Primeiros socorros para conselheiros

320 visualizações

Publicada em

Primeiros socorros para conselheiros

Publicada em: Direito
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
320
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Primeiros socorros para conselheiros

  1. 1. Clube de Desbravadores _________________ Apostila para curso de socorrismo para conselheiros do clube. Instrutor: ___________________ Avaliação do acidente. Antes de qualquer ação da prestação de socorro, o socorrista, principalmente se for amador, devera seguir um atendimento a vitima que compreende de: C - Checar C - Chamar C - Cuidar C - Checar Consiste em verificar se o local é seguro para o socorrista e a situação em que a vitima se encontra.É bom sempre tentar relacionar a vitima e o local do acidente. Também é importante colher informações de testemunhas (“sapinhos”). C - Chamar O socorrista não deve perder tempo, ele deve imediatamente chamar o resgate. O numero é 193 ou 192 da SAMU. Não tem necessidade de chamar os dois. C - Cuidar Agora sua participação será fundamental, pois você estará cuidando do paciente até a chegada do socorro. Avaliação inicial Essa avaliação consiste em verificar que tipo de problema sofreu a vitima, se for problema clinico (problema de saúde) ou trauma (provocado por acidente). Em caso de trauma, deverá realizar o exame físico: 1) Verificar o nível de consciência Perguntar para a vitima se esta tudo bem. Se a vitima estiver consciente, se apresente e pergunte para a vitima o que ela sente. 2) Abrir vias aéreas Levando em consideração a suspeita de trauma de coluna, devera realizar a tríplice manobra. 3) Respiração Ver, ouvir e sentir os movimentos respiratórios. Caso a vitima não respire, efetue 2 insuflações 4) Circulação Verificação de pulso em grandes artérias com o controle de hemorragia. 5) Exame da cabeça aos pés. Exame rápido a fim de verificar os problemas mais graves que a vítima pode ter. Também o monitoramento dos sinais vitais Prioridades de atendimento Grandes hemorragias, PCR, PR, OR, trauma no crânio, hemorragia, trauma de coluna, fraturas, estado de choque.
  2. 2. Sinais vitais Temperatura Respiração Pulso Pressão Arterial Média 36ºC Adulto 10 a 20 MRPM Adulto 60 a 100 BPM P.A. sistólica: pressão máxima 110 a 140 mmHg. Estado febril 37º Criança 20 a 30 MRPM Criança 100 a 120 BPM P.A. diastólica: pressão mínima 60 a 90 mmHg. Febre 38,0 a 38,9ºC Latente 30 a 40 MRPM Latente 120 140 BPM Pirexia 39ºC Obstrução respiratória Vitima consciente engasgada • Pergunte se a vitima: “você pode falar?”. • Se não puder, aplique a manobra de Heimlish. • Em gestante e obesos, as compressões no osso Esterno. • Repita os passos até o socorro chegar ou até a retirado9 do corpo estranho. Vitima inconsciente engasgada • Verifique o nível de consciência. • No caso de inconsciência, abra as vias aéreas e verifique a respiração. • Efetue duas insuflações • Se o tórax não elevar, repita operação. • Se o ar não passar, deixe a vitima deitada em uma superfície plana e em cima dela aplique a manobra. • Após a manobra, tente visualizar o corpo estranho para remove-lo. • Se a vitima não respira repita todo o processo até o socorro chegar. Parada respiratória • Verifique o nível de consciência • Libere as vias aéreas • Respiração – ver, ouvir e sentir. Se ela não respira, efetue 2 insuflações • Verifique a circulação com o controle de grandes hemorragias. Em bebê use o pulso braquial • Se a vitima tem pulso, então ela encontra um quadro de P.R. Faça uma insuflação a cada 5 seg.em criança ou bebê 1 ins. A cada 3 seg., verificando o pulso e respiração a cada 10 ventilações, em criança ou bebê a cada 20 ventilações. Parada Cardiorrespiratória • Verifique o nível de consciência • Vias aéreas • Respiração – ver, ouvir e sentir. • Se a vitima não respira, efetue duas insuflações. • Circulação, com controle de hemorragias. • Se a vitima não tem pulso, ela se encontra no estado de P.C.R. • Aplique a massagem cardíaca com o seguinte sincronismo: o Adulto 2 insul, 15 massagens verificando o pulso a cada 10 ciclos (com 2 socorristas, a cada 04 ciclos). o Bebê 1 insul. Com o ar das bochechas, 5 massagens 10 ciclos. Fraturas É uma ruptura total ou parcial da estrutura óssea (solução de continuidade no osso). Tipos: - Completa – (quebra de osso) - Incompleta – (quando ocorre fissura)
