SlideShare uma empresa Scribd logo
A crise dos Estados Unidos
               (subprime) e o
          agronegócio do Brasil.
                             Desde a segunda metade do ano passado, a           houve forte crescimento da agricultura. As ex-
                         mídia tem noticiado sobre uma crise iniciada no        portações elevaram-se de forma rápida, assim
                         mercado imobiliário americano. As conseqüênci-         como a renda dos agricultores. Isso fez com que
                         as dessa crise têm repercutido, em diferentes in-      houvesse valorização dos ativos (terra, máquinas,
                         tensidades, nas diversas partes do mundo. Uma          equipamentos, entre outros) utilizados na produ-
  Roberto Arruda de
                         das questões, ainda em aberto, é referente aos         ção agropecuária. Na época o crédito era farto e
        Souza Lima
Engenheiro agrônomo,     impactos da crise no agronegócio brasileiro. Nes-      barato. Com seus ativos (e patrimônio) valoriza-
            Doutor em    te artigo, será apresentada uma breve discussão        dos, os agricultores apresentavam sólidas garan-
   Economia Aplicada,
  Prof. da ESALQ/USP ,   das origens e estágio atual da crise, e, na seqüên-    tias para obterem financiamentos. As constantes
Pesquisador do CEPEA     cia, os potenciais impactos no agronegócio brasi-      valorizações da terra e demais fatores de produ-
 raslima@esalq.usp.br
                         leiro.                                                 ção, devido ao momento favorável em que a agri-
                             Para melhor compreensão da atual crise, pode-      cultura atravessava, permitiram que os produto-
                         se recordar a crise enfrentada pela agricultura nor-   res rurais levantassem cada vez mais recursos
                         te-americana no final do século passado. Como          junto aos bancos. Entretanto, no ano de 1979
                         será analisado a seguir, em ambos os casos o cres-     ocorreu significativa mudança nesse cenário. Pre-
                         cimento da dívida foi estimulado por ganhos de         ocupado com o controle da inflação, o Federal
                         capital (valorização) dos ativos. A crise surge do     Reserve (banco central dos EUA) elevou drasti-
                         fato dos ganhos de capital não serem sustentados       camente as taxas de juro naquele ano, o que pro-
                         e de um relaxamento de políticas de crédito quan-      vocou valorização cambial. O resultado foi a re-
Figura 1: A crise da     do tudo, ao menos aparentemente, anda bem.             dução nas exportações de produtos agrícolas, fato
agricultura nos EUA          Vejamos a história. Durante a década de 1970       agravado com a crise da dívida que ocorria nos
nos anos 1980.
                                                                                países em desenvolvimento (o que reduziu ainda
                                                                                mais a demanda mundial). Verificou-se, no perío-
                                                                                do de 1981 a 1986, redução em 40% nas expor-
                                                                                tações agrícolas dos EUA, em um momento em
                                                                                que a capacidade de produção havia se elevado,
                                                                                conforme discutido anteriormente. A conseqüên-
                                                                                cia foi formação de grandes excedentes de com-
                                                                                modities agrícolas no início dos anos 1980, pro-
                                                                                vocando queda nos preços e forte desvaloriza-
                                                                                ção dos ativos e patrimônio dos agricultores. Em
                                                                                função desses acontecimentos, a inadimplência
                                                                                elevou-se fortemente (Figura 1).
                                                                                    Vejamos a crise atual. O setor imobiliário nor-
                                                                                te americano, como ocorre em todos os países,
                                                                                sempre mereceu atenção especial, tanto por ge-
                                                                                rar muitos empregos e renda, quanto pela impor-
                                                                                tância social de ofertar moradia para a popula-
                                                                                ção. Nos anos da 1980, em resposta às crises
  Nota: Dados normalizados
                                                                                econômicas da época, o setor imobiliário recebeu
  Fonte: Stein (2008)                                                           grandes incentivos, através de reformas tributá-
