SlideShare uma empresa Scribd logo
BIOPOLÍMEROS
Polímeros Biodegradáveis e
Polímeros Verdes
Introdução
• 1860
• Plástico comum:
– Derivado do petróleo
– Tipo de degradação elevada (+ de 400 anos)
– Gera em torno de 4.2 milhões de toneladas por ano de resíduos
– Apenas 15% deste valor é reciclado ( 630 mil toneladas)
 Devido a grande diversidade do material

 Custos para lavagem
 Contaminação da água
 Custos logísticos
 Problemas com o manuseio do material
História
• 1000 A.C.
 Os chineses já faziam uso dos vernizes
 O verniz era extraído da árvore Rhus Verniciflua

 Que era utilizado para impermeabilizar móveis
• Em 1550 Vaides em uma de suas expedição na America Central
observou que os moradores locais faziam a extração da borracha
natural.
• Em 1839 a Goodyear começou a produzir borracha mais resistente e
flexível a partir do derretimento de borracha e a adição de enxofre,
processo que recebeu o nome de vulcanização.
• No final do sec. XIX foi descoberto o poliestireno e a celulose, mas
devido ao inicio da guerra abandonou-se os estudos para o inicio de
pesquisas com o petróleo (ouro negro).
• Foi investido devido a longevidade e resistência do material.
BIOPOLÍMEROS
• Significado da palavra: Bio (biológico) poli (varias) meros (partes)
• São Moléculas extensas
• Formadas por monômeros (única molécula)
• Produção anual de 180 milhões de toneladas
• Utilização:
• Medicina
• Agricultura

• Construção civil
• Embalagens
• Eletro Eletrônicos
Dentre os biopolímeros conhecidos, podemos
classificá-los do seguinte modo:
POLÍMERO VERDE
Polímeros verdes são polímeros produzidos com matérias primas
provenientes de fontes renováveis, porém não necessariamente são
biodegradáveis.
• O polietileno verde (PE) é um exemplo bem comum de polímeros
verdes, ou biopolímero, e tem ganhado espaço na Indústria dos
Plásticos. Uma tonelada de polietileno verde captura até 2,5
toneladas de CO2.

Esquema de produção do PE VERDE através da cana-de-açúcar.
BIODEGRADÁVEL
• polímeros degradáveis que por ação de micro-organismos como
bactérias, fungos e algas consomem totalmente o material
transformando-o. O material é completamente biodegradado em
poucas semanas sob condições apropriadas como as encontradas
em usinas de compostagem.
PRINCIPAIS BIOPOLIMEROS
• Dentre as classes de biopolímeros as mais significativas são:
• Polilactato (PLA)
• Polímeros de amido (PA);
• Polihidroxialcanoato (PHA);
• Goma Xantana (Xan).
MERCADO
As previsões de evolução de consumo de biopolímeros estão
fortemente relacionadas com os seguintes fatores:
Evolução do preço do barril de petróleo, já que o custo de
produção destes polímeros estão relacionados com o custo de
insumos petroquímicos;
Evolução do custo de produção dos biopolímeros;
Estabelecimento de políticas governamentais (incentivos fiscais
e/ou legislação compulsória) para o consumo de biopolímeros.
• O Brasil é líder mundial na produção de cana-de-açúcar, possuindo o
menor custo de produção dessa matéria prima, favorecendo o país
na produção de polímeros verdes à base de etanol.

Estimativa para o ano de 2015 do mercado dos biopolímeros, polímeros biodegradáveis e
polímeros verdes no Brasil.
• Atualmente, a indústria brasileira de transformação de plástico
tradicional produz 180 milhões de toneladas ao ano. São mais de
11.500 empresas, que faturaram R$ 44 bilhões em 2010.
• Principal entrave ao avanço mais rápido desse mercado ainda é o
custo do produto, em torno de US$ 4,00 o quilo, contra US$ 1,oo
dos derivados de petróleo.
• Projeções do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) estimam
que, até 2015, a produção de bioplásticos deverá atingir um milhão
de toneladas, contra as 270 mil toneladas atuais.
PRINCIPAIS APLICAÇÕES
• Aspiradores;

