Escrita para cegos

256 visualizações

Publicada em

Escrita para cegos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
256
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Escrita para cegos

  1. 1. “O Menino que TrouxeLuz ao Mundo daEscuridão”.“O Menino que TrouxeLuz ao Mundo daEscuridão”.Transição automática.
  2. 2. Um dia, um menino de 3 anos estava na oficina do pai, vendo-o fazer arreios eselas. Quando crescesse, queria ser igual ao pai.Tentando imitá-lo, tomou um instrumento pontudo e começou abater numa tira de couro.O instrumento escapou da pequena mão, atingindo-lhe o olhoesquerdo.A, 1
  3. 3. Logo mais, uma infecção atingiu o olho direito e o menino ficou totalmentecego.Com o passar do tempo, embora se esforçasse para se lembrar, asimagens foram gradualmente desaparecendo e ele não selembrava mais das cores.B, 2
  4. 4. Aprendeu a ajudar o pai na oficina, trazendo ferramentas e peças de couro. Iapara a escola e todos se admiravam da sua memória.De verdade, ele não estava feliz com seus estudos. Queria lerlivros. Escrever cartas, como os seus colegas.C, 3
  5. 5. Um dia, ouviu falar de uma escola para cegos. Aos dez anos, Louis chegou a Paris,levado pelo pai e se matriculou no instituto nacional para crianças cegas.Ali havia livros com letras grandes em relevo. Os estudantessentiam, pelo tato, as formas das letras e aprendiam as palavras efrases.D, 4
  6. 6. Logo o jovem Louis descobriu que era um método limitado. As letraseram muito grandes. Uma história curta enchia muitas páginas.O processo de leitura era muito demorado. A impressão detais volumes era muito cara. Em pouco tempo o menino tinhalido tudo que havia na biblioteca.E, 5
  7. 7. Queria mais. Comoadorava música,tornou-se estudantede piano evioloncelo.O amor à músicaaguçou seu desejo pelaleitura. Queria lertambém notasmusicais.F, 6
  8. 8. Ouviu falar de umcapitão do exército quetinha desenvolvido ummétodo para lermensagens no escuro.Passava noitesacordado, pensandoem como resolver oproblema.G, 7
  9. 9. A escrita noturnaconsistia em conjuntosde pontos e traços emrelevo no papel.Os soldados podiam,correndo os dedos sobreos códigos, ler semprecisar de luz.H, 8
  10. 10. Ora, se os soldadospodiam, os cegostambém podiam,pensou o garoto.Procurou o capitãoBarbier que lhe mostroucomo funcionava ométodo. Fez uma sériede furinhos numa folhade papel, com...I, 9
  11. 11. Noite após noite e diaapós dia, Louistrabalhou no sistema deBarbier, fazendoadaptações eaperfeiçoando-o.Suportou muitaresistência....um furador muitosemelhante ao quecegara o pequeno.J, 0
  12. 12. Os donos do institutotinham gasto umafortuna na impressãodos livros com as letrasem relevo. Não queriamque tudo fosse por águaabaixo.K
  13. 13. Com persistência, LouisBraille foi mostrandoseu método. Osmeninos do instituto seinteressavam.À noite, às escondidas,iam ao seu quarto, paraaprender.Finalmente, aos 20 anosde idade,L
  14. 14. Louis chegou a umalfabeto legível comcombinações variadas deum a seis pontos.O método Brailleestava pronto.O sistema permitiatambém ler e escrevermúsica.M
  15. 15. A idéia acabou porencontrar aceitação.Semanas antes demorrer, no leito dohospital, Louis disse aum amigo:Dois dias depois de completar 43anos, Louis Braille faleceu."Tenho certeza de que minhamissão na Terra terminou."N
  16. 16. Finalmente, foi aceito como ométodo oficial de leitura e escritapara aqueles que não enxergam.Nos anos seguintes à suamorte, o método se espalhoupor vários países.O
  17. 17. Assim, os livros puderam fazerparte da vida dos cegos. Tudograças a um menino imerso emtrevas, que dedicou sua vida afazer luz para enriquecer a sua ea vida de...P
  18. 18. Há quem use suas limitaçõescomo desculpa para não agir nemproduzir........................todos os que seencontram privadosda visão física.Q
  19. 19. No entanto, como tudo deve nostrazer aprendizado, a sabedoriaestá, justamente, em superar aspiores condições e realizar o melhorpara si e para os outros.R
  20. 20. S VTWUX Y Z
  21. 21. Panteão
  22. 22. Autor: Willian J. Bennett - Livro das VirtudesII, Capítulo: "O Menino que Trouxe Luz aoMundo da Escuridão", O Compasso Moral, ed.Nova Fronteira.Formatação:Osmando Porcinoosmpor@gmail.comImagens:Internet – Wikipedia.Música:The End of the Wolrd4 de Janeiro de 1809, em Coupvray, na França.Seu bicentenário de nascimento é comemoradoeste ano.6 de Janeiro de 1852.João Pessoa, Maio, 2009.Louis Braille:

×