futebol baH

299 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
299
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

futebol baH

  1. 1. Rogério 100NIEm entrevista ao Globoesporte.com, o goleiro são-paulino Rogério Ceni -agora com 100 gols - fala do seu lado artilheiro. Confira também os vídeosPor Marcelo Prado e Zé GonzalezSão PauloPés e mãos: as armas mortais do de quase 40 minutos, o goleiro falousão-paulino Rogério Ceni (Foto: do seu lado artilheiro. Rogério é gratoMarcos Ribolli / Globoesporte.com) incentivaram – principalmente TelêQuando Rogério Ceni bateu a sua Santana, que o fazia chegar mais cedo aos treinos, e Muricy Ramalho, que lhe deu carta branca para bater uma falta numa partida – e até a Ceni exclusivo: quem o proibiu – Mário Sérgio foi o Treinei 15 mil único que não deixou. faltas antes de arriscar a primeira num jogo.primeira falta em um jogo de futebol,em 1997, muita gente pode terachado que o goleiro estava metendoos pés pelas mãos. Hoje, 14 anosdepois e com 100 gols marcados,todos têm certeza que ele é craqueseja com os pés, seja com as mãos.Quando estava perto da marcacentenária, o capitão tricolorconcedeu uma entrevista exclusivaao Globoesporte.com no Centro deTreinamento da Barra Funda, nazona oeste da capital paulista. Numpapo
  2. 2. GLOBOESPORTE.COM: Comosurgiu a vontade de bater falta?ROGÉRIO CENI: Em 1996, o SãoPaulo não fazia gols de falta. Eufalava pro Zetti bater, mas ele nãoqueria. Aí disse pra ele que eu aindairia fazer um gol de falta pelo SãoPaulo ou por outro lugar. E comecei atreinar. Em 97, quando o Muricy(Ramalho) me liberou para tentar ascobranças, fiquei feliz. Achava quenão sairia da fase de treinamentos, e Pés e mãos: as armas mortais do são-ele me possibilitou bater nos jogos. paulino Rogério Ceni (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Quantas cobranças em média você treinava?No início eu batia entre 2.500 e 3 milfaltas por mês nos treinos. Antes da minha primeira cobrança em um jogo chegueia cobrar 15 mil nos treinamentos.Você fez gol de pênalti, de falta, até de bola rolando. Qual o gol que não fez egostaria ter feito?Teve um lance em que a bola passoumuito perto, em um jogo contra o Paysandu, no Brasileiro. Eu chuto, elavai na barreira, volta, e pego de voleio. Ia entrar, mas ela resvala em um adversárioe sai. Seria um gol diferente. Lógico que eu queria ter feito um driblando todomundo, mas nunca vai acontecer. chovendo ou está seco. Depende do vento, se ele contra preciso calcular a força.O que você leva em consideraçãoquando bate uma falta?O principal é à distância da barreira.Se o juiz a mantém na distância certa,dá para saber como arriscar. Onúmero de jogadores nela tambéminfluencia. A cobrança muda se está
  3. 3. Rogério ainda tem contrato com o São Paulo até o fim de 2012 (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.comCostuma estudar o goleiro adversário antes dos jogos?Não estudo tanto, mas se a falta é mais longe, daquelas que eu não bato, eupresto atenção na movimentação do goleiro, se ele sai antes ou não, se toma golsno canto. Há uma porção de fatores que, naqueles dez segundos entre a armaçãoda barreira, o apito do juiz e a batida, você desenvolve de forma automática: vêdistância, vento, altura, posicionamento, gramado, chuva...

×