                                                                                rias (Tax Reform Act), alterações na forma das
instituições financiarem esse mercado e por ino-
vações financeiras (destacando-se o surgimento
e crescimento de operações securitizadas). Es-
sas alterações implicaram em crescimento da
demanda por imóveis e os preços, nesse merca-
do, passaram a apresentar firme crescimento. No
mesmo momento, havia muita liquidez no merca-
do financeiro, ou seja, disponibilidade de emprés-
timos e financiamentos com baixas taxas de ju-
ros. Iniciou-se, então, um perigoso ciclo virtuoso
(Figura 2).
    O crescimento no apetite dos bancos em rea-
lizar financiamento com base em garantias, que
estavam continuamente se valorizando, provocou,
entre outros, dois eventos que elevaram o risco
das operações. Primeiro, na busca de mais clien-                                                                    Figura 2:
                                                        tágio entre os participantes do mercado, institui-   Crescimento do
tes, os bancos relaxaram os critérios de seleção
                                                        ções financeiras e fundos de investimento.            financiamento
(afinal, o que contava era a garantia, o imóvel fi-                                                               imobiliário
                                                            Assustados e abalados com as perdas, os in-
nanciado...). Cresceu, assim, o número dos cha-
                                                        vestidores trocaram suas aplicações em bancos e
mados empréstimos NINJA, para pessoas sem
                                                        fundos por aplicações em commodities. Isto con-
renda, sem trabalho fixo e sem bens (do inglês,
                                                        tribui para elevação dos preços do petróleo, me-
No Income, No Job or Asssets). O segundo fato
                                                        tais e alimentos (que já estavam pressionados
foi que muitos devedores enxergaram a oportuni-
                                                        pelas políticas de biocombustíveis). Note que o
dade de se endividarem ainda mais. Como o imó-
                                                        aumento dos preços das commodities pressionam
vel (garantia) se valorizava, o mesmo bem pode-         a inflação em todos países. A ameaça de eleva-
ria garantir montantes crescentes de empréstimos.       ção de inflação, no Brasil ou em qualquer lugar
Muitos refinanciaram suas hipotecas, liquidando         do mundo, resulta em políticas econômicas con-
a dívida anterior e levantando recursos adicio-         tracionistas (para redução da demanda, como
nais (para consumo) com a mesma garantia da             aumento das taxas de juros e redução de gastos).
hipoteca original. Cresceu, assim, a quantidade             E o agronegócio brasileiro, onde entra nessa
de empréstimos denominados subprime, ou seja,           história? Em várias partes. Primeiro, o ponto po-
avaliados como de risco maior de entrar em              sitivo: como somos exportadores de commodities,
inadimplência. Muitos destes financiamentos pre-        a alta dos preços é favorável ao setor. Mas os
viam uma carência longa e, em diversos casos,           pontos negativos são mais sérios. A preocupação
com juros repactuados. A elevação das taxas de          com a inflação e as políticas para combatê-la im-
juros, já neste século, implicou em dificuldades para   plicam em menor procura pelos produtos expor-
os devedores e reduziu a demanda por imóveis.           tados pelo Brasil. A redução de crédito (os inves-
O ciclo (visto na Figura 2) se inverteu. Os preços      tidores estão cobrindo as perdas devido à crise
dos imóveis começaram a baixar, os bancos ao            americana e estão mais sensíveis aos riscos) im-
verificarem o aumento da inadimplência e a per-         plica em maior dificuldade de financiamento para
da de valor da garantia, reduziram o crédito, o         o agronegócio (menor quantidade de crédito e mais
que reduzia ainda mais a demanda por imóveis,           caro). No médio e longo prazo, há necessidade
retomando o ciclo, agora, vicioso. Este processo        de rever como será financiado o agronegócio.
avançou ao ponto que muitos imóveis, desvalori-         Ressalte-se que os novos instrumentos de finan-
zados, passaram a valer menos que a dívida que          ciamento, recentemente introduzidos na agrope-
garantiam. O resultado: desincentivo para os de-        cuária, como o Certificado de Recebíveis, estão
vedores quitarem suas dívidas, pois ficou mais          fundamentados no mercado de operações finan-
barato entregar o imóvel do que continuar pagan-        ceiras estruturadas, como a securitização, alvos
do o empréstimo. Rapidamente, os credores dos           de questionamentos, análises e reformulação em
empréstimos imobiliários começaram a apurar             nível mundial. O momento é de cautela, sem mui-
prejuízos significativos. As operações de engenha-      to otimismo quanto aos desdobramentos da crise
ria financeira e a globalização aceleraram o con-       do subprime norte americano.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Mainstep Ficha Técnica SI QPME AAC07 2010
Mainstep Ficha Técnica SI QPME AAC07 2010Mainstep Ficha Técnica SI QPME AAC07 2010
Mainstep Ficha Técnica SI QPME AAC07 2010
Mainstep Business Services
 