  3. 3. - Aberta – (provoca ferida na pele) - Fechada – (não há perfuração na pele). Conduta: - Verifique o VRC - Ministre 02 - Nas fraturas alinhadas, imobilize com tala rígida ou inflável. - Nos deslocamentos, em fraturas expostas e fraturas em articulações imobiliza na posição encontrada com tala rígida. - Use bandagens para imobilizar fraturas ou luxações na clavícula, escápula e cabeça do úmero. - Após a imobilização, continue checando o pulso e perfusão capilar. - Não tente colocar o osso no lugar!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Conduta em fratura Exposta: - Controle a hemorragia - Não tente colocar o osso exposto no interior da ferida - Não limpe ou passe qualquer produto na ponta do osso exposto - Proteja o ferimento com gaze, ou atadura limpa. - Imobiliza com tala rígida - Previna o agravamento de contaminação - Procure socorro adequado Animais peçonhentos São acidentes causados por ofídios, escorpiões, aranhas, vespas, abelhas e alguns seres marinhos; cujo o veiculo de introdução no corpo humano, se faz através de presas, ferrões, etc. Se você deparar com um acidente provocado por animal peçonhento, lembre-se quem dificilmente ele será fatal, imediatamente ou poucos minutos após o acidente. Geralmente se dá por falta de tratamento sorológico. Portanto mantenha a calma e aja a tempo e aja da seguinte forma: • Procure identificar e capturar o animal agressor, se possível: não gaste muito tempo com isso. • Se não conseguir identificar, trate como se fosse um animal venenoso. Procedimento: • VRC, avaliação e tratamento. • Procure identificar e capturar o agressor • Avalie os sinais vitais • Limpe o local com água e sabão • Ministre o O2 • Mantenha o paciente deitado • Transporte rápido. • Previne ou trate o choque • Faça um circulo em volta do local da picada com uma caneta para marca o local da inoculação do veneno Afogamento Seqüência dos eventos no afogamento Min. Situação 0 Imersão total e pânico 1 Luta contra asfixia 2 Espasmo da glote 3 Deglutição da água 4 Vômitos
  4. 4. 5 Perda da consciência 8 Convulsões 9 Parada respiratória + + + Já era Etapas do salvamento 1- Pesquisa o local a procura de galhos, gancho, cordas. 2- Salvamento (judô aquático). 3- Técnicas de primeiros socorros: OB ou PCR. Queimadura Lesão no tecido de revestimento do corpo, causado por agentes térmicos, químicos ou elétricos. Podendo causar destruição total ou parcial da pele e seus anexos, e atingir camadas mais profundas (músculos, tendões e ossos). 1º Grau atinge a epiderme Dor e vermelhidão no local Sem bolhas 2º Grau Epiderme mais a derme Dor e vermelhidão mais intensa Formação de bolhas. 3º Grau Todas as camadas da pele também gorduras, músculos. Ausência de dor Área escurecida ou esbranquiçada. A gravidade de a queimadura estar relacionada com a sua extensão. Grandes queimaduras – acima de 10% do corpo Queimaduras térmicas: - Apagar o fogo com cobertor ou rolando a vitima - Retirar a roupa da vitima de menos a parte queimada ou aderida no corpo - Estabelecer a profundidade e a gravidade da queimadura - Em caso de 1º grau, lavar com água fria - Não passar nada no local, não furar bolhas e cuidado com as infecções. - Cobrir o local com o plástico estéril ou papel alumínio. - Quando nos olhos, cobrir com gaze embebida em soro. Queimaduras químicas: - Lavar o local por 15 min. sem pressão ou fricção - Evitar o estado de choque Queimadura elétrica: - Desligue a fonte de energia e afaste a vitima da fonte - Verifique os sinais vitais e inicie a manobras de reanimação se necessário - Trate das queimaduras, na fonte de entrada e saída da corrente elétrica. - Mande para o hospital Hemorragia Perda aguda de sangue circulante. Ferida: é o resultado da agressão sofrida pelas partes moles, produzindo uma lesão tecidual. Procedimento: - Nunca toque na ferida - Não aplique medicamento ou qualquer produto no ferimento - Não retire o objeto empalado
