QUATRO POEMAS 
Obra: Entrepoemas 
Autor: J. Alberto de Oliveira 
Voz: Filipa Leal 
Automático & Sonoro
A FLOR DO LUME 
No ângulo mais firme 
da casa 
a flor do lume nasce. 
Esplende o lírico 
manancial 
que a alma respira 
e ...
À HORA DE CEIA 
Sobre a mesa ardiam 
os vultos do amor. 
Havia a vela que ardia 
entre o pão 
e os espelhos do crepúsculo....
NOME E FLOR 
Quando as folhas altas em contraluz 
amanheciam do sono para o dia 
eu desci a escada para te dar o nome 
equ...
VISITAÇÃO 
Quando vens com o vento 
eu não sei onde escrever 
as primeiras palavras. 
Antes de o lume 
no vento se acender...
Música: F. Chopin - Prélude Nº 19 Es-dur - por M. Argerich 
Imagens: C. de Oliveira & J. A. de Oliveira 
Edição: www.josea...
Quatro poemas
Quatro poemas
Quatro poemas
Quatro poemas
Quatro poemas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Quatro poemas

351 visualizações

Publicada em

poesia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
351
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Quatro poemas

  1. 1. QUATRO POEMAS Obra: Entrepoemas Autor: J. Alberto de Oliveira Voz: Filipa Leal Automático & Sonoro
  2. 2. A FLOR DO LUME No ângulo mais firme da casa a flor do lume nasce. Esplende o lírico manancial que a alma respira e depura. No ângulo mais firme a frase fica nua. Pronta para ser escrita.
  3. 3. À HORA DE CEIA Sobre a mesa ardiam os vultos do amor. Havia a vela que ardia entre o pão e os espelhos do crepúsculo. Ardiam as lembranças que dizias à hora de ceia e melancolia.
  4. 4. NOME E FLOR Quando as folhas altas em contraluz amanheciam do sono para o dia eu desci a escada para te dar o nome equivalente à flor a haver no jardim. Dei-te primeiro o nome e depois a flor quase a luzir de nudez e penumbra. Com a leveza do ar recebeste a flor apurando-a com o seu próprio fogo. Por um anel de nubilíssimo júbilo ajustemos agora o nome à flor.
  5. 5. VISITAÇÃO Quando vens com o vento eu não sei onde escrever as primeiras palavras. Antes de o lume no vento se acender eu não sei como te deitar na minha mão visitada.
  6. 6. Música: F. Chopin - Prélude Nº 19 Es-dur - por M. Argerich Imagens: C. de Oliveira & J. A. de Oliveira Edição: www.josealbertodeoliveira.blogspot.com

×