Successfully reported this slideshow.
Porque é que as moscas comem à nossa mesa?
Esta história passou-se há muito, muito tempo, quando os homens ainda não tinham fogo e viviam nas trevas, comiam carne cr...
Então, o rei do mundo ofereceu um saco cheio de moedas de ouro a quem fosse capaz de roubar um pedaço de fogo ao abismo do...
Era uma grande recompensa. Por isso, homens e animais lançaram-se ao abismo do inferno, mas nenhum regressou. A aranha, se...
Precisou de sete horas para chegar ao fundo, onde apanhou um pedacinho de fogo.  A subida foi mais lenta: durou dez horas.
Pousou o fogo entre duas pedras, esticou as patas e adormeceu. Era tal o cansaço que dormiu toda a noite e nem o Sol a aco...
Uma mosca que passava sentiu o cheiro a fumo e viu o pedaço de fogo entre as pedras. Sem fazer barulho, para não acordar a...
Foi um triunfo! Todos gritaram de alegria:  “ Viva aquela que nos trouxe o fogo!”  “ Temos fogo!”  “ Temos calor!”  “ Viva...
O rei entregou à mosca um documento com selo real, onde dizia que ela e os seus descendentes podiam instalar-se à vontade ...
Já a tarde ia alta quando a aranha acordou. Procurou o fogo, mas ele já não estava lá. O ruído de festa guiou-a até ao pal...
Furiosa, a aranha acusou a mosca de a ter roubado, mas ninguém a quis ouvir. Pois todos tinham visto a mosca chegar ao cas...
Por fim calou-se. Até hoje.  Desde então, porém detesta as moscas e vinga-  -se espalhando por todo o lado finas teias ond...
Ainda hoje é assim, não é?
… Fim… Escola EB1 do Outeiro Arrifana Adaptado do Livro “100 Histórias do Mundo” de Álvaro Magalhães Trabalho inserido no ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aranha

829 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Aranha

  1. 1. Porque é que as moscas comem à nossa mesa?
  2. 2. Esta história passou-se há muito, muito tempo, quando os homens ainda não tinham fogo e viviam nas trevas, comiam carne crua e enrolavam-se nas peles dos animais para se protegerem do frio.
  3. 3. Então, o rei do mundo ofereceu um saco cheio de moedas de ouro a quem fosse capaz de roubar um pedaço de fogo ao abismo do inferno. Muitos tentaram, nenhum conseguiu, e o rei ficou muito desiludido. Decidiu, então, alargar a sua oferta a todas as criaturas vivas, e não apenas aos homens. Mais ainda: aquele que trouxesse o fogo teria também o direito de se sentar e comer na mesa real até ao fim dos tempos.
  4. 4. Era uma grande recompensa. Por isso, homens e animais lançaram-se ao abismo do inferno, mas nenhum regressou. A aranha, sem dizer palavra a ninguém, pôs-se a tecer um fio. Trabalhou três dias e três noites. Depois, prendeu bem a ponta e desceu ao abismo.
  5. 5. Precisou de sete horas para chegar ao fundo, onde apanhou um pedacinho de fogo. A subida foi mais lenta: durou dez horas.
  6. 6. Pousou o fogo entre duas pedras, esticou as patas e adormeceu. Era tal o cansaço que dormiu toda a noite e nem o Sol a acordou. Quando chegou a terra, mal se segurava nas patas. Decidiu, então, descansar um pouco. Ainda a noite ia a meio, não havia pressa.
  7. 7. Uma mosca que passava sentiu o cheiro a fumo e viu o pedaço de fogo entre as pedras. Sem fazer barulho, para não acordar a aranha, levou o fogo com ela e apresentou-se no palácio real.
  8. 8. Foi um triunfo! Todos gritaram de alegria: “ Viva aquela que nos trouxe o fogo!” “ Temos fogo!” “ Temos calor!” “ Viva o rei!”
  9. 9. O rei entregou à mosca um documento com selo real, onde dizia que ela e os seus descendentes podiam instalar-se à vontade na mesa do rei ou noutra qualquer.
  10. 10. Já a tarde ia alta quando a aranha acordou. Procurou o fogo, mas ele já não estava lá. O ruído de festa guiou-a até ao palácio. O rei jantava, satisfeito, como todos os outros. Velas e tochas acesas iluminavam a sala. Sobre a mesa, a mosca regalava-se com a boa comida.
  11. 11. Furiosa, a aranha acusou a mosca de a ter roubado, mas ninguém a quis ouvir. Pois todos tinham visto a mosca chegar ao castelo com o fogo entre as patas… - Fui eu! Fui eu! A mosca roubou-me o fogo! – gritou a aranha até se cansar.
  12. 12. Por fim calou-se. Até hoje. Desde então, porém detesta as moscas e vinga- -se espalhando por todo o lado finas teias onde ela se enreda e encontra a morte. Por sua vez, a mosca continua a gozar o direito de se instalar à mesa das pessoas.
  13. 13. Ainda hoje é assim, não é?
  14. 14. … Fim… Escola EB1 do Outeiro Arrifana Adaptado do Livro “100 Histórias do Mundo” de Álvaro Magalhães Trabalho inserido no Projecto da Fundação Ilídio Pinto

×