Ficha de trabalho nº1 (jessica)
Ficha de trabalho nº1 (jessica)Ficha de trabalho nº1 (jessica)
Ficha de trabalho nº1 (jessica)
Dulca
 
Eleição POSTALIS 2011
Eleição POSTALIS 2011Eleição POSTALIS 2011
Eleição POSTALIS 2011
CSP-Conlutas Correios SC
 
Presentacion oficial 2.0
Presentacion oficial 2.0 Presentacion oficial 2.0
Presentacion oficial 2.0
Jacinto Juarez Rodriguez
 
Cuadro comparativo
Cuadro comparativoCuadro comparativo
Cuadro comparativo
sandrapinzonboada
 
paula moreno
paula morenopaula moreno
paula moreno
paulha_
 
documento
documentodocumento
documento
maurapullaguari
 
portifólio cartões
portifólio cartõesportifólio cartões
portifólio cartões
primaquim
 
Ficha informativa nº1 áreas e volumes
Ficha informativa nº1 áreas e volumesFicha informativa nº1 áreas e volumes
Ficha informativa nº1 áreas e volumes
mafalda12
 
Pirlimpimpim – ano 1982
Pirlimpimpim – ano 1982Pirlimpimpim – ano 1982
Pirlimpimpim – ano 1982
pragente miuda
 
Listado de términos importantes de ati
Listado de términos  importantes de atiListado de términos  importantes de ati
Listado de términos importantes de ati
Josue Reyes
 
28 11 2010
28 11 201028 11 2010
28 11 2010
Israel serique
 
01 como o_pai_me_amou
01 como o_pai_me_amou01 como o_pai_me_amou
01 como o_pai_me_amou
José Pedro Salgado Rosa Negrão
 
Mapa dos empreendimentos no Belvedere e Vila da Serra
Mapa dos empreendimentos no Belvedere e Vila da SerraMapa dos empreendimentos no Belvedere e Vila da Serra
Mapa dos empreendimentos no Belvedere e Vila da Serra
Ronaldo Roscoe
 
Cartaz 28 março. paróquia igreja em missão. bodas de ouro
Cartaz   28 março. paróquia igreja em missão. bodas de ouroCartaz   28 março. paróquia igreja em missão. bodas de ouro
Cartaz 28 março. paróquia igreja em missão. bodas de ouro
Paróquia Graça
 
Slid
SlidSlid
Correio uacury dezembro 2010
Correio uacury dezembro 2010Correio uacury dezembro 2010
Correio uacury dezembro 2010
Edson Mamprin
 
Cronograma ana carine
Cronograma   ana carineCronograma   ana carine
Cronograma ana carine
familiaestagio
 

Destaque (20)

Mainstep Ficha Técnica SI QPME AAC07 2010
Mainstep Ficha Técnica SI QPME AAC07 2010Mainstep Ficha Técnica SI QPME AAC07 2010
Mainstep Ficha Técnica SI QPME AAC07 2010
 
Ficha de trabalho nº1 (jessica)
Ficha de trabalho nº1 (jessica)Ficha de trabalho nº1 (jessica)
Ficha de trabalho nº1 (jessica)
 
Eleição POSTALIS 2011
Eleição POSTALIS 2011Eleição POSTALIS 2011
Eleição POSTALIS 2011
 
Presentacion oficial 2.0
Presentacion oficial 2.0 Presentacion oficial 2.0
Presentacion oficial 2.0
 
Cuadro comparativo
Cuadro comparativoCuadro comparativo
Cuadro comparativo
 
paula moreno
paula morenopaula moreno
paula moreno
 
documento
documentodocumento
documento
 
portifólio cartões
portifólio cartõesportifólio cartões
portifólio cartões
 
Ficha informativa nº1 áreas e volumes
Ficha informativa nº1 áreas e volumesFicha informativa nº1 áreas e volumes
Ficha informativa nº1 áreas e volumes
 
Pirlimpimpim – ano 1982
Pirlimpimpim – ano 1982Pirlimpimpim – ano 1982
Pirlimpimpim – ano 1982
 
Listado de términos importantes de ati
Listado de términos  importantes de atiListado de términos  importantes de ati
Listado de términos importantes de ati
 
