2 e 3 Camadas - Coding DojoPós Ruy - 2 e 3 Camadas - Coding Dojo
Pós Ruy - 2 e 3 Camadas - Coding Dojo
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 

Curso Arrais Amador - Balizamento

  • 1. FUNDAMENTOS DA NAVEGAÇÃO INTERIOR CAPÍTULO-5 BALIZAMENTO MARÍTIMO SINAIS VISUAIS PERIGO ISOLADO CEGOS- LUMINOSOS AGUAS SEGURAS IDENTIFICAÇÃO DE BOIAS CEGAS -LUMINOSAS SINAIS ESPECIAIS TIPOS DE LUZES SINAIS CARDINAIS SINAIS LATERAIS: BB e BE VISUALIZAÇÃO NOTURNA APROXIMAÇÃO NUM CANAL NOTURNA- CARTA Curso de Arrais amador Prof. Fabio Reis
  • 2. 78 BALIZAMENTO MARÍTIMO Numa estrada as informações de curvas, estreitamento da pista, etc. são dadas antecipadamente por meio de placas de sinalização. No mar também temos esse problema de sinalização, No mar não tem estradas e a sinalização deve ser de forma que possa a ser identificada de qualquer direção. BALIZAMENTO: É o conjunto de sinais luminosos, cegos ou sonoros, fixos ou flutuantes, destinados a indicar os canais e demarcar os perigos nos portos, baias, rios lagos ou lagoas
  • 3. 79 SISTEMA DE BALIZAMENTO MARÍTIMO Conjuntos de regras aplicadas a todos os sinais fixos flutuantes. Existem dois tipos de SINAIS VISUAIS : CEGOS E LUMINOSOS 1- SINAIS VISUAIS CEGOS baliza Bóias Baliza: Hastes de ferro, cimento ou outros Bóia: Equipamentos flutuantes, que podem ou materiais, encimadas por esferas, cones, que não conter luz, fundeadas por ferros e amarras fornecem durante o dia indicações aos em locais previamente determinados, a fim de navegantes indicar o caminho a ser seguido
  • 4. 80 2- SINAIS VISUAIS LUMINOSOS Bóia Luminosa : É Farolete: é toda Farol: Construção onde todo dispositivo armação ou coluna está instalado equipamento flutuante exibindo instalada em portos, que exibe forte luz de luz com alcance baias, canais ,etc. alcance maior que 10 inferior a 2 milhas. exibindo luz com milhas alcance inferior a 10 milhas Farol Farolete Bóia luminosa
  • 5. 81 IDENTIFICAÇÃO DO SIGNIFICADO DAS BÓIAS Cada bóia significará um procedimento a ser tomado, esses procedimentos são identificados conforme a forma e a cor da bóias, e a noite pelas cores da luz 1- Identificação das BÓIAS CEGAS Cada procedimento é associado a Identificamos também pelo uma COR: Verde, encarnada, FORMATO da estrutura da bóia ou do amarela, preto TOPE : Cilíndrico , cônico Tope cilíndrico Cor verde Formato cilíndrico Tope cônico Cor encarnada (vermelha) Formato cônico
  • 6. 82 2- Identificação das BÓIAS LUMINOSAS À NOITE SÃO IDENTIFICADAS PELAS: CORES E RITMOS DAS LUZES DE DIA SÃO IDENTIFICADAS PELO FORMATO E COR DO TOPE
  • 7. 83 TIPOS DE LUZES UTILIZADAS NO SISTEMA DE BALIZAMENTO Para que cada informação do procedimento que deverá ser tomado, seja identificada à noite, são usados vários tipos de luzes e ritmos. Quanto às características luminosas, as luzes poderão ser de uma só cor ou de mais de uma, e ainda, conforme a duração relativa dessa luz e da obscuridade. As mais comuns são Lampejo e Ocultação.
  • 8. 84 PRIMEIRO CONJUNTO de bóias e a informação do como proceder quando avistadas. SINAIS LATERAIS: BÓIA DE BOMBORDO E BOIA DE BORESTE Para chegar à uma cidade em terra, é só seguir a estrada, mas na aproximação de um porto não temos como identificar o caminho sem perigos a seguir . Foi criado então um sistema de balizamento que indica o caminho a seguir. Aproximação diurna PROCEDIMENTO: Quem vem do mar entra num canal dando BORESTE ao sinal encarnado (vermelho) e BOMBORDO para o sinal verde. Bóias de BB Bóias de BE Esses sinais definem o caminho seguro que se deve seguir para aproximação de portos.(demandar o porto)
  • 9. 85 BÓIA DE BOMBORDO E BÓIA DE BORESTE Aproximação noturna PROCEDIMENTO: Quem vem do mar entra num canal dando BORESTE a luz Encarnada (vermelha) e BOMBORDO para a luz verde.