• Filmes agrícolas, Tecidos, Vasos de planta;
• Artigos de escritório;
• Talheres e pratos descartáveis;
• Mobiliário;
• Cadeiras;
• Sacos biodegradáveis;
• Mouse, Teclados, Telefones, Telefones.
Legislação
• ASTM 6400 determina que todo e qualquer material feito para a
redução da agressão ao meio ambiente deve começar a se decompor
em 180 dias.
• ABNT NBR 15448-1 e 15448-2/2008 é a norma nacional, que refere-se
à mesma classificação da ASTM 6400.
• PNRS (Lei 12.305/2010 sua prioridade a não geração, a redução,
reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e a
disposição final ambiental adequada dos rejeitos.
• NBR 13.591 de compostagem define que:
• Biodegradação: processo de digestão da matéria orgânica através de
organismos.
• Compostagem: Processo de decomposição biológica da fração orgânica
biodegradável dos organismos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
Paulo Filho
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
Carlos Kramer
 
Biomateriais
BiomateriaisBiomateriais
Biomateriais
Larissa Ferreira
 
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
César Rodrigues
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
Carlyle Camelo
 
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
marcelo otenio
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros - Classificações e Proriedades
Polímeros - Classificações e ProriedadesPolímeros - Classificações e Proriedades
Polímeros - Classificações e Proriedades
Carlos Alberto Alves
 
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo ITreinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
CENNE
 
Apresentação plastico
Apresentação plasticoApresentação plastico
Apresentação plastico
arceariane87
 
Termoplásticos
TermoplásticosTermoplásticos
Termoplásticos
Hertz Oliveira
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
lucas campos
 
Termofixos
TermofixosTermofixos
Termofixos
Danilo Monteiro
 
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Mari Rodrigues
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
Jadgy Back
 
Refino de Petróleo
Refino de PetróleoRefino de Petróleo
Plásticos
PlásticosPlásticos
Plásticos
luismonteiro1998
 
Biogás
Biogás Biogás
Biogás
Compagas
 
A Indústria Química no Brasil
A Indústria Química no Brasil   A Indústria Química no Brasil
A Indústria Química no Brasil
Roeli Paulucci
 

Mais procurados (20)

Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Biomateriais
BiomateriaisBiomateriais
Biomateriais
 
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11Aula 11   petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
Aula 11 petroquimica - prof. nelson (area 1) - 15.04.11
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Polímeros - Classificações e Proriedades
Polímeros - Classificações e ProriedadesPolímeros - Classificações e Proriedades
Polímeros - Classificações e Proriedades
 
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo ITreinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
Treinamento Técnico em Polímeros - Módulo I
 
Apresentação plastico
Apresentação plasticoApresentação plastico
Apresentação plastico
 
Termoplásticos
TermoplásticosTermoplásticos
Termoplásticos
 
Polimeros
PolimerosPolimeros
Polimeros
 
Termofixos
TermofixosTermofixos
Termofixos
 
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
Polímeros, Polissacarídeos e Proteínas
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Refino de Petróleo
Refino de PetróleoRefino de Petróleo
Refino de Petróleo
 
Plásticos
PlásticosPlásticos
Plásticos
 
Biogás
Biogás Biogás
Biogás
 
A Indústria Química no Brasil
A Indústria Química no Brasil   A Indústria Química no Brasil
A Indústria Química no Brasil
 

Semelhante a Biopolímeros

Lixo plástico
Lixo plásticoLixo plástico
Lixo plástico
soradinda_59
 
Lixo plastico
Lixo plasticoLixo plastico
Lixo plastico
soradinda_59
 
Reciclagem e tratamento do lixo.ppt
Reciclagem e tratamento do lixo.pptReciclagem e tratamento do lixo.ppt
Reciclagem e tratamento do lixo.ppt
CarolineTeodoro4
 
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação  completaReciclagem de garrafas pet apresentação  completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
Claudinéa Ribeiro Neves
 