28 11 2010
28 11 201028 11 2010
28 11 2010
 
01 como o_pai_me_amou
01 como o_pai_me_amou01 como o_pai_me_amou
01 como o_pai_me_amou
 
Mapa dos empreendimentos no Belvedere e Vila da Serra
Mapa dos empreendimentos no Belvedere e Vila da SerraMapa dos empreendimentos no Belvedere e Vila da Serra
Mapa dos empreendimentos no Belvedere e Vila da Serra
 
Gmo
GmoGmo
Gmo
 
Provão 1 série
Provão 1 sérieProvão 1 série
Provão 1 série
 
Cartaz 28 março. paróquia igreja em missão. bodas de ouro
Cartaz   28 março. paróquia igreja em missão. bodas de ouroCartaz   28 março. paróquia igreja em missão. bodas de ouro
Cartaz 28 março. paróquia igreja em missão. bodas de ouro
 
Slid
SlidSlid
Slid
 
Correio uacury dezembro 2010
Correio uacury dezembro 2010Correio uacury dezembro 2010
Correio uacury dezembro 2010
 
Cronograma ana carine
Cronograma   ana carineCronograma   ana carine
Cronograma ana carine
 

Semelhante a Artigo equina 17 mai jun-2008

Geografia 2009
Geografia 2009Geografia 2009
Geografia 2009
Geografia 2009Geografia 2009
O Nosso Tempo
O Nosso TempoO Nosso Tempo
O Nosso Tempo
Ana Batista
 
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIOCURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
ProfMario De Mori
 
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Aléxia Fortes
 
Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008
guest55f91d
 
Economia 2008
Economia 2008Economia 2008
Economia 2008
Luis Alberto Bassoli
 
Opinião 30 out 1
Opinião 30 out 1Opinião 30 out 1
Opinião 30 out 1
Sergyo Vitro
 
A grande depressão
A grande depressãoA grande depressão
A grande depressão
cattonia
 
O capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressão
O capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressãoO capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressão
O capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressão
Alessandro de Moura
 
Ag gd cac3
Ag gd cac3Ag gd cac3
Formação Econômica do Brasil - Celso Furtado
Formação Econômica do Brasil - Celso FurtadoFormação Econômica do Brasil - Celso Furtado
Formação Econômica do Brasil - Celso Furtado
Elvis Vinícius
 
4º crise financeirainternacionalunicamp
4º   crise financeirainternacionalunicamp4º   crise financeirainternacionalunicamp
4º crise financeirainternacionalunicamp
claudio alfonso
 
Como surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundialComo surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundial
letieri11
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
Margarida Moreira
 
A indústria no brasil ifpe
A indústria no brasil ifpeA indústria no brasil ifpe
A indústria no brasil ifpe
Rhafanny Vasconcelos
 
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB ConsultoresO Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
Ronaldo Tenório
 
CRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptx
CRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptxCRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptx
CRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptx
IracemaCristinaFerna
 
Geo30
Geo30Geo30
Grande depressao de 1929
Grande depressao de 1929Grande depressao de 1929
Grande depressao de 1929
Yuri Silver
 

Semelhante a Artigo equina 17 mai jun-2008 (20)

Geografia 2009
Geografia 2009Geografia 2009
Geografia 2009
 
Geografia 2009
Geografia 2009Geografia 2009
Geografia 2009
 
O Nosso Tempo
O Nosso TempoO Nosso Tempo
O Nosso Tempo
 
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIOCURSO DE ATUALIDADES INICIO
CURSO DE ATUALIDADES INICIO
 
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
Capas de-resvistas-atuais-1224097238017293-9
 
Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008Crise Subprime 171008
Crise Subprime 171008
 
Economia 2008
Economia 2008Economia 2008
Economia 2008
 
Opinião 30 out 1
Opinião 30 out 1Opinião 30 out 1
Opinião 30 out 1
 
A grande depressão
A grande depressãoA grande depressão
A grande depressão
 
O capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressão
O capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressãoO capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressão
O capitalismo em crise histórica e suas tentativas de escapar da depressão
 
Ag gd cac3
Ag gd cac3Ag gd cac3
Ag gd cac3
 
Formação Econômica do Brasil - Celso Furtado
Formação Econômica do Brasil - Celso FurtadoFormação Econômica do Brasil - Celso Furtado
Formação Econômica do Brasil - Celso Furtado
 
