QUEM É O HOMEM?
Jair de Barros 1
RESUMO
Este artigo foi realizado como parte da disciplina de
antropologia e tem como obje...
2
nunca enxergar-se as fronteiras para onde se está querendo
chegar, mas, com uma visão muito especifica do que e para
ond...
3
Tanto é verdade que o Brasil um dos países que mais
tem aumentado em número s de adeptos da religiosidade
decorrentes em...
4
A CISMA DO ÓPIO DA RELIGIÃO
Por outro lado os que defendem a cisma de que a
religião seria o ópio do povo, parecem lutar...
5
que se diz ateu, estas mesmas deixam transparecer-se em
algum momento como sendo religiosas de alguma forma .
O homem te...
6
conformidade com a Verdade. Agora, fica -nos outra dúvida e a
pergunta é outra, e pode ser que se resolvido e encontrado...
7
REFERÊNCIAS
https://pt.wikipedia.org
http://pt.slideshare.net/kularocha/paradoxos-
da-condio- humana-em-pascal-misria-e-...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo quem é o homem -ariel linhas 1.5 para a mat de antropologia

199 visualizações

Publicada em

QUEM É O HOMEM?

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
199
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo quem é o homem -ariel linhas 1.5 para a mat de antropologia

  1. 1. QUEM É O HOMEM? Jair de Barros 1 RESUMO Este artigo foi realizado como parte da disciplina de antropologia e tem como objetivo demonstrar uma perspectiva de quem é o homem como ser humano na terra em que habita . Palavras-Chave: Deus; Homem; Filho; Criado. INTRODUÇÃO O homem é um ser racional e que se distingue do restante de todas as coisas criadas , por sua total capacidade de pensar e com isso construir e transformar o meio em que vive, e nesta busca incessante de transformar os meios para extrair dele as melhores condições de vida, muitas vezes o homem se perde em suas habilidades racionais de compreensão de quem é ele e de onde realmente veio e de como apareceu no mundo. Este artigo tem por objetivo fazer o leitor refletir nas várias facetas do pensar humano, a fim de constuir uma melhor compreensão sobre a aparição do homem na terra e de como chegou até aqui. Nas entrelinhas da frase de B LAISE PASCAL abaixo, onde se pode ler e pode -se perceber conforme expõe o autor da frase, fica entendido que , aos homens somente a vivencia do presente, não lhes é razão suficiente para descobrir as sabedorias para o viver do futuro, nem de seus destinos eminentes. ² “Está vedado ao homem o conhecimento dos primeiros princípios e os princípios últimos do conhecimento verdadeiro”. Refletiremos sobre um coração onde a razão e a fé se fundem em uma só excelência de formatação de idéias que levarão ao homem num ápice e apogeu , não de delírios sem 1 Acadêmico de Teologia – FATIN / IEAdvanced 2 (ROCHA, Arlindo Nascimento. Paradoxo da condição humana em Pascal, 2010, p.45. Disponível emhttp://pt.slideshare.net/kularocha/paradoxos-da-condio-humana-em-pascal-misria-e-grandeza-humana -Acesso em: 26 Mai. 2014)
  2. 2. 2 nunca enxergar-se as fronteiras para onde se está querendo chegar, mas, com uma visão muito especifica do que e para onde se vai. DESENVOLVIMENTO Convido a você entrar nessa aventura do pensamen to envolvente de quem é o homem. Bem, o homem está neste planeta explorado e inexplorado, segundo a ciência a pelo menos 14 Bilhões de anos, e segundo os escri tos bíblicos a cerca de pouco mais de 6 mil. De qualquer forma o tempo decorrido da existência humana diz muito respeito a este ser que tão complexamente vive na terra, num padrão de como diria o matemático e filósofo: ³ Blaise Pascal: “Um nada do ponto de vista do infinito universo e um tudo do ponto de vista do nada”. Conforme essa linha de pensar acima citado, podemos notar o efeito dualismo entre as duas razões do tudo e do nada que foi muito bem aplicado pelo filósofo em questão, já que a tangente forma humana e suas variadas reconstruções de suas habilidades no mundo em que vive, não deixa dúvidas de que realmente o homem é um ser que vive em meio as essa dualidade vivenciada, de maneira que a razão e fé deste pode ser confundida ou ser plenamente coexistente a dar cabo as maiores perguntas e a to grandes respostas que se possa ter em nossa civilidade. O homem que age tão soment e por meio racional dar - se-ia o substantivo de sê -lo um ser que vive na naturalidade dos acontecimentos que os cercam movido em muito pela ciência aplicada, uma vez que o homem que age extrapolando os limites da razão, pode ser considerado como um subproduto de um pensante sobrenatural que aceita e admite as causas tanto da razão como as da fé que regido é pela intrínseca medida de dois pontos, a saber: O coração e o mente. Da mesma maneira que, parcelas das sociedade dividem-se entre os que passam a declara-se seguidores do chamado fé e outros ainda conservadores preferem continuar acreditando que a razão é que ditará todos os caminhos que se devem seguir, e as comprovações científicas é que podem dar cabo e provas das coisas inexplicáveis. Sabe -se que é inegável um crescimento vertical e acelerado em países em constante desenvolvimento da religião, e que a fé religiosa tem se multiplicado aos milhares das populações. ³ (CABRAL, P. F. João. “Os pensamentos” de Blaise Pascal http://www.brasilescola.com/filosofia/os-pensamentos-blaise-pascal.htm - Acesso em: 26 Mai. 2014)
