O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

4º Boletim da Copa do Mundo no Brasil

367 visualizações

Publicada em

Boletim da Copa do Mundo no Brasil com base no estudo sobre a Copa.

Realizado por Hugo Hoeschl

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

4º Boletim da Copa do Mundo no Brasil

  1. 1. Hugo César Hoeschl, Post Doc 1 Quarto boletim: Avaliação das quartas de final e projeção para as semifinais. BRASIL X ALEMANHA Times mais buscados no Google nos últimos 7 dias – crescimento do Brasil Fatos ilustrativos. O emparceiramento dos jogos das quartas de final marca alguns fatos curiosos: • Todos os times foram os campeões das suas chaves, e confirmaram o favoritismo teórico nas 8as, passando de fase, gerando 4 encontros de 1°`s colocados. • Uma longa fronteira territorial de integração latina se desenhou com a presença de 1 Doutor em Inteligência Aplicada, Pós-Doutor em Governo Eletrônico. Ex-Presidente da Associação Brasileira de Empresas Estaduais de Processamento de Dados – Abep. Autor de mais de 200 artigos em eventos científicos internacionais.  www.informatik.uni-­‐trier.de/~ley/pers/hd/h/Hoeschl:Hugo_Cesar.html
  2. 2. Copyright by Hugo Cesar Hoeschl, Post Doc - Direitos autorais reservados Página  2       Costa Rica, Colômbia, Brasil e Argentina, praticamente num continuum territorial, separado apenas pelo Panamá (entre Costa Rica e Colômbia). • O primeiro dia desenhou os “confrontos de fronteira”: Brasil X Colômbia, Alemanha X França. Venceram as equipes com maior presença histórica e mais títulos em Copa, respectivamente; • Alemanha, Brasil e França são “pedra, papel e tesoura” nas copas; • Sem “zebras” entre os 4 melhores (Suécia, Croácia, Turquia, Coréia, Bulgária em copas anteriores); • Nosso estudo, realizado no mês de Janeiro, apontou a semi1 Brasil X Alemanha em todos os cenários, acerto de 100% nessa avaliação. Também apontou a Argentina na semi2, em todos os cenários, acerto de 100% nesse ítem, e 75% no total dos semifinalistas [http://institutoi3g.org.br/copai3g/]. Sobre o jogo Brasil X Colômbia. • O Brasil conseguiu estabelecer o jogo de passes no primeiro tempo, e adquiriu a vantagem numérica no placar. O total de posse de bola no primeiro tempo foi de 59% X 41% em favor do Brasil. No total do jogo foram 265 X 253 passes. A Colômbia equilibrou as ações no 2o tempo, e, graças a isso, o total final de posse de bola do jogo foi de 51% X 49%; • A linha de impedimento do Brasil foi um fator chave, ocasionando 3 impedimentos críticos do ataque Colombiano, inclusive o mais importante deles, quando o Brasil tomaria um gol que foi invalidado; • Como era de se esperar, foi um jogo de menos corrida que o anterior (Brasil X Chile), sendo que o Brasil correu 96,5 km, e a Colômbia surpreendeu e correu ainda mais, fechando com a distancia de 98,5 km. No jogo contra o Chile, o Brasil correu 145 km; • A situação de diferença de velocidade entre Neymar e Zapata (sobre a qual alertamos no boletim anterior) aconteceu no início do jogo, no lance que originou o escanteio do qual proveio o primeiro gol do Brasil. Voltou a acontecer aos 39 min do 1o tempo, com lance de perigo a favor do Brasil; • A defesa brasileira conseguiu neutralizar a vantagem de velocidade de Cuadrado sobre David (4 km/h) praticamente durante todo o jogo, mas em dois lances o zagueiro foi vencido em velocidade. No primeiro, aos 11 min do 1o tempo, ocorreu a maior situação de perigo da primeira etapa, exatamente com um arremate de Cuadrado. No segundo tempo, o lance que originou o pênalti contra o Brasil foi exatamente de uma bola lançada em velocidade contra David. O atacante foi o Bacca, que sofreu o penalti; • Dos 4 lances decisivos do jogo, 3 foram baseados nos indicadores apontados no relatório anterior (diferenças de velocidade e linha de impedimento). Hilights das 4as de final. A Colômbia, com 12 pontos (e 12 gols), fica fora da Copa e vê Brasil e Alemanha avançarem dentro da sua chave com 11 pontos. Na outra chave, Argentina e Holanda estão com 13 pontos, sendo que a Holanda tem 12 gols marcados, tornando-se o time com melhor aproveitamento da Copa.