4º crise financeirainternacionalunicamp
4º   crise financeirainternacionalunicamp4º   crise financeirainternacionalunicamp
4º crise financeirainternacionalunicamp
 
Como surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundialComo surgiu a crise econômica mundial
Como surgiu a crise econômica mundial
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
A indústria no brasil ifpe
A indústria no brasil ifpeA indústria no brasil ifpe
A indústria no brasil ifpe
 
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB ConsultoresO Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
O Que é Uma Bolha Imobiliária? Por Josi Gomes Barros - CAB Consultores
 
CRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptx
CRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptxCRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptx
CRISES FINANCEIRAS E PANDEMIAS 3 SERIE.pptx
 
Geo30
Geo30Geo30
Geo30
 
Grande depressao de 1929
Grande depressao de 1929Grande depressao de 1929
Grande depressao de 1929
 

Mais de Roberto Arruda

Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 35 mai jun 2011
Editorial equina 35 mai jun 2011Editorial equina 35 mai jun 2011
Editorial equina 35 mai jun 2011
Roberto Arruda
 
Editorial equina 34 mar abr 2011
Editorial equina 34 mar abr 2011Editorial equina 34 mar abr 2011
Editorial equina 34 mar abr 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Editorial nosso clinico 83 set out 2011Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Roberto Arruda
 
Editorial equina 36 jul ago 2011
Editorial equina 36 jul ago 2011Editorial equina 36 jul ago 2011
Editorial equina 36 jul ago 2011
Roberto Arruda
 
Editorial equina 43 set out 2012
Editorial equina 43 set out 2012Editorial equina 43 set out 2012
Editorial equina 43 set out 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 42 jul ago 2012
Editorial equina 42 jul ago 2012Editorial equina 42 jul ago 2012
Editorial equina 42 jul ago 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 39 jan fev 2012
Editorial equina 39 jan fev 2012Editorial equina 39 jan fev 2012
Editorial equina 39 jan fev 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 38 nov dez 2011
Editorial equina 38 nov dez 2011Editorial equina 38 nov dez 2011
Editorial equina 38 nov dez 2011
Roberto Arruda
 
Editorial equina 37 set out 2011
Editorial equina 37 set out 2011Editorial equina 37 set out 2011
Editorial equina 37 set out 2011
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Editorial nosso clinico 89 set out 2012Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Roberto Arruda
 
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Roberto Arruda
 
Editorial equina 40 mar abr 2012
Editorial equina 40 mar abr 2012Editorial equina 40 mar abr 2012
Editorial equina 40 mar abr 2012
Roberto Arruda
 
Artigo equina 40 mar abr 2012
Artigo equina 40 mar abr 2012Artigo equina 40 mar abr 2012
Artigo equina 40 mar abr 2012
Roberto Arruda
 

Mais de Roberto Arruda (20)

Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
Editorial nosso clinico 90 nov dez 2012
 
Editorial equina 35 mai jun 2011
Editorial equina 35 mai jun 2011Editorial equina 35 mai jun 2011
Editorial equina 35 mai jun 2011
 
Editorial equina 34 mar abr 2011
Editorial equina 34 mar abr 2011Editorial equina 34 mar abr 2011
Editorial equina 34 mar abr 2011
 
Artigo equina 36
Artigo equina 36Artigo equina 36
Artigo equina 36
 
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
Editorial nosso clinico 82 jul ago 2011
 
Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Editorial nosso clinico 83 set out 2011Editorial nosso clinico 83 set out 2011
Editorial nosso clinico 83 set out 2011
 
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
Editorial nosso clinico 84 nov dez 2011
 
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
Editorial nosso clinico 85 jan fev 2012
 
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
Editorial nosso clinico 81 mai jun 2011
 
Editorial equina 36 jul ago 2011
Editorial equina 36 jul ago 2011Editorial equina 36 jul ago 2011
Editorial equina 36 jul ago 2011
 
Editorial equina 43 set out 2012
Editorial equina 43 set out 2012Editorial equina 43 set out 2012
Editorial equina 43 set out 2012
 
Editorial equina 42 jul ago 2012
Editorial equina 42 jul ago 2012Editorial equina 42 jul ago 2012
Editorial equina 42 jul ago 2012
 
Editorial equina 39 jan fev 2012
Editorial equina 39 jan fev 2012Editorial equina 39 jan fev 2012
Editorial equina 39 jan fev 2012
 