  3. 3. 3 Tanto é verdade que o Brasil um dos países que mais tem aumentado em número s de adeptos da religiosidade decorrentes em vários estados da federação. Nota-se um acelerar que aponta cada vez mais um país onde pela sua própria laicidade faz com que a liberalidade religiosa avance por todos os recantos deste Brasil, fazendo o multiforme colorido levantar das bandeiras de todas as religiões que se instalam a cada ano por aqui. Nunca antes na história do povo brasileiro houve tanto motivar de agraciamentos pela chamada fé popular e a busca pelo desconhecido, e desde a reforma protestante o Brasil ficou numa incubadora, celebrando o único arquétipo da religião mais popular do país que é o catolicismo, e que embora tenha uma tênue e visível queda, desde os anos noventa, mais precisamente após o ano dois mil, não foram poucos os f ieis que a referida religião perdeu nestes tempos. Veremos abaixo uma linha ascendente de escala em que pode-se notar e visualizar como o Brasil de hoje está mais evangélico do que os idos de anos anteriores aos de hum mil novecentos e oitenta. Veja, e constate essa realidade que todas as probabilidades confirmam que não haverá mais volta e os prognósticos são arrebatadores para o futuro religioso do Brasil. Conforme podemos verificar na figura abaixo, fica evidenciado de maneira expres siva o maciço crescimento de uma parcela da sociedade que está cada vez mais se dedicando e interessando-se por outros seguimentos da religiosidade e novas fontes de descobrimento das diversificadas e inúmeras miscigenação do conceito religioso, e que de forma tão marcante o Brasil sempre foi expressivo e manifestante neste quesito. Figura 1 Fonte: Site da Web, visualizado no endereço: http://www.portaldoholanda.com.br/artigo/evang-licos-crescem-ainda-mais-e 2012#.U4UAAaJp1Fo
  4. 4. 4 A CISMA DO ÓPIO DA RELIGIÃO Por outro lado os que defendem a cisma de que a religião seria o ópio do povo, parecem lutar c ontra um contingente que não terá volta, que é o de acreditar -se em Deus, como um ser que seria instrumento criador de todas as coisas e que o homem passa somente a interagir nessas coisas criadas como meio de transformador delas. O homem é sem dúvida de fato comprovadamente um ser que tem sua composição no mínimo dual (dualista) arquitetado e constituído de corpo e alma. Porque a parte física que lhe é inerente não precisa de muitas provas, já que a própria matéria é absolutamente visível, mas, a parte toc ante de seu interior que seria a alma também não poder -se-ia negar, pois, a matéria física humana de que este é composto necessita de habilidades extra físico pra haver o chamado pensamento, de onde viria toda a programação para que essa matéria funcione. Já nos escritos bíblicos os homens são essencialmente constituídos de tr ês partes, sendo (trino), como podemos ler e confirmar nas Escrituras: “E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (BÍBLIA, N.T. 1º Tessalonicenses 05.23) . Portanto, a simples razão humana em acreditar separadamente e aquém da fé por meio da religião, sempre ficará de muletas, pois, que nega a existência da terceira parte fundamental da constituição do homem, que é o seu espírito, e nisso deixa de acelerar uma maior compreensão sobre a vida do homem na terra, e de como veio parar aqui e para onde irá. Não se pode desacreditar piamente na religião da fé por pura e simplesmente implicância oportuna da racionalidade e do crescimento tecnológico como únicas fontes que discorreram para o homem do futuro. Se as sociedades persistirem os duelos ficarão i mplacáveis, mas, há de se saber que, desde os mais remotos tempos a religião sempre ocupou o seu lugar em todas as camadas sociais e ao olharmos para o futuro com um mínimo de olhar critico, perceberemos que não será simples do esvaziamento da religião e da fé pelos povos, de maneira que não se conhece nenhum povo ou grupo de pessoas que não exerceram suas fé e religiosidade. No entanto, é visível o constatar de que , até mesmo entre as pessoas que se dizem ateus o exercício da fé religiosa, de maneira que estas mesmas acreditam em alguma coisa para se sentirem seguras e para em seus futuro terem onde se firmar, muito embora isso fique muito camuflado e enrustido muitas vezes e guardado a seis chaves pela pessoa
