A Pobreza e a Caridade
<ul><li>Passa mais uma pessoa por ele. Todas passam muito rápido. O sacerdote não pode esperar. O templo em minutos fechar...
<ul><li>E as pessoas fazem suas preces repetidas, mecânicas, se dirigindo aos Céus e pedindo pelo próximo, que ta do lado,...
<ul><li>E a posição dele no sistema é simples: Ele fica lá fora esperando, e os outros que entram, ajudam com alguns centa...
<ul><li>Os que entram, o que fica. Os que pedem e doam, e o que recebe. O fluxo contínuo de pedidos e recebimentos, que gi...
<ul><li>E a vida vai continuando. O mendigo, a esmola da caridade, as pessoas que voam para longe para não sentir o cheiro...
<ul><li>E tudo depois desse ato &quot;sobre-humano&quot; volta ao normal. As pessoas vivem mais uma semana de vida-normal,...
<ul><li>Ele continua lá, sentado, esperando novamente o domingo chegar. A vida dele nunca muda.  Por que será?   </li></ul>
<ul><li>EDITADO </li></ul><ul><li>POR </li></ul><ul><li>LEANDRO RAMOS </li></ul>
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A pobreza e a caridade

611 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
611
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A pobreza e a caridade

  1. 1. A Pobreza e a Caridade
  2. 2. <ul><li>Passa mais uma pessoa por ele. Todas passam muito rápido. O sacerdote não pode esperar. O templo em minutos fechará suas portas. É necessário cumprir a missão. Ir a missa, rezar, pedir pelos pobres necessitados, e na hora de ir embora, ser um cidadão caridoso dando a esmola o mais rápido que pudermos. Ele está faminto, precisamos ajudá-lo. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>E as pessoas fazem suas preces repetidas, mecânicas, se dirigindo aos Céus e pedindo pelo próximo, que ta do lado, que ta lá fora, que ta em qualquer lugar. Todos pedem. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>E a posição dele no sistema é simples: Ele fica lá fora esperando, e os outros que entram, ajudam com alguns centavos, e de quebra, fazem as orações pedindo para que a pobreza no mundo acabe, para que o mendigo da porta do templo deixe logo de ser mendigo. Coitado, ele deve sofrer. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Os que entram, o que fica. Os que pedem e doam, e o que recebe. O fluxo contínuo de pedidos e recebimentos, que gira como louco seguindo a hipocrisia da vida cotidiana. O &quot;pedidor&quot; de esmola, o &quot;mendigador&quot; de atenção, o pobre homem que nunca entra no templo, mas recebe toda sorte de oferendas que vem de lá de dentro, por mais que isso tudo nunca vá fazer ele sair do lugar, por mais que tudo isso que ele recebe em centavos e orações nunca vá o transformar em um ser humano de verdade. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>E a vida vai continuando. O mendigo, a esmola da caridade, as pessoas que voam para longe para não sentir o cheiro forte e acre, e a certeza de que enquanto mais elas se apressarem em dar a esmola, mais rápido estarão livres da sensação de culpa, do mendigo, e dos seus defeitos. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>E tudo depois desse ato &quot;sobre-humano&quot; volta ao normal. As pessoas vivem mais uma semana de vida-normal, vivem mais uma semana livres da culpa. Tudo volta ao normal pra todo mundo, menos pra ele. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Ele continua lá, sentado, esperando novamente o domingo chegar. A vida dele nunca muda. Por que será? </li></ul>
  9. 9. <ul><li>EDITADO </li></ul><ul><li>POR </li></ul><ul><li>LEANDRO RAMOS </li></ul>

×