“Lições de bichos e coisas”
Rubem Alves
Tenho inveja das plantas e dos animais.
Parecem-me tão tranquilos, possuidores de uma sabedoria
que nós não temos.
Como se...
Sofrem, pois não existe vida sem sofrimento.
Mas sofrem sempre como se deve, quando o sofrimento vem, na
hora certa, e não...
Pois como não chorar, se o destino nos faz sangrar?
Se não choramos é porque o coração está doente, perdeu
a capacidade de...
Os animais sabem sofrer. Nós não.
Somos prisioneiros da ansiedade.
Pois ansiedade é isto:
sofrer fora de hora, por
um golp...
Jesus, sofrendo com a nossa dor
pelos sofrimentos que a
ansiedade coloca no futuro, nos
aconselhou a aprender da
sabedoria...
Sofremos pelo futuro e, por isso, não podemos colher
as modestas mas reais alegrias que o presente nos oferece.
Acho que todo mundo sabe, intuitivamente, que existe uma
loucura na maneira de ser dos homens.
E é por isso que a nostalgi...
Para longe do falatório dos homens,
quando todos falam e ninguém escuta.
De volta para a
natureza, onde nada
se diz e, no ...
Pois só pregam
sermões aqueles que
se julgam portadores
de uma sabedoria que
os outros não têm.
Prega-se para convencer os...
Mas, de que erro convenceremos as plantas e os animais?
Pois são perfeitos em tudo que fazem.
Todos eles se movem harmônic...
Acredito que o santo conversava com os animais, escutava o seu
silêncio, e, se ele falava alguma coisa, era como o aluno q...
Me dirão que plantas e animais
não falam.
Engano.
É verdade que estão
mergulhados no silêncio.
Mas é neste silêncio que
in...
Você tem dificuldade em ouvir a voz das plantas e dos animais?
Pois que leia os poetas, profetas do seu saber sem palavras...
ao camelo que mastiga
sua longa solidão,
o pássaro que procura o
fim do mundo,
o boi que vai com
inocência para a morte.
E...
Com o que concorda Alberto Caeiro,
discípulo dos mesmos mestres:
Sejamos simples e calmos,
Como os regatos e as árvores,
E...
Formatação
Christina Meirelles Neves
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Rubem alves licoes_de_bichos_e_coisas

296 visualizações

Publicada em

BELÍSSIMO PPS DE RUBEM ALVES

Publicada em: Indústria automotiva
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
296
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rubem alves licoes_de_bichos_e_coisas

  1. 1. “Lições de bichos e coisas” Rubem Alves
  2. 2. Tenho inveja das plantas e dos animais. Parecem-me tão tranquilos, possuidores de uma sabedoria que nós não temos. Como se desfrutassem da felicidade do Paraíso.
  3. 3. Sofrem, pois não existe vida sem sofrimento. Mas sofrem sempre como se deve, quando o sofrimento vem, na hora certa, e não por antecipação. Saber sofrer é uma lição difícil de aprender. Se o terrível nos golpeia e não sofremos, algo está errado.
  4. 4. Pois como não chorar, se o destino nos faz sangrar? Se não choramos é porque o coração está doente, perdeu a capacidade de sentir. Mas sofrer fora de hora é doença também, permitir-se ser cortado por golpes que ainda não aconteceram e que só existem como fantasmas da imaginação.
  5. 5. Os animais sabem sofrer. Nós não. Somos prisioneiros da ansiedade. Pois ansiedade é isto: sofrer fora de hora, por um golpe que, por enquanto, só existe no futuro que imaginamos. Talvez os animais sejam sadios de alma e nós, doentes.
  6. 6. Jesus, sofrendo com a nossa dor pelos sofrimentos que a ansiedade coloca no futuro, nos aconselhou a aprender da sabedoria das aves dos céus e dos lírios dos campos, reconciliados com a vida, vivendo as dores e felicidades do presente, e livres dos fantasmas da imaginação ansiosa.
  7. 7. Sofremos pelo futuro e, por isso, não podemos colher as modestas mas reais alegrias que o presente nos oferece.
  8. 8. Acho que todo mundo sabe, intuitivamente, que existe uma loucura na maneira de ser dos homens. E é por isso que a nostalgia por um sítio ou por uma casa na praia aparece como um dos nossos sonhos mais persistentes.
  9. 9. Para longe do falatório dos homens, quando todos falam e ninguém escuta. De volta para a natureza, onde nada se diz e, no silêncio, se ouve uma sabedoria esquecida.
  10. 10. Pois só pregam sermões aqueles que se julgam portadores de uma sabedoria que os outros não têm. Prega-se para convencer os outros a reconhecerem os seus erros. E para que, pela palavra ouvida, eles se tornem melhores. Dizem que São Francisco pregava sermões aos animais. Não acredito.
  11. 11. Mas, de que erro convenceremos as plantas e os animais? Pois são perfeitos em tudo que fazem. Todos eles se movem harmônicos ao som da melodia que toca dentro dos seus corpos.
  12. 12. Acredito que o santo conversava com os animais, escutava o seu silêncio, e, se ele falava alguma coisa, era como o aluno que repete em voz alta aquilo que aprendeu dos seus mestres. Não era o santo que pregava aos animais; eram os animais que lhe ensinavam a sua sabedoria.
  13. 13. Me dirão que plantas e animais não falam. Engano. É verdade que estão mergulhados no silêncio. Mas é neste silêncio que interrompe o vozerio dos homens que uma voz é ouvida, vinda das profundezas do nosso ser. Pois é aí que mora a sabedoria que perdemos.
  14. 14. Você tem dificuldade em ouvir a voz das plantas e dos animais? Pois que leia os poetas, profetas do seu saber sem palavras. A ‘Sugestão’ de felicidade de Cecília Meireles.
  15. 15. ao camelo que mastiga sua longa solidão, o pássaro que procura o fim do mundo, o boi que vai com inocência para a morte. E conclui: “Sede assim qualquer coisa serena, isenta, fiel. Não como os demais homens”. Ela diz que deveríamos ser como a flor que se cumpre sem pergunta, a cigarra, queimando-se em música,
  16. 16. Com o que concorda Alberto Caeiro, discípulo dos mesmos mestres: Sejamos simples e calmos, Como os regatos e as árvores, E Deus amar-nos-á fazendo de nós Belos como as árvores e os regatos, E dar-nos-á verdor na sua primavera, E um rio aonde ir ter quando acabemos!... Rubem Alves
  17. 17. Formatação Christina Meirelles Neves

×