  5. 5. 5 que se diz ateu, estas mesmas deixam transparecer-se em algum momento como sendo religiosas de alguma forma . O homem tem a razão a seu favor, mas, certamente que esse atributo primeiro e inerente aos homens é o principal fator de liberdade inteligente que o faz um ser que pode escolher, isto é, tem o livre arbítrio, e pode decidir sobre sua vida e o seu caminhar de uma ou de outra maneira que decidir. Capacidade essa que aos animais está vedada. Não há como negar que a religião da fé por sua vez, faz do homem um ser que pode pensar mais avante a seu tempo do que os que não exercem tal feito. Pois, a negação de um fator existente faz a anulação da busca do conhecimento por este fato negado, de maneira que fica uma lacuna não resolvida no inconsciente coletivo dos que negam -se a aceitação da religião, e que, por não haver tal disposição aceitável, fica destituída a busca da investigação daquilo em que não se admite, e o conhecimento fica encaixotado nas mentes indispostas dos que assim procedem e de maneira nenhuma pode fluir e vir à tona para especulação se de fato é palpável e verdadeiro o que outros professam ou não. Houve um tempo em que na idade média a própria religião tomando parte e proporções gigantescas não admitia a relevância da dúvida e da crítica por parte dos grupos sociais e que todos deviam acreditar no que esta estava oferecendo, formando assim o oposto do que se está vivenciando hoje em nossos dias, pois, se por um lado do tempo passado a religião parecia ser o ópio do povo até porque era exigido a crença sem especulações, hoje a própria religiosidade entendeu que para ser aceito deve ser liberal e deixar as pessoas exercerem os seus atributos elementares e mais excelentes que é a livre expressão e a liberdade religiosa. O estado de direitos e devere s deve garantir a sobrexcelência da escolha religiosa sobre o forte argumento de que o homem é um ser livre, criado para um determinado fim que este mesmo fará acontecer em sua própria existência, tanto se for merecedor de um inferno preocupante ou de um céu promissor, e que, nas duas esferas da razoabilidade da mente e do coração humano se pairam dúvidas da existência de ambos. Mas, como já se diz o ditado popular: “Na dúvida entre dois, escolha um”. Porém, esta escolha por mais que pareça simples, finalista e determinantemente fatídica, ela deve envolver uma busca liderada e deliberada pelo desejo de auto conhecer o desconhecido, para não ser tragado por ele . Homens em todas as sociedades sempre buscaram saber e entender as três maiores pergunta s filosóficas de todos os tempos, que são: De onde vim, para onde vou e o que estou fazendo aqui?. As respostas são múltiplas, e em cada uma delas, dependendo da posição do duvidoso, há respostas plausíveis e que poder -se-ia dizer que é de
  6. 6. 6 conformidade com a Verdade. Agora, fica -nos outra dúvida e a pergunta é outra, e pode ser que se resolvido e encontrado a resposta a esta pergunta, as outras seriam respondidas sequencialmente e naturalmente, e seria efetuado a pergunta dessa maneira: O que é a Verdade”. Essa pergunta tem intrigado profissionais de todos as épocas e de diversas categorias, mas, as respostas parece ser e estar concentrado no próprio „eu‟ pessoal de se dispor a compreender, entender e saber legitimamente a resposta à essa pergunta intrigante e que pode estar na ciência para uns, na filosofia para outros, na religião para os demais e ainda para tantos outros podem estar em outras fontes infindáveis de buscas. Mas, a pergunta não cala e ecoa pelos tempos desde os primórdios do aparecimento do homem na terra até nossos dias e perdurará certamente até os confins seculares, até que ela se manifeste como é verdadeiramente. E, pode -se ter a absolutíssima certeza de que haverá resposta, e os homens devem prosseguir suas buscas porque a sua própria con sciência o leva a isso incansavelmente pelos séculos. CONCLUSÃO Fica categoricamente claro que aos homens a permanente busca pelo desconhecido e a sua parte religiosa sempre lhe foi inerente e este exercerá para sempre, ou pelo menos até que o mundo exista o constante desejo de saber as causas de sua existência e a sua finalidade na terra, e a religião é o elo mais a ssertivo de que se dispõe para continuar esse grande dilema humano de todos os tempos, para saber as suas raízes e destinos que lhe parecem incertos, mas, independentemente de que lado você esteja saiba certamente que do “pó viestes e ao pó voltarás”, conforme é pronunciado como provérbio popular mas que tem raiz e fundamento bíblico e religioso e nesse ínterim, ninguém pode negar. Que estejamos preparados para o tempo porvir e para a manifestação dos pensamentos de todos, como sendo parte de um sistema global humanizado em que estamos envolvidos e dependemos u ns dos outros na busca das respostas, e se alcançaremos ou não, isso dependerá da disposição de buscá-la e isso até encontra -la acertadamente para aquilo que possa nos satisfazer essa mesma busca de respostas que nossa razão não nos deixa aquietar -se até que sejam respondias a contento eficaz para cada um de nós.
  7. 7. 7 REFERÊNCIAS https://pt.wikipedia.org http://pt.slideshare.net/kularocha/paradoxos- da-condio- humana-em-pascal-misria-e-grandeza-humana http://www.ebooksbrasil.org/eLibris/pascal.html http://www.bibliaon.com

×