Editorial equina 38 nov dez 2011
Editorial equina 38 nov dez 2011Editorial equina 38 nov dez 2011
Editorial equina 38 nov dez 2011
 
Editorial equina 37 set out 2011
Editorial equina 37 set out 2011Editorial equina 37 set out 2011
Editorial equina 37 set out 2011
 
Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Editorial nosso clinico 89 set out 2012Editorial nosso clinico 89 set out 2012
Editorial nosso clinico 89 set out 2012
 
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
Editorial nosso clinico 88 jul ago 2012
 
Editorial equina 40 mar abr 2012
Editorial equina 40 mar abr 2012Editorial equina 40 mar abr 2012
Editorial equina 40 mar abr 2012
 
Artigo equina 42
Artigo equina 42Artigo equina 42
Artigo equina 42
 
Artigo equina 40 mar abr 2012
Artigo equina 40 mar abr 2012Artigo equina 40 mar abr 2012
Artigo equina 40 mar abr 2012
 

Artigo equina 17 mai jun-2008

  • 1. A crise dos Estados Unidos (subprime) e o agronegócio do Brasil. Desde a segunda metade do ano passado, a houve forte crescimento da agricultura. As ex- mídia tem noticiado sobre uma crise iniciada no portações elevaram-se de forma rápida, assim mercado imobiliário americano. As conseqüênci- como a renda dos agricultores. Isso fez com que as dessa crise têm repercutido, em diferentes in- houvesse valorização dos ativos (terra, máquinas, tensidades, nas diversas partes do mundo. Uma equipamentos, entre outros) utilizados na produ- Roberto Arruda de das questões, ainda em aberto, é referente aos ção agropecuária. Na época o crédito era farto e Souza Lima Engenheiro agrônomo, impactos da crise no agronegócio brasileiro. Nes- barato. Com seus ativos (e patrimônio) valoriza- Doutor em te artigo, será apresentada uma breve discussão dos, os agricultores apresentavam sólidas garan- Economia Aplicada, Prof. da ESALQ/USP , das origens e estágio atual da crise, e, na seqüên- tias para obterem financiamentos. As constantes Pesquisador do CEPEA cia, os potenciais impactos no agronegócio brasi- valorizações da terra e demais fatores de produ- raslima@esalq.usp.br leiro. ção, devido ao momento favorável em que a agri- Para melhor compreensão da atual crise, pode- cultura atravessava, permitiram que os produto- se recordar a crise enfrentada pela agricultura nor- res rurais levantassem cada vez mais recursos te-americana no final do século passado. Como junto aos bancos. Entretanto, no ano de 1979 será analisado a seguir, em ambos os casos o cres- ocorreu significativa mudança nesse cenário. Pre- cimento da dívida foi estimulado por ganhos de ocupado com o controle da inflação, o Federal capital (valorização) dos ativos. A crise surge do Reserve (banco central dos EUA) elevou drasti- fato dos ganhos de capital não serem sustentados camente as taxas de juro naquele ano, o que pro- e de um relaxamento de políticas de crédito quan- vocou valorização cambial. O resultado foi a re- Figura 1: A crise da do tudo, ao menos aparentemente, anda bem. dução nas exportações de produtos agrícolas, fato agricultura nos EUA Vejamos a história. Durante a década de 1970 agravado com a crise da dívida que ocorria nos nos anos 1980. países em desenvolvimento (o que reduziu ainda mais a demanda mundial). Verificou-se, no perío- do de 1981 a 1986, redução em 40% nas expor- tações agrícolas dos EUA, em um momento em que a capacidade de produção havia se elevado, conforme discutido anteriormente. A conseqüên- cia foi formação de grandes excedentes de com- modities agrícolas no início dos anos 1980, pro- vocando queda nos preços e forte desvaloriza- ção dos ativos e patrimônio dos agricultores. Em função desses acontecimentos, a inadimplência elevou-se fortemente (Figura 1). Vejamos a crise atual. O setor imobiliário nor- te americano, como ocorre em todos os países, sempre mereceu atenção especial, tanto por ge- rar muitos empregos e renda, quanto pela impor- tância social de ofertar moradia para a popula- ção. Nos anos da 1980, em resposta às crises Nota: Dados normalizados econômicas da época, o setor imobiliário recebeu Fonte: Stein (2008) grandes incentivos, através de reformas tributá- rias (Tax Reform Act), alterações na forma das