  5. 5. - Proteger com gases ou pano limpo, fixando com bandagem, sem apertar o ferimento. - Fazer compressão não local suficiente para cessar o sangramento - Se for em membros, elevar o membro ferido. - Caso não haja controle no ferimento, pressione os pontos arteriais. - Torniquete devera ser usado em ultimo caso, com o uso de esfignomanômetro. - Procurar o socorro adequado. Procedimento em caso de hemorragia interna: - Mantenha as vias aéreas liberadas - Mantenha a vitima deitada - Em caso de fratura, use tala inflável. - Transporte na posição de choque - Administre o 02 - Não de nada de beber para a vitima - Procure por socorro adequado. Estado de choque Falência hemodinâmica Classificação: a) Hipovolêmico: - hemorragia - Queimaduras graves - Diarréia, vômitos (desidratação). b) Cardiogenico: - Infarto - Arritmia cardíaca c) Séptico: - Infecções graves d) Anafilático: - Reação de hipersensibilidade a medicamentos, alimentos. e) Neurogenico: - Lesão da medula espinhal - Dores intensas Como reconhecer o estado de choque: - Pele pálida, úmida e fria. - Pulso fraco e rápido - P. A. Sistólica baixa - Perfusão capilar periférica lenta ou nula - Tontura ou desmaio - Respiração curta e rápida - Sede, tremor e agitação. - Rosto e peito coçando, vermelho, edemaciado (anafilático). Conduta: - Posicione a vitima deitada com as pernas elevadas - Afrouxe suas roupas - Mantenha a vitima aquecida - Ministre o O2 - Choque anafilático, transporte a vitima para o hospital. Emergência Clínica
  6. 6. 1) I.A.M Obstrução de uma artéria do músculo cardíaco. Sinais e Sitomas: - Dor súbita prolongada na região do peito - Mal estar Conduta: - Repouso - Monitorar os sinais vitais - Afrouxar as vestes - RCP se necessário - Ministre o 02 2) desmaio Perda da consciência Conduta: - Afastar a vitima no local agressor - Monitorar os sinais vitais - Cabeça mais baixa que o corpo - Transporte para o hospital 6) Derrame Interrupção do fluxo sanguíneo a determinada área do SNC Sinais e sintomas: - Tontura - Dor de cabeça - Paralisia unilateral - Às vezes sangramentos Conduta: - Monitorar os sinais vitais - Posição de coma para paciente - Procure o recurso medico 7) Convulsão Abalos musculares de parte ou de todo corpo, decorrente do mal funcionamento do SNC Conduta: - proteger a vítima - Proteger a língua com o pedaço de pano - cabeça colocada de lado. Se em 5 min não passar, transporte para o hospital.
  7. 7. 1) I.A.M Obstrução de uma artéria do músculo cardíaco. Sinais e Sitomas: - Dor súbita prolongada na região do peito - Mal estar Conduta: - Repouso - Monitorar os sinais vitais - Afrouxar as vestes - RCP se necessário - Ministre o 02 2) desmaio Perda da consciência Conduta: - Afastar a vitima no local agressor - Monitorar os sinais vitais - Cabeça mais baixa que o corpo - Transporte para o hospital 6) Derrame Interrupção do fluxo sanguíneo a determinada área do SNC Sinais e sintomas: - Tontura - Dor de cabeça - Paralisia unilateral - Às vezes sangramentos Conduta: - Monitorar os sinais vitais - Posição de coma para paciente - Procure o recurso medico 7) Convulsão Abalos musculares de parte ou de todo corpo, decorrente do mal funcionamento do SNC Conduta: - proteger a vítima - Proteger a língua com o pedaço de pano - cabeça colocada de lado. Se em 5 min não passar, transporte para o hospital.

×