Nos que nascemos antes de 1945 iz n

196 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
196
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nos que nascemos antes de 1945 iz n

  1. 1. 1 NÓS QUE NASCEMOS ANTES DE 1945 CRÔNICA DE AUTORIA DE HENRIQUE NIGRI
  2. 2. 2 COMO VIVÍAMOS ANTES DE 1945? Eis uma pergunta interessante Muitos jovens ao ouvirem esta crônica vão argumentar: “Ora, vim da mesma maneira que viveram nossos antepassados” Tudo bem, o raciocínio está certo. Entretanto vejamos como era a existência antes dos inúmeros eventos que surgiram nestes 50 anos e sem as mordomias científicas de hoje.
  3. 3. 3 Nós nascemos antes da televisão, antes da penicilina, da vacina Sabin, da comida congelada, da fralda descartável, do Xerox, do plástico, das lentes de contato e da pílula.
  4. 4. 4 Nós nascemos antes do radar, do cartão de crédito, fissão de átomos, raio lazer e canetas esferográficas. Antes da máquina de lavar pratos, cobertores elétricos e ar condicionado
  5. 5. 5 Nós nascemos antes dos direitos humanos, da mulher que trabalha fora de casa, da terapia de grupo, dos SPAS e dos Flats. Nós nunca tínhamos ouvido falar em vídeo cassete, computadores, vídeo games, “danoninhos” e rapazes de brinco.
  6. 6. 6 Nós nascemos antes dos antibióticos, dos transplantes de coração e do Viagra. Todavia, mesmo sem este remédio a população decuplicou.
  7. 7. 7 Era uma época de famílias numerosas, oito a doze filhos... As moradas só possuíam um banheiro e é fácil de imaginar a fila de espera pela manhã.
  8. 8. 8 Nos casávamos primeiro e só depois morávamos juntos. O casamento não era descartável. Os casais viviam junto durante muitos anos e acreditem, com os mesmos parceiros! Gente estranha, não?
  9. 9. 9 Sexo era tabu. Motel? Se tornaria apelido pejorativo de Hotel. Éramos tão inocentes que acreditávamos na existência de Papai Noel... e que a cegonha era mãe de todos os bebês. Nos nossos dias fumava-se cigarros livremente. Erva era usada para fazer chá, coca era refrigerante, pó era sujeira, Bikini era uma ilha do Pacífico e sacanagem era palavrão.
  10. 10. 10 Embalo era como se fazia as crianças dormir, Lambada era chicotada. Fio dental servia para higiene bucal e malhar era coisa de ferreiro.
  11. 11. 11 Nós fomos a última geração tão boba, a ponto de que se precisava de um marido para ter um bebê. Além disto éramos tão ingênuos que cedíamos lugar para uma senhora sentar na condução e pagávamos a despesa quando saíamos com a namorada. Não encontrei no Google nenhuma imagem cavalheiresca Esta também foi raridade Achei só três!
  12. 12. 12 A geração de hoje, talvez olhe para nós com cara de espanto, tentando saber como sobrevivíamos com tão poucos recursos e manias estranhas e esquisitas... Bem, nós nos contentávamos com o que tínhamos. Tínhamos o bonde e as praias despoluídas. Quando não era possível ir à Miami, fazíamos passeios à Ilha de Paquetá e Petrópolis.
  13. 13. 13 Tínhamos as brincadeiras de rua, os bailes de formatura, as novelas da Rádio Nacional, Morávamos em casa com terreno e árvores frutíferas... Havia o Carnaval de rua com blocos, pastorinhas e carros alegóricos...
  14. 14. 14 Curtíamos o delicioso namoro no portão, com todo respeito. E as favelas eram apenas temas de belas músicas.
  15. 15. 15 Também fazíamos passeios ao Joá, quando a Barra era então um grande areal. Existiam muitos terrenos baldios, onde a garotada se divertia e jogava pelada. E o mais importante, andávamos pelas ruas sem medo de assalto ou seqüestro.
  16. 16. 16 Parece muito pouco, quase nada comparado com a trepidante época atual. Mas éramos felizes, inocentes, românticos e sem a terrível competição de hoje.
  17. 17. 17 Não é de espantar que estejamos hoje confusos e haja tamanha lacuna entre as gerações. Mas nós vivíamos! Sim, nós vivíamos e continuaremos a viver, apesar das próximas invenções. Tchê Souto

×