Apresentação da josi
Apresentação da josiApresentação da josi
Apresentação da josi
Fábio Luz
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
profleofonseca
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
Proftatiane
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
Proftatiane
 
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
afermartins
 
Pesquisas: Do berço ao túmulo
Pesquisas: Do berço ao túmuloPesquisas: Do berço ao túmulo
Pesquisas: Do berço ao túmulo
Profesornc
 
Coleta seletiva etss segurança do trabalho
Coleta seletiva etss segurança do trabalhoColeta seletiva etss segurança do trabalho
Coleta seletiva etss segurança do trabalho
TatianaDiniz21
 
Residuos 9 f
Residuos 9 fResiduos 9 f
Residuos 9 f
Mayjö .
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 
Especialidade Reciclagem e sustentabilidade
Especialidade Reciclagem e sustentabilidade Especialidade Reciclagem e sustentabilidade
Especialidade Reciclagem e sustentabilidade
Jonatãs Demétrio
 
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZACN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
Luís Ferreira
 
Papel e Celulose
Papel e CelulosePapel e Celulose
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortesBiomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
dani999
 
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdfPALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
JurandirMarkante
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
Carlos Priante
 
Plástico - PP
Plástico - PPPlástico - PP
Plástico - PP
Ecodar
 

Semelhante a Biopolímeros (20)

Lixo plástico
Lixo plásticoLixo plástico
Lixo plástico
 
Lixo plastico
Lixo plasticoLixo plastico
Lixo plastico
 
Reciclagem e tratamento do lixo.ppt
Reciclagem e tratamento do lixo.pptReciclagem e tratamento do lixo.ppt
Reciclagem e tratamento do lixo.ppt
 
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação  completaReciclagem de garrafas pet apresentação  completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
 
Apresentação da josi
Apresentação da josiApresentação da josi
Apresentação da josi
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
 
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
Plastico verde -_cana_de_açular_(1)
 
Pesquisas: Do berço ao túmulo
Pesquisas: Do berço ao túmuloPesquisas: Do berço ao túmulo
Pesquisas: Do berço ao túmulo
 
Coleta seletiva etss segurança do trabalho
Coleta seletiva etss segurança do trabalhoColeta seletiva etss segurança do trabalho
Coleta seletiva etss segurança do trabalho
 
Residuos 9 f
Residuos 9 fResiduos 9 f
Residuos 9 f
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 
Especialidade Reciclagem e sustentabilidade
Especialidade Reciclagem e sustentabilidade Especialidade Reciclagem e sustentabilidade
Especialidade Reciclagem e sustentabilidade
 
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZACN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
CN - PROTEÇÃO DA NATUREZA
 
Papel e Celulose
Papel e CelulosePapel e Celulose
Papel e Celulose
 
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortesBiomassa jorge fernandes e rui cortes
Biomassa jorge fernandes e rui cortes
 
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdfPALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
PALESTRA MICROPLÁTICOS - Copia.pdf
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Plástico - PP
Plástico - PPPlástico - PP
Plástico - PP
 

Último

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 

Último (20)