  • 2. instituições financiarem esse mercado e por ino- vações financeiras (destacando-se o surgimento e crescimento de operações securitizadas). Es- sas alterações implicaram em crescimento da demanda por imóveis e os preços, nesse merca- do, passaram a apresentar firme crescimento. No mesmo momento, havia muita liquidez no merca- do financeiro, ou seja, disponibilidade de emprés- timos e financiamentos com baixas taxas de ju- ros. Iniciou-se, então, um perigoso ciclo virtuoso (Figura 2). O crescimento no apetite dos bancos em rea- lizar financiamento com base em garantias, que estavam continuamente se valorizando, provocou, entre outros, dois eventos que elevaram o risco das operações. Primeiro, na busca de mais clien- Figura 2: tágio entre os participantes do mercado, institui- Crescimento do tes, os bancos relaxaram os critérios de seleção ções financeiras e fundos de investimento. financiamento (afinal, o que contava era a garantia, o imóvel fi- imobiliário Assustados e abalados com as perdas, os in- nanciado...). Cresceu, assim, o número dos cha- vestidores trocaram suas aplicações em bancos e mados empréstimos NINJA, para pessoas sem fundos por aplicações em commodities. Isto con- renda, sem trabalho fixo e sem bens (do inglês, tribui para elevação dos preços do petróleo, me- No Income, No Job or Asssets). O segundo fato tais e alimentos (que já estavam pressionados foi que muitos devedores enxergaram a oportuni- pelas políticas de biocombustíveis). Note que o dade de se endividarem ainda mais. Como o imó- aumento dos preços das commodities pressionam vel (garantia) se valorizava, o mesmo bem pode- a inflação em todos países. A ameaça de eleva- ria garantir montantes crescentes de empréstimos. ção de inflação, no Brasil ou em qualquer lugar Muitos refinanciaram suas hipotecas, liquidando do mundo, resulta em políticas econômicas con- a dívida anterior e levantando recursos adicio- tracionistas (para redução da demanda, como nais (para consumo) com a mesma garantia da aumento das taxas de juros e redução de gastos). hipoteca original. Cresceu, assim, a quantidade E o agronegócio brasileiro, onde entra nessa de empréstimos denominados subprime, ou seja, história? Em várias partes. Primeiro, o ponto po- avaliados como de risco maior de entrar em sitivo: como somos exportadores de commodities, inadimplência. Muitos destes financiamentos pre- a alta dos preços é favorável ao setor. Mas os viam uma carência longa e, em diversos casos, pontos negativos são mais sérios. A preocupação com juros repactuados. A elevação das taxas de com a inflação e as políticas para combatê-la im- juros, já neste século, implicou em dificuldades para plicam em menor procura pelos produtos expor- os devedores e reduziu a demanda por imóveis. tados pelo Brasil. A redução de crédito (os inves- O ciclo (visto na Figura 2) se inverteu. Os preços tidores estão cobrindo as perdas devido à crise dos imóveis começaram a baixar, os bancos ao americana e estão mais sensíveis aos riscos) im- verificarem o aumento da inadimplência e a per- plica em maior dificuldade de financiamento para da de valor da garantia, reduziram o crédito, o o agronegócio (menor quantidade de crédito e mais que reduzia ainda mais a demanda por imóveis, caro). No médio e longo prazo, há necessidade retomando o ciclo, agora, vicioso. Este processo de rever como será financiado o agronegócio. avançou ao ponto que muitos imóveis, desvalori- Ressalte-se que os novos instrumentos de finan- zados, passaram a valer menos que a dívida que ciamento, recentemente introduzidos na agrope- garantiam. O resultado: desincentivo para os de- cuária, como o Certificado de Recebíveis, estão vedores quitarem suas dívidas, pois ficou mais fundamentados no mercado de operações finan- barato entregar o imóvel do que continuar pagan- ceiras estruturadas, como a securitização, alvos do o empréstimo. Rapidamente, os credores dos de questionamentos, análises e reformulação em empréstimos imobiliários começaram a apurar nível mundial. O momento é de cautela, sem mui- prejuízos significativos. As operações de engenha- to otimismo quanto aos desdobramentos da crise ria financeira e a globalização aceleraram o con- do subprime norte americano.