  3. 3. Copyright by Hugo Cesar Hoeschl, Post Doc - Direitos autorais reservados Página  3       A Bégica, com 3 jogadores muito altos (Lukaku 1,90m, Van Boyten 1,96m, Felaini 1,94m) demorou irritantes 80 minutos para configurar o time e utilizar a bola aérea maciçamente, contra uma defesa na qual somente dois jogadores tinham mais de 1,80m (Garay 1,86m e Demichelis 1,84m). Se tivesse olhado atentamente os números poderia ter sido mais contundente durante boa parte do jogo. A partir dessa opção ofensiva concretizou forte ameaça e constante perigo contra a defesa argentina. O time da Costa Rica atuou com uma defesa agressiva, o que aparece pouco no transcurso do jogo. Essa defesa colocou os atacantes holandeses em impedimento 13 vezes durante o jogo, em uma estratégia ousada, arriscada e corajosa. Não foi somente uma “retranca”. BRASIL X ALEMANHA - DADOS HISTÓRICOS • Total de jogos: 21 • Vitórias do Brasil: 12 (39 gols) • Vitórias da Alemanha: 4 (24 gols) • Ultima vitória da Alemanha sobre o Brasil: último jogo, amistoso em Dortmund, 2011, 3X2; • Últimos 10 jogos: 5 vitórias do Brasil, 2 da Alemanha; • Maiores vitórias do Brasil: 4X0 e 4X1, 1999 e 1981; • Em Copas do Mundo: 1 jogo (final de 2002, vitória brasileira 2X0); • Última vitória do Brasil: Nuremberg, 2005, Copa das Confederações, 3X2; ESTATÍSTICAS DENTRO DA COPA • Distância percorrida pela Alemanha: 576,5 km (total) 115,3 km (média); • Distância percorrida pelo Brasil: 533,8 km(total) 106,8 km (média); • FATOR CHAVE 1  Número de passes: 2938 (Ale) X 1816 (Bra); • Média de acerto de passes: 80% (Ale) X 70% (Bra); • Jogador melhor passador (Lahm, 408 passes, 86,6% de precisão); • Venceu jogo com o maior número de passes da Copa (contra a Argélia, 1103); • FATOR CHAVE 2  Média de altura: 1,85m (Ale) X 1,81m (Bra). Mertesacker 1,98, 3o mais alto da Copa, mais alto dentre os que restaram; • FATOR CHAVE 3  Distâncias: Alemanha tem 3 entre os 5 maiores corredores (4 entre os 10). Brasil não tem nenhum. Os 4 melhores da Copa em distância com a bola no pé são do time alemão (5 entre os 10). Brasil não tem nenhum. • Alemanha é o time mais alto e o time melhor passador da Copa, e corre mais do que o Brasil; • Para valorizar a sua altura, pode utilizar tiros de meta, como a URSS fez contra o Brasil na final Olímpica de 1988; • Brasil aparece liderando um ranking polêmico: 96 faltas (1o lugar), 10 cartões amarelos (1o lugar). Contra a Colômbia fez 31 faltas (Espanha fez 28 em toda a Copa); • Velocidade máxima: Alemanha tem dois jogadores com máximas acima de 32 km/h, e uma situação de perigo, Oezil (32km/h) correndo contra David (27,5 km/h),
  4. 4. Copyright by Hugo Cesar Hoeschl, Post Doc - Direitos autorais reservados Página  4       semelhante ao jogo anterior, permite uma vantagem de aproximadamente 3 metros em um pique de 3 segundos, necessária uma cobertura cuidadosa. Novamente a linha de impedimento vai ser fundamental, principalmente pelas jogadas aéreas; • Alemanha fez um jogo na Copa de 1990 no qual fez 30 levantamentos na área adversária (Emirados Árabes, 1 a cada 3 minutos). Sorte brasileira. Brasil vem demonstrando uma verdadeira “sorte de campeão”. • Teve início em janeiro, com a contusão do Falcão Garcia, que fez a Colômbia jogar sem um homem de área perigoso; • Gol contra no jogo inicial, num momento no qual foi possível a recuperação; • Pênalti para fora e venceu mesmo assim (Chile); • A grande zebra Costa Rica tirou a Itália e a Inglaterra do caminho do Brasil; • A desandada da Espanha facilitou o caminho do Brasil (seria Holanda ou Espanha nas 8as); • Para ter sorte precisa treinar (Michael Jordan). A linha de impedimento contra Colômbia mostrou que isso foi muito treinado pelo Brasil. • Nas 8as e 4as vem dando a lógica. Sempre que der a “lógica” o Brasil é o favorecido. Últimos 30 dias Fato extracampo: DataFolha mostra que o índice de aprovação do governo (federal) avançou um ponto a cada jogo do Brasil (1a fase).

×