  • 10. 86 BÓIA DE BOMBORDO E BÓIA DE BORESTE PREPARAÇÃO DE UMA APROXIMAÇÃO POR UMA CARTA NÁUTICA Toda embarcação deve ter a bordo a carta Náutica , pois nela podemos antecipadamente localizar as bóias de entrada do porto a demandar. Procuro na cartas os símbolos das bóias, veja desenho abaixo. Símbolo da Símbolo da Símbolo da Símbolo da bóia de BB bóia de BE bóia de BB bóia de BE cega cega luminosa luminosa Seguimento Seguimento de entrada de entrada Quando o tráfego não é intenso, na entrada Quando o tráfego é intenso, como na entrada de de um Porto, as bóias são CEGAS um Porto, as bóias são LUMINOSAS
  • 11. 87 Quadro contendo todos os tipos e formas das Bóias de BOMBORDO A Marinha apresenta esses quadros numa publicação chamada carta 12.000- Símbolos e Abreviaturas
  • 12. 88 Quadro contendo todos os tipos e formas das Bóias de BORESTE
  • 13. 89 SEGUNDO CONJUNTO de bóias e a informação do como proceder quando avistadas. SINAIS LATERAIS CANAL PREFERENCIAL A BORESTE Quando temos uma situação de uma bifurcação, onde um dos canais é o principal , para identificar o canal principal é utilizado uma bóia de BB modificada, ié, com uma faixa encarnada no centro, como figura. Note que se o navegador não identificar o bóia de canal preferencial ele continua no canal principal. A bóia é chamada de canal preferencial à Boreste, mas é uma bóia de Bombordo modificada.
  • 14. 90 CANAL PREFERENCIAL A BORESTE Aproximação noturna
  • 15. 91 SINAIS LATERAIS CANAL PREFERENCIAL A BOMBORDO Note que se o navegador não identificar o bóia de canal preferencial ele continua no canal principal
  • 16. 92 CANAL PREFERENCIAL A BOMBORDO Aproximação noturna
  • 17. 93 Quadro contendo todos os tipos e formas das Bóias de Canal Preferencial a BORESTE
  • 18. 94 Quadro contendo todos os tipos e formas das Bóias de Canal Preferencial a BOMBORDO
  • 19. 95 TERCEIRO CONJUNTO de bóias e a informação do como proceder quando avistadas. SINAL DE PERIGO ISOLADO Como está dizendo indicam perigo isolado de tamanho limitado, que devem ser contornados , ié , é passar ao largo
  • 20. 96 Quadro contendo todos os tipos e formas das Bóias de PERIGO ISOLADO
  • 21. 97 TERCEIRO CONJUNTO de bóias e a informação do como proceder quando avistadas. SINAIS DE ÁGUAS SEGURAS Indicam que entorno desses sinais as águas são seguras (meio do Canal).
  • 22. 98 Quadro contendo todos os tipos e formas dos Sinais de ÁGUAS SEGURAS
  • 23. 99 SINAIS CARDINAIS Cujo emprego, como no uso de uma agulha, serve para indicar ao navegante onde ( em que direção) a embarcação pode encontrar águas seguras Águas seguras à W
  • 24. 100 SINAIS CARDINAIS Este desenho corresponde ao fato real mostrado no slide anterior Tope indica o quadrante das águas seguras Norte PERIGO Oeste Leste SUBMERSO Sul Quadrante a seguir
  • 25. 101 Quadro contendo todos os tipos e formas dos Sinais CARDINAIS
  • 26. 102 SINAIS ESPECIAIS Sem terem como principal propósito o auxílio à navegação, indicam certas condições de alinhamento e bóias de poitas. Bóias de cor amarela
  • 27. 102 APROXIMAÇÃO NOTURNA Quando o barco estiver na posição B teremos que nos Quando o barco estiver na preocupar com o balizamento posição A do desenho, cardinal, note a luz branca veremos o farol como em seu ritmo. referência de entrada