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 

Biopolímeros

  • 2. Introdução • 1860 • Plástico comum: – Derivado do petróleo – Tipo de degradação elevada (+ de 400 anos) – Gera em torno de 4.2 milhões de toneladas por ano de resíduos – Apenas 15% deste valor é reciclado ( 630 mil toneladas)  Devido a grande diversidade do material  Custos para lavagem  Contaminação da água  Custos logísticos  Problemas com o manuseio do material
  • 3. História • 1000 A.C.  Os chineses já faziam uso dos vernizes  O verniz era extraído da árvore Rhus Verniciflua  Que era utilizado para impermeabilizar móveis
  • 4. • Em 1550 Vaides em uma de suas expedição na America Central observou que os moradores locais faziam a extração da borracha natural. • Em 1839 a Goodyear começou a produzir borracha mais resistente e flexível a partir do derretimento de borracha e a adição de enxofre, processo que recebeu o nome de vulcanização. • No final do sec. XIX foi descoberto o poliestireno e a celulose, mas devido ao inicio da guerra abandonou-se os estudos para o inicio de pesquisas com o petróleo (ouro negro). • Foi investido devido a longevidade e resistência do material.
  • 5. BIOPOLÍMEROS • Significado da palavra: Bio (biológico) poli (varias) meros (partes) • São Moléculas extensas • Formadas por monômeros (única molécula) • Produção anual de 180 milhões de toneladas • Utilização: • Medicina • Agricultura • Construção civil • Embalagens • Eletro Eletrônicos
  • 6. Dentre os biopolímeros conhecidos, podemos classificá-los do seguinte modo:
  • 7. POLÍMERO VERDE Polímeros verdes são polímeros produzidos com matérias primas provenientes de fontes renováveis, porém não necessariamente são biodegradáveis.
  • 8. • O polietileno verde (PE) é um exemplo bem comum de polímeros verdes, ou biopolímero, e tem ganhado espaço na Indústria dos Plásticos. Uma tonelada de polietileno verde captura até 2,5 toneladas de CO2. Esquema de produção do PE VERDE através da cana-de-açúcar.
  • 9. BIODEGRADÁVEL • polímeros degradáveis que por ação de micro-organismos como bactérias, fungos e algas consomem totalmente o material transformando-o. O material é completamente biodegradado em poucas semanas sob condições apropriadas como as encontradas em usinas de compostagem.
  • 10. PRINCIPAIS BIOPOLIMEROS • Dentre as classes de biopolímeros as mais significativas são: • Polilactato (PLA) • Polímeros de amido (PA); • Polihidroxialcanoato (PHA); • Goma Xantana (Xan).
  • 11. MERCADO As previsões de evolução de consumo de biopolímeros estão fortemente relacionadas com os seguintes fatores: Evolução do preço do barril de petróleo, já que o custo de produção destes polímeros estão relacionados com o custo de insumos petroquímicos; Evolução do custo de produção dos biopolímeros; Estabelecimento de políticas governamentais (incentivos fiscais e/ou legislação compulsória) para o consumo de biopolímeros.
  • 12. • O Brasil é líder mundial na produção de cana-de-açúcar, possuindo o menor custo de produção dessa matéria prima, favorecendo o país na produção de polímeros verdes à base de etanol. Estimativa para o ano de 2015 do mercado dos biopolímeros, polímeros biodegradáveis e polímeros verdes no Brasil.
  • 13. • Atualmente, a indústria brasileira de transformação de plástico tradicional produz 180 milhões de toneladas ao ano. São mais de 11.500 empresas, que faturaram R$ 44 bilhões em 2010. • Principal entrave ao avanço mais rápido desse mercado ainda é o custo do produto, em torno de US$ 4,00 o quilo, contra US$ 1,oo dos derivados de petróleo. • Projeções do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) estimam que, até 2015, a produção de bioplásticos deverá atingir um milhão de toneladas, contra as 270 mil toneladas atuais.
  • 14. PRINCIPAIS APLICAÇÕES • Aspiradores; • Filmes agrícolas, Tecidos, Vasos de planta; • Artigos de escritório; • Talheres e pratos descartáveis; • Mobiliário; • Cadeiras; • Sacos biodegradáveis; • Mouse, Teclados, Telefones, Telefones.
  • 15. Legislação • ASTM 6400 determina que todo e qualquer material feito para a redução da agressão ao meio ambiente deve começar a se decompor em 180 dias. • ABNT NBR 15448-1 e 15448-2/2008 é a norma nacional, que refere-se à mesma classificação da ASTM 6400. • PNRS (Lei 12.305/2010 sua prioridade a não geração, a redução, reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e a disposição final ambiental adequada dos rejeitos. • NBR 13.591 de compostagem define que: • Biodegradação: processo de digestão da matéria orgânica através de organismos. • Compostagem: Processo de decomposição biológica da fração orgânica biodegradável dos organismos.